SlideShare uma empresa Scribd logo
Ensaio de Fluência
QUÍMICA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS
PROF.ª: MS. RAQUEL A. VALENTE
Principais Características:
 É a deformação permanente, dependente do tempo e da
temperatura, quando um material é submetido a uma carga
constante;
 Este fenômeno é observado em todos os materiais e muitas vezes
limita o tempo de vida de um determinado componente ou
estrutura;
 A velocidade de fluência (relação entre deformação plástica e
tempo) aumenta com a temperatura;
Principais Características:
 A fluência ocorre devido à movimentação de falhas, que sempre
existem na estrutura cristalina dos metais. Não haveria fluência se
estas falhas não existissem;
 Em ensaios de fluência, o tempo de aplicação de carga é
estabelecido em função da vida útil esperada do componente e
medem-se as deformações ocorridas em função do tempo;
 Ensaios de fluência são conduzidos durante muitas horas
(tipicamente entre 100 e 10000 horas).
Preparação para o Ensaio:
 O corpo de prova deve passar por um período de aquecimento
sem que ocorra superaquecimento;
 A prática mais comum é aquecer o corpo até 10ºC abaixo da
temperatura estabelecida para o ensaio, por um período de 1 a 4
horas;
 Com isso é possível que ocorre completa homogeneização da
estrutura;
 A temperatura deve ser medida por meio de pirômetros ligados ao
corpo de prova e termopares.
Pirômetro:
Termopar:
Tipos de Ensaio de Fluência:
 Ensaio de fluência propriamente dito:
- Aplica-se uma determinada carga em um corpo de prova a uma
determinada temperatura e avalia-se a deformação que ocorre durante o
ensaio;
- Carga e temperatura são mantidas constantes durante todo o
processo;
- É normal o ensaio ter a mesma duração da vida útil do produto;
- Deformação raramente ultrapassa 1%;
- É preciso a utilização de muitos corpos de prova.
Tipos de Ensaio de Fluência:
 Ensaio de ruptura por fluência:
- Semelhante ao anterior, só que neste caso os corpos são
levados até a ruptura;
- Para isso são utilizadas cargas maiores, portanto são obtidas
maiores velocidades de fluência;
- A deformação obtida é bem maior se comparada com o primeiro
tipo de ensaio, podendo atingir até 50%.
Tipos de Ensaio de Fluência:
 Ensaio de relaxação:
- Ensaio mais simples que os demais e utiliza apenas um corpo de prova;
- Mantém constante a deformação através da redução da tensão aplicada
no corpo de prova ao longo do tempo;
- Necessita ser muito preciso, deve medir as pequenas variações de carga
durante a realização do ensaio;
- É preciso controlar a temperatura do ambiente onde é realizado o ensaio,
pois qualquer aumento na temperatura pode provocar dilatação nos
componentes das máquinas podendo comprometer os resultados.
Utilização:
 Os ensaios de fluência são muito longos, podendo durar até pouco
mais de um ano, por isso seu uso se restringe a atividades de
pesquisa e desenvolvimento de novos materiais ou ligas
metálicas.
Equipamento:
 O equipamento utilizado permite aplicar uma
carga de tração constante ao corpo de prova;
 O corpo fica dentro de um forno elétrico, de
temperatura constante e controlável;
 Um extensômetro é acoplado ao equipamento
para medir a deformação em função do tempo.
Corpo de Prova:
 O corpo de prova utilizado no ensaio de
fluência é muito semelhante ao utilizado nos
ensaios de tração:
Corpo de Prova após o Ensaio:
Curva Típica do Ensaio de Fluência:
 Deformação Instantânea: Efeito do carregamento do
corpo de prova, do tipo elástica;
 Estágio primário: onde a velocidade de fluência é
rápida, ocorre nas primeiras horas;
 Estágio secundário: A taxa de fluência é constante.
Estágio de duração mais longo. Equilíbrio entre os
processos de encruamento e recuperação;
 Estágio terciário: Aceleração na taxa de fluência,
estricção seguido de ruptura.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
Alex Leal
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
elizethalves
 
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> AçoProcesso de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
Colégio Lacordaire Sant'Anna
 
Interação entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinasInteração entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinas
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
Thulio Cesar
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Vicktor Richelly
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
Carla Faria
 
Grupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
Grupo Mecanismos e Mecânica da FraturaGrupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
Grupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
emc5714
 
