SlideShare uma empresa Scribd logo
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL:
O REINO UNIDO
Imagem: Debret, Jean Baptiste, 1768-1848 / public domain
A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX
• Grandes transformações econômicas políticas e sociais ocorreram na
Europa no final do século XVIII e início do século XIX;
• Na Inglaterra, se iniciava o processo de Revolução Industrial. No começo
do século XIX, o país ostentava o posto de nação mais rica. Tinha a melhor
marinha mercante e de guerra, e já dominava um vasto território colonial;
• A Revolução Francesa dava os últimos golpes no Antigo Regime,
substituindo o Absolutismo monárquico e os privilégios feudais pelos
princípios liberais na economia e na política;
• A Portugal e aos demais países europeus restava ficar entre as exigências e
as ameaças militares do imperador francês Napoleão Bonaparte e a
dependência econômica em relação a economia inglesa.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX
• O ano de 1789 é marcado pelo inicio da
Revolução Francesa. Houve a destruição social
e política dos vestígios feudais e a tomada do
poder pela burguesia;
• Em 1791 é lançada a nova Constituição, que
afirma a posição social dominante da
burguesia francesa; o rei Luis XVI é executado.
• Para pôr fim à corrupção e à incompetência do
governo instalado, a burguesia decidiu dar um
golpe e apoiar o general Napoleão Bonaparte;
• Em 1804, foi criado o Império, espécie de
monarquia vitalícia. Apesar de haver
Constituição, Napoleão governou
despoticamente. Por algum tempo, a
prosperidade resultante das reformas internas
e o êxito das guerras permitiram a
continuidade do regime.
Imagem: Jacques-Louis David (1748–1825) /
public domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX
• O imperador francês,
Napoleão Bonaparte, havia
colocado em prática uma
política militar
expansionista, com intuito
de estender seu domínio
sobre toda a Europa;
• Com o objetivo de quebrar a
resistência da Inglaterra,
Napoleão tentou sufocá-la
economicamente proibindo
os países europeus de
comercializarem com os
ingleses, ao decretar, em
1806, o Bloqueio
Continental.
Imagem: Alex:D / public domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX
• A Inglaterra capitalista e vários reinos absolutistas europeus unem-se para
tentar destruir o governo revolucionário francês;
• Lavrado em 1806, o documento que criava o Bloqueio Continental
estabelecia que todos os portos da Europa deveriam fechar suas portas
para as embarcações inglesas;
• Portugal se encontrava numa situação bastante difícil, sofrendo pressões
tanto dos ingleses quanto dos franceses;
• Em 1807, França e Espanha assinavam o Tratado de Fontainebleau,
decidindo invadir Portugal e dividir entre si suas colônias;
• Preferindo aliar-se aos ingleses, o reino de Portugal assinou uma
convenção secreta, na qual ficava decidida a transferência do governo
português para o Brasil;
• Enquanto os ingleses se comprometiam a defender o território lusitano
contra a França, a Coroa Portuguesa entregava sua esquadra e garantia a
abertura dos portos brasileiros para os ingleses.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807
“Era uma cena impressionante, mas nem de longe lembrava os
tempos heroicos, quando a esquadra de Vasco da Gama partiu do mesmo
cais, singrando as águas do mesmo rio para navegar mares desconhecidos e
descobrir terras distantes. Em 1807, o espírito de aventura dera lugar ao
medo. Em vez de empreender e conquistar, a elite portuguesa fugia sem ao
menos tentar resistir aos invasores franceses.”
Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes.
Imagem:
Autor
desconhecido
/
disponibilizado
por
Dornicke
/
public
domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807
• A esquadra portuguesa, que saiu do porto de Lisboa, era integrada pelo
seguinte número de embarcações: oito naus, três fragatas e três brigues, e
duas escunas;
• Após a partida, os navios da esquadra portuguesa, escoltados pelos
ingleses, dispersaram-se devido a uma forte tempestade;
• Entre 10 a 15 mil pessoas acompanharam o príncipe regente na viagem ao
Brasil;
• O grupo incluía: nobres, conselheiros reais, cozinheiros, militares, juízes,
comerciantes, médicos, clérigos, damas de companhia, todos
acompanhados por suas famílias;
• O povo português reagiu de forma indignada, com demonstrações de
choro, desespero e revoltas;
• A bagagem real incluía além do tesouro real, cerca de 80 milhões de
cruzados, e os arquivos da monarquia portuguesa. Porém, com a pressa,
todos os livros da Biblioteca real foram deixados na costa portuguesa,
sendo embarcados para a colônia meses depois.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807
Imagem: Hoshie / public domain
Portugal
Açores
Madeira
Canárias
Desmenbramento da
frota por tormentas na
costa da Ilhha da
Madeira
Os navios que levam a
Familia Real ancoram em
Salvador, antes de seguir para
o Rio de Janeiro.
Depois de
abastecer nas ilhas
de Cabo Verde, o
resto da frota
segue diretamente
para o Rio de
Janeiro
Brasil
Cabo Verde
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A FAMILIA REAL PORTUGUESA
Dom João VI - Nascido em Lisboa em1767, era filho
segundo da rainha D. Maria I, e de seu marido e tio D.
Pedro III. Casou-se com a princesa espanhola, D. Carlota
Joaquina de Bourbon. Em 1788 foi declarado herdeiro do
trono, por ter falecido seu irmão primogênito, o príncipe
D. José. Tendo enlouquecido a rainha sua mãe, teve de
assumir a regência do reino no dia 1 de Fevereiro de
1792.
Princesa Carlota Joaquina - Filha primogênita do rei da
