SlideShare uma empresa Scribd logo
Área – Ciências Humanas e suas
Tecnologias
Ensino Médio, 3ª Série
A CRISE ENERGÉTICA MUNDIAL
GEOPOLÍTICA DA ENERGIA
Até a primeira metade do século XX, existia muita energia disponível, o
petróleo era uma fonte barata e não havia a consciência coletiva sobre os
impactos ambientais decorrentes da sua utilização em grande escala;
A difusão dos meios eletrônicos, o crescimento econômico em algumas
regiões do globo, o crescimento populacional verificado em alguns
continentes, a elevação do número de automóveis em circulação ampliou o
consumo de energia;
Os combustíveis fósseis representam cerca de 80% da matriz energética
mundial;
A ampliação dos recursos energéticos é um dos principais desafios das
sociedades contemporâneas;
A expansão do setor deve levar em conta a preservação do ambiente,
utilizando fontes renováveis e menos poluidoras.
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
OPEP
OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) é uma organização
internacional, formada por países que são grandes produtores de petróleo.
A OPEP foi fundada em 14 de setembro de 1960 e possui sua sede na cidade
de Viena (Áustria).
Objetivos da OPEP
Estabelecer uma política petrolífera comum a todos os grandes produtores
de petróleo do mundo (países membros);
Definir estratégias de produção;
Controlar preços de venda de petróleo no mercado mundial;
Analisar e gerar conhecimentos para os países membros sobre o mercado
de petróleo mundial;
Controlar volume de produção de petróleo da organização (1);
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
O BRASIL NA OPEP?
Muitos especialistas em petróleo defendem a entrada do Brasil na OPEP,
após a descoberta de petróleo na camada pré-sal na Bacia de Santos.
A descoberta gerou um significativo aumento das reservas de petróleo
do país. Embora não seja um grande exportador, o Brasil já está entre os
10 países com maiores reservas de petróleo do mundo.
Para o Brasil se integrar, terá de acatar as regras da associação, que
impõe, por exemplo, limites de exportação e preços aos associados (2).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
A energia está
presente em todas as
ações que ocorrem no
Universo
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: PX48 / Crusier /
GNU free documentation license
Imagem: Moscow-city at night / Dmitry A. Mottl /
GNU free documentation license
Imagem:
Hot
iron!
/
Tinkerbrad
/
Creative
Commons
Attribution
2.0
generic
Imagem: Xingang / Luther Bailey / Creative
Commons Non Comercial Attribution
Share-alike 2.0 Generic
AS FONTES DE ENERGIA
 FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS são aquelas que se renovam
continuamente na natureza sendo, por isso, inesgotáveis.
 FONTES DE ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS são aquelas cujas reservas se
esgotam, pois o seu processo de formação é muito lento comparado com o
ritmo de consumo que o ser humano faz delas (3).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Petróleo
 Gasolina
 Óleo combustível
 GLP
Óleo Diesel, etc.
Centro de
Transformação
Refinarias
Cana
de
açúcar
Fonte Primária Fonte Secundária
Destilarias
 Açúcar
Álcool
Bagaço
FONTES DE ENERGIA
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
FONTES DE ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS
O carvão mineral, também conhecido como carvão de pedra, é uma
substância sólida de origem orgânica resultante da transformação de restos
vegetais soterrados há milhões de anos;
Os principais depósitos de carvão mineral se formaram durante os períodos
Carbonífero e Premiano (Era Paleozoica), há cerca de 350 milhões de anos;
O carvão mineral assumiu importância mundial a partir do século XVIII,
com a Revolução Industrial e se constituiu como uma fonte de energia
básica até a primeira metade do século XX, quando foi superado pelo
petróleo. Apesar disso, continua sendo uma das mais importantes fontes de
energia da atualidade (4).
CARVÃO MINERAL
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
Turfa: É a primeira fase. Refere-se à deposição e à
putrefação dos restos vegetais em ambientes de várzeas
ou de pântanos. Apresenta baixo teor calorífico.
Linhito: É o segundo estágio. Trata-se de material escuro
e que ainda apresenta elevado percentual de água e
baixo percentual de carbono.
Hulha: É a terceira etapa, ou carvão propriamente dito.
É sólida, tem cor negra e pode ser transformada em
coque (carvão metalúrgico).
Antracito: É o último estágio. Apresenta elevado teor de
carbono (90 a 96%), cor negra, brilho vítreo e elevada
dureza. É muito utilizado para aquecimento doméstico (5).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
PETRÓLEO
Energia poluente;
Concentração geográfica das jazidas;
Alteram os habitats naturais onde se efetuam as extrações;
A queima liberta gases poluentes.
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
A primeira fase ocorreu, em 1956, depois que o presidente do Egito
Gamal Nasser nacionalizou o Canal de Suez até então propriedade de
uma empresa Anglo-Francesa. O canal é uma importante passagem de
exportação de produtos da região para países ocidentais, pelo que, em
virtude dessa crise, o abastecimento foi interrompido, com o bloqueio
do Canal, levando a um aumento súbito do preço do petróleo.
A segunda fase aconteceu, em 1973, em protesto pelo apoio prestado
pelos Estados Unidos a Israel durante a Guerra do Yom Kippur, tendo os
países árabes organizados na OPEP, aumentado o preço do petróleo em
mais de 300% (6).
CRISE DO PETRÓLEO
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
A terceira fase ocorreu, na segunda metade da década de 1970,
durante a crise política no Irã e a consequente deposição de Xá Reza
Pahlevi, que desorganizou todo o setor de produção no Irã, onde os
preços aumentaram em mais de 1000%. Na sequência da Revolução
iraniana, travou-se a Guerra Irã-Iraque, tendo o preço disparado em
face da súbita diminuição da produção dos dois países.
A quarta fase foi na Guerra do Golfo, em 1991, depois de o Iraque,
governado por Saddam Hussein ter invadido o país vizinho Kuwait,
quando foram incendiados alguns poços de petróleo, provocando uma
crise econômica e ecológica.
A quinta fase deu-se no ano de 2008, quando os preços subiram, em
virtude de movimentos especulativos em nível global (7).
CRISE DO PETRÓLEO
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
A GRANDE NOVIDADE...
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
Outras estimativas apontam que o Pré-Sal pode colocar
o Brasil entre os dez maiores produtores de petróleo do
mundo.
Maior demanda por mão de obra especializada e
investimentos, com a contratação de navios-sonda e
plataformas.
Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo), as
reservas de petróleo e gás natural da Petrobrás no Brasil
ficaram em 13,920 bilhões barris de óleo em 2007.
Uma nova estimativa prevê que a reserva
recentemente encontrada no pré-sal, tem potencial para
dobrar o volume de óleo e de gás que poderá ser
extraído do subsolo brasileiro.
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
É uma energia de origem fóssil, resultado da
decomposição da matéria orgânica fóssil no
interior da Terra, encontrado acumulado em
rochas porosas no subsolo, frequentemente
acompanhado por petróleo, constituindo um
reservatório;
GÁS NATURAL
Possui facilidade de transporte e de manuseio, não requer estocagem,
eliminando os riscos do armazenamento de combustíveis. Sua distribuição é feita
através de uma rede de tubos e de maneira segura, os chamados gasodutos;
A sua combustão é completa, liberando como produtos o dióxido de carbono e
vapor de água, sendo os dois componentes não tóxicos, portanto, o gás natural é
uma fonte de energia limpa, produzindo baixo impacto ambiental;
