SlideShare uma empresa Scribd logo
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
A MAIOR DOR DO MUNDOO LUTO MATERNO
EM UMA PERSPECTIVA
FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Photos: unsplash.com
AUTORES
Joanneliese Lucas de Freitas: doutora em Psicologia pela
Universidade de Brasília, professora adjunta do Departamento
de Psicologia da Universidade Federal do Paraná, Brasil.
Luís Henrique Fuck Michel: bolsista de Iniciação Científica da
Universidade Federal do Paraná, vinculado à linha de
pesquisa "Luto e trauma: apontamentos clínicos".
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Refletir sobre a vivência do luto materno na sociedade brasileira
contemporânea, a partir da perspectiva fenomenológico-existencial.


O método fenomenológico é a descrição das experiências vividas
sobre um determinado fenômeno, que no presente estudo são as
vivências do processo de luto materno.
Foi realizada uma pesquisa qualitativa com três mães enlutadas.
OBJETIVO E METODOLOGIA
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
A literatura aponta que o luto é uma reação
ao rompimento irreversível de um vínculo
significativo (Brice, 1991; Freitas, 2013;
Kovács, 1992; Parkes, 1998).
A vivência do luto está vinculada à qualidade
da relação que havia com o morto e às
circunstâncias que o levaram a morte.


Segundo uma interpretação fenomenológica,
o luto é vivenciado como a morte de um
modo de relação entre o morto e o enlutado,
decorrente da ruptura da intercorporeidade
(Freitas, 2013).
O QUE É O LUTO?
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
CARACTERÍSTICAS DO LUTO
1 . Conflituosa
2 . Ambígua
3 . Paradoxal
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Estudos (Brice, 1982, 1991) afirmam que perder um filho é:
CARACTERÍSTICAS DO LUTO MATERNO
• Um corte no destino;
• É viver uma promessa não realizada;
• É perder o próprio futuro;
• É a perda de uma parte de si;
• A saudade é vivida com sofrimento;
• Mudanças de valores;
• Sentimento de culpa, a morte poderia ser evitada;
• Inversão do curso natural da vida.
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Foram realizadas entrevistas abertas, de caráter exploratório,
com a pergunta disparadora:
“Você pode descrever sua experiência ao passar pelo luto?”.
Não houve limite de tempo determinado, permitindo que as
mães falassem livremente sobre suas experiências.
A PESQUISA
“Você pode descrever sua
experiência ao passar
pelo luto?”.
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Foram entrevistadas 3 mães participantes de
um grupo de apoio ao luto da cidade de
Curitiba - PR, referidas por meio de nomes
fictícios, em função do sigilo.
PARTICIPANTES
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
DÁLIA
PERFIL DAS MÃES
CLEMATITE CAMÉLIA
Dália perdeu os dois filhos mais velhos
em um mesmo acidente (um rapaz de
19 anos e sua irmã de 17). Eles
voltavam de uma festa com outros
amigos quando o carro caiu em um
lago, em uma estrada mal sinalizada.
Os filhos de Dália tinham uma relação
de muita proximidade entre si e eram
considerados por sua mãe como
amigos. O acidente ocorreu 7 anos
antes da realização da entrevista.
Clematite perdeu uma filha com 24
anos de idade. Com problemas de
saúde desde os três meses de idade, a
filha viveu com uma enfermidade
crônica e apresentou saúde frágil
durante toda a vida. Faleceu no dia
consagrado a Sant’Ana, de quem era
devota (assim como a mãe). Clematite
foi entrevistada 3 anos após a perda
de sua filha.
Camélia perdeu um de seus dois filhos,
que estava com 34 anos. Esta mãe
não tem certeza da causa da morte do
filho, embora concorde que há indícios
de suicídio. Na ocasião da morte, ele
havia perdido o emprego, que o
preocupava. Camélia afirma que,
durante sua vida, ele teve um bom
relacionamento com a família e foi um
bom pai para sua filha. A entrevista foi
gravada 4 anos após seu falecimento.
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
O relato das mães evidenciou 10 elementos essenciais que
descrevem a vivência de luto materno das mães entrevistadas.
RESULTADOS
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Interrupção abrupta da relação
entre mãe e filho;



Período de confusão, perda de
perspectivas, esvaziamento;



