SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
CINEMA ITINERANTE:
UMA INTERAÇÃO DAS COMUNIDADES
          COM O CINEMA
   Aluna: Maryjane Aleluia Oliveira
Apresentação

•   O projeto Cinema Itinerante: Uma interação das comunidades com o
    cinema foi desenvolvido durante o ano de 2007, integrado à proposta do
    Núcleo de Audiovisuais Educativos - NAVE, da TV UNIFACS e do Grupo de
    Pesquisa em Desenvolvimento de Tecnologias Sociais da UNIFACS,
    através do projeto Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Sociais
    – LTECS dentro da comunidade do bairro de Mata Escura- Salvador, Bahia.
Resumo

O projeto cinema itinerante: Uma interação das comunidades com o cinema
   tem o objetivo de utilizar a capacidade de comunicação do cinema com as
   comunidades locais.
Entendendo o cinema como produção cultural e artística contextual e reflexiva,
   o projeto contempla e explora as características contextuais das produções
   do cinema nacional a fim de gerar questionamentos e saberes na interação
   com as comunidades. O cinema, assim como um vetor entre as relações
   entre homem e mundo aparece como elemento artístico “problematizador”
   ao desenvolver nos interlocutores destas comunidades o poder de
   captação e compreensão e apreensão das múltiplas realidades que lhes
   cercam.
Introdução e Problema de investigação
Cinema itinerante: uma interação das comunidades com o cinema é uma
   pesquisa que pretende analisar a experiência da comunidade local com o
   cinema, abordando as diversas realidades vivenciadas por esses
   interlocutores. O projeto utiliza, desta forma, as sessões de cinema como
   instrumento de educação informal. Dentro desta perspectiva, compreender
   como o espectador local absorve e percebe seus próprios contextos e
   como essa postura reflete sobre as suas realidades, sejam elas sócio-
   econômicas, culturais e ambientais, individuais, históricas.
A escolha do cinema como instrumento de abordagem para esta pesquisa se
   justifica pela possibilidade do cinema acrescentar recursos tecnológicos
   que tornem a imagem dinâmica, ativa, contemporânea, dialógica.
A imagem, para Jaques Lacan, “efetua a relação do sujeito como o simbólico.
   É por intermédio de formações imaginárias que se efetua esta relação entre
   Sujeito e Símbolo. Jaques Lacan (1973), apud Jacques Aumont (1995), pág 75).
No século XX, a imagem ganha com o cinema outros recursos técnicos, e a
   partir disso sua comunicação e capacidade de interlocução se transforma
   como nunca antes se viu.
•   Em outra abordagem simbólica sobre a contemporaneidade podemos afirmá-lo
    como a “arte que melhor expressa e faz com que se expresse o viver
    contemporâneo urbano: estar só, estando junto. Uma solidão compartilhada
    com os personagens na tela. Um estranhamento com os personagens da vida
    cotidiana”. (ALMEIDA, 1999, p. 11)

•   O cinema se coloca, então como linguagem simbólica, estética, material e
    técnica deste século. Em toda sua capacidade dialógica, simbólica e contextual,
    o cinema do século XX se integrou no mundo revolucionário, social, político e
    cultural dos acontecimentos. Aparece o cinema documental, poético, estético,
    anti-estético, revolucionário. O cinema Novo, inaugura e descortina a anti-
    colonização, cinema do 3º mundo.

