SlideShare uma empresa Scribd logo
História do Atletismo
O atletismo é um conjunto de atividades
esportivas (corrida, saltos e arremessos) que
tem a origem nas primeiras Olimpíadas
realizadas na Grécia Antiga. Nos primeiros
Jogos Olímpicos, realizados em 776 a.C eram
realizadas provas de corridas e arremessos de
peso.
As corridas rasas de velocidade e revezamento são
antigas.
A maratona a mais famosa das corridas de resistência
baseia-se na legendária façanha de um soldado grego
que em 490 A C. Correu o campo de batalha das planícies
de Maratona até Atenas, numa distância superior a 35
km para anunciar a vitória dos gregos sobre os persas.
Além nos primórdios de nossa civilização o homem das
cavernas de forma natural praticava uma série de
movimentos, nas atividades de caça, em sua defesa
própria etc. Ele saltava ..corria.. Lançava.. desenvolvia
uma série de habilidades relacionadas com as diversas
provas de uma competição de atletismo.
A história do atletismo é muito bonito, pois
se inicia com a própria história da
humanidade quando o homem primitivo
praticava suas atividades naturais para
sobrevivência.
Chega mesmo a se confundir com a
mitologia quando observamos o período da
Antiguidade Clássica com os Jogos
Olímpicos que deram origem aos atuais
Jogos Olímpicos da Era Moderna.
 Competições de mulheres :
 As mulheres por sua vez não podiam
participar das maratonas e nem mesmo
assistir as competições masculinas pois na
maior parte das vezes eles corriam nus.
 Mas em contra partida a cada quatro anos era
realizado um torneio só para elas em
homenagem a Hera mulher de Zeus.
Decatlo
Decatlo é uma competição de atletismo composta por 10
provas. Modalidade usada nos Jogos Olímpicos sendo
praticado por homens. Os atletas inscritos compõem esses
programas em dois dias.
O primeiro campeão olímpico foi o índio norte-americano
Jim Thorpe, que contudo, viria a ser desqualificado por ser
um atleta profissional. Em 1983, mais de sete décadas
depois, a medalha de ouro foi restituída a Jim Thorpe.
Primeiro Dia:
100
metros
rasos
Salto
em
Distancia
Arremesso
de
Peso
Salto
em
altura
400
metros
rasos
Heptatlo:
 Envolve 7 modalidades.
 Vence o atleta que conseguir maior número de
pontos no geral.
 As provas são executadas em dois dias
consecutivos sendo realizadas quatro provas no
primeiro dia e três no segundo dia.
 A ordem das provas não podem ser alteradas e elas
tem 30 minutos de intervalo.
Heptatlo Feminino:
Primeiro dia:
*100 m barreiras
*Salto em altura
*Arremesso de peso
*200 m
Segundo dia:
*Salto em distância
*Lançamento de dardo
*800 m
Final dos 800 m do Heptatlo nos Campeonatos Mundiais de 2007
Pistas
Corridas do
atletismo
Tipos de corridas
Provas de velocidade:
100m rasos
200m rasos
400m rasos
Revezamento 4x100
Revezamento 4x400
Provas com obstáculos:
100m com barreira
110m com barreira
400m com barreira
3000m com obstáculos
Provas de meio-
fundo:
800m
1500m
Provas de fundo:
5000m
1000m,
Marchas
Maratona
Maratona masculina
Maratona feminina
Provas de velocidade:
A corrida de velocidade refere-
se à arte de correr o mais
rápido possível.
Potência e coordenação são os
ingredientes necessários para
ganhar velocidade.
A coordenação pode ser
aperfeiçoada a partir da prática
de eficientes técnicas de
corrida.
 A velocidade pode ser subdividida em quatro
fases: a largada, a aceleração, a manutenção da
força e o final.
 Os dois principais componentes que
proporcionam o aumento da velocidade são: a
largura dos passos (comprimento da passada) e
a rapidez com que são executados (frequência
da passada).
Provas de obstáculo:
As corridas de obstáculos
fazem parte do atletismo antes
mesmo do futebol existir.
Tem como provas padrão
2000m com obstáculos de
3000m com obstáculos sendo
essa última prova olímpica
masculina e feminina.
Cada volta na pista tem 4
obstáculos e fosso de água.
Recordes Mundiais
 -3000m masculino –SAIF SAAEED SHAHEEN -
7:53:63
 -3000m feminino – GULNARA SAMITOVA - 9:01:59
 Recorde Olímpico
 - 3000m masculino – JULIUS KARIUKI- 8:05:51
Provas de meio-fundo:
Meio-fundista é um
atleta que participa em
corridas de meio-fundo.
Provas de fundo:
É uma corrida sobre
distância maior do que
a milha ( 1069m).
Fundista é aquele
atleta que participa
nesta modalidade.
Maratona
•A maratona é uma corrida de longa distancia ou
de fundo realizado fora dos estádios em ruas.
•A maratona é uma prova que envolve muita
resistência física seu percurso 42km e 195metros.
•Segundo a lenda teria percorrido um soldado
grego FELÍPIDES para anunciar que os helenos
haviam vencidos uma batalha contra os presas .
•O trecho teria sido entre a planície de maratona
(o local da batalha) até cidade de Atenas.
Maratona masculina:
A maratona masculina foi
uma das modalidades
olímpicas originais em
1896
Maratona feminina:
A maratona feminina foi
instituída nas olimpíadas de
Los Angeles em 1984
Provas com Barreiras
As corridas com barreiras constituem
especialidades relativamente novas no atletismo,
se compararmos com outras provas mais antigas
como as corridas, saltos e lançamentos realizados
na Grécia, por exemplo.
Provas Oficiais
Masculinas
110m com barreiras
400m com barreiras
Femininas
100m com barreiras
400m com barreiras
Regras das Provas com Barreiras
 As Regras do Atletismo corrida de 100, 110 e 400 m
com barreiras estabelecem que os atletas com os oito
melhores tempos são classificados para a final.

