SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Agentes geológicos
externos
A constante transformação das paisagens geológicas é
provocada por três agentes principais: a água, nos seus
diferentes estados físicos, o vento e os seres vivos.
2
Fragmentos rochosos soltos
Bloco de rocha
Rocha
alterada
Bloco
deslocado
Água
líquida
Gelo
Ação da água - A água pode reagir com os minerais das
rochas provocando a sua alteração ou completa
dissolução. Pode facilitar, evaporando, a precipitação de
novos minerais nas fissuras das rochas ou, congelando, a
sua desagregação em blocos.
3
Ação do vento - O vento provoca o desgaste e a
desagregação das rochas. Também faz o transporte das
areias.
Ação dos seres vivos - Os seres vivos, como as plantas,
podem provocar a alteração e a desagregação das
rochas.
4
Formação de rochas
sedimentares
As rochas sedimentares têm origem na acumulação e
compactação de detritos rochosos ou orgânicos – os
sedimentos.
Areia
Arenito
Calcário
Sal-gema
A areia, o arenito, os calcários e o sal-gema são
exemplos de rochas sedimentares.
5
A formação de uma rocha sedimentar depende, em geral,
de um conjunto de etapas: a meteorização, a erosão, o
transporte, a sedimentação e a diagénese.
A meteorização consiste na alteração das rochas
expostas à superfície da Terra.
Meteorização
física
Meteorização
química
A rocha está sujeita a uma meteorização física quando é
desagregada por ação do clima ou dos seres vivos.
6
A rocha está sujeita a uma meteorização química quando
os minerais sofrem alterações por reação com a água ou
com o ar.
Quando há remoção de detritos das rochas que sofreram
meteorização, ocorre a erosão.
A erosão por suceder por ação:
- da água das chuvas;
- do vento;
- dos gelos;
- dos glaciares;
- dos rios;
- das ondas e marés…
… que arrancam e separam os fragmentos rochosos.
7
Ocorre transporte quando há deslocação dos materiais
erodidos para outro local.
Quanto maior a duração e a energia do transporte, maior
é a suavização das arestas dos detritos.
O transporte pode ser devido à gravidade, à energia dos
ventos, dos glaciares ou das correntes dos rios e dos
mares.
8
Transporte
de fragmentos
rochosos pela água
Transporte
de fragmentos
rochosos pelo gelo
A sedimentação consiste na acumulação dos sedimentos.
Ocorre quando os agentes transportadores perdem
energia.
Zonas de
Sedimentação
9
Os materiais são depositados horizontalmente formando
camadas ou estratos sedimentares.
Camadas
ou
estratos
A diagénese é um conjunto de processos que transforma
sedimentos soltos depositados em rochas sedimentares
consolidadas.
Durante a diagénese, verifica-se uma aproximação entre
os detritos, com diminuição dos espaços entre eles. A água
vai desaparecendo, sendo substituída por materiais
rochosos - compactação.
10
Devido à pressão a que estão sujeitos, os sedimentos ficam
mais compactos, acabando por ficar ligados por um
cimento - cimentação.
Durante a diagénese, a areia, por exemplo, dá origem a
uma rocha consolidada, o arenito.
Areia
Diagénese
Arenito
Resolve
Manual pág. 36
Caderno de Atividades
Ficha 3
Ambientes
sedimentares
11
Um ambiente sedimentar é uma zona da superfície terrestre,
geralmente com depressões no terreno, onde são
depositados os sedimentos.
Glaciar
Lago
Rio
Delta Dunas
Fundo marinho
A localização geográfica, as características geológicas
da zona, o tipo de agentes transportadores, a atividade
biológica e o clima são fatores que condicionam a
formação de ambientes sedimentares.
12