•      Glauber Rocha, um dos seus cineastas, representa simbolicamente e
    esteticamente o terceiromundista lúcido, atento e agitador, certamente uma
    figura que representou e inspirou as perspectivas sobre esta pesquisa.
•       A “fome” metafórica a qual o artista se refere muitas vezes em seu discurso
    disserta e abre novos questionamentos a fim de que se investigue se lance
    cada vez mais sobre ela. Esta fome envereda pelos caminhos da expressão
    política, cultural, pelas lutas de classe, pelo trabalho, pela afirmação cultural,
    racial, econômica, religiosa.
•     O cinema novo, por sua vez, vai em busca de questões históricas e
    importantes, e problematiza por exemplo a relação entre colonizador X
    colonizado, quando não “é pela lucidez de nosso diálogo mas pelo
    humanitarismo que nossa informação lhe inspira. Mais uma vez o
    paternalismo é o método de compreensão para uma linguagem de
    lágrimas ou de sofrimento.” (Glauber Rocha, A Estétika da Fome)
•   “A fome latina, por isto, não é somente um sintoma alarmante: é o
    nervo de sua própria sociedade. Aí reside a trágica originalidade do
    Cinema Novo diante do cinema mundial: nossa originalidade é a nossa
    fome e nossa maior miséria é que esta fome, sendo sentida, não é
    compreendida”. (Glauber Rocha, A Estétika da Fome)
•     “Nós compreendemos esta fome que o europeu e o brasileiro na
    maioria não entende. Para o europeu é um estranho surrealismo
    tropical. Para o brasileiro é uma vergonha nacional. Ele não come, mas
    tem vergonha de dizer isto; e, sobretudo, não sabe de onde vem esta
    fome. Assim, somente uma cultura da fome, minando suas próprias
    estruturas, pode superar-se qualitativamente. Cinema Novo é um
    fenômeno dos povos colonizados”. (Glauber Rocha, A Estétika da
    fome).
•
•   A partir das investigações que a pesquisa retratará através dos debates com
    a comunidade, a utilização dos contextos, situações e temas abordados nos
    filmes torna-se imediata para as discussões sobre as percepções e
    prováveis diálogos com seus interlocutores, na medida em que isso
    implicará “ num constante ato de desvelamento da realidade, de que resulte
    em inserção crítica na realidade. (Freire, 1987, pág 70)
•   Ao concordar com a educação problematizadora, o cinema pretende colocar
    os espectadores e o mundo juntos, pois apenas “ desafiados , compreendem
    o desafio como um problema na própria ação de captá-lo. (Freire, 1987, pág
    70)
•   Como elemento artístico problematizador, o cinema trará contribuições para
    investigar e conhecer as percepções dos espectadores das comunidades em
    relação à forma como se vêem e como vêem o outro bem como opina,
    analisa, critica e transforma as suas realidades “num plano de totalidade e
    não como algo petrificado. A compreensão resultante tende a tornar-se
    crescentemente crítica, por isto, cada vez mais desalienada”. ( Freire, 1987,
    pág 70)
Objetivos

•   Investigar a experiência de utilização das sessões de cinema nacional
    como instrumento de educação informal nas comunidades.
•   Explorar o cinema como produção artística e cultural capaz de gerar
    reflexões, aprendizados e produção de saberes e conhecimentos em
    relação à linguagem cinematográfica.
•   Conhecer, analisar e investigar a interação das comunidades com o
    cinema dentro do potencial discursivo e problematizador das vivências
    e realidades sociais, culturais, históricas e locais dos moradores.
Justificativa

•   Construção de espaços de sociabilidade, lazer, cultura e
    entretenimento para os moradores das comunidades
•   Associar às atividades de entretenimento da comunidade novas
    possibilidades de discussão sobre as diversas realidades e vivências
    locais.
•   Inclusão cultural, estética e artística do cinema como produção cultural
    contemporânea.
Metodologia

•   O método de investigação escolhido para a pesquisa é o método
    qualitativo.

•   Os métodos escolhidos deverão mensurar, descrever e analisar os
    comportamentos, percepções, sentimentos e questionamentos do
    público em relação à experiência as sessões e os debates
    comunitários.

