SlideShare uma empresa Scribd logo
CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE
TRABALHO NA INDÚSTRIA DA
CONSTRUÇÃO
NR 18
 18.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece diretrizes de
ordem administrativa, de planejamento e de organização, que
objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas
preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio
ambiente de trabalho na Indústria da Construção.
 18.1.2 Consideram-se atividades da Indústria da Construção as
constantes do Quadro I, Código da Atividade Específica, da NR 4 -
Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em
Medicina do Trabalho e as atividades e serviços de demolição,
reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral, de
qualquer número de pavimentos ou tipo de construção, inclusive
manutenção de obras de urbanização e paisagismo. (Alterado pela
Portaria SSST n.º 63, de 28 de dezembro de 1998)
OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO
NR 18
PRINCIPAIS RISCOS
CHOQUE ELÉTRICO
18.21 Instalações Elétricas
QUEDA
18.15 Andaimes e
Plataformas de Trabalho
SOTERRAMENTO
18.6 Escavações,
Fundações e Desmonte de
Rochas
NR 18
EVITANDO ACIDENTES
CHOQUE ELÉTRICO
 ISOLAMENTO OU
PROTEÇÃO DOS CABOS;
 NÃO DEIXAR OS FIOS
ESPALHADOS PELO CHÃO E
SEM PROTEÇÃO;
 EVITAR A UTILIZAÇÃO DE
AMDAIMES, ESCADAS OU
BARRAS DE FERRO
PRÓXIMO DE REDES
ELÉTRICAS;
 MANTER A FIAÇÃO LONGE
DO CONTATO COM A ÁGUA.
QUEDA
 REALIZAR INSPEÇÃO ANTES
DO INÍCIO DA OBRA;
 VERIFICAR OS
DISPOSITIVOS DE
PROTEÇÃO;
 VERIFICAR SE TODO O
PESSOAL ENVOLVIDO ESTA
APTO AO SERVIÇO;
 ISOLAR E SINALIZAR TODA
A ÁREA SOB O SERVIÇO.
SOTERRAMENTO
 EVITAR SOBRECARGAS AO LONGO DA
ESCAVAÇÃO;
 EVITAR VIBRAÇÕES PROVOCADAS POR
MÁQUINAS E TRÁFEGO PESADO NAS
PROXIMIDADSES DA ESCAVAÇÃO;
 EXAMINAR AS PRPRIEDADES VIZINHAS
ANTES DE SE INICIAR A ESCAVÇÃO;
 ORGANIZAR E PREPARAR TODO
EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA
PREVENÇÃO DE ACIDENTES.
NR 18
É UM DOCUMENTO QUE ESTABELECE AS CONDIÇÕES E DIRETRIZES
NECESSÁRIAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OBRAS E DEMAIS ATIVIDADES
DO SETOR DA CONSTRUÇÃO.
PRINCIPAIS PONTOS:
 GARANTIR A SAÚDE E INTEGRIDADE DOS TRABALHADORES;
 FAZER UMA DESCRIÇÃO DETALHADA DA OBRA E DOS RISCOS NELA EXISTENTES;
 IMPLANTAR MEDIDAS DE PREVENÇÃO, PROTEÇÃO E TÉCNICAS DE EXECUÇÃO,
VISANDO A REDUÇÃO DE SITUAÇÕES DE RISCOS, EVITANDO ASSIM ACIDENTES E
DOENÇAS;
 18.3.4 – F) PROGRAMA EDUCATIVO – TODOS OS TRABALHADORES DEVEM
RECEBER PARA QUE OS MESMOS CONDUZAM-SE NO AMBIENTE DE TRABALHO
CIENTES E PREVENIDOS CONTRA OS RISCOS QUE ESSE MEIO OFERECE.
PCMAT (Programa de Condições e Meio Ambiente de
Trabalho na Indústria da Construção) NR 18
 18.4.1 OS CANTEIROS DE OBRAS DEVEM DISPOR DE: INSTALAÇÕES
SANITÁRIAS, VESTIÁRIO, ALOJAMENTO, LOCAL DE REFEIÇÕES,
COZINHA, QUANDO HOUVER PREPARO DE REFEIÇÕES; LAVANDERIA,
ÁREA DE LAZER E AMBULATÓRIO, QUANDO SE TRATAR DE FRENTES DE
TRABALHO COM 50 (CINQUENTA) OU MAIS TRABALHADORES.
 18.4.1.2 AS ÁREAS DE VIVÊNCIA DEVEM SER MANTIDAS EM
PERFEITO ESTADO DE CONSERVAÇÃO, HIGIENE E LIMPEZA.
18.4 ÁREAS DE VIVÊNCIA