Falta o modo habitual de ser, de ser-
no-mundo;



É exigido um novo sentido diante da
ausência do outro.
PERDA DO SENTIDO DO MUNDO-DA-VIDA
“Porque ela.... A vida pra gente acaba! Parece que a
gente desmancha.... Mesmo tendo a minha filha,
meu marido, minha casa, parece que nada valia a
pena.... Nem respirar mais! .... É a pior hora, né? A
hora que você perde uma pessoa... Porque... Você
não sabe nem o que pensar, é um terror!”
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Se ao nascer um filho nasce uma mãe, o que dizer quando
uma mãe perde seu filho?
Em outros modos de enlutamento, o status social do
enlutado muda: de casado para viúvo, ou de filho para órfão.
A mãe não adquire um novo lugar. Ela continua a ser mãe,
agora, porém, de um filho morto.
PERDA DE UM MODO DE EXISTIR
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
A mãe é a responsável por proteger seus filhos. 

Se esta falhar, também será responsabilizada.


A culpa da mãe já está presente quando o filho
enfrenta problemas ou frustrações em vida. É
comum que elas se perguntem: “Onde foi que eu
errei?”.
No discurso de Dália encontramos o pensamento
de que ela poderia ter feito algo para salvá-los:
CULPA
“...se eu tivesse lá... eu teria...
tentado... eu teria feito alguma coisa
pra mim conseguir salvar eles,
desafogado eles, eu sei que eu... eu
tenho capacidade”. 

O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Extrema, de grande intensidade;
Dificuldade de nomear a dor;
Singularidade da dor;
Camélia torna isso claro em seu relato quando diz:
DOR
“Cheguei a esmurrar a parede do...
do... inúmeras vezes! Eu ia tomar
banho, antes de dormir, o meu marido
já deitado... eu urrava no banheiro!
Urro assim, como fera mesmo, sabe?”.
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Luto solitário;
Silêncio (tabu);
Distanciamento das pessoas com quem
convivia.
FRAGMENTAÇÃO DOS LAÇOS AFETIVOS
“Os amigos deles se retiraram da
minha casa, porque não suportavam ir
lá e... olhar pra mim, saber que eles
não tavam mais ali. Né, eles, eles... se
retiraram, se afastaram... e eu comecei
a me sentir sozinha...”. Dália
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Permanecer junto do filho (impossibilidade de manter o eu-tu);
Falta de perspectiva de futuro (perda de sonhos, impossibilidade
da realização de novas experiências);
Perda do vínculo com o mundo.
VONTADE DE MORRER
“Tinha vontade de rachar minha
cabeça... sabe?... tive vontade de
morrer, junto.” Camélia
“O que será que vai acontecer? Qual
será que vai ser o meu fim? Porque eu
não quero viver, eu não quero”.
Clematite
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Engajamento em manter as lembranças do filho e o vínculo
com ele (memorialista);
Tentativa de que o filho não seja esquecido pelos outros;
Preocupação com a maneira como o filho será lembrado
(características positivas e qualidades são enfatizadas);
Homenagens em cemitérios e locais públicos;
Fotos, relatos escritos e verbais da história do filho;
Manutenção do quarto do filho.
PERPETUAÇÃO DA MEMÓRIA DO FILHO
“... foi inaugurada ano passado,... então lá tem
uma foto dela, como homenagem, é... exemplo de
amor... sabe? Um monte de coisa bem bonito
escrito lá! Então, é... ela vai ser lembrada sempre!
E não que eu fique lá... é... cultuando, entendeu?
Mas é um exemplo, que as pessoas doentes não
se esmoreçam, tenham exemplo, né... fortaleça,
é... Enquanto há vida, há luta, há esperança, né?”
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Novo modo de se relacionar com o filho morto;
A ausência é aceita;
O filho mantém uma função na vida da mãe (projetos);
Ex: Dália sempre soube que seu filho tinha o sonho de criar
um projeto para crianças carentes. Após sua morte, ela
assumiu o sonho do filho:
ENGAJAMENTO EM PROJETOS
RELACIONADOS AO FILHO
“Então, meu filho sempre falava: eu quero fazer
um grupo pra chamar a atenção desses moleque,
pra nóis reuni esses moleque aqui, pra nóis criar
homem! Homem de montaria... homem de... de...
sabe, de... respeito!”. ... E eu tô me sentindo tão
bem, tão feliz que eu tô conseguindo realizar o
sonho do meu filho! ... Eu tenho... em torno dumas
30 criança, moleque e meninas, que tão indo pro
meu grupo, e... e os pais, mães... acompanhando...
eu tô conseguindo! (...) E isso me ajuda, tá me
ajudando a superar também!” Dália
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Pessoas significativas para o filho passam a ser um meio de se
relacionar com ele;
O filho se mantém preservado nas características dos outros;


