SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 20 - Número 1 - 1º Semestre 2020
TERRITÓRIO, CULTURA E SAÚDE – UMA ANÁLISE CRÍTICA
Flávio Henrique Ferreira Barbosa1
RESUMO
Segundo Rafaela Pereira em seu texto Território, Saúde e Ambiente: Novas Formas de Articulação,
publicado em 2009 (Geografia - v. 18, n. 1, jan./jun. 2009 – Universidade Estadual de Londrina,
Departamento de Geociências), em uma realidade global sustentada por um complexo modelo de
produção-consumo, a compreensão da relação entre saúde e ambiente passa a exigir novos arranjos
teórico-conceituais, que levem a apreensão dos novos desdobramentos gerados pela dinâmica desta
relação. No presente artigo, a partir de uma discussão acerca dos conceitos de saúde, ambiente e
saúde ambiental, procurar-se-á oferecer subsídios teóricos de permitam, além de uma reflexão sobre
o tema, pensar nos caminhos a serem adotados perante essa realidade global vigente. No contexto
da saúde coletiva, o conceito de território está presente em múltiplas dimensões e sentidos. Aparece
em documentos que expressam princípios e diretrizes das políticas de saúde e no planejamento das
ações locais, e é elemento central para organizar a rede de cuidado no SUS. O presente artigo busca
discutir brevemente o conceito de território e seus usos nas práticas da atenção à saúde pelo Brasil.
Tal reflexão possibilita pensar o território em sua complexidade, como espaço, processo e
composição, de forma a potencializar a relação entre serviço, cultura, produção do cuidado e
produção de subjetividade.
Palavras-chave: Território, Cultura, Saúde, SUS.
TERRITORY, CULTURE AND HEALTH - A CRITICAL ANALYSIS
ABSTRACT
According to Rafaela Pereira in her text Territory, Health and Environment: New Forms of
Articulation, published in 2009 (Geografia - v. 18, n. 1, jan./jun. 2009 – Universidade Estadual de
Londrina, Departamento de Geociências), in a global reality supported by a complex production-
consumption model, understanding the relationship between health and the environment starts to
demand new theoretical-conceptual arrangements, which lead to apprehension of the new
developments generated by the dynamics of this relationship. In this article, starting from a
discussion about the concepts of health, environment and environmental health, we will try to offer
theoretical subsidies to allow, in addition to a reflection on the theme, to think about the paths to be
adopted in view of this current global reality. In the context of collective health, the concept of
territory is present in multiple dimensions and meanings. It appears in documents that express
principles and guidelines of health policies and in the planning of local actions, and is a central
element to organize the care network in SUS. This article seeks to briefly discuss the concept of
territory and its uses in healthcare practices in Brazil. Such reflection makes it possible to think of
the territory in its complexity, as space, process and composition, in order to enhance the
relationship between service, culture, production of care and production of subjectivity.
Keywords: Territory, Culture, Health, SUS. 61
INTRODUÇÃO
Em seu trabalho sobre a história da
Saúde Pública, George Rosen defende a ideia de
que os problemas de saúde vividos pelo homem
durante toda a sua história vinculam-se à
organização comunitária e à estrutura social
desenvolvida. A confluência histórica dos
contornos encontrados na contenção das
epidemias desde a melhoria do ambiente físico,
a provisão de águas, a assistência médica e
outras medidas originou o que atualmente se
conhece como Saúde Pública (SILVA, 2017).
A noção atual de Saúde Pública ganha
nitidez no Estado liberal burguês do fim do
século XVIII. Porém, será na segunda metade do
século XIX que a higiene se torna um saber
social que envolve toda a sociedade e faz da
Saúde Pública uma prioridade política. São
desse momento as primeiras tentativas de
relacionar a saúde à economia, reforçando a
utilidade do investimento no setor. (SILVA,
2017).
Neste sentido, Rousseau (2003) afirmava
que a liberdade natural do homem, seu bem-
estar e sua segurança seriam preservados através
de um contrato social. A composição do
conjunto de regras que forma a noção de Estado
é estabelecida pela aglutinação de sociedades, as
quais, situadas em determinado território,
visando à proteção da propriedade privada e a
regulação de atribuições gerais e coletivas, se
submetem a regras e acordos comuns
(FERNANDES, 2013).
Na geografia tradicional, no sentido
jurídico-político o território sempre foi
entendido como espaço limitado pelas estruturas
