SlideShare uma empresa Scribd logo
Recife, Setembro de 2018 - Ano III - nº 39
CH Notícias
Recife, Setembro de 2018 - Ano III - nº 39
CH Notícias
Leia todas as edições do CH Notícias no Blog:
blogchnoticias.blogspot.com.br
Allan Kardec – Livro dos Espíritos
Questão 944
Tem o homem o direito de dispor da sua vida?
“Não; só a Deus assiste esse direito. O suicídio voluntário
importa numa transgressão desta lei.”
a) - Não é sempre voluntário o suicídio?
“O louco que se mata não sabe o que faz.”
Questão 957
Quais, em geral, com relação ao estado do Espírito, as con-
sequências do suicídio?
“Muito diversas são as consequências do suicídio. Não há
penas determinadas e, em todos os casos, correspondem
sempre às causas que o produziram. Há, porém, uma con-
sequência a que o suicida não pode escapar; é o desapon-
tamento. Mas, a sorte não é a mesma para todos; depende
das circunstâncias. Alguns expiam a falta imediatamente,
outros em nova existência, que será pior do que aquela cujo
curso interromperam.”
Pág 01
Pág 01
Pág 02
Pág 03
Pág 04
Pág 04
Pág 05
Pág 05
Pág 06
Pág 06
Pág 07
Pág 08
O SUICÍDIO, UMA VISÃO ESPÍRITA
Valéria Pessoa
“No mundo, atualmente, 804 mil suicídios ocorrem por ano. É quase uma morte a cada 40 segundos e a cada 10 suicídios, aconteceram 40
a 60 tentativas”, são dados da OMS de 2014.
Estas são as atuais e alarmantes estatísticas e são realmente estarrecedoras. Não parece que esta realidade chega cada vez mais perto de
nós, como se avizinhando? Todos temos notícias sobre este tipo de morte com maior frequência, e fico me perguntando se é a velocidade
com que as informações hoje nos chegam, ou é realmente um aumento tão grande neste número. Por dia, no Brasil, morrem 32 pessoas, taxa
superior as mortes por AIDS ou pela maioria dos tipos de câncer, com uma triste expectativa de que em 2020, haverá um aumento de até 50%
no número anual de mortes por suicídio.
Precisamos romper a barreira do medo ou pudor de falar nesse assunto, como se falar trouxesse mau agouro, ou fosse incentivar os que
pensam em usar este tipo de aparente escapatória. Este tipo de comportamento, nos torna cúmplices por covardia e diminui a nossa capacida-
de de ajudar, porque se nós que estamos de fora não falamos, como esperamos que a pessoa que está se sentindo tão sozinha e um incômodo
para os outros, que não acreditam em qualquer solução, peçam socorro?
Os motivos que se nos apresentam para justificar a maioria das mortes por suicídio são as mais diversas perdas e a visão de sua incapacidade
“momentânea” de lidar com esta perda, mas se olharmos para as verdadeiras causas, no íntimo, o que encontraremos será de fato a real perda
do sentido e do propósito de vida.
Ouvimos também que quem atenta ou tira a própria vida, não quer de fato acabar com a vida, mas acabar com a dor, e essa é uma forma
de ver o quanto a visão da pessoa que sofre está reduzida, uma vez que a dor não é vista como um obstáculo imenso a ser vivido e vencido, se
utilizando de toda e qualquer ajuda, interna e externa, e sim, neste momento, ela é a dor, ela quer parar de sentir!
O espiritismo nos ajuda a compreender o verdadeiro sentido da dor como contribuição para a nossa evolução, uma vez que se estiver tudo
confortável, a nossa tendência é não sair do lugar. Nos ajuda a ter uma visão de que, diante de todo desafio, também se apresenta uma opor-
tunidade de aprendizado, e que dela, se eu tiver humildade e exercitar a aceitação para vasculhar o que estou precisando compreender, sairei
dela mais fortalecido e uma pessoa melhor. As outras religiões, com suas visões de punição e castigo, não ajudam na compreensão, aumentam
o desamparo, porque se Deus, que é o meu pai, que “devia” querer me ver feliz, permite que eu sofra desta forma, ou ele é injusto e aí começo
a travar uma luta bem ambivalente de temor e raiva, e não encontro justificativa para ter sido escolhida para passar por isto, ou ele é justo e
sou uma pessoa má, que não merece viver.
Mas se compreendo que não passo por nada que não mereça ou precise passar, porque é a colheita do plantio que eu mesma fiz, mas que
nada é para sempre, e mesmo que esta dor insuportável seja um efeito, um reajustamento com a Lei Divina, se compreendo o que de fato
importa e mudo de postura, “a cobrança” cessa, porque como o objetivo é que eu aprenda e não a punição pela punição, o processo educativo
já se deu, mesmo que eu só vá colher os frutos em uma nova existência.
O nosso Chico Xavier, nos conta, que em um momento de profundo amargura, pediu a Emmanuel que pedisse socorro a Maria, mãe de
Jesus, e recebeu o seguinte recado, que colou no encosto de sua cama para que pudesse ler todos os dias: “Isso também passará”.
Ter em mente que não estamos sozinhos, que tudo o que passamos é visto por quem nos ama incondicionalmente, é uma forma de au-
mentar a esperança e a nossa fé. Que essa situação que hoje parece insuportável, foi construída aos poucos por mim mesmo, quando fomos
encolhendo o nosso mundo, seja porque não prestamos atenção a uma tristeza que se intensificou e se transformou numa depressão, uma
doença que precisa de tratamento, psiquiátrico e psicológico. E que precisamos abrir a porta desse calabouço escuro, porque a maçaneta fica
sempre do lado de dentro, e mesmo que doa ou ameace, permita que te ajudem! Por que nos afastamos do que verdadeiramente importa em
nossas vidas, como por exemplo, amigos “de verdade”, não valem os inúmeros “cybers amigos” ou “seguidores”, porque são “amigos de plásti-
co”, parecem existir, mas não tem “perfume”. Se prestarmos atenção, até aumenta a nossa sensação de inadequação, uma vez que as postagens
felizes intensificam a nossa dor, de imaginar que ou o mundo parou para mim ou estou andando na contramão, e, portanto, “sou errado”. O
stress, a pressão, as cobranças de um mundo altamente competitivo, também aumentam o nosso medo de não conseguir e pode estimular a
desistir antes mesmo de tentar verdadeiramente. Uma religião, meu Deus, seja ela qual for, como ajuda!! Porque temos algo para nos apegar,
alguém para rezar e pedir, porque estimula a nossa fé, que segundo nos diz um Espírito Protetor, no Evangelho Segundo o Espiritismo, “Fé... é a
vontade de querer e a certeza de que pode obter satisfação”. Em nenhum momento de seus ensinamentos Jesus quis mostrar o seu poder, mas
o nosso, nos ensinando e nos dando autonomia.
Inúmeras são as vantagens do espiritismo em nossas vidas, mas sem dúvida, um dos maiores, é eliminar o suicídio como opção, para quem
acredita que a vida é infinita e que a dor que essas pessoas pensam que acabará com o ato de “matar-se”, essa só intensifica-se, além de ser
acrescida pela culpa de ter feito algo inútil e equivocado, dificultando inclusive o acesso a ajuda, uma vez que ouve os gritos de sua consciência
por não se sentir merecedor deste acolhimento. Nós espíritas, trabalhadores de Doutrinação, nos ambientes mediúnicos, ouvimos o sofrimento
de nossos irmãos que chegam nessas situações e isto também nos serve de alerta para a nossa vida.
Além do mais, ouvindo no dia a dia, relatos de pessoas lutando para sobreviver todos os dias com as suas depressões, vejo que, apesar de
penoso, as pessoas que têm obrigações de cuidar de outros, sejam filhos, pais, as vezes até bichinhos de estimação, procuram buscar forças
de onde não tem, para se manter ativos, o que mostra ser de enorme ajuda para a recuperação. Mesmo correndo o risco de parecer simplista,
lembremos do lema do espiritismo, FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO. E quando estamos cuidando de outros com extremas necessida-
des, muitas vezes, precisamos colocar a nossa dor um pouquinho de lado para ajudar, e isto ajuda no necessário processo de “dissociação”
entre você e a dor, porque se em alguns momentos, por necessidade prática, nos divorciamos da dor, nos mostra que somos capazes, de olhar
para a dor, como algo externo, que posso conviver, conversar, olhar de frente, compreender, superar, mas não preciso me misturar, porque a
dor existe, mas ela não é você!
Você é um filho amado de Deus, um projeto que dará certo, que foi criado para “aprender a ser feliz”, e que esta verdadeira felicidade se
constrói quando aprendemos que está atrelada a promover a felicidade do outro!
André Luiz
O espírito que conhecemos como André Luiz, em sua última encarnação foi um médico bra-
sileiro residente no Rio de Janeiro. Com bons conhecimentos científicos e grande capacidade de
observação, foi-lhe permitido relatar, através do médium Francisco Cândido Xavier, suas experi-
ências como desencarnado. Desejando manter o anonimato - possivelmente respeitando paren-
tes ainda encarnados - quando questionado sobre seu nome, respondeu adotando o nome de
um dos irmãos de Chico Xavier.
Alguns espíritas, talvez mais levados pela curiosidade do que por fins práticos, já criaram al-
gumas hipóteses sobre a identificação do médico carioca desencarnado, mas são apenas especu-
lações sem maior solidez ou confirmação pelo próprio André Luiz. O primeiro livro de André Luiz
é de 1943. Neste livro ele descreve sua chegada ao plano espiritual, iniciando pelo período de perturbação imediato após a morte, seguindo
pelo seu restabelecimento e primeiras atividades, até o momento em que se torna "cidadão" de "Nosso Lar", colônia espiritual que dá nome
ao livro.
Em Nosso Lar é narrada a passagem de André Luiz pelo umbral. Ele ficou oito anos no umbral e foi chamado, por outros espíritos, de suicida.
Depreende-se do livro que ele era considerado suicida inconsciente, pois, mesmo sem o propósito de tirar a própria vida, teve a vida
encurtada pela falta de cuidado com a saúde. O livro deixa perceber que ele era dado aos prazeres.
Na pátria espiritual, André Luiz soube que foi levado pelos excessos na alimentação, abuso de
bebidas alcoólicas, entre outras imprudências. Clarêncio – que resgatou André Luiz do umbral – dis-
se-lhe:
“Oh! meu filho, não te lastimes tanto. Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos
planos mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações. – Não desejas ser grato, mantendo-te tran-
qüilo no exame das próprias faltas? Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente; mas é ne-
cessário reconhecer que centenas de criaturas se ausentam diariamente da Terra, nas mesmas más
condições. Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento, guarda a bênção do remorso,
embora tardio, sem esquecer que a aflição não resolve problemas. Confia no Senhor e em nossa
