SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Ivan Fontainha
ivan.alvarenga@pitagoras.com.br
Engenharia de Software
2
Bibliografia
MAITINO NETO, Roque. Engenharia de Software.
Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016.
SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 8. ed. São
Paulo: Pearson, 2007
PADUA FILHO, Wilson de Paula. Engenharia de
software: fundamentos, métodos e padrões. 3. ed. Rio
de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos, 2009
PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software : uma
abordagem
Profissional. 7ª. ed 2011.
Engenharia de Software
▪ Unidade 1: Fundamentos da Engenharia de Software:
▪ O que veremos nesta aula:
▪ Seção 1.1 – Introdução à Engenharia de software:
aspectos gerais, objetivos, evolução do software e
crise do software.
3
4
Engenharia de Software
O que é um software?
▪ O software é o conjunto de vários artefatos e não
apenas o código fonte (SOMMERVILLE).
▪ São instruções que, quando executadas, produzem a
função desejada pelo usuário.
▪ São estruturas de dados que possibilitam que os
programas manipulem as informações.
5
Engenharia de Software
Comparação entre Software e Hardware:
▪ O software pode ser desenvolvido (é a parte lógica do
computador) e o hardware se compra (é a parte física).
▪ Ao passar do tempo o software fica deteriorado,
ultrapassado e sua manutenção torna-se mais cara.
▪ Já para o hardware, realizar a manutenção é
simplesmente trocar à peça que esta em desgaste.
6
Engenharia de Software
O que é Engenharia de Software?
▪ Engenharia de software é uma disciplina cujo objetivo é
produzir software:
▪ isento de falhas,
▪ entregue dentro do prazo e orçamentos previstos,
▪ e que atenda às necessidades do cliente.
▪ O software desenvolvido deve ser fácil de ser
modificado quando as necessidades dos usuários
mudarem.
7
Engenharia de Software
O que é Engenharia de Software?
▪ A IEEE Computer Society (2004) define Engenharia de
software como: “A aplicação de uma abordagem
sistemática, disciplinada e quantificável de
desenvolvimento, operação e manutenção do software,
além do estudo dessas abordagens".
▪ “Engenharia de Software é a profissão dedicada a
projetar, implementar e modificar software, de forma que
ele seja de alta qualidade, a um custo razoável,
manutenível e rápido de construir.“ (LAPLANTE)
8
Engenharia de Software
O que é Engenharia de Software?
▪ Fica claro, então, que o objetivo da Engenharia de
Software é:
▪ a entrega de produto de qualidade,
▪ respeitados os prazos e
▪ os limites de despesas de recursos humanos e
financeiros.
9
Engenharia de Software (divisão)
10
Engenharia de Software
Crise do Software:
▪ Na década de 1960, alguns atores do processo de
desenvolvimento de software cunharam a expressão
“Crise do Software” na intenção de evidenciar o
momento adverso que a atividade atravessava.
▪ A crise de indicava um estado de incerteza ou
declínio e, de fato, esse era o retrato de um setor
inapto a atender demanda crescente por produção
de software.
11
Engenharia de Software
Crise do Software:
▪ Eram entregues programas que não funcionavam
corretamente, construídos por meio de processos
falhos e que não podiam passar por manutenção
facilmente.
▪ Tinham incerteza causada pela imprecisão nas
estimativas de custo e prazo afetava a confiança
das equipes e principalmente dos seus clientes.
12
Engenharia de Software
Vamos refletir nesta afirmação:
▪ “Com o crescimento desse segmento
(desenvolvimento de softwares) muitas empresas
possuem mais especialistas em TI em que cada
um tem sua responsabilidade no
desenvolvimento de software e é diferente de
antigamente que era um único profissional de
software que trabalhava sozinho numa sala.”
(PRESSMAN, 2006)
13
Engenharia de Software