de poder. Por isso, correspondia à área
delimitada pelas fronteiras de um país, estado,
município ou distrito. Os limites artificialmente
determinados respondiam a critérios de controle
administrativo - contudo, faz-se necessário
ressaltar que território também compreende o
sentido etológico, aludindo ao espaço necessário
para a sobrevivência animal. Pensar o território
nessa perspectiva implica atribuir-lhe identidade
intrínseca à constituição da vida social, seja no
âmbito da organização dos poderes, seja nas
formas de produção e distribuição das riquezas.
As condições de moradia e de ocupação dos
territórios nas mais diversas configurações
socioambientais são produtos das relações entre
desenvolvimento econômico e social, dos quais
derivam os demais indicadores de qualidade de
vida de dada população (JUNGES &
BARBIANI, 2013).
O território socialmente configurado
determina a situação sanitária da população que
o habita, sendo a saúde dialeticamente ligada e
determinada por esse espaço social,
possibilitando o surgimento de redes sociais de
apoio e convivência. Neste sentido, pode-se
dizer que território é a área de atuação das
equipes de saúde que tem como particularidade
o fato de não se reduzir ao espaço geográfico. O
território envolve recursos e trocas que o sujeito
usa e estabelece em sua comunidade e fora dela,
na sociedade (RIGOTTO & AUGUSTO, 2007).
Pode-se inferir então, que a importância
do território, em suas múltiplas dimensões, para
a compreensão dos processos saúde-doença-
cuidado-assistência decorre da necessidade de
que o território deve ir além dos limites das
instituições, abrangendo os anseios e as
necessidades do sujeito. Fica claro que a
promoção da saúde passa pela construção de
uma interface ativa com outros setores
governamentais e não governamentais, como
educação, cultura, esporte, lazer, justiça,
assistência social, visando ampliar a
abrangência e a resolutividade das intervenções
(SANTOS & RIGOTTO, 2010).
Sendo assim, algumas questões vêm à
tona: de que forma os processos de
territorialização podem ser realizados de modo a
garantir a apreensão da complexidade do
território, as territorialidades e suas implicações
sobre a saúde? E qual a importância dos
determinantes culturais para o processo de
trabalho em saúde?
A territorialização é em um dos
pressupostos básicos dos trabalhos envolvendo
atenção à saúde. No entanto, a tarefa de
territorialização adquire, pelo menos, três
sentidos diferentes e complementares:
demarcação de limites das áreas de atuação dos
serviços; reconhecimento do 'ambiente', da
população e da dinâmica social existentes nessas
áreas; e estabelecimento de relações horizontais
com outros serviços adjacentes e verticais, como
centros de referência (PEREIRA &
BARCELLOS, 2006).
Sob tal ótica, os serviços do sistema de
saúde precisam funcionar em interação com esse
espaço social. A efetividade do acesso e da
resposta às necessidades dependerá de sua
inserção no espaço das sociabilidades cotidianas
dos usuários, e também de seus determinantes
culturais, que não se identificam simplesmente
com a definição administrativa de território. Só
assim será possível detectar contextos de
vulnerabilidade e coletar dados epidemiológicos
efetivos sobre a situação sanitária daquela
comunidade. Por isso, o conceito de território na
gestão e na prática de saúde sempre adquiriu
maior importância, acerca do espaço geográfico
e fomentando o surgimento de novo campo de
conhecimento na interface entre geografia e
saúde (FARIA, 2019).
Definitivamente, os indivíduos não
podem ser reduzidos a uma definição que
envolva apenas aspectos biológicos. A busca
pela saúde não deve se ater a um processo
isolado, mas imbricado a uma complexa trama
estabelecida e interdependente da questão
econômica, cultural, informacional. Diferenças
profissionais ou de poder aquisitivo, por
exemplo, não são suficientes para explicar a
disparidade de status em um determinado
território. Nessa perspectiva, práticas sanitárias
que não se comprometam em conhecer as
singularidades e configurações sociais
específicas dos territórios de saúde assemelham-
se à condição de estrangeiro que, mesmo falando
o idioma desse território, não compreende sua
teia de significados, que é sua própria cultura
(FARIA, 2019).
Essa compreensão manifesta-se, por
exemplo, nos territórios das equipes de
Estratégia de Saúde da Família (ESF),
entendidos como espaço das sociabilidades
cotidianas dos usuários e não como adscrição
territorial definida por critérios numéricos e
administrativos. Essa íntima interação entre
saúde, cultura de um povo e espaço geográfico