 Nos 100 metros com barreiras, são dispostas 10
barreiras ao longo do percurso, sendo a primeira a
13 metros de distância da largada, as seguintes são
posicionadas a uma distância de 8.5 metros entre
cada uma.
 Após a última barreira, as atletas ainda têm 10.5
metros até a linha de chegada.
 Nos 110 metros com barreiras, a primeira barreira é
posicionada a 13,72 metros da linha de partida e as
outras nove barreiras são colocadas com uma
distância de 9.14 metros entre cada uma.
 No caso da corrida de 400 metros, a primeira
barreira é posicionada aos 45 metros do percurso.
 Para os homens, as barreiras medem 91,4
centímetros e para as mulheres, as barreiras
medem 76,2 centímetros.
 O trajeto é formado por uma linha reta e 10
barreiras distribuídas pelo percurso, medindo
106,7 centímetros de altura.
 Vale destacar que derrubar barreiras não
desclassifica o atleta, a menos que o ato seja feito
de propósito.
 As barreiras são desenvolvidas de forma a sempre
cair para frente, evitando lesão aos atletas.
Regras das Provas com Barreiras
 Além disso, um atleta será desqualificado se ele:
Passar seu pé ou perna abaixo do plano horizontal da
parte superior de alguma barreira, no momento da
passagem;
Na opinião do Árbitro Geral derrubar,
deliberadamente, qualquer barreira.
3.000m com Obstáculos
Pode-se dizer que a prova é uma mistura de
prova de fundo, meio fundo e barreiras, exigindo
do corredor:
• Boa técnica de corrida de pista;
• Ser um bom passador de barreiras;
• Ter habilidade técnica para passar o fosso de água
prejudicando ao mínimo o desenvolvimento da corrida.
Regras das Provas com Obstáculos
 Homens e mulheres podem competir na corrida de
3.000 metros com obstáculos, que é um esporte
com as suas características e regras específicas.
 Entre as Regras do Atletismo corrida de 3000
metros com obstáculos, por exemplo, cada
corredor tem de ultrapassar 28 vezes as barreiras,
além de pular, obrigatoriamente, sete vezes sobre o
fosso de água.
 Na modalidade para mulheres, as barreiras
possuem uma altura menor.
 Na modalidade de corrida para homens, os
obstáculos têm uma altura de 91,4 cm;
 Na modalidade de corrida para mulheres, os
obstáculos têm uma altura de 76,2 cm;
 As barreiras instaladas na pista de corrida não
caem quando são tocadas e, devido a essa
característica, os atletas podem ficar de pé sobre
elas para poder ultrapassá-las;
 O atleta que consegue o tempo de prova mais
rápido é considerado o vencedor;
 O fosso de água em frente à barreira tem 3,66 m
de comprimento e o seu fundo é inclinado,
começando com 70 cm de profundidade embaixo
da barreira até chegar no mesmo nível da pista ao
final de seu comprimento.
A TÉCNICA DO LANÇAMENTO DO
MARTELO
O lançamento do martelo é sem dúvida
uma das provas mais difíceis do atletismo.
É necessário um longo processo de
exercitação e de treino para poder ser
dominado completamente.
Lançamento
de Martelo
 Nele podemos encontrar as seguintes fases
técnicas:
 a) Empunhadura
 b) Posição de partida
 c) Balanceios para os molinetes
 d) Molinetes
 e) Giros
 f) Lançamento propriamente dito
 g) Reversão
O martelo pesa 7,26kg na prova dos
homens e 4kg nos eventos femininos.
O conjunto bola, arame e alça, com
comprimento máximo de 1,2 m. A base
de lançamento da prova é um circulo
de 2,1 m de diâmetro.
 O regulamento moderno da prova foi elaborado em
1887 na Inglaterra. O lançamento do martelo começou
nos Jogos Olímpicos de Paris, em 1900, com a presença
de cinco competidores.
 O vencedor foi John Flanagan, um escocês naturalizado
americano, que tinha conseguido o recorde mundial em
1895, que ganhou três medalhas de ouro consecutivas
nos Jogos Olímpicos, é considerado o pai do evento
 As mulheres estrearam nos Jogos de Sydney em 2000.
Recordes Mundiais
 Masculino:
Mundial: Yuriy Sedykh (USR) - 86.74 m
 Feminino:
Mundial: Anita Wlodarczyk (POL) - 82.29m
LANÇAMENTO DO DARDO
LANÇAMENTO DO DARDO
 O objetivo é lançar o dardo o mais longe possível.
 O atleta corre para tomar impulso e lança o dardo
numa pista de lançamento de 4 metros de largura e
de no mínimo 30m de comprimento.
 O lançamento tem que ser por detrás de um arco
de círculo traçado com raio de 8m no chão.
 Após o voo, o dardo aterra no campo que costuma
ocupar a zona central dos estádios de atletismo.
 A marca obtida pelo atleta só será válida se a ponta
de metal da cabeça tenha ferido o solo antes de
qualquer outra parte do dardo.
 Aí então, a distância é medida pelos oficiais, desde
a zona de lançamento até ao primeiro ponto onde
o dardo tocou no chão.
 O lançamento não será válido se o lançador
encostar ou ultrapassar a linha de limite de
lançamento antes, durante ou depois do
lançamento, ou se o dardo sair da zona de
lançamento.
 As competições de lançamento de dardo iniciam-
se com três rondas de lançamentos para cada
atleta.
 Após esta fase, os oito melhores resultados são
apurados para realizar mais três lançamentos.
 Fim da prova, o atleta que obtiver a maior distância
num lançamento legítimo é declarado vencedor.
Recorde Marca Atleta País Ano
Masculino 98,48m Jan
Železný
República
Checa
1996
Feminino 72,28m Barbora
Špotáková
República
Checa
2008
LANÇAMENTO DO DISCO
LANÇAMENTO DO DISCO
 O atleta segura o disco plano contra os dedos da
mão e o antebraço, gira sobre si mesmo
rapidamente sob um círculo de 2,5 m de
diâmetro localizado no chão chamado setor de
lançamento e lança o disco ao ar estendendo o
braço.
 O setor de lançamento é todo envolto por uma
grade, somente aberta na frente, chamada de
"jaula", para proteger o público, demais atletas e
árbitros.
 O disco usado é um prato de metal com a forma de
um círculo.
 O masculina pesa 2 kg e o feminino 1 kg.
 O lançamento não será válido se o lançador
encostar ou ultrapassar a borda do setor de
lançamento antes, durante ou depois do
lançamento, ou se o disco sair da zona de
lançamento.
 As competições de lançamento de disco iniciam-se
com três rondas de lançamentos para cada atleta.
 Após esta fase, os oito melhores resultados são
apurados para realizar mais três lançamentos.
 Fim da prova, o atleta que obtiver a maior distância
num lançamento legítimo é declarado vencedor.
Recorde Marca Atleta País Ano
Masculino 74,08m Jürgen
Schult
Alemanha 1986
Feminino 76,80m Gabriele
Reinsch
Alemanha 1988
Arremesso de peso
Arremesso de peso
 O arremesso de peso começou nos Highland
Games, na Escócia, onde os atletas arremessavam
pedras, começou a fazer parte das olimpíadas
apenas em 1896, em Atenas.
 Robert Garret, atleta dos Estados Unidos, foi o
primeiro campeão olímpico.
 As mulheres começaram a competir nos jogos
olímpicos apenas em 1948 e a francesa Micheline
Ostermeyer foi campeã.
 O recorde mundial está com Randy Barnes dos
Estados Unidos que arremessou a marca de 23,12m,
em 1987. Na prova feminina, Natalya Lisovskaya da
União Soviética fez a marca de 22,63m, em 1987.
 A bola usada no arremesso de peso masculino pesa
7,26kg, já a de arremesso de peso feminino pesa
4kg.
 O atleta se locomove em uma área demarcada de
aproximadamente 2m e só pode sair desta área
quando o peso estiver parado.
 Na fase classificatória os atletas arremessam três
vezes, os oito melhores podem lançar mais três