•   Instrumnetos:
•   Observação participante, entrevistas-semi-estruturadas, criação de
    grupos focais, registro videográfico, fotográfico.
Referências

•   FREIRE, Paulo. Criando Métodos de Pesquisa Alternativa:
    aprendendo a fazê-la melhor através da ação In BRANDÃO, C.R.
    (org.) Pesquisa Participante. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1999.
•   FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. RJ, Ed. Ed. Paz e Terra
    S/A. 1987.
•   CZERMAK, R. & SILVA, R.N. Comunicação e produção da
    subjetividade In GUARESCHI, P.A. Comunicação e Controle Social.
    Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.
•   CZERMAK, R. & SILVA, R.N. Comunicação e produção da
    subjetividade In GUARESCHI, P.A. Comunicação e Controle Social.
    Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.
•   ALMEIDA, MILTON JOSÉ DE. Cinema: A arte da memória.
    SP: Autores Associados, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvadorProjeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvador
reinaldosantosI
 
Projeto Foto e Arte
Projeto Foto e ArteProjeto Foto e Arte
Projeto Foto e Arte
Juh Bezerra
 
Exercícios sobre o teatro grego
Exercícios sobre o teatro gregoExercícios sobre o teatro grego
Exercícios sobre o teatro grego
Silvana Chaves
 
Projeto cultura afro-brasileira
Projeto cultura afro-brasileiraProjeto cultura afro-brasileira
Projeto cultura afro-brasileira
emsaodomingos
 
Planos para filmagem
Planos para filmagemPlanos para filmagem
Planos para filmagem
Ejavorski
 

Mais procurados (20)

Cantando a gente brinca, brincando a gente aprende - Turma 5H
 Cantando a gente brinca, brincando a gente aprende - Turma 5H Cantando a gente brinca, brincando a gente aprende - Turma 5H
Cantando a gente brinca, brincando a gente aprende - Turma 5H
 
Oficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindesOficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindes
 
Caça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividadeCaça palavras sobre teatro atividade
Caça palavras sobre teatro atividade
 
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
PROJETO: QUE HISTÓRIA SUA FOTOGRAFIA TEM PARA CONTAR?
 
Gêneros cinematográficos
Gêneros cinematográficosGêneros cinematográficos
Gêneros cinematográficos
 
Projeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvadorProjeto cinema nas escolas para salvador
Projeto cinema nas escolas para salvador
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
Plano de curso de arte E.M BNCC 2019Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
Plano de curso de arte E.M BNCC 2019
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
Projeto Foto e Arte
Projeto Foto e ArteProjeto Foto e Arte
Projeto Foto e Arte
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
 
Exercícios sobre o teatro grego
Exercícios sobre o teatro gregoExercícios sobre o teatro grego
Exercícios sobre o teatro grego
 
Projeto Cantando e Aprendendo
Projeto Cantando e AprendendoProjeto Cantando e Aprendendo
Projeto Cantando e Aprendendo
 
PROJETO DE CINEMA NA ESCOLA "Curta Imagem Negra " - VIII PROCINE/2021 2021...
PROJETO DE CINEMA NA ESCOLA "Curta  Imagem Negra " - VIII PROCINE/2021   2021...PROJETO DE CINEMA NA ESCOLA "Curta  Imagem Negra " - VIII PROCINE/2021   2021...
PROJETO DE CINEMA NA ESCOLA "Curta Imagem Negra " - VIII PROCINE/2021 2021...
 
Texto sobre dança classica
Texto sobre dança classicaTexto sobre dança classica
Texto sobre dança classica
 
A Origem Do Teatro
A Origem Do TeatroA Origem Do Teatro
A Origem Do Teatro
 
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptxAULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
 
Projeto cultura afro-brasileira
Projeto cultura afro-brasileiraProjeto cultura afro-brasileira
Projeto cultura afro-brasileira
 
Projeto de artes
Projeto de artesProjeto de artes
Projeto de artes
 
Planos para filmagem
Planos para filmagemPlanos para filmagem
Planos para filmagem
 

Destaque

15 projeto descobrindo talentos morais filho-1
15 projeto descobrindo talentos  morais filho-115 projeto descobrindo talentos  morais filho-1
15 projeto descobrindo talentos morais filho-1
juniorfuleragem
 
