SlideShare uma empresa Scribd logo
CARACTERIZAÇÃO
BIOMAS BRASILEIROS
Por Graciela Tonin
O QUE É BIOMA
• O bioma, na definição do IBGE, é o "conjunto de
vida (vegetal e animal) definida pelo agrupamento de
tipos de vegetação contíguos e identificáveis em
escala regional, com condições geoclimáticas
similares e história compartilhada de mudanças,
resultando em uma diversidade biológica própria".
• Em outras palavras, bioma pode ser definido como
uma grande área de vida formada por um complexo
de habitats e comunidades.
NÃO CONFUNDIR...
• Muitas vezes, o termo "bioma" é utilizado como sinônimo
de "ecossistema" mas, diferente do ecossistema, à
classificação de bioma interessa mais o meio físico (a
fisionomia da área, principalmente da vegetação) que as
interações que nele ocorrem.
• O perfil do local e a dimensão também importam na
classificação: um ecossistema qualquer só será
considerado um bioma se suas dimensões forem de
grande escala.
• Por exemplo, existe o bioma da Mata Atlântica e, dentro
dele, ecossistemas como a floresta ombrófila densa, a
mata de araucária, os campos de altitude, a restinga e os
manguezais.
NO BRASIL
• O Brasil é formado por seis biomas de
características distintas: Amazônia, Caatinga,
Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.
• Cada um desses ambientes abriga diferentes tipos
de vegetação e de fauna.
IDENTIFICAÇÃO DOS BIOMAS
BIOMAS BRASILEIROS
BIOMAS BRASILEIROS
DISTRIBUIÇÃO
BIOMAS BRASILEIROS
BIOMA AMAZÔNIA
• A Amazônia ocupa 4.196.943 km², cerca de 49,29%
do território brasileiro, além das áreas territoriais da
Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname, Peru,
Colômbia, Venezuela e Equador.
• Ocupa a totalidade de cinco unidades da federação
(Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima), Rondônia
(98,8%), Mato Grosso (54%), Maranhão (34%) e
Tocantins (9%).
FLORA
• A quantidade de espécies animais e vegetais é muito elevada,
com mais de 2 500 tipos de árvores e 30 mil tipos diferentes.
• As flutuações do nível da água podem chegar a 10 metros ou
mais. Plantas e animais da floresta alagada vivem em função
das suas diversas adaptações especiais para sobreviver
durante as enchentes.
• As árvores das florestas alagadas têm várias adaptações
morfológicas e fisiológicas para viverem submersas, como
raízes respiratórias e sapopemas*, raízes laterais situadas na
base da árvore; a floresta apresenta árvores de folhas
geralmente largas (latifoliada).
BIOMAS BRASILEIROS
BIOMAS BRASILEIROS
• A planta mais famosa é a vitória-régia, a flor símbolo da
Amazônia. Conhecida como a "rainha dos lagos", a vitória
régia (Vitoria regia lindl) abre suas folhas nas águas rasas e
sem correnteza, formando uma bandeja redonda verde. Chega
a medir de 1m a 1,80m de diâmetro.
Seringueira
• Cacaueiro
• castanheira
SUA BACIA HIDROGRÁFICA POSSUI A MAIOR DIVERSIDADE DE
PEIXES DO MUNDO: ENTRE 2.500 E 3 MIL ESPÉCIES.
Tucunaré
• Peixe-elétrico
ALÉM DISSO, NA AMAZÔNIA VIVEM 1.300 ESPÉCIES DE PÁSSAROS E
300 DE MAMÍFEROS. NO TOTAL, A FAUNA DA REGIÃO TOTALIZA MAIS
DE 2 MILHÕES DE ESPÉCIES, MUITAS DAS QUAIS ENCONTRADAS
APENAS NESTA REGIÃO.
Ave guará
Peixe-boi
BIOMA CERRADO
• É o nome regional dado às
savanas Brasileiras.
• Estende-se pela região central
do País, compreendendo os
estados de Goiás, Tocantins,
Mato Grosso, Mato Grosso do
Sul, o oeste da Bahia, o sul do
Maranhão e parte de Piauí,
chegando a Rondônia e Pará.
• Cerca de 85% do grande platô
que ocupa o Brasil central era
originalmente dominado pela
paisagem do cerrado,
aproximadamente 20% da
superfície do País.
FLORA
• As árvores do cerrado são muitos peculiares, com troncos tortos,
cobertos por uma cortiça grossa, e de folhas geralmente grandes
e rígidas. Muitas plantas herbáceas têm órgãos subterrâneos para
armazenar água e nutrientes.
• Cortiça grossa e estruturas subterrâneas podem ser
interpretadas como algumas das muitas adaptações
desta vegetação às queimadas periódicas.
• O cerrado se constitui ainda, num verdadeiro pomar natural,
em que frutos se destacam pela variedade de formas, cores,
sabores e aromas.
• Destacam-se a mangaba, cagaita, marmelada-de-cachorro, o
batiputá ou bacupari, o baru, marolo, pequi, guabiroba, araçá,
araticum, caju, jatobá e o murici.
• Atualmente, a região contribui com mais de 70% da
produção de carne bovina do País.
• É também um importante centro de produção de grãos
(soja, feijão, milho e arroz).
• Como uma atividade secundária, grandes extensões de
cerrado são ainda utilizadas na produção de polpa de
celulose para a indústria de papel.
• Outra atividade recentemente implantada é o turismo. No
entanto, as introduções dessas atividades reduziram o
cerrado a cerca de apenas 20% de área do bioma em
estado conservado.
FAUNA
• Mais de 1.600 espécies de mamíferos, aves e répteis
já foram identificados nos ecossistemas de cerrado.
• A fauna apresenta diversas espécies de aves,
mamíferos, anfíbios e répteis, sendo muitas delas
endêmicas.
Entre a diversidade de invertebrados, os mais notáveis são os
térmitas (cupins) e as formigas cortadeiras (saúvas).
EM EXTINÇÃO... VEADO CAMPEIRO
