SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
CORPO E TEMPORALIDADE

                                                                          Delia Catullo Goldfarb



RESUMO: Este breve artigo oferece uma síntese do livro “Corpo, tempo e
envelhecimento” também disponível neste site. Aborda alguns eixos possíveis para
pensar as vicissitudes da subjetividade no processo do envelhecimento



       Quando ouvimos frases como: “eu quero fazer tantas coisas mas meu corpo já
não me deixa” ou “ainda há tanto para ser feito mas acho que meu tempo já está
acabando” nos encontramos ante um discurso altamente significativo de alguém que
fala de limites e limitações muito frequentemente irreversíveis. De alguém que fala
do corpo e do tempo.

       Esclareçamos primeiramente a questão do corpo. Perguntemo-nos de que nos
fala um idoso quando se refere a seu corpo com estas palavras. O que esta nos dizendo
quando se refere a seu corpo como um estranho, um outro, algo que o prejudica.

        Quando sentimos prazer e estamos bem com “nosso” corpo o sentimos como
próprio, é algo que nos pertence; mas quando o sofrimento se faz presente, sentimos
que alguma coisa que nos ataca de fora, esse nosso corpo se revela incontrolável
desconhecido e estranho. Rugas, cabelos brancos, doenças degenerativas, presbiopia,
etc, são sentidos como esses agressores externos que vêm questionar nossa imagem de
potência, saúde e beleza. Então quando um idoso fala de seu corpo com estas
palavras, está falando de um corpo de sofrimento, está falando de uma contradição, de
um psiquismo desejante, vivo, com vontade de fazer muitas coisas, e de um corpo que
já não serve como instrumento. O que jamais poderemos esquecer e que este corpo
sofredor ou decadente pôde continuar sendo objeto de investimentos amorosos
suficientemente significativos que façam uma ponte com o prazer. Mas, este corpo é
diferente do abordado por outras áreas do conhecimento.

       Quando falamos de corpo desde o ponto de vista da psicanálise não nos
referimos ao organismo natural objeto de estudo das ciências biológicas; falamos de
um corpo sobre o qual os afetos, os prazeres e sofrimentos e as emoções vão deixando
marcas, construindo história, criando uma imagem corporal que quer ser permanente,
imagem que nos permitirá nos reconhecermos sempre os mesmos, apesar das
mudanças que o tempo ou as circunstâncias de vida venham nos impor.

       Este corpo passará por significativas transformações ao longo da vida. Na
adolescência esse corpo que cresce desordenadamente a mercê das vissicitudes

_______________________________________________________________________________________________________
                            Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia
                                 CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927
                                             www.geracoes.org.br
hormonais, fará o sujeito se sentir estranho. Mas o jovem sabe que essas mudanças
não são outra coisa que o prelúdio de um futuro de pleno uso de sua capacidade
corporal.

        Mas quando o idoso se olha no espelho, (ou no olhar dos outros) este lhe
devolve uma imagem ligada a uma deterioração das capacidades corpóreas e de perda
de beleza, imagem na qual o idoso não se reconhece e diz: “esse não sou eu”. Embora
saiba que aquela imagem lhe pertence, ela produz uma impressão de estranheza,
frequentemente apavorante porque não se liga a um futuro pleno de realizações mas
antecipa ou confirma a velhice, enquanto que a imagem da memória é uma imagem
idealizada que remete a completude e onipotência.

        Quando a pessoa que envelhece diz: “esse não sou eu”, diz que o rosto em que
poderia se reconhecer tranquilamente não é aquele. Quero novamente esclarecer que a
falta de reconhecimento de que falo não se refere ao sujeito como tal, pois tanto o
adolescente quanto o idoso sabem que aquela imagem lhes pertence, mas
experimentam ante ela uma estranheza, um susto. Chamo este momento singular de
estranheza ante a própria imagem de “espelho negativo”. É um fenômeno que anuncia
a proximidade da velhice em termos de estética e que se acompanha de outros que
dizem sobre a funcionalidade do corpo e sobre o valor social que cada cultura outorga
a esta fase da vida.

       Ele acontece antes da velhice se instalar como vivência existencial do sujeito e
geralmente relacionado a um acontecimento na vida do sujeito que aparece sempre
como externo a ele, uma perda, uma doença, ou um dado que vêm do social. É
sempre algo que vem “de fora” e localiza o sujeito em um novo tempo. Este é
justamente o sentimento predominante. Alguma coisa que nos acontece subitamente,
como se um relógio que marcava sempre a mesma hora começasse a funcionar
bruscamente marcando um tempo que passa aceleradamente. Então, bem antes da
velhice chegar assiste-se mais o menos de forma impotente ao declínio corporal.