NR 18
18.7 CARPINTARIA
NR 18
18.12 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS
NR 18
NR 18
18.28 TREINAMENTO 18.29 ORDEM E LIMPEZA
18.29.5 É PROIBIDO MANTER LIXO OU
ENTULHO ACUMULADO OU EXPOSTO
EM LOCAIS INADEQUADOS DO
CANTEIRO DE OBRAS.
18.28.1 TODOS OS EMPREGADOS DEVEM
RECEBER TREINAMENTOS ADMISSIONAL
E PERIÓDICO, VISANDO A GARANTIR A
EXECUÇÃO DE SUAS ATIVIDADES COM
SEGURANÇA.
Nr 33 – SEGURANÇA E SAUDE NOS
TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS
SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS
33.1 Definições e objetivos:
Esta norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para
identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação,
monitoramento e controle dos riscos existentes, Visando garantir a
segurança e a saúde dos trabalhadores .
O que é um espaço confinado?
qualquer área ou ambiente que :
• não foi projetada para ocupação humana continua;
• possuem entrada e saída restritas;
• ventilação inexistente ou insuficiente;
• deficiência ou enriquecimento de oxigênio.
Os principais motivos de acesso á esses espaços são: limpeza, manutenção,
conserto, inspeção, construção, entre outros.
Os riscos para trabalhos em espaços confinados são: queda, explosão,
soterramento, afogamento, aprisionamento, choque elétrico, intoxicação
por partículas de substancias química nocivas, infecções por agentes
biológicos.
• Cabe ao empregador indicar
o responsável técnico pelo
cumprimento desta norma.
• garantir o aceso ao espaço
confinado só após a emissão
por escrito da permissão de
entrada e trabalho. (PET)
• Cabe aos trabalhadores:
colaborar com a empresa no
cumprimento desta NR, o que é
imprescindível.
33.2 Das Responsabilidades:
33.3 Gestão de segurança e saúde nos
trabalhos em espaços confinados:
Deve ser planejada, programada, implementada e avaliada,
incluindo medidas técnicas de prevenção, medidas
administrativas e medidas pessoais e capacitação para trabalho
em espaços confinados.
33.4 Emergência e Salvamento
O empregador deve elaborar e implementar
procedimentos de emergência e resgate adequados aos
espaços confinados.
33.5 Disposições Gerais
O empregador deve garantir que os trabalhadores possam interromper
suas atividades e abandonar o local de trabalho, sempre que suspeitarem
da existência de risco grave e iminente para sua segurança e saúde ou a
de terceiros.
CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE
TRABALHO NA INDÚSTRIA
DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL
NR 34
OBJETIVOS E CAMPO DE APLICAÇÃO.
A norma regulamentadora de n°34 estabelece os requisitos
mínimos e as medidas de proteção á segurança ,á saúde e ao meio
ambiente de trabalho nas atividades da indústria da construção e
reparação naval.
As atividades da indústria da construção naval são todas aquelas
desenvolvidas no âmbito das instalações empregadas para este fim
ou nas próprias embarcações ,tais como: navios ,barcos ,lanchas,
plataformas fixas ou flutuantes ,dentre outras.
NR 34
(34.3) Para atuar na área o trabalhador deve possuir capacitação e
treinamento .