Projeto festival de talentos semana de arte da seeduc
Projeto festival de talentos   semana  de arte da seeducProjeto festival de talentos   semana  de arte da seeduc
Projeto festival de talentos semana de arte da seeduc
Edmilson Freitas
 
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexoProjeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
familiaestagio
 
Projeto saúde na escola
Projeto saúde na escolaProjeto saúde na escola
Projeto saúde na escola
elianabizarro
 
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Cirlei Santos
 

Destaque (12)

Universidade Salvador Monografia Maryjane Aleluia
Universidade Salvador   Monografia Maryjane AleluiaUniversidade Salvador   Monografia Maryjane Aleluia
Universidade Salvador Monografia Maryjane Aleluia
 
Show de talentos
Show de talentosShow de talentos
Show de talentos
 
15 projeto descobrindo talentos morais filho-1
15 projeto descobrindo talentos  morais filho-115 projeto descobrindo talentos  morais filho-1
15 projeto descobrindo talentos morais filho-1
 
Projeto festival de talentos semana de arte da seeduc
Projeto festival de talentos   semana  de arte da seeducProjeto festival de talentos   semana  de arte da seeduc
Projeto festival de talentos semana de arte da seeduc
 
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexoProjeto mostra de cultura  metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
Projeto mostra de cultura metodologia em oficinas interdisciplinares- anexo
 
Projeto Conhecendo meu município
Projeto Conhecendo meu municípioProjeto Conhecendo meu município
Projeto Conhecendo meu município
 
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"Projeto "RESGATANDO RAIZES"
Projeto "RESGATANDO RAIZES"
 
Projeto saúde na escola
Projeto saúde na escolaProjeto saúde na escola
Projeto saúde na escola
 
Projeto Social - Modelo
Projeto Social - ModeloProjeto Social - Modelo
Projeto Social - Modelo
 
Projeto música
Projeto músicaProjeto música
Projeto música
 
Projeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu contoProjeto Conta que eu conto
Projeto Conta que eu conto
 
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
 

Semelhante a Cinema Itinerante Definitivo

A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas consideraçõesA arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
Andréa Kochhann
 
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferiaTese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
Peu Pereira
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
João Lima
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
1sested
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Cirlei Santos
 
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptxtcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
JooVictorBarroso2
 

Semelhante a Cinema Itinerante Definitivo (20)

Palestra antropologia visual
Palestra antropologia visual Palestra antropologia visual
Palestra antropologia visual
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 
Arte, Educação e Inclusão
Arte, Educação e InclusãoArte, Educação e Inclusão
Arte, Educação e Inclusão
 
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinemaCultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
Cultura de massa / Cultura erudita: Literatura e cinema
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
 
Anthropologicas
AnthropologicasAnthropologicas
Anthropologicas
 
Cinema tics
Cinema ticsCinema tics
Cinema tics
 
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas consideraçõesA arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
 
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas consideraçõesA arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
A arte do real e a teoria crítica: algumas considerações
 
Tese de mestrado sobre o coletivo Arte na Periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo Arte na PeriferiaTese de mestrado sobre o coletivo Arte na Periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo Arte na Periferia
 
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferiaTese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
Tese de mestrado sobre o coletivo arte na periferia
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
 
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
PATRIMONIO CINEMATOGRÁFICO EM CAMPO GRANDE: PERSPECTIVAS DE SUSTENTABILIDADE ...
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
 
Literatura Popular Regional - Alessandra Favero
Literatura Popular Regional  - Alessandra FaveroLiteratura Popular Regional  - Alessandra Favero
Literatura Popular Regional - Alessandra Favero
 
Mensagem 29º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 29º dia das comunicações - João Paulo IIMensagem 29º dia das comunicações - João Paulo II
Mensagem 29º dia das comunicações - João Paulo II
 
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamentalReflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
Reflexões sobre o estudo do cinema no ensino fundamental
 
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptxtcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
tcestudosculturais-150401100449-conversion-gate01.pptx
 

