SlideShare uma empresa Scribd logo
Aplicação de Analizadores Portáteis de 
FRX e DRX em mineral do Ferro 
Sonia GÜiza González 
Geochemist-International Mining Group 
Olympus Scientific Solution Americas
Conteúdo 
Fluorescencia de raios X 
1. Analizador portátil de FRX: DELTA y X-5000. 
2. Ênfase controle de tenor. 
Difracción de raios X 
1.O único Analizador Portátil de DRX TERRA. 
2.Identificação de minerales de ferro(Fe) 
3.Aplicacion do TERRA 
Conclusões
Mineral Rocha Mineralizaçãon 
+ 
Na 
2+ 4+ 2- 
Ca Si O 
2- 2+ 
2 
CO Fe OH 
Calor Pressão 
Componentes na 
natureza de 
elementos químicos 
Calor Pressão Calor 
Deformação 
Pressão 
Actividade quimica 
Compostos de minerales 
As rochas contêm 
minerales ou metais que 
podem ser recuperados 
por benefício mineiro
Aplicação dos raios X em Equipas 
de Análises: composição 
Fluorescência [FRX] 
Método Analítico para determinar a composição 
elementar de uma substância 
Difração [DRX] 
Os materiais cristalinos podem gerar a dispersão de raios 
X, como uma “impressão digital” de uma estrutura 
atómica cristalina. A partir da comparação desde uma 
livraria conhecida pode-se determinar a composição 
mineralógica de uma mostra desconhecida.
O tema dos raios X 
Raios X incidente 
mostra 
FRX 
Fluorescencia de raios X em todas as 
direcções 
A faixa de energia do espectro formado 
pelos átomos excitados 
elemento especifico, proporciona um sinal: 
A composição elementar tem que estar 
acima do limite de detecção 
θ 
XRD é condicionada pela Lei de Bragg: 
n λ =2d.sinθ 
λ é a longitude de onda (energia) dos 
raio X 
DRX 
Os raios X são difractados em direcções 
especificas 
dependendo directamente do 
ordenamento atómico 
composto-especifico, proporcional um 
sinal: 
A matéria tem que ter um ordenamento 
atómico (= ser cristalino) 
mostra 
Raios X incidente
Fluorescencia de Raios-X 
FRX Olympus
1. Analizador portatil de FRX: 
DELTA e X-5000 
A família de analizadores portáteis de FRX 
DELTA e X-5000, analisa de forma rápida e 
precisa a composição elementar, de 
qualquer material em estado solido. 
SEM TER NECESSIDADE DE FAZER 
NINGUN TIPO DE PREPARAÇÃ PRÉVIA – 
ANALISIS NÃO DESTRUCTIVOS. 
DELTA é um espectrómetro portátil de 
fluorescencia de raios X e energia 
dispersiva.
1.2. Elementos químicos 
Mg – U ppm; 0 – 100%
1.3. Limites de Detecção (LOD) 
comuns 
Elementos levianos 
Elementos pesados 
• Mg-Al-SI ~ 0.5% 
• P ~ 500ppm 
• S ~ 100ppm 
• K-Ca ~ 20-30ppm 
• Ti-V-Cr ~ 5-10ppm 
• *Mn-Fe-Cu-Pb-Zn ~ 3-5ppm 
• *As-Mo-Sr-Rb-Zr-U-Th ~ 1-2ppm 
• *Ag-Cd-Sn-Sb ~ 5-10ppm 
• *Au ~ 5ppm 
* Elementos analizados em uma matriz pura de SiO2
1.4. A soluçãon DELTA 
• Desenho Industrial 
 Disipador térmico 
 Sobremoldeado 
 Etc. 
• Ergonómico 
 Balanço anatómico. 
 Brilho, ecrã posterior. 
• Sempre pronta 
 Mudança em quente, não 
se apaga. 
 Estação de acoplamiento
1.5. Funcionamiento de um 
DELTA por FRX 
A espectrometría FRX é utilizada para identificar elementos numa 
substância e quantificar a quantidade presente desses elementos. Um 
elemento é identificado pelas características da longitude de onda ou a 
energia de sua emissão de raios-X. Ao final, a espectrometría FRX 
determina a composição elementar de um material.
Descripção 
• Bateria: Íon Li (4-6hrs/bateria). Mudança em 
quente, isto é não se apaga. 
• Temperatura: -10 a 50 °C 
• Excitação por cano de raios X (Não Isotopos) 
=> Fácil Transporte & Licenciamiento 
• Menos de 2kg (Delta) 
• Técnica Não Destructiva 
• Análise elementar desde o Mg (z=12) até o 
Ou (z=92)
O DELTA: Valor significativo, 
Volta Rápida 
• Funções inteligentes = produtividade. 
• Mas de centos de análises ao dia. 
• Medida de múltiplos elementos numa sozinha 
análise. 
• Maior confiança no lugar de inspecção. 
• Reduz radicalmente os tempos de análises. 
• Veloz 
• LOD = Precisão = Velocidade
1.6. Desenho gera 
Alta visibilidade 
das luzes de alerta 
A melhor 
disipación 
de calor 
O melhor escudo 
A o-2024 (4% Cu) vs 
6061 
A menor possível 
exposição à radiação 
Empuñadura 
anatómica 
engomada 
antiderrapante. 
Fácil 
mudanç 
a da 
janela 
Sellado contra 
filtro de água e 
pó.
Vantagens do Analizador DELTA 
• Detector Silicon Drift ou Se Pin (DELTA 
Classic) 
• Rádio de 30 a 25mm em SDD 
• Máxima corrente, mas de 25% 
 100uA em 40kV 
• Cano de ánodo de Rh no DELTA Premium 
 Ideal para análise de Cd, Sb e quando se 
requerem elementos liviano LE (Mg, Al). 
• Disipador térmico para situações de 