Na área de transportes, pode ser utilizado em ônibus e automóveis,
substituindo o óleo diesel, a gasolina e o álcool (8).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: John Haynes / Geograph project / Creative
Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic.
ENERGIA NUCLEAR
É limpa, porém altamente perigosa;
Em caso de acidente, liberta radioatividade prejudicial aos
seres vivos, permanecendo no meio ambiente durante
muitos anos.
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Gundremingen nuclear power plant / Felix Konig/
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
Imagem: Nagasaki Bomb / Public Domain
ACIDENTES NUCLEARES
O acidente na Usina Nuclear de Chernobyl, localizada na
Ucrânia, ocorreu no dia 26 de abril de 1986. Este acidente é
considerado o pior acidente nuclear da história e gerou uma
nuvem radioativa que atingiu a União Soviética, Europa
Oriental, Escandinávia e Reino Unido.
O acidente na Usina Nuclear
de Fukushima Japão, março de
2011, foi consequência dos
danos causados pelo abalo
sísmico que provocou falhas
em equipamentos e
lançamentos de materiais
radioativos (9).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Chernobyl zone / Piotr Andrysczac /
GNU Free documentation license
O LADO BOM DA ENERGIA NUCLEAR
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
MRI
–Phillips
/
Jan
Ainali
/
Creative
Commons
Attribution
3.0
Unported
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
Maior custo de manutenção;
Maior impacto ambiental;
Menor investimento na construção, comparando com uma hidroelétrica;
Tanto nas hidroelétricas, quanto nas termoelétricas, a fonte primária é a
água;
Vantagem – flexibilidade na implantação de uma usina.
ENERGIA TERMELÉTRICA
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Iskandaryah power plant, Iraq / Ben Brody / Public Domain
COMPARAÇÃO DE FUNCIONAMENTO
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
x
Imagens: SEE-PE
FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS
Vantagens:
É uma energia limpa, pois não envolve
nenhum processo de queima de combustível
para ser gerada;
Devido à disponibilidade do ciclo da água, é
inesgotável;
É uma energia barata, pois os custos
operacionais são muito baixos;
É viável em países com grande vazão
hidrográfica e acidentes geográficos (quedas
d'água);
O aproveitamento hidrelétrico proporciona
outros usos, tais como irrigação, navegação e
amortecimentos de cheias (10).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: SEE-PE
Desvantagens:
Inundação de extensas áreas de produção de alimentos, indisponibilizando
terras férteis e destruição de florestas;
Limitada pela morfologia do terreno, regime de chuvas e temperatura;
As barragens afetam os leitos dos rios, causando erosão;
O represamento do rio diminui o nível da água abaixo da represa;
Desabriga pessoas e animais, danifica sítios arqueológicos; provoca pequenos
tremores de terra, devido ao peso da água e às acomodações do terreno;
Provoca alterações climáticas;
Contribui para o efeito estufa com a inundação
de florestas que geram gases tóxicos (11).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imamge:
Sarobi
power
plant
on
Kabul
river
/
Public
Domain
ENERGIA SOLAR
A energia solar é inbbbcomparável a
qualquer outro sistema de energia
convencional por tratar-se de uma fonte 100%
natural, ecológica, gratuita, inesgotável e que
não agride o meio ambiente;
A energia solar não polui durante sua
produção;
As centrais necessitam de manutenção
mínima;
Os preços são muito elevados em relação
aos outros meios de energia;
Em países tropicais, como o Brasil, a
utilização da energia solar é viável (12).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Solar LEO house / Littleha /
Creative Commons Attribution 2.5 Generic
Imagem: Solar panel / David Monniaux /
GNU free Documentation License
Captada por sistema de hélices, a energia eólica é
transformada em eletricidade nos aerogeradores;
Energia limpa;
Os parques eólicos alteram a paisagem;
Se for colocada em rotas migratórias, pode provocar a
morte de muitas aves.
ENERGIA EÓLICA
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
Wind
power
plant
in
Xinjiang,
China
/
Chris
Lim
/
Creative
Commons
Attribution-Share
Alike
2.0
Generic
Energia limpa;
O calor proveniente do interior da Terra pode ser
aproveitado;
A água de uma jazida geotérmica pode ser recuperada
sob a forma de calor e ser aproveitada para produzir
eletricidade;
A libertação de vapor a da alta pressão provoca poluição
sonora e a libertação de calor altera o ecossistema em
redor (13).
ENERGIA GEOTÉRMICA
OS GÊISERES
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Lady knox geiser / Beast from the
bush / GNU Free Documentation License
ENERGIA MAREMOTRIZ
As marés que animam os oceanos são fontes de energia mecânica, limpas e
inesgotáveis que podem ser captadas por turbinas para gerar eletricidade.
O aproveitamento dessa energia pode ser feito através de centrais elétricas
que funcionam por ação da água das marés.
É necessária uma diferença de 5 metros entre a maré alta e a maré baixa
para que esse aproveitamento se torne rentável (14).
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
Imagem:
SEE-PE
Produção simultânea e de forma sequenciada, de duas ou mais formas de
energia a partir de um único combustível. O processo mais comum é a
produção de eletricidade e de energia térmica a partir do uso de gás natural
e/ou de biomassa, entre outros;
É a forma mais eficaz atualmete para responder as preocupações de
natureza ambiental, uma vez que, ao fornecer a mesma energia final com
um menor consumo de energia primária, reduz significativamente as
emissões para o ambiente.
A cogeração assume um papel muito importante na redução das emissões
de CO2 para a atmosfera, e, consequentemente, o cumprimento das metas
assumidas no protocolo de Kyoto.
COGERAÇÃO DE ENERGIA: UMA NOVA ALTERNATIVA
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
O etanol combustível é composto,
no Brasil, de 96% de etanol e 4% de
água. Aparece na gasolina, como
substituto do chumbo, com 22%,
formando o chamado gasool (15).
Etanol – Álcool Etílico Bagaço
Cogeração
Calor
Eletricidade
CANA DE AÇÚCAR
Energia limpa;
É extraído de plantas oleoginosas (manona,soja, girassol,
amendoim etc);
É um biocombustível, derivado de biomassa renovável para
uso em motores a combustão interna com ignição por
compressão ou para a geração de outro tipo de energia que
possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem
fóssil;
1 tonelada de biodiesel evita a emissão de 2,5 toneladas de
CO2 para a atmosfera (16).
BIODIESEL
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem: Biodiesel sample /
Shizhao / GNU Free
Documentation License
Imagem:
Edamame
/
Mdid
/
Creative
Commons
Attribution
2.0
Generic
Biodiesel
FONTE PRIMÁRIA
Soja, girassol, mamona,
amendoim, etc.
Uso Motores de veículos, geração
de eletricidade (bioeletricidade)
FONTE SECUNDÁRIA
Óleos vegetais respectivos
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
BIOGÁS
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Imagem:
SEE-PE
Energia limpa e renovável;
Baixo custo de aquisição;
Não emite dióxido de enxofre;
A produção de eletricidade, através da combustão, liberta gases nocivos e
partículas para a atmosfera, contribuindo para o aquecimento global.
BIOMASSA
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
imagem:
Canaviais
em
são
paulo
/
Mariordo
/
GNU
Free
Documentation
License
QUESTÕES
7 de agosto de 2023
1º . UnB-DF Considerada uma questão estratégica para as atividades econômicas
de qualquer país, a energia está sendo atualmente focalizada conjuntamente com
o problema dos respectivamente impactos ambientais desde a fase de exploração
até a de consumo. Com referência às inter-relações existentes do aproveitamento
