SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
Introdução a Engenharia de
Software
Prof. Marcondes
CEEP PIO XII
O que é Software?
Oque é software?
• São programas de computadores, em suas diversas
formas, e a documentação associada.
• Um programa é um conjunto de soluções algorítmicas,
codificadas numa linguagem de programação, executado
numa máquina real.
• Os produtos de software podem ser desenvolvidos para
um cliente em particular ou para o mercado geral.
– Genérico (COTS – Commercial Off-The Shelf)
– Personalizado – sob encomenda
• Software é um produto conceitual e lógico.
Características
• Invisibilidade
– Software é invisível e invisualizável
• Complexidade
– Software é mais complexo do que qualquer outro
produto construídos por seres humanos
• Mutabilidade
– Existe sempre uma pressão para se fazer mudanças
em um software
Características
• Conformidade
– O software deve ser desenvolvido conforme o
ambiente. Não é o ambiente que deve se adaptar ao
software.
– Se o software esta conforme os requisitos (o
ambiente) todo o suporte operacional deve se adaptar
ao software.
Formas do Software
Mitos doSoftware
• O estabelecimento de objetivos gerais é suficiente para
se começar a escrever programas.
• Dê a uma pessoa técnica um bom livro de programação e
você terá um programador.
• Mudanças no software podem ser feitas facilmente
porque ele é "flexível".
• Até que o programa esteja "rodando" não é possível
verificarmos a sua qualidade.
• Uma vez que o programa esteja escrito e funcionando,
nosso trabalho está feito.
• Um projeto é bem sucedido se conseguirmos um
programa funcionando corretamente.
Histórico
• Os primeiros anos (1950 a início dos 60)
– Aplicações científicas e de engenharia
• A segunda era (1960 a meados de 80)
– Aplicações comerciais em grande-porte (sistemas de
informação BD)
• A terceira era (meados de 70 e década de 80)
– Aplicativos pessoais em microcomputadores
• A quarta era (meados de 80 a meados de 90)
– Aplicativos com Interfaces Gráficas
– Redes e Arquitetura Cliente-Servidor
Histórico
• A quinta era (de meados de 90 a ???)
– Software
Intranets
• Sexta era??
Distribuídos, Internet, Groupwares e
– Computação Pervasiva, Móvel e Ubíqua
Categorias de Tamanho de Softwares
• Win 95: teve 11 milhões de linhas e 200 programadores
• Nestscape: teve 3 milhões de linhas e 120 programadores
Contextualização da Engenharia
de Software
Oque é a Engenharia de Software?
• É uma disciplina da engenharia dedicada a todos os
aspectos da produção de software.
• Engenheiros de software
abordagem sistemática e
devem
organizada
adotar uma
para o seu
trabalho e usar técnicas e ferramentas apropriadas,
de acordo com o problema a ser resolvido, e com as
restrições e recursos disponíveis.
Engenharia
• Desenvolvimento de um produto;
• Processo de desenvolvimento envolvendo análise,
design, implementação e avaliação;
• Baseado em teoria, princípios, modelos, métodos,
técnicas e ferramentas;
• Equipe de especialistas;
• Planejamento e gerenciamento de recursos, custos e
prazos.
Objetivos da Engenharia deSoftware
• Aplicação de teoria, modelos, formalismos, técnicas
e ferramentas da ciência da computação e áreas afins
para o desenvolvimento sistemático de software.
• Aplicação de métodos, técnicas e ferramentas para o
gerenciamento do processo de desenvolvimento.
• Produção da documentação formal
comunicação entre os membros da
destinada a
equipe de
desenvolvimento bem como aos usuários.
Definições de Engenharia deSoftware
• O estabelecimento e uso de princípios de engenharia
para a produção economicamente viável de software de
qualidade que funcione em máquinas reais;
• A engenharia de software é a disciplina envolvida com a
produção e manutenção sistemática de software que são
desenvolvidos com custos e prazos estimados;
que aborda a construção de software
com muitas
• Disciplina
complexo
diferentes versões por
partes interconectadas e
uma equipe de analistas,
projetistas, programadores, gerentes, "testadores", etc.