CAATINGA
• Considerado como o único bioma
exclusivamente brasileiro, compreendendo
quase 10% da área total do território
brasileiro, com aproximadamente 740.000
km2.
• Abrange os estados do Ceará, Rio Grande
do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe,
Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte
de Minas Gerais.
• Possui um clima semi-árido com
temperaturas médias anuais entre 27ºC e
29ºC, e índices pluviométricos irregulares
variando de 250 a 1000mm por ano,
concentrando-se durante 3 a 5 meses. Na
estação seca a temperatura do solo, que é
raso, pedregoso e alcalino, pode chegar a
60ºC.
• A vegetação da caatinga é extremamente
diversificada de espécies adaptadas às condições
do ambiente (solo e clima); apresentam folhas
pequenas ou modificadas em espinhos, outras, com
raízes superficiais para absorver o máximo de águas
pluviais.
• Foram registradas cerca de 932 espécies vegetais,
sendo 380 endêmicas (MMA, 2002).
• Algumas das espécies nativas da caatinga são:
barriguda, amburana, aroeira, umbu, baraúna,
maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro.
BARRIGUDA
UMBUZEIRO
XIQUE-XIQUE
• A paisagem mais comum da caatinga é aquela
apresentada durante a seca.
• As plantas apresentam um aspecto seco porém não
estão mortas, apenas perdem as suas folhas para
suportar a ausência de água.
• Suas folhas são caducas ou caducifólias, ou seja,
caem na época da seca.
• Os rios são intermitentes, correm apenas durante o
período de chuvas, tendo seus cursos interrompidos
durante a estação seca.
• O escoamento superficial é intenso, pois os solos
são rasos e situados acima de lajedos cristalinos.
• Após as chuvas as plantas florescem e os animais
se reproduzem, deixando descendentes que já
possuem adaptações para suportar o longo período
de seca seguinte.
• Mesmo durante a seca, a vida animal também é rica
e diversificada.
• Espalhados pela caatinga existem regiões úmidas e
de solo fértil chamadas de “brejos”.
• Brejo Madre Teresa de Deus em Petrolina PE
• Vive na caatinga as duas espécies de aves mais
ameaçadas de extinção do país a ararinha-azul
(Cyanopsitta spixii) e a arara-azul-de-lear
(Anodorhynchus leari).
A diferença mais significativa está na forma da barbela (pele em
torno da mandíbula). Em A. hyacinthinus tem a forma de uma fita,
quanto que em A. leari possui a forma de nódoa (gota).
Alguns animais típicos da caatinga são o sapo cururu, asa-branca,
cotia, preá, veado catingueiro, tatu-peba, sagüi-do-nordeste e
cachorro-do-mato.
MATA ATLÂNTICA
• Mata Atlântica é o nome popular dado à FLORESTA
TROPICAL atlântica que se distribui em milhares de
fragmentos da região litorânea aos planaltos e serras do
interior, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul.
• Originalmente, essa formação vegetal ocupava uma área
de 1.300.000 km², em áreas de 17 estados (PI, CE, RN,
PB, PE, AL, SE, BA, ES, RJ, MG, GO, MS, SP, PR, SC,
RS), ocorrendo de forma contínua entre RN e RS. Estreita
na região nordeste, ela alargava-se para o sul até atingir
sua largura máxima na bacia do Rio Paraná, penetrando,
inclusive, no Paraguai e Argentina.
ATUALMENTE SUA ÁREA FICA EM TORNO DE 6 A 8%
DA ORIGINAL.
BIOMAS BRASILEIROS
• A Mata Atlântica, sem perder certa homogeneidade,
apresenta um conjunto de formações florestais
bastante diversificadas, que são:
• Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista,
Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional
Semidecidual e Floresta Estacional Decidual.
• Além disso, alguns ecossistemas estão associados
a esse bioma, como o manguezal, restinga, campos
de altitude, e brejos interioranos. Essa variedade é
resultado das variações climáticas e de relevo.
BIOMAS BRASILEIROS
FLORA
• Sua composição florística é extremamente variada.
O estrato superior da floresta é composto por
árvores mais altas, como as leguminosas, os ipês, o
manacá-da-serra, entre outras.
• O estrato arbustivo é formado por espécies arbóreas
(jabuticabeiras, palmito-juçara, begônias, etc.) que
vivem sombreadas pelas árvores mais altas.
EXTRAÇÃO CONTROLADA DE
PALMITO
• Isso se dá porque a palmeira juçara nasce de uma
semente e constitui um único tronco - o que faz com
que ela seja sacrificada na colheita do palmito,
extraído do caule; ela demora em torno de 8 a 12
anos para que a planta possa produzir um palmito
de qualidade.
• Plantas de pequeno porte formam o estrato
herbáceo, como ervas, gramíneas, musgos e plantas
jovens que farão parte dos estratos superiores. As
lianas e epífitas se agregam aos estratos médio e
superior da floresta.
• A flora é muita rica em espécies endêmicas, entre as
quais estão o pinheiro-do-paraná (Araucaria
angustifolia), pau-brasil (Caesalpinia echinata),
jequitibá (Cariniana ianeirensis) e Eugenia
itacarensis, que são também ameaçadas de
extinção.
• Jequitibá
FAUNA
• - Mico-leão-dourado
• - Bugio
• Tamanduá bandeira
• Tatu-canastra
- Muriqui
Onça Pintada
Jaguatirica
CURIOSIDADES:
• - Alguns povos indígenas ainda habitam a região da Mata
Atlântica. Entre eles, podemos destacar: Kaiagang,
Terena, Potiguara, Kadiweu, Pataxó, Wassu, Krenak,
