SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
Baixar para ler offline
Profº,Tn. Nathanael Melchisedeck Brancaglione
Colégio Técnico Renascer 2013
EMAIL. nbrancaglione@gmail.com







Prova teórica quando alcançar 15 aulas
Prova teórica quando alcançar 27 aulas
Apresentação de seminário.
Provas teóricas. 45 %
Seminário. 10%








Introdução a END;
END: Ensaio Visual;
END: Liquido Penetrante;
END: Partícula Magnética;
END: Ultra som;
END: Gamagrafia e Raios X;





Radiologia industrial – autor: Ricardo
Andreucci, 2009
Ensaio por ultrassom – autor: Ricardo
Andreucci, 2011
Líquidos penetrantes – autor: Ricardo
Andreucci, 2011








Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens,
navios, submarinos, e outras;
todas estas máquinas não poderiam ter um bom desempenho não
fossem a qualidade do projeto mecânico, dos materiais envolvidos,
dos processos de fabricação e montagem, inspeção e manutenção.
Quando se deseja inspecionar peças com finalidade de investigar
sobre defeitos
internos , a
Radiografia e o Ultra-som são poderosos métodos que podem
detectar com;
alta sensibilidade descontinuidades com poucos milímetros de
extensão. Usados principalmente nas indústrias de petróleo e
petroquímica, nuclear, alimentícia, farmacêutica, geração de
energia para inspeção principalmente de soldas e fundidos, e ainda
na indústria bélica para inspeção de explosivos, armamento e
mísseis, a radiografia e o ultra-som desempenham papel
importante na comprovação da qualidade
A radiografia é um
método usado para
inspeção não
destrutiva que
baseia-se na
absorção
diferenciada da
radiação penetrante
pela peça que está
sendo inspecionada.


Experiência atômica de Rutherford em 1906.






Define-se “Radioatividade” como sendo a
emissão espontânea de radiação por um
núcleo atômico, que se encontra num
estado excitado de energia. Existem três
tipos diferentes de radiação, como segue:
Partículas Alfa = 2 P e 2 N
Partículas Beta = elétrons com V = C
Raios Gama = são de natureza
ondulatória
(não
tem
natureza
corpuscular) massa.
A energia das radiações emitidas tem importância fundamental no ensaio
radiográfico, pois a capacidade de penetração nos materiais está associada a
esta propriedade.
Exemplo de aplicação:
Qual a energia de uma radiação
eletromagnética com comprimento de onda
igual a 0,1
 Angstrom?
 Resposta:
 sendo c = 300 000 km/s = 3 x 10 exp8 m/s e
 0,1 A = 10-9 m
 E = 6,624 x 10-34 x 3 x 108 / 10-9 = 1,987 x
10-16 Joule como 1 Joule = 6,242 x 10 12
Mev
 E = 0,0012 Mev ou 1,2 kev


Esquema de um tubo convencional de Raios X Industrial.








As principais características de um equipamento
de Raios X são:
a - voltagem e amperagem máxima;
b - tamanho do ponto focal e tipo de feixe de
radiação;
c - peso e tamanho;
Os equipamentos considerados portáteis, com
voltagens até 400 kV, possuem peso em torno de
40 a 80 kg, dependendo do modelo.
Os modelos de tubos refrigerados a gás são mais
leves ao contrário dos refrigerados a óleo.
Raios X industrial, de até 300 kV

Inspeção radiográfica de soldas em tubos
(CONFAB)
A foto ao lado representa uma
unidade de comando de um
aparelho de Raios X industrial
moderno.
O painel, digital, resume uma série
de informações técnicas sobre a
exposição, tais como
Distância fonte-filme,
kilovoltagem,
Miliamperagem,
Tempo de exposição.
As informações no display poderá
ser memorizada e recuperada
quando necessário.


O aceleradores lineares são aparelhos similares
aos aparelhos de Raios X convencionais com a
diferença que os elétrons são acelerados por
meio de uma onda elétrica de alta freqüência,
adquirindo altas velocidades ao longo de um tubo
retilíneo. Os elétrons ao se chocarem com o alvo,
transformam a energia cinética adquirida em calor
e Raios X com altas energias cujo valor
dependerá da aplicação. Para uso industrial em
geral são usados aparelhos capazes de gerar
Raios X com energia máxima de 4 Mev.
Os Betatrons são considerados como
transformadores de alta voltagem o que consiste
na aceleração dos elétrons de forma circular por
mudança do campo magnético primário,
adquirindo assim altas velocidades e
consequentemente a transformação da energia
cinética em Raios X, após o impacto destes com
o alvo.
 Este processo pode gerar energias de 10 a 30
Mev.
 Os aceleradores lineares e os betatrons são
parelhos destinados a inspeção de componentes
com espessuras acima de 100 mm de aço.

Acelerador linear industrial,
para radiografias de peças
com espessuras acima de 100
mm
de aço.
Projetado para produzir um
feixe de radiação de 4 Mev,
com ponto focal bastante
reduzido.
Foto extraída do catálogo da
Varian.
Foto de um acelerador
linear com ponto focal
de 1 mm, taxa de
exposição a 1 metro de
350 R/minuto , energia
máxima de 3 MeV ,
usado para radiografia
industrial de peças com
espessura de 80 a 300
mm de aço.













