SlideShare uma empresa Scribd logo
Certificação OEKO-TEX®

                passaporte para os
                mercados internacionais
                                          Braz Costa
                                           Diretor Geral
                                           bz@citeve.pt

© CITEVE 2010
Centro
                Tecnológico das
                Indústrias Têxtil e
                do Vestuário
© CITEVE 2010
Missão



                 Apoio ao desenvolvimento das capacidades
                  técnicas e tecnológicas das indústrias têxtil e do
                  vestuário, através do fomento e da difusão da
                  inovação, da promoção da melhoria da qualidade e
                  do suporte instrumental à definição de políticas
                  industriais para o setor



© CITEVE 2010
Perfil




                 Privado

                 Maioria privada (empresas do setor têxtil e
                  vestuário)

                 Sem fins de lucro

                 Gestão do tipo empresarial



© CITEVE 2010
Evolução
                1934 1989                           1994         2000            2007              2013
                   IT
                                                                                        Ambition



                                                                      Consolidation
                    Instituto dos Texteis




                                                      Strengthening



                                            Implementation




© CITEVE 2011
Universo CITEVE




                                   Textile Technology




                B R A S I L   T U N I S I E   C H I L E    ARGENTINA




© CITEVE 2011
CITEVE Brasil




                 oeko-tex@br.citeve.com



© CITEVE 2011
Universo CITEVE

                              Centro de
                              Nanotecnologia e
                              Materiais
                              Funcionais e
                              Inteligentes




                Escola                       Centro de

                Tecnológica                  Tecnologia

                                             Agro-Alimentar



© CITEVE 2011
Recursos Humanos


                   Tecnologia Têxtil                 130



                Centro de Nanotecnologia             30



                   Escola Tecnológica                10



                   CITEVE Alimentar                  50



© CITEVE 2011
                                  www.citeve.com
Campus Tecnologia Têxtil




© CITEVE 2011
Campus Tecnologia Têxtil




                Labs       Engineering Nanotech
© CITEVE 2011
                Training   Fashion
Centro de Tecnologia Alimentar




© CITEVE 2010
Campus Tecnologia Alimentar




© CITEVE 2011
Global




© CITEVE 2011
Textile

                Technology

© CITEVE 2011
Principais Áreas
                de Actividade



© CITEVE 2011
Principais áreas de actividade


                 Testes Laboratoriais

                 Tecnologia e Engenharia

                 Inovação e Empreendedorismo

                 Formação e Coaching

                 Certificação de Produtos

                 Design & Intelligence de Moda

                 Intelligence Tecnológica
© CITEVE 2011
Principais mercados




© CITEVE 2011
                www.citeve.com
Números anuais


                • 180 000 ensaios em        • 160 000 horas
                  laboratório                 de Formação

                • 250+ diferentes normas,   • 1 800 clientes
                                              activos
                • 500 Certificações,
                                            • 620 empresas
                • 30+    Projectos I+D
                                              associadas
© CITEVE 2011
Laboratório
                Textil
                produtos
                confiáveis para
                parcerias de
                confiança

© CITEVE 2011
Serviços



                • Controlo de Qualidade

                • Certificação de
                  produtos

                • Identificação e análises
                  de defeitos

                • Metrologia

© CITEVE 2011
Laboratórios


                 Física e conforto

                 Química & ecologia humana

                 Microscopia electrónica

                 Metrologia

                 Microbiologia

                 Águas & águas residuais e lamas


© CITEVE 2011
Acreditações


                      ISO/IEC 17 025
                European Accreditation




© CITEVE 2011
Acreditações por empresas




© CITEVE 2011
© CITEVE 2011
Tecnologia &
                engenharia
                sparkling ideas,
                for new solutions,
                and efficiency

© CITEVE 2011
Serviços



                 engenharia de produto & de sistemas de
                  produção
                      • I+D+I

                      • Protótipos rápidos

                      • Consultoria

                      • Coaching



© CITEVE 2011
Serviços P&D+I




                •   produtos & materiais
                •   biotecnologia aplicada
                •   novos químicos
                •   novas funcionalidades
                •   novos conceitos




© CITEVE 2011
Eficiência de
                Processos
                sparkling ideas,
                for new solutions,
                and efficiency

© CITEVE 2011
Plantas piloto


                 Revestimento

                 Laminagem

                 Tinturaria & Acabados

                 Estamparia Digital

                 Malhas 3D e 2D

                 Confecção

                 Processos Nanotecnológicos (CeNTi)

© CITEVE 2011
© CITEVE 2011
Serviços



                 Gestão de processos & eficiência
                      • Ambiente

                      • Energia

                      • Saúde & Segurança

                      • Modelos Organizacionais
                         – ISO 9001, ISO 14000, ISO 17025, OHSAS 18000,
                           SA 8000,



© CITEVE 2011
Prioridades
                I+D
                sparkling ideas,
                for new solutions,
                and efficiency

© CITEVE 2011
Tipologias de contractos de I+D


                Projectos de I+D   • Varios clientes
                subvencionados     • Projectos en Consorcio
                 por programas     • Resultados Compartidos
                 portugueses e       objectivos de Médio / largo prazo,
                   europeus          Maior risco tecnológico




                Projectos de I+D   •   Cliente Exclusivo
                   contratados     •   Resultados Exclusivos
                directamente por   •   Objectivos de curto prazo
                    empresas       •   Menor risco


© CITEVE 2011
Gestão da
                inovação
                creating value
                upon knowledge


© CITEVE 2011
Serviços


                 Impulsar a capacidade inovadora das
                  empresas
                      • Sistemas de Gestão da Inovação

                      • Gestão de direitos de propriedade industrial

                      • Procura de partners e construção de projectos em
                        consorcio

                      • Gestão de projectos

                      • Benchmarking

© CITEVE 2011
Normalização




                 Organismo de normalização
                  • CEN / ISO

                  • CT4 (NP)




