SlideShare uma empresa Scribd logo
RELATÓRIO TÉCNICO
ANÁLISE SOBRE AS INTERVENÇÕES OCORRIDAS NA ARBORIZAÇÃO
URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP, EM DIVERSOS ESPAÇOS
LIVRES DE USO PÚBLICO, COM A PRÁTICA MACIÇA DE PODA E
SUPRESSÃO DE ÁRVORES.
Objeto: analisar, através de estudo técnico, o dano ambiental causado pelas
intervenções nas áreas verdes, com a prática maciça e indiscriminada de poda e
supressão de árvores, do município de Campinas, SP, iniciadas no ano de 2009,
pelo Departamento Municipal de Parques e Jardins, e praticadas até o momento
presente.
Executor: ROSANA NEGREIROS – CREA-SP: 060.105.487-6
Engenheira Agrônoma, pela ESALQ - USP, desde 1981
Pós Graduada em Gestão Ambiental pela UFSCar, desde 2007
Empresária no setor de Paisagismo, desde 1989.
INTRODUÇÃO
O tema arborização urbana tem sido abordado em inúmeras publicações
científicas e todas são unânimes em considerar sua importância sob o aspecto
das várias funções que representa, no planejamento e na administração das
cidades, para a sociedade e para o meio ambiente.
O desenvolvimento das cidades brasileiras se deu às expensas de grandes
devastações de áreas verdes. Hoje, manter e multiplicar a vegetação no espaço
urbano se tornou um sério problema para todos os setores da sociedade que ali
convivem.
É questão premente para as aglomerações urbanas o estabelecimento de políticas
que impliquem a preservação das áreas verdes e o uso do solo de forma
sustentável, visando contribuir para o equilíbrio do meio no qual o homem habita e
vive mais intensamente.
Com a ocorrência cada vez mais constante de problemas ambientais, as questões
relativas à arborização urbana assumem importância primordial na gestão das
cidades. No caso do Brasil, em que quase 80% da população vive no meio
urbano, não se pode prescindir da presença da vegetação arbórea nas cidades,
posto que constitui um importante indicador de qualidade ambiental.
Na gama de benefícios que a presença das árvores nas cidades traz consigo
podem ser destacados aspectos sociais, estéticos, psicológicos, climáticos,
ambientais e ecológicos.
METODOLOGIA
Para a elaboração do presente relatório foi usado material fotográfico, extraído de
arquivo pessoal, e imagens de satélites, coletadas do Google Earth. Assim,
encontram-se aqui imagens relevantes, que ilustram o dano ambiental provocado
pelas intervenções na arborização urbana do município de Campinas.
CONSIDERAÇÕES GERAIS E DISCUSSÃO
Este relatório apresenta documentação fotográfica e imagens de satélite (Google
Earth) que ilustram 04 áreas verdes, abaixo relacionadas, no município de
Campinas, submetidas recentemente a severas intervenções em sua arborização,
feitas pelo Departamento Municipal de Parques e Jardins:
- Praça Ralph Stettinger, na Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul)
(Fotos – 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18,
19).
- Praça José Alves Teixeira Camargo, Rua Coronel Silva Teles com a Rua
João Mendes Junior (Fotos – 20, 21, 22, 23).
- Canteiros centrais e taludes da Av. Aquidabã (Fotos 24, 25, 26, 27, 28,
29,30, 31, 32, 33, 34, 35, 36 ,37, 38, 39, 40, 41).
- A Praça Perseu Leite de Barros, entre a Rua Oriente e a Avenida José de
Souza Campos (Norte-Sul) (Fotos 42, 43, 44, 45, 46, 47).
Nas fotos que se seguem é possível analisar as áreas verdes, antes e depois de
sofrerem as intervenções de poda e supressão de árvores.
Fica evidente o grande número de árvores adultas que foram suprimidas e a
expressiva redução do volume das copas.
O procedimento de poda foi feito, em sua maioria, em árvores já adultas, bem
formadas, com o corte de galhos vitais e de grandes dimensões, expondo tecidos
mais velhos e vulneráveis, do centro do galho, menos aptos à “cicatrização”
(compartimentalização), que poderão servir de entrada de fungos e insetos
biodeterioradores. Esses tecidos, expostos pela poda, sofrerão também com as
altas temperaturas geradas pela insolação direta, podendo ocorrer morte das
células, causando sensível prejuízo às árvores.
Em médio prazo, seus lenhos podem sofrer necrose, apodrecimento, podendo até
provocar a morte das plantas.
Outro aspecto das podas mal executadas, que não respeitam a arquitetura da
planta, suprimindo grande parte da copa de forma desproporcional, é o
comprometimento do equilíbrio estrutural das árvores, tirando sua estabilidade
tornando-as mais vulneráveis a quedas.
Como a poda drástica provoca um grande desequilíbrio entre o volume de copa,
onde se dá a assimilação, e o volume de raízes, onde se dá a absorção, a
tendência da árvore para repor as folhas suprimidas será produzir uma brotação
profusa, na base dos galhos podados, dando à árvore um aspecto “vassoura”,
indesejável à sua arquitetura.
As podas de árvores adultas, tecnicamente adequadas, devem ser feitas sempre
pensando na preservação da arquitetura de suas copas, com a eliminação apenas
de ramos mortos e doentes.
Considerando que a vegetação arbórea tem função de suma importância nos
sistemas urbanos, as podas drásticas e a supressão de árvores, em várias áreas
verdes já consolidadas, conforme ilustrado nas imagens que constam desse
relatório, implicam em grande perda ambiental para o Município.
Maciços arbóreos funcionam como reguladores do microclima urbano. Árvores