funcionamento prolongado a alta potência.
1.7. A linha DELTA 
A linha DELTA oferece analizadores FRX robustos que 
contam com uma variedade de ferramentas de alta 
produtividade e que satisfazem de maneira eficaz e 
rigorosamente as exigências de análises geoquímicos.
1.8. Comparação LD entre o uso 
de detectores 
Typical Limits Of Detection (LOD's) 
13 
10000 
1000 
100 
10 
1 
Típicos limites de detecção (LD) 
Si-PiN Detector 
Silicon Drift Detector 
Mg Al Si P S Cl K Ca Ti V Cr Mn Fe Co Ni Cu Zn As Se Rb Sr Zr Mo Ag Cd Sn Ba Sb W Au Hg Pb Bi Th U 
Detection Limit (Log ppm) 
Element Range 
Elementos Levianos Elementos Pesados 
Limite de detecção 
Faixa de de Elementos
2. Aplicação para mineração de 
Ferro
2.1. Elementos de interesse 
• Nas menas de Fé é necessário 
controlar, muito de perto, seu 
conteúdo de S, As e P por ser 
elementos que constituem 
impurezas daninhas. 
• Para sua utilização industrial, as 
menas de Fé não devem possuir 
mais de 0,25% de S, tão só de 0,1 
ou 0,2% de P e de 0,05 a 0,07% 
das. 
• Unido a estas impurezas daninhas 
aparecem outras consideradas 
valiosa, como: Mn, Cr, V y Ni. 
Limites de detecção do DELTA 
Ele-mento 
DELTA 
Premium 
DELTA 
Classic 
Rh Tubo, 
SDD 
Au Tubo, 
SiPiN 
Fe 10 10 a 30 
S 150 a 300 0.1 a 0.5% 
As 1 a 3 4 a 8 
P 800 a 1500 1 a 5% 
Mn 10 10 a 30 
Cr 5 a 10 10 a 30 
V 7 a 15 10 a 30 
Ti 7 a 15 20 a 50 
Unidade partes por milhão = ppm
2.2. Algumas companhias que 
utilizam DELTA 
Sesa Goa Iron Ore Operations, nr Goa, India. 
Sandfire Resources - Degrussa (Cu + Fe, S, As, Si). 
BHP Billiton – Olympic Dam (Cu, U + Fe, S). 
SLN - New Caledonia (Ni, Co + Mg, Fe, Cr). 
Hematite Ore – Pilbara Region W.A 
Rio Tinto – Iron ore. 
Vale S.A. em Brazil onde se esta levando a cabo a 
seguinte tese de Doctorado: “Grau de controle de 
tenores de minerales de Fe em tempo real, utilizados 
Analizadores Portáteis de FRX e DRX”.
2.3. Exemplo resultados Fe 
Similar a Delta Classic. 
NOTA: O Analizador Portátil DELTA, tem função de 
modificar os resultados, ao introduzir os respectivos 
factores, neste caso 1.3016 y -7.38.
Resultados Fe e silice 
X-5000 X-5000 
Delta P Delta P
2.4. Tenores de Fe e elementos 
associados 
• O tenor optimo de uma exploração mineral de Fé, 
corresponde a concentrações maiores a 60% de Fé por peso, 
com concentrações melhores a 0.20% P, 3-7% de silice, 
menos de 5% da o, e baixo S e Ti. 
• A inclusão de pequenas quantidades de alguns elementos 
traça, pode ter drásticos efeitos tanto bons e maus, no 
comportamento de ferro durante o processo que se leva a 
cabo no alto forno. 
• O Analizador DELTA, com tecnologia SDD, permite sua 
aplicação em todas as fases importantes de mineração de 
ferro. O conteúdo de Fé pode estar em ampla faixa analítica 
(30% a 80% Fé). Também permite analisar Mn, Ti, A o, Se, P 
e S, que inclui um grupo de ao menos 25 elementos químicos.
Correlação Lab & Delta 
Resultados em típica rica hematita, de um yacimiento de ferro bandeado: Ferro, 
manganês, titanio, alumínio, sílice e fosforo (Tempo de análise 90 seg utilizando 
um Analizador DELTA SDD).
DifracXçRãDo – dMeud RLoagygoings-X 
DRX Olympus
Entre os diversos métodos da análise instrumental 
que têm sido introduzidos durante as ultimas 
décadas, nas investigações geológicas e o estudo de 
matérias primas, a difracção de raios X –DRX joga 
um papel de particular importância. Isto se deve a que 
a DRX não só fornece ao geólogo, metalurgista, 
dados de identificação de minerales, senão hoje em 
dia representa também uma ferramenta principal na 
petrografía e litología, sendo muitas vezes o único 
método capaz de entregar dados tanto qualitativos 
como quantitativos sobre a composição mineralógica 
(composição de fases) de rochas e matérias primas.
1. Tecnologia Terra : um rápido vistazo 
• Usado pelo Curiosity na exploração de Marte 
• Patenteado cela de vibração 
• Miniatura fonte de raios X 
• Geometria de transmissão 
• Pequeno detector 2D CCD 
• Discriminação de energia para simultanea FRX 
Método de Análise tipo pó cristalino-powder
Únicos pontos sem concorrência 
2) TERRA: sistema único portátil que funciona por baterias 
disponível no mercado. 
3) Não requer sistemas refrigerantes: tamanho pequeno, 
baixo peso. 
4) Sem partes móveis: baixa manutenção e não requer 
calibración. 
5) Baixa fonte de poder de raios X: a vida do cano de raios 
X é a do instrumento. 