Cinema Itinerante Definitivo

  • 1. CINEMA ITINERANTE: UMA INTERAÇÃO DAS COMUNIDADES COM O CINEMA Aluna: Maryjane Aleluia Oliveira
  • 2. Apresentação • O projeto Cinema Itinerante: Uma interação das comunidades com o cinema foi desenvolvido durante o ano de 2007, integrado à proposta do Núcleo de Audiovisuais Educativos - NAVE, da TV UNIFACS e do Grupo de Pesquisa em Desenvolvimento de Tecnologias Sociais da UNIFACS, através do projeto Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Sociais – LTECS dentro da comunidade do bairro de Mata Escura- Salvador, Bahia.
  • 3. Resumo O projeto cinema itinerante: Uma interação das comunidades com o cinema tem o objetivo de utilizar a capacidade de comunicação do cinema com as comunidades locais. Entendendo o cinema como produção cultural e artística contextual e reflexiva, o projeto contempla e explora as características contextuais das produções do cinema nacional a fim de gerar questionamentos e saberes na interação com as comunidades. O cinema, assim como um vetor entre as relações entre homem e mundo aparece como elemento artístico “problematizador” ao desenvolver nos interlocutores destas comunidades o poder de captação e compreensão e apreensão das múltiplas realidades que lhes cercam.
  • 4. Introdução e Problema de investigação Cinema itinerante: uma interação das comunidades com o cinema é uma pesquisa que pretende analisar a experiência da comunidade local com o cinema, abordando as diversas realidades vivenciadas por esses interlocutores. O projeto utiliza, desta forma, as sessões de cinema como instrumento de educação informal. Dentro desta perspectiva, compreender como o espectador local absorve e percebe seus próprios contextos e como essa postura reflete sobre as suas realidades, sejam elas sócio- econômicas, culturais e ambientais, individuais, históricas. A escolha do cinema como instrumento de abordagem para esta pesquisa se justifica pela possibilidade do cinema acrescentar recursos tecnológicos que tornem a imagem dinâmica, ativa, contemporânea, dialógica. A imagem, para Jaques Lacan, “efetua a relação do sujeito como o simbólico. É por intermédio de formações imaginárias que se efetua esta relação entre Sujeito e Símbolo. Jaques Lacan (1973), apud Jacques Aumont (1995), pág 75). No século XX, a imagem ganha com o cinema outros recursos técnicos, e a partir disso sua comunicação e capacidade de interlocução se transforma como nunca antes se viu.
  • 5. Em outra abordagem simbólica sobre a contemporaneidade podemos afirmá-lo como a “arte que melhor expressa e faz com que se expresse o viver contemporâneo urbano: estar só, estando junto. Uma solidão compartilhada com os personagens na tela. Um estranhamento com os personagens da vida cotidiana”. (ALMEIDA, 1999, p. 11) • O cinema se coloca, então como linguagem simbólica, estética, material e técnica deste século. Em toda sua capacidade dialógica, simbólica e contextual, o cinema do século XX se integrou no mundo revolucionário, social, político e cultural dos acontecimentos. Aparece o cinema documental, poético, estético, anti-estético, revolucionário. O cinema Novo, inaugura e descortina a anti- colonização, cinema do 3º mundo. • Glauber Rocha, um dos seus cineastas, representa simbolicamente e esteticamente o terceiromundista lúcido, atento e agitador, certamente uma figura que representou e inspirou as perspectivas sobre esta pesquisa. • A “fome” metafórica a qual o artista se refere muitas vezes em seu discurso disserta e abre novos questionamentos a fim de que se investigue se lance cada vez mais sobre ela. Esta fome envereda pelos caminhos da expressão política, cultural, pelas lutas de classe, pelo trabalho, pela afirmação cultural, racial, econômica, religiosa.
