SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudos
Orientados
Unidade Curricular Comum - UCC
2
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO – SEDUC/AM
Wilson Miranda Lima
Governador do Estado do Amazonas
Maria Josepha Penella Pêgas Chaves
Secretária de Estado de Educação e Desporto
Rosalina Moraes Lobo
Secretária Executiva Adjunta de Gestão
Hellen Cristina Silva Matute
Secretária Executiva Adjunta Pedagógica
Arlete Ferreira Mendonça
Secretária Executiva Adjunta da Capital
Ana Maria Araújo de Freitas
Secretária Executiva Adjunta do Interior
Adriana Maciel Antonaccio
Diretora do Departamento de Políticas e Programas Educacionais
Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário
Gerente do Ensino Regular
Karol Regina Soares Benfica
Gerente do Núcleo de Gestão Curricular
Lúcia Regina dos Santos Andrade
Coordenadora do Ensino Médio
3
FICHA TÉCNICA
Secretária Executiva Adjunta Pedagógica - SEAP
Hellen Cristina Silva Matute
Comitê de Implementação Novo Ensino Médio
Hadaquel da Silva Alcântara
Karol Regina Soares Benfica
Lúcia Regina dos Santos Andrade
Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário
Tiago Lima e Silva
Coordenação responsável - NGC
Gizelly Sousa Serejo
Colaboradores Técnico-Pedagógicos - SEDUC
Ivony Freitas Maia
Diagramação e Capa
Guilherme Araujo Soares
Jaqueline de Oliveira Gonçalves
Manoel Feitosa Jeffreys
4
APRESENTAÇÃO
O Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de
Educação e Desporto (SEDUC/AM), tem a grata satisfação de apresentar o Itinerário
Formativo – Unidade Curricular Estudos Orientados.
Este documento surge como parte do processo de implementação da Reforma
do Ensino Médio, induzida pela Lei no
13.415, de 16 de fevereiro de 2017, que altera a
Lei no
9.394/1996 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e incorpora novos
arranjos curriculares ao Ensino Médio de todo país.
A produção deste material é resultado do trabalho de especialistas das diversas
áreas do conhecimento, que se debruçaram em pesquisas e estudos com objetivo de
compartilhar com todos os docentes atuantes no Ensino Médio práticas educacionais
relevantes, para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem de cada UCC o que
deve ser somado às experiências de cada professor ministrante.
Por fim, desejo um bom uso destas orientações e que elas sirvam de ferramenta
de trabalho, auxiliando na condução desse novo momento curricular, pelo qual passa o
Ensino Médio da rede estadual do Amazonas. Acredito que as temáticas abordadas
incentivarão a busca por novas aprendizagens, capazes de tornar a tão desafiadora
etapa final da Educação Básica mais atrativa e conectada aos interesses de nossos
estudantes.
Boas aprendizagens!
MARIA JOSEPHA PENELLA PÊGAS CHAVES
Secretária de Estado de Educação e Desporto
5
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ................................................................................................................6
1. DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS - EO ..........7
1.1. Breve Contextualização................................................................................................7
1.2. Diretrizes Curriculares...................................................................................................8
1.3. Objetivo das Aulas de Estudos Orientados são: ......................................................9
1.4. Estrutura das Aulas de Estudos Orientados .............................................................9
2. DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS – EO.........10
2.1. Organização das Aulas de Estudos Orientados.....................................................11
2.2. Atribuições e Responsabilidades ..............................................................................11
3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA ESTUDANTES: AULAS DE
ESTUDOS ORIENTADOS ............................................................................................13
4. ESTRATÉGIA METODOLOGICAS PARA PROFESSORES: ESTUDOS
ORIENTADOS...............................................................................................................14
4.1. Sugestões de Técnicas para subsidiar as aulas de Estudos Orientados...........15
5 AVALIAÇÃO...........................................................................................................26
CONCLUSÃO .........................................................................................................26
REFERÊNCIAS.......................................................................................................27
ANEXOS (Plano de Ensino, Organizador Curricular)..............................................28
6
INTRODUÇÃO
A proposta desta diretriz é orientar o desenvolvimento das aulas de Estudos
Orientados (E.O) nas turmas de Ensino Médio. É importante destacar que este
componente integra a parte diversificada do Novo Ensino Médio (NEM) oferecido às
Escolas de Tempo Integral, alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e a
Lei n. 13.415/2017.