As areias são sedimentos formados a partir da
desagregação de qualquer tipo de rocha.
Areia formada
a partir do basalto
Areia formada
a partir do granito
Grãos angulosos
Algum brilho
Grãos do mesmo tamanho
Leves e muito rolados
Superfície baça
Tamanhos parecidos
Muito brilhantes
Areia de ambiente
dunar
Areia de ambiente
fluvial
Areia de ambiente
marinho
13
Nas areias, a dimensão, a
forma, a cor e o brilho dos
grãos são características
indicadoras dos respetivos
ambientes de formação.
Classificação
e identificação
de rochas sedimentares
14
A classificação das rochas sedimentares tem por base a
origem dos sedimentos.
Assim, classificam-se as rochas sedimentares de
detríticas, quimiogénicas e biogénicas.
As rochas detríticas são formadas a partir de fragmentos
de outras rochas ou minerais.
Resultam da diagénese de sedimentos como as argilas,
as areias e os balastros.
O tamanho dos grãos é determinante na classificação das
rochas sedimentares detríticas.
Areia
Diagénese
Arenito
15
Areia
Diagénese
Arenito
Argila Argilito
Balastros
Conglomerado
Brecha /
Diagénese
Diagénese
Dimensão
(mm)
Rocha não
consolidadda
Rocha
consolidada
< 0,004 Argila Argilito
0,004 a 0,063 Silte Siltito
0,063 a 8 Areia Arenito
> 8 Balastros Brecha / Conglomerado
16
Na formação do calcário, há a sedimentação de calcite a
partir de uma solução aquosa de carbonato de cálcio.
As estalactites, por exemplo, são formadas por calcário
quimiogénico que precipita no teto de grutas.
As rochas quimiogénicas são formadas por precipitação
de substâncias dissolvidas na água.
Gruta calcária
Estalactite
O sal-gema é uma rocha quimiogénica resultante da
evaporação de água salgada.
Sal-gema
17
Os calcários recifais resultam de estruturas produzidas
pelos corais.
As rochas biogénicas resultam da acumulação e
consolidação de restos de seres vivos ou produtos da sua
atividade.
Os calcários conquíferos formam-se por acumulação e
transformação de conchas de animais marinhos.
Como exemplos de rochas biogénicas, podem-se referir os
calcários conquíferos, os calcários recifais e os
carvões.
Calcário conquífero Calcário recifal
Os carvões formam-se por acumulação e transformação,
sob determinadas condições, de restos de plantas.
A turfa, a lignite, o carvão betuminoso e a antracite são
carvões progressivamente mais ricos em carbono e com
maior poder combustível.
Turfa
Lignite
Carvão
betuminoso
Antracite
18
Caderno de Atividades
Ficha 4
Resolve
Manual pág. 39
Paisagens
de rochas sedimentares
19
Dolina
Gruta
Algar
Estratos
Chaminé de fada
Ravinamentos
Lapiás
Depósitos fluviais
Arribas sedimentares
Dunas
20
As camadas ou estratos sedimentares, os ravinamentos
e as chaminés de fada também são característicos das
paisagens de rochas sedimentares.
Estratos
Ravinamentos
Chaminés de fada
A água da chuva pode formar chaminés de fada se o
terreno contiver blocos rochosos ou estratos com
diferentes resistências à erosão.
Formação de chaminés de fada
21
As dunas e os blocos pedunculados ilustram o efeito do
vento em certas paisagens de rochas sedimentares.
Dunas Blocos pedunculados
O modelado cársico é uma
paisagem característica de
regiões onde predomina o
calcário.
22
A água da chuva dissolve o calcário, abrindo sulcos cada
vez mais profundos, o campo de lapiás.
Formação de um campo de lapiás
No modelado cársico surgem depressões, as dolinas,
poços, os algares, e grutas.
O modelado cársico surge em regiões do Centro (oeste),
de Lisboa e Vale do Tejo e do Algarve (litoral).
Dolina
Gruta
Estalactites

