SlideShare uma empresa Scribd logo
e n sa i o
                                                    vol 5 • nº 2 • out 2003




     A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE
      ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM
                  CIÊNCIAS BIOLÓGICAS


            THE IMPORTANCE              OF   REFLECTION ON TEACHING PRACTICE                             FOR

                             PRE -SERVICE B IOLOGY TEACHER EDUCTION

                                                                                     Geilsa Costa Santos Baptista*



    RESUMO: Este artigo tem por objetivo demonstrar a importância da reflexão para a
    formação docente inicial em Ciências Biológicas a partir dos resultados de experiências
    práticas vivenciadas com alunos pré-formandos do curso de Licenciatura em Ciências
    Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana-Bahia e de investigações teóri-
    cas sobre ensino e formação docente, desenvolvidos junto ao Núcleo de Estudos e Pes-
    quisas sobre Formação de Professores (NUFOP). Conclui-se que ao oferecer aos
    licenciandos oportunidades para reflexões e discussões permite-se que estes posicionem-
    se criticamente em relação às suas futuras atividades pedagógicas, desenvolvendo as suas
    consciências de que ser professor é assumir uma postura pedagógica de investigação e não
    mais de mero repetidor de conhecimentos.
    Palavras-chave: Formação docente; Prática de Ensino; Ciências Biológicas.


    ABSTRACT: The goal of this article is to demonstrate the importance of reflection in the
    preservice biology teacher education based on results of practical experiences with stu-
    dents of the course of Biological Sciences at the State University of Feira de Santana-
    Bahia, as well as on theoretical investigations about teaching and teacher’ education,
    developed at the Nucleus of Studies and Research about Teacher Education (NUFOP).
    We concluded that as we offer to prospective teachers opportunities to reflect and
    discuss, we make it possible for them to critically adopt a position in relation to pedagogic
    activities in the future. Thus, they will develop conscience that being a teacher involves
    adopting a pedagogic posture of inquiry and not anymore to be merely a knowledge
    reproducer.
    Key-word: Teacher education; Teaching Practice; Biological sciences, Teaching Methods
    courses.




    * Departamento de Educação - UEFS, Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre a Formação de Professores, UEFS;
    Grupo de Pesquisa em História, Filosofia e Ensino de Ciências e Biologia, UFBA
    e-mail: geilsa@uefs.br




4
e n s a io
                                     vol 5 • nº 2 • out 2003




1. INTRODUÇÃO
Durante muito tempo da história da educação brasileira o ensino de Ciências, bem como
todo o cenário escolar, esteve dominado pelo modelo tradicionalista o qual preocupava-
se apenas com a transmissão dos conhecimento produzidos pela Ciência ao longo da
história da humanidade. Aos alunos cabia a memorização, com base em questionários e
livros didáticos, e a repetição dos conteúdos nas provas realizadas, as quais tinham por
objetivo central a promoção para séries posteriores. O conhecimento científico era tomado
como neutro e não se punha em questão a verdade científica (BRASIL, 1997).


Nessa perspectiva, segundo Monteiro citado por Nunes (2003), ocorria a redução da
racionalidade prática à mera racionalidade instrumental, o que obrigava o docente a
incorporar as definições externas dos objetivos da sua intervenção, assumindo uma postura
passiva diante dos modelos curriculares elaborados por especialistas e dos conteúdos
apresentados nos livros didáticos. A formação inicial dos professores era centrada na
preparação de profissionais capazes de transmitir conhecimentos já elaborados - e dava
profunda ênfase nos conteúdos específicos de sua área de conhecimento, consagrando a
separação entre teoria e prática (DOMINGUES, 1998).


Um estudo realizado por Nunes (2003), sobre o histórico do ofício docente no Brasil,
revela que somente na década de 1970 foi ficando cada vez mais evidente que a idéia de
capacitar o professor com uma linguagem científica e cultural, que assegurasse o
conhecimento de um conteúdo a ser ensinado, bem como dotá-lo de alguns componentes
psico-pedagógicos, para aprender a atuar em sala de aula, já não oferecia instrumentos
teóricos necessários para responder aos desafios do cotidiano escolar. Segundo Rondina
(2001), esses desafios envolviam a preocupação com conteúdos das idéias dos estudantes
em relação aos diversos conceitos científicos aprendidos na escola.


Segundo Brasil (1998), foi a partir da década de 1980 que o conhecimento escolar deixa de
ser entendido como inquestionável passando a ser encarado como um processo. Para
Becker citado por Rondina (2001, p. 151) “(...) o aluno passa a ser o centro do processo
de ensino-aprendizagem”.


Atualmente, a idéia de valorização de pré-concepções científicas está cada vez mais
presente nas pesquisas e na literatura em educação (Moreira, 1999; Bizzo, 2001, Melo,




A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A
FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS.                                            5
e n sa i o
                                         vol 5 • nº 2 • out 2003




    2002), que reconhecem que o aprendizado científico não é alheio às questões sócio-
    culturais (BRASIL, 1998). De maneira geral, esses trabalhos têm procurado demonstrar
    que o aluno estabelece múltiplas relações com o seu meio físico e social e que está
    interagindo com o meio mais amplo do que o escolar. Isto, certamente exige que o profes-
    sor não mais assuma uma postura tradicional de ensino, isto é, não mais considere o
    aluno, do ponto de vista da cognição, como uma “tabula rasa” que vai interagir com
    objetos do conhecimento somente no contexto da educação escolar (DELIZOICOV,
    2002).


    Porém, embora muito tenha se mexido no planejamento educacional do pais, na tentativa
    de que o currículo escolar passe a conceber o aluno como um ser responsável pela
    construção dos seus conhecimentos, abrindo espaço para que este possa estabelecer
    relações com o mundo ao seu redor, pode-se afirmar que “(...) há evidências de que,
    apesar de todas as repulsas verbais, hoje continua-se fazendo nas aulas de ciências
    praticamente o mesmo que há 60 anos” (Yager e Penick citado por Carvalho e Gil-Pérez,
    2003, p. 38), ou seja, os professores continuam tendo impregnada em suas práticas
    pedagógicas a visão do aluno como um receptor passivo de suas informações prestadas
    na sala de aula.


    Segundo Carvalho e Gil-Pérez (2003), trata-se de uma formação docente que não está
    submetida a uma crítica explícita, constituindo-se, portanto, em algo “natural”, sem
    questionamento efetivo. Ainda segundo esses autores, para uma crítica fundamentada do
    ensino habitual e do pensamento docente é preciso: 1) Conhecer as limitações dos habi-
    tuais currículos enciclopédicos e, ao mesmo tempo, reducionistas (deixando de lado
    aspectos históricos, sociais etc); 2) Conhecer as limitações da forma habitual de introdu-
    zir conhecimentos (esquecer as concepções espontâneas dos alunos, tratamentos pura-
    mente operativos etc); 3) Conhecer as limitações dos trabalhos práticos habitualmente
    propostos (como uma visão deformada do trabalho científico); 4) Conhecer as limitações
    dos problemas habitualmente propostos (simples exercícios repetitivos); 5) Conhecer as
    limitações das formas de avaliação habituais (terminais, limitadas e conceituais); 6) Co-
    nhecer as limitações das formas de organização escolar habituais, muito distantes das que
    podem favorecer um trabalho de pesquisa coletivo.