Todos os canos são de 50w que funcionam a 10 watts. Isto 
permite preservar a esperança de vida dos canos por 
embaixo do poder do mesmo. Assim o cano faz viável a 
durabilidade do instrumento.
Singela preparação da mostr 
• Só se precisa uma quantidade limitada de 
mostra para a prova. 
• A preparação pode-se fazer in-situ 
• Triturar, tamizar, analisar. 
• Assim de simples
Colocando uma mostra 
• Preparação da mostra. 
• Tomar 15 mg de mostra 
pulverizada e 
• Com sozinho ao toque 
introduza a mostra à cela. 
• Comprove manualmente 
o movimento que será por 
vibração da mostra. 
• Mantenha triturada a 
pastilla e observe seus 
componentes.
Software singelo 
Acenda o instrumento e utilize 
uma conexão WiFi compartilhada 
desde um computador, telefone 
celular ou tablet.
¿Pode usar um martelo? 
¿Pode ligar-se a internet? 
Genial! Você pode efectuar análise 
DRX a suas mostras com o 
TERRA - BTX
Adquisicção de datos 
Desenhado para ser utilizado com 
qualquer formato de software para 
análise de difractogramas. 
Use-o com XPowder grátis.
Componentes da análise em poucos 
minutos 
Cálculos pelo 
software 
XPowder 
Banco de dados 
Aprox.10.000 
Identificação do 
composto 
Cela de vibração 
patenteada 
VIBRATION CELL MOVIE
2. Identificação de minerales de 
ferro (Fe) 
Nome Formula %Fe 
Hematita Fe2O3 69.9 
Magnetita Fe3O4 74.2 
Goethita/ 
Limonita 
HFeO2 ~ 63 
Siderita FeCO3 48.2 
Chamosita 
(Mg,Fe,Al)6 
(Si,Al)44(OH)8 
29.61 
Pirita FeS 46.6 
Ilmenita FeTiO3 
A simples vista, requerem treinamento, destreza e altísima experiência 
para reconhecer ao menos os minerales mas comuns ou os de interesse 
para seu meio de trabalho.
Aplicação do Terra 
As mostras ricas em minerales de Fé fuero tomada numa mina de Brasil 
para ser analisadas com o Terra XRD/XRF. As mostras foram As 
mostras foram pulverizadas e tamizadas a 150um. Tomaram-se 
aproximadamente 20mg da cada mostra para ser carregadas no 
muestreador – vibrador do Terra. 
A aquisição dos difractogramas demoro uns 20 minutos. 
A análise levo-se a cabo num modelo do Terra com cano de raios X de 
cobalto (Co), funcionando a 30Kv e 300uA. 
Uma vez geraram-se os difractogramas, para o processo de 
interpretação, exportaram-se e analisaram no software Xpowder. 
Depois identificaram-se as fases mineralógicas e determino-se a 
quantidade da cada uma das mesmas. 
A composição das mostras apresentam-se na tabela seguinte junto com 
seu respectivo factor RIR (Reference Intensity Ratio) gerados em 
Xpowder.
Análise de resultados 
Mineral Mos-tra 
1 
Mos-tra 
2 
Mos-tra 
3 
Mos-tra 
4 
Mos-tra 
5 
Mos-tra 
6 
Mos-tra 
7 
Moes-tra 
8 
Quartzo 52.7 57.6 19.1 n/a 73.3 70.8 n/a 8.4 
Hematita 26.3 40.4 10.7 16.5 26.7 27.2 100 91.6 
Goetita 18.9 2.1 4.3 1.5 n/a 2 n/a n/a 
Magnesita n/a n/a n/a 10.7 n/a n/a n/a n/a 
Otros 2.1 n/a 66 11.4 n/a n/a n/a n/a 
Esta aplicacion requer a identificação de vários óxidos de ferro que 
poderiam estar presentes na operação mineira. Estes podem afectar os 
processos de benefício mineral do ferro e portanto é necessário, conhecer 
os minerales que constituem o material que ingressa à planta de 
benefício, para levar a cabo processos de control nos processos de 
produção.
Todas as mostras em cascata 
As fases ricas em ferro (Fé) produzem determinadas diferenças entre os 
padrões de difracción que podem ser facilmente identificados. Com as 
mostras analisadas, a partir de um pequeno arranjo é possível gerar 
automaticamente a proporção dos diferentes componentes ou fases 
mineralógicas que as constituem, em alguns casos podem estar ausentes 
certas fases. Quando outras fases estão presente, é singelo identificar 
outras fases presentes a partir de bicos que se adicionan aos dos óxidos 
de ferro da mostra.
Mostra 1. Identificação das fases maiores 
Mostra 2. Identificação das fases maiores 
Mostra 6. Identificação das fases maiores
Mostra 4. Identificação das fases maiores 
Mostra 5. Identificação das fases maiores
Conclusões 
A composição elementar é útil para conhecer os 
tenores dos elementos de interesse e elementos de 
sanção. 
No entanto, em muitos casos requer-se saber a 
composição mineralógica, para estabelecer controles 
nos processos de produção, pois alguns podem 
afectar a mesma. 
Portanto, a informação tanto de FRX como de DRX 
se constitui nos “ouvidos e os olhos” 
respectivamente, na exploração mineral de ferro.
www.olympus-ims.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
Rita Rainho
 
