SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola E. B. 2/3 de Montelongo
Disciplina: Área de Projecto
Professora: Carla Soares
Ano lectivo de 2008/2009
Trabalho elaborado por:
Joana Silva Nº9
Leandro Fernandes Nº10
Liliana Fonseca Nº11
Pedro Nogueira Nº15
Sílvia Ribeiro Nº 17
Turma: A do 9ºano
1
 Capítulo   Educação e poluição ambiental
Tema : O que é o Ambiente?
Tema : Poluição ambiental;
Impacte ambiental;
Política dos 5R’s;
Conselhos ecológicos.
 Capítulo   Recursos hídricos
Tema : Água: um recurso frágil mas vital;
O ciclo da água;
Importância da água;
Que água temos no nosso planeta?;
O que fazemos com a nossa água?;
Gestão sustentável da água: a revolução azul;
Como gerimos a nossa água?;
De onde vem e para onde vai a água que utilizamos em nossas
casas?;
Tema : Poluição dos recursos hídricos;
Tratamento de águas residuais;
ETAR’s
2
O trabalho a seguir apresentado vai ter como tema principal a «Educação
Ambiental», que será abordada no capítulo . Como subtema escolhemos, em igual
conformidade, «a água», desenvolvido no capítulo , porque há muito para dizer sobre
este bem que nos faz tanta falta, como o ar que respiramos.
No subtema escolhido vamos focar a importância, a quantidade e a origem da água
e a poluição da mesma e o impacte que esta causa em todo o mundo vegetal e animal.
Paralelamente a este trabalho iremos realizar algumas curtas-metragens alusivas à
poluição da água e o drama dos seres vivos nos ecossistemas, uma maquete alusiva ao
tema e uma amostra de alguns diapositivos com informações, curiosidades e conselhos
úteis para a preservação e sustentabilidade dos recursos hídricos.
O nosso lema é «Preservar para Viver».
3
Capítulo   Educação e poluição ambiental
Tema   O que é o ambiente?
Em geral, o ambiente consiste no conjunto das substâncias, circunstâncias ou
condições em que existe determinado objecto ou em que ocorre determinada acção.
Ultimamente a questão ambiental tem sido muito falado por causa dos sucessivos
atentados ao Meio-Ambiente por parte do Homem. O aumento do
efeito de estufa, o aquecimento global, o aumento do buraco do
ozono, o desperdício e poluição da água doce, os animais em vias
de extinção, a desflorestação, as chuvas ácidas são alguns dos
problemas ambientais mais falados e discutidos a nível nacional e
internacional, porque com todos estes problemas ambientais vai
afectar toda a humanidade e todos os ecossistemas. É urgente chegar a informação, do
que se passa com o ambiente, às pessoas, é necessário haver uma educação para
vivermos num mundo onde tudo esteja em equilíbrio natural, para que possamos viver
«livres», num mundo limpo sem fontes de poluição.
Tema   Poluição Ambiental
Associa-se o termo poluição à introdução, directa ou indirecta, por acção humana,
de substâncias, vibrações, calor ou ruído no ar, na água ou no solo susceptíveis de
prejudicar a saúde humana ou a qualidade do Ambiente.
As substâncias produzidas pelas actividades humanas e
com consequências nocivas para o ambiente chamam-se
poluentes. Da sua acção resulta a poluição do ar, das
águas e do solo, o que vai afectar a vida dos
ecossistemas e, naturalmente, a própria vida humana.
As relações entre o solo, a água e a atmosfera são tão
estreitas que a poluição de qualquer destes subsistemas
afecta também os outros.
Fig. 1 – Sistemas naturais afectados pela poluição.
 O Impacte Ambiental
As crescentes possibilidades tecnológicas conduziram a uma sobreexploração dos
recursos da Natureza e à sua transformação. As múltiplas actividades humanas levaram
igualmente à proliferação de riscos ecológicos por todo o planeta, pondo em causa a
sobrevivência de muitos ecossistemas e também a sobrevivência da própria espécie
humana. As alterações ocasionadas pelas acções humanas no Ambiente são designadas
genericamente por impacte ambiental. As sociedades modernas têm convertido
ecossistemas naturais, como florestas, pradarias, pântanos, rios e mares, em zonas de
exploração intensiva.
4
Fig. 2 – Exemplos da intervenção humana nos ecossistemas
(Urbanização i Indústrias).
5
Fig. 3 – Exemplos da intervenção humana nos ecossistemas
(Redes rodoviárias com tráfego intenso e agricultura intensiva).
Nas últimas décadas começou a tomar-se consciência dos graves riscos
desencadeados pela intervenção humana nos ecossistemas devido à ocorrência de