Guarani, Kaiowa e Tupiniquim.
•
• - É comemorado em 27 de maio o Dia da Mata Atlântica.
•
• - A Mata Atlântica é a segunda maior floresta brasileira,
em extensão.
• Cabe enfatizar que um importante instrumento para a
conservação e recuperação ambiental na Mata Atlântica,
foi a aprovação da Lei 11.428, de 2006 e o Decreto
6.660/2008, que regulamentou a referida lei.
•
PANTANAL
• O bioma Pantanal é
considerado uma das
maiores extensões
úmidas contínuas do
planeta; é o de
menor extensão
territorial no Brasil
• A sua área
aproximada é 150.355
km² (IBGE,2004),
ocupando assim
1,76% da área total do
território brasileiro.
O magnífico cenário do Pantanal, hoje se
sabe, enfeita um fundo de concha situado
entre as terras altas bolivianas a oeste e
as serras brasileiras a leste.
• O Pantanal sofre influência direta de três
importantes biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado
e Mata Atlântica. Além disso sofre influência do
bioma Chaco (nome dado ao Pantanal localizado no
norte do Paraguai e leste da Bolívia).
• Uma característica interessante desse bioma é que
muitas espécies ameaçadas em outras regiões do
Brasil persistem em populações avantajadas na
região, como é o caso do tuiuiú – ave símbolo do
Pantanal.
• As águas da planície do Pantanal seguem
diretamente em direção ao rio Paraguai, que tem
uma bacia hidrográfica com altitudes pouco
elevadas. Já os rios que abastecem o Pantanal vêm
de regiões bem altas, e é por este motivo que as
águas acumulam-se com facilidade, transformando
o Pantanal em uma grande planície de inundação,
principalmente nos períodos em que há mais
chuvas.
• A flutuação no nível da água é fundamental para o
funcionamento desse bioma. Durante a seca, o
material que se decompõe no solo contribui para o
enriquecimento da água de inundação durante a
cheia.
• Quando as águas recuam, elas deixam uma rica
camada de nutrientes no solo, que servirão de base
para o surgimento de uma extensa vegetação.
• Esse fenômeno lembra o que ocorre no Rio Nilo, na
África, cujas enchentes fertilizaram o deserto e
fizeram a grandeza do Egito há 5.000 anos.
FLORA
• Nas áreas alagadas
encontramos gramíneas, nas
regiões intermediárias
desenvolvem-se pequenos
arbustos e vegetação rasteira.
• No Pantanal é comum a
presença de formações
vegetais como o carandazal,
formado pelas palmeiras
carandá, e o buritizal, onde
predominam os buritis.
BIOMAS BRASILEIROS
FAUNA
• A fauna do Pantanal é bastante diversificada,
levantamentos registraram 325 espécies de peixes,
53 anfíbios, 98 répteis, 656 aves e 159 mamíferos.
• Jacarés, capivaras e onças estão entre os principais
animais. Destacam-se também a arara-azul e o tuiuiú
(ave símbolo do Pantanal).
Estima-se que a
população de
jacaré na planície
brasileira oscile
entre 20 e 35 milhões
de indivíduos.
• Apenas 4,6% do Pantanal encontram-se protegidos
por unidades de conservação, dos quais 2,9%
correspondem a UCs de proteção integral e 1,7% a
UCs de uso sustentável (BRASIL, 2015).
• Pantanal- reserva da
biosfera- UNESCO
BIOMAS BRASILEIROS
CAMPOS- PAMPAS GAÚCHOS
• No Brasil, o Pampa
está presente do
estado do Rio
Grande do Sul,
ocupando 63% do
território gaúcho e
também territórios
da Argentina e
Uruguai.
• Os Campos da Região Sul do Brasil são
denominados como “pampa”, termo de origem
indígena para “região plana”, entretanto, esta
denominação corresponde somente a um dos tipos
de campo, encontrado mais ao sul do Rio Grande do
Sul, atingindo o Uruguai e a Argentina.
• Outros tipos conhecidos como campos do alto da
serra são encontrados em áreas de transição com o
domínio de araucárias. Em outras áreas encontram-
se, ainda, campos de fisionomia semelhantes à
savana.
FAUNA
• Embora povoado por cerca de 102 espécies de
mamíferos, 476 de aves e 50 de peixes o campo é
frequentemente definido como um bioma pobre em
diversidade biológica.
• Entre outros animais os campos abrigam, graxaim,
zorrilho, preguiça de coleira, capivara, veado, lontra,
cateto, lobo guará, gato-palheiro, gato-maracajá.
BIOMAS BRASILEIROS
• Entre as aves encontramos ema, marrecos, perdiz,
papagaio-charão, coruja-buraqueira, quero-quero.
FLORA
• Gramíneas nos campos limpos.
• Mata de araucária, grápia, caroba, angico-vermelho,
cedro.
CURIOSIDADES
• O clima dos pampas é característico- quente no
verão e frio no inverno- geadas são comuns.
• assemelha-se ao clima Europeu.
QUERENDO APRENDER MAIS?
• Assista os vídeos sobre Biomas...
• https://www.youtube.com/watch?v=0dlXce3s4mo
• https://www.youtube.com/watch?v=Rlaxn5qNJsI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
Jones Godinho
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
Bruno Anacleto
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
Edmar Souza
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
rdbtava
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
Prof. Francesco Torres
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
Tânia Reis
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
Tânia Reis
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
Portal do Vestibulando
 