© CITEVE 2011
Formação e
                Qualificação

                believing in
                people


© CITEVE 2011
Serviços



                 Qualificação inicial

                 Formação / coaching

                 Formação de quadros directivos

                 Up-grade tecnológico e especialização

                 e-learning

                 Recursos em conhecimento


© CITEVE 2011
Acreditações




© CITEVE 2011
Design e moda

                transforming
                emotions into
                style

© CITEVE 2011
Serviços



                 Inteligência de moda

                 Serviços de tendências de moda

                 Desenvolvimento de conceitos e líneas de
                  produto

                 Análises de mercados

                 Labelling & Packaging


© CITEVE 2011
Empreendedorismo


                transforming
                ideas into
                business

© CITEVE 2011
Impulso ao Empreendedurismo

                        • Infra-estrutura de
                          Incubação para
                          Startups de alta
                          tecnologia com
                          elevado potencial de
                          crescimento (High-
                          Tech-High-Growth)
                        • Serviços de
                          Coaching
                        • Gestão de fundos de
                          Capital Risco para
                          «Prova de conceito»
                          e de Capital semente
© CITEVE 2011
Centro de Alto Rendimento em
                                         I+D




© CITEVE 2011
Inteligência
                Tecnológica

                transforming
                Information into
                Knowledge

© CITEVE 2011
Intelligence Tecnológica




                 Sistema de intelligence sobre tecnologias, actores,
                  mercados e oportunidades

                 Base da estratégia para el Cluster dos têxteis
                  técnicos de Portugal




© CITEVE 2011
Nanotecnologia


                Going deeper


© CITEVE 2011
Nanotecnology Markets


               • Automobile,
               • Aeronautics,
               • Energy (photovoltaic & sea waves),
               • Health, Wellbeing
               • Sport / leisure,
               • Individual protection
© CENTI 2011
                                             49
New Materials & Processes

       Plasma         Flame retardant
                                             Metals
                       Anti-bacterial
     CVD/PVD
                       Hidrophobic       Metallic oxides
Polymer Multi Layer
                        Hidrophilic      Nanostructured
Metal evaporation                       carbon materials
                       Oleophobic
      Hot-melt                          Ceramic materials
                          Anti-UV
 Dielectrophoretic
                         Adhesion
                                           Speciality
  Ink-jet printing     Self-cleaning       polymers
      Spraying           Antistatic       Hybrid materials

  Layer by Layer        Conductive        Composites

     UV curing         Drug release           ……..
                       Photovoltaic
  © CENTI 2011
Trends in New Materials &
                             Processes
                                                                              Material 1
                                                                              Material 2
                                                                              Material 3
                                                                              Material 4
                                                                              Material 5




At the particle level    At the fabric/foil/film level   At the fibre level

      © CENTI 2011
Sparkling
                                            Ideas for
                                            Growth




                Trabalho em rede



© CITEVE 2011
                                   www.citeve.com
Ao Nível Nacional

                Mobility Cluster
                Automobile – Rail - Aeronautics




                                                  Sea Cluster


© CITEVE 2011
Redes internacionais




© CITEVE 2010
Certificação de
                produtos
                recognising
                performance &
                value

© CITEVE 2010
Rótulos de certificação




© CITEVE 2010
Associação




        Oeko-Tex® Standard 100
O sistema Oeko-Tex®: Global. Consistente. Seguro.
Associação




                                                                                            Conteúdo

   Situação da indústria têxtil – o papel do Oeko-Tex® Standard 100

   Ecologia do têxtil

   Oeko-Tex® Standard 100 - factos e números

   Princípios e estatutos

   Critérios de teste

   Os procedimentos de ensaio / métodos de ensaio

   Classes de produtos no Oeko-Tex® Standard 100

   Certificação (princípios básicos, custo, procedimento, benefícios, o sistema modular)

   Certificado Oeko-Tex® Standard 100

   Medidas de garantia de qualidade

   OEKO-TEX ® em todo o mundo
Associação




                                                    Situação actual

 Consumidores querendo têxteis modernos, com cores sólidas,
  funcionalidades especiais , fácil tratamento (easy-care), resistência à
  deformação, etc., apenas possível de produzir com o uso de produtos
  químicos e de fibras sintéticas

 Diferentes requisitos legais sobre substâncias nocivas em produtos
  têxteis.

 Crescente demanda dos consumidores, sobretudo dos mercados mais
  exigentes, para tecidos que não sejam prejudiciais à saúde.

 Grande pulverização da produção mundial na indústria têxtil e do
  vestuário.
Associação



                                             A Solução:
                                Oeko-Tex® Standard 100


 Fornece um sistema de testes e certificação de produtos
  têxteis relativo a substâncias nocivas, globalmente
  consistente, independente e objectivo.

 Analisa sistematicamente produtos têxteis
 Avalia os potenciais riscos para a saúde de substâncias
  potencialmente presentes em tecidos usando:
Associação


                             O que significa Ecologia Têxtil?



1 Ecologia de produção               2 Ecologia humana
>> Oeko-Tex® Standard 1000         >> Oeko-Tex® Standard 100




4 Ecologia de eliminação       3 Ecologia de desempenho
Associação



                                           Fatos e números


 Organização mãe:
        – Associação Internacional para a Investigação e
          Ensaios no domínio da Ecologia Têxtil (Oeko-Tex®)
          sediada em Zurique.
   Fundada em 1992
 Institutos Membros:
        – 15 instituições independentes de testes e pesquisa
          na área têxtil, na Europa e Japão.
   Balcões:
        – mais de 40 escritórios nas principais regiões de
          produção têxtil no mundo.
Associação




                                          Fatos e Números



 Globalmente mais de 10 000 empresas participantes em 91
  países e de todos os estágios da produção têxtil.

 Mais de 100 000 certificados emitidos para artigos que
  foram testados, e milhões de produtos rotulados em todos
  os segmentos do comércio a retalho.
Associação



                                                    O mundo têxtil fala Oeko-Tex®

Agricultura
Indústria química                                         Reciclagem
                               Produção                   e Eliminação
                               das fibas




                    Produção                                             Limpeza
                      têxtil
                                           Lista de critérios
                                             para a norma
                                            Oeko-Tex® 100

                     Acabamento
                        têxtil                                           Uso




                                  Confecção
                                                       Distribuição


                                           Grossistas + Retalhistas
Associação


                                                                  Certificados emitidos INTERNACIONALMENTE
                                                                         desde o início da norma Oeko-Tex® 100

