Energia nuclear do mundo 
Origens e desenvolvimento 
A fissão nuclear provocada artificialmente teve seu nascimento pouco ...
dúvida, um número muito grande para uma fonte de energia que foi descoberta há apenas cinqüenta anos. Contudo, esse número...
1958 - Kyshtym, União Soviética. Acidente de graves proporções, que não foi admitido por muitos anos pelos russos. Explosã...
É de se questionar se não seria o caso e o momento de transferir pelo menos parte das consideráveis somas de dinheiro empr...
* Gradiente térmico dos oceanos - geração de energia a partir das diferenças de temperatura entre a superfície e o fundo d...
tecnológico. A participação de cientistas e da indústria nacional era praticamente nula nesse programa. 
Mais tarde, por i...
Quanto ao Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, apenas dois dos oito reatores previstos estão em construção - Angra 2 e Angra 3 ...
de ser limpa, não-poluente e renovável, essa fonte de energia apresenta uma série de vantagens em relação à nuclear: é seg...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Energia nuclear do mundo

164 visualizações

Publicada em

Energia nuclear do mundo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Energia nuclear do mundo

  1. 1. Energia nuclear do mundo Origens e desenvolvimento A fissão nuclear provocada artificialmente teve seu nascimento pouco antes da eclosão da segunda guerra mundial. Mostrou que seria possível controlar e transformar as incríveis energias do núcleo atômico em potentes armas nucleares. Esse passou a ser o objetivo de cientistas e militares das grandes potências, no final da década de 1930. As intensas pesquisas realizadas foram "coroadas" em 1942, quando um grupo de cientistas da Universidade de Chicago construiu o primeiro reator de fissão controlada do mundo. Foi o início da chamada "era atômica". Desde as suas origens, a indústria nuclear teve um estreito vínculo com interesses bélicos e militares. E por isso, em todo o mundo, sempre esteve envolta por um clima de grande sigilo. O reator de Chicago, por exemplo, serviu como protótipo para a construção das bombas atômicas que, três anos depois, em agosto de 1945, seriam lançadas em duas cidades japonesas, Hiroxima e Nagasaki. Os resultados do bombardeio foram catastróficos e assustadores: até o final de dezembro de 1945, haviam morrido em Hiroxima aproximadamente 140 mil pessoas (40% da população) e 74 mil em Nagasaki (26% da população). Os primeiros reatores nucleares construídos no mundo, nos Estados Unidos, França, Reino Unido e União Soviética, destinavam-se a fins bélicos: obter plutônio a partir da fissão do urânio, para a construção de armas nucleares. A utilização da energia nuclear para obtenção de energia elétrica só surgiu algum tempo depois. Em 1956, no Reino Unido, foi inaugurado o primeiro reator para produção de energia elétrica em escala industrial, em Windscale, Inglaterra. A indústria nuclear, desde então, teve um desenvolvimento assombroso. Mas, se por um lado passou a ser "vendida" como a grande esperança do século para as soluções energéticas do planeta, também gerou grandes problemas e oposições. Crise e situação atual Em 31 de dezembro de 1995 havia no mundo 430 reatores nucleares comerciais. Somavam uma capacidade de 340 gigawatts (340 bilhões de watts), representando 17% da energia elétrica consumida no planeta. Sem
  2. 2. dúvida, um número muito grande para uma fonte de energia que foi descoberta há apenas cinqüenta anos. Contudo, esse número é inferior às estimativas feitas em outras épocas, e indica que hoje essa fonte de energia está em crise. Nas décadas de 1960 e 1970, vários incidentes com reatores nucleares levaram a muitas críticas, receios e oposições ao seu uso. O caso da usina de Three Mile Island, nos Estados Unidos, em 1979, veio acentuar essa crise. Desde então a produção mundial de reatores nucleares vem desacelerando visivelmente. A partir de meados da década de 1970, o número de usinas canceladas foi maior que o de usinas construídas. Só nos Estados Unidos, entre 1975 e 1983, 87 centrais nucleares foram canceladas. Com o acidente de Tchernóbil, essa tendência aumentou ainda mais. Além da queda no número de encomendas, muitos reatores foram desativados. Ao longo das últimas décadas, o alto custo das usinas mostrou que, além do risco de acidentes e do problema do lixo atômico, a energia nuclear não apresentava vantagens econômicas. Muito ao contrário, demonstrou ser altamente dispendiosa, além de estar associada à proliferação das bombas atômicas. Diante dessa soma de problemas, o otimismo da década de 1950 desapareceu. A indústria nuclear enfrenta, hoje em dia, uma grande crise de confiabilidade na maior parte do mundo. O acidente de Tchernóbil sem dúvida representa um marco nessa crise. Foi, possivelmente, o golpe mais profundo no "sonho nuclear". No entanto, o uso da energia nuclear ainda está em debate. Há quem o defenda ferrenhamente, e os seus "vendedores" procuram resistir à crise. Mas também cresce a oposição e a resistência nos mais diferentes níveis. Muitos países vêm assumindo uma posição de "moratória": aceitar os reatores que já existem e não construir novos. Com isso, em alguns anos, o uso da energia nuclear para geração de eletricidade estaria abandonado, pois os atuais reatores não seriam substituídos. Estados Unidos, Alemanha e Itália são alguns dos países próximos dessa posição. Na Suécia, Áustria e nos Países Baixos essa medida já foi adotada. Alguns acidentes nucleares no mundo 1957 - Winsdcale, Inglaterra. Superaquecimento em um reator de produção de plutônio seguido de incêndio, provocou grande emissão de radioatividade na Inglaterra e no norte da Europa.