grandes problemas ambientais.
6
 Política dos 5R’s
Repensar – O primeiro R da política está dentro da sua mente e envolve um
consumo consciente. Consiste em usar o seu grande poder de decisão e escolha.
Reduzir – Comprar embalagens familiares, de recarga e com doseador; usar
guardanapos de pano, filtro de papel em nylon ou flanela, pilhas recarregáveis e
lâmpadas economizadoras podem ajudar a reduzir a quantidade de lixo e o desperdício
de matérias.
Reutilizar – Os jornais ou revistas podem servir para forrar latas para colocar os
lápis ou canetas, também o verso de uma folha não utilizado pode servir para um
rascunho.
Reciclar – A reciclagem serve para os materiais que podem voltar ao estado
original, ser transformado novamente num produto igual em todas as suas características.
Recuperar – Dar uma nova vida às coisas velhas e usadas para novas funções,
diminuindo, deste modo, o desperdício de materiais e acumulação de lixo não
biodegradável nas lixeiras contribuindo assim, a redução da poluição ambiental.
Conselhos Ecológicos
7
Capítulo  A ÁGUA
Tema  Água: recurso frágil mas vital
Se um habitante de outra galáxia se aproximasse de Terra e observasse o
deslumbrante tom azul que se relaciona com a “ película” de água que cobre três
quartos da sua superfície, provavelmente ter-lhe-ia chamando “Água” e não Terra.
Vivemos “de facto” na planta da água e sem ela a vida não seria possível.
Importância da água
A água foi, desde sempre, um factor determinante num estabelecimento da vida
em geral e das populações humanas em particular. Para gerir, de uma forma
sustentável, a água doce de que dispomos precisamos de conhecer melhor alguns
aspectos fundamentais acerca deste precioso recurso.
A água tem um inegável valor ecológico e é um factor determinante na
produção agrícola e industrial.
Os 25% da superfície terrestre que não estão cobertos de água possui
uma diversidade dos habitats que, embora sendo terrestres, apresentam uma
distribuição e densidade de organismos que dependem da água disponível.
As plantas não sobrevivem sem água e sem elas os ecossistemas entram
em colapso. A água é o meio onde todos os processos vitais ocorrem, dissolve e
distribui os nutrientes pelas células.
O que fazemos com a água?
Actividade Gasto médio Uso com bom senso Economia
Escovar
os dentes
12 Litros em 5
minutos
Fechar a torneira enquanto escova os
dentes e usar a água de um copo de 350
ml para enxaguá-los
11,65 Litros
Tomar banho
em chuveiro
45 Litros em 15
minutos
Fechar o chuveiro enquanto se ensaboa
e/ou diminuir o tempo de banho o
máximo que conseguir (o aconselhável é
cinco minutos)
30 Litros
Molhar jardins
e plantas
186 Litros em 10
minutos
Usar esguicho tipo “revólver” e regar só o
necessário, de preferência pela manhã ou
à noite
96 Litros
Lavar o carro
com mangueira
560 Litros em 30
minutos
Trocar a mangueira por balde e lavar só
quando necessário
520 Litros
8
Lavar calçadas
com mangueira
279 Litros em 15
minutos
Limpar com vassoura
(o resultado é o mesmo)
279 Litros
O que fazemos com a nossa água?
Gestão sustentável da água: a revolução azul.
O principal objectivo do uso sustentável da água é utilizar a água doce sem afectar o
ciclo hidrológico e os ecossistemas dos quais dependemos, de modo a garantir a água
suficiente para as gerações futuras.
Um dos aspectos fundamentais consiste em reduzir o desperdício.
A água não conhece fronteiras. Em Portugal cerca de 50% das águas disponíveis vêm de
Espanha. Em certas regiões do território continental as disponibilidades de águas actuais
já são inferiores as necessidades. Nem toda a água de que dispomos é bem aproveitada,
havendo uma parcela significativa que se perde. Esta parcela resulta da diferença entre o
volume de água que é captado e o volume de água que é efectivamente necessário.
De onde vem e para onde vai a nossa água?
As águas que utilizamos são habitualmente captadas em rios ou albufeiras e devidamente
tratada de forma a garantir a sua qualidade. Este tratamento decorre em Estações de
Tratamento de Água (ETA), de acordo com uma sequência de processos, de entre os
quais se podem destacar alguns dos mais utilizados.
9
Poluição dos Recursos hídricos:
• as actividades industriais, que podem gerar efluentes líquidos e resíduos
sólidos estocados incorretamente;