causas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambientalcausas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambiental
Roney Gusmão
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Eder Borges
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
Felipe Batista
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Fábio Oliveira
 
Biomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptxBiomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptx
KevinCezar
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
Jaqueline Fernandes
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
Carolina Suisso
 
Slides biomas da amazonia
Slides biomas da amazoniaSlides biomas da amazonia
Slides biomas da amazonia
Lianny Siqueira
 
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
Hávila Said
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Carlos Priante
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
elves0927
 

Mais procurados (20)

Os biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.pptOs biomas brasileiros.ppt
Os biomas brasileiros.ppt
 
Ecologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma AmazôniaEcologia - Bioma Amazônia
Ecologia - Bioma Amazônia
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
causas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambientalcausas e consequências da degradação ambiental
causas e consequências da degradação ambiental
 
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata AtlânticaApresentação Bioma da Mata Atlântica
Apresentação Bioma da Mata Atlântica
 
Bioma Mata atlântica
Bioma Mata atlânticaBioma Mata atlântica
Bioma Mata atlântica
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
 
Biomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptxBiomas brasileiros.pptx
Biomas brasileiros.pptx
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
 
Slides biomas da amazonia
Slides biomas da amazoniaSlides biomas da amazonia
Slides biomas da amazonia
 
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA BIOMA: MATA ATLÂNTICA
BIOMA: MATA ATLÂNTICA
 
Manguezais
ManguezaisManguezais
Manguezais
 
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 

Destaque

Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
Sirleide Silva
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
gracielatonin
 
Ciclo co oxigenio trabalho 2012
Ciclo co oxigenio trabalho 2012Ciclo co oxigenio trabalho 2012
Ciclo co oxigenio trabalho 2012
Wemy Maria Santos Guilherme
 
Ciclo Do OxigêNio
Ciclo Do OxigêNioCiclo Do OxigêNio
Ciclo Do OxigêNio
ecsette
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Ciclos
CiclosCiclos
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
RAFAELA BARBOSA
 
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azotoCiclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Domingos Oliveira
 
Plano de aula 3
Plano de aula 3Plano de aula 3
Plano de aula 3
familiaestagio
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologia
gracielatonin
 
1o ano ciclo oxigênio
1o ano   ciclo oxigênio1o ano   ciclo oxigênio
1o ano ciclo oxigênio
SESI 422 - Americana
 
Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
Samuelson Brito
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
Ilsoflavio
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
solanicandido
 
Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
Neiissa
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
Gov. Estado do Paraná
 
Aula de ecologia
Aula de ecologiaAula de ecologia
Aula de ecologia
Ilsoflavio
 

Destaque (17)

Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Ciclo co oxigenio trabalho 2012
Ciclo co oxigenio trabalho 2012Ciclo co oxigenio trabalho 2012
Ciclo co oxigenio trabalho 2012
 