dedicação fraternal. Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já perambulamos
igualmente nos teus caminhos”.
Existir é uma dádiva para renovarmos e evoluímos confirme as nossas ações. O Evangelho Segundo o Espiritismo nos diz que devemos cuidar
de nós sempre, a fim de termos uma encarnação feliz e uma desencarnação salutar.
“Amai, então, a vossa alma, mas cuidai também do corpo, instrumento da alma. Não castigueis o corpo pelas faltas que o vosso livre arbítrio
o fez cometer e do qual ele é tão responsável quanto o cavalo malconduzido o é, pelos acidentes que causa”. (Fonte: RBN e Livro: Nosso Lar)
A partir disso, alguns acham que ele bebia muito, ou que fumava e bebia, ou que bebia e comia muito, ou que, além dessas coisas, era
chegado ao meretrício. Talvez de tudo um pouco, pois tudo isso era plenamente aceitável para os padrões sociais da época.
Seja como for, ao longo da série é possível perceber que André Luiz era mais do que um simples homem do seu tempo, e se não demonstrou
isso quando encarnado, sua vida deve ter sido frustrante.
Seguem-se outras obras que descrevem experiências e estudos do autor no plano espiritual, que ao longo da obra vão cada vez mais sendo
direcionados a tarefa de esclarecimento dos encarnados sobre as realidades do plano espiritual, através da mediunidade de Francisco Cândido
Xavier (as datas são dos prefácios de Emmanuel):
André Luiz, também participou de obras conjuntas com outros autores espirituais, principalmente Emmanuel.
A obra mediúnica de André Luiz teve - e ainda tem - uma influência considerável sobre o movimento espírita. Suas descrições do plano espi-
ritual - tornando mais preciso e detalhado nosso conhecimento do mesmo - estabeleceram novo patamar de compreensão da vida espiritual,
também incentivaram a criação de instituições espíritas devotadas as atividades assistências e grupos de estudos inumeráveis.
É interessante observar que o primeiro livro de André Luiz causou grande impacto pela novidade de suas informações, alguns chegaram a
contestar suas descrições de uma vida espiritual muito semelhante a que levamos na Terra, mas o acúmulo de evidências - deste mensagens
descrevendo de modo fragmentário a vida espiritual, até obras completas de outros espíritos, por médiuns como Yvonne A. Pereira - provaram
sua veracidade. O mais curioso é que descrições semelhantes já existiam desde os primeiros tempos do “Modern Spiritualism” - por exemplo,
as que foram registradas por Andrew Jackson Davis (nascimento 1826 - desencarne 1910) - mas tinham caído no esquecimento.
Setembro Amarelo e a arte como forma de diálogo e valorização da vida
Desde de 2015 a Organização Mundial da Saúde (OMS) e, no Brasil, o Centro de Valorização da Vida (CVV) escolheram o mês de setembro
para a conscientização e prevenção ao suicídio que, infelizmente, tem sua ocorrência registrada em toda a história da humanidade.
Daí a sua atualidade. Aliás, não é por outra razão que o assunto tem sido objeto de preocupação de antropólogos, sociólogos, médicos, psi-
quiatras, psicólogos, enfim de todos os ramos de ciência do Ser. E não poderia ser diferente em relação aos Espíritas, sempre atentos às dores
da humanidade.
O suicídio é um tema complexo e deve ser tratado com responsabilidade e delicadeza, desta forma podemos dizer que setembro é o mês
do DIÁLOGO.
E é através das artes, em especial literatura e filmes, que esse diálogo se torna mais amplo, atingindo grupos sociais que apenas a campanha
em si não alcançaria. No entanto, não se pode olvidar da responsabilidade ao tratar o tema, pois a arte é absorvida conforme a peculiaridade
de cada ser.
Inclusive, nesse contexto, procurando extirpar os estigmas que a mídia tem em relação ao tema, e ao mesmo tempo buscando evitar o
“Efeito Werther”, quando uma série de suicídios ocorreu entre jovens de toda a Europa após o lançamento do livro “Os sofrimentos do jovem
Werther” de Goethe, em 1774, reproduzindo o modelo utilizado pelo personagem do livro, a Organização Mundial da Saúde editou um manual
para profissionais da mídia sobre a melhor forma de lidar com o tema, evitando-se focar no ato do suicídio, mas sim em apresentar as diversas
formas e maneiras da sua prevenção e na valorização da vida.
Em recente matéria para um jornal de grande circulação no estado do Ceará, integrantes do Programa de Apoio a Vida da Universidade
Federal do Ceará, afirmam que as obras no mercado acerca do suicídio podem contribuir para que a temática seja mais discutida na sociedade,
fazendo-se entender que o suicídio é algo frequente, e que a maioria dos óbitos poderiam ter sido evitados se houvessem estratégias de pre-
venção mais acessíveis a comunidade. No entanto, ao ser abordado nesses contextos, o suicídio não deve ser enaltecido nem tomado como um
ato de coragem num processo de “romantização” do ato, ou de “heroicisação”, muito menos ser tratado como o solucionador de problemas, os
termos valorativos ou generalizantes também devem ser evitados. O suicídio nunca é solução de problemas.
Estando, portanto, as diretrizes da OMS em harmonia com as orientações dos Espíritos Superiores constantes na Codificação Espírita, nosso
dever como é ajudarmos este diálogo, nos aprofundando na literatura espírita sobre o tema, tais como: Memórias de um suicida (Yvonne do
Amaral Pereira); Em Defesa da Vida, suicídio não! (FEB – disponível no site da FEB); Viver é a melhor opção (André Trigueiro), os livros de
Emmanuel com suas mensagens de valorização da vida, tais como Pensamento e Vida, psicografados por Chico Xavier.
Quanto aos filmes, devemos procurar aqueles que de forma positiva, sensível e responsável podem servir para a compreensão e enfren-
tamento do problema. Dentre tantos podemos pinçar: Geração Prozac, baseado em fatos reais, retrata a luta de uma jovem estudante de
jornalismo contra a depressão e suas relações familiar e sociais, indo a fundo nos sentimentos da protagonista, mas com o cuidado de mostrar
saídas para as situações vividas; e As Vantagens de Ser Invisível, filme doce e com profundidade sobre as inseguran-
ças da adolescência, em que o protagonista é abalado após o suicídio de seu melhor amigo, além de carregar outros
sentimentos negativos que o levam à depressão. Enfrentando suas dificuldades e traumas de infância, ele cria novos
vínculos pessoais e amizades importantes que lhe dão amparo, força e motivação para novas perspectivas.
Ligue 188, você NÃO está só!
Referências: www.cvv.org.br; www.setembroamarelo.com.br.
ECOCÍDIO – SUICÍDIO AMBIENTAL
Nos abates prazerosos, nos incêndios crimino-
sos, na poluição do ar que respiramos, no papel
que ao vento lançamos, no canudo que as águas
lançamos... cometemos um suicídio silencioso.
Matamos um pouco de nós mesmos...somos
suicidas em potencial, inconscientes!
Até quando vamos calar? Quando vamos des-
pertar do torpor do analfabetismo verde?
Quando voltamos o foco sobre SUÍCIDIO e des-
cobrimos que falar é a melhor solução, grita em
mim a consciência que precisamos alertar sobre
o matar dilacerante e cruel da mãe natureza.
Sabiamente nos alerta o Espírito Verdade: “Toda destruição que excede os limites da necessi-
dade é uma violação da lei de Deus. Os animais só destroem para satisfação de suas neces-
sidades; enquanto que o homem, dotado de livre-arbítrio, destrói sem necessidade. Terá que
prestar contas do abuso da liberdade que lhe foi concedida, pois isso significa que cede aos
maus instintos.”
Quando matamos o verde, desoxigenamos nosso cérebro, encurtamos a nossa existência.
Pensemos sobre isso! Vivamos o setembro verde e perfumado da primavera que nele se en-
cerra!
Vamos juntos irmão tarefeiros da última hora. Nosso vagão é ECO, é verde, é vida!
A palestra de acolhimento aos pacientes em tratamento
Andrea Tenório
Quais as razões pelas quais as pessoas buscam um centro espírita? Alguns por curiosidade, outros por indicação de amigos ou familiares,
outros em busca de conhecimento. Mas arrisco afirmar que a maioria de nós busca consolo, acolhimento, esperança e força para enfrentar os
desafios de uma encarnação num mundo de provas e expiações, onde todos nós, sem exceção, passamos por momentos difíceis.
Ao chegar à Casa dos Humildes, após as orientações da equipe de recepção, o visitante é convidado a assistir à primeira palestra, antes
da consulta espiritual. Nessa palestra, procuramos apresentar o Centro Espírita como uma casa de estudo, oração e trabalho, onde todos são
recebidos como irmãos. O mais importante, nesse momento, é o acolhimento sem julgamentos, respeitando os seus sofrimentos e as suas
dores, colocando à disposição daqueles que assim o desejarem os recursos da terapêutica espírita: o passe, o atendimento fraterno, a água
fluidificada, o tratamento de desobsessão, e acima de tudo, a oportunidade de estudo da doutrina consoladora codificada por Allan Kardec.
Na casa espírita, somos todos recebidos com respeito e amor, encarnados e desencarnados. E é o entendimento dos ensinamentos do
evangelho do Cristo e a ação dos fluidos salutares que recebemos, que nos dá força e coragem para enfrentar os desafios diários, melhorando
inclusive a nossa condição física. Também passamos a entender que os irmãos desencarnados também precisam de esclarecimento e orien-
tação para seguirem o seu caminho, e que os nossos Guias Espirituais estão sempre ao nosso lado, nos amparando e intuindo para o caminho
do bem.
Enfim, nesse primeiro encontro com os trabalhadores da Casa dos Humildes, todos são convidados a fazer parte dessa família, iniciando
o tratamento que fortalece espiritualmente e equilibra emocionalmente, integrando os grupos de estudos, que abrem os nossos horizontes
quanto ao sentido da vida e à benção da reencarnação, e sendo convidados para trabalhar na seara de Jesus.
__________________________________________________________________________________________________________________
P.s.: Para saber como colaborar como palestrante consulte a tabela de Atividades na página 8, onde estão desritos os trabalhos e os requisitos
para que se possa estar apto a desenvolvê-los.
Suicídio
“Quais, em geral, com relação ao estado do Espírito, as consequências do suicídio?
“Muito diversas são as consequências do suicídio. Não há penas determinadas e, em todos os casos, correspondem sempre as causas que o
produziram. Há, porém, uma consequência a que o suicida não pode escapar: é o desapontamento. A sorte, porém, não é a mesma para todos:
depende das circunstâncias; alguns expiam a falta imediatamente, outros em nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interrom-