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Geologia   movimentos verticais da litosfera.Geologia   movimentos verticais da litosfera.
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Nuno Correia
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
Danillo Rodrigues
 
Terra um planeta com vida
Terra   um planeta com vidaTerra   um planeta com vida
Terra um planeta com vida
Cristina Vitória
 
Ciências naturais factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
Ciências naturais   factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...Ciências naturais   factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
Ciências naturais factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
Nuno Correia
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ana Castro
 
Biologia 11 evolução - exercícios
Biologia 11   evolução - exercíciosBiologia 11   evolução - exercícios
Biologia 11 evolução - exercícios
Nuno Correia
 
Geologia 11 rochas sedimentares - história da terra - fósseis
Geologia 11   rochas sedimentares  - história da terra - fósseisGeologia 11   rochas sedimentares  - história da terra - fósseis
Geologia 11 rochas sedimentares - história da terra - fósseis
Nuno Correia
 
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO SexuadaPpt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Nuno Correia
 
Slide a luneta de galileu
Slide   a luneta de galileuSlide   a luneta de galileu
Slide a luneta de galileu
alinycristinafernandes
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
acatarina82
 
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidadesBioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
Rita Rainho
 
Lamarckismo e Darwinismo
Lamarckismo e DarwinismoLamarckismo e Darwinismo
Era mesozóica
Era mesozóicaEra mesozóica
Era mesozóica
Igor Moura
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
Marcio Santos
 
Neodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução HumanaNeodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução Humana
Gabriel Lopes (Guma)
 
Nosso Lugar no Universo
Nosso Lugar no UniversoNosso Lugar no Universo
Nosso Lugar no Universo
BIF UFF
 
Tibete, a sua cultura
Tibete, a sua culturaTibete, a sua cultura
Tibete, a sua cultura
Ana Pereira
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Luís Filipe Marinho
 

Mais procurados (20)

BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
 
Geologia movimentos verticais da litosfera.
Geologia   movimentos verticais da litosfera.Geologia   movimentos verticais da litosfera.
Geologia movimentos verticais da litosfera.
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
 
Terra um planeta com vida
Terra   um planeta com vidaTerra   um planeta com vida
Terra um planeta com vida
 
Ciências naturais factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
Ciências naturais   factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...Ciências naturais   factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
Ciências naturais factores abióticos (salinidade, hidrodinamismo e quantida...
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
 
Biologia 11 evolução - exercícios
Biologia 11   evolução - exercíciosBiologia 11   evolução - exercícios
Biologia 11 evolução - exercícios
 
Geologia 11 rochas sedimentares - história da terra - fósseis
Geologia 11   rochas sedimentares  - história da terra - fósseisGeologia 11   rochas sedimentares  - história da terra - fósseis
Geologia 11 rochas sedimentares - história da terra - fósseis
 
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO SexuadaPpt 17   Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
Ppt 17 Vantagens E Desvantagens Da ReproduçãO Sexuada
 
Slide a luneta de galileu
Slide   a luneta de galileuSlide   a luneta de galileu
Slide a luneta de galileu
 
Atividade vulcânica
Atividade vulcânicaAtividade vulcânica
Atividade vulcânica
 
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidadesBioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
BioGeo10-ondas-sismicas_descontinuidades
 
Lamarckismo e Darwinismo
Lamarckismo e DarwinismoLamarckismo e Darwinismo
Lamarckismo e Darwinismo
 
Era mesozóica
Era mesozóicaEra mesozóica
Era mesozóica
 
Decaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologiaDecaimento radioativo e geocronologia
Decaimento radioativo e geocronologia
 
Neodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução HumanaNeodarwinismo e Evolução Humana
Neodarwinismo e Evolução Humana
 
Nosso Lugar no Universo
Nosso Lugar no UniversoNosso Lugar no Universo
Nosso Lugar no Universo
 
Tibete, a sua cultura
Tibete, a sua culturaTibete, a sua cultura
Tibete, a sua cultura
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevençãoAula 5  minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
Aula 5 minimização dos riscos vulcanicos- previsão e prevenção
 

Semelhante a Aplicação de Analizadores Portáteis de FRX e DRX em Mineral do Ferro

4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
Luciana Boaventura Palhares
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
IPEN - CNEN / SP
 
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
CNPEM
 
história da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptxhistória da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptx
Wellyson Rocha
 
Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
 Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I... Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
NetNexusBrasil
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Valéria Alves
 
Eletrônica Molecular
Eletrônica MolecularEletrônica Molecular
Eletrônica Molecular
guestb48105
 
Aula 25 ensaio por raios gama
Aula 25   ensaio por raios gamaAula 25   ensaio por raios gama
Aula 25 ensaio por raios gama
Renaldo Adriano
 
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docxBOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
FranciscoNetto30
 
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
IPEN - CNEN / SP
 
Uv vis
Uv visUv vis
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
UFS - Brasil / Prof. Douglas Bressan Riffel
 
Potenciometria[1]
Potenciometria[1]Potenciometria[1]
Potenciometria[1]
Pablolemos
 