vezes, totalizando seis arremessos.
 Para jogar é preciso apoiar o peso contra o pescoço,
acima do nível do ombro e pressioná-lo até o
momento do arremesso.
 O competidor pode ser penalizado quando sair do
circulo demarcado pela parte da frente, encostar
na borda demarcada, arremessar fora da área
permitida, segurar o peso a baixo do nível do
ombro, demorar mais de 90s para arremessar ou
não conseguir parar e perder o controle.
 Existem várias técnicas para arremessar peso.
 Dentre elas, de deslocamento lateral, linear e a de
deslocamento em rotação.
 O movimento de arremesso do peso deve ser feito
seguindo as fases: preparação, deslocamento,
posição de força, arremesso e recuperação.
•Salto em comprimento ou salto em distância é
uma modalidade olímpica de atletismo.
•A prova tem uma longa tradição e apareceu pela
primeira vez nos Jogos Olímpicos antigos como
parte integrante do pentatlo.
•Na antiguidade, os atletas saltavam com halteres
nas mãos, para ajudar no balanço e elevar o
momento.
•O salto em comprimento esteve presente em
todas as edições de Jogos Olímpicos da era
moderna.
A prova divide-se nas seguintes fases:
•corrida: precisa ser em ritmo veloz, com passadas largas e
sincronizadas para obter velocidade suficiente para a fase
seguinte.
•impulso: o atleta salta.
•voo: o atleta voa sobre um substrato arenoso.
•queda: deve ser realizada com as pernas estendidas para a
frente, joelhos levemente flexionados e os braços também
estendidos para frente.
•Findo o salto, os oficiais da prova medem a
distância percorrida pelo atleta durante o voo,
desde a tábua de chamada até à primeira impressão
feita pelo corpo do atleta na areia da caixa.
•Os atletas são desqualificados sempre que pisem a
tábua de chamada.
•Hoje em dia, o bordo da tábua é coberto por
plasticina para facilitar a decisão dos oficiais em
casos dúbios.
•Cada atleta tem direito a seis tentativas para
atingir sua melhor marca.
•Uma tentativa é considerada válida quando o
competidor inicia o movimento do salto dando o
último passo antes da linha que limita a área de
corrida.
•Caso o atleta dê seu último toque no solo antes do
salto após a linha-limite, esse salto será invalidado.
Outras causas de invalidação de um salto:
caso o atleta toque, com qualquer parte do
corpo, a área posterior à linha de medição
localizada na barra de impulsão;
toque o lado da tábua de impulsão;
toque o solo fora da caixa de areia no momento
em que cair;
caminhe pela caixa de areia após o salto;
dê um salto mortal.
Esta modalidade desportiva consiste em ultrapassar,
em altura, uma fasquia, apoiada em duas barras, com
a ajuda de uma vara para elevar o corpo.
O atleta, apesar de poder roçar ou tocar na fasquia,
vê o seu salto invalidado se a fizer cair.
O atleta corre numa pista empunhando uma longa
vara que espeta numa espécie de caixa no solo - o
pontão de chamada é colocado antes do obstáculo e
tenta com a impulsão ultrapassar a fasquia colocada a
determinada altura.
 Dispõe de três tentativas para a transpor e se não o
conseguir é eliminado da prova.
 Na Grécia Antiga e em Creta já existia uma espécie de
salto à vara, só que então o obstáculo a ultrapassar
era um touro.
 Os celtas também usavam varas para saltar, mas aqui
com o objetivo de chegar mais longe e não mais alto.
•A transformação definitiva em salto vertical
aconteceu em finais do século XVIII, na Alemanha,
nas provas de ginástica.
•Foi incluído no programa de atletismo da primeira
edição dos Jogos Olímpicos da era moderna, que
tiveram lugar em Atenas em 1896.
•A grande figura internacional do salto à vara é o
ucraniano Sergei Bubka, várias vezes recordista
mundial, que atingiu em 1994 a marca de 6,14
metros.
Até o início do século XX, as varas eram feitas de
bambu ou madeira e, posteriormente, passaram a ser
feitas de alumínio.
Atualmente, as varas modernas são feitas de fibra de
carbono ou fibra de vidro.
Estas mudanças geraram grande diminuição do peso
da vara e maior flexibilidade, e graças a estes avanços
os recordes de salto com vara tornaram-se cada vez
mais altos.
1º Corrida:
O atleta acelera pela pista levando a vara para o alto.
2º Impulsão:
A velocidade diminui ao baixar a vara para fincá-la na caixa de apoio
3º Vôo:
O impulso para a frente e a flexibilidade da vara lançam o atleta para
cima.
4º Queda:
Superando o sarrafo, o atleta estica as pernas, gira o corpo, e
amortece a queda.
O salto em altura é uma especialidade do atletismo
que consiste em ultrapassar, sem derrubar, uma fasquia
apoiada em duas barras que estão colocadas a uma
distância de cerca de quatro metros uma da outra.
Se a barra for derrubada, o salto é anulado.
O atleta tem de correr e fazer o impulso para o salto
só com um pé apoiado no chão.
 Cada atleta dispõe de três tentativas para ultrapassar
a fasquia.
 Se não o fizer é eliminado.
 A altura da fasquia é alterada consoante a capacidade
dos atletas e os recordes estabelecidos.
Os atletas utilizam, atualmente, o salto de estilo
Fosbury para vencer a fasquia, que consiste em fazer
passar primeiro a cabeça, de costas para o obstáculo,
depois os ombros e finalmente as pernas,
desenhando um arco com o corpo.
Este estilo apareceu nos Jogos Olímpicos de 1968,
no México, e foi introduzido pelo norte-americano
Richard Fosbury, que acabou por ganhar a medalha
de ouro.
 Este estilo só resultou na época porque o pavimento
onde caíam os atletas foi substituído.
 Até aí, era composto por serrim, mas foi substituído
por uma espécie de colchão, que permitia aos
saltadores cair de costas, ou de ombros.
 A versão feminina desta prova de atletismo surgiu
nos Jogos de Amesterdão, em 1928.
O Salto Triplo é uma combinação de três saltos
sucessivos que terminam com a queda numa caixa de
areia.
A prova inicia-se com uma corrida de impulso.
O salto começa com o contacto da perna de
impulsão tocando o solo; segue-se uma pequena
flexão da perna de impulsão; nesse momento a perna
de impulsão sofre grande pressão, sendo que quanto
maior o ângulo maior a pressão.
 O movimento é chamado de patada, onde o saltador
faz um movimento brusco com a perna para trás e
para cimal.
 Na fase de voo, deve-se corrigir o equilíbrio através
da rotação horizontal dos braços.
•Ordem de tentativa dos competidores deve ser
sorteada;
•Mais de oito competidores;
•3 tentativas - classificatórias;
•3 tentativas - finais (8 melhores na ordem inversa);
•O salto consiste em uma impulsão, uma passada e um
salto, nesta ordem;
•O salto de impulsão feito em um pé só, será feito de
modo que caia sobre o mesmo pé, para a passada, caindo
com o outro pé para a realização do salto;
• Todos os saltos devem ser medidos a partir do ponto
de queda mais próximo à tábua de impulsão.
• Medição perpendicular à linha ou ao seu
prolongamento;
• A cada competidor será creditado o melhor de seus
saltos, incluindo aqueles realizados durante o
desempate de um primeiro lugar.
Masculino Feminino
J. Edwards I. Kravets
Reino Unido Ucrânia
18,29 m 15,50 m
Masculino Feminino
R. Lavillenie Y. Isimbayeva
França Rússia
6,16 m 5,06 m
Masculino Feminino
M. Powell G. Chistyakova
EUA União Soviética
8,95 m 7,52 m
Masculino Feminino
J. Sotomayor S. Kosadinova
Cuba Bulgária
2,45 m 2,09 m

