SlideShare uma empresa Scribd logo
Metodologia do ensino de ciências biológicas 1 métodos e procedimentos de ensino 2 métodos e técnicas de ensino de ciências biológicas 3 PCNs de ciências 4 elementos da didática para o ensino de ciências biológicas
Método de ensino Méthodos: caminho para chegar a um fim. Unção de procedimentos, tecnicas e estrategias Técnica de ensino: operacionalização do método Operacional: relativo a operação; que esta pronto para funcionar; que esta em condições de realizar operações.
Piaget: visão da psicologia Métodos verbais tradicionais: por associação Métodos ativos: por construção, cognição. Métodos intuitivos: formação. Ensino programado: acostumar-se, behaviorismo .
Irene de carvalho: educadora. Métodos individualizados: atende a individualidade de cada aluno. Métodos socializados: efetiva-se em grupo. Métodos socioindividualizados: une os outros doi métodos.
Libâneo. Método de exposição pelo professor Método de trabalho independente Método de elaboração conjunta Método de trabalho em grupo Atividades especiais
Exposição pelo professor Exposição verbal: expõe o conteúdo verbalmente. Receptivo-ativo. Demonstração: representa os fatos. Demonstra-se. Ilustração: demonstração gráfica, com imagens, mapas, esquemas, etc. Exemplificação: demonstra com exemplos. Obs: a exposição pelo professor é extremamente nescessaria quando os alunos não conhecem nada do que esta sendo visto. É importante que não haja arbitrariedade por parte do professor, e nem que se torne uma aprendizagem mecanica. O interesse tambem é muito importante.
Método de trabalho independente Tarefa preparatória: exige uma pesquisa prévia do aluno. O aluno se prepara para o conteudo. Tarefa de assimilação de conteudo: os alunos se aprofundam nos conteudos, fazem exercicios e atividades para assimilar. Tarefa de elaboração pessoal: os alunos pensam e criam suas próprias respostas. Obs: os alunos devem já ter um conhecimento prévio do assunto. Enfase na criação. Precisa haver o interesse dos alunos e muita disciplina. O professor deve estar sempre acompanhando e orientando os alunos.
Método de elaboração conjunta Proporciona a interação aluno-professor. Os alunos devem conhecer  algo do assunto como ponto de partida. Este ponto de partida é que proporciona o diálogo. Conversação didática: não funciona como imposição, mas leva os alunos a pensarem e desenvolverem sua faculdades mentais. Deve haver o encorajamento por parte do professor.
Trabalho em grupo Feito em pequenos grupos dentro da sala, sempre com um coordenador responsavel, um lider. Os objetivos das atividades devem ser muito bem explicados e precisa haver disciplina e foco. O grupo discute e expõe para sala o resultado. A seguir, algumas formas de trabalho em grupo:
Debate: debate diante de um grupo com diferentes ponto de vista. Philips 66: seis grupos de seis debatem um tema rapidamente e apresentam sua conclusões. Bom para avaliação. Tempestade mental: um tema é dado e ideias são lançadas. Aquelas com validade são anotadas e assim sucessivamente. GV-GO: um grupo de verbalização (central) discute sobre algo, e um grupo de observação discute sobre a discussão deste primeiro. Seminario: um aluno ou grupo prepara um tema e o apresenta diante da classe, com supervisão do professor.
Atividades especiais São atividades complementares. Estudo do meio: o conteúdo associado ao meio. Exige três fases: Planejamento, execução e exploração dos resultados.
Métodos e técnicas de ensino de ciências biológicas Biologia: é o estudo da vida. Nossa relação com nosso corpo e com nosso meio. O propósito do ensino de ciências biológicas é compreender tudo aquilo que nos cerca.
O ensino de ciências biológicas é dinâmico As ciências de maneira geral estão sempre em constante transformação. Ciências biológicas também devem estar sempre sendo repensadas e atualizadas de maneira a atender as sempre novas necessidades do planeta.
Conhecimento prévio dos alunos Todo aluno quando ingressa no ensino fundamental já traz consigo uma bagagem vinda das suas relações anteriores a escolar, com a família, a comunidade e os meios de comunicação. Esses conhecimentos devem ser respeitados e utilizados em sala de aula.
Biologia e formação social Qual o papel social da biologia? Conscientização dos problemas ambientais. Formar cidadãos comprometidos com o planeta, que respeitam a vida, tanto a sua como a dos outros seres que compartilham a vida no planeta Terra.
Concepções de uma nova didática Qual o sentido de formar alunos repetidores de conceitos e informações? Sabemos que muitos dos conceitos estão errôneos. Cada vez mais há a necessidade de formar cidadãos que pensem por si naquilo que é realmente melhor para ele e a vida em comunidade. A nossa tarefa enquanto educadores é repensar praticas educativas ultrapassadas e inovar em consciência e trabalho de equipe.
Uma didática voltada para a realidade Aquilo que o aluno desenvolve dentro de sala deve ser voltado para sua vida fora dela. Sua vida em comunidade, como ser social capaz de modificar o meio, deve ser de consciência naquilo que é de melhor proveito à ele e os outros seres que com ele convivem. Romper as barreiras da utilização do conhecimento.
A didática e a pedagogia do pensar Para que essa transformação aconteça o trabalho deve acontecer antes em sala de aula, formando cidadãos críticos e atuantes. A capacidade de raciocínio do aluno deve ser trabalhada antes de tudo. Formando seres pensantes estamos prestando um serviço a toda comunidade.
O assunto deve ser interdisciplinado.  Não só o estudo de ciências biológicas deve envolver-se nesse propósito como toda comunidade escolar. As disciplinas todas devem preocupar-se nesse papel de desenvolvimento do aluno crítico e pensante.
A evolução tecnológica e a temática ambiental. O consumismo auxilia no processo de esgotamento do meio ambiente, e esse é um assunto muito delicado, considerando o atual sistema capitalista severo que vivenciamos e nos rouba a humanização. Deve haver a discussão disso também, sempre com muito cuidado. A reflexão neste assunto é indispensável.
