SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEM NO
PRÉ-NATAL/PARTO
Enf Mary de Cássia
REGULAMENTAÇÃO DO
EXERCÍCIO PROFISSIONAL
 Baseado na Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986,
que dispõe sobre a regulamentação do exercício da
Enfermagem, do Decreto nº 94.406, de 08 de junho
de 1987, o qual regulamenta a Lei nº 7.498, e da
resolução COFEN nº 271/2002 que a reafirma, diz:
“ o pré-natal de baixo risco pode ser
inteiramente acompanhado pela
enfermeiro(a) (MS, Brasília 2000).”
Resolução COFEN Nº 271/2002
 Art.1º - É ação da Enfermagem, quando
praticada pelo Enfermeiro, como integrante da
equipe de saúde, a prescrição de
medicamentos
 Art.2º - Os limites legais, são os Programas de
Saúde Pública e rotinas que tenham sido
aprovadas em Instituições de Saúde, pública
ou privada.
Resolução COFEN Nº 271/2002
 Art. 3º - O Enfermeiro tem autonomia na escolha dos
medicamentos e respectiva posologia, respondendo
integralmente pelos atos praticados
 Art 4º - O Enfermeiro pode solicitar exames de rotina e
complementares Resolução COFEN nº 195/1997
 Art. 5º - O Enfermeiro pode receber o cliente para efetuar a
consulta de Enfermagem. Com o objetivo de conhecer /
intervir, sobre os problemas / situações / doença.
IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL
 Sabe-se que um pré-natal inadequado é
espelho dos altos índices de
morbimortalidade, uma vez que 90% das
causas de morte materna diretas são
evitáveis no pré-natal e menos de 10%
morrem de causas indiretas.
OBJETIVO DO PRÉ NATAL
 O principal objetivo de pré-natal é prestar
assistência à mulher desde o início de sua
gravidez, onde ocorrem mudanças físicas e
emocionais e que cada gestante vivencia de
forma distinta.
 A assistência ao pré-natal é o primeiro passo
para o parto e nascimento humanizados.
IMPORTÂNCIA DA CONSULTA
PRÉ-NATAL
 A consulta de pré-natal envolve
procedimentos bastante simples, podendo o
profissional de saúde dedicar-se a escutar
as demandas da gestante, transmitindo
nesse momento o apoio e confiança
necessários para que ela se fortaleça e
possa conduzir com mais autonomia a
gestação e parto.
Adesão ao Pré-Natal
 Está demonstrado que a adesão das
mulheres ao pré-natal está relacionada:
 Com a qualidade de assistência prestada
pelo serviço e pelos profissionais de saúde,
o que, em última análise, será essencial para
redução dos elevados índices de
mortalidade materna e perinatal verificados
no Brasil.
Assistência Integral à Saúde
da Mulher
 A assistência pré-natal deve ser organizada
para atender às reais necessidades da
população de gestantes, mediante utilização
dos conhecimentos técnico-científicos
existentes e dos meios e recursos
disponíveis mais adequados para cada caso.
ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE
PROTOCOLOS
 A elaboração e implantação de protocolos
fazem-se necessárias no atendimento ao
pré-natal, realizado por enfermeiros e
médicos, despontando como um caminho
fundamental a ser percorrido, para o avanço
na saúde materno infantil.
FINALIDADE DA PRIMEIRA
CONSULTA DE ENFERMAGEM
 Tem como objetivo: acolher a mulher
respeitando sua condição emocional em
relação à atual gestação,
 esclarecer suas dúvidas, medos, angustias
ou simplesmente curiosidade em relação a
este novo momento em sua vida;
 identificação e classificação de riscos;
 confirmação de diagnóstico;
 adesão ao pré natal e educação para saúde
estimulando o auto cuidado.
ROTEIRO PARA A PRIMEIRA
CONSULTA
 Levantamento de prontuário antes da gestante entrar
no consultório – avaliar: realidade socioeconômica,
condições de moradia, composição familiar e
antecedentes
 Esclarecer a gestante que seu acompanhante
poderá participar de seu atendimento, se o desejar,
 Levantar as expectativas da gestante com relação ao
atendimento
 Identificar as experiências anteriores.
 Utilização da Sistematização de Assistência de
Enfermagem (SAE): entrevista com preenchimento da
ficha obstétrica;
- realização do exame físico geral e específico;
- registro dos achados, diagnósticos ou levantamento
de enfermagem;
- prescrição de enfermagem ou plano de cuidado
SOLICITAÇÃO DE EXAMES E
ENCAMINHAMENTOS
 Solicitação de US Obstétrico (1º e 3º trimestre ou
quando se fizer necessário)
 Agendamento do primeiro grupo
 Agendamento da primeira consulta médica
 Agendamento da coleta de citologia oncótica
 Orientações de acordo com os achados, com atenção
ao calendário vacinal
 Preenchimento do cartão da gestante
 Encaminhamento ao serviço odontológico s/n
 Encaminhar as situações de urgência e emergência
(sangramento, rotura de bolsa amniótica, trabalho de
parto prematuro, hipertensão grave, etc) diretamente
ao hospital de referência.
CONSULTAS SUBSEQUENTES
 Revisão da ficha obstétrica e anamnese atual
 Anotação da idade gestacional
 Controle do calendário vacinal
 Exame físico geral e gineco-obstétrico
 Determinação do peso