                            100000


                             90000
Total certificates issued




                             80000
                                                             New

                             70000
                                                             Extensions


                             60000


                             50000


                             40000


                             30000


                             20000


                             10000


                                 0
                                     92/93


                                             93/94


                                                     94/95


                                                              95/96


                                                                      96/97


                                                                              97/98


                                                                                      98/99


                                                                                              99/00


                                                                                                      00/01


                                                                                                              01/02


                                                                                                                      02/03


                                                                                                                              03/04


                                                                                                                                      04/05


                                                                                                                                              05/06


                                                                                                                                                      06/07


                                                                                                                                                              07/08


                                                                                                                                                                          08/09


                                                                                                                                                                                   09/10
Source: OEKO-TEX® Association, Zurich, 30 June 2010
Associação

                                                  Distribuição de certificados Oeko-Tex® em
                                                                               todo o mundo




                                                                             Ásia
                                                                            56.2%
                    Europa
                    40.5%


                                    Austrália                    África
                                      0.3%                       1.3%
                                                     Américas
                                                      1.6%



Fonte: Associação Oeko-Tex®, Zurique, Maio 2010
Associação




                                          Princípios e estatutos

 Critérios de testes globalmente consistentes e cientificamente
   fundamentados (exclusivamente relacionados com a ecologia têxtil e
   humana).

 Reavaliação anual e posterior actualização dos valores limites e
   critérios.

 Testes e certificação dos produtos têxteis são efectuados
   exclusivamente pelos institutos membros Oeko-Tex® que possuem
   conhecimentos relevantes.

 Testes em matérias primas, intermédias e produto final, em todos os
   estados de processamento (principio modular).
Associação




                                             Princípios e estatutos

 O uso de matérias primas certificadas Oeko-Tex® é explicitamente
   permitido

        – Para reduzir custos de testes;
        – Para responsabilizar sempre o produtor pela qualidade do produto.
 A conformidade dos produtos é garantida através de sistemas de gestão da
   qualidade nas empresas.

 Monitorização dos produtos + garantia da qualidade através de:
        – Inspecções regulares aleatórias no mercado;
        – Visitas às empresas por especialistas autorizados pela Associação
           Oeko-Tex®.
Associação




                                                                      Critérios de testes


     Substâncias legalmente banidas e controladas:

             –   Ex. corantes Azo, corantes cancerígenos, pentaclorofenol, formaldeído, ftalatos, PFOS,
                 metais pesados.
     Substâncias que podem ser nocivas para a saúde:

             –   Ex. corantes dispersos indutores de alergias, pesticidas, compostos organoestanhados,
                 hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAH’s).
     Parâmetros para manter uma boa saúde:

             –   Ex. valor de pH aceitável, boa solidez do tinto, baixa emissão de compostos voláteis.
     Substâncias biologicamente activas e retardantes de chama:

             –   Apenas são aceites após avaliação por um comité de especialistas independentes e
                 apenas são certificáveis sob a forma de produto pronto a usar.


www.oeko-tex.com/limitvalues
Associação



                                      Cumprimento com requisitos
                                                      existentes

 REACH (Europa):
        – A Associação Oeko-Tex® estudou cuidadosamente a lista candidata das
           SVHCs (substâncias de muito elevada preocupação) da ECHA;
        – Esta verifica a relevância para a cadeia têxtil se as SVHCs estão incluídas na
           lista candidata;
        – Se necessário, as SVHCs são incluídas na lista de critérios OEKO-TEX®.
 CPSIA (USA):
        – A Oeko-Tex® Standard 100 é reconhecida pela “Consumer Product Safety
           Commission” (CPSC) como prova do cumprimento com os valores limite do
           teor em Chumbo em produtos para criança;
Associação



                                             Procedimentos de testes /
                                                            métodos

 Os testes laboratoriais da Oeko-Tex® Standard 100 são baseados em métodos de
   testes reconhecidos internacionalmente.

 Se não existir um método de teste consistentemente normalizado, então são usados
   métodos de teste desenvolvidos pela própria Associação Oeko-Tex®, e estes muitas
   vezes servem como precursores de métodos normalizados.

 Todas as maneiras possíveis em que as substâncias nocivas podem ser absorvidos
   pelo organismo são tidos em conta, simulando as condições de utilização:

         – oralmente:        usando de solução artificial de saliva
         – através da pele: usando de solução artificial de suor
         – por inalação:     medindo o odor e as emissões.
Associação



                                                                             Classe de produtos
Oeko-Tex® testado a substâncias nocivas é sempre baseado no uso correcto dos artigos em
questão. São aplicados os seguintes princípios: quanto maior o contacto com a pele, e
quanto maior a sensibilidade da pele, mais rigorosas são as especificações subjacentes aos
testes laboratoriais.
  Produtos de Classe I        Produtos de Classe II        Produtos de Classe III       Produtos de Classe IV
 Artigos para bebé e         Todo o tipo de têxteis em     Todo o tipo de têxteis que
                                                                                        Tecidos para mobiliário e
 criança até aos 3 anos de   contacto directo com a        não estão em contacto
                                                                                        decoração
 idade.                      pele                          directo com a pele




 Vestuário, roupa de                                                                    Toalhas de mesa,
 dormir, roupa de cama ,     Roupa interior, T-shirts,                                  cortinas, estofos,
                                                           casacos, artigos de
 brinquedos têxteis,         camisas/blusas, roupa de                                   pavimentos têxteis para
                                                           exterior, etc.
 carrinhos de bebé,          cama, toalhas, calças, etc.                                chão, revestimentos de
 colchões, etc.                                                                         parede, etc.
Associação




                                                                            Certificação

   Requisitos

             –   Todos os componentes de um artigo têxtil, sem excepção, têm de cumprir as
                 especificações para mesma classe de produtos Oeko-Tex®.
             –   Uma declaração de conformidade (de acordo com ISO 17050-1) do requerente,
                 declarando que a qualidade dos itens da produção regular é a mesma que a das
                 amostras testadas.
             –   Evidências de um sistema de garantia de qualidade operacional adequado para a
                 manutenção dos critérios necessários da ecologia humana.
   Custos

             –   Dependem da extensão dos testes laboratoriais necessários para cada amostra em
                 particular
             –   Licença
             –   Custo da visita à empresa pelo Instituto nomeado
Associação



                                              O sistema modular da Oeko-Tex®


                       Linhas                Tecido
                         de
                       costura
                                                                         Forro




