SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
●
Fontes energéticas secundárias: originadas pela
transformação ou conversão das fontes energéticas primárias
– Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas
correntes, energia eólica.
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
●
Fontes energéticas secundárias: originadas pela
transformação ou conversão das fontes energéticas primárias
– Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas
correntes, energia eólica.
Classificação das fontes
energéticas:
● Renováveis: são
reconstituídas de forma
natural ou pela ação da
sociedade.
Ex.: águas correntes, raios
solares, ventos, álcool.
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
●
Fontes energéticas secundárias: originadas pela
transformação ou conversão das fontes energéticas primárias
– Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas
correntes, energia eólica.
Classificação das fontes
energéticas:
● Renováveis: são
reconstituídas de forma
natural ou pela ação da
sociedade.
Ex.: águas correntes, raios
solares, ventos, álcool.
● Não renováveis:
apresentam disponibilidade
limitada no planeta e não
podem ser reconstituídas.
Ex.: combustíveis fósseis
(carvão mineral, petróleo e
gás mineral) e minérios
atômicos.
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia:
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
●
Fontes energéticas secundárias: originadas pela
transformação ou conversão das fontes energéticas primárias:
– Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas
correntes, energia eólica.
Classificação das fontes
energéticas:
● Renováveis: são
reconstituídas de forma
natural ou pela ação da
sociedade.
Ex.: águas correntes, raios
solares, ventos, álcool.
● Não renováveis:
apresentam disponibilidade
limitada no planeta e não
podem ser reconstituídas.
Ex.: combustíveis fósseis
(carvão mineral, petróleo e
gás mineral) e minérios
atômicos.
Os combustíveis fósseis não são
renováveis porque são formados em
condições especiais, em um
processo que dura milhares de anos:
● Soterramento de matéria orgânica
(animal ou vegetal) por sedimentos
caídos no fundo de antigos mares
ou lagos;
● O soterramento prolongado cria
condições de temperatura e
pressão que, após milhares de
anos, fazem com que restem
apenas carbono e hidrogênio, que
se combinam para formar os
hidrocarbonetos.
Fontes energéticas
São usados principalmente como fontes energéticas, que podem
ser classificadas em dois grupos:
● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas
ou fenômenos naturais usados na produção de energia:
– Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios
atômicos
– Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
●
Fontes energéticas secundárias: originadas pela
transformação ou conversão das fontes energéticas primárias:
– Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas
correntes, energia eólica.
Classificação das fontes
energéticas:
● Renováveis: são
reconstituídas de forma
natural ou pela ação da
sociedade.
Ex.: águas correntes, raios
solares, ventos, álcool.
● Não renováveis:
apresentam disponibilidade
limitada no planeta e não
podem ser reconstituídas.
Ex.: combustíveis fósseis
(carvão mineral, petróleo e
gás mineral) e minérios
atômicos.
Os combustíveis fósseis não são
renováveis porque são formados em
condições especiais, em um
processo que dura milhares de anos:
● Soterramento de matéria orgânica
(animal ou vegetal) por sedimentos
caídos no fundo de antigos mares
ou lagos;
● O soterramento prolongado cria
condições de temperatura e
pressão que, após milhares de
anos, fazem com que restem
apenas carbono e hidrogênio, que
se combinam para formar os
hidrocarbonetos.
Carvão mineral
Histórico: fonte de
energia básica da 1ª
fase da Revolução
Industrial
● 1875: respondia por
90% do consumo
energético do
mundo;
● As concentrações
industrais originais
coincidem com as
grandes áreas de
ocorrência do
carvão mineral
(Reino Unido,
França e EUA).
Carvão mineral
Histórico: fonte de
energia básica da 1ª
fase da Revolução
Industrial
● 1875: respondia por
90% do consumo
energético do
mundo;
● As concentrações
industrais originais
coincidem com as
grandes áreas de
ocorrência do
carvão mineral
(Reino Unido,
França e EUA).
Produtivo: atualmente, o uso do carvão
está concentrado na siderurgia e nas
termelétricas.
Carvão mineral
Histórico: fonte de
energia básica da 1ª
fase da Revolução
Industrial
● 1875: respondia por
90% do consumo
energético do
mundo;
● As concentrações
industrais originais
coincidem com as
grandes áreas de
ocorrência do
carvão mineral
(Reino Unido,
França e EUA).
90% de suas reservas estão no hemisfério
Norte. EUA, Reino Unido, Polônia, Rússia e
China são grandes produtores mundiais.
Fonte do mapa: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/atlas/carvao_mineral/8_2.htm
Produtivo: atualmente, o uso do carvão