O empregador deve desenvolver e implantar programa de capacitação,
compreendendo treinamento admissional, periódico ou sempre que
ocorrer mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho,
acidente grave ou fatal.
O treinamento deve ter carga horaria mínima de seis horas.
34.5 TRATA-SE DE TRABALHO A QUENTE.
SÃO CONSIDERADOS TRABALHOS A QUENTE AS ATIVIDADES DE
SOLDAGEM, GOIVAGEM ,
ESMERILHAMENTO OU OUTRAS QUE POSSAM GERAR FONTES DE
IGNIÇÃO.
NR 34
NR 34
(34.8)Um dos temas tratados nessa NR é relacionado a trabalhos de
jateamento e hidrojateamento.
O QUE SÃO ESSES PROCESSOS?
O jateamento é um processo
semelhante ao de lavagem a
jato usado para remover a
sujeira, tintas,encrostamentos
e etc.
NR 34
O hidrojateamento consiste de um jato de água
de alta pressão sobre uma superfície,
normalmente com a intenção de limpa-la ou
desobstruí-la.
O item 34.14 desta Nr trata de testes de
estanqueidade.
O QUE É ISSO?
Também conhecido como teste de vazamento é o processo que
verifica a integridade de uma peça ou componente quanto a
vazamentos.
POR QUE TESTAR ESTANQUEIDADE?
• Redução no custo de montagem de peças;
• Melhoria na confiabilidade do produto;
• Proteção do ambiente,etc.
NR 35 – TRBALHO EM ALTURA
Definição
Segundo o Ministério do Trabalho (MTE) É
toda atividade executada acima de 2 metros
do piso de referência. Na qual, uma das
principais causas de mortes de trabalhadores
se deve a acidentes envolvendo queda de
pessoas e materiais. 30% dos acidentes de
trabalhos ocorridos ao ano são decorrentes
de quedas.
NR 35
Objetivo
Essa norma tem por objetivos estabelecer os
procedimentos necessários para a realização
de trabalhos em altura, visando garantir
segurança e integridade física dos
colaboradores e empresas de terceiros
(contratadas) que realizaram este tipo de
trabalho e a proteção dos que transitam nas
áreas próximas.
NR 35
Treinamento
Normas e
Regulamentos
Análise de Rico
e Condições de
Impedimento
Medidas de
Controle
Proteção
Individual e
coletiva
Tipos de
Acidentes
Emergência
NR 35
A cada 2 anos
Mudança de
Empresa
90 dias afastado
Treinamento NR 35
Treinamento NR 35
Planejamento
Todo Trabalho em Altura deve ser precedido de Análise de
Risco.
•Isolamento
•Sinalização da área
•Autorização dos envolvidos
•Pontos de ancoragem
•Condições de impedimento
•Queda de materiais
NR 35
Equipamentos de Proteção
Devem ser:
Selecionados
Inspecionados
Garantindo as condições de segurança
NR 35
Equipamentos de Proteção
Se apresentar qualquer defeito,
deformação ou sofrer qualquer impacto
devem ser substituídos na hora.
Não se esquecer de que devem sempre
ser seguidas as normas e orientações
do fabricante.
NR 35
Equipamentos de Proteção
NR 35
Atividades Não Rotineiras
Autorizadas por Permissão de Trabalhos
Avaliadas por profissional qualificado
Requisitos, medidas e relação.
NR 35
Emergência
A empresa deve ter:
Métodos de resgate
padronizados e adequados ás
suas atividades;
Meios para a aplicação dos
métodos;
Os trabalhadores autorizados
devem estrar aptos para
executar o resgate
NR 35
Exemplos de Trabalho
em Altura NR 35
Principais Áreas de Risco NR 35