       Dizemos que o tempo da vida se desenvolve entre o nascimento e a morte.
Mas este tempo vivido é diferente do tempo medido. O tempo medido, o da idade
cronológica pouco têm a ver com o tempo vivido ou subjetivo. No entrecruzamento
destes dois tempos se encontra o sujeito que envelhece, aquele que além de medir o
tempo vivido, começa a contar o que lhe resta para viver e, no melhor dos casos, faz
planos para esse tempo que ainda está por vir. Assim, o tempo psicológico é a
percepção da passagem de nossa vida, e todo o que é vivo é perecedouro e está sujeito
a mudanças.

        O tempo do envelhecimento está ligado à consciência da finitude, que se
instaura a partir de diferentes experiências de proximidade com a morte durante a vida
toda, mas que na velhice adquire a dimensão do iniludível. Em uma pessoa jovem este

_______________________________________________________________________________________________________
                            Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia
                                 CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927
                                             www.geracoes.org.br
tipo de experiências provocam mudanças consideráveis, mas ele sabe que têm a vida
toda pela frente para reparar, modificar, construir. Na pessoa mais idosa o elemento
mais angustiante é o estreitamento do horizonte de futuro, já não tem mais todo o
tempo pela frente, só resta mais um pouco e pode não ser suficiente para abrigar tanto
desejo. Este tempo subjetivo é o tempo que interessa à psicanálise.

       Neste sentido vale a pena repensar a questão da reminiscência, esta forma
especial de fantasia que se desenvolve especialmente na velhice mais avançada.
Contrariamente ao que se acredita, a reminiscência não representa um sinal de
decrepitude ou depressão. Ela realiza uma articulação entre as três dimensões
temporais outorgando ao ser um sentido de comando da realidade e continuidade do
ser.

        A perda de objetos significativos de difícil substituição, somadas às
dificuldades provocadas pelas limitações físicas funcionais e a consciência de finitude
incrementam no idoso a necessidade de bem estar. Assim, a reminiscência pode ser
entendida como uma forma de exercício da memória histórica que será elaborativa se
achar um eco, uma escuta apropriada e um aproveitamento social, impedindo a
depressão do vazio de objetos. A reminiscência é a insistência da história.

        Quando não é possível investir no porvir, o psiquismo se defende da
destruição investindo no passado idealizado. Assim, além de se manter vínculos no
presente, se evita que as lembranças se evaporem e a história subjetiva se perca sob os
efeitos da demência.

        Não devemos confundir a reminiscência com a nostalgia onde a lembrança se
refere sempre a um objeto perdido, irrecuperável e em poder dos outros, como por
exemplo, a juventude. A nostalgia é uma experiência sempre dolorosa, que não
consegue recriar o prazer no ato de contar porque não pode recriar o objeto. O velho
nostálgico e deprimido fala de suas lembranças com tristeza e raiva enquanto o velho
reminiscente o faz sempre com um certo orgulho e satisfação.

        Agora, de que falamos quando falamos de velhos? Falamos de um sujeito
psíquico em constante crescimento e evolução, altamente afetado pela representação
de um corpo que declina e pela consciência da finitude. Mas, estamos falando de um
limite e não de uma limitação. Limite que será o do corpo biológico que sofre uma
involução, mas não daquele outro que sabemos capaz de prazer, instrumento de amor
e que deverá ser incentivado a sentir e se sensibilizar com a proximidade dos outros e
a força dos vínculos.

      Limite que será o da finitude elaborativa orientando investimentos adequados,
promovendo reflexão e não desespero, solidariedade e não solidão.

        Limite enfim que não feche a porta à paixão sempre possível.