▪ Ao passar do tempo, ninguém imaginava que o
software tornaria um elemento muito importante
para o mundo e teria a capacidade de manipular a
informação.
▪ Como muitos elementos computacionais tiveram
mudanças até hoje e continuam tendo.
▪ Este crescimento computacional, levam a criação
de sistemas perfeitos e problemas para quem
desenvolvem softwares complexos.
14
Engenharia de Software
▪ As preocupações dos engenheiros de software para
desenvolverem os software sem defeitos e
entregarem estes produtos no tempo marcado,
assim leva a aplicação da engenharia de
software.
▪ O software é caro porque torna se uma atividade
difícil e trabalhosa de ser realizado pelo engenheiro
de software (JALOTE, 2005).
15
Engenharia de Software
Alguns aspectos que norteiam (princípios ou
paradigmas) comumente referenciados na Engenharia
de Software:
▪ Abstração:
Para resolver um problema, deve-se separar
os aspectos que estão ligados a uma
realidade particular, visando representá-lo em
forma simplificada e geral.
▪ Formalidade:
Significa seguir uma abordagem rigorosa e
metódica para resolver um problema.
16
Engenharia de Software
Alguns aspectos que norteiam (princípios ou
paradigmas) comumente referenciados na Engenharia
de Software:
▪ Dividir para conquistar:
Resolver um problema complexo dividindo-o
em um conjunto de problemas menores e
independentes que são mais fáceis de serem
compreendidos e resolvidos.
▪ Organização hierárquica:
Organizar os componentes de uma solução
em uma estrutura hierárquica tipo árvore.
Assim, a estrutura pode ser compreendida e
construída nível por nível, cada novo nível
com mais detalhes.
17
Engenharia de Software
Alguns aspectos que norteiam (princípios ou
paradigmas) comumente referenciados na Engenharia
de Software:
▪ Ocultação:
Esconder as informações não essenciais.
Permitir que o módulo "veja" apenas a
informação necessária àquele módulo.
▪ Localização:
Colocar juntos os itens relacionados
logicamente (o usuário não pensa como o
analista!).
18
Engenharia de Software
Alguns aspectos que norteiam (princípios ou
paradigmas) comumente referenciados na Engenharia
de Software:
▪ Integridade conceitual:
Seguir uma filosofia e arquitetura de projeto
coerentes.
▪ Completeza:
Checar para garantir que nada foi omitido.
19
Engenharia de Software
Categorias de softwares, classificadas segundo a
aplicação:
▪ Software básico:
Apoio a outros programas. Forte interação
como hardware.
Exemplos: compiladores, device drivers,
componentes de sistema operacional.
20
Engenharia de Software
Categorias de softwares, classificadas segundo a
aplicação:
▪ Software em tempo real:
Trata-se de um tipo de software que monitora
eventos por meio de coleta e análise de
dados, tais como temperatura, pressão, vazão,
entre outros.
Usa-se a expressão “tempo real” por conta da
resposta imediata (um segundo ou menos)
que o software deve fornecer.
21
Engenharia de Software
Categorias de softwares, classificadas segundo a
aplicação:
▪ Software comercial:
Caracteriza-se pela manipulação de grande
volume de dados e uso em aplicações
comerciais.
Exemplos: folha de pagamento, estoque,
recursos humanos.
Forte interação com banco de dados.
▪ Software científico:
Algoritmos de processamento numérico.
Usados na astronomia, mecânica e projeto
auxiliado por computador.
22
Engenharia de Software
Categorias de softwares, classificadas segundo a
aplicação:
▪ Software de computador pessoal:
Forte interação com o ser humano.
Deve ser fácil e amigável.
Exemplos: Planilhas, editores de texto,
browsers.
23
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Um bom manual, repleto de padrões e regras,
fornecerá a equipe tudo que ela precisa saber?
▪ Desenvolvimento não é uma receita de bolo!
▪ Os clientes são diferentes, os projetos são