    Compreende-se, então, a necessidade de conduzir os futuros professores, na sua forma-
    ção inicial, a partir das suas próprias concepções, a ampliar seus recursos e modificar
    suas idéias e atitudes de ensino (CARVALHO, 2003). A formação docente inicial já não
    pode mais ser reduzida ao estudo e domínio de conteúdos e técnicas para serem utilizadas
    em suas futuras práticas pedagógicas e até mesmo conduzindo estes a assumir uma




                                                                          Geilsa Costa Santos Baptista
6
e n s a io
                                     vol 5 • nº 2 • out 2003




postura acrítica, como estagiários e meros executores de tarefas solicitadas pelos regentes
de estágio supervisionado dentro das universidades ou faculdades.


É, nesse contexto, que Mizukami (2002, p. 167) situa o conceito de reflexão-sobre-a-ação
“(...) como um caminho para o aprimoramento da prática e a formação dos professores,
por ajudar a refazer o caminho trilhado possibilitando descobrir acertos e erros, e tentar
construir novos rumos para a atuação, quando necessário”.


          Assim sendo, acreditando na importância da reflexão sobre a ação para que se
formem docentes que compreendam a si mesmos e ao mundo à sua volta, levando-os ao
questionamento do saber e da experiência (Cerri e Lucca, 2003) é que o objetivo central
deste trabalho é demonstrar a importância da reflexão sobre a prática de ensino1 para a
formação docente inicial a partir dos resultados de experiências práticas vivenciadas com
alunos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira
de Santana - Bahia2 , durante atividades práticas desenvolvidas na disciplina Metodologia
e Prática do Ensino de Ciências e Biologia, na qual o Estágio Supervisionado está incluído,
bem como de investigações teóricas desenvolvidos junto ao Núcleo de Estudos e Pesqui-
sas sobre a Formação de Professores (NUFOP) sobre e ensino e formação docente em
Ciências Biológicas.


          Os objetivo dessas atividades teve como referencial uma das propostas de
Carvalho e Gil-Pérez acima descritas, ou seja, a de conhecer as limitações da forma
habitual de introduzir conhecimentos. Assim, o objetivo das atividades foi centrado em
proporcionar ao aluno, futuro docente, a oportunidade para refletir sobre a forma usual
do planejamento de ensino partindo da sua observação, análise e discussão.



2. METODOLOGIA


As referidas experiências aconteceram através de uma abordagem qualitativa, durante os
anos de 2002 e 2003 envolvendo duas turmas, no total de 17 alunos pré-formandos, do
curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana.
Os procedimentos desenvolvidos para a obtenção dos dados foram os mesmos em ambas
as turmas: Inicialmente, foi solicitado a seleção de conteúdos de ensino de Ciências ou de
Biologia, a critério dos alunos, partindo das suas experiências individuais e coletivas.
Com base na seleção dos conteúdos, foi lançada para os alunos uma questão problema:
Qual seria o método mais adequado para o ensino dos conteúdos selecionados? Neste
momento, abriu-se espaço para discussão, deixando margem para os alunos explicitarem




A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A
FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS.                                              7
e n sa i o
                                         vol 5 • nº 2 • out 2003




    as suas idéias e concepções, com indicação de um método de ensino.
    Tendo selecionado um método, os alunos realizaram análises sobre a abordagem dos
    conteúdos em diferentes livros didáticos quanto a linguagem, exercícios propostos, ilus-
    trações, contextualização etc. Com base nisso, foi solicitado aos aluno o planejamento de
    ensino dos conteúdos selecionados.
    Por último, a reflexão sobre os planejamentos elaborados que partisse da observação, da
    análise e da discussão sobre os mesmos. É importante aqui ressaltar que todas as ativida-
    des foram desenvolvidas em grupos e que durante as mesmas houve acompanhamento
    por parte da orientadora (autora), sempre buscando despertar nesses a necessidade de se
    refletir sobre os diversos saberes que envolvem a docência.



    3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
    Os conteúdos selecionados pelos alunos foram diferentes, a saber: Meio Ambiente, pela
    primeira turma em 2002, e Sistema Solar, pela Segunda turma em 2003. As duas turmas
    envolvidas indicaram a excursão pedagógica como método que melhor o ensino dos
    conteúdos que foram selecionados:


            “A excursão pedagógica é um excelente caminho que permite ao professor
            contextualizar3 o ensino de Ciências e também de Biologia porque o aluno é
            levado a ao contato planejado com a natureza e perceber que ela não é apenas
            um conteúdo do livro didático que o professor utiliza em sala de aula (...)”.


    Aqui o aluno demonstra a importância da junção dos objetos de ensino à prática cotidiana
    dos alunos. Neste contexto Cavalcante (2004), argumenta que uma excursão pedagógica
    constitui um meio eficiente de estudar Ciências, que envolve o incentivo à investigação, o
    estímulo ao questionamento e a utilização de recursos além do livro didático e a realização
    de atividades fora do espaço da sala de aula.


    Após análises e discussões sobre os conteúdos selecionados em diferentes livros didáticos,
    houve consenso por parte dos futuros professores quanto a sua abordagem
    descontextualizada: “A maioria das citações nos livros didáticos que nós consultamos
    apresentam os conteúdos com uma linguagem apenas científica, não relacionado-a com
    contextos e situações para que os aprendizes encontrem significados práticos”. Os
    alunos declararam que os livros consultados apresentaram diferentes versões para um
    único fato; os textos não são provocativos e os exercícios não estimulam o raciocínio dos
    alunos problematizando as questões.




                                                                          Geilsa Costa Santos Baptista
8
e n s a io
                                      vol 5 • nº 2 • out 2003




Partindo das análises dos conteúdos selecionados, os alunos elaboraram planejamentos
de ensino, tendo a excursão pedagógica como caminho para alcançar a sua contextualização.
De maneira geral, os itens inseridos pelos alunos foram: conteúdos, objetivos, procedi-
mentos, recursos didáticos, avaliação e interdisciplinaridade.


Os locais selecionados para a execução da excursão foram distintos entre as duas turmas,
a saber: A primeira turma, a do ano de 2002, indicou o Parque Zoobotânico Getúlio
Vargas4 como local a ser visitado, localizado em Salvador, capital da Bahia. A justificativa
apresentada pelos alunos para a escolha deste local foi que o mesmo consegue abranger
amplas características dos elementos naturais.


A Segunda turma, a do ano de 2003, indicou o Observatório Astronômico Antáres 5 ,
localizado na cidade de Feira de Santana-Bahia, justificando a sua escolha por ser um
centro de observações astronômicas e dispor de equipamentos capazes de simular o
movimento real dos planetas no sistema solar, supondo despertar a curiosidade dos
estudantes para observação.


Considerando o planejamentos de ensino bem como local a ser visitado, os alunos em
campo, isto é, nos locais que indicaram para a realização de uma excursão pedagógica,
observaram seus planejamentos, analisaram os seus itens criticamente e discutiram a
viabilidade de aplicação dos mesmos.


No Parque Zoobotânico Getúlio Vargas, os licenciandos afirmaram que no ensino de
Ciências e Biologia, o professor para contextualizar os conteúdos de ensino deverá per-
mitir aos seus alunos o contato com ambientes que lhes sejam próprios, onde estes
possam relacionar os conceitos teóricos que são abordados em sala de aula com a realida-
de que lhes é comum. Isto ficou claro quando um dos licenciandos, ao observar o espaço
natural que compreende o Parque Zoobotânico explicitou sua idéia: “(...) podemos traba-
lhar classificação zoológica, se mostrarmos aos nossos alunos os representantes ani-
mais na própria natureza, o que vai lhe ajudar na associação ou não dos conceitos (...)”.