adultas, principalmente as de grande porte, produzem sombra, que atenua o
aquecimento e interceptam a radiação solar ultravioleta, diminuindo seus efeitos
danosos à saúde. Também regulam a umidade relativa do ar, melhorando o
conforto térmico humano.
Outros benefícios da presença de maciços arbóreos que podem ser enumerados
são:
- Redução da poluição atmosférica: As copas das árvores podem reter até
70% da poeira em suspensão. Também removem gases tóxicos existentes
na atmosfera funcionando como filtros. Lançam oxigênio na atmosfera,
diluindo os gases poluentes.
- Redução de ruído: atenuam os níveis de ruído, absorvem as ondas sonoras
e interferem na sua refração e reflexão, reduzindo a poluição sonora.
- Controla o balanço hídrico: intercepta a água de chuva, reduz seu impacto
no solo, diminui o escorrimento superficial, evitando erosão e assoreamento
dos cursos d’água. Também melhora drenagem urbana, evita enchentes e
reabastece o lençol freático.
- Enriquece a paisagem: o efeito estético da presença de árvores na cidade é
o primeiro a ser notado pelas pessoas. A beleza das copas, suas formas
estrutura, textura e floradas enriquecem a paisagem, tornando-a mais tênue
e harmoniosa, amenizando as diferenças entre a escala humana e os
componentes das construções urbanas.
- Valor econômico: o patrimônio arbóreo também tem que ser considerado
como qualquer bem de capital dentro da infra-estrutura urbana e desta
forma deve ser bem mantido e preservado.
- Valor sócio-cultural: a boa manutenção da arborização urbana pelo poder
público pode ser instrumento de educação ambiental, criando no cidadão a
consciência ecológica e incentivando o espírito de preservação e renovação
do meio ambiente. Também pode reduzir a violência urbana.
- Melhora da saúde humana: as arvores atuam na saúde física e mental do
homem urbano, melhorando o clima a qualidade do ar, estimulando a
prática de exercícios físicos, reduzindo a fadiga mental e o estresse,
minimizando a poluição visual e sonora.
- Melhorias ambientais e ecológicas: as arvores, no meio urbano, abrigam e
alimentam a fauna silvestre. Podem servir como corredores ecológicos,
interligando espaços livres vegetados e remanescentes florestais e
promovendo o aumento da biodiversidade. Protegem os mananciais e
favorecendo os recursos hídricos.
Foto 01 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger antes das intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 02 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 03 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger antes das intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 04 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 05 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Fotos 06, 07, 08, 09 – Fotos Praça Ralph Stettinger durante intervenção: detalhe de
poda drástica e supressão de árvores sadias
Fotos 10, 11 – Fotos Praça Ralph Stettinger antes da intervenção
Foto 12 – Fotos Praça Ralph Stettinger apos da intervenção
Foto 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19 – Fotos Praça Ralph Stettinger apos da intervenção
Foto 20 – Imagem de satélite da Praça José Alves Teixeira Camargo antes
das intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 21 – Imagem de satélite da Praça José Alves Teixeira Camargo apos
as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 22, 23– Praça José Alves Teixeira Camargo após as intervenções
Foto 24 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã antes das intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 25 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 26 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã antes das intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 27 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 28 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 29 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 30, 31, 32 – Fotos da Av. Aquidabã antes das intervenções
Foto 33, 34, 35 – Fotos da Av. Aquidabã apos das intervenções
Foto 36, 37, 38, 39, 40, 41– Fotos da Av. Aquidabã durante as intervenções:
detalhe de podas drásticas e supressão de árvores sadias
Foto 42 – Imagem de satélite da Praça Perseu Leite de Barros antes das
intervenções
Fonte: Google Earth – 2010
Foto 43, 44, 45, 46, 47 – Fotos da Praça Perseu Leite de Barros após as
intervenções
CONCLUSÕES
A importância da criação de grupos gerenciais com o envolvimento dos diversos
setores da sociedade, que acompanhem o planejamento da arborização do
município, é premente. Somente empregando planejamento consciente, em
conjunto com comprometimento e participação de todos os cidadãos, poderão ser
implementadas mudanças efetivas no contexto atual da arborização no meio
urbano visando resgatar valores ambientas que foram perdidos ao longo do
“desenvolvimento” urbano pela ação do homem.
Deve-se, portanto, tentar corrigir de forma objetiva o que é possível no presente
momento e, daqui para frente, o poder público e todos os setores da sociedade
necessitam estar compromissados com as ações urbanas que possam interferir
nas condições ambientas, de modo a que ainda possamos habitar as cidades de
forma viável no futuro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
eercavalcanti
 