Cinco princípios gerais da educação ambiental. Sensibilização: preocupar-se com a atual situação. Compreensão: compreender como tudo acontece. Responsabilidade: sentir-se também responsável pelo que esta acontecendo.  Competência: saber como agir diante da atual realidade. Cidadania: agir, conscientizar, trabalhar em prol do propósito. Em resumo, fazer um trabalho que de resultados satisfatórios.
PCNs de ciências biológicas Os parâmetros curriculares nacionais servem como documentos norteadores para o trabalho didático que será realizado, podendo e devendo serem adaptados a realidade escolar de cada comunidade, para que se torne mais flexível e acessível.
Objetivos para educação básica A educação básica deve beneficiar o aluno para que ele possa desenvolver, de maneira crítica, conhecimentos científicos, relações entre homem e natureza, saberes sobre sua saúde individual e coletiva, e saber utilizar tudo isso na sua vida pratica. Deve valorizar o trabalho grupal e saber utilizar conceitos científicos básicos.
Organização da estrutura curricular do ensino básico. De acordo com os PCNs, a estrutura do ensino básico é organizada por ciclos. Segundo esta proposta o aluno passa por ciclos de desenvolvimento, sendo assim, fica mais fácil a adaptação dos conteúdos para sua vida pratica e quebramos alguns conceitos atrasados como o conhecimento mecânico.
Ciclos Os ciclos no ensino fundamental estão organizados de dois em dois anos. O primeiro ciclo contempla primeiro, segundo e terceiro anos. O segundo ciclo, quarto e quinto anos. O terceiro, sexto e sétimo anos. O quarto e ultimo ciclo do ensino fundamental contempla os oitavo e nono anos.
Os conteúdos de ciências naturais no ensino fundamental. Os conteúdos apresentam-se em blocos tematicos para que não sejam tratados como assuntos isolados e sim inter-relacionados  entre si e interdependentes.
Seleção de conteúdos Alguns critérios são necessários na escolha dos conteúdos abordados. São eles: Os conteúdos devem ser compatíveis com o desenvolvimento do aluno. Devem favorecer uma construção de visão de mundo. Devem ter relevância na vida pratica do aluno, para seu aproveitamento e de sua comunidade.
Os blocos temáticos. Os blocos sugerem o conteúdo, mas cabe ao professor desenvolver seu planejamento. São eles: Ambiente; Ser humano e saúde; Recursos tecnológicos; Terra e universo.
As séries finais do ensino fundamental. Até esta fase, o papel de preparar o aluno é do pedagogo. Do sexto ao nono ano (terceiro e quarto ciclo) o professor especifico de ciencias tem o papel de formar um aluno critico tendo entendimento sobre ser humano e meio ambiente, bem como sua relação.
Objetivos para o terceiro ciclo. Dentre outros, citaremos dois objetivos de aprendizagem: Reconhecer que a humanidade sempre se envolveu com o conhecimento da natureza e que a ciência, uma forma de desenvolver este conhecimento, relaciona-se com outras atividades humanas. Caracterizar os movimentos visíveis de corpos celestes no horizonte e seu papel na orientação espaço-temporal hoje e no passado da humanidade.
Conteúdos para o terceiro ciclo Terra e universo: informações sobre o tempo, como os astros e os corpos celestes se relacionam com tal  tematica; concepção de universo; constituição da Terra. Vida e ambiente: transformações no meio ambiente e a responsabilidade do homem; cadeia alimentar; ecossistemas brasileiros; investigação da vida na terra.
Ser humano e saúde: alimentos plásticos energéticos e reguladores; função dos alimentos no nosso corpo, sistema digestivo; sistema reprodutor e sexo seguro. Tecnologia e sociedade: tecnologia e ambiente, vantagens e problemas; informática e qualidade de vida; processo de produção dos equipamentos; conservação dos alimentos.
Critérios de avaliação para o terceiro ciclo Varias são as características que os alunos devem apresentar para concluir o terceiro ciclo, dentre elas apresento duas: Descrever os movimentos do sol, da lua e das estelas em relação ao horizonte, localizando os pontos cardeais durante o dia e a noite, mediante expressão oral, produção de texto ou desenhos com legenda. Elaborar dieta balanceada para seu próprio consumo, descrevendo o aspecto cultural presente em sua alimentação, explicando a digestão dos alimentos e a nutrição do corpo.
Objetivos para o quarto ciclo Dentre outros, citaremos dois objetivos de aprendizagem: Compreender e exemplificar como as necessidades humanas, de caráter social, prático ou cultural, contribuem para o desenvolvimento do conhecimento científico ou, no sentido inverso, beneficiam-se desse  conhecimento. Compreender como as teorias geocêntrica e heliocêntrica explicam os movimentos dos corpos celestes.
Conteúdos para o quarto ciclo. Terra e universo: identificar constelações, estrelas e planetas; gravidade; modelo heliocêntrico; comparação entre heliocentrismo e geocentrismo; organização estrutural da Terra; valorização do conhecimento historicamente acumulado. Vida e ambiente: relação entre a história geológica do planeta e a evolução dos seres vivos; seres vivos e processos adaptativos; reprodução dos seres vivos; ciclos do carbono e do oxigênio; estados físicos e ciclo da água; poluição e suas mudanças no meio ambiente.
Ser humano e saúde: compreensão do organismo humano como um todo; doenças comuns e saúde coletiva e individual; processos comuns a todas as células do organismo humano e de outros seres vivos; sistemas nervoso e hormonal; sexo seguro e gravidez planejada. Tecnologia e sociedade: alterações no ambiente por vários motivos; extração e produção de energia, valorizando a preservação dos recursos naturais; compreensão das relações de mão dupla entre as necessidades sociais e a evolução das tecnologias, valorizando a saúde e a qualidade de vida.
Critérios de avaliação para o quarto ciclo Varias são as características que os alunos devem apresentar para concluir o quarto ciclo, dentre elas apresento duas: Comparar as teorias geocêntrica e heliocêntrica em relação aos movimentos dos corpos celestes, as diferentes concepções de Universo e sua importância histórica. Reconhecer relações entre as funções de nutrição, as reguladoras e as reprodutivas no organismo humano, tanto no se funcionamento normal como em situações de risco.