Aula 10 ensaio de dureza
Aula 10   ensaio de durezaAula 10   ensaio de dureza
Aula 10 ensaio de dureza
Ronald Vasconcelos
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02   ensaio de tração - cálculo da tensãoAula 02   ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensão
Renaldo Adriano
 
Ensaio de Tração
 Ensaio de Tração  Ensaio de Tração
Ensaio de Tração
Fernando Bruno Dovichi Filho
 
Tecnologia dos Materiais 1
Tecnologia dos Materiais 1Tecnologia dos Materiais 1
Tecnologia dos Materiais 1
Luciano Santos
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Felipe Rosa
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
Lívio Bruno
 
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fasesCiências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Felipe Machado
 
07 propriedades termicas
07 propriedades termicas07 propriedades termicas
07 propriedades termicas
A X.S
 
Diagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbonoDiagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbono
LukasSeize
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Luiz Orro de Freitas
 
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Resistencia dos materiais   tensão e deformaçãoResistencia dos materiais   tensão e deformação
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Douglas Mota
 

Mais procurados (20)

Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> AçoProcesso de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
Processo de fabricação - Ferro-Gusa -> Aço
 
Interação entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinasInteração entre imperfeições cristalinas
Interação entre imperfeições cristalinas
 
5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono5 diagrama ferro carbono
5 diagrama ferro carbono
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
 
6 propriedades mecanicas (1)
6  propriedades mecanicas (1)6  propriedades mecanicas (1)
6 propriedades mecanicas (1)
 
Grupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
Grupo Mecanismos e Mecânica da FraturaGrupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
Grupo Mecanismos e Mecânica da Fratura
 
Aula 10 ensaio de dureza
Aula 10   ensaio de durezaAula 10   ensaio de dureza
Aula 10 ensaio de dureza
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
 
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02   ensaio de tração - cálculo da tensãoAula 02   ensaio de tração - cálculo da tensão
Aula 02 ensaio de tração - cálculo da tensão
 
Ensaio de Tração
 Ensaio de Tração  Ensaio de Tração
Ensaio de Tração
 
Tecnologia dos Materiais 1
Tecnologia dos Materiais 1Tecnologia dos Materiais 1
Tecnologia dos Materiais 1
 
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas  , emgenhariaAula 6 propriedades mecânicas  , emgenharia
Aula 6 propriedades mecânicas , emgenharia
 
Materiais cerâmicos
Materiais cerâmicosMateriais cerâmicos
Materiais cerâmicos
 
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fasesCiências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
Ciências dos Materiais - Aula 16 e 17 - Apresentação dos Diagramas de fases
 
07 propriedades termicas
07 propriedades termicas07 propriedades termicas
07 propriedades termicas
 
Diagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbonoDiagrama de ferro carbono
Diagrama de ferro carbono
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
 
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Resistencia dos materiais   tensão e deformaçãoResistencia dos materiais   tensão e deformação
Resistencia dos materiais tensão e deformação
 

Destaque

Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
Gustavo Abreu
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Alex Leal
 
Ensaio marshall
Ensaio marshallEnsaio marshall
Ensaio marshall
Marlon Ramos Resende
 
Tm229 propriedades mecanicas
Tm229   propriedades mecanicasTm229   propriedades mecanicas
Tm229 propriedades mecanicas
Julyanne Rodrigues
 
Trabalho tecnologia dos materiais
Trabalho tecnologia dos materiaisTrabalho tecnologia dos materiais
Trabalho tecnologia dos materiais
Geovani Silva
 
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicasMetalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Roberto Villardo
 
Materiais metálicos
Materiais metálicosMateriais metálicos
Materiais metálicos
welton
 
Physiology of equilibrium
Physiology of equilibriumPhysiology of equilibrium
Physiology of equilibrium
DrChintansinh Parmar
 
Engrenagens medidores
Engrenagens medidoresEngrenagens medidores
Engrenagens medidores
olivema91
 
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
Tulio Prado
 
Руководство по использованию фирменного стиля
Руководство по использованию фирменного стиляРуководство по использованию фирменного стиля
Руководство по использованию фирменного стиляITMO University
 
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
Pedro
 
8689098 falhas bronzinas
8689098 falhas bronzinas8689098 falhas bronzinas
8689098 falhas bronzinas
Zeferino Linhares de Almeida
 