exige pensar o ambiente como lugar da
reprodução social da vida, e a saúde sob uma
ótica ecossistêmica.
A ampliação do olhar dos profissionais
da Atenção Básica à Saúde sobre o território é
estratégica para superar as barreiras nas relações
entre saberes tradicionais e científicos na
produção do cuidado. A superação dos limites
da unidade de saúde e das práticas do modelo de
atenção convencional; a (re)construção do
vínculo dos profissionais e do sistema de saúde
com o lugar; a adequação das ações de saúde à
singularidade de cada contexto sócio histórico
específico; e a incorporação efetiva do
paradigma da promoção da saúde e da
participação. Não é uma panaceia, mas sim, um
ponto de partida fértil (SANTOS & RIGOTTO,
2010).
As questões de saúde do trabalhador e de
saúde ambiental estão no cotidiano de pessoas,
famílias, comunidades e grupos sociais,
exercendo relevante influência na qualidade de
vida, no adoecer e no morrer dos segmentos
sociais. O sistema público de saúde precisa
avançar nos esforços que vem fazendo para
contemplar essas dimensões no cotidiano dos
serviços, desde o nível primário. As conexões
entre território, cultura e saúde e as implicações
sobre o processo de trabalho em saúde aqui
esboçada representa, obviamente, um esforço de
conhecimento do território que vai muito além
do tradicional processo de territorialização que
vem sendo implementado na Atenção Básica à
Saúde e na ESF.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Trabalhar a complexidade do cuidado
em saúde e ambiente demanda muito mais
tempo da equipe e o envolvimento ativo e
dialógico de todos os seus profissionais.
Demanda, também, conteúdos, habilidades e
atitudes nem sempre oferecidas nos tradicionais
processos de formação na área da saúde. É
permanente e processual: sempre haverá o que
conhecer na dinâmica das territorialidades.
Supõe, ainda, uma compreensão
ampliada do processo saúde-doença na
complexidade dos sociosespaços
contemporâneos, e do papel do Estado na
garantia do direito à saúde. Supõe também, é
claro, que as questões básicas de direitos
trabalhistas e condições de trabalho estejam
equacionadas no sistema.
Segundo Rigotto e Augusto (2007), é na
conexão entre território, cultura e saúde onde
encontramos um caminho para planejar ações de
promoção e de atenção integral à saúde. Por
meio desta nova forma de olhar e fazer, os
projetos de saúde nascem das necessidades de
saúde da comunidade (e não de programas
verticais que vêm do 'nível central' para a
'ponta'), produzindo e difundindo conhecimento,
mobilizando, educando, criando ou fortalecendo
redes, empoderando sujeitos coletivos e projetos
de equidade e sustentabilidade, ou seja, de
verdadeiramente construir saúde.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FARIA, Cintya Cristine Martins da Veiga;
PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Território
de saúde: possibilidades e desafios a partir da
contribuição de Norbert Elias e John L. Scotson.
Cad. saúde colet., Rio de Janeiro , v. 27, n. 3,
p. 272-277, set. 2019.
FERNANDES, Ana Tereza; CASTRO, Camila;
MARON, Juliana. Desafios para implementação
de políticas públicas: intersetorialidade e
regionalização. VI Congresso CONSAD de
Gestão Pública, 2013.
JUNGES, José Roque; BARBIANI, Rosangela.
Interfaces entre território, ambiente e saúde na
atenção primária: uma leitura bioética. Rev.
Bioét., Brasília , v. 21, n. 2, p. 207-217, ago.
2013.
PEREIRA, Martha Priscila Bezerra;
BARCELLOS, Christovam. O território no
Programa de Saúde da Família. Hygeia, Revista
Brasileira de Geografia Médica e da Saúde,
Uberlândia, v. 2, n. 2, p. 47-55, jun. 2006.
RIGOTTO RM, AUGUSTO LGS. Saúde e
ambiente no Brasil: desenvolvimento, território
e iniquidade social. Cad Saúde Pública. v. 23 (4
suppl.):S475-85, 2007.
ROSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. 3.
ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
SANTOS, Alexandre Lima; RIGOTTO, Raquel
Maria. Território e territorialização:
incorporando as relações produção, trabalho,
ambiente e saúde na atenção básica à saúde.
Trab. educ. saúde (Online), Rio de Janeiro , v.
8, n. 3, p. 387-406, nov. 2010.
SILVA, Allan Gustavo Freira da. A relação
entre Estado e políticas públicas: uma análise
teórica sobre o caso brasileiro. Revista Debates,
Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 25-42, jan.-abr.
2017.
______________________________________
1 – Prof. Flávio Henrique Ferreira Barbosa, PhD
Biólogo / Professor Adjunto
Departamento de Morfologia
Sub-área: Microbiologia e Imunologia
Universidade Federal de Sergipe – UFS
flaviobarbosaufs@gmail.com
64