• os vazamentos de tanques enterrados contendo líquidos perigosos, como
os postos de serviços, assim como vazamentos acidentais de líquidos
perigosos de tubulações e acidentes durante o transporte rodoviário e
ferroviário destes produtos;
• os aterros industriais e sanitários de resíduos sólidos, assim como lixões;
• as atividades agrícolas, com a aplicação de compostos agroquímicos e de
fertilizantes nas plantações;
• os vazamentos de esgotos domésticos de fossas e da rede de coleta
urbana.
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais é a designação genérica para um vasto número de
técnicas, geralmente implementadas em Estações de Tratamento de Águas Residuais
(ETAR), onde se combinam os sistemas e tecnologias necessárias que permitem adequar
as águas residuais à qualidade requerida para descarga no meio receptor.
ETAR
Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR)
que, no Brasil, se designa oficialmente também por
Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), são
estações que tratam as águas residuais de origem
doméstica e/ou industrial, comumente chamadas de
esgotos sanitários ou despejos industriais, para depois
serem escoadas para o mar ou rio com um nível de
poluição aceitável (ou então, serem "reutilizadas" para
usos domésticos), através de um emissário, conforme a legislação vigente para o meio
10
ambiente receptor. Numa ETAR as águas residuais passam por vários processos de
tratamento com o objectivo de separar ou diminuir a quantidade da matéria poluente da
água.
Pré tratamento
No primeiro conjunto de tratamentos, designado por pré-tratamento ou tratamento
preliminar, o esgoto é sujeito aos processos de separação dos sólidos mais grosseiros
tais como a gradagem (no Brasil, chamado de gradeamento) que pode ser composto por
grades grosseiras, grades finas e/ou peneiras rotativas, o desarenamento nas caixas de
areia e o desengorduramento nas chamadas caixas de gordura ou em pré-decantadores.
Nesta fase, o esgoto é, desta forma, preparado para as fases de tratamento subsequentes,
podendo ser sujeito a um pré-arejamento e a uma equalização tanto de caudais como de
cargas poluentes.
Tratamento primário
Apesar do esgoto apresentar um aspecto ligeiramente mais razoável após a fase de pré-
tratamento, possui ainda praticamente inalteradas as suas características poluidoras.
Segue-se, pois, o tratamento propriamente dito. A primeira fase de tratamento é
designada por tratamento primário, onde a matéria poluente é separada da água por
sedimentação nos sedimentadores primários.
Após o tratamento primário, a matéria poluente que permanece na água é de reduzidas
dimensões, normalmente constituída por colóides, não sendo por isso passível de ser
removida por processos exclusivamente físico-químicos. A eficiência de um tratamento
primário pode chegar a 60% ou mais dependendo do tipo de tratamento e da operação da
ETE.
Tratamento secundário
Segue-se, pois, o chamado processo de tratamento secundário, geralmente consistindo
num processo biológico, do tipo lodo activado ou do tipo filtro biológico, onde a matéria
orgânica (poluente) é consumida por micro organismos nos chamados reactores
biológicos. Estes reactores são normalmente constituídos por tanques com grande
quantidade de micro organismos aeróbios, havendo por isso a necessidade de promover o
seu arejamento.
Finalizado o tratamento secundário, as águas residuais tratadas apresentam um reduzido
nível de poluição por matéria orgânica, podendo na maioria dos casos, serem despejadas
no meio ambiente receptor.
Tratamento terciário
11
Normalmente antes do lançamento final no
corpo receptor, é necessário proceder à
desinfecção das águas residuais tratadas para a
remoção dos organismos patogénicos ou, em casos
especiais, à remoção de determinados nutrientes, como o nitrogénio (azoto) e o fósforo,
que podem potenciar, isoladamente e/ou em conjunto, a eutrofização das águas
receptoras.
Neste trabalho foi possível ver que muitos de nós não têm cuidado com o que fazemos
com a água e não só.
Aprendemos muitas coisas novas e a ter mais cuidado com o que devemos e não
devemos fazer no dia-a-dia.
12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
 PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA... PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
Sirleitr
 