Com o desenvolvimento dos reatores nucleares, foi possível a
produção artificial de isótopos radioativos através de reações
nucleares de ativação.
Atividade de uma Fonte Radioativa:
A atividade de um radioisótopo é caracterizada pelo número
desintegrações que ocorrem em um certo intervalo de tempo.
Como a atividade apresentada uma proporcionalidade com o
número de átomos excitados presentes no elemento radioativo,
podemos expressa-la através de uma fórmula semelhante à do
Decaimento Radioativo;
uma vez que A= l.N, ou seja:
A = Ao . e - l. t
onde: Ao = atividade inicial do elemento radioativo.
A = atividade do elemento radioativo após transcorrido um certo
intervalo de tempo.
l = constante de desintegração.
t = tempo transcorrido.
Equipamentos de Raios Gama
As fontes usadas em gamagrafia (radiografia com
raios gama), requerem cuidados especiais de
segurança pois, uma vez ativadas, emitem radiação,
constantemente.
 Deste modo, é necessário um equipamento que
forneça uma blindagem, contra as radiações emitidas
da fonte quando a mesma não está sendo usada.
 De mesma forma é necessário dotar essa blindagem
de um sistema que permita retirar a fonte de seu
interior, para que a radiografia seja feita.
 Esse equipamento denomina-se Irradiador.


são encapsuladas em material austenítico, de
maneira tal que não há dispersão ou fuga do
material radioativo para o exterior.
 Um dispositivo de contenção, transporte e fixação
por meio do qual a cápsula que contém a fonte
selada, está solidamente fixada em uma ponta de
uma cabo de aço flexível, e na outra ponta um
engate, que permite o uso e manipulação da
fonte, é denominado de “porta fonte”.
 Devido a uma grande variedade de fabricantes e
fornecedores existem diversos tipos de engates
de porta-fontes.

Embora apenas poucas fontes radiativas
seladas sejam atualmente utilizadas
ela indústria moderna, daremos a
seguir as principais que podem ser
utilizadas assim como as suas
características físico-químicas.
(a) Cobalto - 60 ( 60Co )
O Cobalto-60 é obtido através do
bombardeamento por nêutrons do isótopo
estável Co59. Suas principais características são:
· Meia - Vida = 5,24 anos
· Energia da Radiação = 1,17 e 1,33 MeV
· Faixa de utilização mais efetiva = 60 a 200 mm
de aço Esses limites dependem das
especificações técnicas da peça a ser
examinada e das condições da inspeção.
(b) Irídio - 192 ( 192Ir )
O Iridio-192 é obtido a partir do bombardeamento
com nêutrons do isótopo estável Ir-191.
Suas principais características são:
· Meia - Vida = 74,4 dias
· Energia da Radiação = 0,137 a 0,65 MeV
· Faixa de utilização mais efetiva = 10 a 40 mm
de aço
(c) Túlio -170 ( 170Tu )
O Túlio-170 é obtido com o bombardeamento por
nêutrons do isótopo estável, Túlio 169.
Como esse material é extremamente difícil de

produzir, o material é geralmente
manuseado sob a forma de óxido. Suas
principais características são:
· Energia de Radiação: 0, 084 e 0,54 MeV. (O
espectro do Túlio possui também
radiação de Bremsstrahlung, que é a radiação
liberada pelo freiamento dos
elétrons em forma de partículas beta).
· Meia - Vida = 127 dias
· Faixa de utilização mais efetiva = 1 a 10 mm de
aço
(d) Césio - 137 ( 137Cs )
O Césio-137 é um dos produtos da fissão do
Urânio-235. Este é extraído através de
processos químicos que o separam do Urânio
combustível e dos outros produtos de
fissão. Suas principais características são:
· Meia - Vida = 33 anos
· Energia de Radiação = 0,66 MeV
· Faixa de utilização mais efetiva = 20 a 80 mm
de aço
É uma fonte de radiação quase sem utilidade no
momento, em razão das dificuldades de
obtenção e da má qualidade do filme radiográfico
(e) Selênio - 75 ( 75Se )
· Meia-vida = 125 dias
· Energia das Radiações =
de 0,006 a 0,405 MeV .
Faixa de utilização mais
efetiva = 4 a 30 mm de
aço É um radioisótopo de
uso recente na indústria,
proporcionando uma
qualidade muito boa de
imagem, assemelhandose à qualidade dos RaiosX
Irradiador gama específico para fontes
radiativas de Selênio-75.
Foto extraída do catálogo da Sauerwein





Os irradiadores gama são equipamentos
dotados de partes mecânicas que permitem
expor com segurança a fonte radioativa.
A principal parte do irradiador é a blindagem
interna , que permite proteção ao operador a
níveis aceitáveis para o trabalho, porém com
risco
de
exposição
radiológica
se
armazenado em locais não adequados ou
protegidos.


Os irradiadores gama são construídos
através de rígidos controles e testes
estabelecidos por normas internacionais,
pois o mesmo deve suportar choques
mecânicos, incêndio e inundação sem
que a sua estrutura e blindagem sofram
rupturas capazes de deixar vazar
radiação em qualquer ponto mais do que
os máximos exigidos.
Aparelho para gamagrafia industrial, projetado para operação com
capacidade máxima de 100 Ci de Ir-192. O transito interno da fonte no
interior da blindagem é feita no canal em forma de "S "
Aparelho para
Gamagrafia usando
Fonte Radioativa de
Cobalto-60 com
atividade máxima de 30
Curies , pesando 122 kg,
projetado com tipo de
canal reto.
Foto extraída do
catálogo da Sauerwein
Aparelho de
gamagrafia industrial
projetado para
operação com
capacidade máxima de
130 Ci de Ir-192.
O canal interno de
trânsito da fonte é do
tipo de canal reto.
Peso 30 kg