Ciclo Do OxigêNio
Ciclo Do OxigêNioCiclo Do OxigêNio
Ciclo Do OxigêNio
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Ciclos
CiclosCiclos
Ciclos
 
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
 
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azotoCiclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
Ciclos biogeoquímicos da água, carbono, oxigénio e azoto
 
Plano de aula 3
Plano de aula 3Plano de aula 3
Plano de aula 3
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologia
 
1o ano ciclo oxigênio
1o ano   ciclo oxigênio1o ano   ciclo oxigênio
1o ano ciclo oxigênio
 
Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
 
Impactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemasImpactos antrópicos nos ecossistemas
Impactos antrópicos nos ecossistemas
 
Ciclo do oxigênio
Ciclo do oxigênioCiclo do oxigênio
Ciclo do oxigênio
 
Aula ecologia.
Aula ecologia.Aula ecologia.
Aula ecologia.
 
Aula de ecologia
Aula de ecologiaAula de ecologia
Aula de ecologia
 

Semelhante a BIOMAS BRASILEIROS

Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
petrivanacarvalho
 
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Italo Alan
 
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptxBiomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
JOZIMARAASSUNCAOCAMI
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Edmar Alves da Cruz
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Turma Olímpica
 
Biomas brasileiros o melhor
Biomas brasileiros o melhorBiomas brasileiros o melhor
Biomas brasileiros o melhor
Iara Caetano
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Colégio Nova Geração COC
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
segundomanhaluce
 
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
KarinaSousa66
 
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabrielTrabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Escola Costa e Silva
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
Italo Alan
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptxUNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
Kelvin Sousa
 
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptxUNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
KelvinSousa11
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
leila Cardoso
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
eunamahcado
 
Principais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileirosPrincipais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileiros
Patricia Alcantara
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Nery Costa
 

Semelhante a BIOMAS BRASILEIROS (20)

Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010Vegeta. brasileira 2010
Vegeta. brasileira 2010
 
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
Osdomniosmorfoclimticosdobrasil 100307172448-phpapp01
 
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptxBiomas Brasileiro - Semana 36.pptx
Biomas Brasileiro - Semana 36.pptx
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Biomas brasileiros o melhor
Biomas brasileiros o melhorBiomas brasileiros o melhor
Biomas brasileiros o melhor
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
 
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabrielTrabalho gustavo, jonatan e gabriel
Trabalho gustavo, jonatan e gabriel
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
4 biomas
4   biomas4   biomas
4 biomas
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptxUNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
 
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptxUNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
UNI. 3 - CAP. 3 BIOMAS BRASILEIROS I.pptx
 
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do BrasilOs DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
Os DomíNios MorfoclimáTicos Do Brasil
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Principais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileirosPrincipais ecossistemas brasileiros
Principais ecossistemas brasileiros
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
 

Mais de gracielatonin

genetica.ppt
genetica.pptgenetica.ppt
genetica.ppt
gracielatonin
 
Apresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptxApresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptx
gracielatonin
 
astransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.pptastransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.ppt
gracielatonin
 
astransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.pptastransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.ppt
gracielatonin
 
Apresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptxApresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptx
gracielatonin
 
O planeta em que vivemos original
O planeta em que vivemos originalO planeta em que vivemos original
O planeta em que vivemos original
gracielatonin
 
Tecidos animais
Tecidos animaisTecidos animais
Tecidos animais
gracielatonin
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
gracielatonin
 
As transformações do planeta terr anovo
As transformações do planeta terr anovoAs transformações do planeta terr anovo
As transformações do planeta terr anovo
gracielatonin
 
Você, o v[1]..
Você, o v[1]..Você, o v[1]..
Você, o v[1]..
gracielatonin
 
Metodos anticoncepcionais
Metodos anticoncepcionaisMetodos anticoncepcionais
Metodos anticoncepcionais
gracielatonin
 

Mais de gracielatonin (11)

genetica.ppt
genetica.pptgenetica.ppt
genetica.ppt
 
Apresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptxApresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptx
 
astransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.pptastransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.ppt
 
astransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.pptastransformaesdoplanetaterra.ppt
astransformaesdoplanetaterra.ppt
 
Apresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptxApresentaçãosaojose2023.pptx
Apresentaçãosaojose2023.pptx
 
O planeta em que vivemos original
O planeta em que vivemos originalO planeta em que vivemos original
O planeta em que vivemos original
 
Tecidos animais
Tecidos animaisTecidos animais
Tecidos animais
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
As transformações do planeta terr anovo
As transformações do planeta terr anovoAs transformações do planeta terr anovo
As transformações do planeta terr anovo
 
Você, o v[1]..
Você, o v[1]..Você, o v[1]..
Você, o v[1]..
 