está concentrado na siderurgia e nas
termelétricas.
Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais
importante matéria-prima energética e industrial do planeta.
Petróleo
Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais
importante matéria-prima energética e industrial do planeta.
● Crescimento industrial da produção de veículos de transporte
que são movidos a derivados de petróleo (naval, aeronáutico
e autombilístico);
● Crescimento extraordinário dos setores petroquímicos e fábril
na transformação do petróleo bruto em insumos (plástico,
fibra sintética, detergentes, tintas, solventes, borrachas).
Petróleo
Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais
importante matéria-prima energética e industrial do planeta.
● Crescimento industrial da produção de veículos de transporte
que são movidos a derivados de petróleo (naval, aeronáutico
e autombilístico);
● Crescimento extraordinário dos setores petroquímicos e fábril
na transformação do petróleo bruto em insumos (plástico,
fibra sintética, detergentes, tintas, solventes, borrachas).
Isso foi possibilitado pelo avanço tecnológico nos setores de:
● Exploração: que permitiu chegar a grandes profundidades;
● Transporte: com a construção de oleodutos;
● Refino: a obtenção de vários derivados do petróleo.
Petróleo
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e
preços competitivos no mercado petrolífero internacional;
● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda
interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de
petróleo para o mercado externo.
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e
preços competitivos no mercado petrolífero internacional;
● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda
interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de
petróleo para o mercado externo.
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do
recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das
áreas mais estratégicas do mundo.
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e
preços competitivos no mercado petrolífero internacional;
● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda
interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de
petróleo para o mercado externo.
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do
recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das
áreas mais estratégicas do mundo.
Até a década de 1970: produção de
petróleo no mundo concentrada nas
“sete irmãs”:
● Exxon (EUA);
● Texaco (EUA);
● Mobil (EUA);
● Amoco (EUA);
● Chevron (EUA);
● Royal Dutch/Shell (Anglo-
holandesa);
● British Petroleum (Inglesa).
Elas controlavam o preço do petróleo
no mercado mundial e dificultavam o
controle das regiões produtoras de
petróleo pelos governos nacionais.
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
● Grandes reservas petrolíferas possibilitam baixo custo de
produção e preços competitivos no mercado petrolífero
internacional;
● A economia urbano industrial frágil desses países faz com que a
demanda interna por petróleo seja fraca, permitindo a venda
quase total da produção de petróleo para o mercado externo.
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do
recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das
áreas mais estratégicas do mundo.
Até a década de 1970: produção de
petróleo no mundo concentrada nas
“sete irmãs”:
● Exxon (EUA);
● Texaco (EUA);
● Mobil (EUA);
● Amoco (EUA);
● Chevron (EUA);
● Royal Dutch/Shell (Anglo-
holandesa);
● British Petroleum (Inglesa).
Elas controlavam o preço do petróleo
no mercado mundial e dificultavam o
controle das regiões produtoras de
petróleo pelos governos nacionais.
O poder das “sete irmãs” começa a
se enfraquecer com a criação da
OPEP, em 1960.
Objetivo: centralizar o comércio
mundial de petróleo, controlando
seus preços e o volume da produção.
Fonte do mapa: http://www.hidrocarburosbolivia.com/noticias-archivadas/292-panoramaglobal-
archivado/panoramaglobal-01-07-2010-01-01-2011/35777-la-opep-cumplio-50-anos-con-su-
influencia-intacta.html
Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos
EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na
economia e na produção mundial fez com que crescessem o número
de países produtores.
Petróleo
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
● Grandes reservas petrolíferas possibilitam baixo custo de
produção e preços competitivos no mercado petrolífero
internacional;
● A economia urbano industrial frágil desses países faz com que a
demanda interna por petróleo seja fraca, permitindo a venda
quase total da produção de petróleo para o mercado externo.
Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait)
desponta como a maior região exportadora de petróleo.
Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do
recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das