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a APRESENTAÇÃO_RESUMOS DAS NR_18_33_34_35.pptx

Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptxImplantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
ssuser22b3f8
 
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.pptTREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
MrcioBueno11
 
Trabalho em Altura
Trabalho em AlturaTrabalho em Altura
Trabalho em Altura
Allan Almeida de Araújo
 
Apostila trab alturappt
Apostila trab alturapptApostila trab alturappt
Apostila trab alturappt
Andreia Marques
 
NR 35 - trabalho em altura
NR 35 - trabalho em alturaNR 35 - trabalho em altura
NR 35 - trabalho em altura
Carlos Eduardo Souza dos Santos
 
Risco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptxRisco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptx
LucianoMachado59
 
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.pptAPRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
BrbaraGraccianeElias
 
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdfConstrução civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
hallsther1
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
Nestor Neto
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
Nestor Neto
 
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
DafiniSantos1
 
NR 35 02.pptx
NR 35 02.pptxNR 35 02.pptx
NR 35 02.pptx
adilson29435
 
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
cecilia220770
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
LeandroGomes875705
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
Fernando Senechal
 
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
Paula Zanforlin
 
LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDFLAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF
marceloromaneli
 
Treinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptxTreinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptx
Tiago Hensel
 
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdfNR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
ssuser82911e1
 
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptxtrabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
HosmarioOuriques2
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO_RESUMOS DAS NR_18_33_34_35.pptx (20)

Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptxImplantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
Implantação e Medidas de Controle para Riscos Específicos.pptx
 
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.pptTREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
TREINAMENTO DE TRABALHO EM ALTURA NR-35 formação e reciclagem Aryzta.ppt
 
Trabalho em Altura
Trabalho em AlturaTrabalho em Altura
Trabalho em Altura
 
Apostila trab alturappt
Apostila trab alturapptApostila trab alturappt
Apostila trab alturappt
 
NR 35 - trabalho em altura
NR 35 - trabalho em alturaNR 35 - trabalho em altura
NR 35 - trabalho em altura
 
Risco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptxRisco em Altura Mkall.pptx
Risco em Altura Mkall.pptx
 
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.pptAPRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
APRESENTAÇÃO - SLIDE NR 35.ppt
 
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdfConstrução civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
Construção civil NR25 e NR35 APRESENTAÇÃO.pdf
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
 
Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]Ppra definitivo4 [2]
Ppra definitivo4 [2]
 
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
1 - SLIDE TREINAMENTO NR 35.pptx
 
NR 35 02.pptx
NR 35 02.pptxNR 35 02.pptx
NR 35 02.pptx
 
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
457371231-Treinamento-NR-18 (1).ppt.......
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
 
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
094783e976d7629e760691b45b824a13Treinamento NR 35_002-2022.pptx
 
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
87686084 manual-de-auxilio-na-interpretacao-e-aplicacao-da-nr-35-trabalhos-em...
 
LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDFLAUDO TECNICO  - Serraria-desdobre madeira.PDF
LAUDO TECNICO - Serraria-desdobre madeira.PDF
 
Treinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptxTreinamento NR 35_2023.pptx
Treinamento NR 35_2023.pptx
 
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdfNR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
NR-33-cartilha-de-bolso-AMZ.pdf
 
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptxtrabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
trabalhoemaltura-nr35 parte 01.pptx
 

Mais de EversonLima23

TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptxTREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
EversonLima23
 
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptxTREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
EversonLima23
 
Lesão por Esforço Repetitivo Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
Lesão por Esforço RepetitivoDistúrbio Osteomuscular Relacionado ao TrabalhoLesão por Esforço RepetitivoDistúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
Lesão por Esforço Repetitivo Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
EversonLima23
 
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame CerebralAVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
EversonLima23
 
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacionalApresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
EversonLima23
 
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptxAPRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
EversonLima23
 
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptxImplantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
EversonLima23
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
EversonLima23
 