 Calcular o ganho de peso, anotar no gráfico e
observar o sentido da curva para avaliação do
estado nutricional
 Aferição da pressão arterial
 Inspeção das mamas
 Palpação obstétrica e medida da altura e
circunferência uterina
 Anotar no gráfico e avaliar o crescimento fetal
através do sentido da curva (após 16ª semana).
 Ausculta dos batimentos cardiofetais
 Pesquisa de edema
 Interpretação de exames laboratoriais e encaminhar
para avaliação médica se necessário
 Solicitar VDRL, HIV,Urina I e Glicemia de jejum nos
três trimestres.
 Acompanhamento das condutas adotadas
 Orientar sobre os métodos contraceptivos
 Abordagem sobre a dinâmica familiar
 Abordagem sobre a situação trabalhista da gestante
 Orientar sobre: alimentação; mudanças do corpo;
higiene
 Agendamento do retorno conforme o fluxograma ou
com a necessidade.
EXAMES DE ROTINA
 Hemoglobina (Hb)
 PPF (protoparasitológico de fezes)
 Urina I
 Glicemia em jejum
 Tipagem sanguínea com fator Rh
Quando Rh negativo - solicitar Coombs
Indireto,
se negativo - repeti-lo a cada 4 semanas a
partir da 24ª semana.
se positivo – referir ao pré natal de alto
risco
Sorologias:
 Toxoplasmose
 HIV (esclarecimento e concordância verbal)
 Hepatite B
 Rubéola
 Lues (VDRL)
GRUPOS DURANTE O PRÉ
NATAL
 Mudanças fisiológicas do
corpo
 Evolução do feto
 Sexualidade
 Aspectos emocionais
 Atividade física
 Alimentação
 Auto cuidado e auto estima
 Trabalhar mitos e tabus com
a gestante e com a família
 Direitos trabalhistas
 Imunização
 Amamentação
 Cuidados com o RN
 Sinais do parto
 Tipos de parto
 Puerpério
 Planejamento Familiar
 Gestantes vítimas de
violência
 Gravidez na adolescência
 Depressão pós parto
ABORDAR OS SEGUINTES ASPECTOS:
QUEIXAS MAIS FREQUÊNTES NA
GESTAÇÃO
 NÁUSEAS E VÔMITOS
 PIROSE
 FRAQUEZAS E
DESMAIOS
 CÓLICAS,
FLATULENCIA E
OBSTIPAÇÃO
INTESTINAL
 HEMORRÓIDAS
 CORRIMENTO
VAGINAL
 QUEIXAS URINÁRIAS
 DIFICULDADE PARA
RESPIRAR, FALTA DE
 DOR NAS MAMAS
 DOR LOMBAR
 CEFALÉIA
 EPÚLIDA
(SANGRAMENTO NAS
GENGIVAS)
 VARIZES
 CÃIMBRAS
 CLOASMA GRAVÍDICO
 ESTRIAS
PRESCRIÇÃO DE
MEDICAMENTOS PADRONIZADOS
NO PRÉ NATAL
 Segundo o Ministério da Saúde(2000)
 Ácido fólico 5 mg 1 comprimido ao dia até a 14ª
semana
 Sulfato ferroso de acordo com resultado de Hb:
 Se Hb > 11g/dl – à partir da 20ª semana/ sem anemia
 300mg – 1 drágea ao dia 30 minutos antes da
refeição, com suco cítrico preferencialmente
 Se Hb < 11 g/dl e 8 g/dl – anemia leve e moderada
 300 mg – 1 drágea três vezes ao dia
PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO
 Para o pré-natal de baixo risco é proposto
um mínimo de 6 consultas como preconiza o
Ministério da Saúde.
 As consultas deverão ser
intercaladas entre médicos e
enfermeiros, respeitando o risco
obstétrico de cada paciente.
A CONSULTA DE ENFERMAGEM
 –Individual-, onde será preenchido o
prontuário da gestante do Ambulatório,
constando:
 História clínica e obstétrica, cálculo da
idade gestacional e data provável do parto,
avaliação de risco gestacional, exame físico
e obstétrico, Pressão Arterial, peso,
estatura, altura uterina, avaliação das
mamas e orientação ao preparo para
amamentação, orientação aos cuidados com
a pele, ausculta dos batimentos cardio
fetais, identificar e orientar sobre as
queixas mais freqüentes.
NORMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
AVALIAÇÃO DE RISCO
 CRITÉRIOS QUE DEFINEM
UM PRÉ-NATAL DE RISCO
E QUE NECESSITAM SER
ACOMPANHADAS E
ENCAMINHADAS PARA O
MÉDICO
PRÉ-NATAL DE RISCO
 Antecedentes de mortalidade perinatal
 Antecedentes de mal formação congênita
 Antecedentes de prematuridade
 Antecedentes de parto prematuro e / ou
morte intra-útero
 Aborto habitual
PRÉ-NATAL DE RISCO
 Retardo de crescimento intra-
uterino (RCIU).
 Diabetes gestacional
 Hipertensão arterial (sistólica >
3mmHg e diastólica > 1,5mmHg em
relação à PA Basal)
 Cardiopatias
 Gestante com idade menor de 16
anos ou maior de 35 anos  Excesso de ganho de peso durante a
gestação
 Desnutrição, anemia.
 Toxoplasmose, Rubéola , sífilis e HIV
na gestação
 Síndrome hemorrágica na gravidez
 Pneumopatias na gestação
 Nefropatias
 Alcoolismo Crônico
 Gemelaridade
 Incompetência istmo
cervical
ENVOLVIMENTO FAMILIAR
ASSISTÊNCIA NO PRÉ-PARTO,
PARTO E PUERPÉRIO
Assistência no Período Pré-parto –
Parto e Puerpério – Hospitalar
Admissão da gestante no Centro Obstétrico
 Informar a rotina do serviço para gestante seus
familiares;
 Acolher e acompanhar a gestante até a sala do
Pré parto;
 Orientar sobre a conduta da assistência conforme
caso clínico(ITU, TP, etc.).
Assistência no período Pré-
Parto
Assistência de Enfermagem
 Verificar dados vitais;
 Proceder registro: referente do motivo da
internação: perda de líquido, contrações, dor em
baixo ventre, etc.
 Realizar exames de rotina: VDRL, HIV, etc.
 Encaminhar exames.
Assistência no Período Pré-
Parto – Parto e Puerpério –
Hospitalar
 Promover um ambiente com privacidade, tranqüilo
