SlideShare uma empresa Scribd logo
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO
Engº. Orlando Santos
AS PULVERIZAÇÕES
Como Produtos Fitofarmacêuticos
Podem por Em Perigo
A segurança dos Alimentos
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO
Engº. Orlando Santos
EFICÁCIA DA PULVERIZAÇÃO
Aplicação dos Fitofarmácos:
Técnicas de Aplicação
Produtos Fitofarmacêuticos
Doenças e Pragas
Engº. Orlando Santos
EFICÁCIA DA PULVERIZAÇÃO
Pulverização:
Controlo da Deriva
Volumes de Calda
Equipamentos
Calibração
Engº. Orlando Santos
EFICÁCIA DA PULVERIZAÇÃO
GOTAS:
Pulverização Hidráulica
Pulverização Centrífuga
Engº. Orlando Santos
Pulverizar é dividir a calda em gotas
GOTAS
Engº. Orlando Santos
Para um mesmo volume de calda o
número de gotas aumenta ou diminui
o tamanho das gotas.
GOTAS
Engº. Orlando Santos
A distribuição depende do tamanho das gotas.
GOTAS
Engº. Orlando Santos
DERIVA
RETENÇÃO
ESCORRIMENTO
Para molhar as plantas existe um
tamanho óptimo de gota
GOTAS
Gota grossa
Gota fina
Engº. Orlando Santos
 BOA DISTRIBUIÇÃO.
EVITAR A DERIVA E
ESCORRIMENTO
Para aplicar produtos
fitofarmacêuticos são necessários:
GOTAS
Número de gotas
Tamanho de gota
Engº. Orlando Santos
PELO MENOS
5 GOTAS POR CM2
TAMANHO DE GOTA ENTRE
150 – 400 MICRAS
Para aplicar produtos
fitofarmacêuticos são necessários:
GOTAS
Engº. Orlando Santos
Líquido sobre pressão que passa
através de um orifício.
Pulverização Hidráulica
Engº. Orlando Santos
Os bicos produzem gotas de
tamanhos muito diversos.
Pulverização Hidráulica
Deriva
Deriva
Engº. Orlando Santos
Os bicos produzem gotas de
tamanhos muito diversos.
Pulverização Hidráulica
Deriva
Engº. Orlando Santos
Deriva
Pulverização Hidráulica
Engº. Orlando Santos
Deriva
Pulverização Hidráulica
Engº. Orlando Santos
Deriva
Pulverização Hidráulica
Engº. Orlando Santos
Deriva
Pulverização Hidráulica
Engº. Orlando Santos
Os bicos são peças de precisão, com
características bem defenidas.
Pulverização Hidráulica
AlturadeTrabalho
ÂnguloDebito e Pressão
De trabalho
Desgaste por Uso
Distribuição - sobreposiçãoEngº. Orlando Santos
Existem diferentes tipos de bicos
adequados às diversas utilizações.
Pulverização Hidráulica
Fenda - Leque
Cone vazio
Cone cheio
Engº. Orlando Santos
Escolha adequada dos bicos.
Pulverização Hidráulica
Fenda - Leque Cone vazioCone cheio
Engº. Orlando Santos
Requisitos gerais dos bicos para
aplicar herbicidas
Pulverização Hidráulica
Bicos de qualidade
Baixa pressão
Baixo débito
Gota média
2 – 3 bar
0,5 – 1 L / min
Recomendável
Bicos antideriva
Engº. Orlando Santos
Requisitos gerais dos bicos para
aplicar herbicidas – Aspectos a considerar:
Pulverização Hidráulica
Bicos de qualidade
Baixa pressão
Baixo débito
Gota média
Pressão de trabalho
A pressão deve ser utilizada apenas para determinar o tamanho
das gotas, e não para variar o débito dos bicos.Engº. Orlando Santos
Aplicação de Herbicidas.
Pulverização Hidráulica
Fenda - Leque
Engº. Orlando Santos
Aplicação de Herbicidas.
Pulverização Hidráulica
Calibração
Engº. Orlando Santos
Aplicação de Herbicidas.
Pulverização Hidráulica
Calibração / Regulação
Engº. Orlando Santos
Dificuldades em Usar Herbicidas.
Pulverização Hidráulica
Fenda - Leque
 Controle químico , escolher herbicida
seletivos;
Produtos homologados para uso em
pré ou pós- emergência;
Conhecimento das tecnologias
adequadas à aplicação de herbicidas
não seletivos;
Alta deriva nas regiões ventosas;
Desconhecimento por parte de
pequenos agricultores quanto aos
herbicidas e tecnologias de aplicação.
Cone vazio
Manuais
Engº. Orlando Santos
Aplicação de Herbicidas.
Pulverização Hidráulica
Fenda - Espelho
Engº. Orlando Santos
HERBICIDAS NOS POMARES E VINHAS
Pulverização baixa
Gota média
110 º - 120 º
Antideriva
Engº. Orlando Santos
HERBICIDAS NOS POMARES E VINHAS
Pulverização baixa
Gota média
110 º - 120 º
Antideriva
Engº. Orlando Santos
HERBICIDAS NOS POMARES E VINHAS
Pulverização baixa pressão
Gota média
Alta deriva
Antideriva
Situações de risco
Engº. Orlando Santos
HERBICIDAS NOS POMARES E VINHAS
Altura de Trabalho
Gota média
50 cms
Antideriva
Ângulos de utilização dos bicos
Engº. Orlando Santos
HERBICIDAS ANTES DA SEMENTEIRA
Altura normal
Gota média
Ângulos
80 º - 110 º
Antideriva
70 – 50 cms
Engº. Orlando Santos
DISTRIBUIÇÃO DA CALDA
100 metros
Deriva Correcto
Engº. Orlando Santos
Engº. Orlando Santos
TAMANHO DAS GOTAS
COMPARAÇÃO
API
ADI
AXI
CVI
1 bar 3 bar
Anti
Deriva
Anti
Deriva
Engº. Orlando Santos
DESGASTE NOS BICOS
Engº. Orlando Santos
DESGASTE DOS BICOS
COMPARAÇÃO COM PASTILHAS
NOVAS
A
T
E
N
Ç
ÃEngº. Orlando Santos
Tolerância
10%
Requisitos gerais dos bicos para
aplicar fungicidas e insecticidas
Pulverização Hidráulica
Bicos de qualidade
Pressão
Débito
Gota média / fina
3 – 18 bar
0,9 – 1,7 L / min
Recomendável
Bicos antideriva
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Quebra de um lâmina da calda
devido à rotação do disco
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Cada tipo de disco centrífugo tem as
suas próprias características e
produzem gotas diferentes.
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Este tipo de disco centrífugo tem as