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rochas minerais
Rochas mineraisRochas minerais
Rochas minerais
fernandaataide55
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
Luís Filipe Marinho
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Vulcoes(1)
Vulcoes(1)Vulcoes(1)
Vulcoes(1)
Ana Conceição
 
FT7 - Identificação de Rochas
FT7 - Identificação de RochasFT7 - Identificação de Rochas
FT7 - Identificação de Rochas
Gabriela Bruno
 
Rochas e minerais 6o ano
Rochas e minerais 6o anoRochas e minerais 6o ano
Rochas e minerais 6o ano
Nahya Paola Souza
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Gabriela Bruno
 
Estrutura da terra
Estrutura da terraEstrutura da terra
Estrutura da terra
saritacvg
 
Geo 15 tipos de magmas
Geo 15   tipos de magmasGeo 15   tipos de magmas
Geo 15 tipos de magmas
Nuno Correia
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território português
Carlos Gomes
 
Solos
SolosSolos
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
Bárbara Pereira
 
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Gpt 1   cartas topográficas e geológicasGpt 1   cartas topográficas e geológicas
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Nuno Correia
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
David Cavalcante
 
Brasil natureza
Brasil naturezaBrasil natureza
Brasil natureza
Salageo Cristina
 
Chuvas
ChuvasChuvas
Chuvas
Luan Freitas
 
Pré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E PaleozóicoPré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E Paleozóico
Catir
 
Fatores de identidade cultural
Fatores de identidade culturalFatores de identidade cultural
Fatores de identidade cultural
cristina Mendes
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 

Mais procurados (20)

Rochas minerais
Rochas mineraisRochas minerais
Rochas minerais
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Vulcoes(1)
Vulcoes(1)Vulcoes(1)
Vulcoes(1)
 
FT7 - Identificação de Rochas
FT7 - Identificação de RochasFT7 - Identificação de Rochas
FT7 - Identificação de Rochas
 
Rochas e minerais 6o ano
Rochas e minerais 6o anoRochas e minerais 6o ano
Rochas e minerais 6o ano
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
 
Estrutura da terra
Estrutura da terraEstrutura da terra
Estrutura da terra
 
Geo 15 tipos de magmas
Geo 15   tipos de magmasGeo 15   tipos de magmas
Geo 15 tipos de magmas
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território português
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
Gpt 1   cartas topográficas e geológicasGpt 1   cartas topográficas e geológicas
Gpt 1 cartas topográficas e geológicas
 
O cerrado
O cerradoO cerrado
O cerrado
 
Brasil natureza
Brasil naturezaBrasil natureza
Brasil natureza
 
Chuvas
ChuvasChuvas
Chuvas
 
Pré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E PaleozóicoPré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E Paleozóico
 
Fatores de identidade cultural
Fatores de identidade culturalFatores de identidade cultural
Fatores de identidade cultural
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 

Semelhante a 7º 1.3.

Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
Joka Bp
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
N C
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terra
margaridabt
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terra
margaridabt
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º anoRochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
andygracolas
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
ISPGAYA
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentares
margaridabt
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
margaridabt
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
Francisco Vasconcelos
 
Rochas 1718
Rochas 1718Rochas 1718
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
Mateus Ferraz
 
rochas.pptx
rochas.pptxrochas.pptx
rochas.pptx
daniel936004
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Tânia Reis
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
Sandra Nascimento
 
X rsedimentares-140324073457-phpapp01
X rsedimentares-140324073457-phpapp01X rsedimentares-140324073457-phpapp01
X rsedimentares-140324073457-phpapp01
MINEDU
 
Rochas
Rochas Rochas
Rochas
VeraPereira96
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
VeraPereira96
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 

Semelhante a 7º 1.3. (20)

Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terra
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terra
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º anoRochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
Rochas PPT - Ciências Naturais 7º ano
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentares
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
Rochas 1718
Rochas 1718Rochas 1718
Rochas 1718
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
 
rochas.pptx
rochas.pptxrochas.pptx
rochas.pptx
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
X rsedimentares-140324073457-phpapp01
X rsedimentares-140324073457-phpapp01X rsedimentares-140324073457-phpapp01
X rsedimentares-140324073457-phpapp01
 
Rochas
Rochas Rochas
Rochas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 

Mais de Nuno Coelho

9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
Nuno Coelho
 
9º 3.3
9º 3.39º 3.3
9º 3.3
Nuno Coelho
 
9º 3.1.
9º 3.1. 9º 3.1.
9º 3.1.
Nuno Coelho
 
7º 1.2.
7º 1.2.7º 1.2.
7º 1.2.
Nuno Coelho
 
9º 2.
9º 2.9º 2.
9º 2.
Nuno Coelho
 
7º 1.1.
7º 1.1.7º 1.1.
7º 1.1.
Nuno Coelho
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
Nuno Coelho
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
Nuno Coelho
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
Nuno Coelho
 
7º 4.1.
7º 4.1. 7º 4.1.
7º 4.1.
Nuno Coelho
 
7º 3.
7º 3. 7º 3.
7º 3.
Nuno Coelho
 
8º ano 6.2
8º ano 6.28º ano 6.2
8º ano 6.2
Nuno Coelho
 
8º ano 6.1
8º ano 6.18º ano 6.1
8º ano 6.1
Nuno Coelho
 
8º ano 5.4
8º ano 5.4 8º ano 5.4
8º ano 5.4
Nuno Coelho
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
Nuno Coelho
 
7º 2.3.
7º 2.3. 7º 2.3.
7º 2.3.
Nuno Coelho
 
7º 2.2.
7º 2.2.7º 2.2.
7º 2.2.
Nuno Coelho
 
8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
Nuno Coelho
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
Nuno Coelho
 
F F 8º S T
F F 8º S TF F 8º S T
F F 8º S T
Nuno Coelho
 

Mais de Nuno Coelho (20)

9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
 
9º 3.3
9º 3.39º 3.3
9º 3.3
 
9º 3.1.
9º 3.1. 9º 3.1.
9º 3.1.
 