                                                                      Fechos
                 Etiquetas




Artigos confeccionados com componentes certificados Oeko-Tex®, normalmente só podem ser
aprovados/rotulados com o número do certificado sob o qual o produto final foi certificado pelo instituto
autorizado. Sob nenhuma circunstância pode, um ou mais dos números dos certificados dos os componentes
individuais, serem utilizados para rotular o produto final.
Associação




                                                                                  Auditorias

   Objectivos:

           –   Para dar suporte à garantia da qualidade
           –   Para optimizar a relação custo-benefício do processo de certificação
           –   Para garantir que o processo de certificação funciona sem problemas
   O que acontece:

           –   As auditorias geralmente são realizadas pelo Instituto certificador Oeko-Tex® ou por
               um Instituto nomeado pelo primeiro
           –   Ocorrem no momento da certificação (imediatamente antes ou até 6 meses após a
               emissão do certificado)
           –   Posteriormente, num ciclo de três anos
           –   O custo de €900 é cobrado aquando do pagamento do certificado
           –   Não são necessários para as empresas “Eco-friendly" que cumpram os requisitos da
               Oeko-Tex ® Standard 1000, pois estas já estão sujeitas a auditorias de conformidade
Associação




                                                              Auditorias

 Conteúdo:
       – Discussão e (se necessário) modificação das condições de
         certificação descritas no “Pedido de Certificação”
       – Verificação e , quando necessário, optimização do grupo de artigos
         que foram definidos (relação custo-benefício)
       – Ajuda/aconselhamento do uso correcto do rótulo Oeko-Tex® para
         rotular os produtos ou para fins publicitários
       – Ajuda/aconselhamento para a correcta divulgação da certificação
         Oeko-Tex® a fornecedores e clientes
       – Aconselhamento sobre outros aspectos da qualidade (requisitos
         legais, outras opções para a certificação, etc.)
Associação

                                              Processo de certificação
                                                (Primeira certificação)

 O tempo de certificação depende da
   existência ou não de testes a realizar e
   de   propriedades    particulares   dos
   artigos, mas normalmente, pelo menos
   3 semanas da data do pedido até à
   emissão do certificado.
Associação


                                                Processo de certificação
                                                           (Renovação)


 O tempo de certificação depende da
   existência ou não de testes a realizar
   e de propriedades particulares dos
   artigos.

 Os processos são normalmente mais
   rápidos      quando     a       composição
   (química) dos artigos não sofre
   alterações      desde       a     primeira
   certificação.
Associação


                                         Processo de certificação
                                         (Modificação/extensão)



 A alteração ao âmbito do certificado
   pode ser solicitada ao instituto em
   qualquer altura durante a validade
   do certificado.

 Não é necessário formulário próprio.
 A alteração ao âmbito do certificado
   tem um custo associado. Se forem
   necessários testes laboratoriais, o
   custo dependerá dos testes a
   realizar.
Associação




                                Segurança do
                                produto
                produtos que são optimizados para a ecologia humana
                ajudam a prevenir reclamações, sendo a certificação
                uma segurança na compra dos produtos na origem e
                uma linha de orientação na gestão da qualidade.


© CITEVE 2010
Associação




                            Independência

                os testes para a certificação
                Oeko-Tex® 100 são efectuados apenas
                por Institutos independentes autorizados.

© CITEVE 2010
Associação




                          Reconhecimento

                o elevado nível de reconhecimento
                do consumidor final confere ao
                rótulo o “carácter de marca”.
© CITEVE 2010
Associação




                            Internacional

                os critérios de certificação fornecem um
                perfil uniforme de requisitos das
                condições de compra e fornecimento das
                transacções internacionais
© CITEVE 2010
Associação




                                              Sistema
                                          generalizado
                existem já mais de mais de 9500 empresas a trabalhar
                com a Oeko-Tex® Standard 100, produzindo milhões de
                produtos certificados. Existe assim uma vasta gama de
                artigos certificados disponíveis em todos os grupos de
                produtos.

© CITEVE 2010
Associação




                                 Transparência

                Graças ao sistema modular, o número de testes a
                realizar, e por conseguinte, os custos de certificação,
                podem ser significativamente reduzidos através da
                aquisição de matérias primas previamente certificadas.


© CITEVE 2010
Associação




                                Argumento de
                                     vendas
                a certificação a abrigo da Oeko-Tex®
                Standard 100, e a segurança que esta
                representa, é para o consumidor um valor
                acrescentado
© CITEVE 2010
Associação




                              Sistema
                              actualizado
                a lista de critérios reflecte o
                “Estado da Arte” do conhecimento
                científico.
© CITEVE 2010
Associação

                                                                 Oeko-Tex® no mundo
                                                       EUROPA: Austria - Alemanha - Suiça- Italia -
                                                       França - Belgica - Espanha – Portugal – Grã-
                                                       Bretanha- Dinamarca - Suecia - Hungria - Grecia
                                                       - Polania – Republica Checa- Eslovaquia -
                                                       Bulgaria – Romenia - Russia - Bielorrussia-
                                                       Turquia




                              AFRICA: Marrocos -
                              Tunisia - Egipto –
                              Africa do Sul- Siria

AMERICAS: USA - Mexico -                                   ASIA: Japão - Paquistão - India –
Guatemala – Honduras –                                     Sri Lanka - Bangladesh -
Republica Dominicana- Peru -                               Indonesia - Malasia – Coreia do
Brasil - El Salvador – Colombia                            Sul- China - Taiwan - Thailand -
– Chile - Argentina                                        Cambodia - Vietname - Hong
                                                           Kong - Filipinas
                                                                                           AUSTRALIA

                                  Institutos

                                  Escritórios de Representação
Obrigado


                brasil@br.citeve.com
                                         Braz Costa
                                       Diretor Geral
                                       bz@citeve.pt
© CITEVE 2011

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Ambiental - CITEVE - Portugal

Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
senaimais
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Confap
 
Apresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
Apresentação Acelera Cimatec_Startup BrasilApresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
Apresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
Empreendedorismo Senai
 
ITW Polymers
ITW Polymers ITW Polymers
ITW Polymers
Mauro Takao Oomura
 
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De ContinuidadeVivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
Juliana Maria Lopes
 
Mtp corporativa
Mtp corporativaMtp corporativa
Mtp corporativa
MTP_Brasil
 
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera CimatecApresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
Flavio Marinho
 
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e ComunicaçãoFortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
Samuel Moraes
 
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Ronald Martin Dauscha
 
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio LeandroRio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
Rio Info
 