dos recursos energéticos com a questão ambiental, julgue os itens abaixo.
( ) O aumento da eficiência energética ajuda a evitar maiores danos ao
ambiente e mudanças climáticas globais.
( ) A maior parte da energia primária consumida no Brasil é proveniente de
fontes renováveis.
( ) Ao contrário do que ocorre com as fontes não renováveis, na energia, como o
petróleo e o carvão, inexistem problemas ambientais na obtenção e no uso do
álcool carburante a partir da cana-de-açúcar por tratar-se de biomassa, isto é,
uma fonte renovável.
( ) O único resíduo proveniente da queima de combustíveis fósseis nocivo ao
ambiente é o dióxido de carbono.
Está CORRETO:
a)FFVV b)FVVF c)VFFV d)VVFF e)FFVV
V
V
F
F
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
2º . U.F. Juiz de Fora - MG O preço do petróleo é dado pelo confronto entre a
produção e o consumo. A produção é determinada, administrativamente, pela
OPEP. O consumo é função da economia mundial. Marque a alternativa
INCORRETA:
a) Como a economia mundial está crescendo acima dos prognósticos mais
otimistas, o mesmo ocorre com o consumo de petróleo, tornando inevitável a
alta nos preços enquanto a produção não aumentar com a mesma velocidade.
b) O aumento dos preços do petróleo, desde a crise de 1973, tem promovido o
fim das desigualdades sociais nos países árabes que fazem parte da OPEP.
c) O Brasil, que já produz 65% do petróleo que consome, reduzindo
rapidamente sua dependência externa, deve atrelar seus preços internos aos
internacionais, de acordo com recomendações do FMI.
d) Com o aumento do preço do petróleo, há aumento em praticamente toda a
cadeia produtiva, gerando inflação nos países desenvolvidos e
subdesenvolvidos, importadores de petróleo.
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
3º PUC-RJ Na “nova” economia mundial, ocorre o declínio da importância da
indústria em relação às finanças e à telecomunicações, muito menos intensivas
em energia. No entanto, ao longo do ano 2000, o aumento dos preços do
petróleo voltou a ameaçar a tranqüilidade da economia mundial. Entre as
possíveis resultantes desse fato, temos:
I. o aumento dos custos de transporte e dos custos de produção em
praticamente toda a cadeia produtiva que usa derivados de petróleo como
insumos;
II. a redução dos estoques de petróleo nos países desenvolvidos, os maiores
consumidores dessa fonte de energia e matéria-prima industrial;
III. o aumento dos gastos com a importação do petróleo, agrava o desequilíbrio
da balança comercial de alguns países em desenvolvimento.
Está (ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):
a) I b) II c) I e II d) II e III e) I, II e III
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
4º . U. Católica-DF “Quando os estudiosos relacionam as causas promotoras do crescimento
econômico ou da recessão, três são as mais citadas: taxa de juros, taxa de câmbio e déficit
público. Nos últimos dias, a discussão ganhou um novo ingrediente: energia.”
Julgue as afirmativas , relativas aos recursos energéticos, conforme (V) ou (F).
( ) Para contornar uma crise energética, deve-se desenvolver a capacidade geradora de
energia das fontes alternativas, no intuito de diversificar ao máximo as fontes de consumo
energético.
( ) A relação entre energia e crescimento econômico é direta, pois se a geração de
energia não for suficiente o país não pode crescer.
( ) Desde que o preço do petróleo começou a subir (crise de 1973), o mundo parece ter
atentado ao problema da extrema dependência em relação às escassas fontes de energia de
origem fóssil, que estão nas mãos de um número reduzido de controladores e das quais não
se sabe por quanto tempo serão suficientes para suprir as necessidades globais.
( ) No Brasil, tanto a potência instalada quanto o consumo de energia elétrica são
importantes indicadores das desigualdades regionais do país.
( ) A importação do gás natural da Bolívia vem sendo incentivada pelo governo brasileiro,
pois a nossa energia provém, principalmente, das usinas termelétricas, fornecedoras de
mais de 90% de toda a energia que é consumida no país.
V
V
V
V
F
GEOGRAFIA , 3ª Série
A Crise Energética Mundial
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
5a PX48 / Crusier / GNU free documentation
license
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Px48_
1778_MKD_11.JPG
27/02/2012
5b Moscow-city at night / Dmitry A. Mottl / GNU
free documentation license
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mosco
w-City_at_night,_2008-03.jpg
27/02/2012
5c Hot iron! / Tinkerbrad / Creative Commons
Attribution 2.0 generic
http://www.flickr.com/photos/19418451@N08/
3948664111/
27/02/2012
5d Xingang / Luther Bailey / Creative Commons
Non Comercial Attribution Share-alike 2.0
Generic
http://www.flickr.com/photos/42662038@N08/
4308798983/
27/02/2012
9 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
11 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
12 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
15 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
17 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
18 John Haynes / Geograph project / Creative
Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic.
13/03/2012
19a Gundremingen nuclear power plant / Felix
Konig/ Creative Commons Attribution-Share
Alike 3.0 Unported
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Gundr
emmingen_Nuclear_Power_Plant.jpg
28/02/2012
19b Nagasakibomb / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nagas
akibomb.jpg
28/02/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
20 Chernobyl zone / Piotr Andrysczac / GNU Free
documentation license
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Chern
obyl_HDR.JPG
28/02/2012
21 MRI –Phillips / Jan Ainali / Creative
Commons Attribution 3.0 Unported
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:MRI-
Philips.JPG
28/02/2012
22 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
23 Iskandaryah power plant, Iraq / Ben Brody /
Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Iskand
ariyah_thermal_power_plant,_Iraq.jpg
28/02/2012
24a SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
24b SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
25 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
26 Sarobi power plant on Kabul river / Public
Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:1950s
_Afghanistan_-_Sarobi_hydro-
power_plant_on_Kabul_River.jpg
28/02/2012
27a Solar panel / David Monniaux / GNU free
Documentation License
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mafat
e_Marla_solar_panel_dsc00633.jpg
28/02;2012
27b Solar LEO house / Littleha / Creative Commons
Attribution 2.5 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Solar_
LEO_House_BIPV.JPG
28/02/2012
28 Wind power plant in Xinjiang, China / Chris Lim
/ Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0
Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wind_
power_plants_in_Xinjiang,_China.jpg
28/02/2012
29 Lady knox geiser / Beast from the bush / GNU
Free Documentation License
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Lady_
Knox_geiser.jpg
28/02/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
31 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
32 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
35a Biodiesel sample / Shizhao / GNU Free
Documentation License
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Biodi
esel.JPG
28/02/2012
35b Edamame / Mdid / Creative
Commons Attribution 2.0 Generic
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Edam
ame_by_mdid.jpg?uselang=pt-br
28/02/2012
37 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012
38 Canaviais em são paulo / Mariordo / GNU Free
Documentation License
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Canaviais_Sa
o_Paulo_01_2008_06.jpg
28/02/2012

