SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Ensaio e Modelação de
Comportamento Térmico de
Betões de Elevado
Desempenho nas Primeiras
Idades
Autor: Luís Miguel Ribeiro da Silva Fonseca Oliveira
Orientador: Doutor João Filipe Meneses Espinheira Rio
Co-Orientador: Professor Doutor Rui Manuel Carvalho Marques Faria
Porto, 22 de Julho de 2014
Mestrado Integrado em Engenharia Civil – Especialização em Estruturas
1
Sumário
Objetivos
Objetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Compreensão do comportamento térmico de
pastas e argamassas de elevado desempenho;
• Calibração de modelos numéricos;
• Controlo de qualidade de pastas e argamassas;
• Desenvolvimento de um novo molde
instrumentado.
2
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Primeiras Idades e Libertação de Calor
Processo de Hidratação do Cimento:
• Advém da reação química da água com o cimento;
• Carácter Exotérmico;
• Gera expansão volumétrica seguida de uma
contração podendo provocar fissuração;
• Divide-se em três períodos.
3
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Períodos de Libertação de Calor:
(Maekawa, K. [et al.], 1999)
(Azenha, M.Â.D., 2004)
Primeiras Idades e Libertação de Calor
4
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
(Azenha, M.Â.D., 2004)
Mecanismos de transferência de Calor:
• Condução
• Convecção
• Radiação
Primeiras Idades e Libertação de Calor
5
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Primeiras Idades e Libertação de Calor
6
Principais fórmulas utilizadas:
𝑘 𝑐 =
𝑤𝑐𝑒𝑚 𝑘 𝑐𝑒𝑚 + 𝑊𝑠𝑎𝑛𝑑 + 𝑊𝑔𝑟𝑎𝑣 𝑘 𝑎𝑔𝑔 + 𝑊𝑤 𝑘 𝑤
𝜌𝑐
𝑐 𝑐 =
𝑤𝑐𝑒𝑚 𝑐 𝑐𝑒𝑚 + 𝑊𝑠𝑎𝑛𝑑 + 𝑊𝑔𝑟𝑎𝑣 𝑐 𝑎𝑔𝑔 + 𝑊𝑤 𝑘 𝑤 − 𝑐 𝑏𝑖𝑛𝑑𝑊 𝑤𝑐𝑒𝑚 𝛼𝑐 𝑤
𝜌𝑐
ℎ 𝑐𝑟 = ℎ 𝑐 + ℎ 𝑟
ℎ 𝑐 =
5.6 + 3.95 𝑣
7.6 𝑣0.78
𝑠𝑒 𝑣 ≤ 5 𝑚/𝑠
𝑠𝑒 𝑣 > 5 𝑚/𝑠
ℎ 𝑒𝑞 =
1
ℎ1 𝐴
+
𝑖
𝑛
𝐿𝑖
𝑘𝑖 𝐴
−1
𝑔 𝑇 = 𝐴 𝑇 𝑒
−𝐸 𝑎
𝑅𝑇
𝑄 = 𝑓 𝛼 𝑇 𝐴 𝑇 𝑒
−𝐸 𝑎
𝑅𝑇
𝑓 𝛼 𝑇 =
𝑄
𝑄 𝑚á𝑥
𝛼 𝑇 =
𝑄(𝑡
𝑄𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙
, 0 a 1
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
(Ferreira, D.C.S., 2009)
Hidratação do Cimento:
Primeiras Idades e Libertação de Calor
7
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
(Ferreira, D.C.S., 2009)
Hidratação do Cimento:
Primeiras Idades e Libertação de Calor
8
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Molde Instrumentado
9
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Definição da Malha de Elementos Finitos:
Modelação Numérica
10
 Série S1 – Molde com tampa
 Série S2 – Molde sem tampa
 Série S3 – Molde sem malhas metálicas
 Série S4 – Molde com tampa e com isolamento
 Série S5 – Apenas base (temperatura ambiente)
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Caracterização Térmica do Molde
11
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
16
21
26
31
36
0 5 10 15 20 25
Temperatura-°C
Idade - Horas
S1 S2 S3 S4 S5
15
20
25
30
35
0 1 2 3 4 5 6 7 8
Temperatura-°C
Idade - Horas
S1 S2 S3 S4
Caracterização Térmica do Molde
12
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
17
22
27
32
37
0 5 10 15 20 25
Temperatura-°C
Idade - Horas
DIANA Medido
y = -1,979x + 32,379
y = -1,952x + 33,679
18
20
22
24
26
28
30
32
34