Os filmes radiográficos são compostos de
uma emulsão e uma base. A emulsão
consiste em uma camada muito fina
(espessura de 0,025 mm) de gelatina, que
contém, dispersos em seu interior, um
grande número de minúsculos cristais de
brometo de prata.
A emulsão é colocada sobre um suporte,
denominado base, que é feito geralmente de
um derivado de celulose, transparente e de
cor levemente azulada.
Os filmes radiográficos
industriais são fabricados
nas
dimensões padrões de
.1/2” x 17” ou
4.1/2” x 17” ou
14” x 17” .
Outras dimensões e
formatos podem ser
encontrados
em outros países da Europa
e EUA R




A imagem nos filmes radiográficos é formada
por uma série de partículas muito pequenas
de sais de prata, os quais não visíveis a olho
nu. Entretanto, essas partículas se unem em
massas relativamente grandes que podem
ser vistas pelo olho humano ou com auxílio
de pequeno aumento.
Esse agrupamento das partículas de sais de
prata da emulsão cria uma impressão
chamada de “Granulação”.
A imagem formada no filme
radiográfico possui áreas claras e
escuras evidenciando um certo
grau de enegrecimento que
denominamos de Densidade.
 Matematicamente expressamos a
densidade como sendo logaritmo
da razão entre a intensidade de
luz visível que incide no filme e a
intensidade que é transmitida e
visualmente observada


Concluímos que:
Quanto maior a
densidade maior
será o
enegrecimento do
filme
A velocidade é uma característica própria de cada
filme. Ela depende, principalmente, do tamanho dos
cristais de prata presentes na emulsão. Quanto maior
o tamanho dos cristais mais rápido é o filme.
 É claro que uma imagem formada por grãos de
grandes dimensões é mais grosseira, ou seja, menos
nítida, que uma imagem formada por grãos menores.
 Portanto, quanto mais rápido o filme, menos nítida
será a imagem formada por ele.
 Os filmes de grande velocidade podem ser utilizados
em radiografias de peças com grandes espessuras
que exigiria um tempo de exposição incompatível com
a produtividade, quando utilizado filmes mais lentos.

Processadora Automática típica para filmes radiográficos.
(Foto extraída do catálogo da AGFA)











1 - entrada do filme a ser
processado
2 - dispositivo de
condução do filme
3 - tanque revelador
4 - tanque de lavagem
intermediária
5a - tanque de fixação F1
5b - tanque de fixação F2
6 - tanque de lavagem
final
7 - tampa removíveis
8 - roletes de distribuição
9 - secador infravermelho










10- saída de filmes
11- bandeja de filmes
12 - bomba de circulação
de revelador
13 - bomba de circulação
de fixador
14a - liga/desliga
14b - fio terra
15 - válvulas para
drenagem dos tanques
16 - protetores de
superaquecimento


Écrans
fluorescentes
ou
também
chamadas
telas
intensificadoras
fluorescentes são usadas para reduzir
consideravelmente, o tempo de exposição
em radiografias


As telas fluorescentes somente são
utilizadas em sistemas de radioscopia ou
como um sistema de identificação do
filme radiográfico.
Sistema de radioscopia com câmara
de TV transmitindo a imagem para
uma monitor. O inspetor analisa a
imagem radioscópica da peça,
controlando os parâmetros de
exposição aos Raios X.

Aparelho para radioscopia industrial,
dotado de câmara de TV e monitor de
vídeo para observação das imagens.
Equipado com uma unidade de Raios X de
160 kV e 20 mA , é específico para
inspeção de peças de ligas leves de
alumínio e magnésio
Sistema de radioscopia
convencional,
utilizando um aparelho de
Raios X , o sistema de
suporte da peça e a tela
que forma a imagem
radioscópica.
(Foto extraída do filme “X
Ray
Technology- Seifert ,
cedido por
RAIMECK)

Tubo de Raios X

Tela Radioscópica
Sistema com Tela Fluorescente e
Câmera

Sistema com uso de Câmera de TV e
intensificador


A seqüência abaixo
mostra uma
carcaça de bomba
de alumínio,
inspecionada por
tomografia.
 A figura a seguir
mostra a projeção
no plano da
imagem da peça e
à direita o defeito
interno.


Seqüência a seguir é a imagem
volumétrica tomográfica da mesma peça
usando Raios X de 225 kV e 1,5 mA, de
uma caixa de bomba de Alumínio,
mostrando na imagem 1 a peça inteira e
na imagem 2 o corte tomográfico
indicando por um círculo a presença de
um defeito interno.
Imagem 1 – Visualização completa Imagem
defeito

2 – Visualização em corte. Observe o
Radiografia Original Digitalizada
Radiografia Processada Digitalmente
( Imagens cedidas pela AGFA )
Placa para captura direta da
imagem digital, de selenio
amorfo. Permite uma imagem
com area ativa de 35 x 43
cm, com resolução de 2560 x
3072 pixels, com máxima
exposição de 10 R em 1
segundo.
(Imagem cedida pela AGFA)
Estas radiografias mostram a diferença entre uma imagem
original (foto superior) não processada digitalmente e outra (foto
inferior) processada pelo sistema digital
(Imagens cedidas pela AGFA)
Radiografia Computadorizada (CR) Imagem Capturada pelo Método Direto
(DR)
( Imagens cedidas para AGFA)
CR