Documentos oficias orientadores do ensino de biologia no e. medio LDB de 1996; DCNEM (diretrizes curriculares para o ensino médio) 1998; PCNEM (parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio) 2000; PCN+ de 2002; OCNEM (orientações curriculares nacionais para o ensino médio) 2006.
Biologia no ensino médio No ensino médio, os conhecimentos adquiridos no ensino fundamental deve se tornar efetivos. O aluno já deve agir como ser consciente do seu papel no meio em que vive. Amplia os conteúdos já trabalhados para formar um cidadão consciente e atuante.
As finalidades de biologia no ensino médio São quatro finalidades que resumidas ficam assim: Aprofundar os conhecimentos do ensino fundamental; Preparação básica para a vida fora da escola, flexibilidade para adaptar-se, se for o caso; Formação ética, desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; Usar na pratica os ensinamentos adquiridos.
Competências e habilidades a serem desenvolvidas. Representação e comunicação: saber representar e distinguir os conhecimentos científicos; expressar dúvidas, idéias e conclusões acerca dos fenômenos biológicos. Investigação e compreensão: relacionar fenômenos, utilizar critérios científicos, estabelecer relações, formular questões, utilizar noções e conceitos (escolar e lógica externa) Contextualização sociocultural: a relação entre homem e meio ambiente, processos históricos e resultados. Criticidade para agir no meio.
Conteúdos para o ensino médio No ensino médio os conteúdos do ensino fundamental são revistos e aprofundados para que haja a efetivação dos conhecimentos e conceitos que foram aplicados. Assim eles devem desenvolver e aperfeiçoar tudo o que viram no terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental.
Temas estruturados e unidades temáticas. São seis temas estruturados que auxiliam no trabalho pedagógico do professor. Este deve aperfeiçoar os conteúdos de acordo com a realidade da comunidade escolar onde atua e o perfil de seus estudantes.
1:Interações entre os seres vivos Unidade 1.1: a independência da vida. Unidade 1.2: os movimentos dos materiais e da energia na natureza. Unidade 1.3: desorganizando os fluxos da matéria e da energia: a intervenção humana e os desequilíbrios ambientais. Unidade 1.4: problemas ambientais brasileiros e o desenvolvimento sustentável: uma relação possível?
2:Qualidade de vida das populações humanas. Unidade 2.1: o que é saúde? Unidade 2.2: a distribuição desigual da saúde pelas populações. Unidade 2.3: as agressões a saúde das populações. Unidade 2.4: saúde ambiental.
3: Identidade dos seres vivos. Unidade 3.1: a organização celular da vida. Unidade 3.2: as funções vitais básicas. Unidade 3.3: DNA: a receita da vida. Unidade 3.4: tecnologias de manipulação do DNA.
4: Diversidade da vida Unidade 4.1: a origem da diversidade. Unidade 4.2: os seres vivos diversificam os processos vitais. Unidade 4.3: organizando a diversidade dos seres vivos. Unidade 4.4: a diversidade ameaçada.
5: Transmissão da vida, ética e manipulação genética. Unidade 5.1: os fundamentos da hereditariedade. Unidade 5.2: genética humana e saúde. Unidade 5.3: aplicações da engenharia genética. Unidade 5.4: os benefícios e os perigos da manipulação genética: um debate ético.
6: Origens e evolução da vida. Unidade 6.1: hipóteses sobre a origem da vida e vida a primitiva. Unidade 6.2: idéias evolucionistas e a evolução biológica. Unidade 6.3: a origem do ser humano e a evolução cultural. Unidade 6.4: a evolução sob intervenção humana.
Critérios de avaliação. Quatro parâmetros podem servir como critérios no processo de avaliação: A) apropriação dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental. B) relação entre a teoria e a prática. C) preparação do aluno para o mundo do trabalho e o exercício da cidadania. D) formação ética e desenvolvimento de uma personalidade autônoma e crítica.
Elementos da didática para o ensino de ciências biológicas. Existem algumas ferramentas que auxiliam o trabalho do professor para que o conhecimento se torne efetivo. Estas ferramentas são chamadas estratégias, e o professor deve saber como utilizá-las corretamente.
Analise do livro didático. Uma importante ferramenta no trabalho didático, deve ser cautelosamente selecionado para que atenda as necessidades do professor em levar o conhecimento aos alunos, construindo cidadãos com autonomia crítica.
Critérios de seleção do livro didático. A aptidão do professor nessa tarefa depende de seus conhecimentos e experiências. Ele deve ter certeza antes de assumir esta responsabilidade.
Um bom livro. Um bom livro deve estimular e auxiliar a construção deste aluno que discutimos até aqui. Deve levar o aluno á pensar, trazer atividades estimulantes e praticas, a complexidade deve ser compatível com a realidade escolar, etc.
Estratégias de ensino. Estratégias e metodologias didáticas: inovar, reinventar a maneira de dar aula. Pesquisa bibliográfica: ler, pesquisar e tirar conclusões. O uso das imagens: uma imagem fala mais que mil palavras.
Aulas praticas. Podem ser feitas dentro e fora da sala de aula. Experimentar, trazer a teoria para a pratica é muito importante. A grande vantagem da biologia é que existe vida em todo lugar.
Trabalho em equipe: promover a socialização dos alunos. Trabalho em equipe. Debate de idéias: desenvolver o debate, estimular a formulação de conceitos e a  troca de informação via debate. Produção textual: tão importante quanto debater, é saber produzir um bom texto. As saídas de campo: estimula, inova, ajuda a assimilar. Seminários: estimula a pesquisa e a auto-confiança. O aluno se prepara e socializa o que preparou.
Conclusões. É viável acreditar no ser humano. A ciência deve trabalhar em favor da vida  não contrária a ela. Aluno: Everton Kunzler Bronzoni.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
luciany-nascimento
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
Mario Amorim
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
César Milani
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
Ludmila Moura
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
Germano Minezes
 
