SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças e Distúrbios do Sistema
Reprodutor Masculino e
Feminino
Cancro da próstata
Crescimento anormal e desordenado de determinadas células
que acabam por formar massas as quais chamam tumores,
podendo assim espalhar-se por todo o órgão, em casos mais
graves ate mesmo fora do órgão.
O cancro da próstata diferencia-se de outros tumores pela
lenta evolução, o que faz com que os sintomas se manifestem
apenas em fase mais avançada.
Cancro da próstata
Figura 1:comparação entre uma próstata normal com uma próstata com
cancro.
Fonte: https://www.news-medical.net
Causas do cancro da próstata
Não existe uma causa especifica para o desenvolvimento
do cancro da próstata.
O cancro da próstata é considerada uma causa natural de
envelhecimento, em alguns apresenta factores de risco tais
como hereditariedade e idade
Sintomas
Impotência
Desconforto
Dor ao urinar ou ejacular
Estes são os principais sintomas que um indivuduo pode
apresentar.
Tratamento
Cirurgia
Radioterapia
Quimioterapia
Hidrocele testicular
É o acumulo anormal de um liquido responsável por
lubrificação, dentro do escroto em volta do testículo.
Embora seja um problema que surge frequentemente em
bebes, mas também pode surgir em adultos especialmente
após aos 40 anos de idade.
Hidrocele testicular
Figura 2: Comparação entre testículo normal e com hidrocele.
Fonte: https://www.news-medical.net
Causas da hidrocele testicular
Em crianças:
Fechamento da bolsa.
Quando não há absorção do liquido pelo corpo.
 Acumulo do liquido no escroto.
Em adultos
Bolsa não totalmente fechada,
Acumulo do liquido no escroto.
Sintomas
Inchaço do testículo
Desconforto
Pode haver dor dependendo da inflamação.
Tratamento
O mais recomendado neste caso, é submeter o paciente a
uma pequena cirurgia para a remoção do acumulo do
liquido.
Herpes Genital
O herpes genital é uma doença sexualmente transmissível
causada pelo vírus herpes simples tipo 1 (HSV-1) e tipo 2
(HSC-2). A maior parte dos casos de herpes genital é
causada pelo tipo 2.
A infeção genital do tipo 2 é mais comum nas mulheres
provavelmente porque a transmissão homem-para-
mulher seja mais provável do que mulher-para-homem.
Sintomas
A maioria das pessoas com HSV-2 não sabe que está
infectada. Porém, se os sintomas ocorrerem, a primeiras
erupção pode ser bem pronunciadas. A primeira erupção
geralmente acontece dentro de duas semanas depois da
transmissão do vírus e as feridas tipicamente saram entre
2-4 semanas.
Cont(…)
Nas mulheres, a herpes genital se manifesta pelo aparecimento
de bolhas na vagina, colo do útero, vulva e próximo ao ânus .
Essas lesões também podem aparecer nas coxas ou nádegas e
muitas vezes são acompanhadas por gânglios na região da
virilha.
A herpes genital masculina se manifesta sob a forma de bolhas
tanto no pênis como em torno dos testículos, no ânus, coxas e
nádegas. Assim como entre as mulheres, também podem surgir
gânglios na virilha.
Cont(…)
Outros sintomas durante o primeiro episódio podem
incluir um segundo florescimento de feridas e sintomas
semelhantes à gripe, incluindo febre. Porém, a maioria
das pessoas com infeção de HSV-2 pode nunca ter
feridas, ou ter sintomas tão leves que nem nota ou
confunde com picada de insetos ou outro problema de
pele.
Herpes Genital
Tratamento
Não há tratamento que cure herpes, porém medicamentos
antivirais podem diminuir e prevenir as erupções.
Adicionalmente, terapia diária de repressão ao herpes
sintomático pode reduzir o risco de transmissão para o
parceiro sexual.
Clamídia
A clamídia é uma doença sexualmente transmissível
comum causada pela bactéria chlamydia trachomati, a qual
pode danificar os órgãos reprodutores da mulher. Ainda que
os sintomas da clamídia sejam geralmente moderados ou
ausentes, ela pode gerar complicações sérias que causam
danos irreversíveis, incluindo infertilidade, antes que a
mulher reconheça o problema. Clamídia também causa
secreção no pênis de homens contaminados.
Sintomas
Clamídia é conhecida como uma doença “silenciosa”
porque em torno de 3/4 das mulheres e metade dos homens
infectados não apresentam sintomas. Caso os sintomas
apareçam, eles geralmente se manifestam entre 1-3
semanas depois da contaminação.
Nas mulheres a bactéria inicialmente infecta o cérvix e a
uretra. Mulheres que apresentam sintomas podem ter
secreções vaginais anormais e sensação de queimação ao
urinar.
Cont(…)
Quando a infecção se espalha do cérvix aos tubos de
falópio algumas mulheres ainda podem não apresentar
nenhum sintoma, outras têm dores no abdômen inferior e
na parte de baixo das costas, náusea, febre, dor durante o
sexo e sangramento entre os ciclos menstruais. Infecção
de clamídia no cérvix pode se espalhar para o reto.
Clamídia
Tratamento
Clamídia pode ser facilmente tratada e curada com
antibióticos. Todos os parceiros sexuais devem ser avaliados,
testados e tratados. Pessoas com clamídia devem abster-se de
intercurso sexual até que elas e seus parceiros sexuais estejam
completamente curados, do contrário a infecção pode ocorrer
novamente. Ter múltiplas infecções de clamídia pode colocar
a mulher sob alto risco de complicações reprodutivas,
incluindo infertilidade.
Ejaculação precoce
É um problema sexual comum em homens afectando 20-
30% deles, sendo caracterizado pelo défice do controle
voluntario sobre a ejaculação.
Se isso autenticar 1 ou 2 vezes, não há motivos para
preocupação, mas se esse for um problema recorrente, é
importante procurar uma ajuda medica.
Tipos de ejaculação precoce
Ejaculação precoce primaria;
Ejaculação precoce secundaria;
Ejaculação precoce situacional;
Ejaculação precoce subjectiva.
Causas
Factores psicológicos que podem estar envolvidos na E.P:
Ansiedade
Problemas de relacionamento
Uso de medicamentos como psicotrópicos