A partir daí foi aberta uma ampla discussão com os discentes sobre contextualização dos
conteúdos e sobre os planejamentos por eles elaborados, pois estes perceberam que a
realidade em que vão atuar como professores, município de Feira de Santana, pertence
não ao ecossistema de Mata Atlântica, no qual está localizado o Parque, mas ao ecossistema
de Caatinga. Aqui, ficou evidente que o local escolhido pelos alunos não faz parte da
realidade física e nem social da qual irão atuar como professores. Na visão de um aluno:


         “A escolha do parque Zoobotânico como local para ministrar uma aula sobre




A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A
FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS.                                               9
e n sa i o
                                           vol 5 • nº 2 • out 2003




             Meio Ambiente Natural não foi acertada, porque o professor que tem sua realidade
             escolar, e consequentemente dos alunos, inserida na Caatinga não despertará o
             interesse e a participação do aluno se discutir sobre as espécies nativas do
             ecossistema de Mata Atlântica ou de outros ecossistemas que estão representadas
             aqui no Parque (...)”.
     No Observatório Astronômico Antares, os alunos consideraram que a visita ao local
     permite ao professor conduzir os aprendizes a pesquisar informações sobre os planetas:
     “O Observatório está inserido na nossa comunidade e assim fica fácil trazer o aluno
     para pesquisar a origem dos nomes dos planetas, seus dados físicos, seus símbolos
     astronômicos etc”. Também consideraram que no planetário, que está localizado dentro
     do espaço físico do Observatório Astronômico, os aprendizes podem observar o céu e
     ver a simulação do posicionamento das estrelas no mesmo e conhecer a história da
     Astronomia.


     A partir disso, os alunos repensaram os seus planos e concluíram que é preciso refletir
     sobre a ação pedagógica pois perceberam que não se pode planejar partindo da cópia de
     um livro didático, cujo os objetivos nada tenham a ver com o dia-a-dia dos alunos. Na fala
     de uma aluna:


             “No ensino de Ciências Biológicas se faz necessário que o professor defina
             anteriormente os objetivos, pensando nos interesses e possibilidades dos alunos,
             o local a ser visitado, que deverá fazer parte da realidade física, social e cultural
             do aluno, de acordo com as suas expectativas, necessidades e experiências”.



     4. CONCLUSÕES
     É fato conhecido que o desenvolvimento profissional dos professores está intimamente
     relacionado com sua formação. Assim, afirma Delizoicov (2002), as transformações das
     práticas docentes só se efetivarão se o professor ampliar sua consciência sobre a própria
     prática, o que pressupõe os conhecimentos teóricos e críticos sobre a realidade.
     O desenvolvimento de tal consciência é possível ainda na graduação, durante a vida
     acadêmica, onde o futuro professor, ao preparar-se para assumir sua função de educador,
     deverá refletir sobre a prática de ensino.


     As experiências vivenciadas, se revelaram estratégia importante, pois ao oferecer aos
     licenciandos oportunidades para reflexões sobre a prática de ensino, percebeu-se que os
     mesmos atinaram para a importância da reflexão sobre a própria ação, no caso específico
     sobre o planejamento de alguns conteúdos de ensino, apontando para a necessidade de




                                                                             Geilsa Costa Santos Baptista
10
e n s a io
                                               vol 5 • nº 2 • out 2003




sua ressignificação. Do mesmo modo, pôde-se refletir sobre a própria prática docente, na
formação de professores de Ciências Biológicas, a qual já não pode mais se ater ao modelo
da racionalidade técnica.
Assim sendo, conclui-se que preparar o futuro professor para atuar no ensino de Ciências
e Biologia na atualidade, requer oferecer-lhe momentos práticos para reflexões sobre esse
mesmo ensino, antecedendo a sua atuação enquanto docente, na tomada de consciência de
que ser professor é assumir uma postura pedagógica investigação e não mais de mero
repetidor de conhecimentos.




 1
   Aqui, a expressão Prática de Ensino é definida segundo Ferreira (2003), a qual refere-se tanto ao estágio
supervisionado quanto às atividades formativas a ele relacionadas
2
   Segundo o Colegiado de Biologia, o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual
de Feira de Santana (UEFS) foi implantado em 1986 (Portaria Ministerial Nº 346 De 03/03/94, DOU 07/03/94).
O licenciado em Ciências Biológicas atua predominantemente no ensino básico das escolas públicas estaduais
e municipais do município de Feira de Santana, localizado na região semi-árida do estado da Bahia. Este deve ser
um profissional capacitado como educador, responsável pelo aperfeiçoamento do processo educativo, do sistema
educacional do país e crítico dos processos históricos da evolução da educação visando sempre um ensino ativo
e participativo que estimule nos alunos a capacidade de pensar, lógica e criticamente. O currículo do curso - que
atualmente encontra-se em transição para um novo currículo que atenda às exigências das atuais normativas legais
brasileiras sobre formação de professores - é constituído por disciplinas de Currículo Mínimo (desdobradas das
matérias pedagógicas), Complementares Obrigatórias e Complementares Optativas. Entre as disciplinas
pedagógicas encontra-se a EDU 254-Metodologia e Prática do Ensino de Ciências e Biologia com 150 horas
distribuídas entre 30 horas de teoria, 30 horas de prática e 90 horas de estágio supervisionado. Dentre outros,
o objetivo central desta disciplina é analisar de forma crítica e transformadora o ensino de Ciências Biológicas
no pais e, do mesmo modo, fornecer subsídio para uma prática docente reflexiva e inovadora.


3
  O conceito de “contextualização do Ensino” trabalhado com os discentes foi de acordo com os Parâmetros
Curriculares Nacional para o Ensino Médio (Brasil, 2004) o qual significa dar sentido ao que se aprende. A
contextualização retira o aluno da condição de espectador passivo, ao trazer para a escola experiências pessoais,
sociais e culturais.


4
  Segundo informações contidas na sua home-page em 05/08/2004, o espaço do Parque Zoobotânico Getúlio
Vargas é de aproximadamente 250.000 m2 e está reservado para a exposição de animais silvestres, para atividades
de educação ambiental, e apoio às pesquisas de fauna e flora. O Zôo também é especializado como centro de estudos
e exposição de animais da fauna brasileira, uma vez que das 120 espécies atualmente alojadas na Zôo, 80% destas
pertencem à fauna do Brasil. Para maiores informações, consultar: <http://www.girafamania.com.br/introducao/
zoo_salvador.html >


5
  Segundo informações contidas na sua home-page em 05/08/2004, o Observatório Astronômico Antares funciona
como um centro de pesquisa, difusão e ensino no campo das ciências astronômicas, astrofísicas, atmosféricas e
sensoriamento remoto. Nele, são desenvolvidas atividades com professores e estudantes do ensino Fundamental,
Médio e Superior, destacando-se as observações astronômicas ao vivo, aulas, cursos, palestras, projeções de
vídeo sobre a história dos programas espaciais, utilização da biblioteca e seções no Planetário. Para maiores
informações, consultar: < http://www.uefs.br/antares/>