características de produzir gotas de 150
a 200 micras, ideais para o herbicida.
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Aplicados nas barras deservagem
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Vários sistemas de pulverização:
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CENTRÍFUGA
Os discos centrífugos
são muito adequados
para aplicar os
herbicidas.
Gasta pouca água
Gota de tamanho controlado
Óptima eficácia
Baixa deriva
Engº. Orlando Santos
CONTROLO DA DERIVA
DERIVA
BICOS E EQUIPAMENTOS
CONDIÇÕES DE APLICAÇÃOEngº. Orlando Santos
DERIVA
Gotas fora de controlo que se
depositam nas áreas vizinhas
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO INVOLUTÁRIA.
Gotas em suspensão:
Arrastadas pelo vento.
DANOS NAS CULTURAS VIZINHAS
Engº. Orlando Santos
PULVERIZAÇÃO CONTROLADA.
Gotas direcionadas para a cultura:
Sem Arrastamento pelo vento.
APLICAÇÃO SEM RISCOS. Engº. Orlando Santos
PERDAS DE EFICÁCIA
Gotas em suspenção molham a cultura.
DERIVA
Engº. Orlando Santos
BICOS E EQUIPAMENTOS
Os bicos determinam o tamanho das gotas.
Bico normal
Fina - média
Bico Antideriva
Média - grossa
Bico Espuma
grossa
Engº. Orlando Santos
BICOS E EQUIPAMENTOS
Os bicos determinam o tamanho das gotas.
Optar pela Segurança
Utilização de Bico Antideriva
Engº. Orlando Santos
BICOS E EQUIPAMENTOS
O tamanho das gotas são aumentadas e pesam mais.
Optar pela Segurança
Funcionamento do Bico Antideriva
Engº. Orlando Santos
BICOS E EQUIPAMENTOS
Aplicação em culturas lenhosas.
Máximo controlo das gotas
Utilização de Bico de Espuma
Deriva
Engº. Orlando Santos
EFICÁCIA
As aplicações em baixo e ultra-baixo volume são as mais eficientes.
Volume de calda
Dose 1 l /ha
0
20
40
60
80
100
120
100 l /ha 200 l /ha 600 l /ha
volume de calda por hectare
volume de calda por hectare
Engº. Orlando Santos
Componentes do Pulverizador.
Engº. Orlando Santos
BARRA DE PULVERIZAÇÃO
Factores para um trabalho cómodo e eficaz.
 Porta bicos com válvula anti-gota;
 Retornos compensados;
 Abertura das barras hidráulicas;
 Estabilizador da barra ( Trapezio);
 Misturador e lava embalagens;
 Depósito lava circuitos;
 Depósito lava mãos.
Engº. Orlando Santos
EXEMPLO DE OBSTRUÇÃO DE
FILTROS DO PULVERIZADOR
PROPORCIONADA PELA
INCOMPATIBILIDADE DOS
PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS
ADICIONADOS NO DEPOSITO.
Misturas de certos produtos
Engº. Orlando Santos
EQUIPAMENTOS MANUAIS
O maior erro de variação é o andamento do aplicador.
Cálcular o gasto de calda por hectare.
Engº. Orlando Santos
EQUIPAMENTOS MANUAIS
Calibração experimental.
Marcar um quadrado a tratar
Com 100 metros quadrados.
Encher o pulverizador e
pulverizar o quadrado.
Com o pulverizador cheio
de água, tratar como
estive-se a pulverizar.
DÉBITO POR HECTARE ( l/ha) = Litros gastos X 100
Engº. Orlando Santos
REDUÇÃO DO DÉBITO DE CALDA:
o Melhoria da eficácia de alguns
produtos;
o Maior rendimento na aplicação;
o Melhor controlo do produto com a
utilização de gotas mais finas e
melhor altura de aplicação;
o Redução dos custos de aplicação.
Vantagens:
Engº. Orlando Santos
REDUÇÃO DO DÉBITO DE CALDA:
o Dificuldades na aplicação;
o Problemas com certas misturas no
depósito;
o Com a utilização de gotas mais
finas, condicionalismos dos factores
climáticos;
o Maior risco de deriva.
Desvantagens:
Engº. Orlando Santos
DERIVA E PERDAS:
o Técnica de aplicação ( ex: tipo de bico,
atomizador;
o Condições climáticas ( temperatura, vento e
humidade relativa;
o Condições de aplicação ( velocidade, pressão de
trabalho, altura da pulverização, etc...;
o Composição da calda ( Produtos
fitofarmacêuticos, adjuvantes e a concentração
dos mesmos na calda.
A DERIVA é um fenômeno que depende de quatro factores:
Engº. Orlando Santos
DERIVA E PERDAS:
o Técnica de aplicação
o Condições climáticas
o Condições de aplicação
o Composição da calda.
A DERIVA é um fenômeno que depende de quatro factores:
Engº. Orlando Santos
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS
FITOSSANITÁRIOS
Pulv. Aérea Pulv. Pneumática
Pulv. Transportada
Pulv.
Projetada
Pulv. Recoperadores de
Engº. Orlando Santos
PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS
Herbicidas
Insecticidas
Fungicidas
AcaricidasPulverização
Engº. Orlando Santos
VIAS DE EXPOSIÇÃO DO APLICADOR
Dérmica Inalação
OralOcular
Engº. Orlando Santos
AS PULVERIZAÇÕES:
Antes
Atualmente
Engº. Orlando Santos
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)
Botas de Borracha
Fato de Proteção
Luvas Nitrilo
Proteção dos olhos
Engº. Orlando Santos
FALTA DE EPIS – ( LUVAS; ÓCULOS)
Engº. Orlando Santos
OS ASSOMBROSOS EFEITOS DOS HERBICIDAS
Os primeiros
são os
aplicadores
Engº. Orlando Santos
QUEIMADURA QUÍMICA CAUSADA PELO
HERBICIDA ROUNDUP Os primeiros
são os
aplicadores
Engº. Orlando Santos
OS MALES À SAÚDE:
o Envolve muito mais que as
doenças!!!
o Contaminação do solo;
o Contaminação das águas;
o Contaminação do ar;
o Segurança alimentar.
Engº. Orlando Santos
OS MALES À SAÚDE:
Engº. Orlando Santos
TECNOLOGIAS NA APLICAÇÃO
Engº. Orlando Santos
FISCALIZAÇÃO NO CAMPO
Engº. Orlando Santos
AS PULVERIZAÇÕES:
Obrigado
Engº. Orlando Santos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