Espanha, Carlos 4°, e de sua esposa, nasceu em abril de
1775. Com apenas dez anos, casou-se por procuração
com o príncipe de Portugal, D. João, em um acordo de
aliança entre os dois países. Possuía um temperamento
forte e voluntarioso, o que dificultava a sua relação com
outras pessoas. Comenta-se que, durante a lua de mel,
teria agredido o seu marido com uma dentada para que
o casamento não fosse consumado.
Imagem: Manuel Dias de Oliveira / public domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A FAMILIA REAL PORTUGUESA
Dona Maria I, de Portugal - nasceu em Lisboa em 1734, e era filha do rei
José I. Ocupou o trono português até 1816. Era chamada de “A Piedosa” por ser uma
pessoa de profunda religiosidade. No Brasil, ficou conhecida como Dona Maria, a
Louca, devido a sua doença mental que veio a tona após o falecimento de seu
primeiro filho.
E os filhos do príncipe regente, futuros herdeiros do trono português - D.
Pedro, D. Miguel, Maria Izabel, Maria Teresa, Maria da Assunção, Ana de Jesus,
Maria Isabel, Maria Francisca e Isabel Maria.
Imagem:
Joseph
Fortuné-Séraphin
Layraud
(1834-1912)
/
public
domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• No dia 22 de janeiro de 1808, chegava a
Salvador a família real portuguesa;
• Foram apenas 34 dias em Salvador. O
breve tempo, porém, não impediu dom
João de tomar decisões fundamentais
para destravar a economia brasileira e
promover o crescimento da cidade;
• o príncipe regente provocou uma
verdadeira revolução na economia
brasileira, ao decretar a abertura dos
portos às nações amigas de Portugal;
• Era o fim do monopólio comercial
português com o Brasil;
• A medida permitiu que navios
mercantes estrangeiros atracassem
livremente nos portos brasileiros.
Chegada da família real portuguesa em
Salvador, janeiro de 1808
Imagem: Henry L'Évêque (1768-1845) / public domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• Após sair de Salvador, o rei foi para o Rio de Janeiro,
lá chegando em 08 de março de 1808,
transformando a cidade em residência fixa da corte
portuguesa;
• instituiu alguns ministérios, entre eles o da Guerra,
da Marinha, da Fazenda e do Interior;
• Em 10 de setembro de 1808, imprimiu-se o
primeiro jornal do país, a ‘Gazeta do Rio de
Janeiro’;
• Fundou o primeiro Banco do Brasil, criou a Real
Academia Militar, a Academia de Belas Artes,
incentivou a instalação de manufaturas, incentivou
a vinda de uma Missão Artística Francesa em 1816,
• a criação da Real Biblioteca, do Jardim Botânico e
do Museu Real, posteriormente, o Museu Nacional;
• Criou duas escolas superiores de medicina: uma em
Salvador e outra no Rio de Janeiro.
Litoral fluminense
Imagem: Jean-Baptiste Debret (1768–1848) / public
domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
D.João VI, Carlota Joaquina e seus filhos hospedaram-se, temporariamente, no
Paço Imperial, um casarão localizado no centro da cidade que se transformaria na sede
oficial do governo, até sua partida.
O fluxo de mercadorias inglesas fez com que os navios se multiplicassem nos
portos. A corte portuguesa causou um verdadeiro caos na cidade. O Rio de Janeiro passou
por um rápido processo de urbanização. Charcos foram drenados, ruas ampliadas e
calçadas construídas. Novos bairros foram incorporados à cidade. O número de escravos
tendia a aumentar cada vez mais.
Imagem:
Louis
Compte
/
public
domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• A cobrança pela proteção inglesa veio sob a forma da criação de vários
acordos entre as duas coroas;
• Os mais famosos são os Tratados de 1810, ou de Comércio e Navegação,
Aliança e Amizade, que estipulava novas taxas alfandegárias aos produtos
ingleses, no valor de 15%;
• Estes tratados também davam o direito aos ingleses de
extraterritorialidade, ou seja, os cidadãos ingleses, mesmo morando no
Brasil continuariam sob tutela e defesa das leis britânicas;
• Além de dar permissão para que os navios ingleses pudessem navegar em
águas brasileiras;
• Determinava a proibição da Santa Inquisição no Brasil e a gradual extinção
do tráfico negreiro;
• Consolidava-se a preponderância inglesa. A Igreja católica, os
comerciantes reinóis e os proprietários se sentiram prejudicados.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• Após a derrota napoleônica, sacramentada na famosa Batalha de
Waterloo, na Bélgica, as monarquias europeias se reuniram em Viena, na
Áustria, para discutir a redefinição do mapa político do Velho Continente -
alterado em razão das Guerras Napoleônicas.;
• Dois princípios acabaram norteando os trabalhos do Congresso: o
princípio da restauração e legitimidade e o princípio do equilíbrio de
poder e fronteiras geográficas;
• Segundo os princípios adotados pelo Congresso de Viena, a Casa de
Bragança, que reinava em Portugal antes da invasão napoleônica, seria
restaurada. Porém, João de Bragança, D. João VI, estava no Brasil, não em
Portugal. E o Brasil era somente uma colônia, não tendo o mesmo status
político que o reino.
• como consequência do estabelecimento da Casa de Bragança e da capital
do Império Português no Rio de Janeiro, no referido ano de 1808, D. João
VI estabeleceu a nova designação de Reino Unido para as suas coroas;
• Os domínios portugueses da época ficaram a partir de então oficialmente
designados como Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves;
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• Com a decisão de permanecer no
Brasil, D. João neutralizou qualquer
tentativa de emancipação política,
mas, em compensação, provocou
enorme insatisfação em Portugal;