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
JONATHASMUSIC
 
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
zezinhopequeno
 
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto MunicipalVisita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
João Alfredo Telles Melo
 
Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
mnmaill
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDV
kliisnj
 
Renata ativ3slide
Renata ativ3slideRenata ativ3slide
Renata ativ3slide
Renata Silva
 
Renata ativ3slide
Renata ativ3slideRenata ativ3slide
Renata ativ3slide
Renata Silva
 
Representação 2013 ultima versão 17-09-13 (1).doc
Representação 2013   ultima versão 17-09-13 (1).docRepresentação 2013   ultima versão 17-09-13 (1).doc
Representação 2013 ultima versão 17-09-13 (1).doc
Resgate Cambuí
 
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeituraspManual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
Caliandra Desenhos
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
cruz ant
 
Aula 9 pa
Aula 9 paAula 9 pa
Aula 9 pa
Giovanna Ortiz
 
Edivanda Atividade industrial
Edivanda Atividade industrialEdivanda Atividade industrial
Edivanda Atividade industrial
Edivandapereira
 
034
034034
Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341
Audrey Guimarães
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
Diogo Brodt
 
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidadeA relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
Ceyrla Mendes
 
Eficiência energética na arquitetura.
Eficiência energética na arquitetura.Eficiência energética na arquitetura.
Eficiência energética na arquitetura.
Pedro Augusto Guimarães
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
UERGS
 

Mais procurados (19)

Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA REGIÃO SUL DE LONDRINA E ESTUDO DE IMPA...
 