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doping
DopingDoping
Jogos paralimpicos
Jogos paralimpicosJogos paralimpicos
Jogos paralimpicos
Professora Fabiana Castro
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
NatanaelMoreiraAmori
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
Prof. Saulo Bezerra
 
1. jogos olímpicos
1. jogos olímpicos1. jogos olímpicos
1. jogos olímpicos
Leonardo Rio
 
Esportes de aventura e radicais 2º A
Esportes de aventura e radicais 2º AEsportes de aventura e radicais 2º A
Esportes de aventura e radicais 2º A
Abmael Rocha Junior
 
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADOO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
paulohenriquepauli
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
Joana Lima
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
evandrolhp
 
O Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escolaO Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escola
Katiucia Ferreira
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Cineantropometria 01 introdução
Cineantropometria 01 introduçãoCineantropometria 01 introdução
Cineantropometria 01 introdução
Carlos Masashi Otani
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Variáveis do treinamento
Variáveis do treinamentoVariáveis do treinamento
Variáveis do treinamento
washington carlos vieira
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Esportes Paraolímpicos
 Esportes Paraolímpicos Esportes Paraolímpicos
Esportes Paraolímpicos
sandraprado
 
Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)
VanessaGPita16
 
Atletismo 6º e 7º
Atletismo 6º e 7ºAtletismo 6º e 7º
Atletismo 6º e 7º
Daniele Gonçalves Gross
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
Profissional de Educação Física
 
EducaçãO Fisica
EducaçãO FisicaEducaçãO Fisica
EducaçãO Fisica
Diana Mendes
 

Mais procurados (20)

Doping
DopingDoping
Doping
 
Jogos paralimpicos
Jogos paralimpicosJogos paralimpicos
Jogos paralimpicos
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
 
1. jogos olímpicos
1. jogos olímpicos1. jogos olímpicos
1. jogos olímpicos
 
Esportes de aventura e radicais 2º A
Esportes de aventura e radicais 2º AEsportes de aventura e radicais 2º A
Esportes de aventura e radicais 2º A
 
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADOO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
O PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E O MERCADO
 
Capacidades físicas
Capacidades físicasCapacidades físicas
Capacidades físicas
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
 
O Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escolaO Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escola
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Cineantropometria 01 introdução
Cineantropometria 01 introduçãoCineantropometria 01 introdução
Cineantropometria 01 introdução
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Variáveis do treinamento
Variáveis do treinamentoVariáveis do treinamento
Variáveis do treinamento
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Esportes Paraolímpicos
 Esportes Paraolímpicos Esportes Paraolímpicos
Esportes Paraolímpicos
 
Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)Atletismo (corrida)
Atletismo (corrida)
 
Atletismo 6º e 7º
Atletismo 6º e 7ºAtletismo 6º e 7º
Atletismo 6º e 7º
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
EducaçãO Fisica
EducaçãO FisicaEducaçãO Fisica
EducaçãO Fisica
 

Semelhante a Atletismo

Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
crishmuler
 
Apresentação de educaçao ficica
Apresentação de educaçao ficicaApresentação de educaçao ficica
Apresentação de educaçao ficica
crishmuler
 
atletismo.pptx
atletismo.pptxatletismo.pptx
atletismo.pptx
sayonara39
 
atletismo-170405002818.pptx
atletismo-170405002818.pptxatletismo-170405002818.pptx
atletismo-170405002818.pptx
JosileneFagundes
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Marinho Mota
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Clara San
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Rita Barbosa
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Helena Caboclo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
André Campos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Karinne Carrijo
 
Iniciação do atletismo
Iniciação do atletismoIniciação do atletismo
Iniciação do atletismo
Hiderson Marciano
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Neusa Soares
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Andréa Almeida
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
crishmuler
 
Aula de atletismo
Aula de atletismoAula de atletismo
100 metros rasos de edilson
100 metros rasos de edilson100 metros rasos de edilson
100 metros rasos de edilson
ipenet
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Jorge Fernandes
 
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTALAULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
YAGONBREGA
 
Historico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptxHistorico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptx
LEYDIANNEPERCILIABOR
 

Semelhante a Atletismo (20)

Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Apresentação de educaçao ficica
Apresentação de educaçao ficicaApresentação de educaçao ficica
Apresentação de educaçao ficica
 
atletismo.pptx
atletismo.pptxatletismo.pptx
atletismo.pptx
 
atletismo-170405002818.pptx
atletismo-170405002818.pptxatletismo-170405002818.pptx
atletismo-170405002818.pptx
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Iniciação do atletismo
Iniciação do atletismoIniciação do atletismo
Iniciação do atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Aula de atletismo
Aula de atletismoAula de atletismo
Aula de atletismo
 
100 metros rasos de edilson
100 metros rasos de edilson100 metros rasos de edilson
100 metros rasos de edilson
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTALAULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
 
Historico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptxHistorico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptx
 