• Enquanto a América espanhola
obteve a independência por meio de
lutas mais ou menos sangrentas, a
presença da Corte no Brasil favoreceu
a ruptura colonial sem grandes
convulsões sociais;
• A manutenção do Estado e da luxuosa
vida cortesã exigia o aumento dos
tributos existentes e a criação de
outros, pois os impostos
alfandegários, a principal fonte de
recursos, haviam diminuído.
Imagem: Jean baptiste Debret / public domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
“Tudo isso contribuiu para que o entusiasmo dos primeiros dias da
chegada logo se dissipasse. A colônia brasileira ganharia muito com a vinda
de D. João, a começar pela sua independência, mas os problemas e o custo
dos primeiros anos da família real no Rio de Janeiro foram enormes. Era
preciso alimentar e pagar as despesas de uma corte ociosa, corrupta e
perdulária. Isso aconteceu de duas formas. A primeira foram as listas de
subscrição voluntária, que os ricos e poderosos da colônia assinaram de muito
boa vontade porque tinham a certeza de obter em trocas rápidas e generosas
vantagens. Como se verá (...), muita gente se enriqueceu com a chegada da
família real. A segunda foi o aumento indiscriminado de taxas e impostos, que
o povo todo pagou sem conseguir avaliar de imediato que benefícios teria
com isso. No longo prazo, o descontentamento resultante se tornaria
incontrolável.”
Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
• Vieram juntamente com a Família Real cerca
de 15000 pessoas que eram sustentadas
pelo governo. A maioria passou a ocupar os
principais postos na administração;
• O governador de Pernambuco, assim como
os das outras províncias, era obrigado a
enviar grandes somas de dinheiro para o Rio
de Janeiro;
• A Influência da Independência dos EUA, da
Revolução Francesa e da Independência de
algumas colônias espanholas incentivaram
os pernambucanos a se revoltarem contra as
cortes instaladas no Rio de Janeiro;
• A chamada Revolução Pernambucana
eclodiu em 6 de março de 1817, influenciada
pelas ideias Iluministas, propagadas pelas
sociedades maçônicas.
Imagem: Tonyjeff / public domain
Bandeira da Revolução
Pernambucana
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
• no momento da Insurreição, os produtores nordestinos sofriam com a
flutuação do açúcar e do algodão no mercado internacional;
• Após conquistarem a cidade de Recife e derrotarem as tropas defensoras de
Portugal, os revoltosos formaram um governo provisório composto por cinco
membros;
• difundiram o movimento em outras capitanias do Brasil e em algumas nações
europeias;
• a cidade do Recife foi cercada por embarcações que interromperam a
comunicação da capitania com outras regiões;
• Os lideres acabaram sendo presos e executados.
Imagem: Autor Desconheciado /
http://www.brasilescola.com/upload/e/Rev%20Pe
rnambucana%20-%20BRASIL%20ESCOLA.jpg
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
A REVOLUÇÃO DO PORTO, 1820
Iniciado na cidade do Porto no dia 24 de Agosto de 1820, cuja burguesia
mercantil se ressentia dos efeitos da elevação do Brasil a categoria de Reino Unido de
Portugal e Algarves. Entre as suas reivindicações, exigiam o imediato retorno da Corte para
o reino, visto como forma de restaurar a dignidade metropolitana, o estabelecimento, em
Portugal, de uma Monarquia Constitucional, e a restauração da exclusividade de comércio
com o Brasil (reinstauração do Pacto Colonial).
O movimento vitorioso teve como consequências o retorno da Corte, à exceção
de Dom Pedro I que permaneceu no Brasil na condição de Príncipe Regente, a Portugal no
ano de 1821 e, diante do progressivo aumento da pressão para a recolonização do Brasil,
este proclamou a sua independência em 1822.
Imagem:
Oscar
Pereira
da
Silva
(1865–1939)
/
public
domain
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
O RETORNO DA FAMÍLIA REAL A PORTUGAL
Pressionado pelos súditos em Portugal, D. João VI anunciou sua
partida e, através de um decreto, entregou a seu filho D. Pedro a regência do
Brasil. Pressentindo a inevitável independência, teve o cuidado de
recomendar ao regente: “Pedro, se o Brasil se separar, antes seja para ti, que
me hás de respeitar, do que para algum desses aventureiros.”
O embarque da família real ocorreu em meio a grande agitação.
Espalhara-se a notícia de que os navios que conduziriam a Corte estavam
repletos de ouro, que o tesouro do Banco do Brasil teria sido saqueado. A
agitação teria sido maior, não fosse a ordem de dispersão violenta da
população que se dirigia ao porto, feita pelo próprio D. Pedro.
Imagem: Autor Desconhecido /
http://4.bp.blogspot.com/_MNjvTyDyXgc
/TQ9zSEBL2tI/AAAAAAAABXQ/mCkW
n93f3dw/s1600/fuga_D_joao_VI.jpg
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
“Dom João partiu do Rio de Janeiro em 26 de abril. Sua comitiva
incluía cerca de 4000 portugueses – um terço do total que o havia
acompanhado na fuga para o Rio de Janeiro, treze anos antes. Conta-se que o
rei embarcou chorando de emoção. Se dependesse apenas de sua vontade,
ficaria no Brasil para sempre. Porém, uma vez mais, aquele rei gordo,
bonachão, sossegado, solitário e indeciso e, muitas vezes, medroso, curvava-
se ao peso das responsabilidades que a História lhe impunha (...).
O retorno da corte deixou o Brasil à míngua, às vésperas de sua
Independência. Ao embarcar, D. João VI raspou os cofres do Banco do Brasil e
levou embora o que ainda restava do tesouro real que havia trazido para a
colônia em 1808.”
Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes.
História, 2º Ano do Ensino Médio
A corte portuguesa no Brasil: o reino unido