0 1 2 3 4 5 6 7
Temperatura-°C
Idade - Horas
Calibração da Convecção
13
Sumário A/C = 0,3 A/C = 0,4 A/C = 0,5 A/C = 0,6
Volume 1,5 lt 1,5 lt 1,5 lt 1,5 lt
Cimento 1,638 kg 1,127 kg 0,922 kg 0,827 kg
Filer Calcário 0,737 kg 1,176 kg 1,352 kg 1,434 kg
Superplastificante 0,031 kg 0,031 kg 0,031 kg 0,031 kg
Água 1 (81% Água Total) 0,537 kg 0,537 kg 0,537 kg 0,537 kg
Água 2 (19% Água Total) 0,134 kg 0,134 kg 0,134 kg 0,134 kg
Estabilizador 0,000 kg 0,000 kg 0,005 kg 0,005 kg
Razão de Água Cimento
14
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
18
23
28
33
38
43
48
0 10 20 30 40 50 60
Temperatura(ºC)
Idade - Horas
A/C 0.6 A/C 0.5 A/C 0.4 A/C 0.3 AMB
Razão de Água Cimento
15
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
0
2
4
6
8
10
12
14
0 10 20 30 40 50 60
Resistividade(Ωm)
Idade
A/C 0,6 A/C 0.5 A/C 0.4 A/C 0.3
Razão de Água Cimento
16
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
0
500
1000
1500
2000
2500
3000
3500
4000
0 10 20 30 40 50 60
Velocidade-m.s̄¹
Idade - Horas
A/C 0.3 A/C 0,4 A/C 0.5 A/C 0,6
Razão de Água Cimento
17
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
y = -43.39x + 55.183
R² = 0.9634
0
10
20
30
40
50
0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7
Temperatura-°C
Razão de Água Cimento
y = -26511x + 83544
R² = 0.9598
6.6E+04
6.8E+04
7.0E+04
7.2E+04
7.4E+04
7.6E+04
7.8E+04
0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7
Integral-°C.Min
Razão de Água Cimento
Razão de Água Cimento
18
Sumário
• Convecção de cálculo 3,75:
18
28
38
48
58
68
0 10 20 30 40 50
Tempertaura-ºC
Idade - Horas
Medido CA CB
Tméd (DIANA) 59,7
Tmáx (Molde) 43,18
Variação 38%
Modelação Numérica
19
Sumário
• Convecção de cálculo 6,2:
18
23
28
33
38
43
48
0 10 20 30 40 50
Temperatura-ºC
Idade - Horas
CA CB Medido
Modelação Numérica
Tméd (DIANA) 41,15
Tmáx (Molde) 43,18
Variação 5%
20
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Convecção de cálculo 6,2:
Modelação Numérica
21
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Diferentes Razões de Água/Cimento:
0
5
10
15
20
25
30
35
40
Calculado Calibrado
Temperatura-ºC
A/C=0,4 A/C=0,5 A/C=0,6
Modelação Numérica
22
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Diferentes Razões de Água/Cimento:
0.00E+00
5.00E+07
1.00E+08
1.50E+08
2.00E+08
2.50E+08
3.00E+08
3.50E+08
4.00E+08
Calculado Calibrado
Q∞J/(K.m3)
A/C=0,4 A/C=0,5 A/C=0,6
Modelação Numérica
23
Sumário
Constituintes
Sílica de
Fumo
Metacaulino
Pó de
Vidro
Referência
(A/C = 0,3)
Volume 1,4 lt 1,4 lt 1,4 lt 1,4 lt
Cimento (CEM I
42.5 R)
1112,86 g 768,08 g 768,08 g 768,075 g
Sílica de Fumo 111,29 g 0 g 0 g 0 g
Metacaulino 0 g 256,03 g 0 g 0 g
Pó de Vidro 0 g 0 g 242,55 g 0 g
Filer Calcário 436,00 g 438,90 g 606,38 g 848,932 g
Areia Fina 1427,81 g 1427,81 g 1427,81 g 1427,807 g
Água 1 (80 %) 172,21 g 229,60 g 184,80 g 184,8 g
Água 2 (20%) 43,05 g 57,40 g 46,20 g 46,2 g
Superplastificante
1 (75%)
14,44 g 20,85 g 19,40 g 19,4 g
Superplastificante
2 (25%)
4,81 g 6,95 g 6,47 g 6,5 g
Influência de Diferentes Adições
24
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
22
24
26
28
30