peram. ” (Livro dos Espíritos, questão 957 – Parte quarta, Capítulo I)
Compreendendo-se a existência da realidade espiritual, e a necessidade de se estudar sempre, é necessário debruçar-se sobre o tema do
suicídio, afinal, muitas vezes o suicida busca uma fuga para seus tormentos, sejam morais, sejam físicos. Contudo, será que esses irmãos pode-
riam desistir de suas reencarnações e levarem à matéria a perecer?
O espiritismo trouxe o conhecimento da imortalidade da alma e da le-
gitimidade da lei de causa e efeito, sabe-se que os sofrimentos e as dores
que chegam a cada um dos filhos de Deus é alcançada por eles mesmos em
existências anteriores, essas experiências dolorosas chegam como oportuni-
dades de se reajustar perante si mesmos, e devido a dádiva do esquecimento
advindo da reencarnação, tais experiências poderiam ser enfrentadas com fé
e resignação, sem culpabilidade. Até porque, Deus não almeja que seus filhos
se sintam culpados e permaneçam alimentando um sentimento que os dei-
xaria estáticos, mas sim, responsáveis por seus atos, com plena capacidade
de com seu livre-arbítrio enfrentar as agruras reencarnatórias e triunfarem.
Sendo assim, como esclarecido na questão 957, do Livro dos Espíritos,
citada anteriormente, cada irmão que chega ao ato extremo de buscar extin-
guir os laços entre seu períspirito e o corpo físico, irá passar por uma experi-
ência única, alguns poderão receber a intercessão de serem resgatados ime-
diatamente, devido pedidos de auxílio de seus entes queridos que estejam no astral e mesmo dos encarnados que o amam, outros podem ficar
ao lado do corpo sentindo-o passar pelos estados de decomposição, em consequência da necessidade de extinção do fluido vital que estava
programado para aquela existência, outros podem ficar revivendo incessantemente o momento derradeiro do desencarne, outros podem ainda
ir para o Vale dos Suicidas, conforme elucidado na obra Memórias de um Suicida. Ou seja, cada individualidade passará pelas experiências que
forem adequadas as suas necessidades evolutivas, salientando-se que independentemente de quais forem as experiências pelas quais passará
ao regressar ao plano espiritual, jamais se encontrarão desamparados e sempre terão a oportunidade de recomeçar.
Que cada vez mais a humanidade possa compreender o valor da passagem pela Terra, essa grande escola! E siga
iluminada pelo amor e misericórdia de nosso Pai celestial!
Bibliografia do Pentateuco
05 livros fundamentais na Doutrina Espírita
Por Allan Kardec
Ao dedicar uma edição do nosso jornal ao tema do suicídio não podemos deixar de sugerir a leitura do clássico
espírita “Memórias de um suicida” psicografado pela médium Yvonne do Amaral Pereira. Com orientação
do Espírito Léon Denis, o autor espiritual Camilo Castelo Branco, sob o pseudônimo Camilo Cândido Botelho,
descreve à médium sua dolorosa experiência após a desencarnação pelo suicídio. O livro mostra a misericórdia
divina para com os suicidas arrependidos, trazendo-lhes a oportunidade de conhecer o universo e a vida em
sua integral dimensão.
Como trata-se de um tema de imensa relevância, sugerimos ainda a leitura de “Viver é a melhor opção: a
prevenção do suicídio no Brasil e no mundo”. Escrita pelo jornalista espírita André Trigueiro, essa obra tem
por objetivo orientar parentes, amigos, colegas de trabalho e profissionais de imprensa a identificar e ajudar
potenciais suicidas.
Trigueiro destrinchou estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde brasileiro e
apresenta dados sobre a principal causa mundial de mortes violentas (56%), enxergando o suicídio como um
problema de saúde pública que pode ser prevenido com informação e debates que precisam ajudar a vencer
esse verdadeiro tabu.
O autor teve o cuidado de abordar as patologias de ordem mental associadas ao suicídio como a depressão
e seu papel importante em sua abordagem como um fator de alto risco já que se trata de uma doença diag-
nosticável e com tratamento conhecido. Enxerga ainda a complexidade das variáveis envolvidas e não permite
avaliações ou análises simplistas.
Nos capítulos finais, André trata o tema do suicídio pela visão da doutrina espírita fornecendo informações
importantes e conduz a um trabalho intenso no sentido de oferecer ajuda para que o indivíduo não atente con-
tra a vida. Como resumiu o teólogo Leonardo Boff após leitura da obra “Sugere e propõe caminhos de acom-
panhamento e de superação. Como uma espécie de adendo, mas sem qualquer propósito proselitista, expõe
didaticamente a visão espírita do suicídio, como ela o ajudou pessoalmente a ser mais humano e espiritual e
como o suicida vem tratado pela doutrina.”
Boa leitura!
TRANQUILIZANTE
Emmanuel
Não são os problemas da vida em si que nos agravam a tensão nervosa. São as questões-satélites que nascem de nossas dificuldades para
aceitá-los.
Quantas vezes, pervagamos na Terra, sofrendo emoções desequilibradas, diante de companheiros queridos que não desejam, por agora, o
nosso modo de ser? E em quantas outras nos atormentamos inutilmente, perante obstáculos complexos que claramente não nos será possível
liquidar em apenas um dia?
Entretanto, observemos: enfermidades aparecerão sempre no mundo, pedindo tratamento e não inconformidade para as melhoras preci-
sas; entes amados em luta são telas de rotina, solicitando entendimento e não atitudes condenatórias para alcançarem o reequilíbrio; erros
nossos e faltas alheias
Fazem parte do nosso aprendizado na escola da experiência, exigindo calma e não censura para serem retificados; tentações são inevitáveis,
em todos os sentidos, nos climas de atividade indispensáveis à nossa formação de resistência, reclamando serenidade e não agitação para
serem extintas.
Em todas as situações aflitivas, use a prece como sendo o nosso melhor tranquilizante no campo do espírito.
E quando problemas apareçam, não se deixe arrastar nas labaredas da angústia.
Você pode ficar em paz.
Para isso, basta que você trabalhe e deixe Deus decidir.
Do Livro: Busca e Acharás - Francisco Cândido Xavier - Pelos Espíritos: Emmanuel e André Luiz (página 50)
Bruno Tavares Expositor Espírita
www.blogdobrunotavares.wordpress.com
Associação Espírita Casa dos Humildes
www.casadoshumildes.com
Presidente: Albonize de França.
Vice-Presidente: Rosa Carneiro.
Deptº de Divulgação Doutrinária: Bruno Tavares.
Deptº de Mediúnico: Amaro Carvalho.
Edição: Ana Paula Macedo, Bruno Tavares, Juana
Feitosa, Mônica Porto e Patrícia Casé.
Projeto Gráfico: Ingrid Cavalcanti.
EXPEDIENTE
CH Notícias
Nº 39 – Circulação mensal
Distribuição on-line
Recife-PE, 16/Setembro/2018
CONTATO
Rua Henrique Machado, nº 110
Casa Forte - Recife/PE
(81) 3268-3954
casadoshumildes.com
blogchnoticias.blogspot.com.br
chnoticias@yahoo.com.br
chnoticias2015@gmail.com
E a nossa juventude participa,
debate e elege a vida como opção maior!
Assistiram palestras no SIMESPE e debateram durante duas semanas em nos-
sa casa. Foram exibidos trechos dos documentários Bloody Money e do filme
Deixe-me viver. Tivemos a participação de convidados da FEP - Luciana Soa-
res e Maria Miranda, que trouxeram reflexões importantes para o amadure-
cimento deles.
Luciana mãe de Rafael falou sobre adoção, pois tem 3 filhos adotados e agra-
dece às suas mães por não os terem abortado.
Construíram conceitos que certamente os guiarão na opção a seguir. Foram
muitas as opiniões e o aprendizado maior foi que é debatendo o tema a luz da
nossa amada doutrina que entendemos as leis de causa e efeito.
E você ai que nos lê, assista ao documentário Bloody Money (YouTube) sobre
aborto legalizado nos EUA e os filmes Deixe-me Viver e O filme dos espíritos,
que trazem uma enfoque espirita. Legalização do aborto é um assunto que tá
batendo a nossa porta, aqui no Brasil e é importante termos informações para
argumentar pela vida!
Cada um decide se é a favor ou contra a legalização do aborto, mas é preciso que conheça os vários lados.
Segunda-feira 19 h 45 min
Sala 1 – Curso de Passe
Sala 2 – Curso Trabalhadores: ESTEM
Sala 3 – Iniciantes Curso de Mediunidade
Terça-feira
(a cada 15 dias)
19 h 45 min
EADE – Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita
ESDE – Estudo Sistemático da Doutrina Espírita
Quarta-feira 19 h 45 min
Sala 1 – Iniciantes Básico do Espiritismo
Sala 2 – Curso Trabalhadores: Doutrinação
Sala 3 – Iniciantes Curso de Doutrinação
Segunda-feira 19 h 45 min Reunião de Consulta espiritual.
Terça-feira 20 h Reunião Pública de Estudo de “O Livro dos Espíritos”.
Terça-feira 20 h Reunião de Vibrações Espirituais.
Quarta-feira 19 h 45 min Reunião Pública de Desobsessão.
Quinta-feira (apenas a 1ª do mês) 19 h 45 min Desobsessão dos Trabalhadores da Casa.
Sexta-feira
19 h 30
Reunião Pública de Estudos Espíritas:
1ª Sexta do mês: André Luiz;
2ª Sexta: Emmanuel;
3ª sexta: Allan Kardec;
4ª sexta: Bezerra de Menezes.
Domingo 16 h Evangelização Infantil e Reunião da Juventude Espírita.
Domingo 16 h Reunião Pública de Estudo de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”.
ATIVIDADES REQUISITOS DIA/HORA
Campanha do Quilo Boa vontade e tolerância. 1º e 3º Domingo de cada mês – 8 h.
Evangelização Infanto-Juvenil
Habilidades na área de educação e de ativi-
dades lúdicas. Boa interação com crianças
e jovens.
Domingo – 16 h.
Passes e vibração Ter feito o curso de passes.
Segundas antes das reuniões
públicas;
Terças, Quartas e Sextas após as reuniões;
Domingos antes e depois das reuniões.
Recepção e atendimento fraterno
Ter feito o curso de passes e ser doutrina-
dor.
Segunda e Quarta – 19 h;
Domingo – 16 h.
Assistência a gestantes
Querer compartilhar saberes e acolher o
próximo.
Quarta – 13 h 30 min e
Um Domingo no mês.
Trabalho mediúnico e doutrinário
Ter feito todos os cursos
básicos e o de passes.
Segunda e Quarta – 19 h 45 min;
Domingo – 16 h
Instrutor e dirigente de reunião
Ter feito os cursos básicos e de passes. Para
instrutor, experiência e comunicação.
Nos dias de curso e de reunião no auditó-
rio.
Assistência às vovozinhas da Casa
dos Humildes
Formação na área da saúde. Para lazer,
nenhum requisito.
De acordo com a disponibilidade.
Biblioteca e Livraria Ser trabalhador da Casa Antes das reuniões públicas.
TI e eletroeletrônicos, manutenção Habilidade na área e vontade de aprender. Antes das reuniões públicas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Encarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vidaEncarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vida
Gabriela Villar
 