A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A
FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS.                                                                    11
e n sa i o
                                          vol 5 • nº 2 • out 2003




     REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

     BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? 2. Edição. São Paulo: Editora Ática, 2001, 244 p.
     BRASIL. SEF. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasilia, 1997,
        136 p.
     _________________. Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental. Brasília, 1998,
        433 p.
     _________________. O que é o Ensino Médio?. Arquivo capturado [online] via Internet
        em 05.08.2004, no endereço eletrônico: http://www.mec.gov.br/semtec/ensmed/
        intromedio.shtm
     CARVALHO, A M. P. de. A Inter-relação entre a Didática das Ciências e a Prática de
        Ensino. In: SALES, S. E. & FERREIRA, M. S. Formação Docente em Ciências: Memó-
        rias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 117-135 p.
     CARVALHO, A. M. P. de e GIL-PÉREZ, D. Formação de Professores de Ciências. São
        Paulo: Cortez, 2003, 120 p.
     CAVALCANTE, M. Meio Ambiente: de Perto é bem mais fácil. In: Revista Nova Escola,
        Ano XIX, Número 169, janeiro/fevereiro de 2004, 46-49 p.
     CERRI, Y. L. N. S. & LUCCA, D. A Importância do Processo reflexivo na Formação Inicial
        de Professores de Ciências. In: Anais do I EREBIO: Novo Milênio, Novas Práticas
        Educacionais? Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2003, 204-207 p.
     DELIZOICOV, D. e outros. Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez,
        2002, 365 p.
     DOMINGUES, J. L. Anotações de Leitura dos Parâmetros Nacionais do Currículo de Ciên-
        cias. In: Os Currículos do Ensino Fundamental Para as Escolas Públicas Brasileiras. São
        Paulo: Autores Associados, 1998, 193-200 p.
     FERREIRA, S. M. Formação Docente em Ciências Biológicas. Estabelecendo Relações
        Entre Prática de Ensino e o Contexto Escolar. In: SALES, S. E. & FERREIRA, M. S.
        Formação Docente em Ciências: Memórias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 29-46 p.
     MELO, M. do R. de. Ensino de Ciências: uma participação ativa e cotidiana. Arquivo
        capturado [online] via Internet em 21.03.2002, no endereço eletrônico: < http://
        www.rosamelo.com.br>.
     MIRANDA, I. A Programas de Interação entre a Educação Formal e a Não Formal no
        MAST. In: Anais do I EREBIO, Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2001, p. 313
        - 316 p.
     MIZUKAMI, M. da G. N. e outros. Escola e Aprendizagem da Docência: processos da
        Investigação e Formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002, 203 p.
     MOREIRA, M. A Aprendizagem Significativa. Brasilia: Editora UnB, 1999, 129 p.
     NUNES, C. Memórias e Práticas na Construção Docente. In: SALES, S. E. & FERREIRA,
        M. S. Formação Docente em Ciências: Memórias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 11-27
        p.
     RONDINA, R. de C. A Difusão do Construtivismo no Ensino Fundamental: relato de uma
        Pesquisa. In: Cadernos de Educação, Vol. 5, Número 01, Cuiabá: EdUNIC, 2001, p. 145-
         181.




                                                                           Geilsa Costa Santos Baptista
12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pratica e ensino de ciencia marandino
Pratica e ensino de ciencia   marandinoPratica e ensino de ciencia   marandino
Pratica e ensino de ciencia marandino
ryanfilho
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
A prática de ensino nas licenciaturas e
A prática de ensino nas licenciaturas eA prática de ensino nas licenciaturas e
A prática de ensino nas licenciaturas e
pibidbio
 
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
ProfessorPrincipiante
 
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na naturezaDissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
Rosineia Oliveira dos Santos
 
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da naturezaArtigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
Rosineia Oliveira dos Santos
 
Ciencias da natureza e dissertação
Ciencias da natureza e dissertaçãoCiencias da natureza e dissertação
Ciencias da natureza e dissertação
Rosineia Oliveira dos Santos
 
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações queA aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
pibidbio
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
luciany-nascimento
 
Prof reflexivo alarcao01
Prof reflexivo   alarcao01Prof reflexivo   alarcao01
Prof reflexivo alarcao01
Jéssica Rodrigues'
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
celikennedy
 
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
Marisa Correia
 
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludkeO professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
Jéssica Rodrigues'
 
Discussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticasDiscussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticas
Nilberto Nascimento
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicas
evertonbronzoni
 
Formação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de cienciasFormação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de ciencias
Arminda Almeida da Rosa
 
Formação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de químicaFormação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de química
Jéssica Rodrigues'
 
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Karoline dos Santos Tarnowski
 
A investigação ação na formação
A investigação ação na formaçãoA investigação ação na formação
A investigação ação na formação
Mary Carneiro Rezende
 

Mais procurados (19)

Pratica e ensino de ciencia marandino
Pratica e ensino de ciencia   marandinoPratica e ensino de ciencia   marandino
Pratica e ensino de ciencia marandino
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
A prática de ensino nas licenciaturas e
A prática de ensino nas licenciaturas eA prática de ensino nas licenciaturas e
A prática de ensino nas licenciaturas e
 
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
DISCUTINDO CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DO “...
 
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na naturezaDissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
Dissertação - Metodologia do ensino de ciências na natureza
 
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da naturezaArtigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
Artigo - Metodologia do ensino de ciências da natureza
 
Ciencias da natureza e dissertação
Ciencias da natureza e dissertaçãoCiencias da natureza e dissertação
Ciencias da natureza e dissertação
 
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações queA aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental ações que
 
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
 
Prof reflexivo alarcao01
Prof reflexivo   alarcao01Prof reflexivo   alarcao01
Prof reflexivo alarcao01
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
 
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
AS CONCEÇÕES DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA SOBRE A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO CONTE...
 
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludkeO professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
 
Discussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticasDiscussão para apostila aulas práticas
Discussão para apostila aulas práticas
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicas
 
Formação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de cienciasFormação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de ciencias
 
Formação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de químicaFormação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de química
 
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
Marie Skłodowska Curie - Episódios de Ensino: Contribuições ao Ensino de Ciên...
 
A investigação ação na formação
A investigação ação na formaçãoA investigação ação na formação
A investigação ação na formação
 

Destaque

Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao độngGiáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
TÀI LIỆU NGÀNH MAY
 
MEDICINA
MEDICINAMEDICINA
MEDICINA
Andres Franco
 
Prezicreativecommons
PrezicreativecommonsPrezicreativecommons
Prezicreativecommons
Eva Rivas Ojanguren
 
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортовТеннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
Владимир Одинцов
 
Fisiologia vegetal aspectos_basicos
Fisiologia vegetal aspectos_basicosFisiologia vegetal aspectos_basicos
Fisiologia vegetal aspectos_basicos
lorena palacios
 
Clasen1java
Clasen1javaClasen1java
Clasen1java
jbersosa
 
Instrumentos del mundo
Instrumentos del mundoInstrumentos del mundo
Instrumentos del mundo
Marina822
 
Rosa bolaños hi_rosa_maria_reales
Rosa bolaños hi_rosa_maria_realesRosa bolaños hi_rosa_maria_reales
Rosa bolaños hi_rosa_maria_reales
RedvolucionCesarNorte
 
Sistema endocrino.
Sistema endocrino.Sistema endocrino.
Sistema endocrino.
Laddy Anchundia
 