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
Arisson Rocha da Rosa
 
2 políticas públicas
2 políticas públicas2 políticas públicas
2 políticas públicas
Ana Daniela Silveira
 
As políticas públicas de saúde
As políticas públicas de saúdeAs políticas públicas de saúde
As políticas públicas de saúde
Oscar Gaspari
 
Txt 587316149
Txt 587316149Txt 587316149
Txt 587316149
Jairo da Silva
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Feernascimento
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
feraps
 
Globalização, saúde e cidadania
Globalização, saúde e cidadaniaGlobalização, saúde e cidadania
Globalização, saúde e cidadania
Malu Correia
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
origens da saúde coletiva
origens da saúde coletivaorigens da saúde coletiva
origens da saúde coletiva
Claudia Pinheiro
 
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - ReflexõesA Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
Helenice Alexandrino
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
Jaime Freitas
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
feraps
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Sebástian Freire
 
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúdeA dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
Rosane Domingues
 
Politicas e programas de saude
Politicas e programas de saudePoliticas e programas de saude
Politicas e programas de saude
Bruno Figueiredo
 
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familiaAnálise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
Rosane Domingues
 
Intervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde públicaIntervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde pública
Núcleo Pró-Creare - Psicologia - Assistência & Ensino
 
A política nacional de humanização e o serviço social elementos para o debat...
A política nacional de humanização e o serviço social  elementos para o debat...A política nacional de humanização e o serviço social  elementos para o debat...
A política nacional de humanização e o serviço social elementos para o debat...
Amanda Olibert
 

Mais procurados (20)

Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
 
2 políticas públicas
2 políticas públicas2 políticas públicas
2 políticas públicas
 
As políticas públicas de saúde
As políticas públicas de saúdeAs políticas públicas de saúde
As políticas públicas de saúde
 
Txt 587316149
Txt 587316149Txt 587316149
Txt 587316149
 
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
Políticas e práticas em saúde coletiva (2)
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Território e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - DoençaTerritório e o Processo Saúde - Doença
Território e o Processo Saúde - Doença
 
Globalização, saúde e cidadania
Globalização, saúde e cidadaniaGlobalização, saúde e cidadania
Globalização, saúde e cidadania
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
origens da saúde coletiva
origens da saúde coletivaorigens da saúde coletiva
origens da saúde coletiva
 
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - ReflexõesA Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
A Reforma Sanitária Brasileira após 20 anos do SUS - Reflexões
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
 
Participação e controle social
Participação e controle socialParticipação e controle social
Participação e controle social
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúdeA dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
A dimensão socioeducativa do trabalho do assistente social na área da saúde
 
Politicas e programas de saude
Politicas e programas de saudePoliticas e programas de saude
Politicas e programas de saude
 
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familiaAnálise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
Análise sobre a inserção do assistente social no programa saúde da familia
 
Intervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde públicaIntervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde pública
 
A política nacional de humanização e o serviço social elementos para o debat...
A política nacional de humanização e o serviço social  elementos para o debat...A política nacional de humanização e o serviço social  elementos para o debat...
A política nacional de humanização e o serviço social elementos para o debat...
 