áreas mais estratégicas do mundo.
Até a década de 1970: produção de
petróleo no mundo concentrada nas
chamadas “sete irmãs”:
● Exxon (EUA);
● Texaco (EUA);
● Mobil (EUA);
● Amoco (EUA);
● Chevron (EUA);
● Royal Dutch/Shell (Anglo-
holandesa);
● British Petroleum (Inglesa).
Elas controlavam o preço do petróleo
no mercado mundial e dificultavam o
controle das regiões produtoras de
petróleo pelos governos nacionais.
O poder das “sete irmãs” começa a
se enfraquecer com a criação da
OPEP, em 1960. Seu objetivo era
centralizar o comércio mundial de
petróleo, controlando seus preços
e o volume da produção.
Fonte do mapa: http://www.hidrocarburosbolivia.com/noticias-archivadas/292-panoramaglobal-
archivado/panoramaglobal-01-07-2010-01-01-2011/35777-la-opep-cumplio-50-anos-con-su-
influencia-intacta.htmlFonte do mapa: http://www.blog.thesietch.org/wp-content/uploads/2007/09/map01_1024.jpg
Consequências da formação da OPEP
1973 – 1º Choque do Petróleo
Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
Consequências da formação da OPEP
1973 – 1º Choque do Petróleo
● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom
Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado
por Síria e Egito. Contando com o apoio de
EUA e de países europeus, Israel agiu
rapidamente e conseguiu garantir a
manutenção dos territórios conquistados em
1967 (Guerra dos Seis Dias);
Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
Consequências da formação da OPEP
1973 – 1º Choque do Petróleo
● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom
Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado
por Síria e Egito. Contando com o apoio de
EUA e de países europeus, Israel agiu
rapidamente e conseguiu garantir a
manutenção dos territórios conquistados em
1967 (Guerra dos Seis Dias);
● Como represália, a OPEP aumentou
drasticamente o preço do petróleo, que
passou de US$2,90 em outubro de 1973
para US$11,65 em janeiro de 1974;
Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
Consequências da formação da OPEP
1973 – 1º Choque do Petróleo
● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom
Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado
por Síria e Egito. Contando com o apoio de
EUA e de países europeus, Israel agiu
rapidamente e conseguiu garantir a
manutenção dos territórios conquistados em
1967 (Guerra dos Seis Dias);
● Como represália, a OPEP aumentou
drasticamente o preço do petróleo, que
passou de US$2,90 em outubro de 1973
para US$11,65 em janeiro de 1974;
● A consequência imediata da 1ª crise do petróleo foi a busca de
novas regiões produtoras de petróleo, cujo número salta na
primeira metade da década de 1980.
Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
1979 – 2º Choque do Petróleo
Consequências da formação da OPEP
Fonte da fotografia:
http://historiativanet.wordpress.com
/2010/10/10/revolucao-iraniana-
1979/
1979 – 2º Choque do Petróleo
● Em 1979, tem início a Revolução
Islâmica no Irã, de cunho moralista,
religioso e contrário ao ocidente. Nesse
processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado
dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o
aiatolá Khomeini, que corta a venda e
a distribuição do petróleo, cujos valores
se aproximam dos US$30,00;
Consequências da formação da OPEP
Fonte da fotografia:
http://historiativanet.wordpress.com
/2010/10/10/revolucao-iraniana-
1979/
1979 – 2º Choque do Petróleo
● Em 1979, tem início a Revolução
Islâmica no Irã, de cunho moralista,
religioso e contrário ao ocidente. Nesse
processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado
dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o
aiatolá Khomeini, que corta a venda e
a distribuição do petróleo, cujos valores
se aproximam dos US$30,00;
● Os impactos da 2ª crise do petróleo
avançam sobre a década de 1980
(crise econômica, inflação) e sua
consequência geral foi a busca de
novas fontes de energia em alguns
setores produtivos (hidrelétrica,
nuclear).
Consequências da formação da OPEP
Fonte da fotografia:
http://historiativanet.wordpress.com
/2010/10/10/revolucao-iraniana-
1979/
1979 – 2º Choque do Petróleo
● Em 1979, tem início a Revolução
Islâmica no Irã, de cunho moralista,
religioso e contrário ao ocidente. Nesse
processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado
dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o
aiatolá Khomeini, que corta a venda e
a distribuição do petróleo, cujos valores
se aproximam dos US$30,00;
● Os impactos da 2ª crise do petróleo
avançam sobre a década de 1980
(crise econômica, inflação) e sua
consequência geral foi a busca de
novas fontes de energia em alguns
setores produtivos (hidrelétrica,
nuclear).
Consequências da formação da OPEP
Fonte da fotografia:
http://historiativanet.wordpress.com
/2010/10/10/revolucao-iraniana-
1979/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (14)