10 semeadoras iv und
10   semeadoras iv und10   semeadoras iv und
10 semeadoras iv und
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
Geagra UFG
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Aplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivosAplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivos
Danyelle Miranda
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
Lily Soares
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Anderson Santos
 
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFSSistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Guillermo Enrique Guedes Scheel
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação
Portal Canal Rural
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Gabriela De Paula Marciano
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
cineone
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
02 tipos de maquinas e implementos
02  tipos de maquinas e implementos02  tipos de maquinas e implementos
02 tipos de maquinas e implementos
Instituto Federal de Pernambuco - Campus Barreiros
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
Universidade de São Paulo
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
Marcos Ferreira
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 

Mais procurados (20)

10 semeadoras iv und
10   semeadoras iv und10   semeadoras iv und
10 semeadoras iv und
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Aplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivosAplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivos
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
 
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFSSistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFS
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
02 tipos de maquinas e implementos
02  tipos de maquinas e implementos02  tipos de maquinas e implementos
02 tipos de maquinas e implementos
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
Sistema hidráulico dos tratores agrícolas 2011
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 

Semelhante a As técnicas de pulverização pdf

Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinhaTécnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
EngOrlandoSantos
 
Epi
EpiEpi
absoluto-bula-1.pdf
absoluto-bula-1.pdfabsoluto-bula-1.pdf
absoluto-bula-1.pdf
Wagner31196
 
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdfManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
MarcioSitoe1
 
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
ApiculturaeAgricultura
 
6100188 treinamento---
6100188 treinamento---6100188 treinamento---
6100188 treinamento---
Nilton Goulart
 

Semelhante a As técnicas de pulverização pdf (6)

Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinhaTécnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
 
Epi
EpiEpi
Epi
 
absoluto-bula-1.pdf
absoluto-bula-1.pdfabsoluto-bula-1.pdf
absoluto-bula-1.pdf
 
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdfManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
ManualZTecnologiaZdeZaplicao_2019_site.pdf
 
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroag...
 
6100188 treinamento---
6100188 treinamento---6100188 treinamento---
6100188 treinamento---
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

As técnicas de pulverização pdf