Depressão
Stress
Experiencias sexuais traumáticas
Baixa-auto estima e confiança
Factores biológicos
Níveis hormonais acima do normal
Níveis de neurotransmissores acima do normal
Atividade anormal do sistema ejaculatório
Distúrbios da tiroide
Inflamação ou infeção na próstata e na uretra
Fatores genéticos
Danos no sistema nervoso causados por cirurgias
Sintomas
No caso da E.P primaria:
Dificuldade de segurar uma ereção com menos de 1
minuto de penetração
Inabilidade de retardar a ereção durante o acto sexual
Entriose, frustração e o ato de evitar intimidade sexual
com o parceiro.
No caso da E.P secundaria:
Mesmos sintomas com a particularidade de que estes nem
sempre fizeram parte de sua vida sexual.
Disfunção sexual
É a incapacidade e dificuldade em ter ou em manter uma
ereção do pénis que permita ter um contacto intimo.
Afeta na maioria homens entre 50 e 80 anos de idade e, alem
de prejudicar a saúde sexual e intima do homem, pode trazer
outros problemas psicológicos como depressão contribuindo
por isso para uma diminuição da qualidade de vida.
Disfunção sexual
Figura 1: Ilustração dos níveis de ereção do pénis (disfunção sexual).
Fonte: https://www.granmedic.com.br
Causas da disfunção Sexual
 Uso de drogas;
Alcoolismo ;
Obesidade;
Uso excessivo de certos medicamentos como
hipertensivos, antidepressivos e anti psicóticos;
Problemas psicológicos como depressão, traumas, medo,
insatisfação ou diminuição do libido;
Tabagismo.
Sintomas da disfunção sexual
Dificuldade para conseguir ou para manter uma ereção
Ereção menos rígida e mais flácida
Redução do tamanho do órgão sexual
Mais tempo para atingir a ereção
Dificuldade em manter contacto intimo em algumas
posições sexuais
Muito esforço e concentração para manter a ereção
Diminuição dos pelos no corpo
Ejaculação mais rápida que o habitual
Tratamento
Uso de medicamentos
Terapia de reposição com hormônios
Uso de aparelhos de vácuo
Cirurgia para implantação de próteses
Aconselhamento psicológico
Terapias
Varicocele
É a dilatação das veias presentes dentro do escroto, bolsa
de pele solta abaixo do pénis que detém os testículos.
Varicocele é também conhecida como varizes do testículo
ou varizes do escroto.
Varicocele
Figura 2: Comparacao do escroto normal com um escroto com
varicocele.
Fonte: https://www.rsaude.com.br
Causas
 Desenvolvimento lento;
Geralmente no lado esquerdo;
Varicocele em um só testículos pode afetar a produção
de espermatozoides em ambos os testículos.
Sintomas
Geralmente não apresenta sinais mas quando apresenta são:
Rara ocorrência de dor que pode aumentar; piorar; ou
melhorar
A varicocele pode aumentar de tamanho e tornar-se mais
visível;
Pode haver atrofia testicular ou sinais de infertilidade.
Tratamento
Geralmente o tratamento da varicocele é dispensado, mas
em casos mais graves, o paciente pode ser submetido a
reparações cirúrgicas.
Riscos da cirurgia:
Acumulo de liquido em torno dos testículos
Recorrência da varicocele
Danos a uma artéria
Cancro do colo do útero
O cancro do colo de útero e uma lesão invasiva intrauterina
ocasionada principalmente pelo HPV, o papilomavirus
humano.
Este pode se manifestar através de verugas na mucosa da
vagina, do anus, da laringe e do esófago. Ee assintomática e
causa lesões detectadas por exames complementares.
Ee uma doença demorada, podendo levar de 10 a 20 anos
para o seu desenvolvimento.
Cancro do colo do útero
Figura 1: Ilustracao do
desenvolvimento do cancro no colo do
útero.
Fonte: https://www.news-medical.net
Figura 2: Fases do desenvolvimento do
cancro no colo do útero.
Fonte: https://www.gineco.com.br
Sintomas
Os principais sintomas são:
Corrimento persistente de coloração amarelada ou rosa, e
com forte odor
Sangramento apos o acto sexual
Dor pélvica
Em casos mais graves, há surgimento de edemas nos
membros inferiores, problemas urinários e
comprometimento de estruturas extragenitais.
Causas
Sexo desprotegido com múltiplos parceiros
Historico de DTS’s
Tabagismo
Idade precoce da 1ª relação sexual
Multiparidade
Tratamento
Para o seu tratamento, ee necessário a realização do exame
Papanicolau que pode ser complementado com
Colposcopia com a realização de biopsia para se confirmar
o diagnostico.
Endometriose
Doença caracterizada pela presença do endométrio- tecido
que reveste o interior do útero- fora da cavidade uterina, ou
seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos
e bexiga.
Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um
ovulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há
gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é
expelido na menstruação.
Endometriose
Figura 1: Comparacao de um útero normal
com um útero com endometriose.
Fonte: https://www.gineco.com.br
Figura 2: Processo de desenvolvimento
da endometriose.
Fonte: https://www.icaro.med.br
Sintomas
Os principais sintomas da endometriose são dor e
infertilidade. Entre os sintomas, os mais comuns são:
Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação
Dor durante as relações sexuais
Dor difusa ou cronica na região pélvica
Fadiga cronica e exaustão
Sangramento menstrual intenso ou irregular
Alterações intestinais ou urinários durante a menstruação
Causas
As suas causas desse comportamento ainda são
desconhecidas, mas sabe-se que há um risco maior de
desenvolver a endometriose se a mãe ou irmã da paciente
sofrem esta doença.
Tratamento
A endometriose para o seu tratamento, é feita por meio de
medicamentos, e por procedimentos cirúrgicos, onde temos os exames
físico, ultrassonografia endovaginal especializado, exame
ginecológico, dosagem de marcadores e outros exames laboratoriais.
Os exames que podem sinalizar a endometriose, destacam-se:
Ultrassonografia transvaginal
Ressonância magnética
Laparoscopia
Laparotomia
Sífilis