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização CientíficaPré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Pré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRAPré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRA
Alexandre Brust
 
Planejamento de Aula
Planejamento de AulaPlanejamento de Aula
Planejamento de Aula
AnderstedManzini
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
Isadora Girio
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Aula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisaAula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisa
Tereza Carneiro
 
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino FundamentalCURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
SANTINA CÉLIA BORDINI
 
metodologia científica da pesquisa
 metodologia científica da pesquisa metodologia científica da pesquisa
metodologia científica da pesquisa
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário AcadêmicoComo Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Rafael Gonçalves Lima
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais procurados (20)

Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos IniciaisTrabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
Trabalhando Ciências da Natureza nos Anos Iniciais
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
 
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização CientíficaPré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
Pré-iniciação Científica - CTSA - Alfabetização Científica
 
Pré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRAPré-projeto Mestrado UNIFRA
Pré-projeto Mestrado UNIFRA
 
Planejamento de Aula
Planejamento de AulaPlanejamento de Aula
Planejamento de Aula
 
Propriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Aula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisaAula o que é pesquisa
Aula o que é pesquisa
 
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino FundamentalCURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
CURSO 1 - Ciências no Ensino Fundamental
 
metodologia científica da pesquisa
 metodologia científica da pesquisa metodologia científica da pesquisa
metodologia científica da pesquisa
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário AcadêmicoComo Apresentar um Seminário Acadêmico
Como Apresentar um Seminário Acadêmico
 
Teorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em MedicinaTeorias de Aprendizagem em Medicina
Teorias de Aprendizagem em Medicina
 

Destaque

Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciências
Binatto
 
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointA.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
Albano Novaes
 
Conteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências NaturaisConteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências Naturais
pibidbio
 
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
Universidade Federal de Pernambuco
 
Formação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de cienciasFormação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de ciencias
Arminda Almeida da Rosa
 
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
Marlene Sampaio
 
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais FundamentalMetodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
Silmara Vedoveli
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Universidade Federal de Pernambuco
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
celikennedy
 
Ciências naturais no terceiro ciclo
Ciências naturais no terceiro cicloCiências naturais no terceiro ciclo
Ciências naturais no terceiro ciclo
pibidbio
 
PCN e Ensino de Ciências
PCN e Ensino de CiênciasPCN e Ensino de Ciências
PCN e Ensino de Ciências
fimepecim
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
Evelyn Fernandes
 
Plano de aula de ciencias
Plano de aula de cienciasPlano de aula de ciencias
Plano de aula de ciencias
Rosinhamk
 
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
Fabiola Sampaio
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicas
evertonbronzoni
 
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
Cronogramaporsemana100h  1-unidadeCronogramaporsemana100h  1-unidade
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
marizaliealvares
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
Paulo Gomes
 
Aula de metodologia
Aula de metodologiaAula de metodologia
Aula de metodologia
Fábio André
 
Webquest plantas medicinais
Webquest plantas medicinaisWebquest plantas medicinais
Webquest plantas medicinais
Helder Neves de Albuquerque
 
Livro Didatico
Livro DidaticoLivro Didatico
Livro Didatico
janloterio
 

Destaque (20)

Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciências
 
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.PpointA.Ensino.Ciencias.Ppoint
A.Ensino.Ciencias.Ppoint
 
Conteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências NaturaisConteúdos de Ciências Naturais
Conteúdos de Ciências Naturais
 
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
Estratégias Didáticas no Ensino de Ciências e Biologia, Química e Física com ...
 