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
A ideia principal da urbanização do terreno é agregar as formas da quadra nas...
 
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto MunicipalVisita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
Visita da comissão de meio ambiente ao Horto Municipal
 
Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
 
Arquitectura sustentável-EDV
Arquitectura  sustentável-EDVArquitectura  sustentável-EDV
Arquitectura sustentável-EDV
 
Renata ativ3slide
Renata ativ3slideRenata ativ3slide
Renata ativ3slide
 
Renata ativ3slide
Renata ativ3slideRenata ativ3slide
Renata ativ3slide
 
Representação 2013 ultima versão 17-09-13 (1).doc
Representação 2013   ultima versão 17-09-13 (1).docRepresentação 2013   ultima versão 17-09-13 (1).doc
Representação 2013 ultima versão 17-09-13 (1).doc
 
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeituraspManual arborizacaourbanaprefeiturasp
Manual arborizacaourbanaprefeiturasp
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Aula 9 pa
Aula 9 paAula 9 pa
Aula 9 pa
 
Edivanda Atividade industrial
Edivanda Atividade industrialEdivanda Atividade industrial
Edivanda Atividade industrial
 
034
034034
034
 
Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341Recursos paisagisticos 1431454341
Recursos paisagisticos 1431454341
 
Manual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadasManual de recuperação de áreas degradadas
Manual de recuperação de áreas degradadas
 
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidadeA relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
A relação entre decoração de interiores e sustentabilidade
 
Eficiência energética na arquitetura.
Eficiência energética na arquitetura.Eficiência energética na arquitetura.
Eficiência energética na arquitetura.
 
Recuperação de áreas
Recuperação de áreas Recuperação de áreas
Recuperação de áreas
 

Semelhante a 6a

Piloto arborização
Piloto arborizaçãoPiloto arborização
Benefícios da arborização
Benefícios da arborizaçãoBenefícios da arborização
Benefícios da arborização
Atividades Diversas Cláudia
 
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publico
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publicoPdf danos causados_ao_patrimonio_publico
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publico
Lidiane Medeiros
 
11a
11a11a
Saúde Ambiental
Saúde AmbientalSaúde Ambiental
Saúde Ambiental
Walquiria Dutra
 
Embrapa arvores urbanas
Embrapa arvores urbanasEmbrapa arvores urbanas
Embrapa arvores urbanas
Alexandre Panerai
 
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte ce
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte   ceA expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte   ce
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte ce
FATEC Cariri
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório final
andreia_2014
 
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
resgate cambui ong
 
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Larissa Pereira Mayer
 
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
Rafael Martins
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório final
mosaicocarioca
 
Arborização urbana
Arborização urbanaArborização urbana
Arborização urbana
Rafael Gustavo Dos Santos
 
Bio-Urbanismo _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
Bio-Urbanismo  _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...Bio-Urbanismo  _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
Bio-Urbanismo _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
Marcelo Vassalo
 
Gau decreto 15986 set_2007
Gau decreto 15986 set_2007Gau decreto 15986 set_2007
Gau decreto 15986 set_2007
Resgate Cambuí
 
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
Eliege Fante
 
Queda de árvores devido à fortes ventos
Queda de árvores devido à fortes ventosQueda de árvores devido à fortes ventos
Queda de árvores devido à fortes ventos
Linhares Júnior
 
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidadeTrabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
norivalfp
 
Arbo 20091 web_1253560984
Arbo 20091 web_1253560984Arbo 20091 web_1253560984
Arbo 20091 web_1253560984
revistaamazonia
 
Cartilha Arborização - frente
Cartilha Arborização - frenteCartilha Arborização - frente
Cartilha Arborização - frente
Jaciara Dias
 

Semelhante a 6a (20)

Piloto arborização
Piloto arborizaçãoPiloto arborização
Piloto arborização
 
Benefícios da arborização
Benefícios da arborizaçãoBenefícios da arborização
Benefícios da arborização
 