Sífilis é uma doença infecciosa causada por uma bactéria
chamada Treponema pallidum com forma de espiral que
evolui lentamente em três estágios, caracterizada por lesões
da pele e mucosas. Pode ser transmitida por contato sexual,
configurando-se assim como uma doença sexualmente
transmitida e mais raramente por contaminação feto-
placentária.
Sifilis
Sintomas
No estágio primário: no estágio primário da sífilis é geralmente
marcado pelo aparecimento de uma única ferida, mas também
pode haver feridas múltiplas. O período de tempo entre a
contração da infecção e os primeiros sintomas pode variar de 10
a 90 dias (a média é 21 dias). O cancro é geralmente firme,
redondo, pequeno e sem dor. Ele aparece no local onde a sífilis
entrou no corpo. O cancro dura de 3 a 6 semanas e sara sem
tratamento. Porém, se tratamento correto não for administrado, a
infecção progride para o estágio secundário.
Cont(…)
No estágio secundário: o estágio secundário é caracterizado por
erupções na pele e lesões na membrana mucosa. Esse estágio
tipicamente começa com erupções em uma ou mais áreas do
corpo. As erupções geralmente não causam coceira e podem
aparecer enquanto o cancro está sarando ou várias semanas
depois. Algumas vezes as erupções do estágio secundário são
tão leves que não são notadas. Os sintomas do estágio
secundário da sífilis podem incluir febre, dor na garganta, dor
de cabeça, perda de peso, dores musculares e fadiga.
Cont(…)
No estágio terciário: o estágio latente da sífilis começa quando
os sintomas secundários desaparecem. Sem tratamento a pessoa
continuará a ter sífilis ainda que não apresente sintomas. Nos
estágios avançados da sífilis ela pode danificar órgãos internos
incluindo cérebro, olhos, nervos, coração, vasos sanguíneos,
fígado, ossos e articulações. Os sintomas do estágio avançado
da sífilis incluem dificuldade de coordenar os movimentos
musculares, paralisia, cegueira gradual e demência. Os danos
podem ser sérios o suficiente para causar a morte.
Tratamento
Sífilis é facilmente curável nos primeiros estágios. Uma
única injeção intramuscular de penicilina curará a pessoa
infectada com sífilis há menos de um ano. Doses adicionais
são necessárias para tratar pessoas que têm sífilis há mais de
um ano. Para pessoas alérgicas à penicilina há outros
antibióticos disponíveis.
Gonorreia
A gonorreia ou blenorragia é uma doença sexualmente
transmissível, causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, ou
gonococo. Que é uma bactéria com forma de diplococos
medindo cerca de 1 micrometro. A gonorréia é transmitida
pelo contato com o pênis, vagina, boca ou ânus. Não é
necessário haver ejaculação para a gonorréia ser transmitida.
Gonorréia também pode ser transmitida da mãe para o bebê
durante o parto. Pessoas que tiveram gonorréia e receberam
tratamento podem ser infectadas de novo se tiverem contato
sexual com indivíduos infectados.
Gonorreia
Sintomas
Nos homens os sintomas, que podem levar até 30 dias
depois da infecção para aparecer, incluem sensação de
queimação ao urinar; ou uma descamação amarela ou verde
no pênis. Algumas vezes homens com gonorréia ficam com
testículos doloridos.
Nas mulheres os sintomas da gonorréia são geralmente
moderados, porém a maioria das infectadas não apresenta
sintomas. Os sinais e sintomas iniciais incluem sensação de
queimação ao urinar e aumento do escoamento vaginal ou
sangramento vaginal entre os períodos menstruais.
Cont(…)
Sintomas da infecção retal, tanto em homens como
mulheres, podem incluir escoamento, coceira no ânus, dor,
sangramento ou evacuação dolorida. A infecção retal
também pode não apresentar sintomas. Infecção na garganta
pode causar dor, mas geralmente não apresenta sintomas.
Tratamentos
Além de medidas de higiene, vários antibióticos podem curar
com sucesso a gonorréia em adolescentes e adultos. Uma vez
que muitas pessoas com gonorréia também têm clamídia,
outra doença sexualmente transmissível, antibióticos para
ambas são geralmente dados juntos.
É importante tomar todo medicamento prescrevido para curar
a gonorréia. Embora a medicação interrompa a infecção, não
irá reparar qualquer dano permanente ocasionado pela doença.
Corrimento vaginal
É o nome que se da a secreção vaginal de fluidos pela
vagina.
O corrimento vaginal apresenta duas formas: corrimento
vaginal normal, e corrimento vaginal anormal.
Corrimento vaginal normal
O corrimento normal é branco, transparente, viscoso, sem
cheiro ou com cheiro não desagradável, e não esta associado
a comichão ou irritação.
O corrimento normal desempenha um papel importante para
a defesa do sistema genital feminino, livrando as células
mortas e das bactérias, permitindo que o ecossistema
microbiano e o PH da vagina permaneçam adequadas.
Corrimento vaginal anormal
São mais densos que o normal, libertam mau cheiro, são de
varias cores (branco, acinzentado, esverdeado, amarelo, ou
com sangue); é acompanhado por comichão, vermelhidão,
ardor, dores, ulceras ou feridas na região genital, dor
abdominal, e desconforto durante as relações sexuais.
Corrimento vaginal
Figura: ilustração do corrimento vaginal
fonte: http://www.brasilescola.com/doenças/gardnella.htm
Miomas
Cientificamente ee designado por leiomioma uterino
(leio=liso; mio=musculo; oma=tumor benigno).
Miomas são tumores benignos do útero, consistindo em
desordem hormonal que causa um enovelemento das fibras
musculares e forma um nodulo nesse órgão.
Útero que apresenta miomas
Figura: ilustração de um útero com miomas
Fonte: http//opais.sapo.mz/mioma-tumor-uterino.
Sintomas
A maioria das mulheres não apresentam os sintomas da
doença. Mas dependendo do tamanho, da quantidade e da
localização apresentam os seguintes sintomas:
Sangramento uterino anormal (fora do período
menstrual)
Dor no abdómen
Dificuldade para engravidar