Mais de EversonLima23 (8)

TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptxTREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
TREINAMENTO_ESMERILHADEIRA E LIXADEIRA.pptx
 
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptxTREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
TREINAMENTO_LIXADEIRA_POLICORTE_APT.pptx
 
Lesão por Esforço Repetitivo Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
Lesão por Esforço RepetitivoDistúrbio Osteomuscular Relacionado ao TrabalhoLesão por Esforço RepetitivoDistúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
Lesão por Esforço Repetitivo Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho
 
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame CerebralAVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
AVC_O Acidente Vascular Cerebral_Derrame Cerebral
 
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacionalApresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
Apresentação_ de_ psicologia_ Estresse ocupacional
 
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptxAPRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
APRESENTAÇÃO_REDAÇÃO TÉCNICA_SEMINÁRIO.pptx
 
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptxImplantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
Implantação e treinamento de plano de gestão ambiental.pptx
 
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptxDilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
Dilemas_e_desafios_para_consolidao_da_educao_bsica_Slides.pptx
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

APRESENTAÇÃO_RESUMOS DAS NR_18_33_34_35.pptx

  • 1. CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18
  • 2.  18.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção.  18.1.2 Consideram-se atividades da Indústria da Construção as constantes do Quadro I, Código da Atividade Específica, da NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e as atividades e serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral, de qualquer número de pavimentos ou tipo de construção, inclusive manutenção de obras de urbanização e paisagismo. (Alterado pela Portaria SSST n.º 63, de 28 de dezembro de 1998) OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO NR 18
  • 3. PRINCIPAIS RISCOS CHOQUE ELÉTRICO 18.21 Instalações Elétricas QUEDA 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho SOTERRAMENTO 18.6 Escavações, Fundações e Desmonte de Rochas NR 18
  • 4. EVITANDO ACIDENTES CHOQUE ELÉTRICO  ISOLAMENTO OU PROTEÇÃO DOS CABOS;  NÃO DEIXAR OS FIOS ESPALHADOS PELO CHÃO E SEM PROTEÇÃO;  EVITAR A UTILIZAÇÃO DE AMDAIMES, ESCADAS OU BARRAS DE FERRO PRÓXIMO DE REDES ELÉTRICAS;  MANTER A FIAÇÃO LONGE DO CONTATO COM A ÁGUA. QUEDA  REALIZAR INSPEÇÃO ANTES DO INÍCIO DA OBRA;  VERIFICAR OS DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO;  VERIFICAR SE TODO O PESSOAL ENVOLVIDO ESTA APTO AO SERVIÇO;  ISOLAR E SINALIZAR TODA A ÁREA SOB O SERVIÇO. SOTERRAMENTO  EVITAR SOBRECARGAS AO LONGO DA ESCAVAÇÃO;  EVITAR VIBRAÇÕES PROVOCADAS POR MÁQUINAS E TRÁFEGO PESADO NAS PROXIMIDADSES DA ESCAVAÇÃO;  EXAMINAR AS PRPRIEDADES VIZINHAS ANTES DE SE INICIAR A ESCAVÇÃO;  ORGANIZAR E PREPARAR TODO EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES. NR 18