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
Prefeitura Municipal de São Ludgero
 
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-finalShiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
mohersi
 
Cisco 2461-9462A
Cisco 2461-9462ACisco 2461-9462A
Cisco 2461-9462A
savomir
 
Trabajo infor redes
Trabajo infor redesTrabajo infor redes
Trabajo infor redes
Pablo Arias
 
Arrepentimiento
ArrepentimientoArrepentimiento
Arrepentimiento
Blogclavijo
 
Hábitos de estudio
Hábitos de estudioHábitos de estudio
Hábitos de estudio
0983115009
 
Um problema de patas
Um problema de patasUm problema de patas
Um problema de patas
M Carmo Costa
 
Unidad 5
Unidad 5Unidad 5
Unidad 5
Fátima Rivas
 
Carnavaleando
CarnavaleandoCarnavaleando
Carnavaleando
Marina822
 
Fichas bibliográficas 4 periodo
Fichas bibliográficas 4 periodoFichas bibliográficas 4 periodo
Fichas bibliográficas 4 periodo
Katherin Beltran
 

Destaque (19)

Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao độngGiáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
Giáo trình thiết kế quần áo bảo hộ lao động
 
MEDICINA
MEDICINAMEDICINA
MEDICINA
 
Prezicreativecommons
PrezicreativecommonsPrezicreativecommons
Prezicreativecommons
 
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортовТеннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
Теннисный тренажерный комплекс, оборудование для грунтовых кортов
 
Fisiologia vegetal aspectos_basicos
Fisiologia vegetal aspectos_basicosFisiologia vegetal aspectos_basicos
Fisiologia vegetal aspectos_basicos
 
Clasen1java
Clasen1javaClasen1java
Clasen1java
 
Instrumentos del mundo
Instrumentos del mundoInstrumentos del mundo
Instrumentos del mundo
 
Rosa bolaños hi_rosa_maria_reales
Rosa bolaños hi_rosa_maria_realesRosa bolaños hi_rosa_maria_reales
Rosa bolaños hi_rosa_maria_reales
 
Sistema endocrino.
Sistema endocrino.Sistema endocrino.
Sistema endocrino.
 
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
Boletim informativo de vigilância da qualidade do ar nº 002
 
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-finalShiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
Shiftingsands temenos 8th-annual_survey-final
 
Cisco 2461-9462A
Cisco 2461-9462ACisco 2461-9462A
Cisco 2461-9462A
 
Trabajo infor redes
Trabajo infor redesTrabajo infor redes
Trabajo infor redes
 
Arrepentimiento
ArrepentimientoArrepentimiento
Arrepentimiento
 
Hábitos de estudio
Hábitos de estudioHábitos de estudio
Hábitos de estudio
 
Um problema de patas
Um problema de patasUm problema de patas
Um problema de patas
 
Unidad 5
Unidad 5Unidad 5
Unidad 5
 
Carnavaleando
CarnavaleandoCarnavaleando
Carnavaleando
 
Fichas bibliográficas 4 periodo
Fichas bibliográficas 4 periodoFichas bibliográficas 4 periodo
Fichas bibliográficas 4 periodo
 

Semelhante a A importância da reflexão sobre a

Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
Fabiano Antunes
 
Projeto monografia 2
Projeto monografia 2Projeto monografia 2
Projeto monografia 2
Leonor
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
adrianamnf13
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didática
pibidbio
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
DrikaSato
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
Alan Ciriaco
 
Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
 Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
Marcos Elias
 
620 2268-1-pb
620 2268-1-pb620 2268-1-pb
620 2268-1-pb
Daniel Felipe
 
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Samuel Robaert
 
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Marcia Moreira
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
gepef
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
ProfessorPrincipiante
 
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
ProfessorPrincipiante
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
Cida Cerqueira
 
Apresentação formação de professores
Apresentação formação de professoresApresentação formação de professores
Apresentação formação de professores
Margarete Borga
 
Livreto quimica
Livreto quimicaLivreto quimica
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIALANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ProfessorPrincipiante
 
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
Albano Novaes
 
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
Marisa Correia
 

Semelhante a A importância da reflexão sobre a (20)

Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
 
Projeto monografia 2
Projeto monografia 2Projeto monografia 2
Projeto monografia 2
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
 
Modalidade didática
Modalidade didáticaModalidade didática
Modalidade didática
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
O descompasso entre a formação do licenciado em educação física e a necessida...
 
Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
 Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
Novosrumosparaolaboratorioescoladecienciasatarcisoborgespp .arquivo
 
620 2268-1-pb
620 2268-1-pb620 2268-1-pb
620 2268-1-pb
 
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
Ensinar ciências por investigação. em que estamos de acordo.
 
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
Ensino+de+++ciências+abordando+a+pesquisa+e+a+prática+no+ensino+fundamental++...
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Atitude critica
 
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
AS ESCOLHAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS QUE ORIENTAM PROFESSORES/AS DE EDUCAÇÃO FÍS...
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
 
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
“NINGUÉM ENSINA NINGUÉM” E “AINDA SOU MUITO O CENTRO DA AULA”: NOTAS SOBRE CO...
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
 
Apresentação formação de professores
Apresentação formação de professoresApresentação formação de professores
Apresentação formação de professores
 
Livreto quimica
Livreto quimicaLivreto quimica
Livreto quimica
 
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIALANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
ANÁLISE DE PRÁTICAS DE ENSINARAPRENDER NA FORMAÇÃO INICIAL
 
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
Apres.Ppoint.Orient.Didat.Prof.CiêNcias.Op2
 
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
TRABALHO LABORATORIAL E PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS FÍSI...
 