Semelhante a Artigo bioterra v20_n1_08

Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
EducaSaude1
 
Serviço social e a saude do trabalhador
Serviço social e a saude do trabalhadorServiço social e a saude do trabalhador
Serviço social e a saude do trabalhador
Inês Paim Dos Santos
 
Qualidade de vida, um debate necessário
Qualidade de vida, um debate necessárioQualidade de vida, um debate necessário
Qualidade de vida, um debate necessário
ellen1066
 
Determinantes socais e_saude
Determinantes socais e_saudeDeterminantes socais e_saude
Determinantes socais e_saude
ellen1066
 
Texto 3 determinantes sociais
Texto 3   determinantes sociaisTexto 3   determinantes sociais
Texto 3 determinantes sociais
comunidadedepraticas
 
Frossard2015
Frossard2015Frossard2015
Frossard2015
Thais Moura
 
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
Rodrigo Zardo
 
Territorializaçao_oficina.pptx
Territorializaçao_oficina.pptxTerritorializaçao_oficina.pptx
Territorializaçao_oficina.pptx
mailsoncarvalho1
 
Parametros curriculares temas transversais - saúde
Parametros curriculares   temas transversais - saúdeParametros curriculares   temas transversais - saúde
Parametros curriculares temas transversais - saúde
Cre Educação
 
Pcn 10.4 Tt SaúDe
Pcn   10.4   Tt SaúDePcn   10.4   Tt SaúDe
Pcn 10.4 Tt SaúDe
literatoliberato
 
Saúde.mc
Saúde.mcSaúde.mc
Saúde.mc
neepssuerj
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúde
Juanito Florentino
 
Temas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço SocialTemas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço Social
Rosane Domingues
 
Temas TCC e MONOGRAFIA
Temas TCC e MONOGRAFIATemas TCC e MONOGRAFIA
Temas TCC e MONOGRAFIA
Rosane Domingues
 
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internetTEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
Rosane Domingues
 
Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúdeDeterminantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde
Zuilton Guimarães Silva Guimarães
 
Representacoes sociais e_meio_ambiente_p
Representacoes sociais e_meio_ambiente_pRepresentacoes sociais e_meio_ambiente_p
Representacoes sociais e_meio_ambiente_p
Eduardo Freitas
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Psicologia_2015
 
Almeida filho n. o conceito de saúde
Almeida filho n. o conceito de saúdeAlmeida filho n. o conceito de saúde
Almeida filho n. o conceito de saúde
Marcos Santos
 
Análise artigo Antropologia Médica.ppt
Análise artigo Antropologia Médica.pptAnálise artigo Antropologia Médica.ppt
Análise artigo Antropologia Médica.ppt
nonnebio
 

Semelhante a Artigo bioterra v20_n1_08 (20)

Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
 
Serviço social e a saude do trabalhador
Serviço social e a saude do trabalhadorServiço social e a saude do trabalhador
Serviço social e a saude do trabalhador
 
Qualidade de vida, um debate necessário
Qualidade de vida, um debate necessárioQualidade de vida, um debate necessário
Qualidade de vida, um debate necessário
 
Determinantes socais e_saude
Determinantes socais e_saudeDeterminantes socais e_saude
Determinantes socais e_saude
 
Texto 3 determinantes sociais
Texto 3   determinantes sociaisTexto 3   determinantes sociais
Texto 3 determinantes sociais
 
Frossard2015
Frossard2015Frossard2015
Frossard2015
 
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
Texto1 leit previa_reg_ativ18set2013
 
Territorializaçao_oficina.pptx
Territorializaçao_oficina.pptxTerritorializaçao_oficina.pptx
Territorializaçao_oficina.pptx
 
Parametros curriculares temas transversais - saúde
Parametros curriculares   temas transversais - saúdeParametros curriculares   temas transversais - saúde
Parametros curriculares temas transversais - saúde
 
Pcn 10.4 Tt SaúDe
Pcn   10.4   Tt SaúDePcn   10.4   Tt SaúDe
Pcn 10.4 Tt SaúDe
 
Saúde.mc
Saúde.mcSaúde.mc
Saúde.mc
 
Artigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúdeArtigo determinantes de_saúde
Artigo determinantes de_saúde
 
Temas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço SocialTemas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço Social
 
Temas TCC e MONOGRAFIA
Temas TCC e MONOGRAFIATemas TCC e MONOGRAFIA
Temas TCC e MONOGRAFIA
 
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internetTEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM SERVIÇO SOCIAL- Encontrado na internet
 
Determinantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúdeDeterminantes sociais da saúde
Determinantes sociais da saúde
 
Representacoes sociais e_meio_ambiente_p
Representacoes sociais e_meio_ambiente_pRepresentacoes sociais e_meio_ambiente_p
Representacoes sociais e_meio_ambiente_p
 
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 2 - ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
 