Microscopia de Varredura por Sonda
Microscopia de Varredura por SondaMicroscopia de Varredura por Sonda
Microscopia de Varredura por Sonda
Ludmila Alem
 
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutoresCaracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
Roní Gonçalves
 
Detector de Radiacao Ionizante
Detector de Radiacao IonizanteDetector de Radiacao Ionizante
Detector de Radiacao Ionizante
Diego Santos
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
Carlos Eduardo Souza dos Santos
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
Carlos Eduardo Souza dos Santos
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
Lorena Incutto Bastos
 

Semelhante a Aplicação de Analizadores Portáteis de FRX e DRX em Mineral do Ferro (20)

4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
4_Técnicas de Caracterização de Materiais_1_analise quimica e de fases.pptx
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
 
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6d instrumentacao nuclear medicao
 
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
Desenvolvimento de Catalisadores para Conversão de Biomassa - Dra. Cristiane ...
 
história da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptxhistória da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptx
 
Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
 Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I... Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
Nanotecnologia, os desafios para metrologia na escala nanométrica Papel do I...
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Eletrônica Molecular
Eletrônica MolecularEletrônica Molecular
Eletrônica Molecular
 
Aula 25 ensaio por raios gama
Aula 25   ensaio por raios gamaAula 25   ensaio por raios gama
Aula 25 ensaio por raios gama
 
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docxBOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
BOMBEAMENTO OPTICO DO METANOL (CD3OH).docx
 
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
2015 aula 6c instrumentacao nuclear medicao
 
Uv vis
Uv visUv vis
Uv vis
 
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
9. Circuitos Eletrônicos de Instrumentação
 
Potenciometria[1]
Potenciometria[1]Potenciometria[1]
Potenciometria[1]
 
Microscopia de Varredura por Sonda
Microscopia de Varredura por SondaMicroscopia de Varredura por Sonda
Microscopia de Varredura por Sonda
 
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutoresCaracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
Caracterização de materiais e de dispositivos semicondutores
 
Detector de Radiacao Ionizante
Detector de Radiacao IonizanteDetector de Radiacao Ionizante
Detector de Radiacao Ionizante
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
 

Mais de Olympus IMS

Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video MeasurementBenefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
Olympus IMS
 
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern EuropeCase Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
Olympus IMS
 
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst AnalysisVanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
Olympus IMS
 
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag MonitoringUtilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
Olympus IMS
 
Cloud-Based Process Management of Inspection Instruments
Cloud-Based Process Management of Inspection InstrumentsCloud-Based Process Management of Inspection Instruments
Cloud-Based Process Management of Inspection Instruments
Olympus IMS
 
Why You Need to Double Check Your Oil Analysis
Why You Need to Double Check Your Oil AnalysisWhy You Need to Double Check Your Oil Analysis
Why You Need to Double Check Your Oil Analysis
Olympus IMS
 
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRFBreakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
Olympus IMS
 
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG TanksAdvances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
Olympus IMS
 
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital MicroscopyTool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
Olympus IMS
 
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality ControlNontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
Olympus IMS
 
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using VideoscopesFluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
Olympus IMS
 
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your CaseIdentifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
Olympus IMS
 
See the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
See the Invisible with Ultraviolet (UV) InspectionSee the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
See the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
Olympus IMS
 
Coating Thickness Test with Portable XRF
Coating Thickness Test with Portable XRFCoating Thickness Test with Portable XRF
Coating Thickness Test with Portable XRF
Olympus IMS
 
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) InstrumentsIncreasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
Olympus IMS
 
Improving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
Improving the Efficiency of Wind Turbine InspectionsImproving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
Improving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
Olympus IMS
 
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical IndustryIn-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
Olympus IMS
 
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
Olympus IMS
 
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex GeometryCoherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
Olympus IMS
 
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspectionPhased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
Olympus IMS
 

Mais de Olympus IMS (20)

Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video MeasurementBenefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
Benefits of 3D Visualization for High-Resolution Video Measurement
 
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern EuropeCase Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
Case Studies—Innovative Use of pXRF in Southern and Eastern Europe
 
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst AnalysisVanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
Vanta Handheld XRF for Car Catalyst Analysis
 
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag MonitoringUtilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
Utilizing Handheld X-Ray Fluorescence for In-Process Steel Slag Monitoring
 
Cloud-Based Process Management of Inspection Instruments
Cloud-Based Process Management of Inspection InstrumentsCloud-Based Process Management of Inspection Instruments
Cloud-Based Process Management of Inspection Instruments
 
Why You Need to Double Check Your Oil Analysis
Why You Need to Double Check Your Oil AnalysisWhy You Need to Double Check Your Oil Analysis
Why You Need to Double Check Your Oil Analysis
 
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRFBreakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
Breakthrough Technology for Cobalt Analysis Using pXRF
 
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG TanksAdvances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
Advances in Phased Array Inspection of API 620 LNG Tanks
 
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital MicroscopyTool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
Tool Wear Detection and Quantitation by Digital Microscopy
 
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality ControlNontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
Nontraditional Applications of XRF for Quality Assurance and Quality Control
 
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using VideoscopesFluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
Fluorescent Dye Penetrant Inspections Using Videoscopes
 
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your CaseIdentifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
Identifying Precious Metal Alloys on Your Bench and In Your Case
 
See the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
See the Invisible with Ultraviolet (UV) InspectionSee the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
See the Invisible with Ultraviolet (UV) Inspection
 
Coating Thickness Test with Portable XRF
Coating Thickness Test with Portable XRFCoating Thickness Test with Portable XRF
Coating Thickness Test with Portable XRF
 
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) InstrumentsIncreasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
Increasing the Brightness of Remote Visual Inspection (RVI) Instruments
 
Improving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
Improving the Efficiency of Wind Turbine InspectionsImproving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
Improving the Efficiency of Wind Turbine Inspections
 
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical IndustryIn-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
In-Service Corrosion Mapping—Challenges for the Chemical Industry
 
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
Improved Inspection of Composite Wind Turbine Blades with Accessible, Advanc...
 