32
34
36
0 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30 33 36 39 42 45 48 51
Temperatura-˚C
Idade - horas
MET
PVI
SIL
REF
AMB
Influência de Diferentes Adições
25
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
0
10
20
30
40
50
0 10 20 30 40 50 60
Resistividade-Ωm
Idade - Horas
MET PVI SIL REF
0
1000
2000
3000
4000
5000
0 10 20 30 40 50 60
Velocidade-m.s̄¹
Idade - horas
MET PVI SIL REF
Influência de Diferentes Adições
26
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
18
20
22
24
26
28
30
32
0 10 20 30 40 50
Temperatura-ºC
Idade - Horas
CA - Cond. Pasta CA - Cond. Argamassa
18
23
28
33
38
0 10 20 30 40 50
Temperatura-ºC
Idade - Horas
CA-Argamassa CA-Pasta
Modelação Numérica
27
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Nova Geometria
28
Paredes em “L” Tampa e Base
Vista da Tampa + Ecrã LCD Vista Lateral + Chapa Metálica
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Arduino - Componentes
29
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
Arduino - Dados
30
ID Hora TempINT Humidade TempEXT
1 00:00:00 27 43 27
2 00:00:30 27 44 27
3 00:01:00 27 44 27
4 00:01:30 27 44 27
5 00:02:00 27 44 27
6 00:02:30 27 43 27
7 00:03:00 27 43 27
8 00:03:30 27 43 27
9 00:04:00 27 43 27
10 00:04:30 27 43 27
11 00:05:00 27 43 27
12 00:05:30 27 43 27
13 00:06:00 27 43 27
14 00:06:30 27 43 27
15 00:07:00 27 43 27
16 00:07:30 27 43 27
17 00:08:00 27 43 27
18 00:08:30 27 43 27
19 00:09:00 27 43 27
20 00:09:30 27 43 27
21 00:10:00 27 43 27
22 00:10:30 27 43 27
23 00:11:00 26 43 26
24 00:11:30 26 43 26
25 00:12:00 26 43 26
26 00:12:30 26 43 26
27 00:13:00 26 43 26
28 00:13:30 26 43 26
29 00:14:00 26 44 26
30 00:14:30 26 44 26
31 00:15:00 26 44 26
32 00:15:30 26 44 26
33 00:16:00 26 44 26
34 00:16:30 26 44 26
Ficheiro .csv Ficheiro Excel
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• Foi possível fazer modelação numérica do comportamento
térmico;
• Supõe-se que a variação entre os valores dos ensaios e dos
modelos numéricos se devem à falta de calibração da
convecção térmica, da incerteza do uso do superplastificante
e da falta de caracterização do cimento;
• Com a redução da razão de água cimento verifica-se um
aumento da temperatura máxima registada, uma aceleração
da hidratação e um aumento da resistividade lida;
• Foi possível verificar a influência da presença de diferentes
adições no comportamento térmico das argamassas;
Conclusões
31
SumárioObjetivos
Introdução Teórica
Ensaio de Água
Ensaio de Pastas
Ensaio de
Argamassas
Desenvolvimento
de Novo Molde
Conclusões
• É necessário o estudo com um calorímetro
adiabático para uma melhor avaliação da hidratação
do cimento, assim como da influência do
superplastificante;
• O uso do Arduino permitirá a leitura e registo dos
dados obtidos, assim como uma redução
significativa do custo;
• Estudo rigoroso da convecção térmica graças a uma
modelação total do molde.
Perspetivas Futuras
32
Obrigado pela atenção
Luís Miguel Ribeiro da Silva Fonseca Oliveira
Porto, 22 de Julho de 2014
Mestrado Integrado em Engenharia Civil – Especialização em Estruturas
33