7º 1.2.
7º 1.2.7º 1.2.
7º 1.2.
 
9º 2.
9º 2.9º 2.
9º 2.
 
7º 1.1.
7º 1.1.7º 1.1.
7º 1.1.
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
7º 4.1.
7º 4.1. 7º 4.1.
7º 4.1.
 
7º 3.
7º 3. 7º 3.
7º 3.
 
8º ano 6.2
8º ano 6.28º ano 6.2
8º ano 6.2
 
8º ano 6.1
8º ano 6.18º ano 6.1
8º ano 6.1
 
8º ano 5.4
8º ano 5.4 8º ano 5.4
8º ano 5.4
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
 
7º 2.3.
7º 2.3. 7º 2.3.
7º 2.3.
 
7º 2.2.
7º 2.2.7º 2.2.
7º 2.2.
 
8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
 
F F 8º S T
F F 8º S TF F 8º S T
F F 8º S T
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

7º 1.3.

  • 1. 1 Agentes geológicos externos A constante transformação das paisagens geológicas é provocada por três agentes principais: a água, nos seus diferentes estados físicos, o vento e os seres vivos.
  • 2. 2 Fragmentos rochosos soltos Bloco de rocha Rocha alterada Bloco deslocado Água líquida Gelo Ação da água - A água pode reagir com os minerais das rochas provocando a sua alteração ou completa dissolução. Pode facilitar, evaporando, a precipitação de novos minerais nas fissuras das rochas ou, congelando, a sua desagregação em blocos.
  • 3. 3 Ação do vento - O vento provoca o desgaste e a desagregação das rochas. Também faz o transporte das areias. Ação dos seres vivos - Os seres vivos, como as plantas, podem provocar a alteração e a desagregação das rochas.
  • 4. 4 Formação de rochas sedimentares As rochas sedimentares têm origem na acumulação e compactação de detritos rochosos ou orgânicos – os sedimentos. Areia Arenito Calcário Sal-gema A areia, o arenito, os calcários e o sal-gema são exemplos de rochas sedimentares.
  • 5. 5 A formação de uma rocha sedimentar depende, em geral, de um conjunto de etapas: a meteorização, a erosão, o transporte, a sedimentação e a diagénese. A meteorização consiste na alteração das rochas expostas à superfície da Terra. Meteorização física Meteorização química A rocha está sujeita a uma meteorização física quando é desagregada por ação do clima ou dos seres vivos.
  • 6. 6 A rocha está sujeita a uma meteorização química quando os minerais sofrem alterações por reação com a água ou com o ar. Quando há remoção de detritos das rochas que sofreram meteorização, ocorre a erosão. A erosão por suceder por ação: - da água das chuvas; - do vento; - dos gelos; - dos glaciares; - dos rios; - das ondas e marés… … que arrancam e separam os fragmentos rochosos.
  • 7. 7 Ocorre transporte quando há deslocação dos materiais erodidos para outro local. Quanto maior a duração e a energia do transporte, maior é a suavização das arestas dos detritos. O transporte pode ser devido à gravidade, à energia dos ventos, dos glaciares ou das correntes dos rios e dos mares.
  • 8. 8 Transporte de fragmentos rochosos pela água Transporte de fragmentos rochosos pelo gelo A sedimentação consiste na acumulação dos sedimentos. Ocorre quando os agentes transportadores perdem energia. Zonas de Sedimentação
  • 9. 9 Os materiais são depositados horizontalmente formando camadas ou estratos sedimentares. Camadas ou estratos A diagénese é um conjunto de processos que transforma sedimentos soltos depositados em rochas sedimentares consolidadas. Durante a diagénese, verifica-se uma aproximação entre os detritos, com diminuição dos espaços entre eles. A água vai desaparecendo, sendo substituída por materiais rochosos - compactação.
  • 10. 10 Devido à pressão a que estão sujeitos, os sedimentos ficam mais compactos, acabando por ficar ligados por um cimento - cimentação. Durante a diagénese, a areia, por exemplo, dá origem a uma rocha consolidada, o arenito. Areia Diagénese Arenito Resolve Manual pág. 36 Caderno de Atividades Ficha 3 Ambientes sedimentares