Formação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de cienciasFormação de professor e o ensino de ciencias
Formação de professor e o ensino de ciencias
 
Planejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciênciasPlanejamento anual de ciências
Planejamento anual de ciências
 
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais FundamentalMetodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
Metodologia e prática do ensino de geografia nas séries iniciais Fundamental
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
 
Ciências naturais no terceiro ciclo
Ciências naturais no terceiro cicloCiências naturais no terceiro ciclo
Ciências naturais no terceiro ciclo
 
PCN e Ensino de Ciências
PCN e Ensino de CiênciasPCN e Ensino de Ciências
PCN e Ensino de Ciências
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
 
Plano de aula de ciencias
Plano de aula de cienciasPlano de aula de ciencias
Plano de aula de ciencias
 
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
Como trabalhar a geografia nas séries iniciais?
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicas
 
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
Cronogramaporsemana100h  1-unidadeCronogramaporsemana100h  1-unidade
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Aula de metodologia
Aula de metodologiaAula de metodologia
Aula de metodologia
 
Webquest plantas medicinais
Webquest plantas medicinaisWebquest plantas medicinais
Webquest plantas medicinais
 
Livro Didatico
Livro DidaticoLivro Didatico
Livro Didatico
 

Semelhante a Metodologia do ensino de ciências biológicas

Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
Hildete Monte Verde
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
familiaestagio
 
Plano de ensino biologia
Plano de ensino biologiaPlano de ensino biologia
Plano de ensino biologia
Geano Lucena
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
familiaestagio
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
pibidbio
 
Budel
BudelBudel
4º bimestre
4º bimestre4º bimestre
Projeto luciane
Projeto lucianeProjeto luciane
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
neivaldolucio
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
familiaestagio
 
Palestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
Palestra Bioética e educação no Ensino FundamentalPalestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
Palestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
Marta Fischer
 
Aula De Pedagogia
Aula De PedagogiaAula De Pedagogia
Aula De Pedagogia
Silas Duarte Jr
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
renatalguterres
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
Jacqueline Alexandrino
 
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptxO_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
jnrm
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
familiaestagio
 
Projeto gema
Projeto gema Projeto gema
Projeto gema
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
AdrianaEspindola9
 

Semelhante a Metodologia do ensino de ciências biológicas (20)

Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
Documents.tips metodologia do-ensino-de-ciencias-biologicas-559c16638e796
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Plano de ensino biologia
Plano de ensino biologiaPlano de ensino biologia
Plano de ensino biologia
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Budel
BudelBudel
Budel
 
4º bimestre
4º bimestre4º bimestre
4º bimestre
 
Projeto luciane
Projeto lucianeProjeto luciane
Projeto luciane
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Palestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
Palestra Bioética e educação no Ensino FundamentalPalestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
Palestra Bioética e educação no Ensino Fundamental
 
Aula De Pedagogia
Aula De PedagogiaAula De Pedagogia
Aula De Pedagogia
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
 
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptxO_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
O_PLANEJAMENTO_DA_ACAO_DIDATICA_1.pptx
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Projeto gema
Projeto gema Projeto gema
Projeto gema
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
 