DR
onde:
Ug = penumbra
geométrica
F = dimensão do
ponto focal
t = espessura do
objeto
D = distância da
fonte ao objeto
Esses IQI's devem ser
colocados sobre a peça
ensaiada, com a face
voltada para a fonte
e de modo que o plano
do mesmo seja normal
ao feixe de radiação.
Técnico de uma companhia
aérea preparando a inspeção
radiográfica da turbina do avião,
utilizando um aparelho de Raios
X. A inspeção radiográfica das
aeronaves em operação é uma
ferramenta indispensável para
controlar os componentes , e
verificar se os mesmos
permanecem na mesma
condição de fabricação.
Foto extraída do catálogo da
Seifert
Ensaio Radiográfico da Turbina
de um avião
Identificação do filme
Verificação da densidade
Radiográfica
 Defeito no
processamento do filme
 Manchas
 Riscos
 Dobras
 Análise do indicador de
qualidade da imagems
(IQI)



Preparação da exposição radiográfica,
fixação do IQI tipo fios sobre a solda a ser
inspecionada
Técnica de Parede Dupla Vista Simples A técnica de parede dupla e
(PDVS): A;
vista dupla (PDVD) é
Freqüentemente esta técnica é utilizada em
inspeções de juntas soldadas, as quais não freqüentemente usada para inspeção
possuem acesso interno, por exemplo de juntas soldadas em tubulações com
tubulações com diâmetros maiores que 3.½
diâmetros menores que
polegadas, vasos fechados, e outros.
3 .½polegadas.
A foto ao lado mostra um
equipamento especial para
radiografias de tubulações pela
técnica de PS-VS, denominado
de Crawler.
O equipamento é introduzido
dentro da tubulação, por onde
percorre toda
sua extensão, parando nos
pontos onde a radiografia será
feita.
O controle da movimentação do
equipamento é feita pelo lado
externo da tubulação,
Radiografia de solda contendo porosidade e falta de fusão
Aparência radiográfica de soldas contendo
inclusões de escória
Radiografia industrial
Radiografia industrial
Radiografia industrial
Radiografia industrial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1Magno Cavalheiro
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosCaulino Pereira
 
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreucci
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo AndreucciRadiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreucci
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreuccirafael severin
 
Proteçao radiologica
Proteçao radiologicaProteçao radiologica
Proteçao radiologicaÁlex Jesus
 
Qualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrialQualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrialWalmor Godoi
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAWillian R. Bandeira
 
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.Fabiano Ladislau
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução RadiologiaThyago Soares
 
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8   ensaios mecnicos e end - radiografiaAula 8   ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografiaAlex Leal
 
Hemodinâmica
HemodinâmicaHemodinâmica
Hemodinâmicawelberrj
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaHeraldo Silva
 

Mais procurados (20)

História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreucci
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo AndreucciRadiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreucci
Radiologia industrial questoes resolvidas Ricardo Andreucci
 
Proteçao radiologica
Proteçao radiologicaProteçao radiologica
Proteçao radiologica
 
Qualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrialQualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrial
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
 
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.GADOLÍNIO EM  RESSONÂNCIA MAGNÉTICA:  Definição, Aplicabilidade e Reações.
GADOLÍNIO EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA: Definição, Aplicabilidade e Reações.
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8   ensaios mecnicos e end - radiografiaAula 8   ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Hemodinâmica
HemodinâmicaHemodinâmica
Hemodinâmica
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Radioterapia 2009
Radioterapia 2009Radioterapia 2009
Radioterapia 2009
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
 
Portaria
PortariaPortaria
Portaria
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 

Destaque

Radiografía Industrial Final
Radiografía Industrial FinalRadiografía Industrial Final
Radiografía Industrial FinalRicardo Posada
 
Radiografia Industrial - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem...
Radiografia  Industrial - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem...Radiografia  Industrial - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem...
Radiografia Industrial - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem...Rodrigo Penna
 
51619367 radiologia-industrial
51619367 radiologia-industrial51619367 radiologia-industrial
51619367 radiologia-industrialruicastro22
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrialsenocorp
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosRaquel Marra
 
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...Rodrigo Penna
 
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.Fremy Guedez
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteMagno Cavalheiro
 
Aula 9 ensaio de ultrasom
Aula 9   ensaio de ultrasomAula 9   ensaio de ultrasom
Aula 9 ensaio de ultrasomAlex Leal
 
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y Ultrasonido
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y UltrasonidoEnsayos no destructivos Metodo Radiografico y Ultrasonido
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y UltrasonidoJuan Sebastian Tovar
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introduçãoAlex Leal
 
Trabalho de proteção radiologica n 1
Trabalho de proteção radiologica   n 1Trabalho de proteção radiologica   n 1
Trabalho de proteção radiologica n 1celinafc
 
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoRelatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoUniversidade Eduardo Mondlane
 
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RM
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RMINSTALAÇÕES DO SETOR DE RM
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RMUiliam Santos
 
Produção de raios X - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem.bl...
Produção de raios  X - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem.bl...Produção de raios  X - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem.bl...
Produção de raios X - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem.bl...Rodrigo Penna
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introduçãoAlex Leal
 

Destaque (20)

Radiografía Industrial Final
Radiografía Industrial FinalRadiografía Industrial Final
Radiografía Industrial Final
 
Radiografia Industrial - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem...
Radiografia  Industrial - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem...Radiografia  Industrial - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem...
Radiografia Industrial - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem...
 
51619367 radiologia-industrial
51619367 radiologia-industrial51619367 radiologia-industrial
51619367 radiologia-industrial
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
 
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisi...
Raios X na segurança e bagagens - Conteúdo vinculado ao blog http://fisi...
 