Recursos EnergéTicos Brasil
Recursos EnergéTicos BrasilRecursos EnergéTicos Brasil
Recursos EnergéTicos Brasil
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Aula 1 3º cga
Aula 1   3º cgaAula 1   3º cga
Aula 1 3º cga
 
Fontes energeticas
Fontes energeticasFontes energeticas
Fontes energeticas
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
Energias NãO Renovaveis(WalkléBio)
 
As Energias Não Renovaveis
As Energias Não RenovaveisAs Energias Não Renovaveis
As Energias Não Renovaveis
 
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no BrasilSustentabilidade, Ecologia e  O Petróleo no Brasil
Sustentabilidade, Ecologia e O Petróleo no Brasil
 
RECURSOS ENERGÉTICOS
RECURSOS ENERGÉTICOSRECURSOS ENERGÉTICOS
RECURSOS ENERGÉTICOS
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1Energias  NãO  RenováVeis Ana Henriques 1
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques 1
 
Energias não renováveis
Energias não renováveisEnergias não renováveis
Energias não renováveis
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 

Destaque

Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
feluvadagd
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
feluvadagd
 
energias renováveis
energias renováveisenergias renováveis
energias renováveis
veronicasilva
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certo
blog_setimaf
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Lucas Silva
 

Destaque (20)

Recursos renováveis e fontes energéticas
Recursos renováveis e fontes energéticasRecursos renováveis e fontes energéticas
Recursos renováveis e fontes energéticas
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
Blocos vazados modulares de concreto inovados com a adição de cinza do bagaço...
Blocos vazados modulares de concreto inovados com a adição de cinza do bagaço...Blocos vazados modulares de concreto inovados com a adição de cinza do bagaço...
Blocos vazados modulares de concreto inovados com a adição de cinza do bagaço...
 
Seminário sistemas eco
Seminário sistemas ecoSeminário sistemas eco
Seminário sistemas eco
 
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
Fontes de energia renováveis - proinfo 2013
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
ENERGIA ( FONTES RENOVAVEIS e NAO RENOVAVEIS)
 
Fontes De Energia Alternativa / Engenharia Ambiental
Fontes De Energia Alternativa / Engenharia AmbientalFontes De Energia Alternativa / Engenharia Ambiental
Fontes De Energia Alternativa / Engenharia Ambiental
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Etanol: energia limpa
Etanol: energia limpaEtanol: energia limpa
Etanol: energia limpa
 
Apresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveisApresentação+energias+renováveis
Apresentação+energias+renováveis
 
Fontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveisFontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveis
 
Instrumentação Industrial - Medição de Pressão
Instrumentação Industrial - Medição de PressãoInstrumentação Industrial - Medição de Pressão
Instrumentação Industrial - Medição de Pressão
 
energias renováveis
energias renováveisenergias renováveis
energias renováveis
 
Medidores de pressão
Medidores de pressãoMedidores de pressão
Medidores de pressão
 
Fontes de energia completo - g4 certo
Fontes de energia   completo - g4 certoFontes de energia   completo - g4 certo
Fontes de energia completo - g4 certo
 
Fontes energeticas
Fontes energeticasFontes energeticas
Fontes energeticas
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
 
Cana de açúcar!
Cana de açúcar!Cana de açúcar!
Cana de açúcar!
 

Semelhante a Aula 35 1º cga

Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia
Eduardo Mendes
 
Fontes de energias no Brasil
Fontes de energias no BrasilFontes de energias no Brasil
Fontes de energias no Brasil
Tom Lima
 
O ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energiaO ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energia
Roberto Rabat Chame
 
Fontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 anoFontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 ano
Raquel Avila
 
Fontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 anoFontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 ano
Raquel Avila
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
lgreggio10
 
Geografia recuros energeticos
Geografia   recuros energeticosGeografia   recuros energeticos
Geografia recuros energeticos
Pelo Siro
 

Semelhante a Aula 35 1º cga (20)

Geografia - Fontes de Energia.
Geografia - Fontes de Energia.Geografia - Fontes de Energia.
Geografia - Fontes de Energia.
 
Fontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptxFontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptx
 
fontes de energia-.pptx
fontes de energia-.pptxfontes de energia-.pptx
fontes de energia-.pptx
 
Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia Fontes de energia geografia
Fontes de energia geografia
 
Fontes de energia.
Fontes de energia.Fontes de energia.
Fontes de energia.
 
Fontes de energias no Brasil
Fontes de energias no BrasilFontes de energias no Brasil
Fontes de energias no Brasil
 
O ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energiaO ocaso do petroleo como fonte de energia
O ocaso do petroleo como fonte de energia
 
O ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energiaO ocaso do petróleo como fonte de energia
O ocaso do petróleo como fonte de energia
 
Fontes de energia carvão, petróleo e gás natural
Fontes de energia carvão, petróleo e gás naturalFontes de energia carvão, petróleo e gás natural
Fontes de energia carvão, petróleo e gás natural
 
Aula fontes de energia 2
Aula fontes de energia 2Aula fontes de energia 2
Aula fontes de energia 2
 
Fontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 anoFontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 ano
 
Fontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 anoFontes de energia.9 ano
Fontes de energia.9 ano
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Fontes de energia
Fontes de energia Fontes de energia
Fontes de energia
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
 
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem
 
Geografia recuros energeticos
Geografia   recuros energeticosGeografia   recuros energeticos
Geografia recuros energeticos
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 

Mais de Janaína Kaecke

Mais de Janaína Kaecke (20)

Exercicios palestina
Exercicios palestinaExercicios palestina
Exercicios palestina
 
Exercícios integrado introdução ao oriente médio
Exercícios integrado   introdução ao oriente médioExercícios integrado   introdução ao oriente médio
Exercícios integrado introdução ao oriente médio
 
Aula confliltos arabes israelenses
Aula confliltos arabes israelensesAula confliltos arabes israelenses
Aula confliltos arabes israelenses
 
Aula confliltos arabes israelenses
Aula confliltos arabes israelensesAula confliltos arabes israelenses
Aula confliltos arabes israelenses
 
Prova i sub - gabarito
Prova i   sub - gabaritoProva i   sub - gabarito
Prova i sub - gabarito
 
Prova i substitutiva
Prova i   substitutivaProva i   substitutiva
Prova i substitutiva
 
Prova i gabarito
Prova i   gabaritoProva i   gabarito
Prova i gabarito
 
Prova i versão a
Prova i   versão aProva i   versão a
Prova i versão a
 
Aula áfrica
Aula áfricaAula áfrica
Aula áfrica
 
Exercícios integrado aula 4
Exercícios integrado   aula 4Exercícios integrado   aula 4
Exercícios integrado aula 4
 
Exercícios integrado aula 3
Exercícios  integrado   aula 3Exercícios  integrado   aula 3
Exercícios integrado aula 3
 
Exercícios integrado aula 2
Exercícios integrado   aula 2Exercícios integrado   aula 2
Exercícios integrado aula 2
 
Exercícios integrado aula 1
Exercícios integrado   aula 1Exercícios integrado   aula 1
Exercícios integrado aula 1
 
Sistemas econômicos
Sistemas econômicosSistemas econômicos
Sistemas econômicos
 
Exercícios aula américa
Exercícios aula américaExercícios aula américa
Exercícios aula américa
 
Exercícios aula 2
Exercícios aula 2Exercícios aula 2
Exercícios aula 2
 
Exercícios integrado aula 1
Exercícios integrado   aula 1Exercícios integrado   aula 1
Exercícios integrado aula 1
 
América
AméricaAmérica
América
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Aulas 83 e 84 3º cga
Aulas 83 e 84   3º cgaAulas 83 e 84   3º cga
Aulas 83 e 84 3º cga
 