e seguro para a parturiente e seu acompanhante;
 Estimular deambulação;
 Promover técnicas de relaxamento(banho,
exercícios, etc);
 Realizar massagens ou orientar acompanhante a
realizar;
 Buscar técnicas para alivio da dor;
 Manter diálogos durante os procedimentos.
Assistência no Período Pré-
Parto – Parto e Puerpério –
Hospitalar
Monitorar:
 Sinais Vitais – (PA, Pulso, Temperatura e FC)
 Perda de líquido via vaginal (urina, líquido
amniótico ou sangramento);
 Intensidade da queixa da dor;
 Administração de medicamento (conforme
prescrição médica).
Assistência no período Pré-
Parto – Parto e Puerpério –
Hospitalar
Período Expulsivo
 Acompanhar a gestante para sala de parto;
 Ficar ao lado da gestante – nunca deixá-la
sozinha;
 Manter a sala aquecida à 23 a 26ºC
 Orientar a gestante quanto ao período expulsivo;
Assistência no Período Pré-
Parto – Parto e Puerpério –
Hospitalar
 Após o nascimento do RN realizar contato pele a
pele;
 Incentivar aleitamento materno.
 Parabenizar a paciente;
 Anotar as observações e procedimentos
realizados;
 Anotar horário de nascimento;
Assistência no Período Pré-
Parto – Parto e Puerpério –
Hospitalar
 Observar perda sanguínea;
 Controlar venóclise e adminstração de
medicamento(ocitocina, methergin, etc.);
 Manter aquecida a puérpera.
AS PRINCIPAIS
COMPLICAÇÕES DO
PUERPÉRIO
Hemorragias;
Infecção Puerperal;
Tromboflebites;
Mastite;
Infecções do Trato Urinário.
Atenção nas Hemorragias
Pós Parto
Hemorragia: É toda perda de sangue maior que
500ml no parto normal ou maior 1000ml na
cesariana após o parto.
Atenção à instabilidade hemodinâmica.
Causas da Hemorragias Pós Parto:
Atonia Uterina;
Lacerações de trajetos;
Restos Placentários;
Coagulopatias.
Prevenção nas Hemorragias
Pós Parto
 Realizar higiene;
 Encaminhar a puérpera para sala de
recuperação;
 Monitorar SSVV – 15 a 15 minutos;
 Avaliar tônus uterino;
 Observar sangramento: vaginal, incisão
cirúrgica;
Prevenção nas Hemorragias
Pós Parto
 Monitorar sangramento vagina (controle de forros
utilizados);
 Solicitar avaliação da equipe especializada com
urgência, caso sangramento ativo.
 Oferecer oxigênio por máscara/cateter(5itros por
minutos);
 Instalar 2 acesso venoso calibroso, 16G ou 18G;
Prevenção nas Hemorragias
Pós Parto
 Coletar exames solicitados;
 Encaminhar exames solicitados com urgências;
 Realizar cateterismo vesical de demora;
 Prevenir hipotermia;
 Monitorar resposta clínica.
INFECÇÃO PUERPERAL
A Organização Mundial da Saúde – OMS, só considera infecção
puerperal o aumento de temperatura de 38º C, verificando pelo
menos 4 vezes ao dia durante 2 dias, isto contando aos10
primeiros dias do puerpério, com exceção das primeiras 24 horas.
- Streptococos; Gonococos Bacílos
Prevenção: Uso de técnicas assépticas, Acompanhamento pré-natal,
Uso de material estéril, Pessoal permanente na sala de parto e
cuidados específicos à gestantes com Bolsa Rota.
Assistência de Enfermagem no
Puerpério
• Acolher puérpera no Alojamento Conjunto
(identificação mãe/bebe);
• Avaliar condições físicas e emocionais;
• Controle de sinais Vitais 6/6hs;
• Observar sangramento(vaginal e cicatriz
cirúrgica);
Assistência de Enfermagem no
Puerpério
• Monitor eliminações urinária e intestinal;
• Auxiliar no Aleitamento materno;
• Acompanhar higienização.
• Registrar procedimentos, queixas e
medicamentos.
• Manter mãe e RN aquecido;
Assistência de Enfermagem no
Puerpério
• Orientar mãe sobre cuidados do RN em casa;
• Ensinar á mãe medidas preventivas e os sinais
de perigos para retorno imediato ;
• Orientar o testes: pezinho, olhinho, orelhinha e
coraçãozinho.
ATENÇÃO NO PUERPÉRIO
 A atenção à mulher e ao recém-nascido no pós parto
imediato e nas primeiras semanas após o parto é
fundamental para a saúde materna e neonatal.
 A Equipe da Atenção Primária à Saúde deverá
realizar visita domiciliar na primeira semana após
o parto e nascimento (até o 5º dia), para
acompanhamento da puérpera e da criança;
AVALIAÇÃO DA PUERPERA
• Verificar SSVV;
• Avaliar o estado psíquico da mulher;
• Observar pele, mucosas, presença de edema, cicatriz (PN
episiotomia, ou laceração, CST avaliar cicatriz cirúrgica) e membros
inferiores.
• Avaliar mamas, abdômen, períneo e genitália;
• Observar a formação de vínculo entre mãe e filho;
• Observar e avaliar a mamada para garantir um posicionamento
adequando;
COMPETÊNCIAS DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS):
 Cadastrar as famílias da sua microarea, identificando precocemente gestantes e crianças
 Captar as gestantes da sua área de atuação e encaminhá-las à UBS/UAPSF para a
inscrição no Pré – natal
 Orientar as gestantes de sua área de atuação sobre a importância de iniciar
precocemente o pré-natal, priorizando aquelas em situações de risco.
 Auxiliar a equipe de saúde no monitoramento da gestante através da visita domiciliar,
priorizando as gestantes de risco.