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.
Rt – radiografía industrial, pruebas de burbuja.
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizante
 
Ensaio de materiais
Ensaio de materiaisEnsaio de materiais
Ensaio de materiais
 
Aula 9 ensaio de ultrasom
Aula 9   ensaio de ultrasomAula 9   ensaio de ultrasom
Aula 9 ensaio de ultrasom
 
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y Ultrasonido
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y UltrasonidoEnsayos no destructivos Metodo Radiografico y Ultrasonido
Ensayos no destructivos Metodo Radiografico y Ultrasonido
 
[882]s.a.pr.2007
[882]s.a.pr.2007[882]s.a.pr.2007
[882]s.a.pr.2007
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
 
Trabalho de proteção radiologica n 1
Trabalho de proteção radiologica   n 1Trabalho de proteção radiologica   n 1
Trabalho de proteção radiologica n 1
 
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo acoRelatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
Relatorio de materiais de construcao ii traca e dobragem doo aco
 
Radiologia industrial
Radiologia industrialRadiologia industrial
Radiologia industrial
 
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RM
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RMINSTALAÇÕES DO SETOR DE RM
INSTALAÇÕES DO SETOR DE RM
 
Apostila us
Apostila usApostila us
Apostila us
 
Produção de raios X - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem.bl...
Produção de raios  X - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem.bl...Produção de raios  X - Conteúdo vinculado ao blog      http://fisicanoenem.bl...
Produção de raios X - Conteúdo vinculado ao blog http://fisicanoenem.bl...
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
 

Semelhante a Radiografia industrial

Semelhante a Radiografia industrial (20)

história da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptxhistória da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptx
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Aula 25 ensaio por raios gama
Aula 25   ensaio por raios gamaAula 25   ensaio por raios gama
Aula 25 ensaio por raios gama
 
ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DE MATERIAIS.pdf
ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DE MATERIAIS.pdfENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DE MATERIAIS.pdf
ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DE MATERIAIS.pdf
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
 
End rx
End rxEnd rx
End rx
 
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios xIntriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
 
Trabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de CursoTrabalho de Conclusão de Curso
Trabalho de Conclusão de Curso
 
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptxEQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
 
3 parte introdução para raio 2
3 parte introdução para raio 23 parte introdução para raio 2
3 parte introdução para raio 2
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
 
Resumo ensaios
Resumo ensaiosResumo ensaios
Resumo ensaios
 
Aula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivasAula técnicas preditivas
Aula técnicas preditivas
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
 
Teoria de ultrassom
Teoria de ultrassomTeoria de ultrassom
Teoria de ultrassom
 
Folder sistema-fotovoltaico-2020
Folder sistema-fotovoltaico-2020Folder sistema-fotovoltaico-2020
Folder sistema-fotovoltaico-2020
 
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
 
CURSO BÁSICO RADTECH - FEIXE DE ELÉTRONS
CURSO BÁSICO RADTECH - FEIXE DE ELÉTRONSCURSO BÁSICO RADTECH - FEIXE DE ELÉTRONS
CURSO BÁSICO RADTECH - FEIXE DE ELÉTRONS
 
RADIOGRAFIA INDUSTRIAL.pdf
RADIOGRAFIA INDUSTRIAL.pdfRADIOGRAFIA INDUSTRIAL.pdf
RADIOGRAFIA INDUSTRIAL.pdf
 
Ensaio po ultra som
Ensaio po ultra somEnsaio po ultra som
Ensaio po ultra som
 

Mais de Nathanael Melchisedeck Brancaglione (8)

Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográficaAvaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
Avaliação do disco intervertebral por imagem radiográfica
 
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
Avaliação do disco intervertebral por imagens radiográficas Tcc 2012 (14)
 
Aula 05 proteção e higiene das radiações
Aula 05 proteção e higiene das radiaçõesAula 05 proteção e higiene das radiações
Aula 05 proteção e higiene das radiações
 
Aula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológicaAula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológica
 
Aula 06 densitometria
Aula 06 densitometriaAula 06 densitometria
Aula 06 densitometria
 
Aula 04 proteção e higiene das radiações
Aula 04 proteção e higiene das radiaçõesAula 04 proteção e higiene das radiações
Aula 04 proteção e higiene das radiações
 
Angiografia por Ressonância Magnética. Gadolínio e Tc
Angiografia por Ressonância Magnética. Gadolínio e TcAngiografia por Ressonância Magnética. Gadolínio e Tc
Angiografia por Ressonância Magnética. Gadolínio e Tc
 
Atomo de bohr
Atomo de bohrAtomo de bohr
Atomo de bohr
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Radiografia industrial