  3. 3. 1958 - Kyshtym, União Soviética. Acidente de graves proporções, que não foi admitido por muitos anos pelos russos. Explosão em depósito de rejeitos radioativos causou centenas de mortos. 1961 - Idaho, Estados Unidos. Acidente em reator de urânio enriquecido usado para fins militares destruiu praticamente 20% das barras de combustível. 1979 - Three Mile Island, Estados Unidos. Uma série de falhas e erros operacionais converteram um defeito de funcionamento normal na usina em um grave acidente. Calcula-se que o reator esteve muito próximo de se fundir completamente. 1986 - Tchernóbil, União Soviética. O mais grave de todos os acidentes nucleares até hoje. Fontes alternativas Uma questão cada vez mais presente, especialmente se o mundo abrir mão da energia nuclear, é: "Que fontes podem fornecer a enorme demanda energética do planeta?" A resposta a essa questão não é simples e não existe uma única solução; as alternativas são muitas. As fontes convencionais de energia, como os combustíveis fósseis - petróleo, carvão mineral e gás natural - usados nas usinas termelétricas, têm contribuído com a maior parcela de recursos energéticos no mundo, cerca de 80%. Entretanto, essas fontes têm reservas limitadas, não são renováveis e lançam na atmosfera gases tóxicos e poluentes, causando danos ao ambiente e podendo provocar sérios problemas no futuro. Contudo, existem inúmeros recursos naturais no mundo capazes de gerar energia elétrica, como a luz solar, o vento, as quedas d'água, as marés e as ondas oceânicas, os vapores provenientes da terra e a biomassa, entre outros. Para que a humanidade possa usufruir desses recursos, é preciso pesquisar e desenvolver novas tecnologias e adequar a escolha a cada país ou região, de acordo com suas particularidades: fontes e recursos disponíveis, características topográficas, geológicas, climáticas, condições econômicas, entre outras. Além disso, o problema não se limita apenas à produção de mais energia, mas também exige mudanças nos padrões de consumo da população, para uma maior economia e racionalização de seu uso.
  4. 4. É de se questionar se não seria o caso e o momento de transferir pelo menos parte das consideráveis somas de dinheiro empregadas na energia nuclear para pesquisa de novas fontes alternativas, materiais, tecnologias e maior eficiência energética. No mínimo, isso reduziria o enorme preço que a humanidade paga pelos riscos da energia nuclear. E esse mínimo pode representar muito para as futuras gerações. _____________________________________________________ Fontes de energia Fontes convencionais não-renováveis * Combustíveis fósseis - petróleo, carvão mineral, gás natural. Uso para geração de energia elétrica: usinas termoelétricas Problemas: fonte não-renovável, reservas limitadas, produção de poluentes na atmosfera (monóxido de carbono, óxidos de enxofre e nitrogênio) que causam danos ambientais e climáticos (chuva ácida, efeito estufa), problemas ambientais na extração, purificação e transporte. Fontes naturais renováveis * Solar - captação termossolar: uso da luz solar concentrada para aquecimento de caldeiras, gerando vapor. - geração fotovoltaica: conversão direta da luz solar em eletricidade, através de células fotovoltaicas. * Eólica - aproveitamento da energia dos ventos, através de cata-ventos. * Geotérmica - jatos naturais de água quente ou vapor proveniente de grandes profundidades da terra (gêiseres); podem ser usados para geração de energia termoelétrica. * Hidráulica - usinas hidrelétricas: aproveitamento da energia de quedas d'água represadas. - cata-água: aproveitamento da correnteza natural de rios, sem construção de barragens. * Marés - aproveitamento dos desníveis de água provocados pelas marés, com construção de barragens e instalações geradoras de eletricidade.