Último

Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 

Metodologia do ensino de ciências biológicas

  • 1. Metodologia do ensino de ciências biológicas 1 métodos e procedimentos de ensino 2 métodos e técnicas de ensino de ciências biológicas 3 PCNs de ciências 4 elementos da didática para o ensino de ciências biológicas
  • 2. Método de ensino Méthodos: caminho para chegar a um fim. Unção de procedimentos, tecnicas e estrategias Técnica de ensino: operacionalização do método Operacional: relativo a operação; que esta pronto para funcionar; que esta em condições de realizar operações.
  • 3. Piaget: visão da psicologia Métodos verbais tradicionais: por associação Métodos ativos: por construção, cognição. Métodos intuitivos: formação. Ensino programado: acostumar-se, behaviorismo .
  • 4. Irene de carvalho: educadora. Métodos individualizados: atende a individualidade de cada aluno. Métodos socializados: efetiva-se em grupo. Métodos socioindividualizados: une os outros doi métodos.
  • 5. Libâneo. Método de exposição pelo professor Método de trabalho independente Método de elaboração conjunta Método de trabalho em grupo Atividades especiais
  • 6. Exposição pelo professor Exposição verbal: expõe o conteúdo verbalmente. Receptivo-ativo. Demonstração: representa os fatos. Demonstra-se. Ilustração: demonstração gráfica, com imagens, mapas, esquemas, etc. Exemplificação: demonstra com exemplos. Obs: a exposição pelo professor é extremamente nescessaria quando os alunos não conhecem nada do que esta sendo visto. É importante que não haja arbitrariedade por parte do professor, e nem que se torne uma aprendizagem mecanica. O interesse tambem é muito importante.
  • 7. Método de trabalho independente Tarefa preparatória: exige uma pesquisa prévia do aluno. O aluno se prepara para o conteudo. Tarefa de assimilação de conteudo: os alunos se aprofundam nos conteudos, fazem exercicios e atividades para assimilar. Tarefa de elaboração pessoal: os alunos pensam e criam suas próprias respostas. Obs: os alunos devem já ter um conhecimento prévio do assunto. Enfase na criação. Precisa haver o interesse dos alunos e muita disciplina. O professor deve estar sempre acompanhando e orientando os alunos.
  • 8. Método de elaboração conjunta Proporciona a interação aluno-professor. Os alunos devem conhecer algo do assunto como ponto de partida. Este ponto de partida é que proporciona o diálogo. Conversação didática: não funciona como imposição, mas leva os alunos a pensarem e desenvolverem sua faculdades mentais. Deve haver o encorajamento por parte do professor.
  • 9. Trabalho em grupo Feito em pequenos grupos dentro da sala, sempre com um coordenador responsavel, um lider. Os objetivos das atividades devem ser muito bem explicados e precisa haver disciplina e foco. O grupo discute e expõe para sala o resultado. A seguir, algumas formas de trabalho em grupo:
  • 10. Debate: debate diante de um grupo com diferentes ponto de vista. Philips 66: seis grupos de seis debatem um tema rapidamente e apresentam sua conclusões. Bom para avaliação. Tempestade mental: um tema é dado e ideias são lançadas. Aquelas com validade são anotadas e assim sucessivamente. GV-GO: um grupo de verbalização (central) discute sobre algo, e um grupo de observação discute sobre a discussão deste primeiro. Seminario: um aluno ou grupo prepara um tema e o apresenta diante da classe, com supervisão do professor.
  • 11. Atividades especiais São atividades complementares. Estudo do meio: o conteúdo associado ao meio. Exige três fases: Planejamento, execução e exploração dos resultados.
  • 12. Métodos e técnicas de ensino de ciências biológicas Biologia: é o estudo da vida. Nossa relação com nosso corpo e com nosso meio. O propósito do ensino de ciências biológicas é compreender tudo aquilo que nos cerca.
  • 13. O ensino de ciências biológicas é dinâmico As ciências de maneira geral estão sempre em constante transformação. Ciências biológicas também devem estar sempre sendo repensadas e atualizadas de maneira a atender as sempre novas necessidades do planeta.
  • 14. Conhecimento prévio dos alunos Todo aluno quando ingressa no ensino fundamental já traz consigo uma bagagem vinda das suas relações anteriores a escolar, com a família, a comunidade e os meios de comunicação. Esses conhecimentos devem ser respeitados e utilizados em sala de aula.
  • 15. Biologia e formação social Qual o papel social da biologia? Conscientização dos problemas ambientais. Formar cidadãos comprometidos com o planeta, que respeitam a vida, tanto a sua como a dos outros seres que compartilham a vida no planeta Terra.
  • 16. Concepções de uma nova didática Qual o sentido de formar alunos repetidores de conceitos e informações? Sabemos que muitos dos conceitos estão errôneos. Cada vez mais há a necessidade de formar cidadãos que pensem por si naquilo que é realmente melhor para ele e a vida em comunidade. A nossa tarefa enquanto educadores é repensar praticas educativas ultrapassadas e inovar em consciência e trabalho de equipe.
  • 17. Uma didática voltada para a realidade Aquilo que o aluno desenvolve dentro de sala deve ser voltado para sua vida fora dela. Sua vida em comunidade, como ser social capaz de modificar o meio, deve ser de consciência naquilo que é de melhor proveito à ele e os outros seres que com ele convivem. Romper as barreiras da utilização do conhecimento.
  • 18. A didática e a pedagogia do pensar Para que essa transformação aconteça o trabalho deve acontecer antes em sala de aula, formando cidadãos críticos e atuantes. A capacidade de raciocínio do aluno deve ser trabalhada antes de tudo. Formando seres pensantes estamos prestando um serviço a toda comunidade.
  • 19. O assunto deve ser interdisciplinado. Não só o estudo de ciências biológicas deve envolver-se nesse propósito como toda comunidade escolar. As disciplinas todas devem preocupar-se nesse papel de desenvolvimento do aluno crítico e pensante.
  • 20. A evolução tecnológica e a temática ambiental. O consumismo auxilia no processo de esgotamento do meio ambiente, e esse é um assunto muito delicado, considerando o atual sistema capitalista severo que vivenciamos e nos rouba a humanização. Deve haver a discussão disso também, sempre com muito cuidado. A reflexão neste assunto é indispensável.