diferentes, os programadores são diferentes,
as prioridades dependem do projeto.
Basicamente, TUDO é diferente.
24
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Um bom manual, repleto de padrões e regras,
fornecerá a equipe tudo que ela precisa saber?
▪ Um site de e-commerce desenvolvido para a
empresa X, provavelmente não valerá para a
empresa Y.
▪ O planejamento é fundamental e só então você
poderá levantar os requisitos necessários e
trabalhar em cima de um novo projeto.
25
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Caso ocorra atraso no cronograma este poderá
ser contornado alocando-se mais
programadores ao projeto?
▪ Por mais que exista o conceito de “Fábrica de
Software” não podemos pensar no processo
de desenvolvimento como uma linha de
produção.
▪ Ao se inserir um programador em um projeto,
ele levará algum tempo para se familiarizar
com o código e com o que está sendo feito,
para então, começar de fato a produzir.
26
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Caso ocorra atraso no cronograma este poderá
ser contornado alocando-se mais
programadores ao projeto?
▪ Desta maneira, alocar programadores para
resolver um problema de cronograma poderá
surgir efeito contrário, causando mais
problemas!
27
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Será que dá certo?
▪ Uma grávida demora 9 meses para gerar um
bebe...
▪ Se juntarmos 9 grávidas eu vou ter um bebê
em um mês?
28
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Terceirizar um projeto é garantia de
tranquilidade e nenhum trabalho?
▪ Quando um projeto é muito trabalhoso, requer
know-how maior do que a sua equipe possui
ou o cronograma está apertado, muitos optam
pela terceirização achando que esta é uma
garantia de tranquilidade e nenhum trabalho.
29
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Terceirizar um projeto é garantia de
tranquilidade e nenhum trabalho?
▪ Cuidado: Se a empresa X contratou você, você
é o responsável pelo trabalho que está
entregando. Aí fica a pergunta:
▪ A terceirização fez o serviço direito?
▪ Comentou o código?
▪ Documentou o que foi feito?
▪ Sua equipe tem pessoal para trabalhar
nesse código?
30
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Terceirizar um projeto é garantia de
tranquilidade e nenhum trabalho?
▪ Pense bem antes de terceirizar algo que não
poderá trabalhar bem no futuro.
▪ É melhor recusar um projeto do que fazê-lo
mal feito.
31
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Um software pode ser construído observando-se
o seu propósito geral – os detalhes podem ser
levados em conta posteriormente?
▪ Se você é desenvolvedor já deve ter se
deparado com um usuário que só queria um
ajustizinho no sistema:
“só adicione um botão que faça isso e busque
aquilo e faça isso ficar cor de rosa e brilhar
girando”.
32
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Um software pode ser construído observando-se
o seu propósito geral – os detalhes podem ser
levados em conta posteriormente?
▪ Desenvolvedores geralmente não gostam de
destruir algo para faze-lo de outra forma, pois
o cliente mudou de ideia. Aliás, ninguém
gosta.
33
Engenharia de Software - mitos
Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares:
▪ Se o programa funciona, nosso trabalho está
completo?
▪ Se o programa ainda não está finalizado e
“rodando”, não posso avaliar sua qualidade?
▪ O único produto que entregarei ao cliente é o
código executável?
▪ O processo de planejamento fará com que
criemos documentação volumosa que atrasará a
execução do projeto, atrasando o cronograma?
MUITO OBRIGADO!
3
4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Final de Banco de Dados
Apresentação Final de Banco de DadosApresentação Final de Banco de Dados
Apresentação Final de Banco de Dados
samlobo
 
Resumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informáticaResumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informática
Daiana de Ávila
 
Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
Diego Marek
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Suzana Viana Mota
 
Planejamento rede
Planejamento rede Planejamento rede
Planejamento rede
Reginaldo José Silva
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
vini_campos
 
1.1 o que é computador
1.1 o que é computador1.1 o que é computador
1.1 o que é computador
Aline Soares
 
Arquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADAArquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADA
Fábio Nogueira de Lucena
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
Marcos Morais de Sousa
 
Pacote office
Pacote officePacote office
Pacote office
Eduardo Braga Jr
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
Mariana Hiyori
 
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitaisAbordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
mariafilomenalr
 
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de InformaçãoApresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
Elvis Fusco
 
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceitoO que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
Luis Borges Gouveia
 
Conhecendo o computador
Conhecendo o computadorConhecendo o computador
Conhecendo o computador
cenaic
 
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI  PARA O MUNICÍPIO DE CARUARUDIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI  PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
Universidade de Pernambuco
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Rangel Javier
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Linguagem SQL
Linguagem SQLLinguagem SQL
Linguagem SQL
André Nobre
 

Mais procurados (20)

Apresentação Final de Banco de Dados
Apresentação Final de Banco de DadosApresentação Final de Banco de Dados
Apresentação Final de Banco de Dados
 
Resumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informáticaResumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informática
 
Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus JanuáriaLista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
Lista de Exerícios - Manutenção e Redes de Computadores IFNMG - Campus Januária
 
Planejamento rede
Planejamento rede Planejamento rede
Planejamento rede
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
1.1 o que é computador
1.1 o que é computador1.1 o que é computador
1.1 o que é computador
 
Arquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADAArquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADA
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
 
Pacote office
Pacote officePacote office
Pacote office
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
 
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitaisAbordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
Abordagem a plataformas, ferramentas e ambientes digitais
 
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de InformaçãoApresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
Apresentação - Ciência da Computação e Sistemas de Informação
 
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceitoO que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito
 
Conhecendo o computador
Conhecendo o computadorConhecendo o computador
Conhecendo o computador
 
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI  PARA O MUNICÍPIO DE CARUARUDIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI  PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
DIAGNÓSTICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO – TI PARA O MUNICÍPIO DE CARUARU
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 
Linguagem SQL
Linguagem SQLLinguagem SQL
Linguagem SQL
 

Semelhante a Introdução a Engenharia de Software.pdf

Introdução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de SoftwareIntrodução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de Software
Nécio de Lima Veras
 
Es aula01
Es   aula01Es   aula01
Es aula01
Itaú
 
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptxFundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Roberto Nunes
 
Engenharia de Software Pressman
Engenharia de Software PressmanEngenharia de Software Pressman
Engenharia de Software Pressman
Simoneinfo
 
Engenharia de software
Engenharia de software Engenharia de software
Engenharia de software
MarcosSilva941136
 
Analise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimentoAnalise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimento
Gabriel Moura
 
Rup e metodos ágies
Rup e metodos ágiesRup e metodos ágies
Rup e metodos ágies
Márcia Capellari
 
Crise de software2
Crise de software2Crise de software2
Crise de software2
Tiago Pinhão
 
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - IntroEngenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Leinylson Fontinele
 
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software ModernaResumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
LucasBastos305659
 
ES - 02
ES - 02ES - 02
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMASLIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
Os Fantasmas !
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdf
IvanFontainha
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introdução
miroslayer
 
Analise aula2
Analise aula2Analise aula2
Analise aula2
Kelvin Wesley
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
Felipe Goulart
 
Introdução a informática: do Windows ao Excel
Introdução a informática: do Windows ao ExcelIntrodução a informática: do Windows ao Excel
Introdução a informática: do Windows ao Excel
malviana1
 
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
Janynne Gomes
 
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
Ismar Silveira
 

Semelhante a Introdução a Engenharia de Software.pdf (20)

Introdução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de SoftwareIntrodução à Engenharia de Software
Introdução à Engenharia de Software
 
Es aula01
Es   aula01Es   aula01
Es aula01
 
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptxFundamentos Engenharia de Software.pptx
Fundamentos Engenharia de Software.pptx
 
Engenharia de Software Pressman
Engenharia de Software PressmanEngenharia de Software Pressman
Engenharia de Software Pressman
 
Engenharia de software
Engenharia de software Engenharia de software
Engenharia de software
 
Analise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimentoAnalise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimento
 