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Crise Energética Mundial.ppt

Fontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptxFontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptx
RodolfhoAquino1
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
cristbarb
 
O imperativo da terceira revolução energética no mundo
O imperativo da terceira revolução energética no mundoO imperativo da terceira revolução energética no mundo
O imperativo da terceira revolução energética no mundo
Fernando Alcoforado
 
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundoComo realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
Fernando Alcoforado
 
O sistema sustentável de energia requerido para o mundo
O sistema sustentável de energia requerido para o mundoO sistema sustentável de energia requerido para o mundo
O sistema sustentável de energia requerido para o mundo
Fernando Alcoforado
 
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Energia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundoEnergia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundo
Adilson P Motta Motta
 
Energia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundoEnergia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundo
Adilson P Motta Motta
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Alexandre Gangorra
 
Geografia producao de energia
Geografia   producao de energiaGeografia   producao de energia
Geografia producao de energia
Gustavo Soares
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
Valdimiro Cardoso
 
Apostila fontes energia 2013
Apostila  fontes energia 2013Apostila  fontes energia 2013
Apostila fontes energia 2013
Colégio Certo - Rio Tinto/PB
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Recursos EnergéTicos Desafios Ambientais
Recursos EnergéTicos   Desafios AmbientaisRecursos EnergéTicos   Desafios Ambientais
Recursos EnergéTicos Desafios Ambientais
LORENCETE
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
RobertoFilho72
 