Almeida filho n. o conceito de saúde
Almeida filho n. o conceito de saúdeAlmeida filho n. o conceito de saúde
Almeida filho n. o conceito de saúde
 
Análise artigo Antropologia Médica.ppt
Análise artigo Antropologia Médica.pptAnálise artigo Antropologia Médica.ppt
Análise artigo Antropologia Médica.ppt
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v20_n1_08

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 20 - Número 1 - 1º Semestre 2020 TERRITÓRIO, CULTURA E SAÚDE – UMA ANÁLISE CRÍTICA Flávio Henrique Ferreira Barbosa1 RESUMO Segundo Rafaela Pereira em seu texto Território, Saúde e Ambiente: Novas Formas de Articulação, publicado em 2009 (Geografia - v. 18, n. 1, jan./jun. 2009 – Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências), em uma realidade global sustentada por um complexo modelo de produção-consumo, a compreensão da relação entre saúde e ambiente passa a exigir novos arranjos teórico-conceituais, que levem a apreensão dos novos desdobramentos gerados pela dinâmica desta relação. No presente artigo, a partir de uma discussão acerca dos conceitos de saúde, ambiente e saúde ambiental, procurar-se-á oferecer subsídios teóricos de permitam, além de uma reflexão sobre o tema, pensar nos caminhos a serem adotados perante essa realidade global vigente. No contexto da saúde coletiva, o conceito de território está presente em múltiplas dimensões e sentidos. Aparece em documentos que expressam princípios e diretrizes das políticas de saúde e no planejamento das ações locais, e é elemento central para organizar a rede de cuidado no SUS. O presente artigo busca discutir brevemente o conceito de território e seus usos nas práticas da atenção à saúde pelo Brasil. Tal reflexão possibilita pensar o território em sua complexidade, como espaço, processo e composição, de forma a potencializar a relação entre serviço, cultura, produção do cuidado e produção de subjetividade. Palavras-chave: Território, Cultura, Saúde, SUS. TERRITORY, CULTURE AND HEALTH - A CRITICAL ANALYSIS ABSTRACT According to Rafaela Pereira in her text Territory, Health and Environment: New Forms of Articulation, published in 2009 (Geografia - v. 18, n. 1, jan./jun. 2009 – Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências), in a global reality supported by a complex production- consumption model, understanding the relationship between health and the environment starts to demand new theoretical-conceptual arrangements, which lead to apprehension of the new developments generated by the dynamics of this relationship. In this article, starting from a discussion about the concepts of health, environment and environmental health, we will try to offer theoretical subsidies to allow, in addition to a reflection on the theme, to think about the paths to be adopted in view of this current global reality. In the context of collective health, the concept of territory is present in multiple dimensions and meanings. It appears in documents that express principles and guidelines of health policies and in the planning of local actions, and is a central element to organize the care network in SUS. This article seeks to briefly discuss the concept of territory and its uses in healthcare practices in Brazil. Such reflection makes it possible to think of the territory in its complexity, as space, process and composition, in order to enhance the relationship between service, culture, production of care and production of subjectivity. Keywords: Territory, Culture, Health, SUS. 61
  • 2. INTRODUÇÃO Em seu trabalho sobre a história da Saúde Pública, George Rosen defende a ideia de que os problemas de saúde vividos pelo homem durante toda a sua história vinculam-se à organização comunitária e à estrutura social desenvolvida. A confluência histórica dos contornos encontrados na contenção das epidemias desde a melhoria do ambiente físico, a provisão de águas, a assistência médica e outras medidas originou o que atualmente se conhece como Saúde Pública (SILVA, 2017). A noção atual de Saúde Pública ganha nitidez no Estado liberal burguês do fim do século XVIII. Porém, será na segunda metade do século XIX que a higiene se torna um saber social que envolve toda a sociedade e faz da Saúde Pública uma prioridade política. São desse momento as primeiras tentativas de relacionar a saúde à economia, reforçando a utilidade do investimento no setor. (SILVA, 2017). Neste sentido, Rousseau (2003) afirmava que a liberdade natural do homem, seu bem- estar e sua segurança seriam preservados através de um contrato social. A composição do conjunto de regras que forma a noção de Estado é estabelecida pela aglutinação de sociedades, as quais, situadas em determinado