Revista Fornecedores Hospitalar
Revista Fornecedores HospitalarRevista Fornecedores Hospitalar
Revista Fornecedores Hospitalar
HospitaL Erasto Gaertner
 
Revista Fornecedores Hospitalares
Revista Fornecedores HospitalaresRevista Fornecedores Hospitalares
Revista Fornecedores Hospitalares
HospitaL Erasto Gaertner
 
Autodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
Autodesk 2012 Anita Dedding - IpdmaqAutodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
Autodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
Ipdmaq Abimaq
 
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
Fernando Botafogo
 
Empresa Certificada CMMI - Vantagens
Empresa Certificada CMMI - VantagensEmpresa Certificada CMMI - Vantagens
Empresa Certificada CMMI - Vantagens
Strongstep - Innovation in software quality
 
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarialAE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
Fernando Botafogo
 
Inst Orion 2010 Lalau
Inst Orion 2010 LalauInst Orion 2010 Lalau
Inst Orion 2010 Lalau
Laudinei Costa
 
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MGPalestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
Welington Monteiro
 
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case StudyImplementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
Strongstep - Innovation in software quality
 
Apresentação ctcp
Apresentação ctcpApresentação ctcp
Apresentação ctcp
ctcportugal
 

Semelhante a Ambiental - CITEVE - Portugal (20)

Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
Inovação no SENAIsc em Jaraguá do Sul: produtos e serviços para aumentar a co...
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
 
Apresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
Apresentação Acelera Cimatec_Startup BrasilApresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
Apresentação Acelera Cimatec_Startup Brasil
 
ITW Polymers
ITW Polymers ITW Polymers
ITW Polymers
 
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De ContinuidadeVivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
Vivo - Estudo De Caso - Gerência De Continuidade
 
Mtp corporativa
Mtp corporativaMtp corporativa
Mtp corporativa
 
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera CimatecApresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
Apresentação sobre o Start-up Brasil e Acelera Cimatec
 
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e ComunicaçãoFortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
Fortalecimento do Pólo de Tecnologia da Informação e Comunicação
 
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USPApresentação C2i Observatório Inovação USP
Apresentação C2i Observatório Inovação USP
 
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio LeandroRio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
Rio Info 2010 - Encontro PSVs IT - Antonio Leandro
 
Revista Fornecedores Hospitalar
Revista Fornecedores HospitalarRevista Fornecedores Hospitalar
Revista Fornecedores Hospitalar
 
Revista Fornecedores Hospitalares
Revista Fornecedores HospitalaresRevista Fornecedores Hospitalares
Revista Fornecedores Hospitalares
 
Autodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
Autodesk 2012 Anita Dedding - IpdmaqAutodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
Autodesk 2012 Anita Dedding - Ipdmaq
 
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
AE Rio 2011 - Arquitetura empresarial como instrumento pragmatico para a estr...
 
Empresa Certificada CMMI - Vantagens
Empresa Certificada CMMI - VantagensEmpresa Certificada CMMI - Vantagens
Empresa Certificada CMMI - Vantagens
 
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarialAE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
AE Rio 2011 - Uma década de ensinamentos de arquitetura empresarial
 
Inst Orion 2010 Lalau
Inst Orion 2010 LalauInst Orion 2010 Lalau
Inst Orion 2010 Lalau
 
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MGPalestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
Palestra sobre DevOps na ASSESPRO-MG
 
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case StudyImplementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
Implementação da ISO/IEC 20000-1 Gestão de Serviços - Case Study
 
Apresentação ctcp
Apresentação ctcpApresentação ctcp
Apresentação ctcp
 

Mais de senaimais

Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
senaimais
 
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e ProdutosPlanilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
senaimais
 
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNESUSANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
senaimais
 
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidadesTecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
senaimais
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
senaimais
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
senaimais
 
Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012
senaimais
 
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
senaimais
 
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentosGestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
senaimais
 
Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne
senaimais
 
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
senaimais
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
senaimais
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
senaimais
 
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
senaimais
 
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
senaimais
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
senaimais
 
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústriasA Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
senaimais
 
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
senaimais
 
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
senaimais
 
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentávelDesenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
senaimais
 

Mais de senaimais (20)

Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
 
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e ProdutosPlanilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
 
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNESUSANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
 
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidadesTecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
 
Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012
 
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
 
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentosGestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
 
Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne
 
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
 
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
 
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
 
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústriasA Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
 
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
 
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
 
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentávelDesenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
Desenvolvimentos recentes para uma produção sustentável
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Ambiental - CITEVE - Portugal