É comum esse estreitamento com os netos, filhos dos filhos perdidos.
ESTREITAMENTO DE LAÇOS COM PESSOAS
SIGNIFICATIVAS PARA O MORTO
“Essa criança é uma benção! Ela é a
continuação dele, é adorável, danaada...
sabe?”. Camélia
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
É um dos caminhos de significação mais
relevantes para mães enlutadas;
Oferece sentidos para a morte do filho;
Dá esperança de um reencontro;
Propícia a manutenção da relação eu-tu.
ESPIRITUALIDADE
“Me lembro que uma
coisa que eu pensava:
eu não posso perder a
fé! Se eu perder a fé
em Deus eu to
perdida!”. Camélia
“Deus me deu, eu
cuidei, eu fiz minha
parte, e... então essa é
a parte de aceitar!”.
Clematite
“Aquele que me criou, ele me presenteou
com meus filhos, me presenteou com a
vida minha, com tudo o que eu tenho! Só
que... ele deu apenas pra mim cuidar
enquanto eu estiver... habitando aqui na
Terra”. Dália
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Com a ausência do outro, há uma perda de sentido do
mundo, o qual exige uma nova significação.
A vivência do luto impõe novas formas de ser-no-
mundo.
Estes modos estão vinculados a rituais, novos
projetos e novas significações vividas que devem ser
reconstruídos fortalecendo vínculos familiares e
sociais, uma vez que o luto não é um fenômeno
individual, mas um fenômeno vivido relacionalmente.
O LUTO COMO RESSIGNIFICAÇÃO
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Cada caso é um caso;



Analisar cada caso em sua especificidade (cada experiência é única);



Respeitar a forma de agir diante da perda;



Contemplar as limitações e necessidades;



Tais vivências não implicam em luto patológico (vontade de morrer).
CONCLUSÕES
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
A perda de um filho jamais é superada;
Contudo…
Quando se perde um filho “nasce um modo de ser-com o filho ausente”.
A MAIOR DOR DO MUNDO
O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA
Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
Freitas, J. L. (2013). Luto e fenomenologia: Uma proposta compreensiva. Revista da Abordagem Gestáltica –
Phenomenological Studies, XIX, 97-105. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v19n1/
v19n1a13.pdf
Giannini, G. A. (2011). Finding Support in a Field of Devastation: Bereaved Parents' Narratives of Communication and Recovery.
Western Journal of Communication, 75, 541-564. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://www.tandfonline.com/doi/pdf/
10.1080/10570314.201 1.608406
Giorgi, A., & Sousa, D. (2010). Método fenomenológico de investigação em psicologia. Lisboa: Fim de Século.
Gudmundsdottir, M. (2009). Embodied grief: Bereaved parents' narratives of their suffering body. OMEGA: Journal of Death and
Dying, 59, 253–269.
Gudmundsdottir, M., & Chesla, C. A. (2006). Building a new world: Habits and practices of healing following the death of a child.
Journal of Family Nursing, 12, 143-164. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://jfn.sagepub.com/content/
12/2/143.full.pdf+html
Koury, M. G. P. (2010). Ser Discreto: Um estudo sobre o processo de luto no Brasil urbano no final do século XX. Revista
Brasileira de sociologia da Emoção – RBSE, 9(5). Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://www.cchla.ufpb.br
Kovács, M. J. (1992). Morte, separação, perdas e o processo de luto. In M. J. Kovács (Org.), Morte e desenvolvimento humano
(pp. 149-164). (3. ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Martins, G. (2001). Laços atados: A morte do jovem no discurso materno. Curitiba: Moinho do Verbo.
Parkes, C. M. (1998). Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta (M. H. P. Franco, Trad). São Paulo: Summus. (Original
publicado em 1972).
Paula, B. (2010). Luto e existência: aproximações entre método fenomenológico e práxis religiosa. Revista Caminhando, 11,
102-112. Recuperado em 29 de outubro de 2013, de https://www.metodista.br/ppc/caminhando
Silva, P. K. S. (2013). Experiências maternas de perda de um filho com câncer infantil: Uma compreensão fenomenológico-
existencial. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio
Grande do Norte, Natal.
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A maior dor do mundo

Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de SaúdeLuto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Jornal Mente Ativa 19
Jornal Mente Ativa 19Jornal Mente Ativa 19
Jornal Mente Ativa 19
Jeane Bordignon
 
3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte
Marcelo Oliveira Borges
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica em mulheres mães brasi...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica  em mulheres mães brasi...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica  em mulheres mães brasi...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica em mulheres mães brasi...
mallkuchanez
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
mallkuchanez
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
Felipe Cruz
 
Apresentação1 fotos
Apresentação1 fotosApresentação1 fotos
Apresentação1 fotos
MARCIAPING
 
Luto, perda e separação na infância
Luto, perda e separação na infânciaLuto, perda e separação na infância
Luto, perda e separação na infância
Teresa Andrade
 
MORTE E MORRER
MORTE E MORRERMORTE E MORRER
MORTE E MORRER
Rafael Almeida
 
Adolescencia normal
Adolescencia normalAdolescencia normal
Adolescencia normal
fabianodebel
 
16616912.ppt
16616912.ppt16616912.ppt
16616912.ppt
MayOliveira13
 
23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb
Thiago Sarti
 
Apresentação rmf e telenovelas
Apresentação rmf e telenovelasApresentação rmf e telenovelas
Apresentação rmf e telenovelas
Cinthia Ferreira
 
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
RafaelAudibert2
 
5 o jovem_sua_visao_imortalidade
5 o jovem_sua_visao_imortalidade5 o jovem_sua_visao_imortalidade
5 o jovem_sua_visao_imortalidade
Marcelo Oliveira Borges
 
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eissA cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
Jomardasilva1
 
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eissA cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
Fabio med
 
Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013
ADEP Portugal
 
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto riscoAspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
Núcleo Pró-Creare - Psicologia - Assistência & Ensino
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
mallkuchanez
 

Semelhante a A maior dor do mundo (20)

Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de SaúdeLuto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
 
Jornal Mente Ativa 19
Jornal Mente Ativa 19Jornal Mente Ativa 19
Jornal Mente Ativa 19
 
3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte3 visao crianca_sobre_morte
3 visao crianca_sobre_morte
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica em mulheres mães brasi...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica  em mulheres mães brasi...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica  em mulheres mães brasi...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL - A tortura obstétrica em mulheres mães brasi...
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
 
Apresentação1 fotos
Apresentação1 fotosApresentação1 fotos
Apresentação1 fotos
 
Luto, perda e separação na infância
Luto, perda e separação na infânciaLuto, perda e separação na infância
Luto, perda e separação na infância
 
MORTE E MORRER
MORTE E MORRERMORTE E MORRER
MORTE E MORRER
 
Adolescencia normal
Adolescencia normalAdolescencia normal
Adolescencia normal
 
16616912.ppt
16616912.ppt16616912.ppt
16616912.ppt
 
23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb
 
Apresentação rmf e telenovelas
Apresentação rmf e telenovelasApresentação rmf e telenovelas
Apresentação rmf e telenovelas
 
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
Maternidade Compulsória e Arrependimento Materno, Uma perspectiva da Psicolog...
 
5 o jovem_sua_visao_imortalidade
5 o jovem_sua_visao_imortalidade5 o jovem_sua_visao_imortalidade
5 o jovem_sua_visao_imortalidade
 
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eissA cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
 
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eissA cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
A cura-atraves-de-vidas-passadas-brian- eiss
 
Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013Apresentações Jornadas ADEP 2013
Apresentações Jornadas ADEP 2013
 
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto riscoAspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
 
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica  em mulheres mães brasile...
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASIL A tortura obstétrica em mulheres mães brasile...
 