Apostila mecanicafratura
Apostila mecanicafraturaApostila mecanicafratura
Apostila mecanicafratura
LukasSeize
 
Curso Analise de Falhas Testmat Servicos
Curso Analise de Falhas Testmat ServicosCurso Analise de Falhas Testmat Servicos
Curso Analise de Falhas Testmat Servicos
Freddy Poetscher, PhD
 
Chiaverini -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
Chiaverini  -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iiiChiaverini  -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
Chiaverini -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
Okutagawa
 
Slides crepusculo
Slides crepusculoSlides crepusculo
Slides crepusculo
Camylla Brito
 
Apostila custos industriais a
Apostila custos industriais aApostila custos industriais a
Apostila custos industriais a
custos contabil
 
Experimental evaluation of strain in concrete elements
Experimental evaluation of strain in concrete elementsExperimental evaluation of strain in concrete elements
Experimental evaluation of strain in concrete elements
nisarg gandhi
 

Destaque (20)

Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressãoAula 3   ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
Aula 3 ensaios mecânicos e end - ensaio de compressão
 
Ensaio marshall
Ensaio marshallEnsaio marshall
Ensaio marshall
 
Tm229 propriedades mecanicas
Tm229   propriedades mecanicasTm229   propriedades mecanicas
Tm229 propriedades mecanicas
 
Trabalho tecnologia dos materiais
Trabalho tecnologia dos materiaisTrabalho tecnologia dos materiais
Trabalho tecnologia dos materiais
 
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicasMetalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
 
Materiais metálicos
Materiais metálicosMateriais metálicos
Materiais metálicos
 
Physiology of equilibrium
Physiology of equilibriumPhysiology of equilibrium
Physiology of equilibrium
 
Tsunami
TsunamiTsunami
Tsunami
 
Engrenagens medidores
Engrenagens medidoresEngrenagens medidores
Engrenagens medidores
 
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
Influência da microestrutura na difusão de hidrogênio em aço AISI 4340 (MAS 6...
 
Руководство по использованию фирменного стиля
Руководство по использованию фирменного стиляРуководство по использованию фирменного стиля
Руководство по использованию фирменного стиля
 
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
Portifolio de cursos ABM (Associação Brasileira de Metalurgia)
 
8689098 falhas bronzinas
8689098 falhas bronzinas8689098 falhas bronzinas
8689098 falhas bronzinas
 
Apostila mecanicafratura
Apostila mecanicafraturaApostila mecanicafratura
Apostila mecanicafratura
 
Curso Analise de Falhas Testmat Servicos
Curso Analise de Falhas Testmat ServicosCurso Analise de Falhas Testmat Servicos
Curso Analise de Falhas Testmat Servicos
 
Chiaverini -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
Chiaverini  -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iiiChiaverini  -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
Chiaverini -tecnologia_mecanica_-_materiais_de_construcao_mecanica_vol.iii
 
Slides crepusculo
Slides crepusculoSlides crepusculo
Slides crepusculo
 
Apostila custos industriais a
Apostila custos industriais aApostila custos industriais a
Apostila custos industriais a
 
Experimental evaluation of strain in concrete elements
Experimental evaluation of strain in concrete elementsExperimental evaluation of strain in concrete elements
Experimental evaluation of strain in concrete elements
 

Semelhante a Ensaio de fluência

Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
Guilmour Rossi
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Marcelo Silva Vitor Amaral
 
Ensaio de impacto
Ensaio de impactoEnsaio de impacto
Ensaio de impacto
Marcelo Cividini
 
Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizadosAula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizados
Renaldo Adriano
 
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Alex Leal
 
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressãoE book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
roberto farias farias
 
Analise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_emAnalise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_em
Caio Tostes
 
Ensaios tecnologicos
Ensaios tecnologicosEnsaios tecnologicos
Ensaios tecnologicos
Telma Costa
 
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicosAula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
Rafaella Cruz Ferreira
 

Semelhante a Ensaio de fluência (9)

Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
 
Ensaio de impacto
Ensaio de impactoEnsaio de impacto
Ensaio de impacto
 
Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizadosAula 04   ensaio de tração - procedimentos normalizados
Aula 04 ensaio de tração - procedimentos normalizados
 
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impactoAula 7   ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
Aula 7 ensaios mecânicos e end - ensaio de impacto
 
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressãoE book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
E book nr-13 operação de unidades de processos e vasos de pressão
 