Aspectos históricos
• 1968 Conferência da OTAN, Garmisch
• Objetivo: resolver a “Crise do Software”
• Software é entregue:
– Atrasado
– Com orçamento estourado
– Com falhas residuais
• Custo do hardware decrescente e custo do software
em ascensão.
Qual a diferença entre engenhariade
software e engenharia desistemas?
• A engenharia de sistemas está interessada em todos
os aspectos de um sistema baseado em computador,
incluindo hardware, software, fatores humanos,
informação e o processo. A engenharia de software é
parte dela.
Princípios da Engenharia de Software
• Todo engenheiro de software deve desenvolver com:
– Rigor e Formalidade
– Separação de interesses
– Modularidade
– Abstração
– Antecipação de mudanças
– Generalidade
– Possibilidades de evolução
Processos de Software
Como transformar necessidades emsoftware?
• Principais Atividades Envolvidas:
– Entender as necessidades do cliente;
– Planejar uma solução;
– Implementar e testar a solução;
– Entregar a solução.
• Como essas atividades são executadas?
– De forma desordenada e informal;
– Apenas por uma pessoa.
Processode Desenvolvimento
• O conjunto de atividades de desenvolvimento, sua
ordem temporal e a atribuição de responsabilidades
(papéis de desenvolvedores) definem um processo
de desenvolvimento de software;
• Um processo de software é a especificação do
processo de transformar necessidades em software;
• Ciclo de Vida de um Processo:
– Determina as fases do processo;
– Define atividades importantes e opcionais para cada
fase.
Modelagem
Oque são modelos?
• Modelos descrevem um determinado sistema,
muitas vezes de forma simplificada;
• Modelo de um processo de desenvolvimento:
– É a especificação (documentada) de um processo de
desenvolvimento de software que servirá de
parâmetro para uso/especificação de um processo
para uma equipe/projeto.
Modelos deSoftware
• Na construção de sistemas de software, assim como
na construção de sistemas habitacionais, também há
uma gradação de complexidade:
– A construção desses sistemas necessita
de um planejamento inicial
Modelos deSoftware
• Um modelo pode ser visto como uma representação
idealizada de um sistema que se planeja construir;
• Maquetes de edifícios e de aviões e plantas de
circuitos eletrônicos são apenas alguns exemplos de
modelos.
Razãopara a Construção de Modelos
• Em princípio, podemos ver a construção de modelos
como uma atividade que atrasa o desenvolvimento do
software propriamente dito;
• Mas essa atividade propicia...
– O gerenciamento da complexidade inerente ao
desenvolvimento de software.
– A comunicação entre as pessoas envolvidas.
– A redução dos custos no desenvolvimento.
– A predição do comportamento futuro dosistema.
• Entretanto, note o fator complexidade como
condicionante dessas vantagens.
Diagramas e Documentação
• No contexto
correspondem a desenhos gráficos
de desenvolvimento de software,
que seguem
algum padrão lógico.
• Podemos também dizer que um diagrama é uma
apresentação de uma coleção de elementos gráficos
que possuem um significado predefinido.
• Diagramas normalmente são construídos de acordo
com regras de notação bem definidas.
– Ou seja, cada forma gráfica utilizada em um diagrama
de modelagem tem um significado específico.
Diagramas e Documentação
• Diagramas permitem
representação concisa
construído.
a construção
de um sistema
de uma
a ser
– “uma figura vale por milpalavras”
No entanto, modelos também são compostos de informações textuais
Diagramas e Documentação
• Dado um modelo de uma das perspectivas de um
sistema, diz-se que o seu diagrama, juntamente com
a informação textual associada, formam a
documentação deste modelo.
Modelagem deSoftware
A modelagem de sistemas de software consiste
na utilização de notações gráficas
e textuais com o objetivo de construir modelos
que representam as partes essenciais de um
sistema, considerando-se diversas perspectivas
diferentes e complementares.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula1 dia 22 02 2022.pdf