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt

A República
A RepúblicaA República
A República
Beatriz Moscatel
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
Vítor Santos
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
Carmo Silva
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
Carmo Silva
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
Carmo Silva
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
A história da 1ª republica
A história da 1ª republicaA história da 1ª republica
A história da 1ª republica
anabelasilvasobral
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
filipe913355
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
sueli ramos
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Pedro Henrique
 
A Fase de D. João VI
A Fase de D. João VIA Fase de D. João VI
A Fase de D. João VI
Barbarataliuli
 
A Fase de D. João VI
A Fase de D. João VIA Fase de D. João VI
A Fase de D. João VI
Barbarataliuli
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
Nelia Salles Nantes
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
Nelia Salles Nantes
 
Power Point De HistóRia 2
Power Point De HistóRia 2Power Point De HistóRia 2
Power Point De HistóRia 2
guestde15028
 

Semelhante a A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt (20)

A República
A RepúblicaA República
A República
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
 
A história da 1ª republica
A história da 1ª republicaA história da 1ª republica
A história da 1ª republica
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
História do brasil
História do brasilHistória do brasil
História do brasil
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
A Fase de D. João VI
A Fase de D. João VIA Fase de D. João VI
A Fase de D. João VI
 
A Fase de D. João VI
A Fase de D. João VIA Fase de D. João VI
A Fase de D. João VI
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
Power Point De HistóRia 2
Power Point De HistóRia 2Power Point De HistóRia 2
Power Point De HistóRia 2
 

Mais de carloshistoriador

a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppta-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
carloshistoriador
 
O que é Cultura.pptx
O que é Cultura.pptxO que é Cultura.pptx
O que é Cultura.pptx
carloshistoriador
 