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publico
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publicoPdf danos causados_ao_patrimonio_publico
Pdf danos causados_ao_patrimonio_publico
 
11a
11a11a
11a
 
Saúde Ambiental
Saúde AmbientalSaúde Ambiental
Saúde Ambiental
 
Embrapa arvores urbanas
Embrapa arvores urbanasEmbrapa arvores urbanas
Embrapa arvores urbanas
 
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte ce
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte   ceA expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte   ce
A expansão urbana e as áreas verdes do municipio de juazeiro do norte ce
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório final
 
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
Resgate Cambui/Avaliação econômica das árvores viárias
 
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
Casa Popular Eficiente apresentação da ULBRA - FEISMA 2009
 
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamen...
 
Gt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório finalGt corredores verdes relatório final
Gt corredores verdes relatório final
 
Arborização urbana
Arborização urbanaArborização urbana
Arborização urbana
 
Bio-Urbanismo _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
Bio-Urbanismo  _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...Bio-Urbanismo  _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
Bio-Urbanismo _ Paisagem Urbana de “Alta Performance”- Uma nova visão para a...
 
Gau decreto 15986 set_2007
Gau decreto 15986 set_2007Gau decreto 15986 set_2007
Gau decreto 15986 set_2007
 
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
avaliacao-dos-aspectos-socioeconomicos-e-ambientais-da-silvicultura-de-pinus-...
 
Queda de árvores devido à fortes ventos
Queda de árvores devido à fortes ventosQueda de árvores devido à fortes ventos
Queda de árvores devido à fortes ventos
 
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidadeTrabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
Trabalho do enzo 123 (1) sustentabilidade
 
Arbo 20091 web_1253560984
Arbo 20091 web_1253560984Arbo 20091 web_1253560984
Arbo 20091 web_1253560984
 
Cartilha Arborização - frente
Cartilha Arborização - frenteCartilha Arborização - frente
Cartilha Arborização - frente
 

Mais de Resgate Cambuí

MP regularização fundiária
MP regularização fundiáriaMP regularização fundiária
MP regularização fundiária
Resgate Cambuí
 
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivo
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivoInquérito civil Sanasa/aumento abusivo
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivo
Resgate Cambuí
 
EMDEC/ilegalidades transp. publico
EMDEC/ilegalidades transp. publicoEMDEC/ilegalidades transp. publico
EMDEC/ilegalidades transp. publico
Resgate Cambuí
 
10a
10a10a
8a
8a8a
5a
5a5a
4a
4a4a
1a
1a1a
Concorrência 006 2017
Concorrência 006 2017Concorrência 006 2017
Concorrência 006 2017
Resgate Cambuí
 
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
Resgate Cambuí
 
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
Resgate Cambuí
 
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
Resgate Cambuí
 
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
Resgate Cambuí
 
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
Resgate Cambuí
 
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
Resgate Cambuí
 
Edital 2017 12-04-14_50_25
Edital 2017 12-04-14_50_25Edital 2017 12-04-14_50_25
Edital 2017 12-04-14_50_25
Resgate Cambuí
 
Diferença pl câmara e minuta 5
Diferença pl câmara e minuta 5Diferença pl câmara e minuta 5
Diferença pl câmara e minuta 5
Resgate Cambuí
 
Minuta 5
Minuta 5Minuta 5
Minuta 5
Resgate Cambuí
 
Pl câmara
Pl câmaraPl câmara
Pl câmara
Resgate Cambuí
 
Parecer final cmdu pdf.2
Parecer final cmdu pdf.2Parecer final cmdu pdf.2
Parecer final cmdu pdf.2
Resgate Cambuí
 

Mais de Resgate Cambuí (20)

MP regularização fundiária
MP regularização fundiáriaMP regularização fundiária
MP regularização fundiária
 