26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti
26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti
26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_tiMarcelo Avila
 
Es aula01
Es   aula01Es   aula01
Es aula01Itaú
 
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)Tiago Vizoto
 
Uma Introdução a Engenharia de Software
Uma Introdução a Engenharia de SoftwareUma Introdução a Engenharia de Software
Uma Introdução a Engenharia de SoftwareVinicius Garcia
 
Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9wilsonguns
 
Aula 06 projetos multimídia
Aula 06   projetos multimídiaAula 06   projetos multimídia
Aula 06 projetos multimídiaFábio Costa
 
Aula 06 projetos multimídia
Aula 06   projetos multimídiaAula 06   projetos multimídia
Aula 06 projetos multimídiaFábio Costa
 
modelagem sistema da informação Unid 3
modelagem sistema da informação Unid 3modelagem sistema da informação Unid 3
modelagem sistema da informação Unid 3spawally
 
Arquitetura de Software - Uma Visão Crítica
Arquitetura de Software - Uma Visão CríticaArquitetura de Software - Uma Visão Crítica
Arquitetura de Software - Uma Visão CríticaPedro Castilho
 
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMG
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMGArquitetura de Computadores - Lecom - UFMG
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMGdjonatascostsa
 
Práticas de Desenvolvimento de Software
Práticas de Desenvolvimento de SoftwarePráticas de Desenvolvimento de Software
Práticas de Desenvolvimento de SoftwareTiago Barros
 
Procura-se: DevOps #cpbr9
Procura-se: DevOps #cpbr9Procura-se: DevOps #cpbr9
Procura-se: DevOps #cpbr9Camilla Gomes
 
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1Renato Leal
 

Semelhante a Aula1 dia 22 02 2022.pdf (20)

26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti
26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti
26 03 09_-_mercado_de_trabalho_em_ti
 
Macro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de SoftwareMacro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de Software
 
Es aula01
Es   aula01Es   aula01
Es aula01
 
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)Aula 1   introdução à engenharia de software1 (1)
Aula 1 introdução à engenharia de software1 (1)
 
ES - 02
ES - 02ES - 02
ES - 02
 
Uma Introdução a Engenharia de Software
Uma Introdução a Engenharia de SoftwareUma Introdução a Engenharia de Software
Uma Introdução a Engenharia de Software
 
Engenharia de software
Engenharia de software Engenharia de software
Engenharia de software
 
Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
Aula 06 projetos multimídia
Aula 06   projetos multimídiaAula 06   projetos multimídia
Aula 06 projetos multimídia
 
Aula 06 projetos multimídia
Aula 06   projetos multimídiaAula 06   projetos multimídia
Aula 06 projetos multimídia
 
modelagem sistema da informação Unid 3
modelagem sistema da informação Unid 3modelagem sistema da informação Unid 3
modelagem sistema da informação Unid 3
 
Arquitetura de Software em Equipes Ágeis
Arquitetura de Software em Equipes ÁgeisArquitetura de Software em Equipes Ágeis
Arquitetura de Software em Equipes Ágeis
 
Arquitetura de Software - Uma Visão Crítica
Arquitetura de Software - Uma Visão CríticaArquitetura de Software - Uma Visão Crítica
Arquitetura de Software - Uma Visão Crítica
 
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMG
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMGArquitetura de Computadores - Lecom - UFMG
Arquitetura de Computadores - Lecom - UFMG
 
Software
SoftwareSoftware
Software
 
Práticas de Desenvolvimento de Software
Práticas de Desenvolvimento de SoftwarePráticas de Desenvolvimento de Software
Práticas de Desenvolvimento de Software
 
Procura-se: DevOps #cpbr9
Procura-se: DevOps #cpbr9Procura-se: DevOps #cpbr9
Procura-se: DevOps #cpbr9
 
Aula 2 - Modelos de processos
Aula 2 -  Modelos de processosAula 2 -  Modelos de processos
Aula 2 - Modelos de processos
 
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1
Curso de Introdução a Engenharia de Software - CJR/UnB - Aula 1
 

Mais de MarcondesTiburcio

Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdf
Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdfAula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdf
Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdfMarcondesTiburcio
 
Aula - Redes peer to peer.pdf
Aula - Redes peer to peer.pdfAula - Redes peer to peer.pdf
Aula - Redes peer to peer.pdfMarcondesTiburcio
 
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14 11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14  11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14  11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14 11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...MarcondesTiburcio
 
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...MarcondesTiburcio
 
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdf
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdfTÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdf
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdfMarcondesTiburcio
 
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...MarcondesTiburcio
 
A cibercultura e a identidade planetária.pdf
A cibercultura e a identidade planetária.pdfA cibercultura e a identidade planetária.pdf
A cibercultura e a identidade planetária.pdfMarcondesTiburcio
 
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...MarcondesTiburcio
 
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptx
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptxAULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptx
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptxMarcondesTiburcio
 

Mais de MarcondesTiburcio (15)

Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdf
Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdfAula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdf
Aula_01_-_A_Era_da_Computacao.pdf
 
aula 21.pptx
aula 21.pptxaula 21.pptx
aula 21.pptx
 
aula 08.pdf
aula 08.pdfaula 08.pdf
aula 08.pdf
 
aula 04.pdf
aula 04.pdfaula 04.pdf
aula 04.pdf
 
UML1.pdf
UML1.pdfUML1.pdf
UML1.pdf
 
Aula - Redes peer to peer.pdf
Aula - Redes peer to peer.pdfAula - Redes peer to peer.pdf
Aula - Redes peer to peer.pdf
 
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14 11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14  11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14  11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...
TÉC ADM MANHÃ-TARDE EDUC TECN E MIDIÁTICA14 11 2022 NOVAS TECNOLOGIAS PARA A...
 