Dicas para preservação do meio ambiente
Dicas para preservação do meio ambienteDicas para preservação do meio ambiente
Dicas para preservação do meio ambiente
Sistema de Bibliotecas da PUC-Rio
 
Ultilização de agua problemas ambientais
Ultilização de agua problemas ambientaisUltilização de agua problemas ambientais
Ultilização de agua problemas ambientais
Mónica Martins
 
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Míriam Morata Novaes
 
Lixo
LixoLixo
Cartilha Manejo Apropriado de Água
Cartilha Manejo Apropriado de ÁguaCartilha Manejo Apropriado de Água
Cartilha Manejo Apropriado de Água
Fluxus Design Ecológico
 
Cuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambienteCuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambiente
Acrópole - História & Educação
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
Carlos Elson Cunha
 
Preservação ambiental
Preservação ambientalPreservação ambiental
Preservação ambiental
Sandra Alves
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
eercavalcanti
 
Projeto reciclar
Projeto reciclarProjeto reciclar
Projeto reciclar
xellli
 
O lixo reciclável e a coleta seletiva
O lixo reciclável e a coleta seletivaO lixo reciclável e a coleta seletiva
O lixo reciclável e a coleta seletiva
macrina121
 
Preservação & meio ambiente
Preservação & meio ambientePreservação & meio ambiente
Preservação & meio ambiente
thiagofreitasnascimento
 
Diversidade da Terra e Estudos Ambientais
Diversidade da Terra e Estudos AmbientaisDiversidade da Terra e Estudos Ambientais
Diversidade da Terra e Estudos Ambientais
Alex Santiago Nina
 
A sustentabilidade da água
A sustentabilidade da águaA sustentabilidade da água
A sustentabilidade da água
Flávio Carvalho
 
A Preservação da Água
A Preservação da ÁguaA Preservação da Água
A Preservação da Água
thayseteixeira
 
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOSPalestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
proftstsergioetm
 
Águas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCOÁguas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCO
2016arqmiriam
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 

Mais procurados (19)

PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
 PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA... PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
PROJETO DE PESQUISA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROJETO REVITALIZARTROCA DE EXÓTICA...
 
Dicas para preservação do meio ambiente
Dicas para preservação do meio ambienteDicas para preservação do meio ambiente
Dicas para preservação do meio ambiente
 
Ultilização de agua problemas ambientais
Ultilização de agua problemas ambientaisUltilização de agua problemas ambientais
Ultilização de agua problemas ambientais
 
Permacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmoPermacultura Cartilha faca você mesmo
Permacultura Cartilha faca você mesmo
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Cartilha Manejo Apropriado de Água
Cartilha Manejo Apropriado de ÁguaCartilha Manejo Apropriado de Água
Cartilha Manejo Apropriado de Água
 
Cuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambienteCuidar do meio ambiente
Cuidar do meio ambiente
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
Preservação ambiental
Preservação ambientalPreservação ambiental
Preservação ambiental
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Projeto reciclar
Projeto reciclarProjeto reciclar
Projeto reciclar
 
O lixo reciclável e a coleta seletiva
O lixo reciclável e a coleta seletivaO lixo reciclável e a coleta seletiva
O lixo reciclável e a coleta seletiva
 
Preservação & meio ambiente
Preservação & meio ambientePreservação & meio ambiente
Preservação & meio ambiente
 
Diversidade da Terra e Estudos Ambientais
Diversidade da Terra e Estudos AmbientaisDiversidade da Terra e Estudos Ambientais
Diversidade da Terra e Estudos Ambientais
 
A sustentabilidade da água
A sustentabilidade da águaA sustentabilidade da água
A sustentabilidade da água
 
A Preservação da Água
A Preservação da ÁguaA Preservação da Água
A Preservação da Água
 
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOSPalestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
Palestra Meio Ambiente - SIPAT CPOVOS
 
Águas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCOÁguas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCO
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 

Destaque

Poluição dos solos
Poluição dos solosPoluição dos solos
Poluição dos solos
lisamarlenenicole
 
Contaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da águaContaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da água
SGC
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
Tecnomil
 
Poluição das águas
Poluição das águas Poluição das águas
Poluição das águas
RosaneRamos
 
Poluição das águas
Poluição das águasPoluição das águas
Poluição das águas
Ana Abegão
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
Helena Marques
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
Patrícia Santos
 

Destaque (7)