A Unidade Curricular Comum - Estudos Orientados, consistem na aquisição e no
desenvolvimento de técnicas e de rotinas de estudo, que possibilitem a organização do
processo de aprendizagem dos estudantes, visando a assegurar-lhes o direito à
educação de qualidade com foco no protagonismo juvenil e na equidade.
Conforme o art. 22 da Lei 9394/96, ao estudante deve-se assegurar a formação
comum e indispensável, para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para
progredir no trabalho e em estudos posteriores. Assim, este documento favorece ao
estudante orientações, acerca do desenvolvimento de suas potencialidades individuais
e coletivas, a capacidade para sua convivência em diferentes aspectos, além da
fundamentação do entendimento crítico de como funciona e se constitui uma sociedade
humana em suas relações sociais.
Tendo em vista que parte dos estudantes apresentam dificuldades em
estabelecer prioridade ao estudar, em organizar-se para a execução das atividades e a
revisão de conteúdos trabalhados em sala de aula, estas diretrizes têm como objetivo
“ensinar o estudante a estudar”, proporcionando-lhes apoio e orientações em seus
estudos diários, por meio de técnicas que os auxiliarão em seus processos de
aprendizagens.
Além disso os Estudos Orientados almejam desenvolver no estudante a prática
de aprender com maior potencialidade, responsabilidade e autonomia a princípio
organizada pela escola, fortalecendo assim, seu protagonismo. Assim, eles passam a
caminhar de forma autônoma, construindo o seu próprio percurso de formação,
desenvolvendo hábitos de estudo na escola e fora dela.
Dessa forma, criar hábitos de estudo é uma prioridade e uma necessidade, pois
o estudante precisa saber o que, quando e como estudar. É necessário que ele tenha
clareza desses procedimentos, para que possa dedicar, de forma eficiente, tempo e
esforço no ato de estudar.
Quando o estudante vir sentido e significado em sua relação com o saber, o ato
7
de estudar passa a ter novo sentido, para o seu Projeto de Vida e as aulas de Estudos
Orientados passam a ter um papel importante em sua vida estudantil.
Dessa forma, por entender a importância dessa unidade curricular, o Núcleo de
Gestão Curricular da SEDUC/AM disponibiliza essas diretrizes e orientações para o
bom encaminhamento em sua escola.
1. DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS - EO
1.1.Breve Contextualização
O Ensino Médio tem como propósito situar o sujeito como produtor do
conhecimento e participante do mundo do trabalho. Assim, segundo os Parâmetros
Curriculares Nacionais PCN do Ensino Médio (1999), a escola, em cumprimento ao seu
papel primordial, deve pensar em um currículo, enquanto instrumento que contemple a
cidadania democrática, apreciando conteúdos e estratégias de aprendizagem, que
potencialize o ser humano, para a realização de atividades nos três domínios da ação
humana: A vida em sociedade, a atividade produtiva e a experiencia subjetiva.
A Educação atual exige um olhar inovador e inclusivo às questões centrais do
processo educativo: o que aprender, para que aprender, como ensinar, como promover
teias de aprendizagem colaborativa e como avaliar o aprendizado.
O compromisso com a educação integral requer o desenvolvimento de
Competências para aprender a aprender, visando permitir ao estudante uma melhor
apreensão dos conhecimentos produzidos no mundo moderno. Assim como atuar com
discernimento e compromisso na Era da cultura digital, ter autonomia para tomar
decisões, aplicar conhecimentos para resolver problemas, ser proativo na busca de
soluções, conviver e aprender com as diferenças e as diversidades (BNCC,2018).
As instituições escolares e a rede de ensino devem se planejar com um claro
foco na equidade, diminuindo assim, a desigualdade do conhecimento, que
pressupõem reconhecer que as necessidades dos estudantes são diferentes (BNCC,
2018, p.15).
Nesse contexto, a BNCC afirma de maneira explícita, o seu compromisso com a
Educação integral, reconhecendo assim, que a Educação Básica deve visar à formação
e ao desenvolvimento humano, considerando a formação ética e o desenvolvimento da
8
autonomia intelectual, assumindo uma visão plural, singular e integral da criança, do
adolescente, do jovem adulto, considerando-os como sujeitos de aprendizagem
(BNCC, 2018, p. 14).