Analise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_emAnalise de ensaios_de_tracao_em
Analise de ensaios_de_tracao_em
 
Ensaios tecnologicos
Ensaios tecnologicosEnsaios tecnologicos
Ensaios tecnologicos
 
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicosAula+09 mm ensaios+mecânicos
Aula+09 mm ensaios+mecânicos
 

Último

AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
JosAtila
 
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (6)

AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
 
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

Ensaio de fluência

  • 1. Ensaio de Fluência QUÍMICA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROF.ª: MS. RAQUEL A. VALENTE
  • 2. Principais Características:  É a deformação permanente, dependente do tempo e da temperatura, quando um material é submetido a uma carga constante;  Este fenômeno é observado em todos os materiais e muitas vezes limita o tempo de vida de um determinado componente ou estrutura;  A velocidade de fluência (relação entre deformação plástica e tempo) aumenta com a temperatura;
  • 3. Principais Características:  A fluência ocorre devido à movimentação de falhas, que sempre existem na estrutura cristalina dos metais. Não haveria fluência se estas falhas não existissem;  Em ensaios de fluência, o tempo de aplicação de carga é estabelecido em função da vida útil esperada do componente e medem-se as deformações ocorridas em função do tempo;  Ensaios de fluência são conduzidos durante muitas horas (tipicamente entre 100 e 10000 horas).
  • 4. Preparação para o Ensaio:  O corpo de prova deve passar por um período de aquecimento sem que ocorra superaquecimento;  A prática mais comum é aquecer o corpo até 10ºC abaixo da temperatura estabelecida para o ensaio, por um período de 1 a 4 horas;  Com isso é possível que ocorre completa homogeneização da estrutura;  A temperatura deve ser medida por meio de pirômetros ligados ao corpo de prova e termopares.
  • 7. Tipos de Ensaio de Fluência:  Ensaio de fluência propriamente dito: - Aplica-se uma determinada carga em um corpo de prova a uma determinada temperatura e avalia-se a deformação que ocorre durante o ensaio; - Carga e temperatura são mantidas constantes durante todo o processo; - É normal o ensaio ter a mesma duração da vida útil do produto; - Deformação raramente ultrapassa 1%; - É preciso a utilização de muitos corpos de prova.
  • 8. Tipos de Ensaio de Fluência:  Ensaio de ruptura por fluência: - Semelhante ao anterior, só que neste caso os corpos são levados até a ruptura; - Para isso são utilizadas cargas maiores, portanto são obtidas maiores velocidades de fluência; - A deformação obtida é bem maior se comparada com o primeiro tipo de ensaio, podendo atingir até 50%.
  • 9. Tipos de Ensaio de Fluência:  Ensaio de relaxação: - Ensaio mais simples que os demais e utiliza apenas um corpo de prova; - Mantém constante a deformação através da redução da tensão aplicada no corpo de prova ao longo do tempo; - Necessita ser muito preciso, deve medir as pequenas variações de carga durante a realização do ensaio; - É preciso controlar a temperatura do ambiente onde é realizado o ensaio, pois qualquer aumento na temperatura pode provocar dilatação nos componentes das máquinas podendo comprometer os resultados.
  • 10. Utilização:  Os ensaios de fluência são muito longos, podendo durar até pouco mais de um ano, por isso seu uso se restringe a atividades de pesquisa e desenvolvimento de novos materiais ou ligas metálicas.
  • 11. Equipamento:  O equipamento utilizado permite aplicar uma carga de tração constante ao corpo de prova;  O corpo fica dentro de um forno elétrico, de temperatura constante e controlável;  Um extensômetro é acoplado ao equipamento para medir a deformação em função do tempo.
  • 12. Corpo de Prova:  O corpo de prova utilizado no ensaio de fluência é muito semelhante ao utilizado nos ensaios de tração:
  • 13. Corpo de Prova após o Ensaio:
  • 14. Curva Típica do Ensaio de Fluência:  Deformação Instantânea: Efeito do carregamento do corpo de prova, do tipo elástica;  Estágio primário: onde a velocidade de fluência é rápida, ocorre nas primeiras horas;  Estágio secundário: A taxa de fluência é constante. Estágio de duração mais longo. Equilíbrio entre os processos de encruamento e recuperação;  Estágio terciário: Aceleração na taxa de fluência, estricção seguido de ruptura.