Poluição dos solos
Poluição dos solosPoluição dos solos
Poluição dos solos
 
Contaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da águaContaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da água
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
 
Poluição das águas
Poluição das águas Poluição das águas
Poluição das águas
 
Poluição das águas
Poluição das águasPoluição das águas
Poluição das águas
 
Poluição das Águas
Poluição das  ÁguasPoluição das  Águas
Poluição das Águas
 
POLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUAPOLUIÇÃO DA ÁGUA
POLUIÇÃO DA ÁGUA
 

Semelhante a Agua

Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
Rogerio Catanese
 
Apostila de química ambiental
Apostila de química ambientalApostila de química ambiental
Apostila de química ambiental
maribizari
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
PhoenixSportFitness
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
Petedanis
 
Semana do Meio Ambiente
Semana do Meio AmbienteSemana do Meio Ambiente
Semana do Meio Ambiente
Moisés Ferreira Barreto
 
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
rcatanese
 
A água do Planeta
A água do PlanetaA água do Planeta
A água do Planeta
Ana Keizy
 
crise mundial da água.
crise mundial da água.crise mundial da água.
crise mundial da água.
120212
 
da crise mundial da água.
 da crise mundial da água. da crise mundial da água.
da crise mundial da água.
120212
 
Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Poluiçao da agua
Poluiçao da aguaPoluiçao da agua
Poluiçao da agua
verinha7
 
Poluiçao da agua
Poluiçao da aguaPoluiçao da agua
Poluiçao da agua
verinha7
 
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTALGESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
Rafael Oliveira
 
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
norivalfp
 
Meio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSLMeio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSL
Matheus Cerqueira
 
Trabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatisticaTrabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatistica
Monique Mazarin
 
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Cisco Kunsagi
 
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx
RosanaCosta70
 
Grupo Agua
Grupo AguaGrupo Agua
Agua doce 9.5
Agua doce 9.5Agua doce 9.5
Agua doce 9.5
Mayjö .
 

Semelhante a Agua (20)

Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
 
Apostila de química ambiental
Apostila de química ambientalApostila de química ambiental
Apostila de química ambiental
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Poluição da Água
Poluição da ÁguaPoluição da Água
Poluição da Água
 
Semana do Meio Ambiente
Semana do Meio AmbienteSemana do Meio Ambiente
Semana do Meio Ambiente
 
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
 
A água do Planeta
A água do PlanetaA água do Planeta
A água do Planeta
 
crise mundial da água.
crise mundial da água.crise mundial da água.
crise mundial da água.
 
da crise mundial da água.
 da crise mundial da água. da crise mundial da água.
da crise mundial da água.
 
Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)Planeta água (mazza)
Planeta água (mazza)
 
Poluiçao da agua
Poluiçao da aguaPoluiçao da agua
Poluiçao da agua
 
Poluiçao da agua
Poluiçao da aguaPoluiçao da agua
Poluiçao da agua
 
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTALGESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
GESTÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL
 
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula   edmara isabelle -...
Trabalho de geografia....pptx sustentabilidades ana paula edmara isabelle -...
 
Meio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSLMeio ambiente ENSL
Meio ambiente ENSL
 
Trabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatisticaTrabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatistica
 
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...Atividade colaborativa   responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
Atividade colaborativa responsabilidade social e meio ambiente- paulo rogér...
 
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx
 
Grupo Agua
Grupo AguaGrupo Agua
Grupo Agua
 
Agua doce 9.5
Agua doce 9.5Agua doce 9.5
Agua doce 9.5
 

Mais de liliana11

DST
DSTDST
Receitas para Preservar Riquezas
Receitas para Preservar RiquezasReceitas para Preservar Riquezas
Receitas para Preservar Riquezas
liliana11
 
Dois países em extremos opostos
Dois países em extremos opostosDois países em extremos opostos
Dois países em extremos opostos
liliana11
 
Yoga
YogaYoga
Yoga
liliana11
 
Dia Mundial da Água
Dia Mundial da ÁguaDia Mundial da Água
Dia Mundial da Água
liliana11
 
Escolhas vocacionas
Escolhas vocacionas Escolhas vocacionas
Escolhas vocacionas
liliana11
 

Mais de liliana11 (6)

DST
DSTDST
DST
 
Receitas para Preservar Riquezas
Receitas para Preservar RiquezasReceitas para Preservar Riquezas
Receitas para Preservar Riquezas
 