  • 1. Certificação OEKO-TEX® passaporte para os mercados internacionais Braz Costa Diretor Geral bz@citeve.pt © CITEVE 2010
  • 2. Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário © CITEVE 2010
  • 3. Missão  Apoio ao desenvolvimento das capacidades técnicas e tecnológicas das indústrias têxtil e do vestuário, através do fomento e da difusão da inovação, da promoção da melhoria da qualidade e do suporte instrumental à definição de políticas industriais para o setor © CITEVE 2010
  • 4. Perfil  Privado  Maioria privada (empresas do setor têxtil e vestuário)  Sem fins de lucro  Gestão do tipo empresarial © CITEVE 2010
  • 5. Evolução 1934 1989 1994 2000 2007 2013 IT Ambition Consolidation Instituto dos Texteis Strengthening Implementation © CITEVE 2011
  • 6. Universo CITEVE Textile Technology B R A S I L T U N I S I E C H I L E ARGENTINA © CITEVE 2011
  • 7. CITEVE Brasil  oeko-tex@br.citeve.com © CITEVE 2011
  • 8. Universo CITEVE Centro de Nanotecnologia e Materiais Funcionais e Inteligentes Escola Centro de Tecnológica Tecnologia Agro-Alimentar © CITEVE 2011
  • 9. Recursos Humanos Tecnologia Têxtil 130 Centro de Nanotecnologia 30 Escola Tecnológica 10 CITEVE Alimentar 50 © CITEVE 2011 www.citeve.com
  • 11. Campus Tecnologia Têxtil Labs Engineering Nanotech © CITEVE 2011 Training Fashion
  • 12. Centro de Tecnologia Alimentar © CITEVE 2010
  • 15. Textile Technology © CITEVE 2011
  • 16. Principais Áreas de Actividade © CITEVE 2011
  • 17. Principais áreas de actividade  Testes Laboratoriais  Tecnologia e Engenharia  Inovação e Empreendedorismo  Formação e Coaching  Certificação de Produtos  Design & Intelligence de Moda  Intelligence Tecnológica © CITEVE 2011
  • 18. Principais mercados © CITEVE 2011 www.citeve.com
  • 19. Números anuais • 180 000 ensaios em • 160 000 horas laboratório de Formação • 250+ diferentes normas, • 1 800 clientes activos • 500 Certificações, • 620 empresas • 30+ Projectos I+D associadas © CITEVE 2011
  • 20. Laboratório Textil produtos confiáveis para parcerias de confiança © CITEVE 2011
  • 21. Serviços • Controlo de Qualidade • Certificação de produtos • Identificação e análises de defeitos • Metrologia © CITEVE 2011
  • 22. Laboratórios  Física e conforto  Química & ecologia humana  Microscopia electrónica  Metrologia  Microbiologia  Águas & águas residuais e lamas © CITEVE 2011
  • 23. Acreditações ISO/IEC 17 025 European Accreditation © CITEVE 2011
  • 26. Tecnologia & engenharia sparkling ideas, for new solutions, and efficiency © CITEVE 2011
  • 27. Serviços  engenharia de produto & de sistemas de produção • I+D+I • Protótipos rápidos • Consultoria • Coaching © CITEVE 2011
  • 28. Serviços P&D+I • produtos & materiais • biotecnologia aplicada • novos químicos • novas funcionalidades • novos conceitos © CITEVE 2011
  • 29. Eficiência de Processos sparkling ideas, for new solutions, and efficiency © CITEVE 2011
  • 30. Plantas piloto  Revestimento  Laminagem  Tinturaria & Acabados  Estamparia Digital  Malhas 3D e 2D  Confecção  Processos Nanotecnológicos (CeNTi) © CITEVE 2011
  • 32. Serviços  Gestão de processos & eficiência • Ambiente • Energia • Saúde & Segurança • Modelos Organizacionais – ISO 9001, ISO 14000, ISO 17025, OHSAS 18000, SA 8000, © CITEVE 2011
  • 33. Prioridades I+D sparkling ideas, for new solutions, and efficiency © CITEVE 2011
  • 34. Tipologias de contractos de I+D Projectos de I+D • Varios clientes subvencionados • Projectos en Consorcio por programas • Resultados Compartidos portugueses e objectivos de Médio / largo prazo, europeus Maior risco tecnológico Projectos de I+D • Cliente Exclusivo contratados • Resultados Exclusivos directamente por • Objectivos de curto prazo empresas • Menor risco © CITEVE 2011
  • 35. Gestão da inovação creating value upon knowledge © CITEVE 2011
  • 36. Serviços  Impulsar a capacidade inovadora das empresas • Sistemas de Gestão da Inovação • Gestão de direitos de propriedade industrial • Procura de partners e construção de projectos em consorcio • Gestão de projectos • Benchmarking © CITEVE 2011
  • 37. Normalização  Organismo de normalização • CEN / ISO • CT4 (NP) © CITEVE 2011
  • 38. Formação e Qualificação believing in people © CITEVE 2011
  • 39. Serviços  Qualificação inicial  Formação / coaching  Formação de quadros directivos  Up-grade tecnológico e especialização  e-learning  Recursos em conhecimento © CITEVE 2011
  • 41. Design e moda transforming emotions into style © CITEVE 2011
  • 42. Serviços  Inteligência de moda  Serviços de tendências de moda  Desenvolvimento de conceitos e líneas de produto  Análises de mercados  Labelling & Packaging © CITEVE 2011
  • 43. Empreendedorismo transforming ideas into business © CITEVE 2011
  • 44. Impulso ao Empreendedurismo • Infra-estrutura de Incubação para Startups de alta tecnologia com elevado potencial de crescimento (High- Tech-High-Growth) • Serviços de Coaching • Gestão de fundos de Capital Risco para «Prova de conceito» e de Capital semente © CITEVE 2011
  • 45. Centro de Alto Rendimento em I+D © CITEVE 2011
  • 46. Inteligência Tecnológica transforming Information into Knowledge © CITEVE 2011
  • 47. Intelligence Tecnológica  Sistema de intelligence sobre tecnologias, actores, mercados e oportunidades  Base da estratégia para el Cluster dos têxteis técnicos de Portugal © CITEVE 2011
  • 48. Nanotecnologia Going deeper © CITEVE 2011
  • 49. Nanotecnology Markets • Automobile, • Aeronautics, • Energy (photovoltaic & sea waves), • Health, Wellbeing • Sport / leisure, • Individual protection © CENTI 2011 49
  • 50. New Materials & Processes Plasma Flame retardant Metals Anti-bacterial CVD/PVD Hidrophobic Metallic oxides Polymer Multi Layer Hidrophilic Nanostructured Metal evaporation carbon materials Oleophobic Hot-melt Ceramic materials Anti-UV Dielectrophoretic Adhesion Speciality Ink-jet printing Self-cleaning polymers Spraying Antistatic Hybrid materials Layer by Layer Conductive Composites UV curing Drug release …….. Photovoltaic © CENTI 2011
  • 51. Trends in New Materials & Processes Material 1 Material 2 Material 3 Material 4 Material 5 At the particle level At the fabric/foil/film level At the fibre level © CENTI 2011
  • 52. Sparkling Ideas for Growth Trabalho em rede © CITEVE 2011 www.citeve.com
  • 53. Ao Nível Nacional Mobility Cluster Automobile – Rail - Aeronautics Sea Cluster © CITEVE 2011
  • 55. Certificação de produtos recognising performance & value © CITEVE 2010