Rup e metodos ágies
Rup e metodos ágiesRup e metodos ágies
Rup e metodos ágies
 
Crise de software2
Crise de software2Crise de software2
Crise de software2
 
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - IntroEngenharia de Software Aula 1 - Intro
Engenharia de Software Aula 1 - Intro
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
 
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software ModernaResumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
Resumo capítulo 1 livro Engenharia de Software Moderna
 
ES - 02
ES - 02ES - 02
ES - 02
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMASLIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
LIVRO PROPRIETÁRIO - METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
 
Modelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdfModelos e etapas do processo de software.pdf
Modelos e etapas do processo de software.pdf
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introdução
 
Analise aula2
Analise aula2Analise aula2
Analise aula2
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
Introdução a informática: do Windows ao Excel
Introdução a informática: do Windows ao ExcelIntrodução a informática: do Windows ao Excel
Introdução a informática: do Windows ao Excel
 
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
 
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
Fundamento de Sistemas de Informacao - Aula 24
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 

Introdução a Engenharia de Software.pdf

  • 2. 2 Bibliografia MAITINO NETO, Roque. Engenharia de Software. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 8. ed. São Paulo: Pearson, 2007 PADUA FILHO, Wilson de Paula. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos, 2009 PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software : uma abordagem Profissional. 7ª. ed 2011.
  • 3. Engenharia de Software ▪ Unidade 1: Fundamentos da Engenharia de Software: ▪ O que veremos nesta aula: ▪ Seção 1.1 – Introdução à Engenharia de software: aspectos gerais, objetivos, evolução do software e crise do software. 3
  • 4. 4 Engenharia de Software O que é um software? ▪ O software é o conjunto de vários artefatos e não apenas o código fonte (SOMMERVILLE). ▪ São instruções que, quando executadas, produzem a função desejada pelo usuário. ▪ São estruturas de dados que possibilitam que os programas manipulem as informações.
  • 5. 5 Engenharia de Software Comparação entre Software e Hardware: ▪ O software pode ser desenvolvido (é a parte lógica do computador) e o hardware se compra (é a parte física). ▪ Ao passar do tempo o software fica deteriorado, ultrapassado e sua manutenção torna-se mais cara. ▪ Já para o hardware, realizar a manutenção é simplesmente trocar à peça que esta em desgaste.
  • 6. 6 Engenharia de Software O que é Engenharia de Software? ▪ Engenharia de software é uma disciplina cujo objetivo é produzir software: ▪ isento de falhas, ▪ entregue dentro do prazo e orçamentos previstos, ▪ e que atenda às necessidades do cliente. ▪ O software desenvolvido deve ser fácil de ser modificado quando as necessidades dos usuários mudarem.
  • 7. 7 Engenharia de Software O que é Engenharia de Software? ▪ A IEEE Computer Society (2004) define Engenharia de software como: “A aplicação de uma abordagem sistemática, disciplinada e quantificável de desenvolvimento, operação e manutenção do software, além do estudo dessas abordagens". ▪ “Engenharia de Software é a profissão dedicada a projetar, implementar e modificar software, de forma que ele seja de alta qualidade, a um custo razoável, manutenível e rápido de construir.“ (LAPLANTE)
  • 8. 8 Engenharia de Software O que é Engenharia de Software? ▪ Fica claro, então, que o objetivo da Engenharia de Software é: ▪ a entrega de produto de qualidade, ▪ respeitados os prazos e ▪ os limites de despesas de recursos humanos e financeiros.
  • 10. 10 Engenharia de Software Crise do Software: ▪ Na década de 1960, alguns atores do processo de desenvolvimento de software cunharam a expressão “Crise do Software” na intenção de evidenciar o momento adverso que a atividade atravessava. ▪ A crise de indicava um estado de incerteza ou declínio e, de fato, esse era o retrato de um setor inapto a atender demanda crescente por produção de software.