 Realizar busca ativa de gestantes e crianças que não comparecem na UBS para o seu
acompanhamento
 Captar as puérperas para consultas pós-parto, priorizando as puérperas com risco
reprodutivo.
 Realizar visita domiciliar precoce para os recém-nascidos que tiveram alta hospitalar.
 Incentivar o aleitamento materno exclusivo – ACS “amigo do peito”.
 Garantir o retorno das crianças para vacinações e controle de puericultura.
 Acompanhar todas as crianças de risco durante o primeiro ano de vida, informando a
equipe sinais de risco social, biológico e clinico e/ou situações de risco de violência.
COMPETE A EQUIPE DE SAÚDE
 Conhecer as micro-áreas de risco, com base os dados demográficos, sócios econômicos, culturais, meio
ambientes e morbi-mortalidade coletados através do cadastramento.
 Acompanhar as famílias da micro-área de risco em suas casas (visita domiciliar), na UBS (atendimento),
em associações, escolas, ONGs, entre outras, visando estabelecer parcerias, auxiliando na busca por
uma melhor qualidade de vida para a comunidade.
 Estabelecer a programação das atividades de prevenção, de educação em saúde e de assistência, a partir
dos problemas priorizados, dos objetivos a serem atingidos, das atividades a serem realizadas, das metas
a serem alcançadas, dos recursos necessários e do tempo despendido com tais atividades.
 Identificar a presença de fatores de risco para a gestante e o feto, através dos antecedentes familiares e
pessoais, com as famílias das micro-áreas definidas como risco social.
 Cadastrar e alimentar o SISPRENATAL.
 Realizar visita domiciliar precoce para puérperas e os recém-nascidos que tiveram alta hospitalar até o 5º
dia, e, agendar consulta na UBS/UAPSF.
 Realizar atendimento domiciliar (avaliação, execução de procedimentos, tratamento supervisionado,
orientação, etc) das gestantes, puérperas e crianças da micro-área por profissionais da equipe de saúde.
 Assistir as gestantes, puérperas e crianças, através de atendimento programado e/ou intercorrências, e
monitoramento dos casos de risco.
 Acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança, programando as consultas necessárias,
incluindo consulta odontológica para o bebê.
 Acompanhar a criança de risco até um ano de vida.
 Incentivar o aleitamento materno exclusivo e o retorno das crianças para vacinações e controle de
puericultura.
COMPETÊNCIAS DA UBS
A equipe da UBS é responsável pela assistência à gestante e as crianças
residentes na sua área de abrangência e deve:
 Inscrever a gestante no pré - natal;
 Vincular as gestantes no hospital/maternidade, de acordo com sua estratificação de risco;
 Solicitar os exames de rotina da Rede Mãe Paranaense e agendar consulta médica em
sete dias para avaliação dos resultados
 Realizar as consultas de pré – natal conforme cronograma, avaliando em cada consulta
possíveis alterações e mudança na classificação de risco;
 Imunizar as gestantes conforme protocolo;
 Imunizar as crianças conforme calendário de vacinação;
 Realizar busca ativa, através de visita domiciliar e analisar as dificuldades de acesso às
consultas ou exames preconizados e o controle do uso efetivo da terapêutica instituída
para cada caso.
 Encaminhar, através da Central de Regulação, e monitorar as gestantes de risco para o
ambulatório de referência para gestação de risco;
 Encaminhar as crianças menores de 1 ano de risco para o ambulatório de referência,
conforme o protocolo;
 Realizar consultas de puerpério para todas as gestantes, orientando a contracepção, o
aleitamento materno e os cuidados com o bebê.
 Realizar atividades educativas para a gestante e crianças de risco e familiares.
COMPETÊNCIA DOS HOSPITAIS / MATERNIDADES VINCULADAS
 Disponibilizar visita os hospital / maternidade durante o pré-natal às gestantes
a eles vinculadas.
 Garantir assistência às intercorrências e emergências que ocorrerem durante
a gestação, parto e puerpério.
 Garantir assistência às intercorrências que não puderem ser atendidas pela
UBS;
 Garantir a assistência ao pré-parto, parto, puerpério e ao recém-nascido de
acordo com os “Dez Passos para a Atenção Humanizada ao Parto”,
recomendados pela Organização Mundial da Saúde.
 Fazer a estratificação do Risco do recém-nascido.
 Realizar imunizações nos recém-nascidos
 Realizar a classificação de risco do bebê e encaminhar a UBS para
acompanhamento.
MAPA ESTRATÉGICO REDE MÃE PARANAENSE
FINANCEIRA
Implantar incentivo financeiro para os municípios que aderirem à Rede Mãe Paranaense e realizarem o
acompanhamento das gestantes e crianças, conforme critérios estabelecidos
Implantar Incentivo da Qualidade ao Parto para os hospitais de referência com garantia da vinculação do parto
O maior valor que podemos oferecer ao cidadão
sandominguense é garantir que a vida que nasce no
São Domingos , nasça com Saúde.
OBRIGADA!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
HIURYGOMES
 