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho nas Primeiras Idades por Luís Oliveira

Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
Hugo_Caetano
 
Calorimetria calor especifico
Calorimetria calor especificoCalorimetria calor especifico
Calorimetria calor especifico
Jose Alexandre
 
DEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentaçãoDEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentação
Edivagner S. Ribeiro
 
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentaçãoDeterminação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
Pedro Almeida
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Erick Silva
 
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsgTVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
FlixKrioloMt
 

Semelhante a Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho nas Primeiras Idades por Luís Oliveira (20)

Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
Ensaios não destrutivos para a caracterização de materiais cimentícios nas pr...
 
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosãoSlides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
 
Balanços de Massa e Energia em Sistemas de Evaporaçào a Vácuo.pptx
Balanços de Massa e Energia em Sistemas de Evaporaçào a Vácuo.pptxBalanços de Massa e Energia em Sistemas de Evaporaçào a Vácuo.pptx
Balanços de Massa e Energia em Sistemas de Evaporaçào a Vácuo.pptx
 
Calorimetria calor especifico
Calorimetria calor especificoCalorimetria calor especifico
Calorimetria calor especifico
 
DEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentaçãoDEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentação
 
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentaçãoDeterminação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
Determinação experimental da taxa de desgaseificação de líquidos apresentação
 
Slides de Transferência de Calor.pdf
Slides de Transferência de Calor.pdfSlides de Transferência de Calor.pdf
Slides de Transferência de Calor.pdf
 
fotometria de chama
fotometria de chamafotometria de chama
fotometria de chama
 
Escalas termometricas.
Escalas termometricas.Escalas termometricas.
Escalas termometricas.
 
Parte 03 distribuição vapor
Parte 03   distribuição vaporParte 03   distribuição vapor
Parte 03 distribuição vapor
 
Aplicação de técnicas eletroquímicas na remoção de boro de efluentes líquidos
Aplicação de técnicas eletroquímicas na remoção de boro de efluentes líquidosAplicação de técnicas eletroquímicas na remoção de boro de efluentes líquidos
Aplicação de técnicas eletroquímicas na remoção de boro de efluentes líquidos
 
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
 
Apresentacao Tcc
Apresentacao TccApresentacao Tcc
Apresentacao Tcc
 
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsgTVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
TVN_TermoI_Aula_Equacao_v3.pdf_gsgsgggsg
 
Parte 02 geração de vapor
Parte 02   geração de vaporParte 02   geração de vapor
Parte 02 geração de vapor
 
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanolRelatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
 
Comport termico concreto
Comport termico concretoComport termico concreto
Comport termico concreto
 
Engenharia Química para Concursos
Engenharia Química para ConcursosEngenharia Química para Concursos
Engenharia Química para Concursos
 

Mais de Joao Rio

Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
Joao Rio
 
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno FerreiraExpansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
Joao Rio
 
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Joao Rio
 
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças MartinsDevelopment of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
Joao Rio
 

Mais de Joao Rio (9)

How to build a concrete reinforcement rebar area spreadsheet
How to build a concrete reinforcement rebar area spreadsheetHow to build a concrete reinforcement rebar area spreadsheet
How to build a concrete reinforcement rebar area spreadsheet
 
Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
Numerical Modelling of the Dynamic Behaviour of a Soil in True Triaxial Tests...
 
BIM e Estruturas - Projecto Digital
BIM e Estruturas - Projecto DigitalBIM e Estruturas - Projecto Digital
BIM e Estruturas - Projecto Digital
 
To BIM or not to BIM, introdução ao uso de Tecnologias de Informação na Engen...
To BIM or not to BIM, introdução ao uso de Tecnologias de Informação na Engen...To BIM or not to BIM, introdução ao uso de Tecnologias de Informação na Engen...
To BIM or not to BIM, introdução ao uso de Tecnologias de Informação na Engen...
 
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno FerreiraExpansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
Expansion of IFC Data Model to Kinematic Sensor at IJUP2012 by Bruno Ferreira
 
Deteção de Dano com Ultrassons em Elementos de Betão Estrutural no Encontro N...
Deteção de Dano com Ultrassons em Elementos de Betão Estrutural no Encontro N...Deteção de Dano com Ultrassons em Elementos de Betão Estrutural no Encontro N...
Deteção de Dano com Ultrassons em Elementos de Betão Estrutural no Encontro N...
 
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
Desenvolvimento de Interfaces Tridimensionais para Aplicações Móveis a Partir...
 
Avaliação da orientação das fibras em BEDRF através de técnicas não destrutiv...
Avaliação da orientação das fibras em BEDRF através de técnicas não destrutiv...Avaliação da orientação das fibras em BEDRF através de técnicas não destrutiv...
Avaliação da orientação das fibras em BEDRF através de técnicas não destrutiv...
 