A importância da reflexão sobre a

  • 1. e n sa i o vol 5 • nº 2 • out 2003 A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS THE IMPORTANCE OF REFLECTION ON TEACHING PRACTICE FOR PRE -SERVICE B IOLOGY TEACHER EDUCTION Geilsa Costa Santos Baptista* RESUMO: Este artigo tem por objetivo demonstrar a importância da reflexão para a formação docente inicial em Ciências Biológicas a partir dos resultados de experiências práticas vivenciadas com alunos pré-formandos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana-Bahia e de investigações teóri- cas sobre ensino e formação docente, desenvolvidos junto ao Núcleo de Estudos e Pes- quisas sobre Formação de Professores (NUFOP). Conclui-se que ao oferecer aos licenciandos oportunidades para reflexões e discussões permite-se que estes posicionem- se criticamente em relação às suas futuras atividades pedagógicas, desenvolvendo as suas consciências de que ser professor é assumir uma postura pedagógica de investigação e não mais de mero repetidor de conhecimentos. Palavras-chave: Formação docente; Prática de Ensino; Ciências Biológicas. ABSTRACT: The goal of this article is to demonstrate the importance of reflection in the preservice biology teacher education based on results of practical experiences with stu- dents of the course of Biological Sciences at the State University of Feira de Santana- Bahia, as well as on theoretical investigations about teaching and teacher’ education, developed at the Nucleus of Studies and Research about Teacher Education (NUFOP). We concluded that as we offer to prospective teachers opportunities to reflect and discuss, we make it possible for them to critically adopt a position in relation to pedagogic activities in the future. Thus, they will develop conscience that being a teacher involves adopting a pedagogic posture of inquiry and not anymore to be merely a knowledge reproducer. Key-word: Teacher education; Teaching Practice; Biological sciences, Teaching Methods courses. * Departamento de Educação - UEFS, Núcleo de Estudos e Pesquisas Sobre a Formação de Professores, UEFS; Grupo de Pesquisa em História, Filosofia e Ensino de Ciências e Biologia, UFBA e-mail: geilsa@uefs.br 4
  • 2. e n s a io vol 5 • nº 2 • out 2003 1. INTRODUÇÃO Durante muito tempo da história da educação brasileira o ensino de Ciências, bem como todo o cenário escolar, esteve dominado pelo modelo tradicionalista o qual preocupava- se apenas com a transmissão dos conhecimento produzidos pela Ciência ao longo da história da humanidade. Aos alunos cabia a memorização, com base em questionários e livros didáticos, e a repetição dos conteúdos nas provas realizadas, as quais tinham por objetivo central a promoção para séries posteriores. O conhecimento científico era tomado como neutro e não se punha em questão a verdade científica (BRASIL, 1997). Nessa perspectiva, segundo Monteiro citado por Nunes (2003), ocorria a redução da racionalidade prática à mera racionalidade instrumental, o que obrigava o docente a incorporar as definições externas dos objetivos da sua intervenção, assumindo uma postura passiva diante dos modelos curriculares elaborados por especialistas e dos conteúdos apresentados nos livros didáticos. A formação inicial dos professores era centrada na preparação de profissionais capazes de transmitir conhecimentos já elaborados - e dava profunda ênfase nos conteúdos específicos de sua área de conhecimento, consagrando a separação entre teoria e prática (DOMINGUES, 1998). Um estudo realizado por Nunes (2003), sobre o histórico do ofício docente no Brasil, revela que somente na década de 1970 foi ficando cada vez mais evidente que a idéia de capacitar o professor com uma linguagem científica e cultural, que assegurasse o conhecimento de um conteúdo a ser ensinado, bem como dotá-lo de alguns componentes psico-pedagógicos, para aprender a atuar em sala de aula, já não oferecia instrumentos teóricos necessários para responder aos desafios do cotidiano escolar. Segundo Rondina (2001), esses desafios envolviam a preocupação com conteúdos das idéias dos estudantes em relação aos diversos conceitos científicos aprendidos na escola. Segundo Brasil (1998), foi a partir da década de 1980 que o conhecimento escolar deixa de ser entendido como inquestionável passando a ser encarado como um processo. Para Becker citado por Rondina (2001, p. 151) “(...) o aluno passa a ser o centro do processo de ensino-aprendizagem”. Atualmente, a idéia de valorização de pré-concepções científicas está cada vez mais presente nas pesquisas e na literatura em educação (Moreira, 1999; Bizzo, 2001, Melo, A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. 5
  • 3. e n sa i o vol 5 • nº 2 • out 2003 2002), que reconhecem que o aprendizado científico não é alheio às questões sócio- culturais (BRASIL, 1998). De maneira geral, esses trabalhos têm procurado demonstrar que o aluno estabelece múltiplas relações com o seu meio físico e social e que está interagindo com o meio mais amplo do que o escolar. Isto, certamente exige que o profes- sor não mais assuma uma postura tradicional de ensino, isto é, não mais considere o aluno, do ponto de vista da cognição, como uma “tabula rasa” que vai interagir com objetos do conhecimento somente no contexto da educação escolar (DELIZOICOV, 2002). Porém, embora muito tenha se mexido no planejamento educacional do pais, na tentativa de que o currículo escolar passe a conceber o aluno como um ser responsável pela construção dos seus conhecimentos, abrindo espaço para que este possa estabelecer relações com o mundo ao seu redor, pode-se afirmar que “(...) há evidências de que, apesar de todas as repulsas verbais, hoje continua-se fazendo nas aulas de ciências praticamente o mesmo que há 60 anos” (Yager e Penick citado por Carvalho e Gil-Pérez, 2003, p. 38), ou seja, os professores continuam tendo impregnada em suas práticas pedagógicas a visão do aluno como um receptor passivo de suas informações prestadas na sala de aula. Segundo Carvalho e Gil-Pérez (2003), trata-se de uma formação docente que não está submetida a uma crítica explícita, constituindo-se, portanto, em algo “natural”, sem questionamento efetivo. Ainda segundo esses autores, para uma crítica fundamentada do ensino habitual e do pensamento docente é preciso: 1) Conhecer as limitações dos habi- tuais currículos enciclopédicos e, ao mesmo tempo, reducionistas (deixando de lado aspectos históricos, sociais etc); 2) Conhecer as limitações da forma habitual de introdu- zir conhecimentos (esquecer as concepções espontâneas dos alunos, tratamentos pura- mente operativos etc); 3) Conhecer as limitações dos trabalhos práticos habitualmente propostos (como uma visão deformada do trabalho científico); 4) Conhecer as limitações dos problemas habitualmente propostos (simples exercícios repetitivos); 5) Conhecer as limitações das formas de avaliação habituais (terminais, limitadas e conceituais); 6) Co- nhecer as limitações das formas de organização escolar habituais, muito distantes das que podem favorecer um trabalho de pesquisa coletivo. Compreende-se, então, a necessidade de conduzir os futuros professores, na sua forma- ção inicial, a partir das suas próprias concepções, a ampliar seus recursos e modificar suas idéias e atitudes de ensino (CARVALHO, 2003). A formação docente inicial já não pode mais ser reduzida ao estudo e domínio de conteúdos e técnicas para serem utilizadas em suas futuras práticas pedagógicas e até mesmo conduzindo estes a assumir uma Geilsa Costa Santos Baptista 6