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivo
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivoInquérito civil Sanasa/aumento abusivo
Inquérito civil Sanasa/aumento abusivo
 
EMDEC/ilegalidades transp. publico
EMDEC/ilegalidades transp. publicoEMDEC/ilegalidades transp. publico
EMDEC/ilegalidades transp. publico
 
10a
10a10a
10a
 
8a
8a8a
8a
 
5a
5a5a
5a
 
4a
4a4a
4a
 
1a
1a1a
1a
 
Concorrência 006 2017
Concorrência 006 2017Concorrência 006 2017
Concorrência 006 2017
 
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
Esclarecimento de questionamento_3_2017-12-04_14_51_42
 
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
Esclarecimento de questionamento_2_2017-12-04_14_51_35
 
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
Esclarecimento de questionamento_1_2017-12-04_14_51_31
 
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_da_concorrencia_n_062017_2017-12-04_...
 
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
Comunicado de resposta_de_esclarecimento_2017-12-04_14_51_40
 
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
Anexo ii _projeto_basico_2017-12-04_14_50_29
 
Edital 2017 12-04-14_50_25
Edital 2017 12-04-14_50_25Edital 2017 12-04-14_50_25
Edital 2017 12-04-14_50_25
 
Diferença pl câmara e minuta 5
Diferença pl câmara e minuta 5Diferença pl câmara e minuta 5
Diferença pl câmara e minuta 5
 
Minuta 5
Minuta 5Minuta 5
Minuta 5
 
Pl câmara
Pl câmaraPl câmara
Pl câmara
 
Parecer final cmdu pdf.2
Parecer final cmdu pdf.2Parecer final cmdu pdf.2
Parecer final cmdu pdf.2
 