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de EducaçãoMedo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
734 Mensagens de luz
734 Mensagens de luz734 Mensagens de luz
734 Mensagens de luz
Izabel Cristina Fonseca
 
Cuidando dos pensamentos i
Cuidando dos pensamentos iCuidando dos pensamentos i
Cuidando dos pensamentos i
Lauro Paim Lorenzoni Romera
 
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores 1
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores  1Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores  1
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores 1
Izabel Cristina Fonseca
 
Causas do suicídio - Visão Espírita
Causas do suicídio - Visão EspíritaCausas do suicídio - Visão Espírita
Causas do suicídio - Visão Espírita
Laila Rúbia
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
Izabel Cristina Fonseca
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Suicidio na visão espirita
Suicidio  na visão espiritaSuicidio  na visão espirita
Suicidio na visão espirita
Lisete B.
 
O perdao e o sentimento mais libertador
O perdao e o sentimento mais libertadorO perdao e o sentimento mais libertador
O perdao e o sentimento mais libertador
Amadeu Wolff
 
O porque da dor!!!
O porque da dor!!!O porque da dor!!!
O porque da dor!!!
Izabel Cristina Fonseca
 
Boletim informativo setembro 2013
Boletim informativo   setembro 2013Boletim informativo   setembro 2013
Boletim informativo setembro 2013
fespiritacrista
 
Desperte e seja feliz!
Desperte e seja feliz!Desperte e seja feliz!
Desperte e seja feliz!
Leonardo Pereira
 
Palestra sobre Culpa
Palestra sobre Culpa   Palestra sobre Culpa
Palestra sobre Culpa
Marlon Reikdal
 
Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Diga não ao suicídio
Diga não ao suicídioDiga não ao suicídio
Diga não ao suicídio
Helio Cruz
 

Mais procurados (16)

Encarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vidaEncarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vida
 
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de EducaçãoMedo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
Medo e Culpa - Instituto Espírita de Educação
 
734 Mensagens de luz
734 Mensagens de luz734 Mensagens de luz
734 Mensagens de luz
 
Cuidando dos pensamentos i
Cuidando dos pensamentos iCuidando dos pensamentos i
Cuidando dos pensamentos i
 
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores 1
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores  1Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores  1
Como superar as dificuldades, sofrimentos e dores 1
 
Causas do suicídio - Visão Espírita
Causas do suicídio - Visão EspíritaCausas do suicídio - Visão Espírita
Causas do suicídio - Visão Espírita
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Suicidio na visão espirita
Suicidio  na visão espiritaSuicidio  na visão espirita
Suicidio na visão espirita
 
O perdao e o sentimento mais libertador
O perdao e o sentimento mais libertadorO perdao e o sentimento mais libertador
O perdao e o sentimento mais libertador
 
O porque da dor!!!
O porque da dor!!!O porque da dor!!!
O porque da dor!!!
 
Boletim informativo setembro 2013
Boletim informativo   setembro 2013Boletim informativo   setembro 2013
Boletim informativo setembro 2013
 
Desperte e seja feliz!
Desperte e seja feliz!Desperte e seja feliz!
Desperte e seja feliz!
 