  • 21. Cinco princípios gerais da educação ambiental. Sensibilização: preocupar-se com a atual situação. Compreensão: compreender como tudo acontece. Responsabilidade: sentir-se também responsável pelo que esta acontecendo. Competência: saber como agir diante da atual realidade. Cidadania: agir, conscientizar, trabalhar em prol do propósito. Em resumo, fazer um trabalho que de resultados satisfatórios.
  • 22. PCNs de ciências biológicas Os parâmetros curriculares nacionais servem como documentos norteadores para o trabalho didático que será realizado, podendo e devendo serem adaptados a realidade escolar de cada comunidade, para que se torne mais flexível e acessível.
  • 23. Objetivos para educação básica A educação básica deve beneficiar o aluno para que ele possa desenvolver, de maneira crítica, conhecimentos científicos, relações entre homem e natureza, saberes sobre sua saúde individual e coletiva, e saber utilizar tudo isso na sua vida pratica. Deve valorizar o trabalho grupal e saber utilizar conceitos científicos básicos.
  • 24. Organização da estrutura curricular do ensino básico. De acordo com os PCNs, a estrutura do ensino básico é organizada por ciclos. Segundo esta proposta o aluno passa por ciclos de desenvolvimento, sendo assim, fica mais fácil a adaptação dos conteúdos para sua vida pratica e quebramos alguns conceitos atrasados como o conhecimento mecânico.
  • 25. Ciclos Os ciclos no ensino fundamental estão organizados de dois em dois anos. O primeiro ciclo contempla primeiro, segundo e terceiro anos. O segundo ciclo, quarto e quinto anos. O terceiro, sexto e sétimo anos. O quarto e ultimo ciclo do ensino fundamental contempla os oitavo e nono anos.
  • 26. Os conteúdos de ciências naturais no ensino fundamental. Os conteúdos apresentam-se em blocos tematicos para que não sejam tratados como assuntos isolados e sim inter-relacionados entre si e interdependentes.
  • 27. Seleção de conteúdos Alguns critérios são necessários na escolha dos conteúdos abordados. São eles: Os conteúdos devem ser compatíveis com o desenvolvimento do aluno. Devem favorecer uma construção de visão de mundo. Devem ter relevância na vida pratica do aluno, para seu aproveitamento e de sua comunidade.
  • 28. Os blocos temáticos. Os blocos sugerem o conteúdo, mas cabe ao professor desenvolver seu planejamento. São eles: Ambiente; Ser humano e saúde; Recursos tecnológicos; Terra e universo.
  • 29. As séries finais do ensino fundamental. Até esta fase, o papel de preparar o aluno é do pedagogo. Do sexto ao nono ano (terceiro e quarto ciclo) o professor especifico de ciencias tem o papel de formar um aluno critico tendo entendimento sobre ser humano e meio ambiente, bem como sua relação.
  • 30. Objetivos para o terceiro ciclo. Dentre outros, citaremos dois objetivos de aprendizagem: Reconhecer que a humanidade sempre se envolveu com o conhecimento da natureza e que a ciência, uma forma de desenvolver este conhecimento, relaciona-se com outras atividades humanas. Caracterizar os movimentos visíveis de corpos celestes no horizonte e seu papel na orientação espaço-temporal hoje e no passado da humanidade.
  • 31. Conteúdos para o terceiro ciclo Terra e universo: informações sobre o tempo, como os astros e os corpos celestes se relacionam com tal tematica; concepção de universo; constituição da Terra. Vida e ambiente: transformações no meio ambiente e a responsabilidade do homem; cadeia alimentar; ecossistemas brasileiros; investigação da vida na terra.
  • 32. Ser humano e saúde: alimentos plásticos energéticos e reguladores; função dos alimentos no nosso corpo, sistema digestivo; sistema reprodutor e sexo seguro. Tecnologia e sociedade: tecnologia e ambiente, vantagens e problemas; informática e qualidade de vida; processo de produção dos equipamentos; conservação dos alimentos.
  • 33. Critérios de avaliação para o terceiro ciclo Varias são as características que os alunos devem apresentar para concluir o terceiro ciclo, dentre elas apresento duas: Descrever os movimentos do sol, da lua e das estelas em relação ao horizonte, localizando os pontos cardeais durante o dia e a noite, mediante expressão oral, produção de texto ou desenhos com legenda. Elaborar dieta balanceada para seu próprio consumo, descrevendo o aspecto cultural presente em sua alimentação, explicando a digestão dos alimentos e a nutrição do corpo.
  • 34. Objetivos para o quarto ciclo Dentre outros, citaremos dois objetivos de aprendizagem: Compreender e exemplificar como as necessidades humanas, de caráter social, prático ou cultural, contribuem para o desenvolvimento do conhecimento científico ou, no sentido inverso, beneficiam-se desse conhecimento. Compreender como as teorias geocêntrica e heliocêntrica explicam os movimentos dos corpos celestes.
  • 35. Conteúdos para o quarto ciclo. Terra e universo: identificar constelações, estrelas e planetas; gravidade; modelo heliocêntrico; comparação entre heliocentrismo e geocentrismo; organização estrutural da Terra; valorização do conhecimento historicamente acumulado. Vida e ambiente: relação entre a história geológica do planeta e a evolução dos seres vivos; seres vivos e processos adaptativos; reprodução dos seres vivos; ciclos do carbono e do oxigênio; estados físicos e ciclo da água; poluição e suas mudanças no meio ambiente.
  • 36. Ser humano e saúde: compreensão do organismo humano como um todo; doenças comuns e saúde coletiva e individual; processos comuns a todas as células do organismo humano e de outros seres vivos; sistemas nervoso e hormonal; sexo seguro e gravidez planejada. Tecnologia e sociedade: alterações no ambiente por vários motivos; extração e produção de energia, valorizando a preservação dos recursos naturais; compreensão das relações de mão dupla entre as necessidades sociais e a evolução das tecnologias, valorizando a saúde e a qualidade de vida.