  • 11. 11 Engenharia de Software Crise do Software: ▪ Eram entregues programas que não funcionavam corretamente, construídos por meio de processos falhos e que não podiam passar por manutenção facilmente. ▪ Tinham incerteza causada pela imprecisão nas estimativas de custo e prazo afetava a confiança das equipes e principalmente dos seus clientes.
  • 12. 12 Engenharia de Software Vamos refletir nesta afirmação: ▪ “Com o crescimento desse segmento (desenvolvimento de softwares) muitas empresas possuem mais especialistas em TI em que cada um tem sua responsabilidade no desenvolvimento de software e é diferente de antigamente que era um único profissional de software que trabalhava sozinho numa sala.” (PRESSMAN, 2006)
  • 13. 13 Engenharia de Software ▪ Ao passar do tempo, ninguém imaginava que o software tornaria um elemento muito importante para o mundo e teria a capacidade de manipular a informação. ▪ Como muitos elementos computacionais tiveram mudanças até hoje e continuam tendo. ▪ Este crescimento computacional, levam a criação de sistemas perfeitos e problemas para quem desenvolvem softwares complexos.
  • 14. 14 Engenharia de Software ▪ As preocupações dos engenheiros de software para desenvolverem os software sem defeitos e entregarem estes produtos no tempo marcado, assim leva a aplicação da engenharia de software. ▪ O software é caro porque torna se uma atividade difícil e trabalhosa de ser realizado pelo engenheiro de software (JALOTE, 2005).
  • 15. 15 Engenharia de Software Alguns aspectos que norteiam (princípios ou paradigmas) comumente referenciados na Engenharia de Software: ▪ Abstração: Para resolver um problema, deve-se separar os aspectos que estão ligados a uma realidade particular, visando representá-lo em forma simplificada e geral. ▪ Formalidade: Significa seguir uma abordagem rigorosa e metódica para resolver um problema.
  • 16. 16 Engenharia de Software Alguns aspectos que norteiam (princípios ou paradigmas) comumente referenciados na Engenharia de Software: ▪ Dividir para conquistar: Resolver um problema complexo dividindo-o em um conjunto de problemas menores e independentes que são mais fáceis de serem compreendidos e resolvidos. ▪ Organização hierárquica: Organizar os componentes de uma solução em uma estrutura hierárquica tipo árvore. Assim, a estrutura pode ser compreendida e construída nível por nível, cada novo nível com mais detalhes.
  • 17. 17 Engenharia de Software Alguns aspectos que norteiam (princípios ou paradigmas) comumente referenciados na Engenharia de Software: ▪ Ocultação: Esconder as informações não essenciais. Permitir que o módulo "veja" apenas a informação necessária àquele módulo. ▪ Localização: Colocar juntos os itens relacionados logicamente (o usuário não pensa como o analista!).
  • 18. 18 Engenharia de Software Alguns aspectos que norteiam (princípios ou paradigmas) comumente referenciados na Engenharia de Software: ▪ Integridade conceitual: Seguir uma filosofia e arquitetura de projeto coerentes. ▪ Completeza: Checar para garantir que nada foi omitido.
  • 19. 19 Engenharia de Software Categorias de softwares, classificadas segundo a aplicação: ▪ Software básico: Apoio a outros programas. Forte interação como hardware. Exemplos: compiladores, device drivers, componentes de sistema operacional.
  • 20. 20 Engenharia de Software Categorias de softwares, classificadas segundo a aplicação: ▪ Software em tempo real: Trata-se de um tipo de software que monitora eventos por meio de coleta e análise de dados, tais como temperatura, pressão, vazão, entre outros. Usa-se a expressão “tempo real” por conta da resposta imediata (um segundo ou menos) que o software deve fornecer.
  • 21. 21 Engenharia de Software Categorias de softwares, classificadas segundo a aplicação: ▪ Software comercial: Caracteriza-se pela manipulação de grande volume de dados e uso em aplicações comerciais. Exemplos: folha de pagamento, estoque, recursos humanos. Forte interação com banco de dados. ▪ Software científico: Algoritmos de processamento numérico. Usados na astronomia, mecânica e projeto auxiliado por computador.