6a

  • 1. RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE SOBRE AS INTERVENÇÕES OCORRIDAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP, EM DIVERSOS ESPAÇOS LIVRES DE USO PÚBLICO, COM A PRÁTICA MACIÇA DE PODA E SUPRESSÃO DE ÁRVORES. Objeto: analisar, através de estudo técnico, o dano ambiental causado pelas intervenções nas áreas verdes, com a prática maciça e indiscriminada de poda e supressão de árvores, do município de Campinas, SP, iniciadas no ano de 2009, pelo Departamento Municipal de Parques e Jardins, e praticadas até o momento presente. Executor: ROSANA NEGREIROS – CREA-SP: 060.105.487-6 Engenheira Agrônoma, pela ESALQ - USP, desde 1981 Pós Graduada em Gestão Ambiental pela UFSCar, desde 2007 Empresária no setor de Paisagismo, desde 1989. INTRODUÇÃO O tema arborização urbana tem sido abordado em inúmeras publicações científicas e todas são unânimes em considerar sua importância sob o aspecto das várias funções que representa, no planejamento e na administração das cidades, para a sociedade e para o meio ambiente. O desenvolvimento das cidades brasileiras se deu às expensas de grandes devastações de áreas verdes. Hoje, manter e multiplicar a vegetação no espaço urbano se tornou um sério problema para todos os setores da sociedade que ali convivem. É questão premente para as aglomerações urbanas o estabelecimento de políticas que impliquem a preservação das áreas verdes e o uso do solo de forma sustentável, visando contribuir para o equilíbrio do meio no qual o homem habita e vive mais intensamente. Com a ocorrência cada vez mais constante de problemas ambientais, as questões relativas à arborização urbana assumem importância primordial na gestão das cidades. No caso do Brasil, em que quase 80% da população vive no meio urbano, não se pode prescindir da presença da vegetação arbórea nas cidades, posto que constitui um importante indicador de qualidade ambiental. Na gama de benefícios que a presença das árvores nas cidades traz consigo podem ser destacados aspectos sociais, estéticos, psicológicos, climáticos, ambientais e ecológicos. METODOLOGIA Para a elaboração do presente relatório foi usado material fotográfico, extraído de arquivo pessoal, e imagens de satélites, coletadas do Google Earth. Assim, encontram-se aqui imagens relevantes, que ilustram o dano ambiental provocado pelas intervenções na arborização urbana do município de Campinas.
  • 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS E DISCUSSÃO Este relatório apresenta documentação fotográfica e imagens de satélite (Google Earth) que ilustram 04 áreas verdes, abaixo relacionadas, no município de Campinas, submetidas recentemente a severas intervenções em sua arborização, feitas pelo Departamento Municipal de Parques e Jardins: - Praça Ralph Stettinger, na Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul) (Fotos – 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19). - Praça José Alves Teixeira Camargo, Rua Coronel Silva Teles com a Rua João Mendes Junior (Fotos – 20, 21, 22, 23). - Canteiros centrais e taludes da Av. Aquidabã (Fotos 24, 25, 26, 27, 28, 29,30, 31, 32, 33, 34, 35, 36 ,37, 38, 39, 40, 41). - A Praça Perseu Leite de Barros, entre a Rua Oriente e a Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul) (Fotos 42, 43, 44, 45, 46, 47). Nas fotos que se seguem é possível analisar as áreas verdes, antes e depois de sofrerem as intervenções de poda e supressão de árvores. Fica evidente o grande número de árvores adultas que foram suprimidas e a expressiva redução do volume das copas. O procedimento de poda foi feito, em sua maioria, em árvores já adultas, bem formadas, com o corte de galhos vitais e de grandes dimensões, expondo tecidos mais velhos e vulneráveis, do centro do galho, menos aptos à “cicatrização” (compartimentalização), que poderão servir de entrada de fungos e insetos biodeterioradores. Esses tecidos, expostos pela poda, sofrerão também com as altas temperaturas geradas pela insolação direta, podendo ocorrer morte das células, causando sensível prejuízo às árvores. Em médio prazo, seus lenhos podem sofrer necrose, apodrecimento, podendo até provocar a morte das plantas. Outro aspecto das podas mal executadas, que não respeitam a arquitetura da planta, suprimindo grande parte da copa de forma desproporcional, é o comprometimento do equilíbrio estrutural das árvores, tirando sua estabilidade tornando-as mais vulneráveis a quedas. Como a poda drástica provoca um grande desequilíbrio entre o volume de copa, onde se dá a assimilação, e o volume de raízes, onde se dá a absorção, a tendência da árvore para repor as folhas suprimidas será produzir uma brotação profusa, na base dos galhos podados, dando à árvore um aspecto “vassoura”, indesejável à sua arquitetura. As podas de árvores adultas, tecnicamente adequadas, devem ser feitas sempre pensando na preservação da arquitetura de suas copas, com a eliminação apenas de ramos mortos e doentes.