  • 37. Critérios de avaliação para o quarto ciclo Varias são as características que os alunos devem apresentar para concluir o quarto ciclo, dentre elas apresento duas: Comparar as teorias geocêntrica e heliocêntrica em relação aos movimentos dos corpos celestes, as diferentes concepções de Universo e sua importância histórica. Reconhecer relações entre as funções de nutrição, as reguladoras e as reprodutivas no organismo humano, tanto no se funcionamento normal como em situações de risco.
  • 38. Documentos oficias orientadores do ensino de biologia no e. medio LDB de 1996; DCNEM (diretrizes curriculares para o ensino médio) 1998; PCNEM (parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio) 2000; PCN+ de 2002; OCNEM (orientações curriculares nacionais para o ensino médio) 2006.
  • 39. Biologia no ensino médio No ensino médio, os conhecimentos adquiridos no ensino fundamental deve se tornar efetivos. O aluno já deve agir como ser consciente do seu papel no meio em que vive. Amplia os conteúdos já trabalhados para formar um cidadão consciente e atuante.
  • 40. As finalidades de biologia no ensino médio São quatro finalidades que resumidas ficam assim: Aprofundar os conhecimentos do ensino fundamental; Preparação básica para a vida fora da escola, flexibilidade para adaptar-se, se for o caso; Formação ética, desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; Usar na pratica os ensinamentos adquiridos.
  • 41. Competências e habilidades a serem desenvolvidas. Representação e comunicação: saber representar e distinguir os conhecimentos científicos; expressar dúvidas, idéias e conclusões acerca dos fenômenos biológicos. Investigação e compreensão: relacionar fenômenos, utilizar critérios científicos, estabelecer relações, formular questões, utilizar noções e conceitos (escolar e lógica externa) Contextualização sociocultural: a relação entre homem e meio ambiente, processos históricos e resultados. Criticidade para agir no meio.
  • 42. Conteúdos para o ensino médio No ensino médio os conteúdos do ensino fundamental são revistos e aprofundados para que haja a efetivação dos conhecimentos e conceitos que foram aplicados. Assim eles devem desenvolver e aperfeiçoar tudo o que viram no terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental.
  • 43. Temas estruturados e unidades temáticas. São seis temas estruturados que auxiliam no trabalho pedagógico do professor. Este deve aperfeiçoar os conteúdos de acordo com a realidade da comunidade escolar onde atua e o perfil de seus estudantes.
  • 44. 1:Interações entre os seres vivos Unidade 1.1: a independência da vida. Unidade 1.2: os movimentos dos materiais e da energia na natureza. Unidade 1.3: desorganizando os fluxos da matéria e da energia: a intervenção humana e os desequilíbrios ambientais. Unidade 1.4: problemas ambientais brasileiros e o desenvolvimento sustentável: uma relação possível?
  • 45. 2:Qualidade de vida das populações humanas. Unidade 2.1: o que é saúde? Unidade 2.2: a distribuição desigual da saúde pelas populações. Unidade 2.3: as agressões a saúde das populações. Unidade 2.4: saúde ambiental.
  • 46. 3: Identidade dos seres vivos. Unidade 3.1: a organização celular da vida. Unidade 3.2: as funções vitais básicas. Unidade 3.3: DNA: a receita da vida. Unidade 3.4: tecnologias de manipulação do DNA.
  • 47. 4: Diversidade da vida Unidade 4.1: a origem da diversidade. Unidade 4.2: os seres vivos diversificam os processos vitais. Unidade 4.3: organizando a diversidade dos seres vivos. Unidade 4.4: a diversidade ameaçada.
  • 48. 5: Transmissão da vida, ética e manipulação genética. Unidade 5.1: os fundamentos da hereditariedade. Unidade 5.2: genética humana e saúde. Unidade 5.3: aplicações da engenharia genética. Unidade 5.4: os benefícios e os perigos da manipulação genética: um debate ético.
  • 49. 6: Origens e evolução da vida. Unidade 6.1: hipóteses sobre a origem da vida e vida a primitiva. Unidade 6.2: idéias evolucionistas e a evolução biológica. Unidade 6.3: a origem do ser humano e a evolução cultural. Unidade 6.4: a evolução sob intervenção humana.
  • 50. Critérios de avaliação. Quatro parâmetros podem servir como critérios no processo de avaliação: A) apropriação dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental. B) relação entre a teoria e a prática. C) preparação do aluno para o mundo do trabalho e o exercício da cidadania. D) formação ética e desenvolvimento de uma personalidade autônoma e crítica.
  • 51. Elementos da didática para o ensino de ciências biológicas. Existem algumas ferramentas que auxiliam o trabalho do professor para que o conhecimento se torne efetivo. Estas ferramentas são chamadas estratégias, e o professor deve saber como utilizá-las corretamente.
  • 52. Analise do livro didático. Uma importante ferramenta no trabalho didático, deve ser cautelosamente selecionado para que atenda as necessidades do professor em levar o conhecimento aos alunos, construindo cidadãos com autonomia crítica.
  • 53. Critérios de seleção do livro didático. A aptidão do professor nessa tarefa depende de seus conhecimentos e experiências. Ele deve ter certeza antes de assumir esta responsabilidade.
  • 54. Um bom livro. Um bom livro deve estimular e auxiliar a construção deste aluno que discutimos até aqui. Deve levar o aluno á pensar, trazer atividades estimulantes e praticas, a complexidade deve ser compatível com a realidade escolar, etc.
  • 55. Estratégias de ensino. Estratégias e metodologias didáticas: inovar, reinventar a maneira de dar aula. Pesquisa bibliográfica: ler, pesquisar e tirar conclusões. O uso das imagens: uma imagem fala mais que mil palavras.
  • 56. Aulas praticas. Podem ser feitas dentro e fora da sala de aula. Experimentar, trazer a teoria para a pratica é muito importante. A grande vantagem da biologia é que existe vida em todo lugar.
  • 57. Trabalho em equipe: promover a socialização dos alunos. Trabalho em equipe. Debate de idéias: desenvolver o debate, estimular a formulação de conceitos e a troca de informação via debate. Produção textual: tão importante quanto debater, é saber produzir um bom texto. As saídas de campo: estimula, inova, ajuda a assimilar. Seminários: estimula a pesquisa e a auto-confiança. O aluno se prepara e socializa o que preparou.
  • 58. Conclusões. É viável acreditar no ser humano. A ciência deve trabalhar em favor da vida não contrária a ela. Aluno: Everton Kunzler Bronzoni.