Menstruação irregular
Causas do mioma
A causa da mioma ee desconhecida. O que se sabe ee que a
progesterona e o estrogénio influenciam no seu
desenvolvimento.
Mas existem alguns factores de risco tais como:
Idade
Histórico familiar
Origem étnica
obesidade
Tratamento
Não existe um medicamento que o faca desaparecer,
algumas drogas conseguem impedir o seu crescimento ou
ate reduzir o seu tamanho temporariamente, com a
interrupção do medicamento, o mioma volta a crescer.
Cancro do Ovario
Cancro do ovário é um cancro que se forma nos ovários.
Caracteriza-se pela presença de células anormais que têm a
capacidade de invadir ou de se espalhar para outras partes do
corpo. Quando este processo se inicia, os sintomas podem não
se manifestar ou serem impercetíveis. Entre as regiões mais
comuns para onde o cancro se espalha estão o revestimento do
abdómen, o revestimento do intestino e da bexiga, gânglios
linfáticos, pulmões e fígado.
Tipos de Cancro de Ovário
Tumores epiteliais, que começam na fina camada de tecido que cobre o
lado de fora dos ovários. Cerca de 90% dos casos são tumores
epiteliais.
Tumores do estroma, que começam no tecido ovariano que contém
células produtoras de hormônios. Estes tumores são geralmente
diagnosticados em um estágio mais inicial do que outros tumores
ovarianos. Cerca de 7% dos tumores ovarianos são do tipo estromal.
Tumores de células germinativas, que começam nas células produtoras
de óvulos. Esse tipo é raro, e tende a ocorrer em mulheres mais jovens.
Cancro do Ovário
Causas
O câncer de ovário não tem causa completamente esclarecida.
Sabe-se que se inicia a partir de mutações genéticas que alteram
as características das células, tornando-as alteradas em sua
capacidade de multiplicarem-se rapidamente, invadirem os
tecidos vizinhos, obterem irrigação dos vasos sanguíneos
vizinhos e de disseminar-se formando aglomerados celulares
denominados tumores no local onde se iniciou ou formando
tumores distantes do inicial chamados de metástases.
Cont(…)
Menopausa após os 50 anos
Uso de terapia hormonal para tratar os sintomas da
menopausa
Tratamentos para fertilidade
Tabagismo
Uso de dispositivo intrauterino (DIU)
Síndrome dos ovários policísticos.
Sintomas
Aumento do volume do abdômen
Dor abdominal ou na pelve
Dificuldade para comer ou rápida sensação de plenitude
Distúrbios urinários, tais como a necessidade urgente de
urinar ou urinar mais frequentemente do que o habitual.
Se você tiver um ou mais destes sintomas, e isso ocorre quase
diariamente por mais de duas ou três semanas, marque uma
consulta médica.
Cont(…)
Outros sintomas que afetam algumas mulheres com câncer de ovário
incluem:
Fadiga
Indigestão
Dor nas costas
Dor durante o sexo
Prisão de ventre
Alterações do ciclo menstrual.
Mas esses sintomas também não indicam necessariamente a presença do
tumor.
Cont(…)
Os principais fatores de risco para o câncer de ovário incluem:
Histórico familiar da doença: Ter uma mãe, irmã ou filha que
teve câncer de ovário aumentará o risco. E se dois parentes
próximos com câncer, o risco será mais elevado.
Herança genética: o câncer pode ser causado por uma
alteração genética que é passada de mãe para filha.
Ausência de histórico de gravidez
Início dos ciclos menstruais antes dos 12 anos
Tratamento
A escolha do tratamento e os resultados a longo prazo para
paciente com câncer de ovário dependem do tipo e estágio
do câncer. Sua idade, saúde geral, qualidade de vida e
desejo de ter filhos também devem ser considerados. As
principais opções de tratamento são:
Cont(…)
Cirurgia
A cirurgia é o principal tratamento. Entre as opções de
cirurgia estão:
Histerectomia total: remove o útero e do colo do útero
Salpingo-ooforectomia unilateral: remove um ovário e
uma trompa de Falópio
Salpingo-ooforectomia bilateral: remove os ovários e as
duas trompas de falópio.
Cont(…)
Radioterapia
A radioterapia para câncer de ovário usa raios-X de alta energia
para matar células cancerosas e encolher tumores. Não é muito
usado para tratar esse tipo de tumor. É usado um aparelho que
destina a radiação na área em que as células cancerosas são
encontradas.
Há também a radioterapia interna, que utiliza agulhas, sementes,
fios, ou cateteres que contêm materiais radioactivos colocados
perto dos ovários ou no interior do corpo.
Cont(…)
Quimioterapia
A quimioterapia é utilizada para diminuir o crescimento do
tumor ou destruí-lo em muitos casos. A quimioterapia é
recomendada para a maioria dos casos após a cirurgia inicial.
Mas às vezes a quimioterapia é dada para reduzir o câncer
antes da cirurgia. O número de ciclos de tratamento vai
depender da fase da sua doença.
Cuidados a ter com os aparelhos
reprodutores (masculino e feminino)
Para as Mulheres:
Optar por roupas intimas de algodão e de cor branca
Lavar os órgãos genitais antes e apos as relações sexuais
Evitar o uso diário de pensos higiénicos
Lavar a vagina com agua corrente e de frente para tras
três vezes ao dia no mínimo, e promover a secagem
eficaz
Dormir sem roupa intima para arrejar a válvula
Evitar o uso de roupas muito justas.
Para os Homens:
Manter uma higiene e limpeza dos órgãos genitais
adequada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
Pibid Biologia Cejad
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Cláudia Moura
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Edvaldo S. Júnior
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Raíssa Soeiro
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Marcionedes De Souza
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
Stefanny Corrêa
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Lucas Fontes
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
Oncoguia
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
sterfanne moraes
 