  • 3. Considerando que a vegetação arbórea tem função de suma importância nos sistemas urbanos, as podas drásticas e a supressão de árvores, em várias áreas verdes já consolidadas, conforme ilustrado nas imagens que constam desse relatório, implicam em grande perda ambiental para o Município. Maciços arbóreos funcionam como reguladores do microclima urbano. Árvores adultas, principalmente as de grande porte, produzem sombra, que atenua o aquecimento e interceptam a radiação solar ultravioleta, diminuindo seus efeitos danosos à saúde. Também regulam a umidade relativa do ar, melhorando o conforto térmico humano. Outros benefícios da presença de maciços arbóreos que podem ser enumerados são: - Redução da poluição atmosférica: As copas das árvores podem reter até 70% da poeira em suspensão. Também removem gases tóxicos existentes na atmosfera funcionando como filtros. Lançam oxigênio na atmosfera, diluindo os gases poluentes. - Redução de ruído: atenuam os níveis de ruído, absorvem as ondas sonoras e interferem na sua refração e reflexão, reduzindo a poluição sonora. - Controla o balanço hídrico: intercepta a água de chuva, reduz seu impacto no solo, diminui o escorrimento superficial, evitando erosão e assoreamento dos cursos d’água. Também melhora drenagem urbana, evita enchentes e reabastece o lençol freático. - Enriquece a paisagem: o efeito estético da presença de árvores na cidade é o primeiro a ser notado pelas pessoas. A beleza das copas, suas formas estrutura, textura e floradas enriquecem a paisagem, tornando-a mais tênue e harmoniosa, amenizando as diferenças entre a escala humana e os componentes das construções urbanas. - Valor econômico: o patrimônio arbóreo também tem que ser considerado como qualquer bem de capital dentro da infra-estrutura urbana e desta forma deve ser bem mantido e preservado. - Valor sócio-cultural: a boa manutenção da arborização urbana pelo poder público pode ser instrumento de educação ambiental, criando no cidadão a consciência ecológica e incentivando o espírito de preservação e renovação do meio ambiente. Também pode reduzir a violência urbana. - Melhora da saúde humana: as arvores atuam na saúde física e mental do homem urbano, melhorando o clima a qualidade do ar, estimulando a prática de exercícios físicos, reduzindo a fadiga mental e o estresse, minimizando a poluição visual e sonora. - Melhorias ambientais e ecológicas: as arvores, no meio urbano, abrigam e alimentam a fauna silvestre. Podem servir como corredores ecológicos, interligando espaços livres vegetados e remanescentes florestais e promovendo o aumento da biodiversidade. Protegem os mananciais e favorecendo os recursos hídricos.
  • 4. Foto 01 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 02 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 5. Foto 03 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 04 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 6. Foto 05 – Imagem de satélite da Praça Ralph Stettinger apos as intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Fotos 06, 07, 08, 09 – Fotos Praça Ralph Stettinger durante intervenção: detalhe de poda drástica e supressão de árvores sadias
  • 7. Fotos 10, 11 – Fotos Praça Ralph Stettinger antes da intervenção Foto 12 – Fotos Praça Ralph Stettinger apos da intervenção
  • 8. Foto 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19 – Fotos Praça Ralph Stettinger apos da intervenção
  • 9. Foto 20 – Imagem de satélite da Praça José Alves Teixeira Camargo antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 10. Foto 21 – Imagem de satélite da Praça José Alves Teixeira Camargo apos as intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 22, 23– Praça José Alves Teixeira Camargo após as intervenções
  • 11. Foto 24 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 25 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 12. Foto 26 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 27 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 13. Foto 28 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções Fonte: Google Earth – 2010 Foto 29 – Imagem de satélite da Av. Aquidabã após as intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 14. Foto 30, 31, 32 – Fotos da Av. Aquidabã antes das intervenções
  • 15. Foto 33, 34, 35 – Fotos da Av. Aquidabã apos das intervenções
  • 16. Foto 36, 37, 38, 39, 40, 41– Fotos da Av. Aquidabã durante as intervenções: detalhe de podas drásticas e supressão de árvores sadias
  • 17. Foto 42 – Imagem de satélite da Praça Perseu Leite de Barros antes das intervenções Fonte: Google Earth – 2010
  • 18. Foto 43, 44, 45, 46, 47 – Fotos da Praça Perseu Leite de Barros após as intervenções
  • 19. CONCLUSÕES A importância da criação de grupos gerenciais com o envolvimento dos diversos setores da sociedade, que acompanhem o planejamento da arborização do município, é premente. Somente empregando planejamento consciente, em conjunto com comprometimento e participação de todos os cidadãos, poderão ser implementadas mudanças efetivas no contexto atual da arborização no meio urbano visando resgatar valores ambientas que foram perdidos ao longo do “desenvolvimento” urbano pela ação do homem. Deve-se, portanto, tentar corrigir de forma objetiva o que é possível no presente momento e, daqui para frente, o poder público e todos os setores da sociedade necessitam estar compromissados com as ações urbanas que possam interferir nas condições ambientas, de modo a que ainda possamos habitar as cidades de forma viável no futuro.