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 29 08 2022 DESIGN THINKING E TECNOLOGIAS ...
 
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdf
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdfTÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdf
TÉC ADM MANHÃ EDUC TECN E MIDIÁTICA 05 09 2022 ANÁLISE DE DADOS P1.pdf
 
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...
TÉC INFORMÁTICA EDUC TECN E MIDIÁTICA 22 08 2022 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E PR...
 
APRESENTAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO.pptx
 
template.pptx
template.pptxtemplate.pptx
template.pptx
 
A cibercultura e a identidade planetária.pdf
A cibercultura e a identidade planetária.pdfA cibercultura e a identidade planetária.pdf
A cibercultura e a identidade planetária.pdf
 
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...
TÉC EM ADM MANHÃ EDUC TECNOL E MIDIÁTICA 31 05 2022 USO DE TECNOL DIGITAIS DE...
 
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptx
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptxAULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptx
AULA-Minha-Voz-nas-Redes_slides.pptx
 

Último

Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Aula1 dia 22 02 2022.pdf

  • 1. Introdução a Engenharia de Software Prof. Marcondes CEEP PIO XII
  • 2. O que é Software?
  • 3. Oque é software? • São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. • Um programa é um conjunto de soluções algorítmicas, codificadas numa linguagem de programação, executado numa máquina real. • Os produtos de software podem ser desenvolvidos para um cliente em particular ou para o mercado geral. – Genérico (COTS – Commercial Off-The Shelf) – Personalizado – sob encomenda • Software é um produto conceitual e lógico.
  • 4. Características • Invisibilidade – Software é invisível e invisualizável • Complexidade – Software é mais complexo do que qualquer outro produto construídos por seres humanos • Mutabilidade – Existe sempre uma pressão para se fazer mudanças em um software
  • 5. Características • Conformidade – O software deve ser desenvolvido conforme o ambiente. Não é o ambiente que deve se adaptar ao software. – Se o software esta conforme os requisitos (o ambiente) todo o suporte operacional deve se adaptar ao software.
  • 7. Mitos doSoftware • O estabelecimento de objetivos gerais é suficiente para se começar a escrever programas. • Dê a uma pessoa técnica um bom livro de programação e você terá um programador. • Mudanças no software podem ser feitas facilmente porque ele é "flexível". • Até que o programa esteja "rodando" não é possível verificarmos a sua qualidade. • Uma vez que o programa esteja escrito e funcionando, nosso trabalho está feito. • Um projeto é bem sucedido se conseguirmos um programa funcionando corretamente.
  • 8. Histórico • Os primeiros anos (1950 a início dos 60) – Aplicações científicas e de engenharia • A segunda era (1960 a meados de 80) – Aplicações comerciais em grande-porte (sistemas de informação BD) • A terceira era (meados de 70 e década de 80) – Aplicativos pessoais em microcomputadores • A quarta era (meados de 80 a meados de 90) – Aplicativos com Interfaces Gráficas – Redes e Arquitetura Cliente-Servidor
  • 9. Histórico • A quinta era (de meados de 90 a ???) – Software Intranets • Sexta era?? Distribuídos, Internet, Groupwares e – Computação Pervasiva, Móvel e Ubíqua
  • 10. Categorias de Tamanho de Softwares • Win 95: teve 11 milhões de linhas e 200 programadores • Nestscape: teve 3 milhões de linhas e 120 programadores
  • 12. Oque é a Engenharia de Software? • É uma disciplina da engenharia dedicada a todos os aspectos da produção de software. • Engenheiros de software abordagem sistemática e devem organizada adotar uma para o seu trabalho e usar técnicas e ferramentas apropriadas, de acordo com o problema a ser resolvido, e com as restrições e recursos disponíveis.
  • 13. Engenharia • Desenvolvimento de um produto; • Processo de desenvolvimento envolvendo análise, design, implementação e avaliação; • Baseado em teoria, princípios, modelos, métodos, técnicas e ferramentas; • Equipe de especialistas; • Planejamento e gerenciamento de recursos, custos e prazos.
  • 14. Objetivos da Engenharia deSoftware • Aplicação de teoria, modelos, formalismos, técnicas e ferramentas da ciência da computação e áreas afins para o desenvolvimento sistemático de software. • Aplicação de métodos, técnicas e ferramentas para o gerenciamento do processo de desenvolvimento. • Produção da documentação formal comunicação entre os membros da destinada a equipe de desenvolvimento bem como aos usuários.