  • 1. Profº,Tn. Nathanael Melchisedeck Brancaglione Colégio Técnico Renascer 2013 EMAIL. nbrancaglione@gmail.com
  • 2.      Prova teórica quando alcançar 15 aulas Prova teórica quando alcançar 27 aulas Apresentação de seminário. Provas teóricas. 45 % Seminário. 10%
  • 3.       Introdução a END; END: Ensaio Visual; END: Liquido Penetrante; END: Partícula Magnética; END: Ultra som; END: Gamagrafia e Raios X;
  • 4.    Radiologia industrial – autor: Ricardo Andreucci, 2009 Ensaio por ultrassom – autor: Ricardo Andreucci, 2011 Líquidos penetrantes – autor: Ricardo Andreucci, 2011
  • 5.       Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, e outras; todas estas máquinas não poderiam ter um bom desempenho não fossem a qualidade do projeto mecânico, dos materiais envolvidos, dos processos de fabricação e montagem, inspeção e manutenção. Quando se deseja inspecionar peças com finalidade de investigar sobre defeitos internos , a Radiografia e o Ultra-som são poderosos métodos que podem detectar com; alta sensibilidade descontinuidades com poucos milímetros de extensão. Usados principalmente nas indústrias de petróleo e petroquímica, nuclear, alimentícia, farmacêutica, geração de energia para inspeção principalmente de soldas e fundidos, e ainda na indústria bélica para inspeção de explosivos, armamento e mísseis, a radiografia e o ultra-som desempenham papel importante na comprovação da qualidade
  • 6. A radiografia é um método usado para inspeção não destrutiva que baseia-se na absorção diferenciada da radiação penetrante pela peça que está sendo inspecionada.
  • 7.  Experiência atômica de Rutherford em 1906.
  • 8.
  • 9.     Define-se “Radioatividade” como sendo a emissão espontânea de radiação por um núcleo atômico, que se encontra num estado excitado de energia. Existem três tipos diferentes de radiação, como segue: Partículas Alfa = 2 P e 2 N Partículas Beta = elétrons com V = C Raios Gama = são de natureza ondulatória (não tem natureza corpuscular) massa.
  • 10.
  • 11. A energia das radiações emitidas tem importância fundamental no ensaio radiográfico, pois a capacidade de penetração nos materiais está associada a esta propriedade.
  • 12. Exemplo de aplicação: Qual a energia de uma radiação eletromagnética com comprimento de onda igual a 0,1  Angstrom?  Resposta:  sendo c = 300 000 km/s = 3 x 10 exp8 m/s e  0,1 A = 10-9 m  E = 6,624 x 10-34 x 3 x 108 / 10-9 = 1,987 x 10-16 Joule como 1 Joule = 6,242 x 10 12 Mev  E = 0,0012 Mev ou 1,2 kev  
  • 13. Esquema de um tubo convencional de Raios X Industrial.
  • 14.       As principais características de um equipamento de Raios X são: a - voltagem e amperagem máxima; b - tamanho do ponto focal e tipo de feixe de radiação; c - peso e tamanho; Os equipamentos considerados portáteis, com voltagens até 400 kV, possuem peso em torno de 40 a 80 kg, dependendo do modelo. Os modelos de tubos refrigerados a gás são mais leves ao contrário dos refrigerados a óleo.
  • 15. Raios X industrial, de até 300 kV Inspeção radiográfica de soldas em tubos (CONFAB)
  • 16.
  • 17. A foto ao lado representa uma unidade de comando de um aparelho de Raios X industrial moderno. O painel, digital, resume uma série de informações técnicas sobre a exposição, tais como Distância fonte-filme, kilovoltagem, Miliamperagem, Tempo de exposição. As informações no display poderá ser memorizada e recuperada quando necessário.
  • 18.  O aceleradores lineares são aparelhos similares aos aparelhos de Raios X convencionais com a diferença que os elétrons são acelerados por meio de uma onda elétrica de alta freqüência, adquirindo altas velocidades ao longo de um tubo retilíneo. Os elétrons ao se chocarem com o alvo, transformam a energia cinética adquirida em calor e Raios X com altas energias cujo valor dependerá da aplicação. Para uso industrial em geral são usados aparelhos capazes de gerar Raios X com energia máxima de 4 Mev.
  • 19. Os Betatrons são considerados como transformadores de alta voltagem o que consiste na aceleração dos elétrons de forma circular por mudança do campo magnético primário, adquirindo assim altas velocidades e consequentemente a transformação da energia cinética em Raios X, após o impacto destes com o alvo.  Este processo pode gerar energias de 10 a 30 Mev.  Os aceleradores lineares e os betatrons são parelhos destinados a inspeção de componentes com espessuras acima de 100 mm de aço. 
  • 20. Acelerador linear industrial, para radiografias de peças com espessuras acima de 100 mm de aço. Projetado para produzir um feixe de radiação de 4 Mev, com ponto focal bastante reduzido. Foto extraída do catálogo da Varian.
  • 21. Foto de um acelerador linear com ponto focal de 1 mm, taxa de exposição a 1 metro de 350 R/minuto , energia máxima de 3 MeV , usado para radiografia industrial de peças com espessura de 80 a 300 mm de aço.
  • 22.           Com o desenvolvimento dos reatores nucleares, foi possível a produção artificial de isótopos radioativos através de reações nucleares de ativação. Atividade de uma Fonte Radioativa: A atividade de um radioisótopo é caracterizada pelo número desintegrações que ocorrem em um certo intervalo de tempo. Como a atividade apresentada uma proporcionalidade com o número de átomos excitados presentes no elemento radioativo, podemos expressa-la através de uma fórmula semelhante à do Decaimento Radioativo; uma vez que A= l.N, ou seja: A = Ao . e - l. t onde: Ao = atividade inicial do elemento radioativo. A = atividade do elemento radioativo após transcorrido um certo intervalo de tempo. l = constante de desintegração. t = tempo transcorrido.
  • 23.