Energias Não Renováveis Ana Henriques
Energias   Não   Renováveis  Ana HenriquesEnergias   Não   Renováveis  Ana Henriques
Energias Não Renováveis Ana Henriques
guest69ca1e7
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
Energias  NãO  RenováVeis Ana HenriquesEnergias  NãO  RenováVeis Ana Henriques
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
guest69ca1e7
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
lgreggio10
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia e mudança climática global
Energia e mudança climática globalEnergia e mudança climática global
Energia e mudança climática global
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a A Crise Energética Mundial.ppt (20)

Fontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptxFontes de energia.pptx
Fontes de energia.pptx
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
 
O imperativo da terceira revolução energética no mundo
O imperativo da terceira revolução energética no mundoO imperativo da terceira revolução energética no mundo
O imperativo da terceira revolução energética no mundo
 
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundoComo realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
 
O sistema sustentável de energia requerido para o mundo
O sistema sustentável de energia requerido para o mundoO sistema sustentável de energia requerido para o mundo
O sistema sustentável de energia requerido para o mundo
 
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03Cpm   geo -  2 ano - fontes de energia 03
Cpm geo - 2 ano - fontes de energia 03
 
Energia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundoEnergia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundo
 
Energia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundoEnergia nuclear do mundo
Energia nuclear do mundo
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Geografia producao de energia
Geografia   producao de energiaGeografia   producao de energia
Geografia producao de energia
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
 
Apostila fontes energia 2013
Apostila  fontes energia 2013Apostila  fontes energia 2013
Apostila fontes energia 2013
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
 
Recursos EnergéTicos Desafios Ambientais
Recursos EnergéTicos   Desafios AmbientaisRecursos EnergéTicos   Desafios Ambientais
Recursos EnergéTicos Desafios Ambientais
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
 
Energias Não Renováveis Ana Henriques
Energias   Não   Renováveis  Ana HenriquesEnergias   Não   Renováveis  Ana Henriques
Energias Não Renováveis Ana Henriques
 
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
Energias  NãO  RenováVeis Ana HenriquesEnergias  NãO  RenováVeis Ana Henriques
Energias NãO RenováVeis Ana Henriques
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Energia e mudança climática global
Energia e mudança climática globalEnergia e mudança climática global
Energia e mudança climática global
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