Palestra sobre Culpa
Palestra sobre Culpa   Palestra sobre Culpa
Palestra sobre Culpa
 
Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008Transtornos alimentares 2008
Transtornos alimentares 2008
 
Diga não ao suicídio
Diga não ao suicídioDiga não ao suicídio
Diga não ao suicídio
 

Semelhante a Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018

Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
Gabinete De Psicologia
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos
ventofrio
 
O semeador
O semeadorO semeador
O semeador
Le semeur
 
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
ciceroferreira23
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 12 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdfAs cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
grazielly9
 
92921633 jiddu-krishnamurti
92921633 jiddu-krishnamurti92921633 jiddu-krishnamurti
92921633 jiddu-krishnamurti
Flavio Fernandes
 
Estudo de pais 26
Estudo de pais 26Estudo de pais 26
Estudo de pais 26
Fatoze
 
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdfAs-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
Odilon Dutra da Silva
 
Ninguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no OutroNinguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no Outro
Angelo Leandro
 
Fases do luto
Fases do lutoFases do luto
Fases do luto
Marcos Dias
 
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitosCapítulo 5- Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitos
Roberta Andrade
 
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso OnlinePoder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Espaço da Mente
 
O suicídio não resolve seu problema
O suicídio não resolve seu problemaO suicídio não resolve seu problema
O suicídio não resolve seu problema
Helio Cruz
 
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITASUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
Luan Silva
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Roberta Andrade
 

Semelhante a Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018 (20)

Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
Lição 06 adeus a culpa
 
Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
Lição 06 adeus a culpa
 
Lição 06 adeus a culpa
Lição 06   adeus a culpaLição 06   adeus a culpa
Lição 06 adeus a culpa
 
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Setembro/2020
 
2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos2 prevencao de suicidio com efeitos
2 prevencao de suicidio com efeitos
 
O semeador
O semeadorO semeador
O semeador
 
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
Sobre a morte_e_o_morrer_elisabeth_kuble (2)
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 12 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 12 doc
 
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdfAs cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
As cinco feridas emocionais - Lise Bourbeau.pdf
 
92921633 jiddu-krishnamurti
92921633 jiddu-krishnamurti92921633 jiddu-krishnamurti
92921633 jiddu-krishnamurti
 
Estudo de pais 26
Estudo de pais 26Estudo de pais 26
Estudo de pais 26
 
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdfAs-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
As-cinco-feridas-emocionais-Lise-Borbeau1.pdf
 
Ninguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no OutroNinguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no Outro
 
Fases do luto
Fases do lutoFases do luto
Fases do luto
 
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitosCapítulo 5- Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5- Bem aventurados os aflitos
 
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso OnlinePoder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
 
O suicídio não resolve seu problema
O suicídio não resolve seu problemaO suicídio não resolve seu problema
O suicídio não resolve seu problema
 
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITASUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
SUICÍDIO SOB A VISÃO ESPÍRITA
 
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitosCapítulo 5 Bem aventurados os aflitos
Capítulo 5 Bem aventurados os aflitos
 

Mais de CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife

Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 

Mais de CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife (20)

Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
Edição n. 67 do CH Noticias - Janeiro/2021
 
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
Edição n. 66 do CH Noticias - Dezembro/2020
 
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
Edição n. 65 do CH Noticias - Novembro/2020
 
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
Edição n. 64 do CH Noticias - Outubro/2020
 
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
Edição n. 63 do CH Noticias - Agosto/2020
 
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 61 do CH Noticias - Junho/2020
 
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
Edição n. 60 do CH Noticias - Junho/2020
 
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
Edição n. 59 do CH Noticias - Maio/2020
 
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
Edição n. 58 do CH Noticias - Abril/2020
 
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
Edição n. 57 do CH Noticias - Março/2020
 
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
Edição n. 56 do CH Noticias - Fevereiro/2020
 
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
 
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
Edição n. 54 do CH Noticias - Dezembro/2019
 
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
Edição n. 53 do CH Notícias - Novembro / 2019
 
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
Edição n. 51 do CH Noticias - Setembro/2019
 
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
Edição n. 50 do CH Noticias - Agosto/2019
 
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019 v2
 
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
Edição n. 49 do CH Noticias - Julho/2019
 
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
Edição n. 48 do CH Noticias - Junho/2019
 
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
Edição n. 47 do CH Noticias - Maio/2019
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 