Metodos anticoncepcionais
Metodos anticoncepcionaisMetodos anticoncepcionais
Metodos anticoncepcionais
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 

BIOMAS BRASILEIROS

  • 2. O QUE É BIOMA • O bioma, na definição do IBGE, é o "conjunto de vida (vegetal e animal) definida pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, resultando em uma diversidade biológica própria". • Em outras palavras, bioma pode ser definido como uma grande área de vida formada por um complexo de habitats e comunidades.
  • 3. NÃO CONFUNDIR... • Muitas vezes, o termo "bioma" é utilizado como sinônimo de "ecossistema" mas, diferente do ecossistema, à classificação de bioma interessa mais o meio físico (a fisionomia da área, principalmente da vegetação) que as interações que nele ocorrem. • O perfil do local e a dimensão também importam na classificação: um ecossistema qualquer só será considerado um bioma se suas dimensões forem de grande escala. • Por exemplo, existe o bioma da Mata Atlântica e, dentro dele, ecossistemas como a floresta ombrófila densa, a mata de araucária, os campos de altitude, a restinga e os manguezais.
  • 4. NO BRASIL • O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal. • Cada um desses ambientes abriga diferentes tipos de vegetação e de fauna.
  • 10. BIOMA AMAZÔNIA • A Amazônia ocupa 4.196.943 km², cerca de 49,29% do território brasileiro, além das áreas territoriais da Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname, Peru, Colômbia, Venezuela e Equador. • Ocupa a totalidade de cinco unidades da federação (Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima), Rondônia (98,8%), Mato Grosso (54%), Maranhão (34%) e Tocantins (9%).
  • 11. FLORA • A quantidade de espécies animais e vegetais é muito elevada, com mais de 2 500 tipos de árvores e 30 mil tipos diferentes. • As flutuações do nível da água podem chegar a 10 metros ou mais. Plantas e animais da floresta alagada vivem em função das suas diversas adaptações especiais para sobreviver durante as enchentes. • As árvores das florestas alagadas têm várias adaptações morfológicas e fisiológicas para viverem submersas, como raízes respiratórias e sapopemas*, raízes laterais situadas na base da árvore; a floresta apresenta árvores de folhas geralmente largas (latifoliada).
  • 14. • A planta mais famosa é a vitória-régia, a flor símbolo da Amazônia. Conhecida como a "rainha dos lagos", a vitória régia (Vitoria regia lindl) abre suas folhas nas águas rasas e sem correnteza, formando uma bandeja redonda verde. Chega a medir de 1m a 1,80m de diâmetro.
  • 16. SUA BACIA HIDROGRÁFICA POSSUI A MAIOR DIVERSIDADE DE PEIXES DO MUNDO: ENTRE 2.500 E 3 MIL ESPÉCIES. Tucunaré • Peixe-elétrico
  • 17. ALÉM DISSO, NA AMAZÔNIA VIVEM 1.300 ESPÉCIES DE PÁSSAROS E 300 DE MAMÍFEROS. NO TOTAL, A FAUNA DA REGIÃO TOTALIZA MAIS DE 2 MILHÕES DE ESPÉCIES, MUITAS DAS QUAIS ENCONTRADAS APENAS NESTA REGIÃO. Ave guará Peixe-boi
  • 18. BIOMA CERRADO • É o nome regional dado às savanas Brasileiras. • Estende-se pela região central do País, compreendendo os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, o oeste da Bahia, o sul do Maranhão e parte de Piauí, chegando a Rondônia e Pará. • Cerca de 85% do grande platô que ocupa o Brasil central era originalmente dominado pela paisagem do cerrado, aproximadamente 20% da superfície do País.
  • 19. FLORA • As árvores do cerrado são muitos peculiares, com troncos tortos, cobertos por uma cortiça grossa, e de folhas geralmente grandes e rígidas. Muitas plantas herbáceas têm órgãos subterrâneos para armazenar água e nutrientes.
  • 20. • Cortiça grossa e estruturas subterrâneas podem ser interpretadas como algumas das muitas adaptações desta vegetação às queimadas periódicas.
  • 21. • O cerrado se constitui ainda, num verdadeiro pomar natural, em que frutos se destacam pela variedade de formas, cores, sabores e aromas. • Destacam-se a mangaba, cagaita, marmelada-de-cachorro, o batiputá ou bacupari, o baru, marolo, pequi, guabiroba, araçá, araticum, caju, jatobá e o murici.
  • 22. • Atualmente, a região contribui com mais de 70% da produção de carne bovina do País. • É também um importante centro de produção de grãos (soja, feijão, milho e arroz). • Como uma atividade secundária, grandes extensões de cerrado são ainda utilizadas na produção de polpa de celulose para a indústria de papel. • Outra atividade recentemente implantada é o turismo. No entanto, as introduções dessas atividades reduziram o cerrado a cerca de apenas 20% de área do bioma em estado conservado.
  • 23. FAUNA • Mais de 1.600 espécies de mamíferos, aves e répteis já foram identificados nos ecossistemas de cerrado. • A fauna apresenta diversas espécies de aves, mamíferos, anfíbios e répteis, sendo muitas delas endêmicas.