_______________________________________________________________________________________________________
                            Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia
                                 CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927
                                             www.geracoes.org.br
Delia Catullo Goldfarb Psicóloga e psicanalista com mestrado pela PUC-SP e
doutorado em psicologia pela USP-SP. Tem especialização em Gerontologia pela
SBGG e FLACSO. Além de atuar em clínica particular é consultora do PNUD,
assessora em políticas públicas e criadora do curso “Psicogerontologia: fundamentos
e perspectivas” na COGEAE/PUC-SP. É membro fundador da Rede Ibero-americana
de Psicogerontologia e da Associação Nacional de Gerontologia. Como pesquisadora
se dedica principalmente aos temas: Alzheimer, depressão, cuidados e cuidadores,
demências, acompanhamento terapêutico com idosos, psicanálise e envelhecimento,
finitude, fragilidade, dependência, família e políticas públicas. Tem publicado os
livros "Corpo, tempo e envelhecimento" e "Demências" pela editora Casa do
Psicólogo, além de diversos artigos no Brasil e no exterior.

delia@geracoes.org.br




_______________________________________________________________________________________________________
                            Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia
                                 CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927
                                             www.geracoes.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro somos velhos capitulo1
Livro somos velhos capitulo1Livro somos velhos capitulo1
Livro somos velhos capitulo1Edilene Oliveira
 
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR..."LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioFatoze
 
Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129MRS
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. edição
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. ediçãoSuicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. edição
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. ediçãoRicardo Azevedo
 
Resenha espirita on line 128
Resenha espirita on line 128Resenha espirita on line 128
Resenha espirita on line 128MRS
 
Iluminação interior Despertamento Vara a Verdade
Iluminação interior   Despertamento Vara a VerdadeIluminação interior   Despertamento Vara a Verdade
Iluminação interior Despertamento Vara a VerdadeProf. Paulo Ratki
 
Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013ADEP Portugal
 
Resenha espirita on line 132
Resenha espirita on line 132Resenha espirita on line 132
Resenha espirita on line 132MRS
 
Beume julho16 pdf
Beume julho16 pdfBeume julho16 pdf
Beume julho16 pdfUme Maria
 

Mais procurados (19)

Livro somos velhos capitulo1
Livro somos velhos capitulo1Livro somos velhos capitulo1
Livro somos velhos capitulo1
 
Sentido da vida
Sentido da vidaSentido da vida
Sentido da vida
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
 
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR..."LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
"LONGEVIDADE E TEMPO LIVRE: NOVAS PROPOSTAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL E DE VALOR...
 
Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.Culpa e arrependimento.
Culpa e arrependimento.
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - Suicídio
 
Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. edição
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. ediçãoSuicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. edição
Suicídio - Dor dos dois lados da vida - 5a. edição
 
Resenha espirita on line 128
Resenha espirita on line 128Resenha espirita on line 128
Resenha espirita on line 128
 
Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018
Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018
Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018
 
6 aula preconceitos
6   aula preconceitos6   aula preconceitos
6 aula preconceitos
 
Carncia
CarnciaCarncia
Carncia
 
A crueldade
A crueldadeA crueldade
A crueldade
 
Iluminação interior Despertamento Vara a Verdade
Iluminação interior   Despertamento Vara a VerdadeIluminação interior   Despertamento Vara a Verdade
Iluminação interior Despertamento Vara a Verdade
 
Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013
 
Resenha espirita on line 132
Resenha espirita on line 132Resenha espirita on line 132
Resenha espirita on line 132
 
Sentidodavida
SentidodavidaSentidodavida
Sentidodavida
 
A arte de ser leve
A arte de ser leveA arte de ser leve
A arte de ser leve
 
Beume julho16 pdf
Beume julho16 pdfBeume julho16 pdf
Beume julho16 pdf
 

Destaque (20)

Day
DayDay
Day
 
PlaneacióN EspañOl 7
PlaneacióN EspañOl 7PlaneacióN EspañOl 7
PlaneacióN EspañOl 7
 
Lionmusic(2)
Lionmusic(2)Lionmusic(2)
Lionmusic(2)
 
Presentación1.pptx stephanie
Presentación1.pptx stephaniePresentación1.pptx stephanie
Presentación1.pptx stephanie
 
Taller opiniones
Taller opinionesTaller opiniones
Taller opiniones
 
новый 2013 год!
новый 2013 год!новый 2013 год!
новый 2013 год!
 