  • 11. 11 Um ambiente sedimentar é uma zona da superfície terrestre, geralmente com depressões no terreno, onde são depositados os sedimentos. Glaciar Lago Rio Delta Dunas Fundo marinho A localização geográfica, as características geológicas da zona, o tipo de agentes transportadores, a atividade biológica e o clima são fatores que condicionam a formação de ambientes sedimentares.
  • 12. 12 As areias são sedimentos formados a partir da desagregação de qualquer tipo de rocha. Areia formada a partir do basalto Areia formada a partir do granito Grãos angulosos Algum brilho Grãos do mesmo tamanho Leves e muito rolados Superfície baça Tamanhos parecidos Muito brilhantes Areia de ambiente dunar Areia de ambiente fluvial Areia de ambiente marinho
  • 13. 13 Nas areias, a dimensão, a forma, a cor e o brilho dos grãos são características indicadoras dos respetivos ambientes de formação. Classificação e identificação de rochas sedimentares
  • 14. 14 A classificação das rochas sedimentares tem por base a origem dos sedimentos. Assim, classificam-se as rochas sedimentares de detríticas, quimiogénicas e biogénicas. As rochas detríticas são formadas a partir de fragmentos de outras rochas ou minerais. Resultam da diagénese de sedimentos como as argilas, as areias e os balastros. O tamanho dos grãos é determinante na classificação das rochas sedimentares detríticas. Areia Diagénese Arenito
  • 15. 15 Areia Diagénese Arenito Argila Argilito Balastros Conglomerado Brecha / Diagénese Diagénese Dimensão (mm) Rocha não consolidadda Rocha consolidada < 0,004 Argila Argilito 0,004 a 0,063 Silte Siltito 0,063 a 8 Areia Arenito > 8 Balastros Brecha / Conglomerado
  • 16. 16 Na formação do calcário, há a sedimentação de calcite a partir de uma solução aquosa de carbonato de cálcio. As estalactites, por exemplo, são formadas por calcário quimiogénico que precipita no teto de grutas. As rochas quimiogénicas são formadas por precipitação de substâncias dissolvidas na água. Gruta calcária Estalactite O sal-gema é uma rocha quimiogénica resultante da evaporação de água salgada. Sal-gema
  • 17. 17 Os calcários recifais resultam de estruturas produzidas pelos corais. As rochas biogénicas resultam da acumulação e consolidação de restos de seres vivos ou produtos da sua atividade. Os calcários conquíferos formam-se por acumulação e transformação de conchas de animais marinhos. Como exemplos de rochas biogénicas, podem-se referir os calcários conquíferos, os calcários recifais e os carvões. Calcário conquífero Calcário recifal Os carvões formam-se por acumulação e transformação, sob determinadas condições, de restos de plantas. A turfa, a lignite, o carvão betuminoso e a antracite são carvões progressivamente mais ricos em carbono e com maior poder combustível. Turfa Lignite Carvão betuminoso Antracite
  • 18. 18 Caderno de Atividades Ficha 4 Resolve Manual pág. 39 Paisagens de rochas sedimentares
  • 20. 20 As camadas ou estratos sedimentares, os ravinamentos e as chaminés de fada também são característicos das paisagens de rochas sedimentares. Estratos Ravinamentos Chaminés de fada A água da chuva pode formar chaminés de fada se o terreno contiver blocos rochosos ou estratos com diferentes resistências à erosão. Formação de chaminés de fada
  • 21. 21 As dunas e os blocos pedunculados ilustram o efeito do vento em certas paisagens de rochas sedimentares. Dunas Blocos pedunculados O modelado cársico é uma paisagem característica de regiões onde predomina o calcário.
  • 22. 22 A água da chuva dissolve o calcário, abrindo sulcos cada vez mais profundos, o campo de lapiás. Formação de um campo de lapiás No modelado cársico surgem depressões, as dolinas, poços, os algares, e grutas. O modelado cársico surge em regiões do Centro (oeste), de Lisboa e Vale do Tejo e do Algarve (litoral). Dolina Gruta Estalactites