Roma-Antiga.pptx
Roma-Antiga.pptxRoma-Antiga.pptx
Roma-Antiga.pptx
carloshistoriador
 
aula ppv - 14-05.pptx
aula ppv - 14-05.pptxaula ppv - 14-05.pptx
aula ppv - 14-05.pptx
carloshistoriador
 
México.pptx
México.pptxMéxico.pptx
México.pptx
carloshistoriador
 
Os Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.pptOs Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.ppt
carloshistoriador
 
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptxTrabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
carloshistoriador
 
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptxAs Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
carloshistoriador
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
carloshistoriador
 
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
carloshistoriador
 
Pré-História.ppt
Pré-História.pptPré-História.ppt
Pré-História.ppt
carloshistoriador
 
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
carloshistoriador
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
carloshistoriador
 
Trabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdfTrabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdf
carloshistoriador
 

Mais de carloshistoriador (14)

a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppta-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
a-ordem-do-discurso-foucalt-resumo.ppt
 
O que é Cultura.pptx
O que é Cultura.pptxO que é Cultura.pptx
O que é Cultura.pptx
 
Roma-Antiga.pptx
Roma-Antiga.pptxRoma-Antiga.pptx
Roma-Antiga.pptx
 
aula ppv - 14-05.pptx
aula ppv - 14-05.pptxaula ppv - 14-05.pptx
aula ppv - 14-05.pptx
 
México.pptx
México.pptxMéxico.pptx
México.pptx
 
Os Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.pptOs Indígenas no Brasil.ppt
Os Indígenas no Brasil.ppt
 
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptxTrabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
Trabalho e Educação_fundamentos ontológicos e Históricos.pptx
 
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptxAs Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
As Primeiras Cidades_ Mesopotâmia_Egito_Hebreus.pptx
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
 
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
82034301813_-_povos_pre-colombianos_e_a_colonizacao_da_america_por_espanhois_...
 
Pré-História.ppt
Pré-História.pptPré-História.ppt
Pré-História.ppt
 
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
A Ideologia de Segurança Nacional, A Doutrina de Segurança Nacional e As Leis...
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 
Trabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdfTrabalho em Marx.pdf
Trabalho em Marx.pdf
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt

  • 1. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL: O REINO UNIDO Imagem: Debret, Jean Baptiste, 1768-1848 / public domain
  • 2. A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX • Grandes transformações econômicas políticas e sociais ocorreram na Europa no final do século XVIII e início do século XIX; • Na Inglaterra, se iniciava o processo de Revolução Industrial. No começo do século XIX, o país ostentava o posto de nação mais rica. Tinha a melhor marinha mercante e de guerra, e já dominava um vasto território colonial; • A Revolução Francesa dava os últimos golpes no Antigo Regime, substituindo o Absolutismo monárquico e os privilégios feudais pelos princípios liberais na economia e na política; • A Portugal e aos demais países europeus restava ficar entre as exigências e as ameaças militares do imperador francês Napoleão Bonaparte e a dependência econômica em relação a economia inglesa. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 3. A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX • O ano de 1789 é marcado pelo inicio da Revolução Francesa. Houve a destruição social e política dos vestígios feudais e a tomada do poder pela burguesia; • Em 1791 é lançada a nova Constituição, que afirma a posição social dominante da burguesia francesa; o rei Luis XVI é executado. • Para pôr fim à corrupção e à incompetência do governo instalado, a burguesia decidiu dar um golpe e apoiar o general Napoleão Bonaparte; • Em 1804, foi criado o Império, espécie de monarquia vitalícia. Apesar de haver Constituição, Napoleão governou despoticamente. Por algum tempo, a prosperidade resultante das reformas internas e o êxito das guerras permitiram a continuidade do regime. Imagem: Jacques-Louis David (1748–1825) / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 4. A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX • O imperador francês, Napoleão Bonaparte, havia colocado em prática uma política militar expansionista, com intuito de estender seu domínio sobre toda a Europa; • Com o objetivo de quebrar a resistência da Inglaterra, Napoleão tentou sufocá-la economicamente proibindo os países europeus de comercializarem com os ingleses, ao decretar, em 1806, o Bloqueio Continental. Imagem: Alex:D / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 5. A EUROPA, COMEÇO DO SÉCULO XIX • A Inglaterra capitalista e vários reinos absolutistas europeus unem-se para tentar destruir o governo revolucionário francês; • Lavrado em 1806, o documento que criava o Bloqueio Continental estabelecia que todos os portos da Europa deveriam fechar suas portas para as embarcações inglesas; • Portugal se encontrava numa situação bastante difícil, sofrendo pressões tanto dos ingleses quanto dos franceses; • Em 1807, França e Espanha assinavam o Tratado de Fontainebleau, decidindo invadir Portugal e dividir entre si suas colônias; • Preferindo aliar-se aos ingleses, o reino de Portugal assinou uma convenção secreta, na qual ficava decidida a transferência do governo português para o Brasil; • Enquanto os ingleses se comprometiam a defender o território lusitano contra a França, a Coroa Portuguesa entregava sua esquadra e garantia a abertura dos portos brasileiros para os ingleses. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 6. A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807 “Era uma cena impressionante, mas nem de longe lembrava os tempos heroicos, quando a esquadra de Vasco da Gama partiu do mesmo cais, singrando as águas do mesmo rio para navegar mares desconhecidos e descobrir terras distantes. Em 1807, o espírito de aventura dera lugar ao medo. Em vez de empreender e conquistar, a elite portuguesa fugia sem ao menos tentar resistir aos invasores franceses.” Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes. Imagem: Autor desconhecido / disponibilizado por Dornicke / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 7. A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807 • A esquadra portuguesa, que saiu do porto de Lisboa, era integrada pelo seguinte número de embarcações: oito naus, três fragatas e três brigues, e duas escunas; • Após a partida, os navios da esquadra portuguesa, escoltados pelos ingleses, dispersaram-se devido a uma forte tempestade; • Entre 10 a 15 mil pessoas acompanharam o príncipe regente na viagem ao Brasil; • O grupo incluía: nobres, conselheiros reais, cozinheiros, militares, juízes, comerciantes, médicos, clérigos, damas de companhia, todos acompanhados por suas famílias; • O povo português reagiu de forma indignada, com demonstrações de choro, desespero e revoltas; • A bagagem real incluía além do tesouro real, cerca de 80 milhões de cruzados, e os arquivos da monarquia portuguesa. Porém, com a pressa, todos os livros da Biblioteca real foram deixados na costa portuguesa, sendo embarcados para a colônia meses depois. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 8. A FUGA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA, NOVEMBRO DE 1807 Imagem: Hoshie / public domain Portugal Açores Madeira Canárias Desmenbramento da frota por tormentas na costa da Ilhha da Madeira Os navios que levam a Familia Real ancoram em Salvador, antes de seguir para o Rio de Janeiro. Depois de abastecer nas ilhas de Cabo Verde, o resto da frota segue diretamente para o Rio de Janeiro Brasil Cabo Verde História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 9. A FAMILIA REAL PORTUGUESA Dom João VI - Nascido em Lisboa em1767, era filho segundo da rainha D. Maria I, e de seu marido e tio D. Pedro III. Casou-se com a princesa espanhola, D. Carlota Joaquina de Bourbon. Em 1788 foi declarado herdeiro do trono, por ter falecido seu irmão primogênito, o príncipe D. José. Tendo enlouquecido a rainha sua mãe, teve de assumir a regência do reino no dia 1 de Fevereiro de 1792. Princesa Carlota Joaquina - Filha