Dessa forma, a unidade Estudos Orientados estabelece-se, enquanto metodologia
de Êxito, que integra a parte diversificada do currículo do Novo Ensino Médio, cujo
processo de condução perpassa a obtenção e o desenvolvimento de técnicas de
estudo, que facilitam a organização do processo de aprendizagens dos estudantes,
visando assegura-lhes o direito à Educação de qualidade com foco no Protagonismo
Juvenil e na Equidade.
1.2.Diretrizes Curriculares
O estudante precisa entender que estudar é diferente de fazer tarefa, de ler e de
copiar os conteúdos escritos no quadro pelo professor. Estudar é muito mais do que
isso. Estudar, está associado ao ato de conhecer. Nesse sentido, compreenderá um
processo mais complexo. O qual, envolverá analisar e refletir acerca de um objeto ou
fenômeno, fazê-lo seu, desenvolvendo a capacidade de compreender e ressignificar a
realidade a partir de sua visão de mundo. O conhecimento é um processo que
transforma tanto aquilo que se conhece como também o conhecedor (FREIRE, 1996)
Os Estudos Orientados – EO oportuniza ao estudante mudar sua conduta frente
ao estudo e melhorar, consideravelmente, seu desempenho escolar, criando uma rotina
eficiente de atividades, de sua forma de ser, estar, aprender, fazer e conviver no
mundo. Tendo em vista que a UCC- Estudos Orientados tem a intenção de ajudar a
formar estudantes autônomos, devem ser consideradas as seguintes premissas:
• Equidade: Significa reconhecer o indivíduo, em suas especificidades,
enquanto ser humano, que tem o direito de aprender e de acessar
oportunidades diversas, diversificadas e ainda, diferenciadas, por meio de
interação que perpasse as múltiplas linguagens, recursos, espaços, saberes
os quais o fortaleçam, para quaisquer enfrentamentos de desigualdades
educacionais.
• Inclusão: Capacidade de interagir, de compartilhar com o outro, reconhecê-lo
em sua condição de diferença e acolhê-lo, inserindo-o, sem exceção,
respeitando as suas múltiplas identidades.
9
• Contemporaneidade: Compromisso com a formação de sujeitos críticos,
autônomos, responsáveis por suas ações, mais bem preparados para as
situações do século XXI.
• Sustentabilidade: Desenvolvimento de indivíduos que pensem na qualidade
da vida de todos no presente e da vida de gerações futuras, na propagação
de proteção ao ambiente e a tudo que faz parte do ambiente, promovendo
total harmonia entre os seres humanos e a natureza.
• Foco no desenvolvimento de competências: Capacidade de desenvolver
nos estudantes, conhecimentos, habilidades específicas e socioemocionais,
para situações de alta complexidade.
• Interdisciplinaridade: Comprometimento com o conhecimento que perpassa
as áreas e os componentes em suas especificidades, a partir de novos
procedimentos de alinhamento e de engajamento.
• Protagonismo: Significa concentrar a atenção no estudante, colocando-o no
centro da prática educativa, para atuar, para desafiar-se e para experienciar
situações diversas, que oportunizem a efetiva segurança de atuar na
sociedade.
1.3.Objetivo das Aulas de Estudos Orientados são:
• Desenvolver o hábito e as rotinas de estudo;
• Compreender os elementos essenciais para o ato de estudar;
• Diferençar intensidade de qualidade de estudo;
• Organizar-se para estudar;
• Compreender e aplicar técnicas de estudo na rotina diária
• Consolidar hábitos e rotinas de estudo.
1.4.Estrutura das Aulas de Estudos Orientados
As aulas de Estudos Orientados ocorrerão da seguinte forma: será desenvolvida
na Primeira série do Ensino Médio com carga horária de 80 horas anuais; na Segunda
e Terceira séries com carga horária de 40 horas. Terão oferta anual nas três séries das
Escolas de Tempo Integral (ETIs) e nas escolas Regulares, o mesmo se dará de
maneira transversal (Amazonas 2020, p.14), nas escolas Bilíngue, permanecerá nas
três séries, com carga horária de 120h anuais; que corresponde a três aulas semanais.
10
Considerou-se relevante iniciar na 1ª série com carga maior, por se tratar do
início da etapa, possibilitando potencializar as estruturas cognitivas dos estudantes,
acerca deste conhecimento, compreendendo o processo teórico como advindo de uma
associação entre técnicas e práticas, para que no futuro, com toda estrutura construída,
o estudante seja capaz de desenvolver competências que protagonizem sua
aprendizagem.