Último (10)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 

Edição n. 39 do CH Noticias - Setembro/2018

  • 1. Recife, Setembro de 2018 - Ano III - nº 39 CH Notícias Recife, Setembro de 2018 - Ano III - nº 39 CH Notícias Leia todas as edições do CH Notícias no Blog: blogchnoticias.blogspot.com.br Allan Kardec – Livro dos Espíritos Questão 944 Tem o homem o direito de dispor da sua vida? “Não; só a Deus assiste esse direito. O suicídio voluntário importa numa transgressão desta lei.” a) - Não é sempre voluntário o suicídio? “O louco que se mata não sabe o que faz.” Questão 957 Quais, em geral, com relação ao estado do Espírito, as con- sequências do suicídio? “Muito diversas são as consequências do suicídio. Não há penas determinadas e, em todos os casos, correspondem sempre às causas que o produziram. Há, porém, uma con- sequência a que o suicida não pode escapar; é o desapon- tamento. Mas, a sorte não é a mesma para todos; depende das circunstâncias. Alguns expiam a falta imediatamente, outros em nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interromperam.” Pág 01 Pág 01 Pág 02 Pág 03 Pág 04 Pág 04 Pág 05 Pág 05 Pág 06 Pág 06 Pág 07 Pág 08
  • 2. O SUICÍDIO, UMA VISÃO ESPÍRITA Valéria Pessoa “No mundo, atualmente, 804 mil suicídios ocorrem por ano. É quase uma morte a cada 40 segundos e a cada 10 suicídios, aconteceram 40 a 60 tentativas”, são dados da OMS de 2014. Estas são as atuais e alarmantes estatísticas e são realmente estarrecedoras. Não parece que esta realidade chega cada vez mais perto de nós, como se avizinhando? Todos temos notícias sobre este tipo de morte com maior frequência, e fico me perguntando se é a velocidade com que as informações hoje nos chegam, ou é realmente um aumento tão grande neste número. Por dia, no Brasil, morrem 32 pessoas, taxa superior as mortes por AIDS ou pela maioria dos tipos de câncer, com uma triste expectativa de que em 2020, haverá um aumento de até 50% no número anual de mortes por suicídio. Precisamos romper a barreira do medo ou pudor de falar nesse assunto, como se falar trouxesse mau agouro, ou fosse incentivar os que pensam em usar este tipo de aparente escapatória. Este tipo de comportamento, nos torna cúmplices por covardia e diminui a nossa capacida- de de ajudar, porque se nós que estamos de fora não falamos, como esperamos que a pessoa que está se sentindo tão sozinha e um incômodo para os outros, que não acreditam em qualquer solução, peçam socorro? Os motivos que se nos apresentam para justificar a maioria das mortes por suicídio são as mais diversas perdas e a visão de sua incapacidade “momentânea” de lidar com esta perda, mas se olharmos para as verdadeiras causas, no íntimo, o que encontraremos será de fato a real perda do sentido e do propósito de vida. Ouvimos também que quem atenta ou tira a própria vida, não quer de fato acabar com a vida, mas acabar com a dor, e essa é uma forma de ver o quanto a visão da pessoa que sofre está reduzida, uma vez que a dor não é vista como um obstáculo imenso a ser vivido e vencido, se utilizando de toda e qualquer ajuda, interna e externa, e sim, neste momento, ela é a dor, ela quer parar de sentir! O espiritismo nos ajuda a compreender o verdadeiro sentido da dor como contribuição para a nossa evolução, uma vez que se estiver tudo confortável, a nossa tendência é não sair do lugar. Nos ajuda a ter uma visão de que, diante de todo desafio, também se apresenta uma opor- tunidade de aprendizado, e que dela, se eu tiver humildade e exercitar a aceitação para vasculhar o que estou precisando compreender, sairei dela mais fortalecido e uma pessoa melhor. As outras religiões, com suas visões de punição e castigo, não ajudam na compreensão, aumentam o desamparo, porque se Deus, que é o meu pai, que “devia” querer me ver feliz, permite que eu sofra desta forma, ou ele é injusto e aí começo a travar uma luta bem ambivalente de temor e raiva, e não encontro justificativa para ter sido escolhida para passar por isto, ou ele é justo e sou uma pessoa má, que não merece viver. Mas se compreendo que não passo por nada que não mereça ou precise passar, porque é a colheita do plantio que eu mesma fiz, mas que nada é para sempre, e mesmo que esta dor insuportável seja um efeito, um reajustamento com a Lei Divina, se compreendo o que de fato importa e mudo de postura, “a cobrança” cessa, porque como o objetivo é que eu aprenda e não a punição pela punição, o processo educativo já se deu, mesmo que eu só vá colher os frutos em uma nova existência. O nosso Chico Xavier, nos conta, que em um momento de profundo amargura, pediu a Emmanuel que pedisse socorro a Maria, mãe de Jesus, e recebeu o seguinte recado, que colou no encosto de sua cama para que pudesse ler todos os dias: “Isso também passará”. Ter em mente que não estamos sozinhos, que tudo o que passamos é visto por quem nos ama incondicionalmente, é uma forma de au- mentar a esperança e a nossa fé. Que essa situação que hoje parece insuportável, foi construída aos poucos por mim mesmo, quando fomos encolhendo o nosso mundo, seja porque não prestamos atenção a uma tristeza que se intensificou e se transformou numa depressão, uma doença que precisa de tratamento, psiquiátrico e psicológico. E que precisamos abrir a porta desse calabouço escuro, porque a maçaneta fica sempre do lado de dentro, e mesmo que doa ou ameace, permita que te ajudem! Por que nos afastamos do que verdadeiramente importa em nossas vidas, como por exemplo, amigos “de verdade”, não valem os inúmeros “cybers amigos” ou “seguidores”, porque são “amigos de plásti- co”, parecem existir, mas não tem “perfume”. Se prestarmos atenção, até aumenta a nossa sensação de inadequação, uma vez que as postagens felizes intensificam a nossa dor, de imaginar que ou o mundo parou para mim ou estou andando na contramão, e, portanto, “sou errado”. O stress, a pressão, as cobranças de um mundo altamente competitivo, também aumentam o nosso medo de não conseguir e pode estimular a desistir antes mesmo de tentar verdadeiramente. Uma religião, meu Deus, seja ela qual for, como ajuda!! Porque temos algo para nos apegar, alguém para rezar e pedir, porque estimula a nossa fé, que segundo nos diz um Espírito Protetor, no Evangelho Segundo o Espiritismo, “Fé... é a vontade de querer e a certeza de que pode obter satisfação”. Em nenhum momento de seus ensinamentos Jesus quis mostrar o seu poder, mas o nosso, nos ensinando e nos dando autonomia. Inúmeras são as vantagens do espiritismo em nossas vidas, mas sem dúvida, um dos maiores, é eliminar o suicídio como opção, para quem acredita que a vida é infinita e que a dor que essas pessoas pensam que acabará com o ato de “matar-se”, essa só intensifica-se, além de ser acrescida pela culpa de ter feito algo inútil e equivocado, dificultando inclusive o acesso a ajuda, uma vez que ouve os gritos de sua consciência por não se sentir merecedor deste acolhimento. Nós espíritas, trabalhadores de Doutrinação, nos ambientes mediúnicos, ouvimos o sofrimento de nossos irmãos que chegam nessas situações e isto também nos serve de alerta para a nossa vida. Além do mais, ouvindo no dia a dia, relatos de pessoas lutando para sobreviver todos os dias com as suas depressões, vejo que, apesar de penoso, as pessoas que têm obrigações de cuidar de outros, sejam filhos, pais, as vezes até bichinhos de estimação, procuram buscar forças de onde não tem, para se manter ativos, o que mostra ser de enorme ajuda para a recuperação. Mesmo correndo o risco de parecer simplista, lembremos do lema do espiritismo, FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO. E quando estamos cuidando de outros com extremas necessida- des, muitas vezes, precisamos colocar a nossa dor um pouquinho de lado para ajudar, e isto ajuda no necessário processo de “dissociação” entre você e a dor, porque se em alguns momentos, por necessidade prática, nos divorciamos da dor, nos mostra que somos capazes, de olhar para a dor, como algo externo, que posso conviver, conversar, olhar de frente, compreender, superar, mas não preciso me misturar, porque a dor existe, mas ela não é você! Você é um filho amado de Deus, um projeto que dará certo, que foi criado para “aprender a ser feliz”, e que esta verdadeira felicidade se constrói quando aprendemos que está atrelada a promover a felicidade do outro!
  • 3. André Luiz O espírito que conhecemos como André Luiz, em sua última encarnação foi um médico bra- sileiro residente no Rio de Janeiro. Com bons conhecimentos científicos e grande capacidade de observação, foi-lhe permitido relatar, através do médium Francisco Cândido Xavier, suas experi- ências como desencarnado. Desejando manter o anonimato - possivelmente respeitando paren- tes ainda encarnados - quando questionado sobre seu nome, respondeu adotando o nome de um dos irmãos de Chico Xavier. Alguns espíritas, talvez mais levados pela curiosidade do que por fins práticos, já criaram al- gumas hipóteses sobre a identificação do médico carioca desencarnado, mas são apenas especu- lações sem maior solidez ou confirmação pelo próprio André Luiz. O primeiro livro de André Luiz é de 1943. Neste livro ele descreve sua chegada ao plano espiritual, iniciando pelo período de perturbação imediato após a morte, seguindo pelo seu restabelecimento e primeiras atividades, até o momento em que se torna "cidadão" de "Nosso Lar", colônia espiritual que dá nome ao livro. Em Nosso Lar é narrada a passagem de André Luiz pelo umbral. Ele ficou oito anos no umbral e foi chamado, por outros espíritos, de suicida. Depreende-se do livro que ele era considerado suicida inconsciente, pois, mesmo sem o propósito de tirar a própria vida, teve a vida encurtada pela falta de cuidado com a saúde. O livro deixa perceber que ele era dado aos prazeres. Na pátria espiritual, André Luiz soube que foi levado pelos excessos na alimentação, abuso de bebidas alcoólicas, entre outras imprudências. Clarêncio – que resgatou André Luiz do umbral – dis- se-lhe: “Oh! meu filho, não te lastimes tanto. Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos planos mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações. – Não desejas ser grato, mantendo-te tran- qüilo no exame das próprias faltas? Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente; mas é ne- cessário reconhecer que centenas de criaturas se ausentam diariamente da Terra, nas mesmas más condições. Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento, guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que a aflição não resolve problemas. Confia no Senhor e em nossa dedicação fraternal. Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já perambulamos igualmente nos teus caminhos”. Existir é uma dádiva para renovarmos e evoluímos confirme as nossas ações. O Evangelho Segundo o Espiritismo nos diz que devemos cuidar de nós sempre, a fim de termos uma encarnação feliz e uma desencarnação salutar. “Amai, então, a vossa alma, mas cuidai também do corpo, instrumento da alma. Não castigueis o corpo pelas faltas que o vosso livre arbítrio o fez cometer e do qual ele é tão responsável quanto o cavalo malconduzido o é, pelos acidentes que causa”. (Fonte: RBN e Livro: Nosso Lar) A partir disso, alguns acham que ele bebia muito, ou que fumava e bebia, ou que bebia e comia muito, ou que, além dessas coisas, era chegado ao meretrício. Talvez de tudo um pouco, pois tudo isso era plenamente aceitável para os padrões sociais da época. Seja como for, ao longo da série é possível perceber que André Luiz era mais do que um simples homem do seu tempo, e se não demonstrou isso quando encarnado, sua vida deve ter sido frustrante. Seguem-se outras obras que descrevem experiências e estudos do autor no plano espiritual, que ao longo da obra vão cada vez mais sendo direcionados a tarefa de esclarecimento dos encarnados sobre as realidades do plano espiritual, através da mediunidade de Francisco Cândido Xavier (as datas são dos prefácios de Emmanuel): André Luiz, também participou de obras conjuntas com outros autores espirituais, principalmente Emmanuel. A obra mediúnica de André Luiz teve - e ainda tem - uma influência considerável sobre o movimento espírita. Suas descrições do plano espi- ritual - tornando mais preciso e detalhado nosso conhecimento do mesmo - estabeleceram novo patamar de compreensão da vida espiritual, também incentivaram a criação de instituições espíritas devotadas as atividades assistências e grupos de estudos inumeráveis. É interessante observar que o primeiro livro de André Luiz causou grande impacto pela novidade de suas informações, alguns chegaram a contestar suas descrições de uma vida espiritual muito semelhante a que levamos na Terra, mas o acúmulo de evidências - deste mensagens descrevendo de modo fragmentário a vida espiritual, até obras completas de outros espíritos, por médiuns como Yvonne A. Pereira - provaram sua veracidade. O mais curioso é que descrições semelhantes já existiam desde os primeiros tempos do “Modern Spiritualism” - por exemplo, as que foram registradas por Andrew Jackson Davis (nascimento 1826 - desencarne 1910) - mas tinham caído no esquecimento.
  • 4. Setembro Amarelo e a arte como forma de diálogo e valorização da vida Desde de 2015 a Organização Mundial da Saúde (OMS) e, no Brasil, o Centro de Valorização da Vida (CVV) escolheram o mês de setembro para a conscientização e prevenção ao suicídio que, infelizmente, tem sua ocorrência registrada em toda a história da humanidade. Daí a sua atualidade. Aliás, não é por outra razão que o assunto tem sido objeto de preocupação de antropólogos, sociólogos, médicos, psi- quiatras, psicólogos, enfim de todos os ramos de ciência do Ser. E não poderia ser diferente em relação aos Espíritas, sempre atentos às dores da humanidade. O suicídio é um tema complexo e deve ser tratado com responsabilidade e delicadeza, desta forma podemos dizer que setembro é o mês do DIÁLOGO. E é através das artes, em especial literatura e filmes, que esse diálogo se torna mais amplo, atingindo grupos sociais que apenas a campanha em si não alcançaria. No entanto, não se pode olvidar da responsabilidade ao tratar o tema, pois a arte é absorvida conforme a peculiaridade de cada ser. Inclusive, nesse contexto, procurando extirpar os estigmas que a mídia tem em relação ao tema, e ao mesmo tempo buscando evitar o “Efeito Werther”, quando uma série de suicídios ocorreu entre jovens de toda a Europa após o lançamento do livro “Os sofrimentos do jovem Werther” de Goethe, em 1774, reproduzindo o modelo utilizado pelo personagem do livro, a Organização Mundial da Saúde editou um manual para profissionais da mídia sobre a melhor forma de lidar com o tema, evitando-se focar no ato do suicídio, mas sim em apresentar as diversas formas e maneiras da sua prevenção e na valorização da vida. Em recente matéria para um jornal de grande circulação no estado do Ceará, integrantes do Programa de Apoio a Vida da Universidade Federal do Ceará, afirmam que as obras no mercado acerca do suicídio podem contribuir para que a temática seja mais discutida na sociedade, fazendo-se entender que o suicídio é algo frequente, e que a maioria dos óbitos poderiam ter sido evitados se houvessem estratégias de pre- venção mais acessíveis a comunidade. No entanto, ao ser abordado nesses contextos, o suicídio não deve ser enaltecido nem tomado como um ato de coragem num processo de “romantização” do ato, ou de “heroicisação”, muito menos ser tratado como o solucionador de problemas, os termos valorativos ou generalizantes também devem ser evitados. O suicídio nunca é solução de problemas. Estando, portanto, as diretrizes da OMS em harmonia com as orientações dos Espíritos Superiores constantes na Codificação Espírita, nosso dever como é ajudarmos este diálogo, nos aprofundando na literatura espírita sobre o tema, tais como: Memórias de um suicida (Yvonne do Amaral Pereira); Em Defesa da Vida, suicídio não! (FEB – disponível no site da FEB); Viver é a melhor opção (André Trigueiro), os livros de Emmanuel com suas mensagens de valorização da vida, tais como Pensamento e Vida, psicografados por Chico Xavier. Quanto aos filmes, devemos procurar aqueles que de forma positiva, sensível e responsável podem servir para a compreensão e enfren- tamento do problema. Dentre tantos podemos pinçar: Geração Prozac, baseado em fatos reais, retrata a luta de uma jovem estudante de jornalismo contra a depressão e suas relações familiar e sociais, indo a fundo nos sentimentos da protagonista, mas com o cuidado de mostrar saídas para as situações vividas; e As Vantagens de Ser Invisível, filme doce e com profundidade sobre as inseguran- ças da adolescência, em que o protagonista é abalado após o suicídio de seu melhor amigo, além de carregar outros sentimentos negativos que o levam à depressão. Enfrentando suas dificuldades e traumas de infância, ele cria novos vínculos pessoais e amizades importantes que lhe dão amparo, força e motivação para novas perspectivas. Ligue 188, você NÃO está só! Referências: www.cvv.org.br; www.setembroamarelo.com.br. ECOCÍDIO – SUICÍDIO AMBIENTAL Nos abates prazerosos, nos incêndios crimino- sos, na poluição do ar que respiramos, no papel que ao vento lançamos, no canudo que as águas lançamos... cometemos um suicídio silencioso. Matamos um pouco de nós mesmos...somos suicidas em potencial, inconscientes! Até quando vamos calar? Quando vamos des- pertar do torpor do analfabetismo verde? Quando voltamos o foco sobre SUÍCIDIO e des- cobrimos que falar é a melhor solução, grita em mim a consciência que precisamos alertar sobre o matar dilacerante e cruel da mãe natureza. Sabiamente nos alerta o Espírito Verdade: “Toda destruição que excede os limites da necessi- dade é uma violação da lei de Deus. Os animais só destroem para satisfação de suas neces- sidades; enquanto que o homem, dotado de livre-arbítrio, destrói sem necessidade. Terá que prestar contas do abuso da liberdade que lhe foi concedida, pois isso significa que cede aos maus instintos.” Quando matamos o verde, desoxigenamos nosso cérebro, encurtamos a nossa existência. Pensemos sobre isso! Vivamos o setembro verde e perfumado da primavera que nele se en- cerra! Vamos juntos irmão tarefeiros da última hora. Nosso vagão é ECO, é verde, é vida!
  • 5. A palestra de acolhimento aos pacientes em tratamento Andrea Tenório Quais as razões pelas quais as pessoas buscam um centro espírita? Alguns por curiosidade, outros por indicação de amigos ou familiares, outros em busca de conhecimento. Mas arrisco afirmar que a maioria de nós busca consolo, acolhimento, esperança e força para enfrentar os desafios de uma encarnação num mundo de provas e expiações, onde todos nós, sem exceção, passamos por momentos difíceis. Ao chegar à Casa dos Humildes, após as orientações da equipe de recepção, o visitante é convidado a assistir à primeira palestra, antes da consulta espiritual. Nessa palestra, procuramos apresentar o Centro Espírita como uma casa de estudo, oração e trabalho, onde todos são recebidos como irmãos. O mais importante, nesse momento, é o acolhimento sem julgamentos, respeitando os seus sofrimentos e as suas dores, colocando à disposição daqueles que assim o desejarem os recursos da terapêutica espírita: o passe, o atendimento fraterno, a água fluidificada, o tratamento de desobsessão, e acima de tudo, a oportunidade de estudo da doutrina consoladora codificada por Allan Kardec. Na casa espírita, somos todos recebidos com respeito e amor, encarnados e desencarnados. E é o entendimento dos ensinamentos do evangelho do Cristo e a ação dos fluidos salutares que recebemos, que nos dá força e coragem para enfrentar os desafios diários, melhorando inclusive a nossa condição física. Também passamos a entender que os irmãos desencarnados também precisam de esclarecimento e orien- tação para seguirem o seu caminho, e que os nossos Guias Espirituais estão sempre ao nosso lado, nos amparando e intuindo para o caminho do bem. Enfim, nesse primeiro encontro com os trabalhadores da Casa dos Humildes, todos são convidados a fazer parte dessa família, iniciando o tratamento que fortalece espiritualmente e equilibra emocionalmente, integrando os grupos de estudos, que abrem os nossos horizontes quanto ao sentido da vida e à benção da reencarnação, e sendo convidados para trabalhar na seara de Jesus. __________________________________________________________________________________________________________________ P.s.: Para saber como colaborar como palestrante consulte a tabela de Atividades na página 8, onde estão desritos os trabalhos e os requisitos para que se possa estar apto a desenvolvê-los. Suicídio “Quais, em geral, com relação ao estado do Espírito, as consequências do suicídio? “Muito diversas são as consequências do suicídio. Não há penas determinadas e, em todos os casos, correspondem sempre as causas que o produziram. Há, porém, uma consequência a que o suicida não pode