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex GeometryCoherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
Coherent Adaptive Focusing Technology for the Inspection of Complex Geometry
 
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspectionPhased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
Phased Array Scan Planning and Modeling for Weld inspection
 

Aplicação de Analizadores Portáteis de FRX e DRX em Mineral do Ferro

  • 1. Aplicação de Analizadores Portáteis de FRX e DRX em mineral do Ferro Sonia GÜiza González Geochemist-International Mining Group Olympus Scientific Solution Americas
  • 2. Conteúdo Fluorescencia de raios X 1. Analizador portátil de FRX: DELTA y X-5000. 2. Ênfase controle de tenor. Difracción de raios X 1.O único Analizador Portátil de DRX TERRA. 2.Identificação de minerales de ferro(Fe) 3.Aplicacion do TERRA Conclusões
  • 3. Mineral Rocha Mineralizaçãon + Na 2+ 4+ 2- Ca Si O 2- 2+ 2 CO Fe OH Calor Pressão Componentes na natureza de elementos químicos Calor Pressão Calor Deformação Pressão Actividade quimica Compostos de minerales As rochas contêm minerales ou metais que podem ser recuperados por benefício mineiro
  • 4. Aplicação dos raios X em Equipas de Análises: composição Fluorescência [FRX] Método Analítico para determinar a composição elementar de uma substância Difração [DRX] Os materiais cristalinos podem gerar a dispersão de raios X, como uma “impressão digital” de uma estrutura atómica cristalina. A partir da comparação desde uma livraria conhecida pode-se determinar a composição mineralógica de uma mostra desconhecida.
  • 5. O tema dos raios X Raios X incidente mostra FRX Fluorescencia de raios X em todas as direcções A faixa de energia do espectro formado pelos átomos excitados elemento especifico, proporciona um sinal: A composição elementar tem que estar acima do limite de detecção θ XRD é condicionada pela Lei de Bragg: n λ =2d.sinθ λ é a longitude de onda (energia) dos raio X DRX Os raios X são difractados em direcções especificas dependendo directamente do ordenamento atómico composto-especifico, proporcional um sinal: A matéria tem que ter um ordenamento atómico (= ser cristalino) mostra Raios X incidente
  • 7. 1. Analizador portatil de FRX: DELTA e X-5000 A família de analizadores portáteis de FRX DELTA e X-5000, analisa de forma rápida e precisa a composição elementar, de qualquer material em estado solido. SEM TER NECESSIDADE DE FAZER NINGUN TIPO DE PREPARAÇÃ PRÉVIA – ANALISIS NÃO DESTRUCTIVOS. DELTA é um espectrómetro portátil de fluorescencia de raios X e energia dispersiva.
  • 8. 1.2. Elementos químicos Mg – U ppm; 0 – 100%
  • 9. 1.3. Limites de Detecção (LOD) comuns Elementos levianos Elementos pesados • Mg-Al-SI ~ 0.5% • P ~ 500ppm • S ~ 100ppm • K-Ca ~ 20-30ppm • Ti-V-Cr ~ 5-10ppm • *Mn-Fe-Cu-Pb-Zn ~ 3-5ppm • *As-Mo-Sr-Rb-Zr-U-Th ~ 1-2ppm • *Ag-Cd-Sn-Sb ~ 5-10ppm • *Au ~ 5ppm * Elementos analizados em uma matriz pura de SiO2
  • 10. 1.4. A soluçãon DELTA • Desenho Industrial  Disipador térmico  Sobremoldeado  Etc. • Ergonómico  Balanço anatómico.  Brilho, ecrã posterior. • Sempre pronta  Mudança em quente, não se apaga.  Estação de acoplamiento
  • 11. 1.5. Funcionamiento de um DELTA por FRX A espectrometría FRX é utilizada para identificar elementos numa substância e quantificar a quantidade presente desses elementos. Um elemento é identificado pelas características da longitude de onda ou a energia de sua emissão de raios-X. Ao final, a espectrometría FRX determina a composição elementar de um material.
  • 12. Descripção • Bateria: Íon Li (4-6hrs/bateria). Mudança em quente, isto é não se apaga. • Temperatura: -10 a 50 °C • Excitação por cano de raios X (Não Isotopos) => Fácil Transporte & Licenciamiento • Menos de 2kg (Delta) • Técnica Não Destructiva • Análise elementar desde o Mg (z=12) até o Ou (z=92)
  • 13. O DELTA: Valor significativo, Volta Rápida • Funções inteligentes = produtividade. • Mas de centos de análises ao dia. • Medida de múltiplos elementos numa sozinha análise. • Maior confiança no lugar de inspecção. • Reduz radicalmente os tempos de análises. • Veloz • LOD = Precisão = Velocidade
  • 14. 1.6. Desenho gera Alta visibilidade das luzes de alerta A melhor disipación de calor O melhor escudo A o-2024 (4% Cu) vs 6061 A menor possível exposição à radiação Empuñadura anatómica engomada antiderrapante. Fácil mudanç a da janela Sellado contra filtro de água e pó.