As aulas de Estudos Orientados serão ministradas por professores de qualquer
unidade curricular, a partir da disponibilidade de carga horária ou por extensão de
carga. O estudante aprende métodos, técnicas, e procedimentos para organizar,
planejar e executar seus processos de estudo, visando desenvolver o autodidatismo, a
autonomia, a capacidade de auto-organização e de responsabilidades pessoal.
A criação das rotinas de estudo pelos estudantes leva ao desenvolvimento de
Habilidades como: Motivação, Esforço, Perseverança, aprimorando conhecimentos e
fortalecendo a autoconfiança e a capacidade da solução de problemas.
Para atingir esses objetivos, o Planejamento das aulas deverá contemplar:
aulas técnicas de estudo ou projetos, aula de organização e planejamento de
estudos, e momentos com orientações para a execução do roteiro orientado ou do
estudo pessoal.
2. DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS – EO
MOMENTO DAS AULAS - Técnicas de Estudos
• AÇÂO DO PROFESSOR - Dar aula de técnicas de estudo e
ferramentas de estudo.
MOMENTO DAS AULAS - Organização de Estudos
• AÇÂO DO PROFESSOR - Dar aula de organização e plano de
estudos pessoal.
MOMENTO DAS AULAS - Orientações de Estudos
• AÇÂO DO PROFESSOR - Orientar a execução do Grupo de estudos
ou acompanhar o Estudo Pessoal
11
2.1.Organização das Aulas de Estudos Orientados
A organização das aulas de Estudos Orientados deve contemplar atividades que
visem:
• À promoção do aprendizado e do aprimoramento de técnicas e métodos de
estudo;
• Ao estímulo na participação ativa dos estudantes nas aulas de outros
componentes curriculares;
• Ao incentivo do estudante na organização de sua agenda, de seus materiais e
de planos de estudo e ainda, de estudar em grupo;
• Ao ensino do estudante na distribuição e na administração de forma produtiva
de seu tempo;
• Ao desenvolvimento da concentração, das responsabilidades e da
autoconfiança dos estudantes;
• Ao desenvolvimento de ações, que promovam o protagonismo juvenil.
As aulas de Estudos Orientados serão desenvolvidas, anualmente, em todas as
séries do ensino médio e serão avaliadas de forma processual, considerando a
participação; o desenvolvimento das habilidades; o envolvimento; e as produções dos
estudantes.
2.2.Atribuições e Responsabilidades
2.2.1. Do Gestor
O papel do gestor diante da UCC – Estudos Orientados é de grande importância,
porque na condição de responsável pelo bom encaminhamento de uma escola, cuja
gestão é democrática, há de se considerar uma cultura escolar, que oriente de modo
adequado, nos espaços, ambientes propícios o estudante a desenvolver-se na unidade
curricular. Pensando deste modo, destacam-se as atribuições e as responsabilidades
que se encontram a seguir.
• Assegurar o desenvolvimento de Estudos Orientados, a partir das orientações
desta diretriz;
• Analisar os indicadores de aprendizagem dos estudantes, em parceria com o
pedagogo e demais professores, no intuito de estabelecer estratégias de
ação, em conformidade com as necessidades;
12
• Reunir-se com pedagogo e professores desta UCC-EO, para traçar ações, em
consonância com as necessidades observadas, que serão executadas
durante as aulas;
• Certificar-se de que a escola oferece um ambiente favorável, para as aulas
práticas da UCC- EO;
• Monitorar o desenvolvimento das ações, por meio da análise dos resultados
de aprendizagem e outros instrumentos para possíveis correções.
2.2.2. Do Pedagogo:
Profissional de grande relevância na escola, por se entender que é o
responsável pela organização do trabalho pedagógico, é o mediador nos processos
que perpassam o ensino-aprendizagem e ainda, é o que garante as possibilidades das
ações a serem concretizadas, refletiu-se nas atribuições e responsabilidades a saber.