A Crise Energética Mundial.ppt

  • 1. Área – Ciências Humanas e suas Tecnologias Ensino Médio, 3ª Série A CRISE ENERGÉTICA MUNDIAL
  • 2. GEOPOLÍTICA DA ENERGIA Até a primeira metade do século XX, existia muita energia disponível, o petróleo era uma fonte barata e não havia a consciência coletiva sobre os impactos ambientais decorrentes da sua utilização em grande escala; A difusão dos meios eletrônicos, o crescimento econômico em algumas regiões do globo, o crescimento populacional verificado em alguns continentes, a elevação do número de automóveis em circulação ampliou o consumo de energia; Os combustíveis fósseis representam cerca de 80% da matriz energética mundial; A ampliação dos recursos energéticos é um dos principais desafios das sociedades contemporâneas; A expansão do setor deve levar em conta a preservação do ambiente, utilizando fontes renováveis e menos poluidoras. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 3. OPEP OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) é uma organização internacional, formada por países que são grandes produtores de petróleo. A OPEP foi fundada em 14 de setembro de 1960 e possui sua sede na cidade de Viena (Áustria). Objetivos da OPEP Estabelecer uma política petrolífera comum a todos os grandes produtores de petróleo do mundo (países membros); Definir estratégias de produção; Controlar preços de venda de petróleo no mercado mundial; Analisar e gerar conhecimentos para os países membros sobre o mercado de petróleo mundial; Controlar volume de produção de petróleo da organização (1); GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 4. O BRASIL NA OPEP? Muitos especialistas em petróleo defendem a entrada do Brasil na OPEP, após a descoberta de petróleo na camada pré-sal na Bacia de Santos. A descoberta gerou um significativo aumento das reservas de petróleo do país. Embora não seja um grande exportador, o Brasil já está entre os 10 países com maiores reservas de petróleo do mundo. Para o Brasil se integrar, terá de acatar as regras da associação, que impõe, por exemplo, limites de exportação e preços aos associados (2). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 5. A energia está presente em todas as ações que ocorrem no Universo GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: PX48 / Crusier / GNU free documentation license Imagem: Moscow-city at night / Dmitry A. Mottl / GNU free documentation license Imagem: Hot iron! / Tinkerbrad / Creative Commons Attribution 2.0 generic Imagem: Xingang / Luther Bailey / Creative Commons Non Comercial Attribution Share-alike 2.0 Generic
  • 6. AS FONTES DE ENERGIA  FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS são aquelas que se renovam continuamente na natureza sendo, por isso, inesgotáveis.  FONTES DE ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS são aquelas cujas reservas se esgotam, pois o seu processo de formação é muito lento comparado com o ritmo de consumo que o ser humano faz delas (3). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 7. Petróleo  Gasolina  Óleo combustível  GLP Óleo Diesel, etc. Centro de Transformação Refinarias Cana de açúcar Fonte Primária Fonte Secundária Destilarias  Açúcar Álcool Bagaço FONTES DE ENERGIA GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 8. FONTES DE ENERGIA NÃO RENOVÁVEIS O carvão mineral, também conhecido como carvão de pedra, é uma substância sólida de origem orgânica resultante da transformação de restos vegetais soterrados há milhões de anos; Os principais depósitos de carvão mineral se formaram durante os períodos Carbonífero e Premiano (Era Paleozoica), há cerca de 350 milhões de anos; O carvão mineral assumiu importância mundial a partir do século XVIII, com a Revolução Industrial e se constituiu como uma fonte de energia básica até a primeira metade do século XX, quando foi superado pelo petróleo. Apesar disso, continua sendo uma das mais importantes fontes de energia da atualidade (4). CARVÃO MINERAL GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 9. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 10. Turfa: É a primeira fase. Refere-se à deposição e à putrefação dos restos vegetais em ambientes de várzeas ou de pântanos. Apresenta baixo teor calorífico. Linhito: É o segundo estágio. Trata-se de material escuro e que ainda apresenta elevado percentual de água e baixo percentual de carbono. Hulha: É a terceira etapa, ou carvão propriamente dito. É sólida, tem cor negra e pode ser transformada em coque (carvão metalúrgico). Antracito: É o último estágio. Apresenta elevado teor de carbono (90 a 96%), cor negra, brilho vítreo e elevada dureza. É muito utilizado para aquecimento doméstico (5). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 11. PETRÓLEO Energia poluente; Concentração geográfica das jazidas; Alteram os habitats naturais onde se efetuam as extrações; A queima liberta gases poluentes. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 12. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 13. A primeira fase ocorreu, em 1956, depois que o presidente do Egito Gamal Nasser nacionalizou o Canal de Suez até então propriedade de uma empresa Anglo-Francesa. O canal é uma importante passagem de exportação de produtos da região para países ocidentais, pelo que, em virtude dessa crise, o abastecimento foi interrompido, com o bloqueio do Canal, levando a um aumento súbito do preço do petróleo. A segunda fase aconteceu, em 1973, em protesto pelo apoio prestado pelos Estados Unidos a Israel durante a Guerra do Yom Kippur, tendo os países árabes organizados na OPEP, aumentado o preço do petróleo em mais de 300% (6). CRISE DO PETRÓLEO GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 14. A terceira fase ocorreu, na segunda metade da década de 1970, durante a crise política no Irã e a consequente deposição de Xá Reza Pahlevi, que desorganizou todo o setor de produção no Irã, onde os preços aumentaram em mais de 1000%. Na sequência da Revolução iraniana, travou-se a Guerra Irã-Iraque, tendo o preço disparado em face da súbita diminuição da produção dos dois países. A quarta fase foi na Guerra do Golfo, em 1991, depois de o Iraque, governado por Saddam Hussein ter invadido o país vizinho Kuwait, quando foram incendiados alguns poços de petróleo, provocando uma crise econômica e ecológica. A quinta fase deu-se no ano de 2008, quando os preços subiram, em virtude de movimentos especulativos em nível global (7). CRISE DO PETRÓLEO GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 15. A GRANDE NOVIDADE... GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 16. Outras estimativas apontam que o Pré-Sal pode colocar o Brasil entre os dez maiores produtores de petróleo do mundo. Maior demanda por mão de obra especializada e investimentos, com a contratação de navios-sonda e plataformas. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo), as reservas de petróleo e gás natural da Petrobrás no Brasil ficaram em 13,920 bilhões barris de óleo em 2007. Uma nova estimativa prevê que a reserva recentemente encontrada no pré-sal, tem potencial para dobrar o volume de óleo e de gás que poderá ser extraído do subsolo brasileiro. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 17. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 18. É uma energia de origem fóssil, resultado da decomposição da matéria orgânica fóssil no interior da Terra, encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhado por petróleo, constituindo um reservatório; GÁS NATURAL Possui facilidade de transporte e de manuseio, não requer estocagem, eliminando os riscos do armazenamento de combustíveis. Sua distribuição é feita através de uma rede de tubos e de maneira segura, os chamados gasodutos; A sua combustão é completa, liberando como produtos o dióxido de carbono e vapor de água, sendo os dois componentes não tóxicos, portanto, o gás natural é uma fonte de energia limpa, produzindo baixo impacto ambiental; Na área de transportes, pode ser utilizado em ônibus e automóveis, substituindo o óleo diesel, a gasolina e o álcool (8). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: John Haynes / Geograph project / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic.