  • 24. Entre a diversidade de invertebrados, os mais notáveis são os térmitas (cupins) e as formigas cortadeiras (saúvas).
  • 26. CAATINGA • Considerado como o único bioma exclusivamente brasileiro, compreendendo quase 10% da área total do território brasileiro, com aproximadamente 740.000 km2. • Abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais. • Possui um clima semi-árido com temperaturas médias anuais entre 27ºC e 29ºC, e índices pluviométricos irregulares variando de 250 a 1000mm por ano, concentrando-se durante 3 a 5 meses. Na estação seca a temperatura do solo, que é raso, pedregoso e alcalino, pode chegar a 60ºC.
  • 27. • A vegetação da caatinga é extremamente diversificada de espécies adaptadas às condições do ambiente (solo e clima); apresentam folhas pequenas ou modificadas em espinhos, outras, com raízes superficiais para absorver o máximo de águas pluviais. • Foram registradas cerca de 932 espécies vegetais, sendo 380 endêmicas (MMA, 2002). • Algumas das espécies nativas da caatinga são: barriguda, amburana, aroeira, umbu, baraúna, maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro.
  • 29. • A paisagem mais comum da caatinga é aquela apresentada durante a seca. • As plantas apresentam um aspecto seco porém não estão mortas, apenas perdem as suas folhas para suportar a ausência de água. • Suas folhas são caducas ou caducifólias, ou seja, caem na época da seca.
  • 30. • Os rios são intermitentes, correm apenas durante o período de chuvas, tendo seus cursos interrompidos durante a estação seca. • O escoamento superficial é intenso, pois os solos são rasos e situados acima de lajedos cristalinos.
  • 31. • Após as chuvas as plantas florescem e os animais se reproduzem, deixando descendentes que já possuem adaptações para suportar o longo período de seca seguinte. • Mesmo durante a seca, a vida animal também é rica e diversificada. • Espalhados pela caatinga existem regiões úmidas e de solo fértil chamadas de “brejos”.
  • 32. • Brejo Madre Teresa de Deus em Petrolina PE
  • 33. • Vive na caatinga as duas espécies de aves mais ameaçadas de extinção do país a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) e a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). A diferença mais significativa está na forma da barbela (pele em torno da mandíbula). Em A. hyacinthinus tem a forma de uma fita, quanto que em A. leari possui a forma de nódoa (gota).
  • 34. Alguns animais típicos da caatinga são o sapo cururu, asa-branca, cotia, preá, veado catingueiro, tatu-peba, sagüi-do-nordeste e cachorro-do-mato.
  • 35. MATA ATLÂNTICA • Mata Atlântica é o nome popular dado à FLORESTA TROPICAL atlântica que se distribui em milhares de fragmentos da região litorânea aos planaltos e serras do interior, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. • Originalmente, essa formação vegetal ocupava uma área de 1.300.000 km², em áreas de 17 estados (PI, CE, RN, PB, PE, AL, SE, BA, ES, RJ, MG, GO, MS, SP, PR, SC, RS), ocorrendo de forma contínua entre RN e RS. Estreita na região nordeste, ela alargava-se para o sul até atingir sua largura máxima na bacia do Rio Paraná, penetrando, inclusive, no Paraguai e Argentina.
  • 36. ATUALMENTE SUA ÁREA FICA EM TORNO DE 6 A 8% DA ORIGINAL.
  • 38. • A Mata Atlântica, sem perder certa homogeneidade, apresenta um conjunto de formações florestais bastante diversificadas, que são: • Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual. • Além disso, alguns ecossistemas estão associados a esse bioma, como o manguezal, restinga, campos de altitude, e brejos interioranos. Essa variedade é resultado das variações climáticas e de relevo.
  • 40. FLORA • Sua composição florística é extremamente variada. O estrato superior da floresta é composto por árvores mais altas, como as leguminosas, os ipês, o manacá-da-serra, entre outras.
  • 41. • O estrato arbustivo é formado por espécies arbóreas (jabuticabeiras, palmito-juçara, begônias, etc.) que vivem sombreadas pelas árvores mais altas.
  • 42. EXTRAÇÃO CONTROLADA DE PALMITO • Isso se dá porque a palmeira juçara nasce de uma semente e constitui um único tronco - o que faz com que ela seja sacrificada na colheita do palmito, extraído do caule; ela demora em torno de 8 a 12 anos para que a planta possa produzir um palmito de qualidade.
  • 43. • Plantas de pequeno porte formam o estrato herbáceo, como ervas, gramíneas, musgos e plantas jovens que farão parte dos estratos superiores. As lianas e epífitas se agregam aos estratos médio e superior da floresta.
  • 44. • A flora é muita rica em espécies endêmicas, entre as quais estão o pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia), pau-brasil (Caesalpinia echinata), jequitibá (Cariniana ianeirensis) e Eugenia itacarensis, que são também ameaçadas de extinção.