  • 57. Associação Oeko-Tex® Standard 100 O sistema Oeko-Tex®: Global. Consistente. Seguro.
  • 58. Associação Conteúdo  Situação da indústria têxtil – o papel do Oeko-Tex® Standard 100  Ecologia do têxtil  Oeko-Tex® Standard 100 - factos e números  Princípios e estatutos  Critérios de teste  Os procedimentos de ensaio / métodos de ensaio  Classes de produtos no Oeko-Tex® Standard 100  Certificação (princípios básicos, custo, procedimento, benefícios, o sistema modular)  Certificado Oeko-Tex® Standard 100  Medidas de garantia de qualidade  OEKO-TEX ® em todo o mundo
  • 59. Associação Situação actual  Consumidores querendo têxteis modernos, com cores sólidas, funcionalidades especiais , fácil tratamento (easy-care), resistência à deformação, etc., apenas possível de produzir com o uso de produtos químicos e de fibras sintéticas  Diferentes requisitos legais sobre substâncias nocivas em produtos têxteis.  Crescente demanda dos consumidores, sobretudo dos mercados mais exigentes, para tecidos que não sejam prejudiciais à saúde.  Grande pulverização da produção mundial na indústria têxtil e do vestuário.
  • 60. Associação A Solução: Oeko-Tex® Standard 100  Fornece um sistema de testes e certificação de produtos têxteis relativo a substâncias nocivas, globalmente consistente, independente e objectivo.  Analisa sistematicamente produtos têxteis  Avalia os potenciais riscos para a saúde de substâncias potencialmente presentes em tecidos usando:
  • 61. Associação O que significa Ecologia Têxtil? 1 Ecologia de produção 2 Ecologia humana >> Oeko-Tex® Standard 1000 >> Oeko-Tex® Standard 100 4 Ecologia de eliminação 3 Ecologia de desempenho
  • 62. Associação Fatos e números  Organização mãe: – Associação Internacional para a Investigação e Ensaios no domínio da Ecologia Têxtil (Oeko-Tex®) sediada em Zurique.  Fundada em 1992  Institutos Membros: – 15 instituições independentes de testes e pesquisa na área têxtil, na Europa e Japão.  Balcões: – mais de 40 escritórios nas principais regiões de produção têxtil no mundo.
  • 63. Associação Fatos e Números  Globalmente mais de 10 000 empresas participantes em 91 países e de todos os estágios da produção têxtil.  Mais de 100 000 certificados emitidos para artigos que foram testados, e milhões de produtos rotulados em todos os segmentos do comércio a retalho.
  • 64. Associação O mundo têxtil fala Oeko-Tex® Agricultura Indústria química Reciclagem Produção e Eliminação das fibas Produção Limpeza têxtil Lista de critérios para a norma Oeko-Tex® 100 Acabamento têxtil Uso Confecção Distribuição Grossistas + Retalhistas
  • 65. Associação Certificados emitidos INTERNACIONALMENTE desde o início da norma Oeko-Tex® 100 100000 90000 Total certificates issued 80000 New 70000 Extensions 60000 50000 40000 30000 20000 10000 0 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 Source: OEKO-TEX® Association, Zurich, 30 June 2010
  • 66. Associação Distribuição de certificados Oeko-Tex® em todo o mundo Ásia 56.2% Europa 40.5% Austrália África 0.3% 1.3% Américas 1.6% Fonte: Associação Oeko-Tex®, Zurique, Maio 2010
  • 67. Associação Princípios e estatutos  Critérios de testes globalmente consistentes e cientificamente fundamentados (exclusivamente relacionados com a ecologia têxtil e humana).  Reavaliação anual e posterior actualização dos valores limites e critérios.  Testes e certificação dos produtos têxteis são efectuados exclusivamente pelos institutos membros Oeko-Tex® que possuem conhecimentos relevantes.  Testes em matérias primas, intermédias e produto final, em todos os estados de processamento (principio modular).
  • 68. Associação Princípios e estatutos  O uso de matérias primas certificadas Oeko-Tex® é explicitamente permitido – Para reduzir custos de testes; – Para responsabilizar sempre o produtor pela qualidade do produto.  A conformidade dos produtos é garantida através de sistemas de gestão da qualidade nas empresas.  Monitorização dos produtos + garantia da qualidade através de: – Inspecções regulares aleatórias no mercado; – Visitas às empresas por especialistas autorizados pela Associação Oeko-Tex®.
  • 69. Associação Critérios de testes  Substâncias legalmente banidas e controladas: – Ex. corantes Azo, corantes cancerígenos, pentaclorofenol, formaldeído, ftalatos, PFOS, metais pesados.  Substâncias que podem ser nocivas para a saúde: – Ex. corantes dispersos indutores de alergias, pesticidas, compostos organoestanhados, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAH’s).  Parâmetros para manter uma boa saúde: – Ex. valor de pH aceitável, boa solidez do tinto, baixa emissão de compostos voláteis.  Substâncias biologicamente activas e retardantes de chama: – Apenas são aceites após avaliação por um comité de especialistas independentes e apenas são certificáveis sob a forma de produto pronto a usar. www.oeko-tex.com/limitvalues
  • 70. Associação Cumprimento com requisitos existentes  REACH (Europa): – A Associação Oeko-Tex® estudou cuidadosamente a lista candidata das SVHCs (substâncias de muito elevada preocupação) da ECHA; – Esta verifica a relevância para a cadeia têxtil se as SVHCs estão incluídas na lista candidata; – Se necessário, as SVHCs são incluídas na lista de critérios OEKO-TEX®.  CPSIA (USA): – A Oeko-Tex® Standard 100 é reconhecida pela “Consumer Product Safety Commission” (CPSC) como prova do cumprimento com os valores limite do teor em Chumbo em produtos para criança;
  • 71. Associação Procedimentos de testes / métodos  Os testes laboratoriais da Oeko-Tex® Standard 100 são baseados em métodos de testes reconhecidos internacionalmente.  Se não existir um método de teste consistentemente normalizado, então são usados métodos de teste desenvolvidos pela própria Associação Oeko-Tex®, e estes muitas vezes servem como precursores de métodos normalizados.  Todas as maneiras possíveis em que as substâncias nocivas podem ser absorvidos pelo organismo são tidos em conta, simulando as condições de utilização: – oralmente: usando de solução artificial de saliva – através da pele: usando de solução artificial de suor – por inalação: medindo o odor e as emissões.