Atletismo

  • 1.
  • 2. História do Atletismo O atletismo é um conjunto de atividades esportivas (corrida, saltos e arremessos) que tem a origem nas primeiras Olimpíadas realizadas na Grécia Antiga. Nos primeiros Jogos Olímpicos, realizados em 776 a.C eram realizadas provas de corridas e arremessos de peso.
  • 3. As corridas rasas de velocidade e revezamento são antigas. A maratona a mais famosa das corridas de resistência baseia-se na legendária façanha de um soldado grego que em 490 A C. Correu o campo de batalha das planícies de Maratona até Atenas, numa distância superior a 35 km para anunciar a vitória dos gregos sobre os persas. Além nos primórdios de nossa civilização o homem das cavernas de forma natural praticava uma série de movimentos, nas atividades de caça, em sua defesa própria etc. Ele saltava ..corria.. Lançava.. desenvolvia uma série de habilidades relacionadas com as diversas provas de uma competição de atletismo.
  • 4. A história do atletismo é muito bonito, pois se inicia com a própria história da humanidade quando o homem primitivo praticava suas atividades naturais para sobrevivência. Chega mesmo a se confundir com a mitologia quando observamos o período da Antiguidade Clássica com os Jogos Olímpicos que deram origem aos atuais Jogos Olímpicos da Era Moderna.
  • 5.  Competições de mulheres :  As mulheres por sua vez não podiam participar das maratonas e nem mesmo assistir as competições masculinas pois na maior parte das vezes eles corriam nus.  Mas em contra partida a cada quatro anos era realizado um torneio só para elas em homenagem a Hera mulher de Zeus.
  • 6. Decatlo Decatlo é uma competição de atletismo composta por 10 provas. Modalidade usada nos Jogos Olímpicos sendo praticado por homens. Os atletas inscritos compõem esses programas em dois dias. O primeiro campeão olímpico foi o índio norte-americano Jim Thorpe, que contudo, viria a ser desqualificado por ser um atleta profissional. Em 1983, mais de sete décadas depois, a medalha de ouro foi restituída a Jim Thorpe.
  • 8.
  • 9. Heptatlo:  Envolve 7 modalidades.  Vence o atleta que conseguir maior número de pontos no geral.  As provas são executadas em dois dias consecutivos sendo realizadas quatro provas no primeiro dia e três no segundo dia.  A ordem das provas não podem ser alteradas e elas tem 30 minutos de intervalo.
  • 10. Heptatlo Feminino: Primeiro dia: *100 m barreiras *Salto em altura *Arremesso de peso *200 m Segundo dia: *Salto em distância *Lançamento de dardo *800 m
  • 11. Final dos 800 m do Heptatlo nos Campeonatos Mundiais de 2007
  • 13.
  • 14.
  • 16. Tipos de corridas Provas de velocidade: 100m rasos 200m rasos 400m rasos Revezamento 4x100 Revezamento 4x400 Provas com obstáculos: 100m com barreira 110m com barreira 400m com barreira 3000m com obstáculos Provas de meio- fundo: 800m 1500m Provas de fundo: 5000m 1000m, Marchas Maratona Maratona masculina Maratona feminina
  • 17. Provas de velocidade: A corrida de velocidade refere- se à arte de correr o mais rápido possível. Potência e coordenação são os ingredientes necessários para ganhar velocidade. A coordenação pode ser aperfeiçoada a partir da prática de eficientes técnicas de corrida.
  • 18.  A velocidade pode ser subdividida em quatro fases: a largada, a aceleração, a manutenção da força e o final.  Os dois principais componentes que proporcionam o aumento da velocidade são: a largura dos passos (comprimento da passada) e a rapidez com que são executados (frequência da passada).
  • 19. Provas de obstáculo: As corridas de obstáculos fazem parte do atletismo antes mesmo do futebol existir. Tem como provas padrão 2000m com obstáculos de 3000m com obstáculos sendo essa última prova olímpica masculina e feminina. Cada volta na pista tem 4 obstáculos e fosso de água.
  • 20. Recordes Mundiais  -3000m masculino –SAIF SAAEED SHAHEEN - 7:53:63  -3000m feminino – GULNARA SAMITOVA - 9:01:59  Recorde Olímpico  - 3000m masculino – JULIUS KARIUKI- 8:05:51
  • 21. Provas de meio-fundo: Meio-fundista é um atleta que participa em corridas de meio-fundo.
  • 22. Provas de fundo: É uma corrida sobre distância maior do que a milha ( 1069m). Fundista é aquele atleta que participa nesta modalidade.
  • 23. Maratona •A maratona é uma corrida de longa distancia ou de fundo realizado fora dos estádios em ruas. •A maratona é uma prova que envolve muita resistência física seu percurso 42km e 195metros. •Segundo a lenda teria percorrido um soldado grego FELÍPIDES para anunciar que os helenos haviam vencidos uma batalha contra os presas . •O trecho teria sido entre a planície de maratona (o local da batalha) até cidade de Atenas.
  • 24. Maratona masculina: A maratona masculina foi uma das modalidades olímpicas originais em 1896
  • 25. Maratona feminina: A maratona feminina foi instituída nas olimpíadas de Los Angeles em 1984
  • 26. Provas com Barreiras As corridas com barreiras constituem especialidades relativamente novas no atletismo, se compararmos com outras provas mais antigas como as corridas, saltos e lançamentos realizados na Grécia, por exemplo.
  • 27. Provas Oficiais Masculinas 110m com barreiras 400m com barreiras Femininas 100m com barreiras 400m com barreiras
  • 28. Regras das Provas com Barreiras  As Regras do Atletismo corrida de 100, 110 e 400 m com barreiras estabelecem que os atletas com os oito melhores tempos são classificados para a final. 
  • 29.  Nos 100 metros com barreiras, são dispostas 10 barreiras ao longo do percurso, sendo a primeira a 13 metros de distância da largada, as seguintes são posicionadas a uma distância de 8.5 metros entre cada uma.  Após a última barreira, as atletas ainda têm 10.5 metros até a linha de chegada.
  • 30.  Nos 110 metros com barreiras, a primeira barreira é posicionada a 13,72 metros da linha de partida e as outras nove barreiras são colocadas com uma distância de 9.14 metros entre cada uma.
  • 31.  No caso da corrida de 400 metros, a primeira barreira é posicionada aos 45 metros do percurso.  Para os homens, as barreiras medem 91,4 centímetros e para as mulheres, as barreiras medem 76,2 centímetros.
  • 32.  O trajeto é formado por uma linha reta e 10 barreiras distribuídas pelo percurso, medindo 106,7 centímetros de altura.  Vale destacar que derrubar barreiras não desclassifica o atleta, a menos que o ato seja feito de propósito.  As barreiras são desenvolvidas de forma a sempre cair para frente, evitando lesão aos atletas.
  • 33. Regras das Provas com Barreiras  Além disso, um atleta será desqualificado se ele: Passar seu pé ou perna abaixo do plano horizontal da parte superior de alguma barreira, no momento da passagem; Na opinião do Árbitro Geral derrubar, deliberadamente, qualquer barreira.