território, visando à proteção da propriedade privada e a regulação de atribuições gerais e coletivas, se submetem a regras e acordos comuns (FERNANDES, 2013). Na geografia tradicional, no sentido jurídico-político o território sempre foi entendido como espaço limitado pelas estruturas de poder. Por isso, correspondia à área delimitada pelas fronteiras de um país, estado, município ou distrito. Os limites artificialmente determinados respondiam a critérios de controle administrativo - contudo, faz-se necessário ressaltar que território também compreende o sentido etológico, aludindo ao espaço necessário para a sobrevivência animal. Pensar o território nessa perspectiva implica atribuir-lhe identidade intrínseca à constituição da vida social, seja no âmbito da organização dos poderes, seja nas formas de produção e distribuição das riquezas. As condições de moradia e de ocupação dos territórios nas mais diversas configurações socioambientais são produtos das relações entre desenvolvimento econômico e social, dos quais derivam os demais indicadores de qualidade de vida de dada população (JUNGES & BARBIANI, 2013). O território socialmente configurado determina a situação sanitária da população que o habita, sendo a saúde dialeticamente ligada e determinada por esse espaço social, possibilitando o surgimento de redes sociais de apoio e convivência. Neste sentido, pode-se dizer que território é a área de atuação das equipes de saúde que tem como particularidade o fato de não se reduzir ao espaço geográfico. O território envolve recursos e trocas que o sujeito usa e estabelece em sua comunidade e fora dela, na sociedade (RIGOTTO & AUGUSTO, 2007). Pode-se inferir então, que a importância do território, em suas múltiplas dimensões, para a compreensão dos processos saúde-doença- cuidado-assistência decorre da necessidade de que o território deve ir além dos limites das instituições, abrangendo os anseios e as necessidades do sujeito. Fica claro que a promoção da saúde passa pela construção de uma interface ativa com outros setores governamentais e não governamentais, como educação, cultura, esporte, lazer, justiça, assistência social, visando ampliar a abrangência e a resolutividade das intervenções (SANTOS & RIGOTTO, 2010). Sendo assim, algumas questões vêm à tona: de que forma os processos de territorialização podem ser realizados de modo a garantir a apreensão da complexidade do território, as territorialidades e suas implicações sobre a saúde? E qual a importância dos determinantes culturais para o processo de trabalho em saúde? A territorialização é em um dos pressupostos básicos dos trabalhos envolvendo atenção à saúde. No entanto, a tarefa de territorialização adquire, pelo menos, três sentidos diferentes e complementares: demarcação de limites das áreas de atuação dos serviços; reconhecimento do 'ambiente', da população e da dinâmica social existentes nessas áreas; e estabelecimento de relações horizontais com outros serviços adjacentes e verticais, como centros de referência (PEREIRA & BARCELLOS, 2006). Sob tal ótica, os serviços do sistema de saúde precisam funcionar em interação com esse
  • 3. espaço social. A efetividade do acesso e da resposta às necessidades dependerá de sua inserção no espaço das sociabilidades cotidianas dos usuários, e também de seus determinantes culturais, que não se identificam simplesmente com a definição administrativa de território. Só assim será possível detectar contextos de vulnerabilidade e coletar dados epidemiológicos efetivos sobre a situação sanitária daquela comunidade. Por isso, o conceito de território na gestão e na prática de saúde sempre adquiriu maior importância, acerca do espaço geográfico e fomentando o surgimento de novo campo de conhecimento na interface entre geografia e saúde (FARIA, 2019). Definitivamente, os indivíduos não podem ser reduzidos a uma definição que envolva apenas aspectos biológicos. A busca pela saúde não deve se ater a um processo isolado, mas imbricado a uma complexa trama estabelecida e interdependente da questão econômica, cultural, informacional. Diferenças profissionais ou de poder aquisitivo, por exemplo, não são suficientes para explicar a disparidade de status em um determinado território. Nessa perspectiva, práticas sanitárias que não se comprometam em conhecer as singularidades e configurações sociais específicas dos territórios de saúde assemelham- se à condição de estrangeiro que, mesmo falando o idioma desse território, não compreende sua teia de significados, que é sua própria cultura (FARIA, 2019). Essa compreensão manifesta-se, por exemplo, nos territórios das equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF), entendidos