  • 6. O cinema novo, por sua vez, vai em busca de questões históricas e importantes, e problematiza por exemplo a relação entre colonizador X colonizado, quando não “é pela lucidez de nosso diálogo mas pelo humanitarismo que nossa informação lhe inspira. Mais uma vez o paternalismo é o método de compreensão para uma linguagem de lágrimas ou de sofrimento.” (Glauber Rocha, A Estétika da Fome) • “A fome latina, por isto, não é somente um sintoma alarmante: é o nervo de sua própria sociedade. Aí reside a trágica originalidade do Cinema Novo diante do cinema mundial: nossa originalidade é a nossa fome e nossa maior miséria é que esta fome, sendo sentida, não é compreendida”. (Glauber Rocha, A Estétika da Fome) • “Nós compreendemos esta fome que o europeu e o brasileiro na maioria não entende. Para o europeu é um estranho surrealismo tropical. Para o brasileiro é uma vergonha nacional. Ele não come, mas tem vergonha de dizer isto; e, sobretudo, não sabe de onde vem esta fome. Assim, somente uma cultura da fome, minando suas próprias estruturas, pode superar-se qualitativamente. Cinema Novo é um fenômeno dos povos colonizados”. (Glauber Rocha, A Estétika da fome). •
  • 7. A partir das investigações que a pesquisa retratará através dos debates com a comunidade, a utilização dos contextos, situações e temas abordados nos filmes torna-se imediata para as discussões sobre as percepções e prováveis diálogos com seus interlocutores, na medida em que isso implicará “ num constante ato de desvelamento da realidade, de que resulte em inserção crítica na realidade. (Freire, 1987, pág 70) • Ao concordar com a educação problematizadora, o cinema pretende colocar os espectadores e o mundo juntos, pois apenas “ desafiados , compreendem o desafio como um problema na própria ação de captá-lo. (Freire, 1987, pág 70) • Como elemento artístico problematizador, o cinema trará contribuições para investigar e conhecer as percepções dos espectadores das comunidades em relação à forma como se vêem e como vêem o outro bem como opina, analisa, critica e transforma as suas realidades “num plano de totalidade e não como algo petrificado. A compreensão resultante tende a tornar-se crescentemente crítica, por isto, cada vez mais desalienada”. ( Freire, 1987, pág 70)
  • 8. Objetivos • Investigar a experiência de utilização das sessões de cinema nacional como instrumento de educação informal nas comunidades. • Explorar o cinema como produção artística e cultural capaz de gerar reflexões, aprendizados e produção de saberes e conhecimentos em relação à linguagem cinematográfica. • Conhecer, analisar e investigar a interação das comunidades com o cinema dentro do potencial discursivo e problematizador das vivências e realidades sociais, culturais, históricas e locais dos moradores.
  • 9. Justificativa • Construção de espaços de sociabilidade, lazer, cultura e entretenimento para os moradores das comunidades • Associar às atividades de entretenimento da comunidade novas possibilidades de discussão sobre as diversas realidades e vivências locais. • Inclusão cultural, estética e artística do cinema como produção cultural contemporânea.
  • 10. Metodologia • O método de investigação escolhido para a pesquisa é o método qualitativo. • Os métodos escolhidos deverão mensurar, descrever e analisar os comportamentos, percepções, sentimentos e questionamentos do público em relação à experiência as sessões e os debates comunitários. • Instrumnetos: • Observação participante, entrevistas-semi-estruturadas, criação de grupos focais, registro videográfico, fotográfico.
  • 11. Referências • FREIRE, Paulo. Criando Métodos de Pesquisa Alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação In BRANDÃO, C.R. (org.) Pesquisa Participante. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1999. • FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. RJ, Ed. Ed. Paz e Terra S/A. 1987. • CZERMAK, R. & SILVA, R.N. Comunicação e produção da subjetividade In GUARESCHI, P.A. Comunicação e Controle Social. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000. • CZERMAK, R. & SILVA, R.N. Comunicação e produção da subjetividade In GUARESCHI, P.A. Comunicação e Controle Social. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000. • ALMEIDA, MILTON JOSÉ DE. Cinema: A arte da memória. SP: Autores Associados, 1999.