  • 5. É UM DOCUMENTO QUE ESTABELECE AS CONDIÇÕES E DIRETRIZES NECESSÁRIAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA OBRAS E DEMAIS ATIVIDADES DO SETOR DA CONSTRUÇÃO. PRINCIPAIS PONTOS:  GARANTIR A SAÚDE E INTEGRIDADE DOS TRABALHADORES;  FAZER UMA DESCRIÇÃO DETALHADA DA OBRA E DOS RISCOS NELA EXISTENTES;  IMPLANTAR MEDIDAS DE PREVENÇÃO, PROTEÇÃO E TÉCNICAS DE EXECUÇÃO, VISANDO A REDUÇÃO DE SITUAÇÕES DE RISCOS, EVITANDO ASSIM ACIDENTES E DOENÇAS;  18.3.4 – F) PROGRAMA EDUCATIVO – TODOS OS TRABALHADORES DEVEM RECEBER PARA QUE OS MESMOS CONDUZAM-SE NO AMBIENTE DE TRABALHO CIENTES E PREVENIDOS CONTRA OS RISCOS QUE ESSE MEIO OFERECE. PCMAT (Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção) NR 18
  • 6.  18.4.1 OS CANTEIROS DE OBRAS DEVEM DISPOR DE: INSTALAÇÕES SANITÁRIAS, VESTIÁRIO, ALOJAMENTO, LOCAL DE REFEIÇÕES, COZINHA, QUANDO HOUVER PREPARO DE REFEIÇÕES; LAVANDERIA, ÁREA DE LAZER E AMBULATÓRIO, QUANDO SE TRATAR DE FRENTES DE TRABALHO COM 50 (CINQUENTA) OU MAIS TRABALHADORES.  18.4.1.2 AS ÁREAS DE VIVÊNCIA DEVEM SER MANTIDAS EM PERFEITO ESTADO DE CONSERVAÇÃO, HIGIENE E LIMPEZA. 18.4 ÁREAS DE VIVÊNCIA NR 18
  • 8. 18.12 ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS NR 18
  • 9. NR 18 18.28 TREINAMENTO 18.29 ORDEM E LIMPEZA 18.29.5 É PROIBIDO MANTER LIXO OU ENTULHO ACUMULADO OU EXPOSTO EM LOCAIS INADEQUADOS DO CANTEIRO DE OBRAS. 18.28.1 TODOS OS EMPREGADOS DEVEM RECEBER TREINAMENTOS ADMISSIONAL E PERIÓDICO, VISANDO A GARANTIR A EXECUÇÃO DE SUAS ATIVIDADES COM SEGURANÇA.
  • 10. Nr 33 – SEGURANÇA E SAUDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS
  • 11. SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS 33.1 Definições e objetivos: Esta norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos riscos existentes, Visando garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores . O que é um espaço confinado? qualquer área ou ambiente que : • não foi projetada para ocupação humana continua; • possuem entrada e saída restritas; • ventilação inexistente ou insuficiente; • deficiência ou enriquecimento de oxigênio.
  • 12. Os principais motivos de acesso á esses espaços são: limpeza, manutenção, conserto, inspeção, construção, entre outros. Os riscos para trabalhos em espaços confinados são: queda, explosão, soterramento, afogamento, aprisionamento, choque elétrico, intoxicação por partículas de substancias química nocivas, infecções por agentes biológicos.
  • 13. • Cabe ao empregador indicar o responsável técnico pelo cumprimento desta norma. • garantir o aceso ao espaço confinado só após a emissão por escrito da permissão de entrada e trabalho. (PET) • Cabe aos trabalhadores: colaborar com a empresa no cumprimento desta NR, o que é imprescindível. 33.2 Das Responsabilidades:
  • 14. 33.3 Gestão de segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados: Deve ser planejada, programada, implementada e avaliada, incluindo medidas técnicas de prevenção, medidas administrativas e medidas pessoais e capacitação para trabalho em espaços confinados.
  • 15. 33.4 Emergência e Salvamento O empregador deve elaborar e implementar procedimentos de emergência e resgate adequados aos espaços confinados. 33.5 Disposições Gerais O empregador deve garantir que os trabalhadores possam interromper suas atividades e abandonar o local de trabalho, sempre que suspeitarem da existência de risco grave e iminente para sua segurança e saúde ou a de terceiros.
  • 16. CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL
  • 17. NR 34 OBJETIVOS E CAMPO DE APLICAÇÃO. A norma regulamentadora de n°34 estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção á segurança ,á saúde e ao meio ambiente de trabalho nas atividades da indústria da construção e reparação naval. As atividades da indústria da construção naval são todas aquelas desenvolvidas no âmbito das instalações empregadas para este fim ou nas próprias embarcações ,tais como: navios ,barcos ,lanchas, plataformas fixas ou flutuantes ,dentre outras.
  • 18. NR 34 (34.3) Para atuar na área o trabalhador deve possuir capacitação e treinamento . O empregador deve desenvolver e implantar programa de capacitação, compreendendo treinamento admissional, periódico ou sempre que ocorrer mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho, acidente grave ou fatal. O treinamento deve ter carga horaria mínima de seis horas.
  • 19. 34.5 TRATA-SE DE TRABALHO A QUENTE. SÃO CONSIDERADOS TRABALHOS A QUENTE AS ATIVIDADES DE SOLDAGEM, GOIVAGEM , ESMERILHAMENTO OU OUTRAS QUE POSSAM GERAR FONTES DE IGNIÇÃO. NR 34
  • 20. NR 34 (34.8)Um dos temas tratados nessa NR é relacionado a trabalhos de jateamento e hidrojateamento. O QUE SÃO ESSES PROCESSOS? O jateamento é um processo semelhante ao de lavagem a jato usado para remover a sujeira, tintas,encrostamentos e etc.
  • 21. NR 34 O hidrojateamento consiste de um jato de água de alta pressão sobre uma superfície, normalmente com a intenção de limpa-la ou desobstruí-la. O item 34.14 desta Nr trata de testes de estanqueidade. O QUE É ISSO? Também conhecido como teste de vazamento é o processo que verifica a integridade de uma peça ou componente quanto a vazamentos. POR QUE TESTAR ESTANQUEIDADE? • Redução no custo de montagem de peças; • Melhoria na confiabilidade do produto; • Proteção do ambiente,etc.
  • 22. NR 35 – TRBALHO EM ALTURA
  • 23. Definição Segundo o Ministério do Trabalho (MTE) É toda atividade executada acima de 2 metros do piso de referência. Na qual, uma das principais causas de mortes de trabalhadores se deve a acidentes envolvendo queda de pessoas e materiais. 30% dos acidentes de trabalhos ocorridos ao ano são decorrentes de quedas. NR 35
  • 24. Objetivo Essa norma tem por objetivos estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em altura, visando garantir segurança e integridade física dos colaboradores e empresas de terceiros (contratadas) que realizaram este tipo de trabalho e a proteção dos que transitam nas áreas próximas. NR 35
  • 25. Treinamento Normas e Regulamentos Análise de Rico e Condições de Impedimento Medidas de Controle Proteção Individual e coletiva Tipos de Acidentes Emergência NR 35
  • 26. A cada 2 anos Mudança de Empresa 90 dias afastado Treinamento NR 35
  • 28. Planejamento Todo Trabalho em Altura deve ser precedido de Análise de Risco. •Isolamento •Sinalização da área •Autorização dos envolvidos •Pontos de ancoragem •Condições de impedimento •Queda de materiais NR 35
  • 29. Equipamentos de Proteção Devem ser: Selecionados Inspecionados Garantindo as condições de segurança NR 35
  • 30. Equipamentos de Proteção Se apresentar qualquer defeito, deformação ou sofrer qualquer impacto devem ser substituídos na hora. Não se esquecer de que devem sempre ser seguidas as normas e orientações do fabricante. NR 35
  • 32. Atividades Não Rotineiras Autorizadas por Permissão de Trabalhos Avaliadas por profissional qualificado Requisitos, medidas e relação. NR 35
  • 33. Emergência A empresa deve ter: Métodos de resgate padronizados e adequados ás suas atividades; Meios para a aplicação dos métodos; Os trabalhadores autorizados devem estrar aptos para executar o resgate NR 35
  • 34. Exemplos de Trabalho em Altura NR 35
  • 35. Principais Áreas de Risco NR 35