• Acompanhar o desenvolvimento das aulas da UCC- EO, a fim de contribuir
para a melhoria da prática;
• Planejar em parceria com a Coordenação da Escola de Tempo Integral (CETI)
e com os professores da UCC- EO, ações pedagógicas e atividades que
serão realizadas nas aulas;
• Apoiar o professor da UCC- EO, no planejamento das aulas e na provisão de
ferramentas, e espaço para as aulas;
• Priorizar ações com a equipe escolar baseadas nas avaliações diagnósticas,
para que os estudantes superem possíveis dificuldades, e potencializem o
que já sabem mediados pelo professor da UCC- EO;
• Monitorar o desenvolvimento dos planos de ação, por meio da análise dos
resultados de aprendizagem e outros instrumentos, para possíveis correções.
2.2.3. Do Professor
Profissional de importância direta, com a UCC- EO, uma vez que estará diante
do desafio de oportunizar, por meio dessa unidade a possibilidade do estudante,
compreender a importância dos conhecimentos, que perpassam a formação geral
básica, para dar seguimento ao que será condição primeira para a sua caminhada,
saber lidar com os conhecimentos, fazendo uso deles para a vida, para onde for.
Portanto, o Professor, enquanto Protagonista Docente será o condutor que norteará os
13
caminhos que permitam ao estudante o desenvolvimento da aprendizagem
significativa. Diante disso, foram destacadas as atribuições e as responsabilidades que
se encontram a seguir.
Orientar os estudantes na elaboração de planos de estudos periódicos;
• Estimular o desenvolvimento do hábito de estudar, por meio de técnicas e
estratégias que mostrem a importância do conhecimento;
• Observar, atentamente, as dificuldades dos estudantes e fornecer-lhes o
apoio necessário;
• Estimular a atuação de estudantes monitores;
• Monitorar os indicadores de aprendizagem dos estudantes;
• Revisar técnicas e estratégias de estudos, sempre que necessário, com os
estudantes que não alcançarem sua meta;
• Planejar aulas em parceria com o pedagogo, e manter um diálogo com o
professor do Projeto de Vida, acerca dos objetos de conhecimentos
ministrados, para um alinhamento eficaz com UCC- EO;
• Realizar ações diagnósticas para obter resultados de possíveis dificuldades
ou que potencializem o que já sabem, para informar a equipe de gestão.
3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA ESTUDANTES: AULAS DE
ESTUDOS ORIENTADOS
São fundamentais para auxiliar o estudante:
• Estabelecer uma meta, organizar um plano de metas, no qual deverá indicar
suas dificuldades de aprendizagem ou obstáculos que precisam vencer e
onde deseja chegar;
• Organizar todo material necessário para o estudo, antes de inicáa-lo;
• Estabelecer o tempo necessário para realizar tarefas ou estudos, no intuito
de seguir conforme o planejado;
• Definir o que irá “estudar” e qual o objetivo do estudo, estabelecendo as
prioridades para atingir o aprendizado esperado;
14
• Reconhecer através de técnicas de estudo o momento certo de parar e
recarregar suas energias, no momento que sua concentração diminuir;
• Buscar sites com aulas sobre o assunto de interesse de estudo, de forma a ter
mais opções para ajudá-lo a entender os objetos de conhecimento;
• Perguntar ao professor aquilo que não está muito claro ou que não sabe; as
dúvidas que porventura surgirem durante o estudo, devendo ser anotadas e,
durante as aulas, sanadas com o professor;
• Conhecer sua melhor forma de aprender, estudar em um ambiente agradável
e gerenciar bem o seu tempo em sala de aula e durante os estudos em casa;
• Utilizar agenda para registros de compromissos, eventos escolares, tarefas e
entregas de trabalhos.
4. ESTRATÉGIA METODOLOGICAS PARA PROFESSORES: ESTUDOS
ORIENTADOS
Alguns estudantes possuem maior facilidade de estudar assistindo a vídeos,
outros, não abrem mão de ouvir podcasts. E há ainda, aquele que prefere estudar
lendo e escrevendo. Essas diferenças não são aleatórias. Mesmo sem saber, eles
estão escolhendo técnicas adequadas com a própria personalidade que os ajudarão a
compreender os objetos de conhecimento. Estudos comprovam que existem três
formas principais de aprender com maior facilidade, tornando o processo de ensino-
aprendizagem mais produtivos, são elas: auditiva, cinestésica e visual.