  • 15. Vantagens do Analizador DELTA • Detector Silicon Drift ou Se Pin (DELTA Classic) • Rádio de 30 a 25mm em SDD • Máxima corrente, mas de 25%  100uA em 40kV • Cano de ánodo de Rh no DELTA Premium  Ideal para análise de Cd, Sb e quando se requerem elementos liviano LE (Mg, Al). • Disipador térmico para situações de funcionamento prolongado a alta potência.
  • 16. 1.7. A linha DELTA A linha DELTA oferece analizadores FRX robustos que contam com uma variedade de ferramentas de alta produtividade e que satisfazem de maneira eficaz e rigorosamente as exigências de análises geoquímicos.
  • 17. 1.8. Comparação LD entre o uso de detectores Typical Limits Of Detection (LOD's) 13 10000 1000 100 10 1 Típicos limites de detecção (LD) Si-PiN Detector Silicon Drift Detector Mg Al Si P S Cl K Ca Ti V Cr Mn Fe Co Ni Cu Zn As Se Rb Sr Zr Mo Ag Cd Sn Ba Sb W Au Hg Pb Bi Th U Detection Limit (Log ppm) Element Range Elementos Levianos Elementos Pesados Limite de detecção Faixa de de Elementos
  • 18. 2. Aplicação para mineração de Ferro
  • 19. 2.1. Elementos de interesse • Nas menas de Fé é necessário controlar, muito de perto, seu conteúdo de S, As e P por ser elementos que constituem impurezas daninhas. • Para sua utilização industrial, as menas de Fé não devem possuir mais de 0,25% de S, tão só de 0,1 ou 0,2% de P e de 0,05 a 0,07% das. • Unido a estas impurezas daninhas aparecem outras consideradas valiosa, como: Mn, Cr, V y Ni. Limites de detecção do DELTA Ele-mento DELTA Premium DELTA Classic Rh Tubo, SDD Au Tubo, SiPiN Fe 10 10 a 30 S 150 a 300 0.1 a 0.5% As 1 a 3 4 a 8 P 800 a 1500 1 a 5% Mn 10 10 a 30 Cr 5 a 10 10 a 30 V 7 a 15 10 a 30 Ti 7 a 15 20 a 50 Unidade partes por milhão = ppm
  • 20. 2.2. Algumas companhias que utilizam DELTA Sesa Goa Iron Ore Operations, nr Goa, India. Sandfire Resources - Degrussa (Cu + Fe, S, As, Si). BHP Billiton – Olympic Dam (Cu, U + Fe, S). SLN - New Caledonia (Ni, Co + Mg, Fe, Cr). Hematite Ore – Pilbara Region W.A Rio Tinto – Iron ore. Vale S.A. em Brazil onde se esta levando a cabo a seguinte tese de Doctorado: “Grau de controle de tenores de minerales de Fe em tempo real, utilizados Analizadores Portáteis de FRX e DRX”.
  • 21. 2.3. Exemplo resultados Fe Similar a Delta Classic. NOTA: O Analizador Portátil DELTA, tem função de modificar os resultados, ao introduzir os respectivos factores, neste caso 1.3016 y -7.38.
  • 22. Resultados Fe e silice X-5000 X-5000 Delta P Delta P
  • 23. 2.4. Tenores de Fe e elementos associados • O tenor optimo de uma exploração mineral de Fé, corresponde a concentrações maiores a 60% de Fé por peso, com concentrações melhores a 0.20% P, 3-7% de silice, menos de 5% da o, e baixo S e Ti. • A inclusão de pequenas quantidades de alguns elementos traça, pode ter drásticos efeitos tanto bons e maus, no comportamento de ferro durante o processo que se leva a cabo no alto forno. • O Analizador DELTA, com tecnologia SDD, permite sua aplicação em todas as fases importantes de mineração de ferro. O conteúdo de Fé pode estar em ampla faixa analítica (30% a 80% Fé). Também permite analisar Mn, Ti, A o, Se, P e S, que inclui um grupo de ao menos 25 elementos químicos.
  • 24. Correlação Lab & Delta Resultados em típica rica hematita, de um yacimiento de ferro bandeado: Ferro, manganês, titanio, alumínio, sílice e fosforo (Tempo de análise 90 seg utilizando um Analizador DELTA SDD).
  • 25. DifracXçRãDo – dMeud RLoagygoings-X DRX Olympus
  • 26. Entre os diversos métodos da análise instrumental que têm sido introduzidos durante as ultimas décadas, nas investigações geológicas e o estudo de matérias primas, a difracção de raios X –DRX joga um papel de particular importância. Isto se deve a que a DRX não só fornece ao geólogo, metalurgista, dados de identificação de minerales, senão hoje em dia representa também uma ferramenta principal na petrografía e litología, sendo muitas vezes o único método capaz de entregar dados tanto qualitativos como quantitativos sobre a composição mineralógica (composição de fases) de rochas e matérias primas.
  • 27. 1. Tecnologia Terra : um rápido vistazo • Usado pelo Curiosity na exploração de Marte • Patenteado cela de vibração • Miniatura fonte de raios X • Geometria de transmissão • Pequeno detector 2D CCD • Discriminação de energia para simultanea FRX Método de Análise tipo pó cristalino-powder
  • 28. Únicos pontos sem concorrência 2) TERRA: sistema único portátil que funciona por baterias disponível no mercado. 3) Não requer sistemas refrigerantes: tamanho pequeno, baixo peso. 4) Sem partes móveis: baixa manutenção e não requer calibración. 5) Baixa fonte de poder de raios X: a vida do cano de raios X é a do instrumento. Todos os canos são de 50w que funcionam a 10 watts. Isto permite preservar a esperança de vida dos canos por embaixo do poder do mesmo. Assim o cano faz viável a durabilidade do instrumento.