  • 4. e n s a io vol 5 • nº 2 • out 2003 postura acrítica, como estagiários e meros executores de tarefas solicitadas pelos regentes de estágio supervisionado dentro das universidades ou faculdades. É, nesse contexto, que Mizukami (2002, p. 167) situa o conceito de reflexão-sobre-a-ação “(...) como um caminho para o aprimoramento da prática e a formação dos professores, por ajudar a refazer o caminho trilhado possibilitando descobrir acertos e erros, e tentar construir novos rumos para a atuação, quando necessário”. Assim sendo, acreditando na importância da reflexão sobre a ação para que se formem docentes que compreendam a si mesmos e ao mundo à sua volta, levando-os ao questionamento do saber e da experiência (Cerri e Lucca, 2003) é que o objetivo central deste trabalho é demonstrar a importância da reflexão sobre a prática de ensino1 para a formação docente inicial a partir dos resultados de experiências práticas vivenciadas com alunos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana - Bahia2 , durante atividades práticas desenvolvidas na disciplina Metodologia e Prática do Ensino de Ciências e Biologia, na qual o Estágio Supervisionado está incluído, bem como de investigações teóricas desenvolvidos junto ao Núcleo de Estudos e Pesqui- sas sobre a Formação de Professores (NUFOP) sobre e ensino e formação docente em Ciências Biológicas. Os objetivo dessas atividades teve como referencial uma das propostas de Carvalho e Gil-Pérez acima descritas, ou seja, a de conhecer as limitações da forma habitual de introduzir conhecimentos. Assim, o objetivo das atividades foi centrado em proporcionar ao aluno, futuro docente, a oportunidade para refletir sobre a forma usual do planejamento de ensino partindo da sua observação, análise e discussão. 2. METODOLOGIA As referidas experiências aconteceram através de uma abordagem qualitativa, durante os anos de 2002 e 2003 envolvendo duas turmas, no total de 17 alunos pré-formandos, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana. Os procedimentos desenvolvidos para a obtenção dos dados foram os mesmos em ambas as turmas: Inicialmente, foi solicitado a seleção de conteúdos de ensino de Ciências ou de Biologia, a critério dos alunos, partindo das suas experiências individuais e coletivas. Com base na seleção dos conteúdos, foi lançada para os alunos uma questão problema: Qual seria o método mais adequado para o ensino dos conteúdos selecionados? Neste momento, abriu-se espaço para discussão, deixando margem para os alunos explicitarem A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. 7
  • 5. e n sa i o vol 5 • nº 2 • out 2003 as suas idéias e concepções, com indicação de um método de ensino. Tendo selecionado um método, os alunos realizaram análises sobre a abordagem dos conteúdos em diferentes livros didáticos quanto a linguagem, exercícios propostos, ilus- trações, contextualização etc. Com base nisso, foi solicitado aos aluno o planejamento de ensino dos conteúdos selecionados. Por último, a reflexão sobre os planejamentos elaborados que partisse da observação, da análise e da discussão sobre os mesmos. É importante aqui ressaltar que todas as ativida- des foram desenvolvidas em grupos e que durante as mesmas houve acompanhamento por parte da orientadora (autora), sempre buscando despertar nesses a necessidade de se refletir sobre os diversos saberes que envolvem a docência. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os conteúdos selecionados pelos alunos foram diferentes, a saber: Meio Ambiente, pela primeira turma em 2002, e Sistema Solar, pela Segunda turma em 2003. As duas turmas envolvidas indicaram a excursão pedagógica como método que melhor o ensino dos conteúdos que foram selecionados: “A excursão pedagógica é um excelente caminho que permite ao professor contextualizar3 o ensino de Ciências e também de Biologia porque o aluno é levado a ao contato planejado com a natureza e perceber que ela não é apenas um conteúdo do livro didático que o professor utiliza em sala de aula (...)”. Aqui o aluno demonstra a importância da junção dos objetos de ensino à prática cotidiana dos alunos. Neste contexto Cavalcante (2004), argumenta que uma excursão pedagógica constitui um meio eficiente de estudar Ciências, que envolve o incentivo à investigação, o estímulo ao questionamento e a utilização de recursos além do livro didático e a realização de atividades fora do espaço da sala de aula. Após análises e discussões sobre os conteúdos selecionados em diferentes livros didáticos, houve consenso por parte dos futuros professores quanto a sua abordagem descontextualizada: “A maioria das citações nos livros didáticos que nós consultamos apresentam os conteúdos com uma linguagem apenas científica, não relacionado-a com contextos e situações para que os aprendizes encontrem significados práticos”. Os alunos declararam que os livros consultados apresentaram diferentes versões para um único fato; os textos não são provocativos e os exercícios não estimulam o raciocínio dos alunos problematizando as questões. Geilsa Costa Santos Baptista 8
  • 6. e n s a io vol 5 • nº 2 • out 2003 Partindo das análises dos conteúdos selecionados, os alunos elaboraram planejamentos de ensino, tendo a excursão pedagógica como caminho para alcançar a sua contextualização. De maneira geral, os itens inseridos pelos alunos foram: conteúdos, objetivos, procedi- mentos, recursos didáticos, avaliação e interdisciplinaridade. Os locais selecionados para a execução da excursão foram distintos entre as duas turmas, a saber: A primeira turma, a do ano de 2002, indicou o Parque Zoobotânico Getúlio Vargas4 como local a ser visitado, localizado em Salvador, capital da Bahia. A justificativa apresentada pelos alunos para a escolha deste local foi que o mesmo consegue abranger amplas características dos elementos naturais. A Segunda turma, a do ano de 2003, indicou o Observatório Astronômico Antáres 5 , localizado na cidade de Feira de Santana-Bahia, justificando a sua escolha por ser um centro de observações astronômicas e dispor de equipamentos capazes de simular o movimento real dos planetas no sistema solar, supondo despertar a curiosidade dos estudantes para observação. Considerando o planejamentos de ensino bem como local a ser visitado, os alunos em campo, isto é, nos locais que indicaram para a realização de uma excursão pedagógica, observaram seus planejamentos, analisaram os seus itens criticamente e discutiram a viabilidade de aplicação dos mesmos. No Parque Zoobotânico Getúlio Vargas, os licenciandos afirmaram que no ensino de Ciências e Biologia, o professor para contextualizar os conteúdos de ensino deverá per- mitir aos seus alunos o contato com ambientes que lhes sejam próprios, onde estes possam relacionar os conceitos teóricos que são abordados em sala de aula com a realida- de que lhes é comum. Isto ficou claro quando um dos licenciandos, ao observar o espaço natural que compreende o Parque Zoobotânico explicitou sua idéia: “(...) podemos traba- lhar classificação zoológica, se mostrarmos aos nossos alunos os representantes ani- mais na própria natureza, o que vai lhe ajudar na associação ou não dos conceitos (...)”. A partir daí foi aberta uma ampla discussão com os discentes sobre contextualização dos conteúdos e sobre os planejamentos por eles elaborados, pois estes perceberam que a realidade em que vão atuar como professores, município de Feira de Santana, pertence não ao ecossistema de Mata Atlântica, no qual está localizado o Parque, mas ao ecossistema de Caatinga. Aqui, ficou evidente que o local escolhido pelos alunos não faz parte da realidade física e nem social da qual irão atuar como professores. Na visão de um aluno: “A escolha do parque Zoobotânico como local para ministrar uma aula sobre A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. 9