  • 15. Definições de Engenharia deSoftware • O estabelecimento e uso de princípios de engenharia para a produção economicamente viável de software de qualidade que funcione em máquinas reais; • A engenharia de software é a disciplina envolvida com a produção e manutenção sistemática de software que são desenvolvidos com custos e prazos estimados; que aborda a construção de software com muitas • Disciplina complexo diferentes versões por partes interconectadas e uma equipe de analistas, projetistas, programadores, gerentes, "testadores", etc.
  • 16. Aspectos históricos • 1968 Conferência da OTAN, Garmisch • Objetivo: resolver a “Crise do Software” • Software é entregue: – Atrasado – Com orçamento estourado – Com falhas residuais • Custo do hardware decrescente e custo do software em ascensão.
  • 17. Qual a diferença entre engenhariade software e engenharia desistemas? • A engenharia de sistemas está interessada em todos os aspectos de um sistema baseado em computador, incluindo hardware, software, fatores humanos, informação e o processo. A engenharia de software é parte dela.
  • 18. Princípios da Engenharia de Software • Todo engenheiro de software deve desenvolver com: – Rigor e Formalidade – Separação de interesses – Modularidade – Abstração – Antecipação de mudanças – Generalidade – Possibilidades de evolução
  • 20. Como transformar necessidades emsoftware? • Principais Atividades Envolvidas: – Entender as necessidades do cliente; – Planejar uma solução; – Implementar e testar a solução; – Entregar a solução. • Como essas atividades são executadas? – De forma desordenada e informal; – Apenas por uma pessoa.
  • 21. Processode Desenvolvimento • O conjunto de atividades de desenvolvimento, sua ordem temporal e a atribuição de responsabilidades (papéis de desenvolvedores) definem um processo de desenvolvimento de software; • Um processo de software é a especificação do processo de transformar necessidades em software; • Ciclo de Vida de um Processo: – Determina as fases do processo; – Define atividades importantes e opcionais para cada fase.
  • 23. Oque são modelos? • Modelos descrevem um determinado sistema, muitas vezes de forma simplificada; • Modelo de um processo de desenvolvimento: – É a especificação (documentada) de um processo de desenvolvimento de software que servirá de parâmetro para uso/especificação de um processo para uma equipe/projeto.
  • 24. Modelos deSoftware • Na construção de sistemas de software, assim como na construção de sistemas habitacionais, também há uma gradação de complexidade: – A construção desses sistemas necessita de um planejamento inicial
  • 25. Modelos deSoftware • Um modelo pode ser visto como uma representação idealizada de um sistema que se planeja construir; • Maquetes de edifícios e de aviões e plantas de circuitos eletrônicos são apenas alguns exemplos de modelos.
  • 26. Razãopara a Construção de Modelos • Em princípio, podemos ver a construção de modelos como uma atividade que atrasa o desenvolvimento do software propriamente dito; • Mas essa atividade propicia... – O gerenciamento da complexidade inerente ao desenvolvimento de software. – A comunicação entre as pessoas envolvidas. – A redução dos custos no desenvolvimento. – A predição do comportamento futuro dosistema. • Entretanto, note o fator complexidade como condicionante dessas vantagens.
  • 27. Diagramas e Documentação • No contexto correspondem a desenhos gráficos de desenvolvimento de software, que seguem algum padrão lógico. • Podemos também dizer que um diagrama é uma apresentação de uma coleção de elementos gráficos que possuem um significado predefinido. • Diagramas normalmente são construídos de acordo com regras de notação bem definidas. – Ou seja, cada forma gráfica utilizada em um diagrama de modelagem tem um significado específico.
  • 28. Diagramas e Documentação • Diagramas permitem representação concisa construído. a construção de um sistema de uma a ser – “uma figura vale por milpalavras” No entanto, modelos também são compostos de informações textuais
  • 29. Diagramas e Documentação • Dado um modelo de uma das perspectivas de um sistema, diz-se que o seu diagrama, juntamente com a informação textual associada, formam a documentação deste modelo.
  • 30. Modelagem deSoftware A modelagem de sistemas de software consiste na utilização de notações gráficas e textuais com o objetivo de construir modelos que representam as partes essenciais de um sistema, considerando-se diversas perspectivas diferentes e complementares.