Katiane webquest (2)
Katiane  webquest (2)Katiane  webquest (2)
Katiane webquest (2)
 
Socail media
Socail mediaSocail media
Socail media
 
Acupuntura Biodinámica en CHILE - MANAKA - TERAPIA DE MERIDIANOS - SHONISHIN
Acupuntura Biodinámica en CHILE - MANAKA - TERAPIA DE MERIDIANOS - SHONISHINAcupuntura Biodinámica en CHILE - MANAKA - TERAPIA DE MERIDIANOS - SHONISHIN
Acupuntura Biodinámica en CHILE - MANAKA - TERAPIA DE MERIDIANOS - SHONISHIN
 
Orlando Magic
Orlando MagicOrlando Magic
Orlando Magic
 
Shows do ciclo natalino do Recife
Shows do ciclo natalino do RecifeShows do ciclo natalino do Recife
Shows do ciclo natalino do Recife
 
La liebre y la tortuga
La liebre y la tortugaLa liebre y la tortuga
La liebre y la tortuga
 
Efectos del ejercicio
Efectos del ejercicioEfectos del ejercicio
Efectos del ejercicio
 
C:\fakepath\nueva geometria del poder
C:\fakepath\nueva geometria del poderC:\fakepath\nueva geometria del poder
C:\fakepath\nueva geometria del poder
 
Manual de nós (manual escoteiro 3)
Manual de nós (manual escoteiro 3)Manual de nós (manual escoteiro 3)
Manual de nós (manual escoteiro 3)
 
Sus de a a z
Sus de a a zSus de a a z
Sus de a a z
 
Monografia e Informes Escritos
Monografia e Informes EscritosMonografia e Informes Escritos
Monografia e Informes Escritos
 
Catalogo Productos B&L y CASPIT
Catalogo Productos B&L y CASPITCatalogo Productos B&L y CASPIT
Catalogo Productos B&L y CASPIT
 
English Grammar for Dummies
English Grammar for DummiesEnglish Grammar for Dummies
English Grammar for Dummies
 
Descontruindo Marcas
Descontruindo MarcasDescontruindo Marcas
Descontruindo Marcas
 

Semelhante a Corpo e temporalidade

Psicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio cPsicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio cCristina Silva
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhiceJocarte
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhiceJocarte
 
10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)Beatriz pereira
 
Clínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaClínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaDaniela Marques
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoJorge Miklos
 
Sexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira IdadeSexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira Idadea20061577
 
Sexualidade 7 e12micaela
Sexualidade 7 e12micaelaSexualidade 7 e12micaela
Sexualidade 7 e12micaelaEspaço Emrc
 
Revista bem estar-20130519
Revista bem estar-20130519Revista bem estar-20130519
Revista bem estar-20130519Fernanda Caprio
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoajt7_9
 
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdfWinnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdfElaineFerreiraZulian
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
MaturidadeemocionalManoel Gamas
 
A percepção do corpo proprio e o ser surdo
A percepção do corpo proprio e o ser surdoA percepção do corpo proprio e o ser surdo
A percepção do corpo proprio e o ser surdoPriscila Macedo
 
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vida
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vidaAnálise do amor e da sexualidade no entardecer da vida
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vidaThiago de Almeida
 

Semelhante a Corpo e temporalidade (20)

Psicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio cPsicologia do desenvolvimento, é folio c
Psicologia do desenvolvimento, é folio c
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
 
Psicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhicePsicologia do desenvolvimento velhice
Psicologia do desenvolvimento velhice
 
10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)10º (a.inf) adolescente (1)
10º (a.inf) adolescente (1)
 
3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte
 
Clínica da adolescencia
Clínica da adolescenciaClínica da adolescencia
Clínica da adolescencia
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
 
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
 
Sexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira IdadeSexualidade Na Terceira Idade
Sexualidade Na Terceira Idade
 
Sexualidade 7 e12micaela
Sexualidade 7 e12micaelaSexualidade 7 e12micaela
Sexualidade 7 e12micaela
 
A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010 A metamorfose da vida nas organizações 2010
A metamorfose da vida nas organizações 2010
 
Revista bem estar-20130519
Revista bem estar-20130519Revista bem estar-20130519
Revista bem estar-20130519
 
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoaAs etapas do desenvolvimento de uma pessoa
As etapas do desenvolvimento de uma pessoa
 
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdfWinnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
Winnicott---A-criatividade-e-suas-origens.pdf
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
Maturidadeemocional
 
A percepção do corpo proprio e o ser surdo
A percepção do corpo proprio e o ser surdoA percepção do corpo proprio e o ser surdo
A percepção do corpo proprio e o ser surdo
 
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vida
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vidaAnálise do amor e da sexualidade no entardecer da vida
Análise do amor e da sexualidade no entardecer da vida
 
Apostila - o ser
Apostila -  o serApostila -  o ser
Apostila - o ser
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 