escapar: é o desapontamento. A sorte, porém, não é a mesma para todos: depende das circunstâncias; alguns expiam a falta imediatamente, outros em nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interrom- peram. ” (Livro dos Espíritos, questão 957 – Parte quarta, Capítulo I) Compreendendo-se a existência da realidade espiritual, e a necessidade de se estudar sempre, é necessário debruçar-se sobre o tema do suicídio, afinal, muitas vezes o suicida busca uma fuga para seus tormentos, sejam morais, sejam físicos. Contudo, será que esses irmãos pode- riam desistir de suas reencarnações e levarem à matéria a perecer? O espiritismo trouxe o conhecimento da imortalidade da alma e da le- gitimidade da lei de causa e efeito, sabe-se que os sofrimentos e as dores que chegam a cada um dos filhos de Deus é alcançada por eles mesmos em existências anteriores, essas experiências dolorosas chegam como oportuni- dades de se reajustar perante si mesmos, e devido a dádiva do esquecimento advindo da reencarnação, tais experiências poderiam ser enfrentadas com fé e resignação, sem culpabilidade. Até porque, Deus não almeja que seus filhos se sintam culpados e permaneçam alimentando um sentimento que os dei- xaria estáticos, mas sim, responsáveis por seus atos, com plena capacidade de com seu livre-arbítrio enfrentar as agruras reencarnatórias e triunfarem. Sendo assim, como esclarecido na questão 957, do Livro dos Espíritos, citada anteriormente, cada irmão que chega ao ato extremo de buscar extin- guir os laços entre seu períspirito e o corpo físico, irá passar por uma experi- ência única, alguns poderão receber a intercessão de serem resgatados ime- diatamente, devido pedidos de auxílio de seus entes queridos que estejam no astral e mesmo dos encarnados que o amam, outros podem ficar ao lado do corpo sentindo-o passar pelos estados de decomposição, em consequência da necessidade de extinção do fluido vital que estava programado para aquela existência, outros podem ficar revivendo incessantemente o momento derradeiro do desencarne, outros podem ainda ir para o Vale dos Suicidas, conforme elucidado na obra Memórias de um Suicida. Ou seja, cada individualidade passará pelas experiências que forem adequadas as suas necessidades evolutivas, salientando-se que independentemente de quais forem as experiências pelas quais passará ao regressar ao plano espiritual, jamais se encontrarão desamparados e sempre terão a oportunidade de recomeçar. Que cada vez mais a humanidade possa compreender o valor da passagem pela Terra, essa grande escola! E siga iluminada pelo amor e misericórdia de nosso Pai celestial!
  • 6. Bibliografia do Pentateuco 05 livros fundamentais na Doutrina Espírita Por Allan Kardec Ao dedicar uma edição do nosso jornal ao tema do suicídio não podemos deixar de sugerir a leitura do clássico espírita “Memórias de um suicida” psicografado pela médium Yvonne do Amaral Pereira. Com orientação do Espírito Léon Denis, o autor espiritual Camilo Castelo Branco, sob o pseudônimo Camilo Cândido Botelho, descreve à médium sua dolorosa experiência após a desencarnação pelo suicídio. O livro mostra a misericórdia divina para com os suicidas arrependidos, trazendo-lhes a oportunidade de conhecer o universo e a vida em sua integral dimensão. Como trata-se de um tema de imensa relevância, sugerimos ainda a leitura de “Viver é a melhor opção: a prevenção do suicídio no Brasil e no mundo”. Escrita pelo jornalista espírita André Trigueiro, essa obra tem por objetivo orientar parentes, amigos, colegas de trabalho e profissionais de imprensa a identificar e ajudar potenciais suicidas. Trigueiro destrinchou estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde brasileiro e apresenta dados sobre a principal causa mundial de mortes violentas (56%), enxergando o suicídio como um problema de saúde pública que pode ser prevenido com informação e debates que precisam ajudar a vencer esse verdadeiro tabu. O autor teve o cuidado de abordar as patologias de ordem mental associadas ao suicídio como a depressão e seu papel importante em sua abordagem como um fator de alto risco já que se trata de uma doença diag- nosticável e com tratamento conhecido. Enxerga ainda a complexidade das variáveis envolvidas e não permite avaliações ou análises simplistas. Nos capítulos finais, André trata o tema do suicídio pela visão da doutrina espírita fornecendo informações importantes e conduz a um trabalho intenso no sentido de oferecer ajuda para que o indivíduo não atente con- tra a vida. Como resumiu o teólogo Leonardo Boff após leitura da obra “Sugere e propõe caminhos de acom- panhamento e de superação. Como uma espécie de adendo, mas sem qualquer propósito proselitista, expõe didaticamente a visão espírita do suicídio, como ela o ajudou pessoalmente a ser mais humano e espiritual e como o suicida vem tratado pela doutrina.” Boa leitura! TRANQUILIZANTE Emmanuel Não são os problemas da vida em si que nos agravam a tensão nervosa. São as questões-satélites que nascem de nossas dificuldades para aceitá-los. Quantas vezes, pervagamos na Terra, sofrendo emoções desequilibradas, diante de companheiros queridos que não desejam, por agora, o nosso modo de ser? E em quantas outras nos atormentamos inutilmente, perante obstáculos complexos que claramente não nos será possível liquidar em apenas um dia? Entretanto, observemos: enfermidades aparecerão sempre no mundo, pedindo tratamento e não inconformidade para as melhoras preci- sas; entes amados em luta são telas de rotina, solicitando entendimento e não atitudes condenatórias para alcançarem o reequilíbrio; erros nossos e faltas alheias Fazem parte do nosso aprendizado na escola da experiência, exigindo calma e não censura para serem retificados; tentações são inevitáveis, em todos os sentidos, nos climas de atividade indispensáveis à nossa formação de resistência, reclamando serenidade e não agitação para serem extintas. Em todas as situações aflitivas, use a prece como sendo o nosso melhor tranquilizante no campo do espírito. E quando problemas apareçam, não se deixe arrastar nas labaredas da angústia. Você pode ficar em paz. Para isso, basta que você trabalhe e deixe Deus decidir. Do Livro: Busca e Acharás - Francisco Cândido Xavier - Pelos Espíritos: Emmanuel e André Luiz (página 50)
  • 7. Bruno Tavares Expositor Espírita www.blogdobrunotavares.wordpress.com Associação Espírita Casa dos Humildes www.casadoshumildes.com Presidente: Albonize de França. Vice-Presidente: Rosa Carneiro. Deptº de Divulgação Doutrinária: Bruno Tavares. Deptº de Mediúnico: Amaro Carvalho. Edição: Ana Paula Macedo, Bruno Tavares, Juana Feitosa, Mônica Porto e Patrícia Casé. Projeto Gráfico: Ingrid Cavalcanti. EXPEDIENTE CH Notícias Nº 39 – Circulação mensal Distribuição on-line Recife-PE, 16/Setembro/2018 CONTATO Rua Henrique Machado, nº 110 Casa Forte - Recife/PE (81) 3268-3954 casadoshumildes.com blogchnoticias.blogspot.com.br chnoticias@yahoo.com.br chnoticias2015@gmail.com E a nossa juventude participa, debate e elege a vida como opção maior! Assistiram palestras no SIMESPE e debateram durante duas semanas em nos- sa casa. Foram exibidos trechos dos documentários Bloody Money e do filme Deixe-me viver. Tivemos a participação de convidados da FEP - Luciana Soa- res e Maria Miranda, que trouxeram reflexões importantes para o amadure- cimento deles. Luciana mãe de Rafael falou sobre adoção, pois tem 3 filhos adotados e agra- dece às suas mães por não os terem abortado. Construíram conceitos que certamente os guiarão na opção a seguir. Foram muitas as opiniões e o aprendizado maior foi que é debatendo o tema a luz da nossa amada doutrina que entendemos as leis de causa e efeito. E você ai que nos lê, assista ao documentário Bloody Money (YouTube) sobre aborto legalizado nos EUA e os filmes Deixe-me Viver e O filme dos espíritos, que trazem uma enfoque espirita. Legalização do aborto é um assunto que tá batendo a nossa porta, aqui no Brasil e é importante termos informações para argumentar pela vida! Cada um decide se é a favor ou contra a legalização do aborto, mas é preciso que conheça os vários lados.
  • 8. Segunda-feira 19 h 45 min Sala 1 – Curso de Passe Sala 2 – Curso Trabalhadores: ESTEM Sala 3 – Iniciantes Curso de Mediunidade Terça-feira (a cada 15 dias) 19 h 45 min EADE – Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita ESDE – Estudo Sistemático da Doutrina Espírita Quarta-feira 19 h 45 min Sala 1 – Iniciantes Básico do Espiritismo Sala 2 – Curso Trabalhadores: Doutrinação Sala 3 – Iniciantes Curso de Doutrinação Segunda-feira 19 h 45 min Reunião de Consulta espiritual. Terça-feira 20 h Reunião Pública de Estudo de “O Livro dos Espíritos”. Terça-feira 20 h Reunião de Vibrações Espirituais. Quarta-feira 19 h 45 min Reunião Pública de Desobsessão. Quinta-feira (apenas a 1ª do mês) 19 h 45 min Desobsessão dos Trabalhadores da Casa. Sexta-feira 19 h 30 Reunião Pública de Estudos Espíritas: 1ª Sexta do mês: André Luiz; 2ª Sexta: Emmanuel; 3ª sexta: Allan Kardec; 4ª sexta: Bezerra de Menezes. Domingo 16 h Evangelização Infantil e Reunião da Juventude Espírita. Domingo 16 h Reunião Pública de Estudo de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. ATIVIDADES REQUISITOS DIA/HORA Campanha do Quilo Boa vontade e tolerância. 1º e 3º Domingo de cada mês – 8 h. Evangelização Infanto-Juvenil Habilidades na área de educação e de ativi- dades lúdicas. Boa interação com crianças e jovens. Domingo – 16 h. Passes e vibração Ter feito o curso de passes. Segundas antes das reuniões públicas; Terças, Quartas e Sextas após as reuniões; Domingos antes e depois das reuniões. Recepção e atendimento fraterno Ter feito o curso de passes e ser doutrina- dor. Segunda e Quarta – 19 h; Domingo – 16 h. Assistência a gestantes Querer compartilhar saberes e acolher o próximo. Quarta – 13 h 30 min e Um Domingo no mês. Trabalho mediúnico e doutrinário Ter feito todos os cursos básicos e o de passes. Segunda e Quarta – 19 h 45 min; Domingo – 16 h Instrutor e dirigente de reunião Ter feito os cursos básicos e de passes. Para instrutor, experiência e comunicação. Nos dias de curso e de reunião no auditó- rio. Assistência às vovozinhas da Casa dos Humildes Formação na área da saúde. Para lazer, nenhum requisito. De acordo com a disponibilidade. Biblioteca e Livraria Ser trabalhador da Casa Antes das reuniões públicas. TI e eletroeletrônicos, manutenção Habilidade na área e vontade de aprender. Antes das reuniões públicas.