como espaço das sociabilidades cotidianas dos usuários e não como adscrição territorial definida por critérios numéricos e administrativos. Essa íntima interação entre saúde, cultura de um povo e espaço geográfico exige pensar o ambiente como lugar da reprodução social da vida, e a saúde sob uma ótica ecossistêmica. A ampliação do olhar dos profissionais da Atenção Básica à Saúde sobre o território é estratégica para superar as barreiras nas relações entre saberes tradicionais e científicos na produção do cuidado. A superação dos limites da unidade de saúde e das práticas do modelo de atenção convencional; a (re)construção do vínculo dos profissionais e do sistema de saúde com o lugar; a adequação das ações de saúde à singularidade de cada contexto sócio histórico específico; e a incorporação efetiva do paradigma da promoção da saúde e da participação. Não é uma panaceia, mas sim, um ponto de partida fértil (SANTOS & RIGOTTO, 2010). As questões de saúde do trabalhador e de saúde ambiental estão no cotidiano de pessoas, famílias, comunidades e grupos sociais, exercendo relevante influência na qualidade de vida, no adoecer e no morrer dos segmentos sociais. O sistema público de saúde precisa avançar nos esforços que vem fazendo para contemplar essas dimensões no cotidiano dos serviços, desde o nível primário. As conexões entre território, cultura e saúde e as implicações sobre o processo de trabalho em saúde aqui esboçada representa, obviamente, um esforço de conhecimento do território que vai muito além do tradicional processo de territorialização que vem sendo implementado na Atenção Básica à Saúde e na ESF. CONSIDERAÇÕES FINAIS Trabalhar a complexidade do cuidado em saúde e ambiente demanda muito mais tempo da equipe e o envolvimento ativo e dialógico de todos os seus profissionais. Demanda, também, conteúdos, habilidades e atitudes nem sempre oferecidas nos tradicionais processos de formação na área da saúde. É permanente e processual: sempre haverá o que conhecer na dinâmica das territorialidades. Supõe, ainda, uma compreensão ampliada do processo saúde-doença na complexidade dos sociosespaços contemporâneos, e do papel do Estado na garantia do direito à saúde. Supõe também, é claro, que as questões básicas de direitos trabalhistas e condições de trabalho estejam equacionadas no sistema. Segundo Rigotto e Augusto (2007), é na conexão entre território, cultura e saúde onde encontramos um caminho para planejar ações de promoção e de atenção integral à saúde. Por meio desta nova forma de olhar e fazer, os projetos de saúde nascem das necessidades de saúde da comunidade (e não de programas verticais que vêm do 'nível central' para a
  • 4. 'ponta'), produzindo e difundindo conhecimento, mobilizando, educando, criando ou fortalecendo redes, empoderando sujeitos coletivos e projetos de equidade e sustentabilidade, ou seja, de verdadeiramente construir saúde. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FARIA, Cintya Cristine Martins da Veiga; PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Território de saúde: possibilidades e desafios a partir da contribuição de Norbert Elias e John L. Scotson. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro , v. 27, n. 3, p. 272-277, set. 2019. FERNANDES, Ana Tereza; CASTRO, Camila; MARON, Juliana. Desafios para implementação de políticas públicas: intersetorialidade e regionalização. VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, 2013. JUNGES, José Roque; BARBIANI, Rosangela. Interfaces entre território, ambiente e saúde na atenção primária: uma leitura bioética. Rev. Bioét., Brasília , v. 21, n. 2, p. 207-217, ago. 2013. PEREIRA, Martha Priscila Bezerra; BARCELLOS, Christovam. O território no Programa de Saúde da Família. Hygeia, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v. 2, n. 2, p. 47-55, jun. 2006. RIGOTTO RM, AUGUSTO LGS. Saúde e ambiente no Brasil: desenvolvimento, território e iniquidade social. Cad Saúde Pública. v. 23 (4 suppl.):S475-85, 2007. ROSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. SANTOS, Alexandre Lima; RIGOTTO, Raquel Maria. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab. educ. saúde (Online), Rio de Janeiro , v. 8, n. 3, p. 387-406, nov. 2010. SILVA, Allan Gustavo Freira da. A relação entre Estado e políticas públicas: uma análise teórica sobre o caso brasileiro. Revista Debates, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 25-42, jan.-abr. 2017. ______________________________________ 1 – Prof. Flávio Henrique Ferreira Barbosa, PhD Biólogo / Professor Adjunto Departamento de Morfologia Sub-área: Microbiologia e Imunologia Universidade Federal de Sergipe – UFS flaviobarbosaufs@gmail.com 64