Estudante auditivo
• Gosta de ouvir música, quase sempre usa fones de ouvido e nada disso,
atrapalha sua concentração;
• Apresenta facilidade de lembrar o que foi dito na sala de aula, mesmo que
tenha sido dito há semanas;
• Prefere ler em voz alta durante os estudos;
• Apresenta maior produtividade em aulas expositivas, cujas informações
chegam até ele pela audição;
O estudante auditivo pode potencializar seu aprendizado, gravando as aulas e
as escutando novamente depois. É importante que haja um conhecimento prévio entre
professores e estudantes auditivos, nos quais os participantes possam dialogar sobre o
15
que foi lido e verbalizar ideias.
Para ajudar nos estudos, podem usar podcasts.
Estudante cinestésico
• Gosta de praticar esportes e fazer exercícios;
• Apresenta o hábito de rabiscar o caderno, enquanto assiste às aulas;
• Costuma ficar impaciente e inquieto na carteira durante as aulas;
• Prefere abordagens mais práticas para aprender coisas novas;
• Possivelmente se sai melhor em componentes curriculares, que requerem
movimento e esforço físico, como educação física e aulas em laboratório.
Uma forma de ajudar o estudante cinestésico a fazer com que a inquietação se
torne favorável ao seu aprendizado e possibilitar que ele retenha mais informações em
aulas expositivas é orientá-lo a registrar as informações em aulas expositivas, e
registrar em forma de desenhos ou de mapas mentais. Questões de múltipla escolha
serão sempre as melhores opções.
Estudante visual
• Memoriza com maior facilidade os conteúdos, por meio de estímulos visuais ;
• Gosta de ler e presta mais atenção no que está escrito no quadro ou nos
slides durante as aulas;
• Faz anotações durante as aulas;
• Utiliza as imagens como um grande elemento para fixação do aprendizado;
Eles aprendem mais, quando se sentam nas carteiras da frente e longe das
janelas e da porta, para evitar distrações. Facilmente interpretam gráficos, mapas e
artigos, fazem anotações, grifam e sublinham momentos importantes de um texto.
4.1.Sugestões de Técnicas para subsidiar as aulas de Estudos Orientados
Este espaço dedica-se a apresentar algumas sugestões de técnicas que foram
pensadas para compor este documento, enquanto subsídio importante, para o
professor da UCC- EO. Não se esgotam nelas, mas acredita-se que servirão para a
condução de um trabalho que se quer eficaz e motivador.
Espera-se com isso, poder contribuir com professores e estudantes, que estarão
frente a essa unidade com o objetivo de fazer valer de fato e ser materializado, tudo
que for possível, para tornar o estudante mais bem disciplinado para o estudo individual
e coletivo.
16
I- Anotações
O benefício dessa técnica é possibilitar que o leitor fique mais atento às
explicações durante as aulas. Na hora de retomar o assunto tratados, as anotações
também ajudam a reconstruir a memória visual das aulas, em que estes foram tratados
e a relembrar a explicação dos professores, de forma resumida, ressaltando os pontos-
chaves. Um bom motivo para praticar essa técnica é o fato de ser inviável anotar tudo o
que o professor diz; por consequência, é necessário selecionar algumas partes, para
transferir para o caderno.
Sugestões de como fazer anotações:
• Anotar sempre as datas;
• Escrever o tema de cada aula ;
• Ficar atento aos desvios do assunto: embora os professores tentem organizar
a aula de uma maneira lógica, muitas vezes perguntas e outros
acontecimentos podem mudar o foco da aula. Os estudantes devem ficar
atentos.
II- Mapa Mental:
Essa técnica consiste na elaboração de um diagrama, que permite a
organização das ideias de forma simples e lógica, representando-as visualmente, a fim
de facilitar o entendimento do conteúdo. Inicia-se com um tema central, que evolui por
meio de linhas ou “ramos” relacionando os subtópicos do tema.
Como fazer a elaboração de um mapa mental:
Existem duas formas: desenhando ou utilizando ferramentas disponibilizadas na
internet. A sugestão é que seja feito à mão, com o objetivo de favorecer a memorização
e de facilitar o aprendizado.
Passos para a construção de um mapa mental:
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
4- Utilizar diferentes linguagens, verbal, oral, e digital para se
expressar e partilhar informações, produzir sentidos que levem ao
entendimento.
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
2 - Exercitar a curiosidade intelectual, a investigação, a
reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade.