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças MartinsDevelopment of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
Development of 3 d interfaces for mobile BIM applications by João Poças Martins
 

Último

SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
avaseg
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
mikhaelbaptista
 

Último (8)

CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 

Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho nas Primeiras Idades por Luís Oliveira

  • 1. Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho nas Primeiras Idades Autor: Luís Miguel Ribeiro da Silva Fonseca Oliveira Orientador: Doutor João Filipe Meneses Espinheira Rio Co-Orientador: Professor Doutor Rui Manuel Carvalho Marques Faria Porto, 22 de Julho de 2014 Mestrado Integrado em Engenharia Civil – Especialização em Estruturas 1
  • 2. Sumário Objetivos Objetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Compreensão do comportamento térmico de pastas e argamassas de elevado desempenho; • Calibração de modelos numéricos; • Controlo de qualidade de pastas e argamassas; • Desenvolvimento de um novo molde instrumentado. 2
  • 3. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Primeiras Idades e Libertação de Calor Processo de Hidratação do Cimento: • Advém da reação química da água com o cimento; • Carácter Exotérmico; • Gera expansão volumétrica seguida de uma contração podendo provocar fissuração; • Divide-se em três períodos. 3
  • 4. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Períodos de Libertação de Calor: (Maekawa, K. [et al.], 1999) (Azenha, M.Â.D., 2004) Primeiras Idades e Libertação de Calor 4
  • 5. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões (Azenha, M.Â.D., 2004) Mecanismos de transferência de Calor: • Condução • Convecção • Radiação Primeiras Idades e Libertação de Calor 5
  • 6. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Primeiras Idades e Libertação de Calor 6 Principais fórmulas utilizadas: 𝑘 𝑐 = 𝑤𝑐𝑒𝑚 𝑘 𝑐𝑒𝑚 + 𝑊𝑠𝑎𝑛𝑑 + 𝑊𝑔𝑟𝑎𝑣 𝑘 𝑎𝑔𝑔 + 𝑊𝑤 𝑘 𝑤 𝜌𝑐 𝑐 𝑐 = 𝑤𝑐𝑒𝑚 𝑐 𝑐𝑒𝑚 + 𝑊𝑠𝑎𝑛𝑑 + 𝑊𝑔𝑟𝑎𝑣 𝑐 𝑎𝑔𝑔 + 𝑊𝑤 𝑘 𝑤 − 𝑐 𝑏𝑖𝑛𝑑𝑊 𝑤𝑐𝑒𝑚 𝛼𝑐 𝑤 𝜌𝑐 ℎ 𝑐𝑟 = ℎ 𝑐 + ℎ 𝑟 ℎ 𝑐 = 5.6 + 3.95 𝑣 7.6 𝑣0.78 𝑠𝑒 𝑣 ≤ 5 𝑚/𝑠 𝑠𝑒 𝑣 > 5 𝑚/𝑠 ℎ 𝑒𝑞 = 1 ℎ1 𝐴 + 𝑖 𝑛 𝐿𝑖 𝑘𝑖 𝐴 −1 𝑔 𝑇 = 𝐴 𝑇 𝑒 −𝐸 𝑎 𝑅𝑇 𝑄 = 𝑓 𝛼 𝑇 𝐴 𝑇 𝑒 −𝐸 𝑎 𝑅𝑇 𝑓 𝛼 𝑇 = 𝑄 𝑄 𝑚á𝑥 𝛼 𝑇 = 𝑄(𝑡 𝑄𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 , 0 a 1
  • 7. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões (Ferreira, D.C.S., 2009) Hidratação do Cimento: Primeiras Idades e Libertação de Calor 7
  • 8. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões (Ferreira, D.C.S., 2009) Hidratação do Cimento: Primeiras Idades e Libertação de Calor 8
  • 9. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Molde Instrumentado 9
  • 10. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Definição da Malha de Elementos Finitos: Modelação Numérica 10
  • 11.  Série S1 – Molde com tampa  Série S2 – Molde sem tampa  Série S3 – Molde sem malhas metálicas  Série S4 – Molde com tampa e com isolamento  Série S5 – Apenas base (temperatura ambiente) SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Caracterização Térmica do Molde 11
  • 12. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 16 21 26 31 36 0 5 10 15 20 25 Temperatura-°C Idade - Horas S1 S2 S3 S4 S5 15 20 25 30 35 0 1 2 3 4 5 6 7 8 Temperatura-°C Idade - Horas S1 S2 S3 S4 Caracterização Térmica do Molde 12