Aula 35 1º cga

  • 1. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos
  • 2. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos ● Fontes energéticas secundárias: originadas pela transformação ou conversão das fontes energéticas primárias – Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas correntes, energia eólica.
  • 3. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos ● Fontes energéticas secundárias: originadas pela transformação ou conversão das fontes energéticas primárias – Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas correntes, energia eólica. Classificação das fontes energéticas: ● Renováveis: são reconstituídas de forma natural ou pela ação da sociedade. Ex.: águas correntes, raios solares, ventos, álcool.
  • 4. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos ● Fontes energéticas secundárias: originadas pela transformação ou conversão das fontes energéticas primárias – Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas correntes, energia eólica. Classificação das fontes energéticas: ● Renováveis: são reconstituídas de forma natural ou pela ação da sociedade. Ex.: águas correntes, raios solares, ventos, álcool. ● Não renováveis: apresentam disponibilidade limitada no planeta e não podem ser reconstituídas. Ex.: combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás mineral) e minérios atômicos.
  • 5. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia: – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos ● Fontes energéticas secundárias: originadas pela transformação ou conversão das fontes energéticas primárias: – Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas correntes, energia eólica. Classificação das fontes energéticas: ● Renováveis: são reconstituídas de forma natural ou pela ação da sociedade. Ex.: águas correntes, raios solares, ventos, álcool. ● Não renováveis: apresentam disponibilidade limitada no planeta e não podem ser reconstituídas. Ex.: combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás mineral) e minérios atômicos. Os combustíveis fósseis não são renováveis porque são formados em condições especiais, em um processo que dura milhares de anos: ● Soterramento de matéria orgânica (animal ou vegetal) por sedimentos caídos no fundo de antigos mares ou lagos; ● O soterramento prolongado cria condições de temperatura e pressão que, após milhares de anos, fazem com que restem apenas carbono e hidrogênio, que se combinam para formar os hidrocarbonetos.
  • 6. Fontes energéticas São usados principalmente como fontes energéticas, que podem ser classificadas em dois grupos: ● Fontes energéticas primárias: conjunto de matérias-primas ou fenômenos naturais usados na produção de energia: – Matérias-primas: carvão mineral, gás natural e minérios atômicos – Fenômenos naturais: águas correntes e ventos ● Fontes energéticas secundárias: originadas pela transformação ou conversão das fontes energéticas primárias: – Gasolina, diesel, energia elétrica obtida pelas águas correntes, energia eólica. Classificação das fontes energéticas: ● Renováveis: são reconstituídas de forma natural ou pela ação da sociedade. Ex.: águas correntes, raios solares, ventos, álcool. ● Não renováveis: apresentam disponibilidade limitada no planeta e não podem ser reconstituídas. Ex.: combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás mineral) e minérios atômicos. Os combustíveis fósseis não são renováveis porque são formados em condições especiais, em um processo que dura milhares de anos: ● Soterramento de matéria orgânica (animal ou vegetal) por sedimentos caídos no fundo de antigos mares ou lagos; ● O soterramento prolongado cria condições de temperatura e pressão que, após milhares de anos, fazem com que restem apenas carbono e hidrogênio, que se combinam para formar os hidrocarbonetos.
  • 7. Carvão mineral Histórico: fonte de energia básica da 1ª fase da Revolução Industrial ● 1875: respondia por 90% do consumo energético do mundo; ● As concentrações industrais originais coincidem com as grandes áreas de ocorrência do carvão mineral (Reino Unido, França e EUA).
  • 8. Carvão mineral Histórico: fonte de energia básica da 1ª fase da Revolução Industrial ● 1875: respondia por 90% do consumo energético do mundo; ● As concentrações industrais originais coincidem com as grandes áreas de ocorrência do carvão mineral (Reino Unido, França e EUA). Produtivo: atualmente, o uso do carvão está concentrado na siderurgia e nas termelétricas.
  • 9. Carvão mineral Histórico: fonte de energia básica da 1ª fase da Revolução Industrial ● 1875: respondia por 90% do consumo energético do mundo; ● As concentrações industrais originais coincidem com as grandes áreas de ocorrência do carvão mineral (Reino Unido, França e EUA). 90% de suas reservas estão no hemisfério Norte. EUA, Reino Unido, Polônia, Rússia e China são grandes produtores mundiais. Fonte do mapa: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/atlas/carvao_mineral/8_2.htm Produtivo: atualmente, o uso do carvão está concentrado na siderurgia e nas termelétricas.