17
• 1º- passo: Definir o tema central;
• 2º- passo: Procurar informações relacionadas ao tema e estudá-las, para
elaborar o mapa;
• 3º- passo: Utilizar cores, setas e desenhos. Esses elementos no mapa
auxiliarão na associação dos assuntos;
• 4º -passo: Usar palavras-chave curtas para construir o fluxo do mapa;
• 5º- passo: iniciar a construção do mapa pelo centro da folha, identificando o
tema central e o envolvimento com algum elemento visual;
• 6º- passo: Conectar as informações ao tema central, utilizando linhas, setas,
entre outros símbolos.
Exemplo de
Mapa Mental –
Professor(a), a sugestão é a de seguir alguns sites para subsidiar a elaboração
do mapa mental com os estudantes. Ex: https://www.canva.com/pt_br/graficos/mapa-mental/;
https:www.mindmeister.com/pt.
III- Fichamento:
O fichamento é um registro feito em fichas. Nele se resume as ideias principais
de um texto, que pode ser um livro ou parte dele, um artigo de revista e uma
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
5 - Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de
informação e comunicação de forma crítica, resolver
problemas e exercer protagonismo e autoria.
18
reportagem jornalística, por exemplo. Utilizado como técnica de estudo pessoal,
também serve para organizar apresentações.
Como fazer um fichamento de leitura de objetos de conhecimento:
a) Para fazer um fichamento deve-se inicialmente realizar uma leitura breve do
texto. Essa leitura dinâmica servirá para saber do que se trata o conteúdo do
texto que se pretende fichar.
b) Depois dessa primeira, realizar outra e após juntar as informações principais,
de forma organizada, registrando as citações com as devidas indicações de
onde as mesmas podem ser encontradas nos textos. As ideias devem estar
organizadas de acordo com a ordem em que aparecem no texto.
c) O fichamento pode ser elaborado manualmente em fichas, em blocos de
anotações ou em suporte informático. Importante que o estudante considere a
forma mais prática para os seus estudos.
IV- Mnemônico:
Mnemônico consiste na elaboração de suportes como esquemas gráficos,
símbolos, formulas, palavras ou frases relacionadas com o assunto, que se pretende
memorizar. Recorrer a esses suportes promove uma rápida associação e permite uma
melhor assimilação do conteúdo.
Eficácia da Técnica: Essa técnica faz uso de estratégias para acelerar a fixação
de conteúdos fórmulas, pedaços maiores de informação, etapas de um processo
facilitando assim, o processo ensino-aprendizagem através da memorização.
Memorização: Ato ou efeito de memorizar, conjunto de operações voluntárias e
metódicas que têm de pôr fim, a fixação de certos dados pela memória: DICIO,
Dicionário online de português. Disponível em https://www.dicio.com.br.
“A memória é o terreno onde é cultivada a educação” (CURY, A.J,2003). O
educador, Paulo Freire propõe uma educação, na qual o estudante se assume como
sujeito também da produção do saber, assim o professor deve entender que ensinar
não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção e
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
2 - Exercitar a curiosidade intelectual, a investigação, a
reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade.
19
construção” (FREIRE, 2002, p12).
Exemplo de Mnemônico: As etapas do balanceamento químico são reduzidas a
palavra MACHO.
V- Resumo
Passo a Passo:
O resumo é uma técnica que ajudará o estudante a assimilar o que lê e em
organizar todo o conteúdo que está estudando, a técnica de resumos pode ser um
aliado para melhorar a capacidade de compreensão dos estudantes facilitando assim, o
processo de Ensino-Aprendizagem.
O resumo não deve ser confundido com uma introdução, nem como cópia de um
texto, mas sim, o resumo possui sua função especifica, uma vez que muitos estudantes
têm maior facilidade de lembrar daquilo que veem e, por isso, a memória é chamada de
“visual”, quem tem memória visual deve dar ênfase nos resumos, imagens, desenhos,
cores e gráficos.
Fazer um resumo de cada componente estudado é de grande ajuda para a hora
da prova, testes ou seminários. Ao invés de ter que estudar todo o conteúdo, basta
consultar os seus resumos e logo lembrará de todas as informações adjacentes. Por
esse motivo, é primordial que o resumo seja feito com as próprias palavras do
estudante, para ajudá-lo a lembrar do conteúdo assim que ler a sua síntese.