  • 13. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 17 22 27 32 37 0 5 10 15 20 25 Temperatura-°C Idade - Horas DIANA Medido y = -1,979x + 32,379 y = -1,952x + 33,679 18 20 22 24 26 28 30 32 34 0 1 2 3 4 5 6 7 Temperatura-°C Idade - Horas Calibração da Convecção 13
  • 14. Sumário A/C = 0,3 A/C = 0,4 A/C = 0,5 A/C = 0,6 Volume 1,5 lt 1,5 lt 1,5 lt 1,5 lt Cimento 1,638 kg 1,127 kg 0,922 kg 0,827 kg Filer Calcário 0,737 kg 1,176 kg 1,352 kg 1,434 kg Superplastificante 0,031 kg 0,031 kg 0,031 kg 0,031 kg Água 1 (81% Água Total) 0,537 kg 0,537 kg 0,537 kg 0,537 kg Água 2 (19% Água Total) 0,134 kg 0,134 kg 0,134 kg 0,134 kg Estabilizador 0,000 kg 0,000 kg 0,005 kg 0,005 kg Razão de Água Cimento 14
  • 15. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 18 23 28 33 38 43 48 0 10 20 30 40 50 60 Temperatura(ºC) Idade - Horas A/C 0.6 A/C 0.5 A/C 0.4 A/C 0.3 AMB Razão de Água Cimento 15
  • 16. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 0 2 4 6 8 10 12 14 0 10 20 30 40 50 60 Resistividade(Ωm) Idade A/C 0,6 A/C 0.5 A/C 0.4 A/C 0.3 Razão de Água Cimento 16
  • 17. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 4000 0 10 20 30 40 50 60 Velocidade-m.s̄¹ Idade - Horas A/C 0.3 A/C 0,4 A/C 0.5 A/C 0,6 Razão de Água Cimento 17
  • 18. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões y = -43.39x + 55.183 R² = 0.9634 0 10 20 30 40 50 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 Temperatura-°C Razão de Água Cimento y = -26511x + 83544 R² = 0.9598 6.6E+04 6.8E+04 7.0E+04 7.2E+04 7.4E+04 7.6E+04 7.8E+04 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 Integral-°C.Min Razão de Água Cimento Razão de Água Cimento 18
  • 19. Sumário • Convecção de cálculo 3,75: 18 28 38 48 58 68 0 10 20 30 40 50 Tempertaura-ºC Idade - Horas Medido CA CB Tméd (DIANA) 59,7 Tmáx (Molde) 43,18 Variação 38% Modelação Numérica 19
  • 20. Sumário • Convecção de cálculo 6,2: 18 23 28 33 38 43 48 0 10 20 30 40 50 Temperatura-ºC Idade - Horas CA CB Medido Modelação Numérica Tméd (DIANA) 41,15 Tmáx (Molde) 43,18 Variação 5% 20
  • 21. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Convecção de cálculo 6,2: Modelação Numérica 21
  • 22. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Diferentes Razões de Água/Cimento: 0 5 10 15 20 25 30 35 40 Calculado Calibrado Temperatura-ºC A/C=0,4 A/C=0,5 A/C=0,6 Modelação Numérica 22
  • 23. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Diferentes Razões de Água/Cimento: 0.00E+00 5.00E+07 1.00E+08 1.50E+08 2.00E+08 2.50E+08 3.00E+08 3.50E+08 4.00E+08 Calculado Calibrado Q∞J/(K.m3) A/C=0,4 A/C=0,5 A/C=0,6 Modelação Numérica 23
  • 24. Sumário Constituintes Sílica de Fumo Metacaulino Pó de Vidro Referência (A/C = 0,3) Volume 1,4 lt 1,4 lt 1,4 lt 1,4 lt Cimento (CEM I 42.5 R) 1112,86 g 768,08 g 768,08 g 768,075 g Sílica de Fumo 111,29 g 0 g 0 g 0 g Metacaulino 0 g 256,03 g 0 g 0 g Pó de Vidro 0 g 0 g 242,55 g 0 g Filer Calcário 436,00 g 438,90 g 606,38 g 848,932 g Areia Fina 1427,81 g 1427,81 g 1427,81 g 1427,807 g Água 1 (80 %) 172,21 g 229,60 g 184,80 g 184,8 g Água 2 (20%) 43,05 g 57,40 g 46,20 g 46,2 g Superplastificante 1 (75%) 14,44 g 20,85 g 19,40 g 19,4 g Superplastificante 2 (25%) 4,81 g 6,95 g 6,47 g 6,5 g Influência de Diferentes Adições 24