  • 24. Equipamentos de Raios Gama As fontes usadas em gamagrafia (radiografia com raios gama), requerem cuidados especiais de segurança pois, uma vez ativadas, emitem radiação, constantemente.  Deste modo, é necessário um equipamento que forneça uma blindagem, contra as radiações emitidas da fonte quando a mesma não está sendo usada.  De mesma forma é necessário dotar essa blindagem de um sistema que permita retirar a fonte de seu interior, para que a radiografia seja feita.  Esse equipamento denomina-se Irradiador.  
  • 25. são encapsuladas em material austenítico, de maneira tal que não há dispersão ou fuga do material radioativo para o exterior.  Um dispositivo de contenção, transporte e fixação por meio do qual a cápsula que contém a fonte selada, está solidamente fixada em uma ponta de uma cabo de aço flexível, e na outra ponta um engate, que permite o uso e manipulação da fonte, é denominado de “porta fonte”.  Devido a uma grande variedade de fabricantes e fornecedores existem diversos tipos de engates de porta-fontes. 
  • 26.
  • 27. Embora apenas poucas fontes radiativas seladas sejam atualmente utilizadas ela indústria moderna, daremos a seguir as principais que podem ser utilizadas assim como as suas características físico-químicas.
  • 28. (a) Cobalto - 60 ( 60Co ) O Cobalto-60 é obtido através do bombardeamento por nêutrons do isótopo estável Co59. Suas principais características são: · Meia - Vida = 5,24 anos · Energia da Radiação = 1,17 e 1,33 MeV · Faixa de utilização mais efetiva = 60 a 200 mm de aço Esses limites dependem das especificações técnicas da peça a ser examinada e das condições da inspeção. (b) Irídio - 192 ( 192Ir ) O Iridio-192 é obtido a partir do bombardeamento com nêutrons do isótopo estável Ir-191. Suas principais características são: · Meia - Vida = 74,4 dias · Energia da Radiação = 0,137 a 0,65 MeV · Faixa de utilização mais efetiva = 10 a 40 mm de aço (c) Túlio -170 ( 170Tu ) O Túlio-170 é obtido com o bombardeamento por nêutrons do isótopo estável, Túlio 169. Como esse material é extremamente difícil de produzir, o material é geralmente manuseado sob a forma de óxido. Suas principais características são: · Energia de Radiação: 0, 084 e 0,54 MeV. (O espectro do Túlio possui também radiação de Bremsstrahlung, que é a radiação liberada pelo freiamento dos elétrons em forma de partículas beta). · Meia - Vida = 127 dias · Faixa de utilização mais efetiva = 1 a 10 mm de aço (d) Césio - 137 ( 137Cs ) O Césio-137 é um dos produtos da fissão do Urânio-235. Este é extraído através de processos químicos que o separam do Urânio combustível e dos outros produtos de fissão. Suas principais características são: · Meia - Vida = 33 anos · Energia de Radiação = 0,66 MeV · Faixa de utilização mais efetiva = 20 a 80 mm de aço É uma fonte de radiação quase sem utilidade no momento, em razão das dificuldades de obtenção e da má qualidade do filme radiográfico
  • 29. (e) Selênio - 75 ( 75Se ) · Meia-vida = 125 dias · Energia das Radiações = de 0,006 a 0,405 MeV . Faixa de utilização mais efetiva = 4 a 30 mm de aço É um radioisótopo de uso recente na indústria, proporcionando uma qualidade muito boa de imagem, assemelhandose à qualidade dos RaiosX Irradiador gama específico para fontes radiativas de Selênio-75. Foto extraída do catálogo da Sauerwein
  • 30.    Os irradiadores gama são equipamentos dotados de partes mecânicas que permitem expor com segurança a fonte radioativa. A principal parte do irradiador é a blindagem interna , que permite proteção ao operador a níveis aceitáveis para o trabalho, porém com risco de exposição radiológica se armazenado em locais não adequados ou protegidos.
  • 31.  Os irradiadores gama são construídos através de rígidos controles e testes estabelecidos por normas internacionais, pois o mesmo deve suportar choques mecânicos, incêndio e inundação sem que a sua estrutura e blindagem sofram rupturas capazes de deixar vazar radiação em qualquer ponto mais do que os máximos exigidos.
  • 32. Aparelho para gamagrafia industrial, projetado para operação com capacidade máxima de 100 Ci de Ir-192. O transito interno da fonte no interior da blindagem é feita no canal em forma de "S "
  • 33. Aparelho para Gamagrafia usando Fonte Radioativa de Cobalto-60 com atividade máxima de 30 Curies , pesando 122 kg, projetado com tipo de canal reto. Foto extraída do catálogo da Sauerwein
  • 34. Aparelho de gamagrafia industrial projetado para operação com capacidade máxima de 130 Ci de Ir-192. O canal interno de trânsito da fonte é do tipo de canal reto. Peso 30 kg
  • 35.   Os filmes radiográficos são compostos de uma emulsão e uma base. A emulsão consiste em uma camada muito fina (espessura de 0,025 mm) de gelatina, que contém, dispersos em seu interior, um grande número de minúsculos cristais de brometo de prata. A emulsão é colocada sobre um suporte, denominado base, que é feito geralmente de um derivado de celulose, transparente e de cor levemente azulada.
  • 36. Os filmes radiográficos industriais são fabricados nas dimensões padrões de .1/2” x 17” ou 4.1/2” x 17” ou 14” x 17” . Outras dimensões e formatos podem ser encontrados em outros países da Europa e EUA R
  • 37.   A imagem nos filmes radiográficos é formada por uma série de partículas muito pequenas de sais de prata, os quais não visíveis a olho nu. Entretanto, essas partículas se unem em massas relativamente grandes que podem ser vistas pelo olho humano ou com auxílio de pequeno aumento. Esse agrupamento das partículas de sais de prata da emulsão cria uma impressão chamada de “Granulação”.
  • 38. A imagem formada no filme radiográfico possui áreas claras e escuras evidenciando um certo grau de enegrecimento que denominamos de Densidade.  Matematicamente expressamos a densidade como sendo logaritmo da razão entre a intensidade de luz visível que incide no filme e a intensidade que é transmitida e visualmente observada  Concluímos que: Quanto maior a densidade maior será o enegrecimento do filme