Último

Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 

Último (20)

Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 

A maior dor do mundo

  • 1. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil
  • 2. A MAIOR DOR DO MUNDOO LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Photos: unsplash.com
  • 3. AUTORES Joanneliese Lucas de Freitas: doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília, professora adjunta do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná, Brasil. Luís Henrique Fuck Michel: bolsista de Iniciação Científica da Universidade Federal do Paraná, vinculado à linha de pesquisa "Luto e trauma: apontamentos clínicos".
  • 4. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Refletir sobre a vivência do luto materno na sociedade brasileira contemporânea, a partir da perspectiva fenomenológico-existencial. 
 O método fenomenológico é a descrição das experiências vividas sobre um determinado fenômeno, que no presente estudo são as vivências do processo de luto materno. Foi realizada uma pesquisa qualitativa com três mães enlutadas. OBJETIVO E METODOLOGIA
  • 5. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil A literatura aponta que o luto é uma reação ao rompimento irreversível de um vínculo significativo (Brice, 1991; Freitas, 2013; Kovács, 1992; Parkes, 1998). A vivência do luto está vinculada à qualidade da relação que havia com o morto e às circunstâncias que o levaram a morte. 
 Segundo uma interpretação fenomenológica, o luto é vivenciado como a morte de um modo de relação entre o morto e o enlutado, decorrente da ruptura da intercorporeidade (Freitas, 2013). O QUE É O LUTO?
  • 6. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil CARACTERÍSTICAS DO LUTO 1 . Conflituosa 2 . Ambígua 3 . Paradoxal
  • 7. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Estudos (Brice, 1982, 1991) afirmam que perder um filho é: CARACTERÍSTICAS DO LUTO MATERNO • Um corte no destino; • É viver uma promessa não realizada; • É perder o próprio futuro; • É a perda de uma parte de si; • A saudade é vivida com sofrimento; • Mudanças de valores; • Sentimento de culpa, a morte poderia ser evitada; • Inversão do curso natural da vida.
  • 8. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Foram realizadas entrevistas abertas, de caráter exploratório, com a pergunta disparadora: “Você pode descrever sua experiência ao passar pelo luto?”. Não houve limite de tempo determinado, permitindo que as mães falassem livremente sobre suas experiências. A PESQUISA “Você pode descrever sua experiência ao passar pelo luto?”.
  • 9. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Foram entrevistadas 3 mães participantes de um grupo de apoio ao luto da cidade de Curitiba - PR, referidas por meio de nomes fictícios, em função do sigilo. PARTICIPANTES
  • 10. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil DÁLIA PERFIL DAS MÃES CLEMATITE CAMÉLIA Dália perdeu os dois filhos mais velhos em um mesmo acidente (um rapaz de 19 anos e sua irmã de 17). Eles voltavam de uma festa com outros amigos quando o carro caiu em um lago, em uma estrada mal sinalizada. Os filhos de Dália tinham uma relação de muita proximidade entre si e eram considerados por sua mãe como amigos. O acidente ocorreu 7 anos antes da realização da entrevista. Clematite perdeu uma filha com 24 anos de idade. Com problemas de saúde desde os três meses de idade, a filha viveu com uma enfermidade crônica e apresentou saúde frágil durante toda a vida. Faleceu no dia consagrado a Sant’Ana, de quem era devota (assim como a mãe). Clematite foi entrevistada 3 anos após a perda de sua filha. Camélia perdeu um de seus dois filhos, que estava com 34 anos. Esta mãe não tem certeza da causa da morte do filho, embora concorde que há indícios de suicídio. Na ocasião da morte, ele havia perdido o emprego, que o preocupava. Camélia afirma que, durante sua vida, ele teve um bom relacionamento com a família e foi um bom pai para sua filha. A entrevista foi gravada 4 anos após seu falecimento.
  • 11. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil O relato das mães evidenciou 10 elementos essenciais que descrevem a vivência de luto materno das mães entrevistadas. RESULTADOS
  • 12. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Interrupção abrupta da relação entre mãe e filho;
 
 Período de confusão, perda de perspectivas, esvaziamento;
 
 Falta o modo habitual de ser, de ser- no-mundo;
 