Assistência ao parto, puerpério e abortamento febrasgo 2010
Assistência ao parto, puerpério e abortamento   febrasgo 2010Assistência ao parto, puerpério e abortamento   febrasgo 2010
Assistência ao parto, puerpério e abortamento febrasgo 2010
Melayne de Almeida
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
Professor Robson
 
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Centro Universitário Ages
 
Politica mulher
Politica mulherPolitica mulher
Politica mulher
Simon Oliveira
 
Saúde Mental Perinatal
Saúde Mental PerinatalSaúde Mental Perinatal
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
SMS - Petrópolis
 
Gestantes
GestantesGestantes
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBPNASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Assistencia pré natal
Assistencia pré natalAssistencia pré natal
Assistencia pré natal
alinebrauna
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
Gláucia Marchini
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
Nayara Wanderley
 
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestãoPREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (19)

Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 
Assistência ao parto, puerpério e abortamento febrasgo 2010
Assistência ao parto, puerpério e abortamento   febrasgo 2010Assistência ao parto, puerpério e abortamento   febrasgo 2010
Assistência ao parto, puerpério e abortamento febrasgo 2010
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
Assistência Pré-Natal (Davyson Sampaio Braga)
 
Alojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagensAlojamento conjunto indicações e vantagens
Alojamento conjunto indicações e vantagens
 
Politica mulher
Politica mulherPolitica mulher
Politica mulher
 
Saúde Mental Perinatal
Saúde Mental PerinatalSaúde Mental Perinatal
Saúde Mental Perinatal
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 
Gestantes
GestantesGestantes
Gestantes
 
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBPNASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
NASCER PREMATURO: Manual de Orientação aos Pais, Familiares e Cuidadores - SBP
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Assistencia pré natal
Assistencia pré natalAssistencia pré natal
Assistencia pré natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
 
Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5Condutas no pré natal 5
Condutas no pré natal 5
 
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestãoPREMATURIDADE -  prevenção através da ações de assistência e gestão
PREMATURIDADE - prevenção através da ações de assistência e gestão
 

Semelhante a Assist enf prenatal

enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
Soma Urbanismo
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
HIURYGOMES
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
HIURYGOMES
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
Eliete Santos
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Gustavo Henrique
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Osmarino Gomes Pereira
 
25gestacao alto risco
25gestacao alto risco25gestacao alto risco
25gestacao alto risco
Mabel Salas
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Professor Robson
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
DonCorleone22
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
Livia Santana
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
jgbkjbjhvhchgfcgh
 
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Centro Universitário Ages
 
Caso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termoCaso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termo
Osmarino Gomes Pereira
 
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Tania Fonseca
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
EllenSantos73107
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde

Semelhante a Assist enf prenatal (20)

enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Pré-natal.pdf
Pré-natal.pdfPré-natal.pdf
Pré-natal.pdf
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
 
25gestacao alto risco
25gestacao alto risco25gestacao alto risco
25gestacao alto risco
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
 
Caso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termoCaso Clinico NR pré-termo
Caso Clinico NR pré-termo
 
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
 
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
Apresentacao Perinatal 2007 Final 2 1
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 

Último

Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 

Último (11)

Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 

Assist enf prenatal

  • 2. REGULAMENTAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL  Baseado na Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem, do Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987, o qual regulamenta a Lei nº 7.498, e da resolução COFEN nº 271/2002 que a reafirma, diz: “ o pré-natal de baixo risco pode ser inteiramente acompanhado pela enfermeiro(a) (MS, Brasília 2000).”
  • 3. Resolução COFEN Nº 271/2002  Art.1º - É ação da Enfermagem, quando praticada pelo Enfermeiro, como integrante da equipe de saúde, a prescrição de medicamentos  Art.2º - Os limites legais, são os Programas de Saúde Pública e rotinas que tenham sido aprovadas em Instituições de Saúde, pública ou privada.
  • 4. Resolução COFEN Nº 271/2002  Art. 3º - O Enfermeiro tem autonomia na escolha dos medicamentos e respectiva posologia, respondendo integralmente pelos atos praticados  Art 4º - O Enfermeiro pode solicitar exames de rotina e complementares Resolução COFEN nº 195/1997  Art. 5º - O Enfermeiro pode receber o cliente para efetuar a consulta de Enfermagem. Com o objetivo de conhecer / intervir, sobre os problemas / situações / doença.
  • 5. IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL  Sabe-se que um pré-natal inadequado é espelho dos altos índices de morbimortalidade, uma vez que 90% das causas de morte materna diretas são evitáveis no pré-natal e menos de 10% morrem de causas indiretas.
  • 6. OBJETIVO DO PRÉ NATAL  O principal objetivo de pré-natal é prestar assistência à mulher desde o início de sua gravidez, onde ocorrem mudanças físicas e emocionais e que cada gestante vivencia de forma distinta.  A assistência ao pré-natal é o primeiro passo para o parto e nascimento humanizados.
  • 7. IMPORTÂNCIA DA CONSULTA PRÉ-NATAL  A consulta de pré-natal envolve procedimentos bastante simples, podendo o profissional de saúde dedicar-se a escutar as demandas da gestante, transmitindo nesse momento o apoio e confiança necessários para que ela se fortaleça e possa conduzir com mais autonomia a gestação e parto.
  • 8. Adesão ao Pré-Natal  Está demonstrado que a adesão das mulheres ao pré-natal está relacionada:  Com a qualidade de assistência prestada pelo serviço e pelos profissionais de saúde, o que, em última análise, será essencial para redução dos elevados índices de mortalidade materna e perinatal verificados no Brasil.
  • 9. Assistência Integral à Saúde da Mulher  A assistência pré-natal deve ser organizada para atender às reais necessidades da população de gestantes, mediante utilização dos conhecimentos técnico-científicos existentes e dos meios e recursos disponíveis mais adequados para cada caso.
  • 10. ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLOS  A elaboração e implantação de protocolos fazem-se necessárias no atendimento ao pré-natal, realizado por enfermeiros e médicos, despontando como um caminho fundamental a ser percorrido, para o avanço na saúde materno infantil.
  • 11. FINALIDADE DA PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM  Tem como objetivo: acolher a mulher respeitando sua condição emocional em relação à atual gestação,  esclarecer suas dúvidas, medos, angustias ou simplesmente curiosidade em relação a este novo momento em sua vida;  identificação e classificação de riscos;  confirmação de diagnóstico;  adesão ao pré natal e educação para saúde estimulando o auto cuidado.
  • 12. ROTEIRO PARA A PRIMEIRA CONSULTA  Levantamento de prontuário antes da gestante entrar no consultório – avaliar: realidade socioeconômica, condições de moradia, composição familiar e antecedentes  Esclarecer a gestante que seu acompanhante poderá participar de seu atendimento, se o desejar,  Levantar as expectativas da gestante com relação ao atendimento  Identificar as experiências anteriores.  Utilização da Sistematização de Assistência de Enfermagem (SAE): entrevista com preenchimento da ficha obstétrica; - realização do exame físico geral e específico; - registro dos achados, diagnósticos ou levantamento de enfermagem; - prescrição de enfermagem ou plano de cuidado
  • 13. SOLICITAÇÃO DE EXAMES E ENCAMINHAMENTOS  Solicitação de US Obstétrico (1º e 3º trimestre ou quando se fizer necessário)  Agendamento do primeiro grupo  Agendamento da primeira consulta médica  Agendamento da coleta de citologia oncótica  Orientações de acordo com os achados, com atenção ao calendário vacinal  Preenchimento do cartão da gestante  Encaminhamento ao serviço odontológico s/n  Encaminhar as situações de urgência e emergência (sangramento, rotura de bolsa amniótica, trabalho de parto prematuro, hipertensão grave, etc) diretamente ao hospital de referência.
  • 14. CONSULTAS SUBSEQUENTES  Revisão da ficha obstétrica e anamnese atual  Anotação da idade gestacional  Controle do calendário vacinal  Exame físico geral e gineco-obstétrico  Determinação do peso  Calcular o ganho de peso, anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do estado nutricional  Aferição da pressão arterial  Inspeção das mamas  Palpação obstétrica e medida da altura e circunferência uterina  Anotar no gráfico e avaliar o crescimento fetal através do sentido da curva (após 16ª semana).  Ausculta dos batimentos cardiofetais
  • 15.  Pesquisa de edema  Interpretação de exames laboratoriais e encaminhar para avaliação médica se necessário  Solicitar VDRL, HIV,Urina I e Glicemia de jejum nos três trimestres.  Acompanhamento das condutas adotadas  Orientar sobre os métodos contraceptivos  Abordagem sobre a dinâmica familiar  Abordagem sobre a situação trabalhista da gestante  Orientar sobre: alimentação; mudanças do corpo; higiene  Agendamento do retorno conforme o fluxograma ou com a necessidade.
  • 16. EXAMES DE ROTINA  Hemoglobina (Hb)  PPF (protoparasitológico de fezes)  Urina I  Glicemia em jejum  Tipagem sanguínea com fator Rh Quando Rh negativo - solicitar Coombs Indireto, se negativo - repeti-lo a cada 4 semanas a partir da 24ª semana. se positivo – referir ao pré natal de alto risco
  • 17. Sorologias:  Toxoplasmose  HIV (esclarecimento e concordância verbal)  Hepatite B  Rubéola  Lues (VDRL)
  • 18. GRUPOS DURANTE O PRÉ NATAL  Mudanças fisiológicas do corpo  Evolução do feto  Sexualidade  Aspectos emocionais  Atividade física  Alimentação  Auto cuidado e auto estima  Trabalhar mitos e tabus com a gestante e com a família  Direitos trabalhistas  Imunização  Amamentação  Cuidados com o RN  Sinais do parto  Tipos de parto  Puerpério  Planejamento Familiar  Gestantes vítimas de violência  Gravidez na adolescência  Depressão pós parto ABORDAR OS SEGUINTES ASPECTOS:
  • 19. QUEIXAS MAIS FREQUÊNTES NA GESTAÇÃO  NÁUSEAS E VÔMITOS  PIROSE  FRAQUEZAS E DESMAIOS  CÓLICAS, FLATULENCIA E OBSTIPAÇÃO INTESTINAL  HEMORRÓIDAS  CORRIMENTO VAGINAL  QUEIXAS URINÁRIAS  DIFICULDADE PARA RESPIRAR, FALTA DE  DOR NAS MAMAS  DOR LOMBAR  CEFALÉIA  EPÚLIDA (SANGRAMENTO NAS GENGIVAS)  VARIZES  CÃIMBRAS  CLOASMA GRAVÍDICO  ESTRIAS
  • 20. PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS NO PRÉ NATAL  Segundo o Ministério da Saúde(2000)  Ácido fólico 5 mg 1 comprimido ao dia até a 14ª semana  Sulfato ferroso de acordo com resultado de Hb:  Se Hb > 11g/dl – à partir da 20ª semana/ sem anemia  300mg – 1 drágea ao dia 30 minutos antes da refeição, com suco cítrico preferencialmente  Se Hb < 11 g/dl e 8 g/dl – anemia leve e moderada  300 mg – 1 drágea três vezes ao dia
  • 21. PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO  Para o pré-natal de baixo risco é proposto um mínimo de 6 consultas como preconiza o Ministério da Saúde.  As consultas deverão ser intercaladas entre médicos e enfermeiros, respeitando o risco obstétrico de cada paciente.
  • 22. A CONSULTA DE ENFERMAGEM  –Individual-, onde será preenchido o prontuário da gestante do Ambulatório, constando:  História clínica e obstétrica, cálculo da idade gestacional e data provável do parto, avaliação de risco gestacional, exame físico e obstétrico, Pressão Arterial, peso, estatura, altura uterina, avaliação das mamas e orientação ao preparo para amamentação, orientação aos cuidados com a pele, ausculta dos batimentos cardio fetais, identificar e orientar sobre as queixas mais freqüentes.
  • 23. NORMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE RISCO  CRITÉRIOS QUE DEFINEM UM PRÉ-NATAL DE RISCO E QUE NECESSITAM SER ACOMPANHADAS E ENCAMINHADAS PARA O MÉDICO
  • 24. PRÉ-NATAL DE RISCO  Antecedentes de mortalidade perinatal  Antecedentes de mal formação congênita  Antecedentes de prematuridade  Antecedentes de parto prematuro e / ou morte intra-útero  Aborto habitual
  • 25. PRÉ-NATAL DE RISCO  Retardo de crescimento intra- uterino (RCIU).  Diabetes gestacional  Hipertensão arterial (sistólica > 3mmHg e diastólica > 1,5mmHg em relação à PA Basal)  Cardiopatias  Gestante com idade menor de 16 anos ou maior de 35 anos  Excesso de ganho de peso durante a gestação  Desnutrição, anemia.  Toxoplasmose, Rubéola , sífilis e HIV na gestação  Síndrome hemorrágica na gravidez  Pneumopatias na gestação  Nefropatias  Alcoolismo Crônico  Gemelaridade  Incompetência istmo cervical
  • 28. Assistência no Período Pré-parto – Parto e Puerpério – Hospitalar Admissão da gestante no Centro Obstétrico  Informar a rotina do serviço para gestante seus familiares;  Acolher e acompanhar a gestante até a sala do Pré parto;  Orientar sobre a conduta da assistência conforme caso clínico(ITU, TP, etc.).
  • 29. Assistência no período Pré- Parto Assistência de Enfermagem  Verificar dados vitais;  Proceder registro: referente do motivo da internação: perda de líquido, contrações, dor em baixo ventre, etc.  Realizar exames de rotina: VDRL, HIV, etc.  Encaminhar exames.
  • 30. Assistência no Período Pré- Parto – Parto e Puerpério – Hospitalar  Promover um ambiente com privacidade, tranqüilo e seguro para a parturiente e seu acompanhante;  Estimular deambulação;  Promover técnicas de relaxamento(banho, exercícios, etc);  Realizar massagens ou orientar acompanhante a realizar;  Buscar técnicas para alivio da dor;  Manter diálogos durante os procedimentos.
  • 31. Assistência no Período Pré- Parto – Parto e Puerpério – Hospitalar Monitorar:  Sinais Vitais – (PA, Pulso, Temperatura e FC)  Perda de líquido via vaginal (urina, líquido amniótico ou sangramento);  Intensidade da queixa da dor;  Administração de medicamento (conforme prescrição médica).
  • 32. Assistência no período Pré- Parto – Parto e Puerpério – Hospitalar Período Expulsivo  Acompanhar a gestante para sala de parto;  Ficar ao lado da gestante – nunca deixá-la sozinha;  Manter a sala aquecida à 23 a 26ºC  Orientar a gestante quanto ao período expulsivo;
  • 33. Assistência no Período Pré- Parto – Parto e Puerpério – Hospitalar  Após o nascimento do RN realizar contato pele a pele;  Incentivar aleitamento materno.  Parabenizar a paciente;  Anotar as observações e procedimentos realizados;  Anotar horário de nascimento;
  • 34. Assistência no Período Pré- Parto – Parto e Puerpério – Hospitalar  Observar perda sanguínea;  Controlar venóclise e adminstração de medicamento(ocitocina, methergin, etc.);  Manter aquecida a puérpera.
  • 35. AS PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DO PUERPÉRIO Hemorragias; Infecção Puerperal; Tromboflebites; Mastite; Infecções do Trato Urinário.
  • 36. Atenção nas Hemorragias Pós Parto Hemorragia: É toda perda de sangue maior que 500ml no parto normal ou maior 1000ml na cesariana após o parto. Atenção à instabilidade hemodinâmica. Causas da Hemorragias Pós Parto: Atonia Uterina; Lacerações de trajetos; Restos Placentários; Coagulopatias.
  • 37. Prevenção nas Hemorragias Pós Parto  Realizar higiene;  Encaminhar a puérpera para sala de recuperação;  Monitorar SSVV – 15 a 15 minutos;  Avaliar tônus uterino;  Observar sangramento: vaginal, incisão cirúrgica;
  • 38. Prevenção nas Hemorragias Pós Parto  Monitorar sangramento vagina (controle de forros utilizados);  Solicitar avaliação da equipe especializada com urgência, caso sangramento ativo.  Oferecer oxigênio por máscara/cateter(5itros por minutos);  Instalar 2 acesso venoso calibroso, 16G ou 18G;
  • 39. Prevenção nas Hemorragias Pós Parto  Coletar exames solicitados;  Encaminhar exames solicitados com urgências;  Realizar cateterismo vesical de demora;  Prevenir hipotermia;  Monitorar resposta clínica.
  • 40. INFECÇÃO PUERPERAL A Organização Mundial da Saúde – OMS, só considera infecção puerperal o aumento de temperatura de 38º C, verificando pelo menos 4 vezes ao dia durante 2 dias, isto contando aos10 primeiros dias do puerpério, com exceção das primeiras 24 horas. - Streptococos; Gonococos Bacílos Prevenção: Uso de técnicas assépticas, Acompanhamento pré-natal, Uso de material estéril, Pessoal permanente na sala de parto e cuidados específicos à gestantes com Bolsa Rota.
  • 41. Assistência de Enfermagem no Puerpério • Acolher puérpera no Alojamento Conjunto (identificação mãe/bebe); • Avaliar condições físicas e emocionais; • Controle de sinais Vitais 6/6hs; • Observar sangramento(vaginal e cicatriz cirúrgica);