  • 39. A velocidade é uma característica própria de cada filme. Ela depende, principalmente, do tamanho dos cristais de prata presentes na emulsão. Quanto maior o tamanho dos cristais mais rápido é o filme.  É claro que uma imagem formada por grãos de grandes dimensões é mais grosseira, ou seja, menos nítida, que uma imagem formada por grãos menores.  Portanto, quanto mais rápido o filme, menos nítida será a imagem formada por ele.  Os filmes de grande velocidade podem ser utilizados em radiografias de peças com grandes espessuras que exigiria um tempo de exposição incompatível com a produtividade, quando utilizado filmes mais lentos. 
  • 40. Processadora Automática típica para filmes radiográficos. (Foto extraída do catálogo da AGFA)
  • 41.           1 - entrada do filme a ser processado 2 - dispositivo de condução do filme 3 - tanque revelador 4 - tanque de lavagem intermediária 5a - tanque de fixação F1 5b - tanque de fixação F2 6 - tanque de lavagem final 7 - tampa removíveis 8 - roletes de distribuição 9 - secador infravermelho         10- saída de filmes 11- bandeja de filmes 12 - bomba de circulação de revelador 13 - bomba de circulação de fixador 14a - liga/desliga 14b - fio terra 15 - válvulas para drenagem dos tanques 16 - protetores de superaquecimento
  • 42.  Écrans fluorescentes ou também chamadas telas intensificadoras fluorescentes são usadas para reduzir consideravelmente, o tempo de exposição em radiografias
  • 43.  As telas fluorescentes somente são utilizadas em sistemas de radioscopia ou como um sistema de identificação do filme radiográfico.
  • 44. Sistema de radioscopia com câmara de TV transmitindo a imagem para uma monitor. O inspetor analisa a imagem radioscópica da peça, controlando os parâmetros de exposição aos Raios X. Aparelho para radioscopia industrial, dotado de câmara de TV e monitor de vídeo para observação das imagens. Equipado com uma unidade de Raios X de 160 kV e 20 mA , é específico para inspeção de peças de ligas leves de alumínio e magnésio
  • 45. Sistema de radioscopia convencional, utilizando um aparelho de Raios X , o sistema de suporte da peça e a tela que forma a imagem radioscópica. (Foto extraída do filme “X Ray Technology- Seifert , cedido por RAIMECK) Tubo de Raios X Tela Radioscópica
  • 46. Sistema com Tela Fluorescente e Câmera Sistema com uso de Câmera de TV e intensificador
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.  A seqüência abaixo mostra uma carcaça de bomba de alumínio, inspecionada por tomografia.  A figura a seguir mostra a projeção no plano da imagem da peça e à direita o defeito interno.
  • 52.
  • 53.  Seqüência a seguir é a imagem volumétrica tomográfica da mesma peça usando Raios X de 225 kV e 1,5 mA, de uma caixa de bomba de Alumínio, mostrando na imagem 1 a peça inteira e na imagem 2 o corte tomográfico indicando por um círculo a presença de um defeito interno.
  • 54. Imagem 1 – Visualização completa Imagem defeito 2 – Visualização em corte. Observe o
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58. Radiografia Original Digitalizada Radiografia Processada Digitalmente ( Imagens cedidas pela AGFA )
  • 59. Placa para captura direta da imagem digital, de selenio amorfo. Permite uma imagem com area ativa de 35 x 43 cm, com resolução de 2560 x 3072 pixels, com máxima exposição de 10 R em 1 segundo. (Imagem cedida pela AGFA)
  • 60. Estas radiografias mostram a diferença entre uma imagem original (foto superior) não processada digitalmente e outra (foto inferior) processada pelo sistema digital (Imagens cedidas pela AGFA)
  • 61. Radiografia Computadorizada (CR) Imagem Capturada pelo Método Direto (DR) ( Imagens cedidas para AGFA)
  • 62. CR DR
  • 63.
  • 64. onde: Ug = penumbra geométrica F = dimensão do ponto focal t = espessura do objeto D = distância da fonte ao objeto
  • 65. Esses IQI's devem ser colocados sobre a peça ensaiada, com a face voltada para a fonte e de modo que o plano do mesmo seja normal ao feixe de radiação.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69. Técnico de uma companhia aérea preparando a inspeção radiográfica da turbina do avião, utilizando um aparelho de Raios X. A inspeção radiográfica das aeronaves em operação é uma ferramenta indispensável para controlar os componentes , e verificar se os mesmos permanecem na mesma condição de fabricação. Foto extraída do catálogo da Seifert Ensaio Radiográfico da Turbina de um avião
  • 70. Identificação do filme Verificação da densidade Radiográfica  Defeito no processamento do filme  Manchas  Riscos  Dobras  Análise do indicador de qualidade da imagems (IQI)   Preparação da exposição radiográfica, fixação do IQI tipo fios sobre a solda a ser inspecionada
  • 71.
  • 72.
  • 73. Técnica de Parede Dupla Vista Simples A técnica de parede dupla e (PDVS): A; vista dupla (PDVD) é Freqüentemente esta técnica é utilizada em inspeções de juntas soldadas, as quais não freqüentemente usada para inspeção possuem acesso interno, por exemplo de juntas soldadas em tubulações com tubulações com diâmetros maiores que 3.½ diâmetros menores que polegadas, vasos fechados, e outros. 3 .½polegadas.
  • 74. A foto ao lado mostra um equipamento especial para radiografias de tubulações pela técnica de PS-VS, denominado de Crawler. O equipamento é introduzido dentro da tubulação, por onde percorre toda sua extensão, parando nos pontos onde a radiografia será feita. O controle da movimentação do equipamento é feita pelo lado externo da tubulação,
  • 75. Radiografia de solda contendo porosidade e falta de fusão
  • 76. Aparência radiográfica de soldas contendo inclusões de escória