Dois países em extremos opostos
Dois países em extremos opostosDois países em extremos opostos
Dois países em extremos opostos
 
Yoga
YogaYoga
Yoga
 
Dia Mundial da Água
Dia Mundial da ÁguaDia Mundial da Água
Dia Mundial da Água
 
Escolhas vocacionas
Escolhas vocacionas Escolhas vocacionas
Escolhas vocacionas
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Agua

  • 1. Escola E. B. 2/3 de Montelongo Disciplina: Área de Projecto Professora: Carla Soares Ano lectivo de 2008/2009 Trabalho elaborado por: Joana Silva Nº9 Leandro Fernandes Nº10 Liliana Fonseca Nº11 Pedro Nogueira Nº15 Sílvia Ribeiro Nº 17 Turma: A do 9ºano 1
  • 2.  Capítulo   Educação e poluição ambiental Tema : O que é o Ambiente? Tema : Poluição ambiental; Impacte ambiental; Política dos 5R’s; Conselhos ecológicos.  Capítulo   Recursos hídricos Tema : Água: um recurso frágil mas vital; O ciclo da água; Importância da água; Que água temos no nosso planeta?; O que fazemos com a nossa água?; Gestão sustentável da água: a revolução azul; Como gerimos a nossa água?; De onde vem e para onde vai a água que utilizamos em nossas casas?; Tema : Poluição dos recursos hídricos; Tratamento de águas residuais; ETAR’s 2
  • 3. O trabalho a seguir apresentado vai ter como tema principal a «Educação Ambiental», que será abordada no capítulo . Como subtema escolhemos, em igual conformidade, «a água», desenvolvido no capítulo , porque há muito para dizer sobre este bem que nos faz tanta falta, como o ar que respiramos. No subtema escolhido vamos focar a importância, a quantidade e a origem da água e a poluição da mesma e o impacte que esta causa em todo o mundo vegetal e animal. Paralelamente a este trabalho iremos realizar algumas curtas-metragens alusivas à poluição da água e o drama dos seres vivos nos ecossistemas, uma maquete alusiva ao tema e uma amostra de alguns diapositivos com informações, curiosidades e conselhos úteis para a preservação e sustentabilidade dos recursos hídricos. O nosso lema é «Preservar para Viver». 3
  • 4. Capítulo   Educação e poluição ambiental Tema   O que é o ambiente? Em geral, o ambiente consiste no conjunto das substâncias, circunstâncias ou condições em que existe determinado objecto ou em que ocorre determinada acção. Ultimamente a questão ambiental tem sido muito falado por causa dos sucessivos atentados ao Meio-Ambiente por parte do Homem. O aumento do efeito de estufa, o aquecimento global, o aumento do buraco do ozono, o desperdício e poluição da água doce, os animais em vias de extinção, a desflorestação, as chuvas ácidas são alguns dos problemas ambientais mais falados e discutidos a nível nacional e internacional, porque com todos estes problemas ambientais vai afectar toda a humanidade e todos os ecossistemas. É urgente chegar a informação, do que se passa com o ambiente, às pessoas, é necessário haver uma educação para vivermos num mundo onde tudo esteja em equilíbrio natural, para que possamos viver «livres», num mundo limpo sem fontes de poluição. Tema   Poluição Ambiental Associa-se o termo poluição à introdução, directa ou indirecta, por acção humana, de substâncias, vibrações, calor ou ruído no ar, na água ou no solo susceptíveis de prejudicar a saúde humana ou a qualidade do Ambiente. As substâncias produzidas pelas actividades humanas e com consequências nocivas para o ambiente chamam-se poluentes. Da sua acção resulta a poluição do ar, das águas e do solo, o que vai afectar a vida dos ecossistemas e, naturalmente, a própria vida humana. As relações entre o solo, a água e a atmosfera são tão estreitas que a poluição de qualquer destes subsistemas afecta também os outros. Fig. 1 – Sistemas naturais afectados pela poluição.  O Impacte Ambiental As crescentes possibilidades tecnológicas conduziram a uma sobreexploração dos recursos da Natureza e à sua transformação. As múltiplas actividades humanas levaram igualmente à proliferação de riscos ecológicos por todo o planeta, pondo em causa a sobrevivência de muitos ecossistemas e também a sobrevivência da própria espécie humana. As alterações ocasionadas pelas acções humanas no Ambiente são designadas genericamente por impacte ambiental. As sociedades modernas têm convertido ecossistemas naturais, como florestas, pradarias, pântanos, rios e mares, em zonas de exploração intensiva. 4
  • 5. Fig. 2 – Exemplos da intervenção humana nos ecossistemas (Urbanização i Indústrias). 5