primogênita do rei da Espanha, Carlos 4°, e de sua esposa, nasceu em abril de 1775. Com apenas dez anos, casou-se por procuração com o príncipe de Portugal, D. João, em um acordo de aliança entre os dois países. Possuía um temperamento forte e voluntarioso, o que dificultava a sua relação com outras pessoas. Comenta-se que, durante a lua de mel, teria agredido o seu marido com uma dentada para que o casamento não fosse consumado. Imagem: Manuel Dias de Oliveira / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 10. A FAMILIA REAL PORTUGUESA Dona Maria I, de Portugal - nasceu em Lisboa em 1734, e era filha do rei José I. Ocupou o trono português até 1816. Era chamada de “A Piedosa” por ser uma pessoa de profunda religiosidade. No Brasil, ficou conhecida como Dona Maria, a Louca, devido a sua doença mental que veio a tona após o falecimento de seu primeiro filho. E os filhos do príncipe regente, futuros herdeiros do trono português - D. Pedro, D. Miguel, Maria Izabel, Maria Teresa, Maria da Assunção, Ana de Jesus, Maria Isabel, Maria Francisca e Isabel Maria. Imagem: Joseph Fortuné-Séraphin Layraud (1834-1912) / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 11. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • No dia 22 de janeiro de 1808, chegava a Salvador a família real portuguesa; • Foram apenas 34 dias em Salvador. O breve tempo, porém, não impediu dom João de tomar decisões fundamentais para destravar a economia brasileira e promover o crescimento da cidade; • o príncipe regente provocou uma verdadeira revolução na economia brasileira, ao decretar a abertura dos portos às nações amigas de Portugal; • Era o fim do monopólio comercial português com o Brasil; • A medida permitiu que navios mercantes estrangeiros atracassem livremente nos portos brasileiros. Chegada da família real portuguesa em Salvador, janeiro de 1808 Imagem: Henry L'Évêque (1768-1845) / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 12. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • Após sair de Salvador, o rei foi para o Rio de Janeiro, lá chegando em 08 de março de 1808, transformando a cidade em residência fixa da corte portuguesa; • instituiu alguns ministérios, entre eles o da Guerra, da Marinha, da Fazenda e do Interior; • Em 10 de setembro de 1808, imprimiu-se o primeiro jornal do país, a ‘Gazeta do Rio de Janeiro’; • Fundou o primeiro Banco do Brasil, criou a Real Academia Militar, a Academia de Belas Artes, incentivou a instalação de manufaturas, incentivou a vinda de uma Missão Artística Francesa em 1816, • a criação da Real Biblioteca, do Jardim Botânico e do Museu Real, posteriormente, o Museu Nacional; • Criou duas escolas superiores de medicina: uma em Salvador e outra no Rio de Janeiro. Litoral fluminense Imagem: Jean-Baptiste Debret (1768–1848) / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 13. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL D.João VI, Carlota Joaquina e seus filhos hospedaram-se, temporariamente, no Paço Imperial, um casarão localizado no centro da cidade que se transformaria na sede oficial do governo, até sua partida. O fluxo de mercadorias inglesas fez com que os navios se multiplicassem nos portos. A corte portuguesa causou um verdadeiro caos na cidade. O Rio de Janeiro passou por um rápido processo de urbanização. Charcos foram drenados, ruas ampliadas e calçadas construídas. Novos bairros foram incorporados à cidade. O número de escravos tendia a aumentar cada vez mais. Imagem: Louis Compte / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 14. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • A cobrança pela proteção inglesa veio sob a forma da criação de vários acordos entre as duas coroas; • Os mais famosos são os Tratados de 1810, ou de Comércio e Navegação, Aliança e Amizade, que estipulava novas taxas alfandegárias aos produtos ingleses, no valor de 15%; • Estes tratados também davam o direito aos ingleses de extraterritorialidade, ou seja, os cidadãos ingleses, mesmo morando no Brasil continuariam sob tutela e defesa das leis britânicas; • Além de dar permissão para que os navios ingleses pudessem navegar em águas brasileiras; • Determinava a proibição da Santa Inquisição no Brasil e a gradual extinção do tráfico negreiro; • Consolidava-se a preponderância inglesa. A Igreja católica, os comerciantes reinóis e os proprietários se sentiram prejudicados. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 15. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • Após a derrota napoleônica, sacramentada na famosa Batalha de Waterloo, na Bélgica, as monarquias europeias se reuniram em Viena, na Áustria, para discutir a redefinição do mapa político do Velho Continente - alterado em razão das Guerras Napoleônicas.; • Dois princípios acabaram norteando os trabalhos do Congresso: o princípio da restauração e legitimidade e o princípio do equilíbrio de poder e fronteiras geográficas; • Segundo os princípios adotados pelo Congresso de Viena, a Casa de Bragança, que reinava em Portugal antes da invasão napoleônica, seria restaurada. Porém, João de Bragança, D. João VI, estava no Brasil, não em Portugal. E o Brasil era somente uma colônia, não tendo o mesmo status político que o reino. • como consequência do estabelecimento da Casa de Bragança e da capital do Império Português no Rio de Janeiro, no referido ano de 1808, D. João VI estabeleceu a nova designação de Reino Unido para as suas coroas; • Os domínios portugueses da época ficaram a partir de então oficialmente designados como Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves; História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 16. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • Com a decisão de permanecer no Brasil, D. João neutralizou qualquer tentativa de emancipação política, mas, em compensação, provocou enorme insatisfação em Portugal; • Enquanto a América espanhola obteve a independência por meio de lutas mais ou menos sangrentas, a presença da Corte no Brasil favoreceu a ruptura colonial sem grandes convulsões sociais; • A manutenção do Estado e da luxuosa vida cortesã exigia o aumento dos tributos existentes e a criação de outros, pois os impostos alfandegários, a principal fonte de recursos, haviam diminuído. Imagem: Jean baptiste Debret / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 17. “Tudo isso contribuiu para que o entusiasmo dos primeiros dias da chegada logo se dissipasse. A colônia brasileira ganharia muito com a vinda de D. João, a começar pela sua independência, mas os problemas e o custo dos primeiros anos da família real no Rio de Janeiro foram enormes. Era preciso alimentar e pagar as despesas de uma corte ociosa, corrupta e perdulária. Isso aconteceu de duas formas. A primeira foram as listas de subscrição voluntária, que os ricos e poderosos da colônia assinaram de muito boa vontade porque tinham a certeza de obter em trocas rápidas e generosas vantagens. Como se verá (...), muita gente se enriqueceu com a chegada da família real. A segunda foi o aumento indiscriminado de taxas e impostos, que o povo todo pagou sem conseguir avaliar de imediato que benefícios teria com isso. No longo prazo, o descontentamento resultante se tornaria incontrolável.” Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 18. A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL • Vieram juntamente com a Família Real cerca de 15000 pessoas que eram sustentadas pelo governo. A maioria passou a ocupar os principais postos na administração; • O governador de Pernambuco, assim como os das outras províncias, era obrigado a enviar grandes somas de dinheiro para o Rio de Janeiro; • A Influência da Independência dos EUA, da Revolução Francesa e da Independência de algumas colônias espanholas incentivaram os pernambucanos a se revoltarem contra as cortes instaladas no Rio de Janeiro; • A chamada Revolução Pernambucana eclodiu em 6 de março de 1817, influenciada pelas ideias Iluministas, propagadas pelas sociedades maçônicas. Imagem: Tonyjeff / public domain Bandeira da Revolução Pernambucana História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 19. • no momento da Insurreição, os produtores nordestinos sofriam com a flutuação do açúcar e do algodão no mercado internacional; • Após conquistarem a cidade de Recife e derrotarem as tropas defensoras de Portugal, os revoltosos formaram um governo provisório composto por cinco membros; • difundiram o movimento em outras capitanias do Brasil e em algumas nações europeias; • a cidade do Recife foi cercada por embarcações que interromperam a comunicação da capitania com outras regiões; • Os lideres acabaram sendo presos e executados. Imagem: Autor Desconheciado / http://www.brasilescola.com/upload/e/Rev%20Pe rnambucana%20-%20BRASIL%20ESCOLA.jpg História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 20. A REVOLUÇÃO DO PORTO, 1820 Iniciado na cidade do Porto no dia 24 de Agosto de 1820, cuja burguesia mercantil se ressentia dos efeitos da elevação do Brasil a categoria de Reino Unido de Portugal e Algarves. Entre as suas reivindicações, exigiam o imediato retorno da Corte para o reino, visto como forma de restaurar a dignidade metropolitana, o estabelecimento, em Portugal, de uma Monarquia Constitucional, e a restauração da exclusividade de comércio com o Brasil (reinstauração do Pacto Colonial). O movimento vitorioso teve como consequências o retorno da Corte, à exceção de Dom Pedro I que permaneceu no Brasil na condição de Príncipe Regente, a Portugal no ano de 1821 e, diante do progressivo aumento da pressão para a recolonização do Brasil, este proclamou a sua independência em 1822. Imagem: Oscar Pereira da Silva (1865–1939) / public domain História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 21. O RETORNO DA FAMÍLIA REAL A PORTUGAL Pressionado pelos súditos em Portugal, D. João VI anunciou sua partida e, através de um decreto, entregou a seu filho D. Pedro a regência do Brasil. Pressentindo a inevitável independência, teve o cuidado de recomendar ao regente: “Pedro, se o Brasil se separar, antes seja para ti, que me hás de respeitar, do que para algum desses aventureiros.” O embarque da família real ocorreu em meio a grande agitação. Espalhara-se a notícia de que os navios que conduziriam a Corte estavam repletos de ouro, que o tesouro do Banco do Brasil teria sido saqueado. A agitação teria sido maior, não fosse a ordem de dispersão violenta da população que se dirigia ao porto, feita pelo próprio D. Pedro. Imagem: Autor Desconhecido / http://4.bp.blogspot.com/_MNjvTyDyXgc /TQ9zSEBL2tI/AAAAAAAABXQ/mCkW n93f3dw/s1600/fuga_D_joao_VI.jpg História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido
  • 22. “Dom João partiu do Rio de Janeiro em 26 de abril. Sua comitiva incluía cerca de 4000 portugueses – um terço do total que o havia acompanhado na fuga para o Rio de Janeiro, treze anos antes. Conta-se que o rei embarcou chorando de emoção. Se dependesse apenas de sua vontade, ficaria no Brasil para sempre. Porém, uma vez mais, aquele rei gordo, bonachão, sossegado, solitário e indeciso e, muitas vezes, medroso, curvava- se ao peso das responsabilidades que a História lhe impunha (...). O retorno da corte deixou o Brasil à míngua, às vésperas de sua Independência. Ao embarcar, D. João VI raspou os cofres do Banco do Brasil e levou embora o que ainda restava do tesouro real que havia trazido para a colônia em 1808.” Fragmentos retirados do livro ‘1808’, de Laurentino Gomes. História, 2º Ano do Ensino Médio A corte portuguesa no Brasil: o reino unido

Notas do Editor

  1. Chegada da família real portuguesa em Salvador, janeiro de 1808
  2. Chegada da corte ao litoral fluminense