  • 10. Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais importante matéria-prima energética e industrial do planeta. Petróleo
  • 11. Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais importante matéria-prima energética e industrial do planeta. ● Crescimento industrial da produção de veículos de transporte que são movidos a derivados de petróleo (naval, aeronáutico e autombilístico); ● Crescimento extraordinário dos setores petroquímicos e fábril na transformação do petróleo bruto em insumos (plástico, fibra sintética, detergentes, tintas, solventes, borrachas). Petróleo
  • 12. Fim da 2ª Guerra Mundial → o petróleo se firma como a mais importante matéria-prima energética e industrial do planeta. ● Crescimento industrial da produção de veículos de transporte que são movidos a derivados de petróleo (naval, aeronáutico e autombilístico); ● Crescimento extraordinário dos setores petroquímicos e fábril na transformação do petróleo bruto em insumos (plástico, fibra sintética, detergentes, tintas, solventes, borrachas). Isso foi possibilitado pelo avanço tecnológico nos setores de: ● Exploração: que permitiu chegar a grandes profundidades; ● Transporte: com a construção de oleodutos; ● Refino: a obtenção de vários derivados do petróleo. Petróleo
  • 13. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo
  • 14. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo ● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e preços competitivos no mercado petrolífero internacional; ● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de petróleo para o mercado externo. Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo.
  • 15. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo ● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e preços competitivos no mercado petrolífero internacional; ● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de petróleo para o mercado externo. Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das áreas mais estratégicas do mundo.
  • 16. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo ● Grandes reservas petrolíferas → baixo custo de produção e preços competitivos no mercado petrolífero internacional; ● A economia urbano industrial frágil desses países → demanda interna por petróleo fraca → venda quase total da produção de petróleo para o mercado externo. Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das áreas mais estratégicas do mundo. Até a década de 1970: produção de petróleo no mundo concentrada nas “sete irmãs”: ● Exxon (EUA); ● Texaco (EUA); ● Mobil (EUA); ● Amoco (EUA); ● Chevron (EUA); ● Royal Dutch/Shell (Anglo- holandesa); ● British Petroleum (Inglesa). Elas controlavam o preço do petróleo no mercado mundial e dificultavam o controle das regiões produtoras de petróleo pelos governos nacionais.
  • 17. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. ● Grandes reservas petrolíferas possibilitam baixo custo de produção e preços competitivos no mercado petrolífero internacional; ● A economia urbano industrial frágil desses países faz com que a demanda interna por petróleo seja fraca, permitindo a venda quase total da produção de petróleo para o mercado externo. Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das áreas mais estratégicas do mundo. Até a década de 1970: produção de petróleo no mundo concentrada nas “sete irmãs”: ● Exxon (EUA); ● Texaco (EUA); ● Mobil (EUA); ● Amoco (EUA); ● Chevron (EUA); ● Royal Dutch/Shell (Anglo- holandesa); ● British Petroleum (Inglesa). Elas controlavam o preço do petróleo no mercado mundial e dificultavam o controle das regiões produtoras de petróleo pelos governos nacionais. O poder das “sete irmãs” começa a se enfraquecer com a criação da OPEP, em 1960. Objetivo: centralizar o comércio mundial de petróleo, controlando seus preços e o volume da produção. Fonte do mapa: http://www.hidrocarburosbolivia.com/noticias-archivadas/292-panoramaglobal- archivado/panoramaglobal-01-07-2010-01-01-2011/35777-la-opep-cumplio-50-anos-con-su- influencia-intacta.html