  • 6. Fig. 3 – Exemplos da intervenção humana nos ecossistemas (Redes rodoviárias com tráfego intenso e agricultura intensiva). Nas últimas décadas começou a tomar-se consciência dos graves riscos desencadeados pela intervenção humana nos ecossistemas devido à ocorrência de grandes problemas ambientais. 6
  • 7.  Política dos 5R’s Repensar – O primeiro R da política está dentro da sua mente e envolve um consumo consciente. Consiste em usar o seu grande poder de decisão e escolha. Reduzir – Comprar embalagens familiares, de recarga e com doseador; usar guardanapos de pano, filtro de papel em nylon ou flanela, pilhas recarregáveis e lâmpadas economizadoras podem ajudar a reduzir a quantidade de lixo e o desperdício de matérias. Reutilizar – Os jornais ou revistas podem servir para forrar latas para colocar os lápis ou canetas, também o verso de uma folha não utilizado pode servir para um rascunho. Reciclar – A reciclagem serve para os materiais que podem voltar ao estado original, ser transformado novamente num produto igual em todas as suas características. Recuperar – Dar uma nova vida às coisas velhas e usadas para novas funções, diminuindo, deste modo, o desperdício de materiais e acumulação de lixo não biodegradável nas lixeiras contribuindo assim, a redução da poluição ambiental. Conselhos Ecológicos 7
  • 8. Capítulo  A ÁGUA Tema  Água: recurso frágil mas vital Se um habitante de outra galáxia se aproximasse de Terra e observasse o deslumbrante tom azul que se relaciona com a “ película” de água que cobre três quartos da sua superfície, provavelmente ter-lhe-ia chamando “Água” e não Terra. Vivemos “de facto” na planta da água e sem ela a vida não seria possível. Importância da água A água foi, desde sempre, um factor determinante num estabelecimento da vida em geral e das populações humanas em particular. Para gerir, de uma forma sustentável, a água doce de que dispomos precisamos de conhecer melhor alguns aspectos fundamentais acerca deste precioso recurso. A água tem um inegável valor ecológico e é um factor determinante na produção agrícola e industrial. Os 25% da superfície terrestre que não estão cobertos de água possui uma diversidade dos habitats que, embora sendo terrestres, apresentam uma distribuição e densidade de organismos que dependem da água disponível. As plantas não sobrevivem sem água e sem elas os ecossistemas entram em colapso. A água é o meio onde todos os processos vitais ocorrem, dissolve e distribui os nutrientes pelas células. O que fazemos com a água? Actividade Gasto médio Uso com bom senso Economia Escovar os dentes 12 Litros em 5 minutos Fechar a torneira enquanto escova os dentes e usar a água de um copo de 350 ml para enxaguá-los 11,65 Litros Tomar banho em chuveiro 45 Litros em 15 minutos Fechar o chuveiro enquanto se ensaboa e/ou diminuir o tempo de banho o máximo que conseguir (o aconselhável é cinco minutos) 30 Litros Molhar jardins e plantas 186 Litros em 10 minutos Usar esguicho tipo “revólver” e regar só o necessário, de preferência pela manhã ou à noite 96 Litros Lavar o carro com mangueira 560 Litros em 30 minutos Trocar a mangueira por balde e lavar só quando necessário 520 Litros 8
  • 9. Lavar calçadas com mangueira 279 Litros em 15 minutos Limpar com vassoura (o resultado é o mesmo) 279 Litros O que fazemos com a nossa água? Gestão sustentável da água: a revolução azul. O principal objectivo do uso sustentável da água é utilizar a água doce sem afectar o ciclo hidrológico e os ecossistemas dos quais dependemos, de modo a garantir a água suficiente para as gerações futuras. Um dos aspectos fundamentais consiste em reduzir o desperdício. A água não conhece fronteiras. Em Portugal cerca de 50% das águas disponíveis vêm de Espanha. Em certas regiões do território continental as disponibilidades de águas actuais já são inferiores as necessidades. Nem toda a água de que dispomos é bem aproveitada, havendo uma parcela significativa que se perde. Esta parcela resulta da diferença entre o volume de água que é captado e o volume de água que é efectivamente necessário. De onde vem e para onde vai a nossa água? As águas que utilizamos são habitualmente captadas em rios ou albufeiras e devidamente tratada de forma a garantir a sua qualidade. Este tratamento decorre em Estações de Tratamento de Água (ETA), de acordo com uma sequência de processos, de entre os quais se podem destacar alguns dos mais utilizados. 9