  • 19. ENERGIA NUCLEAR É limpa, porém altamente perigosa; Em caso de acidente, liberta radioatividade prejudicial aos seres vivos, permanecendo no meio ambiente durante muitos anos. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Gundremingen nuclear power plant / Felix Konig/ Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported Imagem: Nagasaki Bomb / Public Domain
  • 20. ACIDENTES NUCLEARES O acidente na Usina Nuclear de Chernobyl, localizada na Ucrânia, ocorreu no dia 26 de abril de 1986. Este acidente é considerado o pior acidente nuclear da história e gerou uma nuvem radioativa que atingiu a União Soviética, Europa Oriental, Escandinávia e Reino Unido. O acidente na Usina Nuclear de Fukushima Japão, março de 2011, foi consequência dos danos causados pelo abalo sísmico que provocou falhas em equipamentos e lançamentos de materiais radioativos (9). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Chernobyl zone / Piotr Andrysczac / GNU Free documentation license
  • 21. O LADO BOM DA ENERGIA NUCLEAR GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: MRI –Phillips / Jan Ainali / Creative Commons Attribution 3.0 Unported
  • 22. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 23. Maior custo de manutenção; Maior impacto ambiental; Menor investimento na construção, comparando com uma hidroelétrica; Tanto nas hidroelétricas, quanto nas termoelétricas, a fonte primária é a água; Vantagem – flexibilidade na implantação de uma usina. ENERGIA TERMELÉTRICA GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Iskandaryah power plant, Iraq / Ben Brody / Public Domain
  • 24. COMPARAÇÃO DE FUNCIONAMENTO GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial x Imagens: SEE-PE
  • 25. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS Vantagens: É uma energia limpa, pois não envolve nenhum processo de queima de combustível para ser gerada; Devido à disponibilidade do ciclo da água, é inesgotável; É uma energia barata, pois os custos operacionais são muito baixos; É viável em países com grande vazão hidrográfica e acidentes geográficos (quedas d'água); O aproveitamento hidrelétrico proporciona outros usos, tais como irrigação, navegação e amortecimentos de cheias (10). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 26. Desvantagens: Inundação de extensas áreas de produção de alimentos, indisponibilizando terras férteis e destruição de florestas; Limitada pela morfologia do terreno, regime de chuvas e temperatura; As barragens afetam os leitos dos rios, causando erosão; O represamento do rio diminui o nível da água abaixo da represa; Desabriga pessoas e animais, danifica sítios arqueológicos; provoca pequenos tremores de terra, devido ao peso da água e às acomodações do terreno; Provoca alterações climáticas; Contribui para o efeito estufa com a inundação de florestas que geram gases tóxicos (11). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imamge: Sarobi power plant on Kabul river / Public Domain
  • 27. ENERGIA SOLAR A energia solar é inbbbcomparável a qualquer outro sistema de energia convencional por tratar-se de uma fonte 100% natural, ecológica, gratuita, inesgotável e que não agride o meio ambiente; A energia solar não polui durante sua produção; As centrais necessitam de manutenção mínima; Os preços são muito elevados em relação aos outros meios de energia; Em países tropicais, como o Brasil, a utilização da energia solar é viável (12). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Solar LEO house / Littleha / Creative Commons Attribution 2.5 Generic Imagem: Solar panel / David Monniaux / GNU free Documentation License
  • 28. Captada por sistema de hélices, a energia eólica é transformada em eletricidade nos aerogeradores; Energia limpa; Os parques eólicos alteram a paisagem; Se for colocada em rotas migratórias, pode provocar a morte de muitas aves. ENERGIA EÓLICA GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Wind power plant in Xinjiang, China / Chris Lim / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic
  • 29. Energia limpa; O calor proveniente do interior da Terra pode ser aproveitado; A água de uma jazida geotérmica pode ser recuperada sob a forma de calor e ser aproveitada para produzir eletricidade; A libertação de vapor a da alta pressão provoca poluição sonora e a libertação de calor altera o ecossistema em redor (13). ENERGIA GEOTÉRMICA OS GÊISERES GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Lady knox geiser / Beast from the bush / GNU Free Documentation License
  • 30. ENERGIA MAREMOTRIZ As marés que animam os oceanos são fontes de energia mecânica, limpas e inesgotáveis que podem ser captadas por turbinas para gerar eletricidade. O aproveitamento dessa energia pode ser feito através de centrais elétricas que funcionam por ação da água das marés. É necessária uma diferença de 5 metros entre a maré alta e a maré baixa para que esse aproveitamento se torne rentável (14). GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 33. Produção simultânea e de forma sequenciada, de duas ou mais formas de energia a partir de um único combustível. O processo mais comum é a produção de eletricidade e de energia térmica a partir do uso de gás natural e/ou de biomassa, entre outros; É a forma mais eficaz atualmete para responder as preocupações de natureza ambiental, uma vez que, ao fornecer a mesma energia final com um menor consumo de energia primária, reduz significativamente as emissões para o ambiente. A cogeração assume um papel muito importante na redução das emissões de CO2 para a atmosfera, e, consequentemente, o cumprimento das metas assumidas no protocolo de Kyoto. COGERAÇÃO DE ENERGIA: UMA NOVA ALTERNATIVA GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 34. O etanol combustível é composto, no Brasil, de 96% de etanol e 4% de água. Aparece na gasolina, como substituto do chumbo, com 22%, formando o chamado gasool (15). Etanol – Álcool Etílico Bagaço Cogeração Calor Eletricidade CANA DE AÇÚCAR
  • 35. Energia limpa; É extraído de plantas oleoginosas (manona,soja, girassol, amendoim etc); É um biocombustível, derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição por compressão ou para a geração de outro tipo de energia que possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil; 1 tonelada de biodiesel evita a emissão de 2,5 toneladas de CO2 para a atmosfera (16). BIODIESEL GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: Biodiesel sample / Shizhao / GNU Free Documentation License Imagem: Edamame / Mdid / Creative Commons Attribution 2.0 Generic
  • 36. Biodiesel FONTE PRIMÁRIA Soja, girassol, mamona, amendoim, etc. Uso Motores de veículos, geração de eletricidade (bioeletricidade) FONTE SECUNDÁRIA Óleos vegetais respectivos GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 37. BIOGÁS GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial Imagem: SEE-PE
  • 38. Energia limpa e renovável; Baixo custo de aquisição; Não emite dióxido de enxofre; A produção de eletricidade, através da combustão, liberta gases nocivos e partículas para a atmosfera, contribuindo para o aquecimento global. BIOMASSA GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial imagem: Canaviais em são paulo / Mariordo / GNU Free Documentation License