  • 47. • Tamanduá bandeira • Tatu-canastra
  • 49. CURIOSIDADES: • - Alguns povos indígenas ainda habitam a região da Mata Atlântica. Entre eles, podemos destacar: Kaiagang, Terena, Potiguara, Kadiweu, Pataxó, Wassu, Krenak, Guarani, Kaiowa e Tupiniquim. • • - É comemorado em 27 de maio o Dia da Mata Atlântica. • • - A Mata Atlântica é a segunda maior floresta brasileira, em extensão. • Cabe enfatizar que um importante instrumento para a conservação e recuperação ambiental na Mata Atlântica, foi a aprovação da Lei 11.428, de 2006 e o Decreto 6.660/2008, que regulamentou a referida lei. •
  • 50. PANTANAL • O bioma Pantanal é considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta; é o de menor extensão territorial no Brasil • A sua área aproximada é 150.355 km² (IBGE,2004), ocupando assim 1,76% da área total do território brasileiro. O magnífico cenário do Pantanal, hoje se sabe, enfeita um fundo de concha situado entre as terras altas bolivianas a oeste e as serras brasileiras a leste.
  • 51. • O Pantanal sofre influência direta de três importantes biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. Além disso sofre influência do bioma Chaco (nome dado ao Pantanal localizado no norte do Paraguai e leste da Bolívia). • Uma característica interessante desse bioma é que muitas espécies ameaçadas em outras regiões do Brasil persistem em populações avantajadas na região, como é o caso do tuiuiú – ave símbolo do Pantanal.
  • 52. • As águas da planície do Pantanal seguem diretamente em direção ao rio Paraguai, que tem uma bacia hidrográfica com altitudes pouco elevadas. Já os rios que abastecem o Pantanal vêm de regiões bem altas, e é por este motivo que as águas acumulam-se com facilidade, transformando o Pantanal em uma grande planície de inundação, principalmente nos períodos em que há mais chuvas.
  • 53. • A flutuação no nível da água é fundamental para o funcionamento desse bioma. Durante a seca, o material que se decompõe no solo contribui para o enriquecimento da água de inundação durante a cheia. • Quando as águas recuam, elas deixam uma rica camada de nutrientes no solo, que servirão de base para o surgimento de uma extensa vegetação. • Esse fenômeno lembra o que ocorre no Rio Nilo, na África, cujas enchentes fertilizaram o deserto e fizeram a grandeza do Egito há 5.000 anos.
  • 54. FLORA • Nas áreas alagadas encontramos gramíneas, nas regiões intermediárias desenvolvem-se pequenos arbustos e vegetação rasteira. • No Pantanal é comum a presença de formações vegetais como o carandazal, formado pelas palmeiras carandá, e o buritizal, onde predominam os buritis.
  • 56. FAUNA • A fauna do Pantanal é bastante diversificada, levantamentos registraram 325 espécies de peixes, 53 anfíbios, 98 répteis, 656 aves e 159 mamíferos. • Jacarés, capivaras e onças estão entre os principais animais. Destacam-se também a arara-azul e o tuiuiú (ave símbolo do Pantanal). Estima-se que a população de jacaré na planície brasileira oscile entre 20 e 35 milhões de indivíduos.
  • 57. • Apenas 4,6% do Pantanal encontram-se protegidos por unidades de conservação, dos quais 2,9% correspondem a UCs de proteção integral e 1,7% a UCs de uso sustentável (BRASIL, 2015). • Pantanal- reserva da biosfera- UNESCO
  • 59. CAMPOS- PAMPAS GAÚCHOS • No Brasil, o Pampa está presente do estado do Rio Grande do Sul, ocupando 63% do território gaúcho e também territórios da Argentina e Uruguai.
  • 60. • Os Campos da Região Sul do Brasil são denominados como “pampa”, termo de origem indígena para “região plana”, entretanto, esta denominação corresponde somente a um dos tipos de campo, encontrado mais ao sul do Rio Grande do Sul, atingindo o Uruguai e a Argentina. • Outros tipos conhecidos como campos do alto da serra são encontrados em áreas de transição com o domínio de araucárias. Em outras áreas encontram- se, ainda, campos de fisionomia semelhantes à savana.
  • 61. FAUNA • Embora povoado por cerca de 102 espécies de mamíferos, 476 de aves e 50 de peixes o campo é frequentemente definido como um bioma pobre em diversidade biológica. • Entre outros animais os campos abrigam, graxaim, zorrilho, preguiça de coleira, capivara, veado, lontra, cateto, lobo guará, gato-palheiro, gato-maracajá.
  • 63. • Entre as aves encontramos ema, marrecos, perdiz, papagaio-charão, coruja-buraqueira, quero-quero.
  • 64. FLORA • Gramíneas nos campos limpos. • Mata de araucária, grápia, caroba, angico-vermelho, cedro.
  • 65. CURIOSIDADES • O clima dos pampas é característico- quente no verão e frio no inverno- geadas são comuns. • assemelha-se ao clima Europeu.
  • 66. QUERENDO APRENDER MAIS? • Assista os vídeos sobre Biomas... • https://www.youtube.com/watch?v=0dlXce3s4mo • https://www.youtube.com/watch?v=Rlaxn5qNJsI