  • 42. Assistência de Enfermagem no Puerpério • Monitor eliminações urinária e intestinal; • Auxiliar no Aleitamento materno; • Acompanhar higienização. • Registrar procedimentos, queixas e medicamentos. • Manter mãe e RN aquecido;
  • 43. Assistência de Enfermagem no Puerpério • Orientar mãe sobre cuidados do RN em casa; • Ensinar á mãe medidas preventivas e os sinais de perigos para retorno imediato ; • Orientar o testes: pezinho, olhinho, orelhinha e coraçãozinho.
  • 44. ATENÇÃO NO PUERPÉRIO  A atenção à mulher e ao recém-nascido no pós parto imediato e nas primeiras semanas após o parto é fundamental para a saúde materna e neonatal.  A Equipe da Atenção Primária à Saúde deverá realizar visita domiciliar na primeira semana após o parto e nascimento (até o 5º dia), para acompanhamento da puérpera e da criança;
  • 45. AVALIAÇÃO DA PUERPERA • Verificar SSVV; • Avaliar o estado psíquico da mulher; • Observar pele, mucosas, presença de edema, cicatriz (PN episiotomia, ou laceração, CST avaliar cicatriz cirúrgica) e membros inferiores. • Avaliar mamas, abdômen, períneo e genitália; • Observar a formação de vínculo entre mãe e filho; • Observar e avaliar a mamada para garantir um posicionamento adequando;
  • 46. COMPETÊNCIAS DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS):  Cadastrar as famílias da sua microarea, identificando precocemente gestantes e crianças  Captar as gestantes da sua área de atuação e encaminhá-las à UBS/UAPSF para a inscrição no Pré – natal  Orientar as gestantes de sua área de atuação sobre a importância de iniciar precocemente o pré-natal, priorizando aquelas em situações de risco.  Auxiliar a equipe de saúde no monitoramento da gestante através da visita domiciliar, priorizando as gestantes de risco.  Realizar busca ativa de gestantes e crianças que não comparecem na UBS para o seu acompanhamento  Captar as puérperas para consultas pós-parto, priorizando as puérperas com risco reprodutivo.  Realizar visita domiciliar precoce para os recém-nascidos que tiveram alta hospitalar.  Incentivar o aleitamento materno exclusivo – ACS “amigo do peito”.  Garantir o retorno das crianças para vacinações e controle de puericultura.  Acompanhar todas as crianças de risco durante o primeiro ano de vida, informando a equipe sinais de risco social, biológico e clinico e/ou situações de risco de violência.
  • 47. COMPETE A EQUIPE DE SAÚDE  Conhecer as micro-áreas de risco, com base os dados demográficos, sócios econômicos, culturais, meio ambientes e morbi-mortalidade coletados através do cadastramento.  Acompanhar as famílias da micro-área de risco em suas casas (visita domiciliar), na UBS (atendimento), em associações, escolas, ONGs, entre outras, visando estabelecer parcerias, auxiliando na busca por uma melhor qualidade de vida para a comunidade.  Estabelecer a programação das atividades de prevenção, de educação em saúde e de assistência, a partir dos problemas priorizados, dos objetivos a serem atingidos, das atividades a serem realizadas, das metas a serem alcançadas, dos recursos necessários e do tempo despendido com tais atividades.  Identificar a presença de fatores de risco para a gestante e o feto, através dos antecedentes familiares e pessoais, com as famílias das micro-áreas definidas como risco social.  Cadastrar e alimentar o SISPRENATAL.  Realizar visita domiciliar precoce para puérperas e os recém-nascidos que tiveram alta hospitalar até o 5º dia, e, agendar consulta na UBS/UAPSF.  Realizar atendimento domiciliar (avaliação, execução de procedimentos, tratamento supervisionado, orientação, etc) das gestantes, puérperas e crianças da micro-área por profissionais da equipe de saúde.  Assistir as gestantes, puérperas e crianças, através de atendimento programado e/ou intercorrências, e monitoramento dos casos de risco.  Acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança, programando as consultas necessárias, incluindo consulta odontológica para o bebê.  Acompanhar a criança de risco até um ano de vida.  Incentivar o aleitamento materno exclusivo e o retorno das crianças para vacinações e controle de puericultura.
  • 48. COMPETÊNCIAS DA UBS A equipe da UBS é responsável pela assistência à gestante e as crianças residentes na sua área de abrangência e deve:  Inscrever a gestante no pré - natal;  Vincular as gestantes no hospital/maternidade, de acordo com sua estratificação de risco;  Solicitar os exames de rotina da Rede Mãe Paranaense e agendar consulta médica em sete dias para avaliação dos resultados  Realizar as consultas de pré – natal conforme cronograma, avaliando em cada consulta possíveis alterações e mudança na classificação de risco;  Imunizar as gestantes conforme protocolo;  Imunizar as crianças conforme calendário de vacinação;  Realizar busca ativa, através de visita domiciliar e analisar as dificuldades de acesso às consultas ou exames preconizados e o controle do uso efetivo da terapêutica instituída para cada caso.  Encaminhar, através da Central de Regulação, e monitorar as gestantes de risco para o ambulatório de referência para gestação de risco;  Encaminhar as crianças menores de 1 ano de risco para o ambulatório de referência, conforme o protocolo;  Realizar consultas de puerpério para todas as gestantes, orientando a contracepção, o aleitamento materno e os cuidados com o bebê.  Realizar atividades educativas para a gestante e crianças de risco e familiares.
  • 49. COMPETÊNCIA DOS HOSPITAIS / MATERNIDADES VINCULADAS  Disponibilizar visita os hospital / maternidade durante o pré-natal às gestantes a eles vinculadas.  Garantir assistência às intercorrências e emergências que ocorrerem durante a gestação, parto e puerpério.  Garantir assistência às intercorrências que não puderem ser atendidas pela UBS;  Garantir a assistência ao pré-parto, parto, puerpério e ao recém-nascido de acordo com os “Dez Passos para a Atenção Humanizada ao Parto”, recomendados pela Organização Mundial da Saúde.  Fazer a estratificação do Risco do recém-nascido.  Realizar imunizações nos recém-nascidos  Realizar a classificação de risco do bebê e encaminhar a UBS para acompanhamento.
  • 50. MAPA ESTRATÉGICO REDE MÃE PARANAENSE FINANCEIRA Implantar incentivo financeiro para os municípios que aderirem à Rede Mãe Paranaense e realizarem o acompanhamento das gestantes e crianças, conforme critérios estabelecidos Implantar Incentivo da Qualidade ao Parto para os hospitais de referência com garantia da vinculação do parto O maior valor que podemos oferecer ao cidadão sandominguense é garantir que a vida que nasce no São Domingos , nasça com Saúde. OBRIGADA!!