 É exigido um novo sentido diante da ausência do outro. PERDA DO SENTIDO DO MUNDO-DA-VIDA “Porque ela.... A vida pra gente acaba! Parece que a gente desmancha.... Mesmo tendo a minha filha, meu marido, minha casa, parece que nada valia a pena.... Nem respirar mais! .... É a pior hora, né? A hora que você perde uma pessoa... Porque... Você não sabe nem o que pensar, é um terror!”
  • 13. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Se ao nascer um filho nasce uma mãe, o que dizer quando uma mãe perde seu filho? Em outros modos de enlutamento, o status social do enlutado muda: de casado para viúvo, ou de filho para órfão. A mãe não adquire um novo lugar. Ela continua a ser mãe, agora, porém, de um filho morto. PERDA DE UM MODO DE EXISTIR
  • 14. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil A mãe é a responsável por proteger seus filhos. 
 Se esta falhar, também será responsabilizada. 
 A culpa da mãe já está presente quando o filho enfrenta problemas ou frustrações em vida. É comum que elas se perguntem: “Onde foi que eu errei?”. No discurso de Dália encontramos o pensamento de que ela poderia ter feito algo para salvá-los: CULPA “...se eu tivesse lá... eu teria... tentado... eu teria feito alguma coisa pra mim conseguir salvar eles, desafogado eles, eu sei que eu... eu tenho capacidade”. 

  • 15. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Extrema, de grande intensidade; Dificuldade de nomear a dor; Singularidade da dor; Camélia torna isso claro em seu relato quando diz: DOR “Cheguei a esmurrar a parede do... do... inúmeras vezes! Eu ia tomar banho, antes de dormir, o meu marido já deitado... eu urrava no banheiro! Urro assim, como fera mesmo, sabe?”.
  • 16. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Luto solitário; Silêncio (tabu); Distanciamento das pessoas com quem convivia. FRAGMENTAÇÃO DOS LAÇOS AFETIVOS “Os amigos deles se retiraram da minha casa, porque não suportavam ir lá e... olhar pra mim, saber que eles não tavam mais ali. Né, eles, eles... se retiraram, se afastaram... e eu comecei a me sentir sozinha...”. Dália
  • 17. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Permanecer junto do filho (impossibilidade de manter o eu-tu); Falta de perspectiva de futuro (perda de sonhos, impossibilidade da realização de novas experiências); Perda do vínculo com o mundo. VONTADE DE MORRER “Tinha vontade de rachar minha cabeça... sabe?... tive vontade de morrer, junto.” Camélia “O que será que vai acontecer? Qual será que vai ser o meu fim? Porque eu não quero viver, eu não quero”. Clematite
  • 18. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Engajamento em manter as lembranças do filho e o vínculo com ele (memorialista); Tentativa de que o filho não seja esquecido pelos outros; Preocupação com a maneira como o filho será lembrado (características positivas e qualidades são enfatizadas); Homenagens em cemitérios e locais públicos; Fotos, relatos escritos e verbais da história do filho; Manutenção do quarto do filho. PERPETUAÇÃO DA MEMÓRIA DO FILHO “... foi inaugurada ano passado,... então lá tem uma foto dela, como homenagem, é... exemplo de amor... sabe? Um monte de coisa bem bonito escrito lá! Então, é... ela vai ser lembrada sempre! E não que eu fique lá... é... cultuando, entendeu? Mas é um exemplo, que as pessoas doentes não se esmoreçam, tenham exemplo, né... fortaleça, é... Enquanto há vida, há luta, há esperança, né?”
  • 19. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Novo modo de se relacionar com o filho morto; A ausência é aceita; O filho mantém uma função na vida da mãe (projetos); Ex: Dália sempre soube que seu filho tinha o sonho de criar um projeto para crianças carentes. Após sua morte, ela assumiu o sonho do filho: ENGAJAMENTO EM PROJETOS RELACIONADOS AO FILHO “Então, meu filho sempre falava: eu quero fazer um grupo pra chamar a atenção desses moleque, pra nóis reuni esses moleque aqui, pra nóis criar homem! Homem de montaria... homem de... de... sabe, de... respeito!”. ... E eu tô me sentindo tão bem, tão feliz que eu tô conseguindo realizar o sonho do meu filho! ... Eu tenho... em torno dumas 30 criança, moleque e meninas, que tão indo pro meu grupo, e... e os pais, mães... acompanhando... eu tô conseguindo! (...) E isso me ajuda, tá me ajudando a superar também!” Dália
  • 20. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Pessoas significativas para o filho passam a ser um meio de se relacionar com ele; O filho se mantém preservado nas características dos outros; 
 É comum esse estreitamento com os netos, filhos dos filhos perdidos. ESTREITAMENTO DE LAÇOS COM PESSOAS SIGNIFICATIVAS PARA O MORTO “Essa criança é uma benção! Ela é a continuação dele, é adorável, danaada... sabe?”. Camélia
  • 21. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil É um dos caminhos de significação mais relevantes para mães enlutadas; Oferece sentidos para a morte do filho; Dá esperança de um reencontro; Propícia a manutenção da relação eu-tu. ESPIRITUALIDADE “Me lembro que uma coisa que eu pensava: eu não posso perder a fé! Se eu perder a fé em Deus eu to perdida!”. Camélia “Deus me deu, eu cuidei, eu fiz minha parte, e... então essa é a parte de aceitar!”. Clematite “Aquele que me criou, ele me presenteou com meus filhos, me presenteou com a vida minha, com tudo o que eu tenho! Só que... ele deu apenas pra mim cuidar enquanto eu estiver... habitando aqui na Terra”. Dália
  • 22. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Com a ausência do outro, há uma perda de sentido do mundo, o qual exige uma nova significação. A vivência do luto impõe novas formas de ser-no- mundo. Estes modos estão vinculados a rituais, novos projetos e novas significações vividas que devem ser reconstruídos fortalecendo vínculos familiares e sociais, uma vez que o luto não é um fenômeno individual, mas um fenômeno vivido relacionalmente. O LUTO COMO RESSIGNIFICAÇÃO
  • 23. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Cada caso é um caso;
 