  • 34.
  • 35. 3.000m com Obstáculos Pode-se dizer que a prova é uma mistura de prova de fundo, meio fundo e barreiras, exigindo do corredor: • Boa técnica de corrida de pista; • Ser um bom passador de barreiras; • Ter habilidade técnica para passar o fosso de água prejudicando ao mínimo o desenvolvimento da corrida.
  • 36. Regras das Provas com Obstáculos  Homens e mulheres podem competir na corrida de 3.000 metros com obstáculos, que é um esporte com as suas características e regras específicas.  Entre as Regras do Atletismo corrida de 3000 metros com obstáculos, por exemplo, cada corredor tem de ultrapassar 28 vezes as barreiras, além de pular, obrigatoriamente, sete vezes sobre o fosso de água.  Na modalidade para mulheres, as barreiras possuem uma altura menor.
  • 37.  Na modalidade de corrida para homens, os obstáculos têm uma altura de 91,4 cm;  Na modalidade de corrida para mulheres, os obstáculos têm uma altura de 76,2 cm;  As barreiras instaladas na pista de corrida não caem quando são tocadas e, devido a essa característica, os atletas podem ficar de pé sobre elas para poder ultrapassá-las;
  • 38.  O atleta que consegue o tempo de prova mais rápido é considerado o vencedor;  O fosso de água em frente à barreira tem 3,66 m de comprimento e o seu fundo é inclinado, começando com 70 cm de profundidade embaixo da barreira até chegar no mesmo nível da pista ao final de seu comprimento.
  • 39. A TÉCNICA DO LANÇAMENTO DO MARTELO O lançamento do martelo é sem dúvida uma das provas mais difíceis do atletismo. É necessário um longo processo de exercitação e de treino para poder ser dominado completamente. Lançamento de Martelo
  • 40.  Nele podemos encontrar as seguintes fases técnicas:  a) Empunhadura  b) Posição de partida  c) Balanceios para os molinetes  d) Molinetes  e) Giros  f) Lançamento propriamente dito  g) Reversão
  • 41. O martelo pesa 7,26kg na prova dos homens e 4kg nos eventos femininos. O conjunto bola, arame e alça, com comprimento máximo de 1,2 m. A base de lançamento da prova é um circulo de 2,1 m de diâmetro.
  • 42.  O regulamento moderno da prova foi elaborado em 1887 na Inglaterra. O lançamento do martelo começou nos Jogos Olímpicos de Paris, em 1900, com a presença de cinco competidores.  O vencedor foi John Flanagan, um escocês naturalizado americano, que tinha conseguido o recorde mundial em 1895, que ganhou três medalhas de ouro consecutivas nos Jogos Olímpicos, é considerado o pai do evento  As mulheres estrearam nos Jogos de Sydney em 2000.
  • 43. Recordes Mundiais  Masculino: Mundial: Yuriy Sedykh (USR) - 86.74 m  Feminino: Mundial: Anita Wlodarczyk (POL) - 82.29m
  • 45. LANÇAMENTO DO DARDO  O objetivo é lançar o dardo o mais longe possível.  O atleta corre para tomar impulso e lança o dardo numa pista de lançamento de 4 metros de largura e de no mínimo 30m de comprimento.  O lançamento tem que ser por detrás de um arco de círculo traçado com raio de 8m no chão.  Após o voo, o dardo aterra no campo que costuma ocupar a zona central dos estádios de atletismo.
  • 46.  A marca obtida pelo atleta só será válida se a ponta de metal da cabeça tenha ferido o solo antes de qualquer outra parte do dardo.  Aí então, a distância é medida pelos oficiais, desde a zona de lançamento até ao primeiro ponto onde o dardo tocou no chão.
  • 47.  O lançamento não será válido se o lançador encostar ou ultrapassar a linha de limite de lançamento antes, durante ou depois do lançamento, ou se o dardo sair da zona de lançamento.  As competições de lançamento de dardo iniciam- se com três rondas de lançamentos para cada atleta.
  • 48.  Após esta fase, os oito melhores resultados são apurados para realizar mais três lançamentos.  Fim da prova, o atleta que obtiver a maior distância num lançamento legítimo é declarado vencedor.
  • 49. Recorde Marca Atleta País Ano Masculino 98,48m Jan Železný República Checa 1996 Feminino 72,28m Barbora Špotáková República Checa 2008
  • 51. LANÇAMENTO DO DISCO  O atleta segura o disco plano contra os dedos da mão e o antebraço, gira sobre si mesmo rapidamente sob um círculo de 2,5 m de diâmetro localizado no chão chamado setor de lançamento e lança o disco ao ar estendendo o braço.
  • 52.  O setor de lançamento é todo envolto por uma grade, somente aberta na frente, chamada de "jaula", para proteger o público, demais atletas e árbitros.  O disco usado é um prato de metal com a forma de um círculo.  O masculina pesa 2 kg e o feminino 1 kg.
  • 53.  O lançamento não será válido se o lançador encostar ou ultrapassar a borda do setor de lançamento antes, durante ou depois do lançamento, ou se o disco sair da zona de lançamento.
  • 54.  As competições de lançamento de disco iniciam-se com três rondas de lançamentos para cada atleta.  Após esta fase, os oito melhores resultados são apurados para realizar mais três lançamentos.  Fim da prova, o atleta que obtiver a maior distância num lançamento legítimo é declarado vencedor.
  • 55. Recorde Marca Atleta País Ano Masculino 74,08m Jürgen Schult Alemanha 1986 Feminino 76,80m Gabriele Reinsch Alemanha 1988
  • 57. Arremesso de peso  O arremesso de peso começou nos Highland Games, na Escócia, onde os atletas arremessavam pedras, começou a fazer parte das olimpíadas apenas em 1896, em Atenas.  Robert Garret, atleta dos Estados Unidos, foi o primeiro campeão olímpico.  As mulheres começaram a competir nos jogos olímpicos apenas em 1948 e a francesa Micheline Ostermeyer foi campeã.
  • 58.  O recorde mundial está com Randy Barnes dos Estados Unidos que arremessou a marca de 23,12m, em 1987. Na prova feminina, Natalya Lisovskaya da União Soviética fez a marca de 22,63m, em 1987.  A bola usada no arremesso de peso masculino pesa 7,26kg, já a de arremesso de peso feminino pesa 4kg.
  • 59.  O atleta se locomove em uma área demarcada de aproximadamente 2m e só pode sair desta área quando o peso estiver parado.  Na fase classificatória os atletas arremessam três vezes, os oito melhores podem lançar mais três vezes, totalizando seis arremessos.  Para jogar é preciso apoiar o peso contra o pescoço, acima do nível do ombro e pressioná-lo até o momento do arremesso.
  • 60.  O competidor pode ser penalizado quando sair do circulo demarcado pela parte da frente, encostar na borda demarcada, arremessar fora da área permitida, segurar o peso a baixo do nível do ombro, demorar mais de 90s para arremessar ou não conseguir parar e perder o controle.  Existem várias técnicas para arremessar peso.  Dentre elas, de deslocamento lateral, linear e a de deslocamento em rotação.
  • 61.  O movimento de arremesso do peso deve ser feito seguindo as fases: preparação, deslocamento, posição de força, arremesso e recuperação.