Fisiologia do Sistema Reprodutor
Fisiologia do Sistema ReprodutorFisiologia do Sistema Reprodutor
Fisiologia do Sistema Reprodutor
Gabriela Bruno
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Anderson Silva
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 
A técnica citológica de papanicolaou
A técnica citológica de  papanicolaouA técnica citológica de  papanicolaou
A técnica citológica de papanicolaou
Jaqueline Almeida
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
César Milani
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Patricia de Rossi
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
Laboratório Sérgio Franco
 

Mais procurados (20)

DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Fisiologia do Sistema Reprodutor
Fisiologia do Sistema ReprodutorFisiologia do Sistema Reprodutor
Fisiologia do Sistema Reprodutor
 
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
A técnica citológica de papanicolaou
A técnica citológica de  papanicolaouA técnica citológica de  papanicolaou
A técnica citológica de papanicolaou
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 

Semelhante a Doenças do Sistema Reprodutor Humano

Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
'Alice Tinoco
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Marcelo Henrique
 
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsxDoenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
mariafernandes
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
suamarael
 
2011
20112011
DSTs
DSTsDSTs
DST
DSTDST
PALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdfPALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdf
MarcileneFerreira6
 
DST
DSTDST
DST
DSTDST
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
lipe98
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..
tiafer96
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Ivete Campos
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
SANTOS Odirley
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
Pelo Siro
 
Orquite viral power point
Orquite viral power pointOrquite viral power point
Orquite viral power point
Diogo Melo Pinto
 
7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças
Daniela
 
DST
DSTDST
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Janielson Lima
 

Semelhante a Doenças do Sistema Reprodutor Humano (20)

Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsxDoenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
 
2011
20112011
2011
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
DST
DSTDST
DST
 
PALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdfPALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdf
 
DST
DSTDST
DST
 
DST
DSTDST
DST
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
 
Orquite viral power point
Orquite viral power pointOrquite viral power point
Orquite viral power point
 