  • 18. Até a 2º Guerra Mundial, a produção de petróleo estava restrita aos EUA, URSS e Venezuela. O aumento de sua importância na economia e na produção mundial fez com que crescessem o número de países produtores. Petróleo Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. ● Grandes reservas petrolíferas possibilitam baixo custo de produção e preços competitivos no mercado petrolífero internacional; ● A economia urbano industrial frágil desses países faz com que a demanda interna por petróleo seja fraca, permitindo a venda quase total da produção de petróleo para o mercado externo. Anos de 1960: Oriente Médio (Arábia Saudita, Irã, Iraque e Kwait) desponta como a maior região exportadora de petróleo. Aumento da importância do petróleo no mundo e a concentração do recurso no Oriente Médio transformaram a região em uma das áreas mais estratégicas do mundo. Até a década de 1970: produção de petróleo no mundo concentrada nas chamadas “sete irmãs”: ● Exxon (EUA); ● Texaco (EUA); ● Mobil (EUA); ● Amoco (EUA); ● Chevron (EUA); ● Royal Dutch/Shell (Anglo- holandesa); ● British Petroleum (Inglesa). Elas controlavam o preço do petróleo no mercado mundial e dificultavam o controle das regiões produtoras de petróleo pelos governos nacionais. O poder das “sete irmãs” começa a se enfraquecer com a criação da OPEP, em 1960. Seu objetivo era centralizar o comércio mundial de petróleo, controlando seus preços e o volume da produção. Fonte do mapa: http://www.hidrocarburosbolivia.com/noticias-archivadas/292-panoramaglobal- archivado/panoramaglobal-01-07-2010-01-01-2011/35777-la-opep-cumplio-50-anos-con-su- influencia-intacta.htmlFonte do mapa: http://www.blog.thesietch.org/wp-content/uploads/2007/09/map01_1024.jpg
  • 19. Consequências da formação da OPEP 1973 – 1º Choque do Petróleo Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
  • 20. Consequências da formação da OPEP 1973 – 1º Choque do Petróleo ● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado por Síria e Egito. Contando com o apoio de EUA e de países europeus, Israel agiu rapidamente e conseguiu garantir a manutenção dos territórios conquistados em 1967 (Guerra dos Seis Dias); Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
  • 21. Consequências da formação da OPEP 1973 – 1º Choque do Petróleo ● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado por Síria e Egito. Contando com o apoio de EUA e de países europeus, Israel agiu rapidamente e conseguiu garantir a manutenção dos territórios conquistados em 1967 (Guerra dos Seis Dias); ● Como represália, a OPEP aumentou drasticamente o preço do petróleo, que passou de US$2,90 em outubro de 1973 para US$11,65 em janeiro de 1974; Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
  • 22. Consequências da formação da OPEP 1973 – 1º Choque do Petróleo ● 06 de outubro de 1973: era dia de Yom Kippur (dia do perdão) e Israel foi atacado por Síria e Egito. Contando com o apoio de EUA e de países europeus, Israel agiu rapidamente e conseguiu garantir a manutenção dos territórios conquistados em 1967 (Guerra dos Seis Dias); ● Como represália, a OPEP aumentou drasticamente o preço do petróleo, que passou de US$2,90 em outubro de 1973 para US$11,65 em janeiro de 1974; ● A consequência imediata da 1ª crise do petróleo foi a busca de novas regiões produtoras de petróleo, cujo número salta na primeira metade da década de 1980. Fonte do mapa: http://cinemahistoriaeducacao.files.wordpress.com/2011/03/mapa-de-israel.jpg
  • 23. 1979 – 2º Choque do Petróleo Consequências da formação da OPEP Fonte da fotografia: http://historiativanet.wordpress.com /2010/10/10/revolucao-iraniana- 1979/
  • 24. 1979 – 2º Choque do Petróleo ● Em 1979, tem início a Revolução Islâmica no Irã, de cunho moralista, religioso e contrário ao ocidente. Nesse processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o aiatolá Khomeini, que corta a venda e a distribuição do petróleo, cujos valores se aproximam dos US$30,00; Consequências da formação da OPEP Fonte da fotografia: http://historiativanet.wordpress.com /2010/10/10/revolucao-iraniana- 1979/
  • 25. 1979 – 2º Choque do Petróleo ● Em 1979, tem início a Revolução Islâmica no Irã, de cunho moralista, religioso e contrário ao ocidente. Nesse processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o aiatolá Khomeini, que corta a venda e a distribuição do petróleo, cujos valores se aproximam dos US$30,00; ● Os impactos da 2ª crise do petróleo avançam sobre a década de 1980 (crise econômica, inflação) e sua consequência geral foi a busca de novas fontes de energia em alguns setores produtivos (hidrelétrica, nuclear). Consequências da formação da OPEP Fonte da fotografia: http://historiativanet.wordpress.com /2010/10/10/revolucao-iraniana- 1979/
  • 26. 1979 – 2º Choque do Petróleo ● Em 1979, tem início a Revolução Islâmica no Irã, de cunho moralista, religioso e contrário ao ocidente. Nesse processo, o Xá Reza Pahlevi, aliado dos EUA, é deposto. Sobe ao poder o aiatolá Khomeini, que corta a venda e a distribuição do petróleo, cujos valores se aproximam dos US$30,00; ● Os impactos da 2ª crise do petróleo avançam sobre a década de 1980 (crise econômica, inflação) e sua consequência geral foi a busca de novas fontes de energia em alguns setores produtivos (hidrelétrica, nuclear). Consequências da formação da OPEP Fonte da fotografia: http://historiativanet.wordpress.com /2010/10/10/revolucao-iraniana- 1979/