  • 7. e n sa i o vol 5 • nº 2 • out 2003 Meio Ambiente Natural não foi acertada, porque o professor que tem sua realidade escolar, e consequentemente dos alunos, inserida na Caatinga não despertará o interesse e a participação do aluno se discutir sobre as espécies nativas do ecossistema de Mata Atlântica ou de outros ecossistemas que estão representadas aqui no Parque (...)”. No Observatório Astronômico Antares, os alunos consideraram que a visita ao local permite ao professor conduzir os aprendizes a pesquisar informações sobre os planetas: “O Observatório está inserido na nossa comunidade e assim fica fácil trazer o aluno para pesquisar a origem dos nomes dos planetas, seus dados físicos, seus símbolos astronômicos etc”. Também consideraram que no planetário, que está localizado dentro do espaço físico do Observatório Astronômico, os aprendizes podem observar o céu e ver a simulação do posicionamento das estrelas no mesmo e conhecer a história da Astronomia. A partir disso, os alunos repensaram os seus planos e concluíram que é preciso refletir sobre a ação pedagógica pois perceberam que não se pode planejar partindo da cópia de um livro didático, cujo os objetivos nada tenham a ver com o dia-a-dia dos alunos. Na fala de uma aluna: “No ensino de Ciências Biológicas se faz necessário que o professor defina anteriormente os objetivos, pensando nos interesses e possibilidades dos alunos, o local a ser visitado, que deverá fazer parte da realidade física, social e cultural do aluno, de acordo com as suas expectativas, necessidades e experiências”. 4. CONCLUSÕES É fato conhecido que o desenvolvimento profissional dos professores está intimamente relacionado com sua formação. Assim, afirma Delizoicov (2002), as transformações das práticas docentes só se efetivarão se o professor ampliar sua consciência sobre a própria prática, o que pressupõe os conhecimentos teóricos e críticos sobre a realidade. O desenvolvimento de tal consciência é possível ainda na graduação, durante a vida acadêmica, onde o futuro professor, ao preparar-se para assumir sua função de educador, deverá refletir sobre a prática de ensino. As experiências vivenciadas, se revelaram estratégia importante, pois ao oferecer aos licenciandos oportunidades para reflexões sobre a prática de ensino, percebeu-se que os mesmos atinaram para a importância da reflexão sobre a própria ação, no caso específico sobre o planejamento de alguns conteúdos de ensino, apontando para a necessidade de Geilsa Costa Santos Baptista 10
  • 8. e n s a io vol 5 • nº 2 • out 2003 sua ressignificação. Do mesmo modo, pôde-se refletir sobre a própria prática docente, na formação de professores de Ciências Biológicas, a qual já não pode mais se ater ao modelo da racionalidade técnica. Assim sendo, conclui-se que preparar o futuro professor para atuar no ensino de Ciências e Biologia na atualidade, requer oferecer-lhe momentos práticos para reflexões sobre esse mesmo ensino, antecedendo a sua atuação enquanto docente, na tomada de consciência de que ser professor é assumir uma postura pedagógica investigação e não mais de mero repetidor de conhecimentos. 1 Aqui, a expressão Prática de Ensino é definida segundo Ferreira (2003), a qual refere-se tanto ao estágio supervisionado quanto às atividades formativas a ele relacionadas 2 Segundo o Colegiado de Biologia, o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) foi implantado em 1986 (Portaria Ministerial Nº 346 De 03/03/94, DOU 07/03/94). O licenciado em Ciências Biológicas atua predominantemente no ensino básico das escolas públicas estaduais e municipais do município de Feira de Santana, localizado na região semi-árida do estado da Bahia. Este deve ser um profissional capacitado como educador, responsável pelo aperfeiçoamento do processo educativo, do sistema educacional do país e crítico dos processos históricos da evolução da educação visando sempre um ensino ativo e participativo que estimule nos alunos a capacidade de pensar, lógica e criticamente. O currículo do curso - que atualmente encontra-se em transição para um novo currículo que atenda às exigências das atuais normativas legais brasileiras sobre formação de professores - é constituído por disciplinas de Currículo Mínimo (desdobradas das matérias pedagógicas), Complementares Obrigatórias e Complementares Optativas. Entre as disciplinas pedagógicas encontra-se a EDU 254-Metodologia e Prática do Ensino de Ciências e Biologia com 150 horas distribuídas entre 30 horas de teoria, 30 horas de prática e 90 horas de estágio supervisionado. Dentre outros, o objetivo central desta disciplina é analisar de forma crítica e transformadora o ensino de Ciências Biológicas no pais e, do mesmo modo, fornecer subsídio para uma prática docente reflexiva e inovadora. 3 O conceito de “contextualização do Ensino” trabalhado com os discentes foi de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacional para o Ensino Médio (Brasil, 2004) o qual significa dar sentido ao que se aprende. A contextualização retira o aluno da condição de espectador passivo, ao trazer para a escola experiências pessoais, sociais e culturais. 4 Segundo informações contidas na sua home-page em 05/08/2004, o espaço do Parque Zoobotânico Getúlio Vargas é de aproximadamente 250.000 m2 e está reservado para a exposição de animais silvestres, para atividades de educação ambiental, e apoio às pesquisas de fauna e flora. O Zôo também é especializado como centro de estudos e exposição de animais da fauna brasileira, uma vez que das 120 espécies atualmente alojadas na Zôo, 80% destas pertencem à fauna do Brasil. Para maiores informações, consultar: <http://www.girafamania.com.br/introducao/ zoo_salvador.html > 5 Segundo informações contidas na sua home-page em 05/08/2004, o Observatório Astronômico Antares funciona como um centro de pesquisa, difusão e ensino no campo das ciências astronômicas, astrofísicas, atmosféricas e sensoriamento remoto. Nele, são desenvolvidas atividades com professores e estudantes do ensino Fundamental, Médio e Superior, destacando-se as observações astronômicas ao vivo, aulas, cursos, palestras, projeções de vídeo sobre a história dos programas espaciais, utilização da biblioteca e seções no Planetário. Para maiores informações, consultar: < http://www.uefs.br/antares/> A IMPORTÂNCIA DA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO PARA A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. 11
  • 9. e n sa i o vol 5 • nº 2 • out 2003 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? 2. Edição. São Paulo: Editora Ática, 2001, 244 p. BRASIL. SEF. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasilia, 1997, 136 p. _________________. Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental. Brasília, 1998, 433 p. _________________. O que é o Ensino Médio?. Arquivo capturado [online] via Internet em 05.08.2004, no endereço eletrônico: http://www.mec.gov.br/semtec/ensmed/ intromedio.shtm CARVALHO, A M. P. de. A Inter-relação entre a Didática das Ciências e a Prática de Ensino. In: SALES, S. E. & FERREIRA, M. S. Formação Docente em Ciências: Memó- rias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 117-135 p. CARVALHO, A. M. P. de e GIL-PÉREZ, D. Formação de Professores de Ciências. São Paulo: Cortez, 2003, 120 p. CAVALCANTE, M. Meio Ambiente: de Perto é bem mais fácil. In: Revista Nova Escola, Ano XIX, Número 169, janeiro/fevereiro de 2004, 46-49 p. CERRI, Y. L. N. S. & LUCCA, D. A Importância do Processo reflexivo na Formação Inicial de Professores de Ciências. In: Anais do I EREBIO: Novo Milênio, Novas Práticas Educacionais? Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2003, 204-207 p. DELIZOICOV, D. e outros. Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2002, 365 p. DOMINGUES, J. L. Anotações de Leitura dos Parâmetros Nacionais do Currículo de Ciên- cias. In: Os Currículos do Ensino Fundamental Para as Escolas Públicas Brasileiras. São Paulo: Autores Associados, 1998, 193-200 p. FERREIRA, S. M. Formação Docente em Ciências Biológicas. Estabelecendo Relações Entre Prática de Ensino e o Contexto Escolar. In: SALES, S. E. & FERREIRA, M. S. Formação Docente em Ciências: Memórias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 29-46 p. MELO, M. do R. de. Ensino de Ciências: uma participação ativa e cotidiana. Arquivo capturado [online] via Internet em 21.03.2002, no endereço eletrônico: < http:// www.rosamelo.com.br>. MIRANDA, I. A Programas de Interação entre a Educação Formal e a Não Formal no MAST. In: Anais do I EREBIO, Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2001, p. 313 - 316 p. MIZUKAMI, M. da G. N. e outros. Escola e Aprendizagem da Docência: processos da Investigação e Formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002, 203 p. MOREIRA, M. A Aprendizagem Significativa. Brasilia: Editora UnB, 1999, 129 p. NUNES, C. Memórias e Práticas na Construção Docente. In: SALES, S. E. & FERREIRA, M. S. Formação Docente em Ciências: Memórias e Práticas. Niterói: Eduff, 2003, 11-27 p. RONDINA, R. de C. A Difusão do Construtivismo no Ensino Fundamental: relato de uma Pesquisa. In: Cadernos de Educação, Vol. 5, Número 01, Cuiabá: EdUNIC, 2001, p. 145- 181. Geilsa Costa Santos Baptista 12