  • 29. Singela preparação da mostr • Só se precisa uma quantidade limitada de mostra para a prova. • A preparação pode-se fazer in-situ • Triturar, tamizar, analisar. • Assim de simples
  • 30. Colocando uma mostra • Preparação da mostra. • Tomar 15 mg de mostra pulverizada e • Com sozinho ao toque introduza a mostra à cela. • Comprove manualmente o movimento que será por vibração da mostra. • Mantenha triturada a pastilla e observe seus componentes.
  • 31. Software singelo Acenda o instrumento e utilize uma conexão WiFi compartilhada desde um computador, telefone celular ou tablet.
  • 32. ¿Pode usar um martelo? ¿Pode ligar-se a internet? Genial! Você pode efectuar análise DRX a suas mostras com o TERRA - BTX
  • 33. Adquisicção de datos Desenhado para ser utilizado com qualquer formato de software para análise de difractogramas. Use-o com XPowder grátis.
  • 34. Componentes da análise em poucos minutos Cálculos pelo software XPowder Banco de dados Aprox.10.000 Identificação do composto Cela de vibração patenteada VIBRATION CELL MOVIE
  • 35. 2. Identificação de minerales de ferro (Fe) Nome Formula %Fe Hematita Fe2O3 69.9 Magnetita Fe3O4 74.2 Goethita/ Limonita HFeO2 ~ 63 Siderita FeCO3 48.2 Chamosita (Mg,Fe,Al)6 (Si,Al)44(OH)8 29.61 Pirita FeS 46.6 Ilmenita FeTiO3 A simples vista, requerem treinamento, destreza e altísima experiência para reconhecer ao menos os minerales mas comuns ou os de interesse para seu meio de trabalho.
  • 36. Aplicação do Terra As mostras ricas em minerales de Fé fuero tomada numa mina de Brasil para ser analisadas com o Terra XRD/XRF. As mostras foram As mostras foram pulverizadas e tamizadas a 150um. Tomaram-se aproximadamente 20mg da cada mostra para ser carregadas no muestreador – vibrador do Terra. A aquisição dos difractogramas demoro uns 20 minutos. A análise levo-se a cabo num modelo do Terra com cano de raios X de cobalto (Co), funcionando a 30Kv e 300uA. Uma vez geraram-se os difractogramas, para o processo de interpretação, exportaram-se e analisaram no software Xpowder. Depois identificaram-se as fases mineralógicas e determino-se a quantidade da cada uma das mesmas. A composição das mostras apresentam-se na tabela seguinte junto com seu respectivo factor RIR (Reference Intensity Ratio) gerados em Xpowder.
  • 37. Análise de resultados Mineral Mos-tra 1 Mos-tra 2 Mos-tra 3 Mos-tra 4 Mos-tra 5 Mos-tra 6 Mos-tra 7 Moes-tra 8 Quartzo 52.7 57.6 19.1 n/a 73.3 70.8 n/a 8.4 Hematita 26.3 40.4 10.7 16.5 26.7 27.2 100 91.6 Goetita 18.9 2.1 4.3 1.5 n/a 2 n/a n/a Magnesita n/a n/a n/a 10.7 n/a n/a n/a n/a Otros 2.1 n/a 66 11.4 n/a n/a n/a n/a Esta aplicacion requer a identificação de vários óxidos de ferro que poderiam estar presentes na operação mineira. Estes podem afectar os processos de benefício mineral do ferro e portanto é necessário, conhecer os minerales que constituem o material que ingressa à planta de benefício, para levar a cabo processos de control nos processos de produção.
  • 38. Todas as mostras em cascata As fases ricas em ferro (Fé) produzem determinadas diferenças entre os padrões de difracción que podem ser facilmente identificados. Com as mostras analisadas, a partir de um pequeno arranjo é possível gerar automaticamente a proporção dos diferentes componentes ou fases mineralógicas que as constituem, em alguns casos podem estar ausentes certas fases. Quando outras fases estão presente, é singelo identificar outras fases presentes a partir de bicos que se adicionan aos dos óxidos de ferro da mostra.
  • 39. Mostra 1. Identificação das fases maiores Mostra 2. Identificação das fases maiores Mostra 6. Identificação das fases maiores
  • 40. Mostra 4. Identificação das fases maiores Mostra 5. Identificação das fases maiores
  • 41. Conclusões A composição elementar é útil para conhecer os tenores dos elementos de interesse e elementos de sanção. No entanto, em muitos casos requer-se saber a composição mineralógica, para estabelecer controles nos processos de produção, pois alguns podem afectar a mesma. Portanto, a informação tanto de FRX como de DRX se constitui nos “ouvidos e os olhos” respectivamente, na exploração mineral de ferro.

Notas do Editor

  1. Phil, Product Manager, on-site at a remote Rare Earth Element (REE) exploration site in British Columbia, Canada. Unit operating @ 3,000m
  2. http://www.olympus-ims.com/pt/innovx-xrf-xrd/