  • 25. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 22 24 26 28 30 32 34 36 0 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30 33 36 39 42 45 48 51 Temperatura-˚C Idade - horas MET PVI SIL REF AMB Influência de Diferentes Adições 25
  • 26. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 0 10 20 30 40 50 0 10 20 30 40 50 60 Resistividade-Ωm Idade - Horas MET PVI SIL REF 0 1000 2000 3000 4000 5000 0 10 20 30 40 50 60 Velocidade-m.s̄¹ Idade - horas MET PVI SIL REF Influência de Diferentes Adições 26
  • 27. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões 18 20 22 24 26 28 30 32 0 10 20 30 40 50 Temperatura-ºC Idade - Horas CA - Cond. Pasta CA - Cond. Argamassa 18 23 28 33 38 0 10 20 30 40 50 Temperatura-ºC Idade - Horas CA-Argamassa CA-Pasta Modelação Numérica 27
  • 28. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Nova Geometria 28 Paredes em “L” Tampa e Base Vista da Tampa + Ecrã LCD Vista Lateral + Chapa Metálica
  • 29. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Arduino - Componentes 29
  • 30. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões Arduino - Dados 30 ID Hora TempINT Humidade TempEXT 1 00:00:00 27 43 27 2 00:00:30 27 44 27 3 00:01:00 27 44 27 4 00:01:30 27 44 27 5 00:02:00 27 44 27 6 00:02:30 27 43 27 7 00:03:00 27 43 27 8 00:03:30 27 43 27 9 00:04:00 27 43 27 10 00:04:30 27 43 27 11 00:05:00 27 43 27 12 00:05:30 27 43 27 13 00:06:00 27 43 27 14 00:06:30 27 43 27 15 00:07:00 27 43 27 16 00:07:30 27 43 27 17 00:08:00 27 43 27 18 00:08:30 27 43 27 19 00:09:00 27 43 27 20 00:09:30 27 43 27 21 00:10:00 27 43 27 22 00:10:30 27 43 27 23 00:11:00 26 43 26 24 00:11:30 26 43 26 25 00:12:00 26 43 26 26 00:12:30 26 43 26 27 00:13:00 26 43 26 28 00:13:30 26 43 26 29 00:14:00 26 44 26 30 00:14:30 26 44 26 31 00:15:00 26 44 26 32 00:15:30 26 44 26 33 00:16:00 26 44 26 34 00:16:30 26 44 26 Ficheiro .csv Ficheiro Excel
  • 31. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • Foi possível fazer modelação numérica do comportamento térmico; • Supõe-se que a variação entre os valores dos ensaios e dos modelos numéricos se devem à falta de calibração da convecção térmica, da incerteza do uso do superplastificante e da falta de caracterização do cimento; • Com a redução da razão de água cimento verifica-se um aumento da temperatura máxima registada, uma aceleração da hidratação e um aumento da resistividade lida; • Foi possível verificar a influência da presença de diferentes adições no comportamento térmico das argamassas; Conclusões 31
  • 32. SumárioObjetivos Introdução Teórica Ensaio de Água Ensaio de Pastas Ensaio de Argamassas Desenvolvimento de Novo Molde Conclusões • É necessário o estudo com um calorímetro adiabático para uma melhor avaliação da hidratação do cimento, assim como da influência do superplastificante; • O uso do Arduino permitirá a leitura e registo dos dados obtidos, assim como uma redução significativa do custo; • Estudo rigoroso da convecção térmica graças a uma modelação total do molde. Perspetivas Futuras 32
  • 33. Obrigado pela atenção Luís Miguel Ribeiro da Silva Fonseca Oliveira Porto, 22 de Julho de 2014 Mestrado Integrado em Engenharia Civil – Especialização em Estruturas 33