  • 40. 1º . UnB-DF Considerada uma questão estratégica para as atividades econômicas de qualquer país, a energia está sendo atualmente focalizada conjuntamente com o problema dos respectivamente impactos ambientais desde a fase de exploração até a de consumo. Com referência às inter-relações existentes do aproveitamento dos recursos energéticos com a questão ambiental, julgue os itens abaixo. ( ) O aumento da eficiência energética ajuda a evitar maiores danos ao ambiente e mudanças climáticas globais. ( ) A maior parte da energia primária consumida no Brasil é proveniente de fontes renováveis. ( ) Ao contrário do que ocorre com as fontes não renováveis, na energia, como o petróleo e o carvão, inexistem problemas ambientais na obtenção e no uso do álcool carburante a partir da cana-de-açúcar por tratar-se de biomassa, isto é, uma fonte renovável. ( ) O único resíduo proveniente da queima de combustíveis fósseis nocivo ao ambiente é o dióxido de carbono. Está CORRETO: a)FFVV b)FVVF c)VFFV d)VVFF e)FFVV V V F F GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 41. 2º . U.F. Juiz de Fora - MG O preço do petróleo é dado pelo confronto entre a produção e o consumo. A produção é determinada, administrativamente, pela OPEP. O consumo é função da economia mundial. Marque a alternativa INCORRETA: a) Como a economia mundial está crescendo acima dos prognósticos mais otimistas, o mesmo ocorre com o consumo de petróleo, tornando inevitável a alta nos preços enquanto a produção não aumentar com a mesma velocidade. b) O aumento dos preços do petróleo, desde a crise de 1973, tem promovido o fim das desigualdades sociais nos países árabes que fazem parte da OPEP. c) O Brasil, que já produz 65% do petróleo que consome, reduzindo rapidamente sua dependência externa, deve atrelar seus preços internos aos internacionais, de acordo com recomendações do FMI. d) Com o aumento do preço do petróleo, há aumento em praticamente toda a cadeia produtiva, gerando inflação nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos, importadores de petróleo. GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 42. 3º PUC-RJ Na “nova” economia mundial, ocorre o declínio da importância da indústria em relação às finanças e à telecomunicações, muito menos intensivas em energia. No entanto, ao longo do ano 2000, o aumento dos preços do petróleo voltou a ameaçar a tranqüilidade da economia mundial. Entre as possíveis resultantes desse fato, temos: I. o aumento dos custos de transporte e dos custos de produção em praticamente toda a cadeia produtiva que usa derivados de petróleo como insumos; II. a redução dos estoques de petróleo nos países desenvolvidos, os maiores consumidores dessa fonte de energia e matéria-prima industrial; III. o aumento dos gastos com a importação do petróleo, agrava o desequilíbrio da balança comercial de alguns países em desenvolvimento. Está (ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): a) I b) II c) I e II d) II e III e) I, II e III GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 43. 4º . U. Católica-DF “Quando os estudiosos relacionam as causas promotoras do crescimento econômico ou da recessão, três são as mais citadas: taxa de juros, taxa de câmbio e déficit público. Nos últimos dias, a discussão ganhou um novo ingrediente: energia.” Julgue as afirmativas , relativas aos recursos energéticos, conforme (V) ou (F). ( ) Para contornar uma crise energética, deve-se desenvolver a capacidade geradora de energia das fontes alternativas, no intuito de diversificar ao máximo as fontes de consumo energético. ( ) A relação entre energia e crescimento econômico é direta, pois se a geração de energia não for suficiente o país não pode crescer. ( ) Desde que o preço do petróleo começou a subir (crise de 1973), o mundo parece ter atentado ao problema da extrema dependência em relação às escassas fontes de energia de origem fóssil, que estão nas mãos de um número reduzido de controladores e das quais não se sabe por quanto tempo serão suficientes para suprir as necessidades globais. ( ) No Brasil, tanto a potência instalada quanto o consumo de energia elétrica são importantes indicadores das desigualdades regionais do país. ( ) A importação do gás natural da Bolívia vem sendo incentivada pelo governo brasileiro, pois a nossa energia provém, principalmente, das usinas termelétricas, fornecedoras de mais de 90% de toda a energia que é consumida no país. V V V V F GEOGRAFIA , 3ª Série A Crise Energética Mundial
  • 44. Tabela de Imagens Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 5a PX48 / Crusier / GNU free documentation license http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Px48_ 1778_MKD_11.JPG 27/02/2012 5b Moscow-city at night / Dmitry A. Mottl / GNU free documentation license http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mosco w-City_at_night,_2008-03.jpg 27/02/2012 5c Hot iron! / Tinkerbrad / Creative Commons Attribution 2.0 generic http://www.flickr.com/photos/19418451@N08/ 3948664111/ 27/02/2012 5d Xingang / Luther Bailey / Creative Commons Non Comercial Attribution Share-alike 2.0 Generic http://www.flickr.com/photos/42662038@N08/ 4308798983/ 27/02/2012 9 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 11 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 12 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 15 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 17 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 18 John Haynes / Geograph project / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic. 13/03/2012 19a Gundremingen nuclear power plant / Felix Konig/ Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Gundr emmingen_Nuclear_Power_Plant.jpg 28/02/2012 19b Nagasakibomb / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nagas akibomb.jpg 28/02/2012
  • 45. Tabela de Imagens Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 20 Chernobyl zone / Piotr Andrysczac / GNU Free documentation license http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Chern obyl_HDR.JPG 28/02/2012 21 MRI –Phillips / Jan Ainali / Creative Commons Attribution 3.0 Unported http://commons.wikimedia.org/wiki/File:MRI- Philips.JPG 28/02/2012 22 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 23 Iskandaryah power plant, Iraq / Ben Brody / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Iskand ariyah_thermal_power_plant,_Iraq.jpg 28/02/2012 24a SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 24b SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 25 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 26 Sarobi power plant on Kabul river / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:1950s _Afghanistan_-_Sarobi_hydro- power_plant_on_Kabul_River.jpg 28/02/2012 27a Solar panel / David Monniaux / GNU free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mafat e_Marla_solar_panel_dsc00633.jpg 28/02;2012 27b Solar LEO house / Littleha / Creative Commons Attribution 2.5 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Solar_ LEO_House_BIPV.JPG 28/02/2012 28 Wind power plant in Xinjiang, China / Chris Lim / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wind_ power_plants_in_Xinjiang,_China.jpg 28/02/2012 29 Lady knox geiser / Beast from the bush / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Lady_ Knox_geiser.jpg 28/02/2012
  • 46. Tabela de Imagens Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 31 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 32 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 35a Biodiesel sample / Shizhao / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Biodi esel.JPG 28/02/2012 35b Edamame / Mdid / Creative Commons Attribution 2.0 Generic http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Edam ame_by_mdid.jpg?uselang=pt-br 28/02/2012 37 SEE-PE Acervo SEE-PE 13/03/2012 38 Canaviais em são paulo / Mariordo / GNU Free Documentation License http://en.wikipedia.org/wiki/File:Canaviais_Sa o_Paulo_01_2008_06.jpg 28/02/2012