  5. 5. * Gradiente térmico dos oceanos - geração de energia a partir das diferenças de temperatura entre a superfície e o fundo do mar. * Ondas - aproveitamento da energia de movimento das ondas. * Correntes oceânicas - uso da energia de movimento de massas de água dentro dos oceanos. * Biomassa - uso de materiais constituídos de substâncias de origem orgânica (animais, vegetais, microrganismos): lenha; plantas cultivadas (cana-de- açúcar, beterraba, dendê, mandioca, aguapé, sorgo); óleos vegetais; carvão vegetal; álcool etílico, resíduos agrícolas, pecuários e urbanos (biogás). __________________________________________________ Energia nuclear no Brasil O Brasil não escapa do que se passa no resto do mundo, guardadas as suas particularidades. Já na década de 1950 havia interesse, por parte de cientistas, de se desenvolver tecnologia na área nuclear. Os Estados Unidos, constatando o inevitável crescimento do setor nuclear em vários países, decidiram deixar de ter o monopólio dessa tecnologia e passaram a difundi-la, "orientando" os países menos desenvolvidos e criando um mercado para vender os produtos nucleares produzidos pelas indústrias americanas. Era o programa denominado Átomos para a Paz. Foi no âmbito desse programa que, ainda na década de 1950, foram instalados os dois primeiros reatores nucleares no Brasil: um em São Paulo e outro em Belo Horizonte. Esses reatores destinavam-se à pesquisa e produção de radioisótopos para uso na medicina e na indústria. Em 1968, no governo Costa e Silva, foi decidida a compra de um reator de potência, com vistas à geração de eletricidade. Não por acaso foi escolhido um reator da empresa Westinghouse, americana. Tratava-se, contudo, de um pacote tecnológico fechado, uma compra do tipo "chaves na mão". O reator foi adquirido pronto e acabado. Era um reator do tipo PWR (reator de água pressurizada), de 627mW de potência elétrica. O combustível, urânio enriquecido, uma vez usado deveria ser devolvido para reprocessamento. Batizado de Angra 1, o reator teve sua construção iniciada em 1971. A grande crítica à aquisição do reator de Angra 1, especialmente por parte da comunidade científica brasileira, era a política imediatista adotada, de total dependência externa, tanto do combustível como de know-how científico e
  6. 6. tecnológico. A participação de cientistas e da indústria nacional era praticamente nula nesse programa. Mais tarde, por interesses políticos e militares, o programa nuclear brasileiro sofreu algumas mudanças. A vantagem que a Argentina levava na área nuclear, pois desde o início desenvolvera seus próprios reatores, pesou nas preocupações dos militares brasileiros, que decidiram investir num programa nuclear de grandes proporções. Assim, em 1975, foi assinado um tratado com a República Federal da Alemanha, o chamado "Acordo Nuclear Brasil-Alemanha". Esse acordo previa a implantação de oito usinas nucleares, com transferência de tecnologia nuclear para o Brasil, incluindo o enriquecimento do urânio, com uma perspectiva de maior autonomia do país nesse setor. A primeira conseqüência prática do acordo foi a compra de dois reatores da empresa alemã KWU, Angra 2 e Angra 3. Apesar de uma pequena abertura em relação à política totalmente dependente que vigorava até então, após algum tempo o acordo com a Alemanha também revelou-se inviável, gerando para o Brasil mais problemas do que soluções. A transferência de tecnologia foi mínima e o método de enriquecimento do urânio empregado (jatos centrífugos), sem comprovação industrial, tem apresentado inúmeros problemas operacionais e um custo altíssimo. Vale lembrar que todas as medidas adotadas pelo Exército e pelo governo brasileiros ao longo desses anos foram feitas à revelia da sociedade, sem levar em conta a opinião da comunidade científica e da população. A situação atual As previsões iniciais para Angra 1 eram que ficasse pronta em 1977, a um custo de cinco milhões de dólares. Contudo, devido a uma série de dificuldades administrativas e a vários incidentes, inclusive um incêndio no canteiro de obras, a usina só entrou em operação comercial em 1985, sete anos depois do previsto e muito acima do orçamento inicial. Segundo dados oficiais de Furnas Centrais Elétricas, os custos de Angra 1 foram de 1,5 bilhão de dólares e, segundo o Tribunal de Contas da União, de 3,9 bilhões. Mas nem por isso a situação de Angra 1 se normalizou. Incidentes continuam ocorrendo e os custos vêm superando todas as estimativas. Além disso, desde 1981 foi detectado um sério erro no projeto da Westinghouse do gerador de vapor. Devido a estes e outros problemas, Angra 1 já foi paralisada mais de vinte vezes, além de operar com baixo fator de produção de eletricidade.