7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças
 
DST
DSTDST
DST
 
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
 

Doenças do Sistema Reprodutor Humano

  • 1. Doenças e Distúrbios do Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
  • 2. Cancro da próstata Crescimento anormal e desordenado de determinadas células que acabam por formar massas as quais chamam tumores, podendo assim espalhar-se por todo o órgão, em casos mais graves ate mesmo fora do órgão. O cancro da próstata diferencia-se de outros tumores pela lenta evolução, o que faz com que os sintomas se manifestem apenas em fase mais avançada.
  • 3. Cancro da próstata Figura 1:comparação entre uma próstata normal com uma próstata com cancro. Fonte: https://www.news-medical.net
  • 4. Causas do cancro da próstata Não existe uma causa especifica para o desenvolvimento do cancro da próstata. O cancro da próstata é considerada uma causa natural de envelhecimento, em alguns apresenta factores de risco tais como hereditariedade e idade
  • 5. Sintomas Impotência Desconforto Dor ao urinar ou ejacular Estes são os principais sintomas que um indivuduo pode apresentar.
  • 7. Hidrocele testicular É o acumulo anormal de um liquido responsável por lubrificação, dentro do escroto em volta do testículo. Embora seja um problema que surge frequentemente em bebes, mas também pode surgir em adultos especialmente após aos 40 anos de idade.
  • 8. Hidrocele testicular Figura 2: Comparação entre testículo normal e com hidrocele. Fonte: https://www.news-medical.net
  • 9. Causas da hidrocele testicular Em crianças: Fechamento da bolsa. Quando não há absorção do liquido pelo corpo.  Acumulo do liquido no escroto. Em adultos Bolsa não totalmente fechada, Acumulo do liquido no escroto.
  • 10. Sintomas Inchaço do testículo Desconforto Pode haver dor dependendo da inflamação.
  • 11. Tratamento O mais recomendado neste caso, é submeter o paciente a uma pequena cirurgia para a remoção do acumulo do liquido.
  • 12. Herpes Genital O herpes genital é uma doença sexualmente transmissível causada pelo vírus herpes simples tipo 1 (HSV-1) e tipo 2 (HSC-2). A maior parte dos casos de herpes genital é causada pelo tipo 2. A infeção genital do tipo 2 é mais comum nas mulheres provavelmente porque a transmissão homem-para- mulher seja mais provável do que mulher-para-homem.
  • 13. Sintomas A maioria das pessoas com HSV-2 não sabe que está infectada. Porém, se os sintomas ocorrerem, a primeiras erupção pode ser bem pronunciadas. A primeira erupção geralmente acontece dentro de duas semanas depois da transmissão do vírus e as feridas tipicamente saram entre 2-4 semanas.
  • 14. Cont(…) Nas mulheres, a herpes genital se manifesta pelo aparecimento de bolhas na vagina, colo do útero, vulva e próximo ao ânus . Essas lesões também podem aparecer nas coxas ou nádegas e muitas vezes são acompanhadas por gânglios na região da virilha. A herpes genital masculina se manifesta sob a forma de bolhas tanto no pênis como em torno dos testículos, no ânus, coxas e nádegas. Assim como entre as mulheres, também podem surgir gânglios na virilha.
  • 15. Cont(…) Outros sintomas durante o primeiro episódio podem incluir um segundo florescimento de feridas e sintomas semelhantes à gripe, incluindo febre. Porém, a maioria das pessoas com infeção de HSV-2 pode nunca ter feridas, ou ter sintomas tão leves que nem nota ou confunde com picada de insetos ou outro problema de pele.
  • 17. Tratamento Não há tratamento que cure herpes, porém medicamentos antivirais podem diminuir e prevenir as erupções. Adicionalmente, terapia diária de repressão ao herpes sintomático pode reduzir o risco de transmissão para o parceiro sexual.
  • 18. Clamídia A clamídia é uma doença sexualmente transmissível comum causada pela bactéria chlamydia trachomati, a qual pode danificar os órgãos reprodutores da mulher. Ainda que os sintomas da clamídia sejam geralmente moderados ou ausentes, ela pode gerar complicações sérias que causam danos irreversíveis, incluindo infertilidade, antes que a mulher reconheça o problema. Clamídia também causa secreção no pênis de homens contaminados.
  • 19. Sintomas Clamídia é conhecida como uma doença “silenciosa” porque em torno de 3/4 das mulheres e metade dos homens infectados não apresentam sintomas. Caso os sintomas apareçam, eles geralmente se manifestam entre 1-3 semanas depois da contaminação. Nas mulheres a bactéria inicialmente infecta o cérvix e a uretra. Mulheres que apresentam sintomas podem ter secreções vaginais anormais e sensação de queimação ao urinar.
  • 20. Cont(…) Quando a infecção se espalha do cérvix aos tubos de falópio algumas mulheres ainda podem não apresentar nenhum sintoma, outras têm dores no abdômen inferior e na parte de baixo das costas, náusea, febre, dor durante o sexo e sangramento entre os ciclos menstruais. Infecção de clamídia no cérvix pode se espalhar para o reto.
  • 21.
  • 23. Tratamento Clamídia pode ser facilmente tratada e curada com antibióticos. Todos os parceiros sexuais devem ser avaliados, testados e tratados. Pessoas com clamídia devem abster-se de intercurso sexual até que elas e seus parceiros sexuais estejam completamente curados, do contrário a infecção pode ocorrer novamente. Ter múltiplas infecções de clamídia pode colocar a mulher sob alto risco de complicações reprodutivas, incluindo infertilidade.
  • 24. Ejaculação precoce É um problema sexual comum em homens afectando 20- 30% deles, sendo caracterizado pelo défice do controle voluntario sobre a ejaculação. Se isso autenticar 1 ou 2 vezes, não há motivos para preocupação, mas se esse for um problema recorrente, é importante procurar uma ajuda medica.
  • 25. Tipos de ejaculação precoce Ejaculação precoce primaria; Ejaculação precoce secundaria; Ejaculação precoce situacional; Ejaculação precoce subjectiva.
  • 26. Causas Factores psicológicos que podem estar envolvidos na E.P: Ansiedade Problemas de relacionamento Uso de medicamentos como psicotrópicos Depressão Stress Experiencias sexuais traumáticas Baixa-auto estima e confiança
  • 27. Factores biológicos Níveis hormonais acima do normal Níveis de neurotransmissores acima do normal Atividade anormal do sistema ejaculatório Distúrbios da tiroide Inflamação ou infeção na próstata e na uretra Fatores genéticos Danos no sistema nervoso causados por cirurgias
  • 28. Sintomas No caso da E.P primaria: Dificuldade de segurar uma ereção com menos de 1 minuto de penetração Inabilidade de retardar a ereção durante o acto sexual Entriose, frustração e o ato de evitar intimidade sexual com o parceiro. No caso da E.P secundaria: Mesmos sintomas com a particularidade de que estes nem sempre fizeram parte de sua vida sexual.
  • 29. Disfunção sexual É a incapacidade e dificuldade em ter ou em manter uma ereção do pénis que permita ter um contacto intimo. Afeta na maioria homens entre 50 e 80 anos de idade e, alem de prejudicar a saúde sexual e intima do homem, pode trazer outros problemas psicológicos como depressão contribuindo por isso para uma diminuição da qualidade de vida.
  • 30. Disfunção sexual Figura 1: Ilustração dos níveis de ereção do pénis (disfunção sexual). Fonte: https://www.granmedic.com.br
  • 31. Causas da disfunção Sexual  Uso de drogas; Alcoolismo ; Obesidade; Uso excessivo de certos medicamentos como hipertensivos, antidepressivos e anti psicóticos; Problemas psicológicos como depressão, traumas, medo, insatisfação ou diminuição do libido; Tabagismo.