Último

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

Corpo e temporalidade

  • 1. CORPO E TEMPORALIDADE Delia Catullo Goldfarb RESUMO: Este breve artigo oferece uma síntese do livro “Corpo, tempo e envelhecimento” também disponível neste site. Aborda alguns eixos possíveis para pensar as vicissitudes da subjetividade no processo do envelhecimento Quando ouvimos frases como: “eu quero fazer tantas coisas mas meu corpo já não me deixa” ou “ainda há tanto para ser feito mas acho que meu tempo já está acabando” nos encontramos ante um discurso altamente significativo de alguém que fala de limites e limitações muito frequentemente irreversíveis. De alguém que fala do corpo e do tempo. Esclareçamos primeiramente a questão do corpo. Perguntemo-nos de que nos fala um idoso quando se refere a seu corpo com estas palavras. O que esta nos dizendo quando se refere a seu corpo como um estranho, um outro, algo que o prejudica. Quando sentimos prazer e estamos bem com “nosso” corpo o sentimos como próprio, é algo que nos pertence; mas quando o sofrimento se faz presente, sentimos que alguma coisa que nos ataca de fora, esse nosso corpo se revela incontrolável desconhecido e estranho. Rugas, cabelos brancos, doenças degenerativas, presbiopia, etc, são sentidos como esses agressores externos que vêm questionar nossa imagem de potência, saúde e beleza. Então quando um idoso fala de seu corpo com estas palavras, está falando de um corpo de sofrimento, está falando de uma contradição, de um psiquismo desejante, vivo, com vontade de fazer muitas coisas, e de um corpo que já não serve como instrumento. O que jamais poderemos esquecer e que este corpo sofredor ou decadente pôde continuar sendo objeto de investimentos amorosos suficientemente significativos que façam uma ponte com o prazer. Mas, este corpo é diferente do abordado por outras áreas do conhecimento. Quando falamos de corpo desde o ponto de vista da psicanálise não nos referimos ao organismo natural objeto de estudo das ciências biológicas; falamos de um corpo sobre o qual os afetos, os prazeres e sofrimentos e as emoções vão deixando marcas, construindo história, criando uma imagem corporal que quer ser permanente, imagem que nos permitirá nos reconhecermos sempre os mesmos, apesar das mudanças que o tempo ou as circunstâncias de vida venham nos impor. Este corpo passará por significativas transformações ao longo da vida. Na adolescência esse corpo que cresce desordenadamente a mercê das vissicitudes _______________________________________________________________________________________________________ Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br
  • 2. hormonais, fará o sujeito se sentir estranho. Mas o jovem sabe que essas mudanças não são outra coisa que o prelúdio de um futuro de pleno uso de sua capacidade corporal. Mas quando o idoso se olha no espelho, (ou no olhar dos outros) este lhe devolve uma imagem ligada a uma deterioração das capacidades corpóreas e de perda de beleza, imagem na qual o idoso não se reconhece e diz: “esse não sou eu”. Embora saiba que aquela imagem lhe pertence, ela produz uma impressão de estranheza, frequentemente apavorante porque não se liga a um futuro pleno de realizações mas antecipa ou confirma a velhice, enquanto que a imagem da memória é uma imagem idealizada que remete a completude e onipotência. Quando a pessoa que envelhece diz: “esse não sou eu”, diz que o rosto em que poderia se reconhecer tranquilamente não é aquele. Quero novamente esclarecer que a falta de reconhecimento de que falo não se refere ao sujeito como tal, pois tanto o adolescente quanto o idoso sabem que aquela imagem lhes pertence, mas experimentam ante ela uma estranheza, um susto. Chamo este momento singular de estranheza ante a própria imagem de “espelho negativo”. É um fenômeno que anuncia a proximidade da velhice em termos de estética e que se acompanha de outros que dizem sobre a funcionalidade do corpo e sobre o valor social que cada cultura outorga a esta fase da vida. Ele acontece antes da velhice se instalar como vivência existencial do sujeito e geralmente relacionado a um acontecimento na vida do sujeito que aparece sempre como externo a ele, uma perda, uma doença, ou um dado que vêm do social. É sempre algo que vem “de fora” e localiza o sujeito em um novo tempo. Este é justamente o sentimento predominante. Alguma coisa que nos acontece subitamente, como se um relógio que marcava sempre a mesma hora começasse a funcionar bruscamente marcando um tempo que passa aceleradamente. Então, bem antes da velhice chegar assiste-se mais o menos de forma impotente ao declínio corporal. Dizemos que o tempo da vida se desenvolve entre o nascimento e a morte. Mas este tempo vivido é diferente do tempo medido. O tempo medido, o da idade