  • 72. Associação Classe de produtos Oeko-Tex® testado a substâncias nocivas é sempre baseado no uso correcto dos artigos em questão. São aplicados os seguintes princípios: quanto maior o contacto com a pele, e quanto maior a sensibilidade da pele, mais rigorosas são as especificações subjacentes aos testes laboratoriais. Produtos de Classe I Produtos de Classe II Produtos de Classe III Produtos de Classe IV Artigos para bebé e Todo o tipo de têxteis em Todo o tipo de têxteis que Tecidos para mobiliário e criança até aos 3 anos de contacto directo com a não estão em contacto decoração idade. pele directo com a pele Vestuário, roupa de Toalhas de mesa, dormir, roupa de cama , Roupa interior, T-shirts, cortinas, estofos, casacos, artigos de brinquedos têxteis, camisas/blusas, roupa de pavimentos têxteis para exterior, etc. carrinhos de bebé, cama, toalhas, calças, etc. chão, revestimentos de colchões, etc. parede, etc.
  • 73. Associação Certificação  Requisitos – Todos os componentes de um artigo têxtil, sem excepção, têm de cumprir as especificações para mesma classe de produtos Oeko-Tex®. – Uma declaração de conformidade (de acordo com ISO 17050-1) do requerente, declarando que a qualidade dos itens da produção regular é a mesma que a das amostras testadas. – Evidências de um sistema de garantia de qualidade operacional adequado para a manutenção dos critérios necessários da ecologia humana.  Custos – Dependem da extensão dos testes laboratoriais necessários para cada amostra em particular – Licença – Custo da visita à empresa pelo Instituto nomeado
  • 74. Associação O sistema modular da Oeko-Tex® Linhas Tecido de costura Forro Fechos Etiquetas Artigos confeccionados com componentes certificados Oeko-Tex®, normalmente só podem ser aprovados/rotulados com o número do certificado sob o qual o produto final foi certificado pelo instituto autorizado. Sob nenhuma circunstância pode, um ou mais dos números dos certificados dos os componentes individuais, serem utilizados para rotular o produto final.
  • 75. Associação Auditorias  Objectivos: – Para dar suporte à garantia da qualidade – Para optimizar a relação custo-benefício do processo de certificação – Para garantir que o processo de certificação funciona sem problemas  O que acontece: – As auditorias geralmente são realizadas pelo Instituto certificador Oeko-Tex® ou por um Instituto nomeado pelo primeiro – Ocorrem no momento da certificação (imediatamente antes ou até 6 meses após a emissão do certificado) – Posteriormente, num ciclo de três anos – O custo de €900 é cobrado aquando do pagamento do certificado – Não são necessários para as empresas “Eco-friendly" que cumpram os requisitos da Oeko-Tex ® Standard 1000, pois estas já estão sujeitas a auditorias de conformidade
  • 76. Associação Auditorias  Conteúdo: – Discussão e (se necessário) modificação das condições de certificação descritas no “Pedido de Certificação” – Verificação e , quando necessário, optimização do grupo de artigos que foram definidos (relação custo-benefício) – Ajuda/aconselhamento do uso correcto do rótulo Oeko-Tex® para rotular os produtos ou para fins publicitários – Ajuda/aconselhamento para a correcta divulgação da certificação Oeko-Tex® a fornecedores e clientes – Aconselhamento sobre outros aspectos da qualidade (requisitos legais, outras opções para a certificação, etc.)
  • 77. Associação Processo de certificação (Primeira certificação)  O tempo de certificação depende da existência ou não de testes a realizar e de propriedades particulares dos artigos, mas normalmente, pelo menos 3 semanas da data do pedido até à emissão do certificado.
  • 78. Associação Processo de certificação (Renovação)  O tempo de certificação depende da existência ou não de testes a realizar e de propriedades particulares dos artigos.  Os processos são normalmente mais rápidos quando a composição (química) dos artigos não sofre alterações desde a primeira certificação.
  • 79. Associação Processo de certificação (Modificação/extensão)  A alteração ao âmbito do certificado pode ser solicitada ao instituto em qualquer altura durante a validade do certificado.  Não é necessário formulário próprio.  A alteração ao âmbito do certificado tem um custo associado. Se forem necessários testes laboratoriais, o custo dependerá dos testes a realizar.
  • 80. Associação Segurança do produto produtos que são optimizados para a ecologia humana ajudam a prevenir reclamações, sendo a certificação uma segurança na compra dos produtos na origem e uma linha de orientação na gestão da qualidade. © CITEVE 2010
  • 81. Associação Independência os testes para a certificação Oeko-Tex® 100 são efectuados apenas por Institutos independentes autorizados. © CITEVE 2010
  • 82. Associação Reconhecimento o elevado nível de reconhecimento do consumidor final confere ao rótulo o “carácter de marca”. © CITEVE 2010
  • 83. Associação Internacional os critérios de certificação fornecem um perfil uniforme de requisitos das condições de compra e fornecimento das transacções internacionais © CITEVE 2010
  • 84. Associação Sistema generalizado existem já mais de mais de 9500 empresas a trabalhar com a Oeko-Tex® Standard 100, produzindo milhões de produtos certificados. Existe assim uma vasta gama de artigos certificados disponíveis em todos os grupos de produtos. © CITEVE 2010
  • 85. Associação Transparência Graças ao sistema modular, o número de testes a realizar, e por conseguinte, os custos de certificação, podem ser significativamente reduzidos através da aquisição de matérias primas previamente certificadas. © CITEVE 2010
  • 86. Associação Argumento de vendas a certificação a abrigo da Oeko-Tex® Standard 100, e a segurança que esta representa, é para o consumidor um valor acrescentado © CITEVE 2010
  • 87. Associação Sistema actualizado a lista de critérios reflecte o “Estado da Arte” do conhecimento científico. © CITEVE 2010
  • 88. Associação Oeko-Tex® no mundo EUROPA: Austria - Alemanha - Suiça- Italia - França - Belgica - Espanha – Portugal – Grã- Bretanha- Dinamarca - Suecia - Hungria - Grecia - Polania – Republica Checa- Eslovaquia - Bulgaria – Romenia - Russia - Bielorrussia- Turquia AFRICA: Marrocos - Tunisia - Egipto – Africa do Sul- Siria AMERICAS: USA - Mexico - ASIA: Japão - Paquistão - India – Guatemala – Honduras – Sri Lanka - Bangladesh - Republica Dominicana- Peru - Indonesia - Malasia – Coreia do Brasil - El Salvador – Colombia Sul- China - Taiwan - Thailand - – Chile - Argentina Cambodia - Vietname - Hong Kong - Filipinas AUSTRALIA Institutos Escritórios de Representação
  • 89. Obrigado brasil@br.citeve.com Braz Costa Diretor Geral bz@citeve.pt © CITEVE 2011