  • 32. Sintomas da disfunção sexual Dificuldade para conseguir ou para manter uma ereção Ereção menos rígida e mais flácida Redução do tamanho do órgão sexual Mais tempo para atingir a ereção Dificuldade em manter contacto intimo em algumas posições sexuais Muito esforço e concentração para manter a ereção Diminuição dos pelos no corpo Ejaculação mais rápida que o habitual
  • 33. Tratamento Uso de medicamentos Terapia de reposição com hormônios Uso de aparelhos de vácuo Cirurgia para implantação de próteses Aconselhamento psicológico Terapias
  • 34. Varicocele É a dilatação das veias presentes dentro do escroto, bolsa de pele solta abaixo do pénis que detém os testículos. Varicocele é também conhecida como varizes do testículo ou varizes do escroto.
  • 35. Varicocele Figura 2: Comparacao do escroto normal com um escroto com varicocele. Fonte: https://www.rsaude.com.br
  • 36. Causas  Desenvolvimento lento; Geralmente no lado esquerdo; Varicocele em um só testículos pode afetar a produção de espermatozoides em ambos os testículos.
  • 37. Sintomas Geralmente não apresenta sinais mas quando apresenta são: Rara ocorrência de dor que pode aumentar; piorar; ou melhorar A varicocele pode aumentar de tamanho e tornar-se mais visível; Pode haver atrofia testicular ou sinais de infertilidade.
  • 38. Tratamento Geralmente o tratamento da varicocele é dispensado, mas em casos mais graves, o paciente pode ser submetido a reparações cirúrgicas. Riscos da cirurgia: Acumulo de liquido em torno dos testículos Recorrência da varicocele Danos a uma artéria
  • 39. Cancro do colo do útero O cancro do colo de útero e uma lesão invasiva intrauterina ocasionada principalmente pelo HPV, o papilomavirus humano. Este pode se manifestar através de verugas na mucosa da vagina, do anus, da laringe e do esófago. Ee assintomática e causa lesões detectadas por exames complementares. Ee uma doença demorada, podendo levar de 10 a 20 anos para o seu desenvolvimento.
  • 40. Cancro do colo do útero Figura 1: Ilustracao do desenvolvimento do cancro no colo do útero. Fonte: https://www.news-medical.net Figura 2: Fases do desenvolvimento do cancro no colo do útero. Fonte: https://www.gineco.com.br
  • 41. Sintomas Os principais sintomas são: Corrimento persistente de coloração amarelada ou rosa, e com forte odor Sangramento apos o acto sexual Dor pélvica Em casos mais graves, há surgimento de edemas nos membros inferiores, problemas urinários e comprometimento de estruturas extragenitais.
  • 42. Causas Sexo desprotegido com múltiplos parceiros Historico de DTS’s Tabagismo Idade precoce da 1ª relação sexual Multiparidade
  • 43. Tratamento Para o seu tratamento, ee necessário a realização do exame Papanicolau que pode ser complementado com Colposcopia com a realização de biopsia para se confirmar o diagnostico.
  • 44. Endometriose Doença caracterizada pela presença do endométrio- tecido que reveste o interior do útero- fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um ovulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é expelido na menstruação.
  • 45. Endometriose Figura 1: Comparacao de um útero normal com um útero com endometriose. Fonte: https://www.gineco.com.br Figura 2: Processo de desenvolvimento da endometriose. Fonte: https://www.icaro.med.br
  • 46. Sintomas Os principais sintomas da endometriose são dor e infertilidade. Entre os sintomas, os mais comuns são: Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação Dor durante as relações sexuais Dor difusa ou cronica na região pélvica Fadiga cronica e exaustão Sangramento menstrual intenso ou irregular Alterações intestinais ou urinários durante a menstruação
  • 47. Causas As suas causas desse comportamento ainda são desconhecidas, mas sabe-se que há um risco maior de desenvolver a endometriose se a mãe ou irmã da paciente sofrem esta doença.
  • 48. Tratamento A endometriose para o seu tratamento, é feita por meio de medicamentos, e por procedimentos cirúrgicos, onde temos os exames físico, ultrassonografia endovaginal especializado, exame ginecológico, dosagem de marcadores e outros exames laboratoriais. Os exames que podem sinalizar a endometriose, destacam-se: Ultrassonografia transvaginal Ressonância magnética Laparoscopia Laparotomia
  • 49. Sífilis Sífilis é uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Treponema pallidum com forma de espiral que evolui lentamente em três estágios, caracterizada por lesões da pele e mucosas. Pode ser transmitida por contato sexual, configurando-se assim como uma doença sexualmente transmitida e mais raramente por contaminação feto- placentária.
  • 51. Sintomas No estágio primário: no estágio primário da sífilis é geralmente marcado pelo aparecimento de uma única ferida, mas também pode haver feridas múltiplas. O período de tempo entre a contração da infecção e os primeiros sintomas pode variar de 10 a 90 dias (a média é 21 dias). O cancro é geralmente firme, redondo, pequeno e sem dor. Ele aparece no local onde a sífilis entrou no corpo. O cancro dura de 3 a 6 semanas e sara sem tratamento. Porém, se tratamento correto não for administrado, a infecção progride para o estágio secundário.
  • 52.
  • 53. Cont(…) No estágio secundário: o estágio secundário é caracterizado por erupções na pele e lesões na membrana mucosa. Esse estágio tipicamente começa com erupções em uma ou mais áreas do corpo. As erupções geralmente não causam coceira e podem aparecer enquanto o cancro está sarando ou várias semanas depois. Algumas vezes as erupções do estágio secundário são tão leves que não são notadas. Os sintomas do estágio secundário da sífilis podem incluir febre, dor na garganta, dor de cabeça, perda de peso, dores musculares e fadiga.
  • 54.
  • 55. Cont(…) No estágio terciário: o estágio latente da sífilis começa quando os sintomas secundários desaparecem. Sem tratamento a pessoa continuará a ter sífilis ainda que não apresente sintomas. Nos estágios avançados da sífilis ela pode danificar órgãos internos incluindo cérebro, olhos, nervos, coração, vasos sanguíneos, fígado, ossos e articulações. Os sintomas do estágio avançado da sífilis incluem dificuldade de coordenar os movimentos musculares, paralisia, cegueira gradual e demência. Os danos podem ser sérios o suficiente para causar a morte.
  • 56.
  • 57. Tratamento Sífilis é facilmente curável nos primeiros estágios. Uma única injeção intramuscular de penicilina curará a pessoa infectada com sífilis há menos de um ano. Doses adicionais são necessárias para tratar pessoas que têm sífilis há mais de um ano. Para pessoas alérgicas à penicilina há outros antibióticos disponíveis.
  • 58. Gonorreia A gonorreia ou blenorragia é uma doença sexualmente transmissível, causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, ou gonococo. Que é uma bactéria com forma de diplococos medindo cerca de 1 micrometro. A gonorréia é transmitida pelo contato com o pênis, vagina, boca ou ânus. Não é necessário haver ejaculação para a gonorréia ser transmitida. Gonorréia também pode ser transmitida da mãe para o bebê durante o parto. Pessoas que tiveram gonorréia e receberam tratamento podem ser infectadas de novo se tiverem contato sexual com indivíduos infectados.
  • 60. Sintomas Nos homens os sintomas, que podem levar até 30 dias depois da infecção para aparecer, incluem sensação de queimação ao urinar; ou uma descamação amarela ou verde no pênis. Algumas vezes homens com gonorréia ficam com testículos doloridos. Nas mulheres os sintomas da gonorréia são geralmente moderados, porém a maioria das infectadas não apresenta sintomas. Os sinais e sintomas iniciais incluem sensação de queimação ao urinar e aumento do escoamento vaginal ou sangramento vaginal entre os períodos menstruais.