  • 62.
  • 63.
  • 64. •Salto em comprimento ou salto em distância é uma modalidade olímpica de atletismo. •A prova tem uma longa tradição e apareceu pela primeira vez nos Jogos Olímpicos antigos como parte integrante do pentatlo. •Na antiguidade, os atletas saltavam com halteres nas mãos, para ajudar no balanço e elevar o momento. •O salto em comprimento esteve presente em todas as edições de Jogos Olímpicos da era moderna.
  • 65. A prova divide-se nas seguintes fases: •corrida: precisa ser em ritmo veloz, com passadas largas e sincronizadas para obter velocidade suficiente para a fase seguinte. •impulso: o atleta salta. •voo: o atleta voa sobre um substrato arenoso. •queda: deve ser realizada com as pernas estendidas para a frente, joelhos levemente flexionados e os braços também estendidos para frente.
  • 66. •Findo o salto, os oficiais da prova medem a distância percorrida pelo atleta durante o voo, desde a tábua de chamada até à primeira impressão feita pelo corpo do atleta na areia da caixa. •Os atletas são desqualificados sempre que pisem a tábua de chamada. •Hoje em dia, o bordo da tábua é coberto por plasticina para facilitar a decisão dos oficiais em casos dúbios.
  • 67. •Cada atleta tem direito a seis tentativas para atingir sua melhor marca. •Uma tentativa é considerada válida quando o competidor inicia o movimento do salto dando o último passo antes da linha que limita a área de corrida. •Caso o atleta dê seu último toque no solo antes do salto após a linha-limite, esse salto será invalidado.
  • 68. Outras causas de invalidação de um salto: caso o atleta toque, com qualquer parte do corpo, a área posterior à linha de medição localizada na barra de impulsão; toque o lado da tábua de impulsão; toque o solo fora da caixa de areia no momento em que cair; caminhe pela caixa de areia após o salto; dê um salto mortal.
  • 69.
  • 70. Esta modalidade desportiva consiste em ultrapassar, em altura, uma fasquia, apoiada em duas barras, com a ajuda de uma vara para elevar o corpo. O atleta, apesar de poder roçar ou tocar na fasquia, vê o seu salto invalidado se a fizer cair. O atleta corre numa pista empunhando uma longa vara que espeta numa espécie de caixa no solo - o pontão de chamada é colocado antes do obstáculo e tenta com a impulsão ultrapassar a fasquia colocada a determinada altura.
  • 71.  Dispõe de três tentativas para a transpor e se não o conseguir é eliminado da prova.  Na Grécia Antiga e em Creta já existia uma espécie de salto à vara, só que então o obstáculo a ultrapassar era um touro.  Os celtas também usavam varas para saltar, mas aqui com o objetivo de chegar mais longe e não mais alto.
  • 72. •A transformação definitiva em salto vertical aconteceu em finais do século XVIII, na Alemanha, nas provas de ginástica. •Foi incluído no programa de atletismo da primeira edição dos Jogos Olímpicos da era moderna, que tiveram lugar em Atenas em 1896. •A grande figura internacional do salto à vara é o ucraniano Sergei Bubka, várias vezes recordista mundial, que atingiu em 1994 a marca de 6,14 metros.
  • 73. Até o início do século XX, as varas eram feitas de bambu ou madeira e, posteriormente, passaram a ser feitas de alumínio. Atualmente, as varas modernas são feitas de fibra de carbono ou fibra de vidro. Estas mudanças geraram grande diminuição do peso da vara e maior flexibilidade, e graças a estes avanços os recordes de salto com vara tornaram-se cada vez mais altos.
  • 74.
  • 75. 1º Corrida: O atleta acelera pela pista levando a vara para o alto. 2º Impulsão: A velocidade diminui ao baixar a vara para fincá-la na caixa de apoio 3º Vôo: O impulso para a frente e a flexibilidade da vara lançam o atleta para cima. 4º Queda: Superando o sarrafo, o atleta estica as pernas, gira o corpo, e amortece a queda.
  • 76.
  • 77. O salto em altura é uma especialidade do atletismo que consiste em ultrapassar, sem derrubar, uma fasquia apoiada em duas barras que estão colocadas a uma distância de cerca de quatro metros uma da outra. Se a barra for derrubada, o salto é anulado. O atleta tem de correr e fazer o impulso para o salto só com um pé apoiado no chão.
  • 78.  Cada atleta dispõe de três tentativas para ultrapassar a fasquia.  Se não o fizer é eliminado.  A altura da fasquia é alterada consoante a capacidade dos atletas e os recordes estabelecidos.
  • 79. Os atletas utilizam, atualmente, o salto de estilo Fosbury para vencer a fasquia, que consiste em fazer passar primeiro a cabeça, de costas para o obstáculo, depois os ombros e finalmente as pernas, desenhando um arco com o corpo. Este estilo apareceu nos Jogos Olímpicos de 1968, no México, e foi introduzido pelo norte-americano Richard Fosbury, que acabou por ganhar a medalha de ouro.
  • 80.  Este estilo só resultou na época porque o pavimento onde caíam os atletas foi substituído.  Até aí, era composto por serrim, mas foi substituído por uma espécie de colchão, que permitia aos saltadores cair de costas, ou de ombros.  A versão feminina desta prova de atletismo surgiu nos Jogos de Amesterdão, em 1928.
  • 81.
  • 82.
  • 83. O Salto Triplo é uma combinação de três saltos sucessivos que terminam com a queda numa caixa de areia. A prova inicia-se com uma corrida de impulso. O salto começa com o contacto da perna de impulsão tocando o solo; segue-se uma pequena flexão da perna de impulsão; nesse momento a perna de impulsão sofre grande pressão, sendo que quanto maior o ângulo maior a pressão.
  • 84.  O movimento é chamado de patada, onde o saltador faz um movimento brusco com a perna para trás e para cimal.  Na fase de voo, deve-se corrigir o equilíbrio através da rotação horizontal dos braços.
  • 85. •Ordem de tentativa dos competidores deve ser sorteada; •Mais de oito competidores; •3 tentativas - classificatórias; •3 tentativas - finais (8 melhores na ordem inversa); •O salto consiste em uma impulsão, uma passada e um salto, nesta ordem; •O salto de impulsão feito em um pé só, será feito de modo que caia sobre o mesmo pé, para a passada, caindo com o outro pé para a realização do salto;
  • 86. • Todos os saltos devem ser medidos a partir do ponto de queda mais próximo à tábua de impulsão. • Medição perpendicular à linha ou ao seu prolongamento; • A cada competidor será creditado o melhor de seus saltos, incluindo aqueles realizados durante o desempate de um primeiro lugar.
  • 87.
  • 88.
  • 89. Masculino Feminino J. Edwards I. Kravets Reino Unido Ucrânia 18,29 m 15,50 m
  • 90. Masculino Feminino R. Lavillenie Y. Isimbayeva França Rússia 6,16 m 5,06 m
  • 91. Masculino Feminino M. Powell G. Chistyakova EUA União Soviética 8,95 m 7,52 m
  • 92. Masculino Feminino J. Sotomayor S. Kosadinova Cuba Bulgária 2,45 m 2,09 m