 Analisar cada caso em sua especificidade (cada experiência é única);
 
 Respeitar a forma de agir diante da perda;
 
 Contemplar as limitações e necessidades;
 
 Tais vivências não implicam em luto patológico (vontade de morrer). CONCLUSÕES
  • 24. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil A perda de um filho jamais é superada; Contudo… Quando se perde um filho “nasce um modo de ser-com o filho ausente”. A MAIOR DOR DO MUNDO
  • 25. O LUTO MATERNO EM UMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, Brasil Freitas, J. L. (2013). Luto e fenomenologia: Uma proposta compreensiva. Revista da Abordagem Gestáltica – Phenomenological Studies, XIX, 97-105. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v19n1/ v19n1a13.pdf Giannini, G. A. (2011). Finding Support in a Field of Devastation: Bereaved Parents' Narratives of Communication and Recovery. Western Journal of Communication, 75, 541-564. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://www.tandfonline.com/doi/pdf/ 10.1080/10570314.201 1.608406 Giorgi, A., & Sousa, D. (2010). Método fenomenológico de investigação em psicologia. Lisboa: Fim de Século. Gudmundsdottir, M. (2009). Embodied grief: Bereaved parents' narratives of their suffering body. OMEGA: Journal of Death and Dying, 59, 253–269. Gudmundsdottir, M., & Chesla, C. A. (2006). Building a new world: Habits and practices of healing following the death of a child. Journal of Family Nursing, 12, 143-164. Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://jfn.sagepub.com/content/ 12/2/143.full.pdf+html Koury, M. G. P. (2010). Ser Discreto: Um estudo sobre o processo de luto no Brasil urbano no final do século XX. Revista Brasileira de sociologia da Emoção – RBSE, 9(5). Recuperado em 30 de outubro, 2013, de http://www.cchla.ufpb.br Kovács, M. J. (1992). Morte, separação, perdas e o processo de luto. In M. J. Kovács (Org.), Morte e desenvolvimento humano (pp. 149-164). (3. ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo. Martins, G. (2001). Laços atados: A morte do jovem no discurso materno. Curitiba: Moinho do Verbo. Parkes, C. M. (1998). Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta (M. H. P. Franco, Trad). São Paulo: Summus. (Original publicado em 1972). Paula, B. (2010). Luto e existência: aproximações entre método fenomenológico e práxis religiosa. Revista Caminhando, 11, 102-112. Recuperado em 29 de outubro de 2013, de https://www.metodista.br/ppc/caminhando Silva, P. K. S. (2013). Experiências maternas de perda de um filho com câncer infantil: Uma compreensão fenomenológico- existencial. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. REFERÊNCIAS