  • 61. Cont(…) Sintomas da infecção retal, tanto em homens como mulheres, podem incluir escoamento, coceira no ânus, dor, sangramento ou evacuação dolorida. A infecção retal também pode não apresentar sintomas. Infecção na garganta pode causar dor, mas geralmente não apresenta sintomas.
  • 62.
  • 63. Tratamentos Além de medidas de higiene, vários antibióticos podem curar com sucesso a gonorréia em adolescentes e adultos. Uma vez que muitas pessoas com gonorréia também têm clamídia, outra doença sexualmente transmissível, antibióticos para ambas são geralmente dados juntos. É importante tomar todo medicamento prescrevido para curar a gonorréia. Embora a medicação interrompa a infecção, não irá reparar qualquer dano permanente ocasionado pela doença.
  • 64. Corrimento vaginal É o nome que se da a secreção vaginal de fluidos pela vagina. O corrimento vaginal apresenta duas formas: corrimento vaginal normal, e corrimento vaginal anormal.
  • 65. Corrimento vaginal normal O corrimento normal é branco, transparente, viscoso, sem cheiro ou com cheiro não desagradável, e não esta associado a comichão ou irritação. O corrimento normal desempenha um papel importante para a defesa do sistema genital feminino, livrando as células mortas e das bactérias, permitindo que o ecossistema microbiano e o PH da vagina permaneçam adequadas.
  • 66. Corrimento vaginal anormal São mais densos que o normal, libertam mau cheiro, são de varias cores (branco, acinzentado, esverdeado, amarelo, ou com sangue); é acompanhado por comichão, vermelhidão, ardor, dores, ulceras ou feridas na região genital, dor abdominal, e desconforto durante as relações sexuais.
  • 67. Corrimento vaginal Figura: ilustração do corrimento vaginal fonte: http://www.brasilescola.com/doenças/gardnella.htm
  • 68. Miomas Cientificamente ee designado por leiomioma uterino (leio=liso; mio=musculo; oma=tumor benigno). Miomas são tumores benignos do útero, consistindo em desordem hormonal que causa um enovelemento das fibras musculares e forma um nodulo nesse órgão.
  • 69. Útero que apresenta miomas Figura: ilustração de um útero com miomas Fonte: http//opais.sapo.mz/mioma-tumor-uterino.
  • 70. Sintomas A maioria das mulheres não apresentam os sintomas da doença. Mas dependendo do tamanho, da quantidade e da localização apresentam os seguintes sintomas: Sangramento uterino anormal (fora do período menstrual) Dor no abdómen Dificuldade para engravidar Menstruação irregular
  • 71. Causas do mioma A causa da mioma ee desconhecida. O que se sabe ee que a progesterona e o estrogénio influenciam no seu desenvolvimento. Mas existem alguns factores de risco tais como: Idade Histórico familiar Origem étnica obesidade
  • 72. Tratamento Não existe um medicamento que o faca desaparecer, algumas drogas conseguem impedir o seu crescimento ou ate reduzir o seu tamanho temporariamente, com a interrupção do medicamento, o mioma volta a crescer.
  • 73. Cancro do Ovario Cancro do ovário é um cancro que se forma nos ovários. Caracteriza-se pela presença de células anormais que têm a capacidade de invadir ou de se espalhar para outras partes do corpo. Quando este processo se inicia, os sintomas podem não se manifestar ou serem impercetíveis. Entre as regiões mais comuns para onde o cancro se espalha estão o revestimento do abdómen, o revestimento do intestino e da bexiga, gânglios linfáticos, pulmões e fígado.
  • 74. Tipos de Cancro de Ovário Tumores epiteliais, que começam na fina camada de tecido que cobre o lado de fora dos ovários. Cerca de 90% dos casos são tumores epiteliais. Tumores do estroma, que começam no tecido ovariano que contém células produtoras de hormônios. Estes tumores são geralmente diagnosticados em um estágio mais inicial do que outros tumores ovarianos. Cerca de 7% dos tumores ovarianos são do tipo estromal. Tumores de células germinativas, que começam nas células produtoras de óvulos. Esse tipo é raro, e tende a ocorrer em mulheres mais jovens.
  • 76. Causas O câncer de ovário não tem causa completamente esclarecida. Sabe-se que se inicia a partir de mutações genéticas que alteram as características das células, tornando-as alteradas em sua capacidade de multiplicarem-se rapidamente, invadirem os tecidos vizinhos, obterem irrigação dos vasos sanguíneos vizinhos e de disseminar-se formando aglomerados celulares denominados tumores no local onde se iniciou ou formando tumores distantes do inicial chamados de metástases.
  • 77. Cont(…) Menopausa após os 50 anos Uso de terapia hormonal para tratar os sintomas da menopausa Tratamentos para fertilidade Tabagismo Uso de dispositivo intrauterino (DIU) Síndrome dos ovários policísticos.
  • 78. Sintomas Aumento do volume do abdômen Dor abdominal ou na pelve Dificuldade para comer ou rápida sensação de plenitude Distúrbios urinários, tais como a necessidade urgente de urinar ou urinar mais frequentemente do que o habitual. Se você tiver um ou mais destes sintomas, e isso ocorre quase diariamente por mais de duas ou três semanas, marque uma consulta médica.
  • 79. Cont(…) Outros sintomas que afetam algumas mulheres com câncer de ovário incluem: Fadiga Indigestão Dor nas costas Dor durante o sexo Prisão de ventre Alterações do ciclo menstrual. Mas esses sintomas também não indicam necessariamente a presença do tumor.
  • 80. Cont(…) Os principais fatores de risco para o câncer de ovário incluem: Histórico familiar da doença: Ter uma mãe, irmã ou filha que teve câncer de ovário aumentará o risco. E se dois parentes próximos com câncer, o risco será mais elevado. Herança genética: o câncer pode ser causado por uma alteração genética que é passada de mãe para filha. Ausência de histórico de gravidez Início dos ciclos menstruais antes dos 12 anos
  • 81. Tratamento A escolha do tratamento e os resultados a longo prazo para paciente com câncer de ovário dependem do tipo e estágio do câncer. Sua idade, saúde geral, qualidade de vida e desejo de ter filhos também devem ser considerados. As principais opções de tratamento são:
  • 82. Cont(…) Cirurgia A cirurgia é o principal tratamento. Entre as opções de cirurgia estão: Histerectomia total: remove o útero e do colo do útero Salpingo-ooforectomia unilateral: remove um ovário e uma trompa de Falópio Salpingo-ooforectomia bilateral: remove os ovários e as duas trompas de falópio.
  • 83. Cont(…) Radioterapia A radioterapia para câncer de ovário usa raios-X de alta energia para matar células cancerosas e encolher tumores. Não é muito usado para tratar esse tipo de tumor. É usado um aparelho que destina a radiação na área em que as células cancerosas são encontradas. Há também a radioterapia interna, que utiliza agulhas, sementes, fios, ou cateteres que contêm materiais radioactivos colocados perto dos ovários ou no interior do corpo.
  • 84. Cont(…) Quimioterapia A quimioterapia é utilizada para diminuir o crescimento do tumor ou destruí-lo em muitos casos. A quimioterapia é recomendada para a maioria dos casos após a cirurgia inicial. Mas às vezes a quimioterapia é dada para reduzir o câncer antes da cirurgia. O número de ciclos de tratamento vai depender da fase da sua doença.
  • 85. Cuidados a ter com os aparelhos reprodutores (masculino e feminino)
  • 86. Para as Mulheres: Optar por roupas intimas de algodão e de cor branca Lavar os órgãos genitais antes e apos as relações sexuais Evitar o uso diário de pensos higiénicos Lavar a vagina com agua corrente e de frente para tras três vezes ao dia no mínimo, e promover a secagem eficaz Dormir sem roupa intima para arrejar a válvula Evitar o uso de roupas muito justas.
  • 87. Para os Homens: Manter uma higiene e limpeza dos órgãos genitais adequada.