  • 10. Poluição dos Recursos hídricos: • as actividades industriais, que podem gerar efluentes líquidos e resíduos sólidos estocados incorretamente; • os vazamentos de tanques enterrados contendo líquidos perigosos, como os postos de serviços, assim como vazamentos acidentais de líquidos perigosos de tubulações e acidentes durante o transporte rodoviário e ferroviário destes produtos; • os aterros industriais e sanitários de resíduos sólidos, assim como lixões; • as atividades agrícolas, com a aplicação de compostos agroquímicos e de fertilizantes nas plantações; • os vazamentos de esgotos domésticos de fossas e da rede de coleta urbana. Tratamento de águas residuais Tratamento de águas residuais é a designação genérica para um vasto número de técnicas, geralmente implementadas em Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), onde se combinam os sistemas e tecnologias necessárias que permitem adequar as águas residuais à qualidade requerida para descarga no meio receptor. ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) que, no Brasil, se designa oficialmente também por Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), são estações que tratam as águas residuais de origem doméstica e/ou industrial, comumente chamadas de esgotos sanitários ou despejos industriais, para depois serem escoadas para o mar ou rio com um nível de poluição aceitável (ou então, serem "reutilizadas" para usos domésticos), através de um emissário, conforme a legislação vigente para o meio 10
  • 11. ambiente receptor. Numa ETAR as águas residuais passam por vários processos de tratamento com o objectivo de separar ou diminuir a quantidade da matéria poluente da água. Pré tratamento No primeiro conjunto de tratamentos, designado por pré-tratamento ou tratamento preliminar, o esgoto é sujeito aos processos de separação dos sólidos mais grosseiros tais como a gradagem (no Brasil, chamado de gradeamento) que pode ser composto por grades grosseiras, grades finas e/ou peneiras rotativas, o desarenamento nas caixas de areia e o desengorduramento nas chamadas caixas de gordura ou em pré-decantadores. Nesta fase, o esgoto é, desta forma, preparado para as fases de tratamento subsequentes, podendo ser sujeito a um pré-arejamento e a uma equalização tanto de caudais como de cargas poluentes. Tratamento primário Apesar do esgoto apresentar um aspecto ligeiramente mais razoável após a fase de pré- tratamento, possui ainda praticamente inalteradas as suas características poluidoras. Segue-se, pois, o tratamento propriamente dito. A primeira fase de tratamento é designada por tratamento primário, onde a matéria poluente é separada da água por sedimentação nos sedimentadores primários. Após o tratamento primário, a matéria poluente que permanece na água é de reduzidas dimensões, normalmente constituída por colóides, não sendo por isso passível de ser removida por processos exclusivamente físico-químicos. A eficiência de um tratamento primário pode chegar a 60% ou mais dependendo do tipo de tratamento e da operação da ETE. Tratamento secundário Segue-se, pois, o chamado processo de tratamento secundário, geralmente consistindo num processo biológico, do tipo lodo activado ou do tipo filtro biológico, onde a matéria orgânica (poluente) é consumida por micro organismos nos chamados reactores biológicos. Estes reactores são normalmente constituídos por tanques com grande quantidade de micro organismos aeróbios, havendo por isso a necessidade de promover o seu arejamento. Finalizado o tratamento secundário, as águas residuais tratadas apresentam um reduzido nível de poluição por matéria orgânica, podendo na maioria dos casos, serem despejadas no meio ambiente receptor. Tratamento terciário 11
  • 12. Normalmente antes do lançamento final no corpo receptor, é necessário proceder à desinfecção das águas residuais tratadas para a remoção dos organismos patogénicos ou, em casos especiais, à remoção de determinados nutrientes, como o nitrogénio (azoto) e o fósforo, que podem potenciar, isoladamente e/ou em conjunto, a eutrofização das águas receptoras. Neste trabalho foi possível ver que muitos de nós não têm cuidado com o que fazemos com a água e não só. Aprendemos muitas coisas novas e a ter mais cuidado com o que devemos e não devemos fazer no dia-a-dia. 12