  • 22. 22 Engenharia de Software Categorias de softwares, classificadas segundo a aplicação: ▪ Software de computador pessoal: Forte interação com o ser humano. Deve ser fácil e amigável. Exemplos: Planilhas, editores de texto, browsers.
  • 23. 23 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Um bom manual, repleto de padrões e regras, fornecerá a equipe tudo que ela precisa saber? ▪ Desenvolvimento não é uma receita de bolo! ▪ Os clientes são diferentes, os projetos são diferentes, os programadores são diferentes, as prioridades dependem do projeto. Basicamente, TUDO é diferente.
  • 24. 24 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Um bom manual, repleto de padrões e regras, fornecerá a equipe tudo que ela precisa saber? ▪ Um site de e-commerce desenvolvido para a empresa X, provavelmente não valerá para a empresa Y. ▪ O planejamento é fundamental e só então você poderá levantar os requisitos necessários e trabalhar em cima de um novo projeto.
  • 25. 25 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Caso ocorra atraso no cronograma este poderá ser contornado alocando-se mais programadores ao projeto? ▪ Por mais que exista o conceito de “Fábrica de Software” não podemos pensar no processo de desenvolvimento como uma linha de produção. ▪ Ao se inserir um programador em um projeto, ele levará algum tempo para se familiarizar com o código e com o que está sendo feito, para então, começar de fato a produzir.
  • 26. 26 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Caso ocorra atraso no cronograma este poderá ser contornado alocando-se mais programadores ao projeto? ▪ Desta maneira, alocar programadores para resolver um problema de cronograma poderá surgir efeito contrário, causando mais problemas!
  • 27. 27 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Será que dá certo? ▪ Uma grávida demora 9 meses para gerar um bebe... ▪ Se juntarmos 9 grávidas eu vou ter um bebê em um mês?
  • 28. 28 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Terceirizar um projeto é garantia de tranquilidade e nenhum trabalho? ▪ Quando um projeto é muito trabalhoso, requer know-how maior do que a sua equipe possui ou o cronograma está apertado, muitos optam pela terceirização achando que esta é uma garantia de tranquilidade e nenhum trabalho.
  • 29. 29 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Terceirizar um projeto é garantia de tranquilidade e nenhum trabalho? ▪ Cuidado: Se a empresa X contratou você, você é o responsável pelo trabalho que está entregando. Aí fica a pergunta: ▪ A terceirização fez o serviço direito? ▪ Comentou o código? ▪ Documentou o que foi feito? ▪ Sua equipe tem pessoal para trabalhar nesse código?
  • 30. 30 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Terceirizar um projeto é garantia de tranquilidade e nenhum trabalho? ▪ Pense bem antes de terceirizar algo que não poderá trabalhar bem no futuro. ▪ É melhor recusar um projeto do que fazê-lo mal feito.
  • 31. 31 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Um software pode ser construído observando-se o seu propósito geral – os detalhes podem ser levados em conta posteriormente? ▪ Se você é desenvolvedor já deve ter se deparado com um usuário que só queria um ajustizinho no sistema: “só adicione um botão que faça isso e busque aquilo e faça isso ficar cor de rosa e brilhar girando”.
  • 32. 32 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Um software pode ser construído observando-se o seu propósito geral – os detalhes podem ser levados em conta posteriormente? ▪ Desenvolvedores geralmente não gostam de destruir algo para faze-lo de outra forma, pois o cliente mudou de ideia. Aliás, ninguém gosta.
  • 33. 33 Engenharia de Software - mitos Vamos ver alguns mitos da Engenharia de softwares: ▪ Se o programa funciona, nosso trabalho está completo? ▪ Se o programa ainda não está finalizado e “rodando”, não posso avaliar sua qualidade? ▪ O único produto que entregarei ao cliente é o código executável? ▪ O processo de planejamento fará com que criemos documentação volumosa que atrasará a execução do projeto, atrasando o cronograma?