  7. 7. Quanto ao Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, apenas dois dos oito reatores previstos estão em construção - Angra 2 e Angra 3 - e com bastante atraso. Assim como no caso de Angra 1, os problemas vêm sendo muitos. A construção de Angra 2 ficou paralisada por quase dez anos, devido em parte à falta de verbas, a uma menor demanda de eletricidade, e a inúmeros movimentos de oposição. Atualmente, cerca de 70% da construção está concluída, e anuncia-se para este ano uma questionável retomada das obras. Segundo Furnas, já foram gastos em Angra 2 cinco bilhões de dólares e a estimativa é de se gastar mais 1,5 bilhão. Segundo dados do técnico independente Ildo Luís Sauer, do Instituto de Energia Elétrica da Universidade de São Paulo, a obra completa de Angra 2 já consumiu cerca de dez bilhões de dólares e deverá atingir os doze 12 bilhões em 1998. O que se verifica, de fato, é que o programa nuclear brasileiro está "em ponto morto". O próprio governo reconhece hoje o que sempre negara enfaticamente: pelo menos nas próximas duas décadas a energia nuclear no Brasil não é competitiva com a hidrelétrica. ______________________________________________________________ ______________ * O potencial hidrelétrico brasileiro, estimado em 213 gW, é capaz de atender ao crescimento da demanda de energia elétrica do país por cerca de vinte anos. * O preço por quilowatt instalado da hidreletricidade é pouco superior a mil dólares, enquanto o custo da energia nuclear, apesar de ter sido orçado em 400 dólares por quilowatt, já ultrapassou 4.000 dólares, com base em Angra 2. * A energia hidrelétrica gera um número de empregos bem maior que a nuclear: calcula-se em 4.500 empregos por bilhão de dólares investido, no caso da hidrelétrica, e 1.800 para a nuclear. _____________________________________________________ O Brasil necessita de energia nuclear? Além de todos os problemas envolvidos no uso da energia atômica, no caso brasileiro somam-se outras questões, como as dificuldades operacionais, o baixo aproveitamento energético de Angra e uma perigosa desconsideração pelo lixo atômico. Não há nada previsto na constituição brasileira para regulamentar esse problema e Furnas se exime das responsabilidades. Deve-se ainda considerar que o Brasil tem um enorme potencial de energia hidrelétrica, talvez o maior do mundo, devido à sua imensa rede fluvial. Além
  8. 8. de ser limpa, não-poluente e renovável, essa fonte de energia apresenta uma série de vantagens em relação à nuclear: é segura e mais barata, gera mais empregos e tem tecnologia nacional. E não apenas isso. Dadas as características do Brasil, de dimensões continentais e com graves problemas sociais e econômicos, muitas outras alternativas podem ser desenvolvidas em escalas menores para atender a um consumo localizado, como é o caso da energia solar, eólica, e da biomassa. Uma produção descentralizada de energia a partir de fontes alternativas, que aproveite os recursos locais, possibilita soluções mais adequadas e custos globais menores. Nas regiões mais pobres e isoladas, onde os sistemas convencionais têm difícil acesso, essas soluções podem contribuir para a melhoria da qualidade de vida das populações. Finalmente, uma solução a curto prazo é o investimento em medidas e tecnologias que visem mais eficiência e conservação da energia. Economizar e racionalizar o uso é um excelente caminho para reduzir a demanda e os custos. Esses são apenas alguns indícios e caminhos que respondem a nossa pergunta inicial: o Brasil tem inúmeros recursos energéticos disponíveis e pode adotar medidas que dispensem totalmente a energia nuclear. Tchernóbil 1986-1996. Rio de Janeiro, Greenpeace, 1996, pp. 33-40.

×