cronológica pouco têm a ver com o tempo vivido ou subjetivo. No entrecruzamento destes dois tempos se encontra o sujeito que envelhece, aquele que além de medir o tempo vivido, começa a contar o que lhe resta para viver e, no melhor dos casos, faz planos para esse tempo que ainda está por vir. Assim, o tempo psicológico é a percepção da passagem de nossa vida, e todo o que é vivo é perecedouro e está sujeito a mudanças. O tempo do envelhecimento está ligado à consciência da finitude, que se instaura a partir de diferentes experiências de proximidade com a morte durante a vida toda, mas que na velhice adquire a dimensão do iniludível. Em uma pessoa jovem este _______________________________________________________________________________________________________ Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br
  • 3. tipo de experiências provocam mudanças consideráveis, mas ele sabe que têm a vida toda pela frente para reparar, modificar, construir. Na pessoa mais idosa o elemento mais angustiante é o estreitamento do horizonte de futuro, já não tem mais todo o tempo pela frente, só resta mais um pouco e pode não ser suficiente para abrigar tanto desejo. Este tempo subjetivo é o tempo que interessa à psicanálise. Neste sentido vale a pena repensar a questão da reminiscência, esta forma especial de fantasia que se desenvolve especialmente na velhice mais avançada. Contrariamente ao que se acredita, a reminiscência não representa um sinal de decrepitude ou depressão. Ela realiza uma articulação entre as três dimensões temporais outorgando ao ser um sentido de comando da realidade e continuidade do ser. A perda de objetos significativos de difícil substituição, somadas às dificuldades provocadas pelas limitações físicas funcionais e a consciência de finitude incrementam no idoso a necessidade de bem estar. Assim, a reminiscência pode ser entendida como uma forma de exercício da memória histórica que será elaborativa se achar um eco, uma escuta apropriada e um aproveitamento social, impedindo a depressão do vazio de objetos. A reminiscência é a insistência da história. Quando não é possível investir no porvir, o psiquismo se defende da destruição investindo no passado idealizado. Assim, além de se manter vínculos no presente, se evita que as lembranças se evaporem e a história subjetiva se perca sob os efeitos da demência. Não devemos confundir a reminiscência com a nostalgia onde a lembrança se refere sempre a um objeto perdido, irrecuperável e em poder dos outros, como por exemplo, a juventude. A nostalgia é uma experiência sempre dolorosa, que não consegue recriar o prazer no ato de contar porque não pode recriar o objeto. O velho nostálgico e deprimido fala de suas lembranças com tristeza e raiva enquanto o velho reminiscente o faz sempre com um certo orgulho e satisfação. Agora, de que falamos quando falamos de velhos? Falamos de um sujeito psíquico em constante crescimento e evolução, altamente afetado pela representação de um corpo que declina e pela consciência da finitude. Mas, estamos falando de um limite e não de uma limitação. Limite que será o do corpo biológico que sofre uma involução, mas não daquele outro que sabemos capaz de prazer, instrumento de amor e que deverá ser incentivado a sentir e se sensibilizar com a proximidade dos outros e a força dos vínculos. Limite que será o da finitude elaborativa orientando investimentos adequados, promovendo reflexão e não desespero, solidariedade e não solidão. Limite enfim que não feche a porta à paixão sempre possível. _______________________________________________________________________________________________________ Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br
  • 4. Delia Catullo Goldfarb Psicóloga e psicanalista com mestrado pela PUC-SP e doutorado em psicologia pela USP-SP. Tem especialização em Gerontologia pela SBGG e FLACSO. Além de atuar em clínica particular é consultora do PNUD, assessora em políticas públicas e criadora do curso “Psicogerontologia: fundamentos e perspectivas” na COGEAE/PUC-SP. É membro fundador da Rede Ibero-americana de Psicogerontologia e da Associação Nacional de Gerontologia. Como pesquisadora se dedica principalmente aos temas: Alzheimer, depressão, cuidados e cuidadores, demências, acompanhamento terapêutico com idosos, psicanálise e envelhecimento, finitude, fragilidade, dependência, família e políticas públicas. Tem publicado os livros "Corpo, tempo e envelhecimento" e "Demências" pela editora Casa do Psicólogo, além de diversos artigos no Brasil e no exterior. delia@geracoes.org.br _______________________________________________________________________________________________________ Ger-Ações – Centro de Ações e Pesquisas em Gerontologia CNPJ: 09.290.454/0001-19 / CCM: 3.722.8927 www.geracoes.org.br