Entendendo o Passo a Passo do Resumo
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
4 - Utilizar diferentes linguagens- verbal, corporal, visual-
escrita, para se expressar e partilhar informações que
levem ao entendimento mútuo.
Metais
Ametais
Carbono
Hidrogênio
Oxigênio
20
Toda sintetização de ideias em um novo formato, com a finalidade de transmitir
uma nova compreensão sobre seu sentido, pode ser considerado um resumo. Sua
elaboração requer leitura atenta, compreensão do seu contexto, desenvolvimento de
sínteses, esquemas, sublinhados, marcar com cores, entre outros. O passo a passo
para elaboração de um resumo requer o seguimento de algumas etapas para a sua
construção, entre elas pode-se citar algumas técnicas que facilitará o entendimento do
estudante para a elaboração de um resumo básico em forma de texto.
1 - Sublinhados - técnica de estudo universal - é o sublinhar ou grifar -
recomenda-se que o estudante faça uma leitura do início do texto até ao final
quantas vezes forem necessárias, em seguida, sublinhar as partes principais
do texto, ou usar marcações simples encontrar a palavra-chave e outros
elementos de ligação, fazendo isso por parágrafo do texto.
2 Esquemas - ferramenta de estudo muito eficaz, porque facilita a
compreensão de um texto, pois funciona como um esqueleto das ideias,
ajudando na elaboração de um resumo básico em forma de texto, pois o
esquema pode ser utilizado para se extrair a ideia principal de cada parte, o
esquema pode ser feito no próprio texto, usando marcações simples como
setas, círculos, pequenos desenhos ou símbolos, de maneira que
organize a ideia, fazendo relações com as palavras , identificando
semelhanças e diferenças, se há, uma ligação do primeiro parágrafo com o
segundo, identificando essa ligação através dos símbolos. Recomenda-se,
para um entendimento melhor do estudante, que ele faça essas marcações
nas bordas do texto, por parágrafo e que não seja longo para não perder o
propósito que é ao final, fazer um resumo básico em forma de texto.
21
a- Exemplo de um texto com esquema de borda:
Classificação das células ↔ (unidades vivas presente nos seres vivos)
As células são menores unidades estruturais e funcionais dos seres vivos. Com exceção dos
, todos os organismos vivos possuem células, suas partes básicas e as
estruturas nelas encontradas. As células podem ser classificadas em
diferente maneira e não apresentam material genético envolto por uma membrana, não apresenta
núcleo. As células destacam-se por possuírem material genético envolto da
membrana nuclear, ou seja, apresentam núcleo.
Texto livro- biologia molecular-9° edição, Junqueira e José Carneiro
b- Exemplo de um esquema básico:
Imagem disponível- http://guiadoestudante.abril.com.br , Acesso-30/11/2021
procarionte
vírus
Não possui núcleo
Não possui célula
eucarionte
Possui núcleo organizado
22
c- Resumindo:
Após uma leitura panorâmica do texto, com a execução de marcações das palavras-
chave, separação das ideias relevantes, com todas as observações marcadas ou circuladas,
com seus significados ao lado, setas identificando conceitos e diferenças, é hora de elaborar o
resumo básico em forma de texto, a partir das ideias esquematizadas de um fragmento ou de
um conteúdo estudado.
Escrever baseado em marcações ou anotações feitas antes, além de fixar
melhor o conteúdo, organizar melhor as ideias, favorece a escrita e a organização, sem
perder a ideia principal do texto, sem serem repetitivas ou conterem informações
demais. Os esquemas também são considerados resumos gráficos e auxiliam na
escrita do resumo básico em forma de texto, que podem ser feitas com base nas
marcações dos esquemas, conforme os exemplos apresentando anteriormente.
De acordo com o caderno concepção do modelo Escola da Escolha, do Instituto
de Corresponsabilidade pela Educação – ICE (2015), o resumo deve ser:
Há algumas concepções de modelo de outros programas que também servirão
para a composição na diversidade de maneiras a serem adotadas em estudos que são
orientados, foi o que ocorreu para o resumo. Aproveitou-se a oportunidade é destacou-
se o que segue.
• Breve e conciso: Elimina-se qualquer tipo de exemplos e detalhes dado pelo
autor;
• Pessoal: Deve ser dirigido com as palavras do estudante. Quando
reescrevemos um texto internalizamos melhor os assuntos;
• Logicamente estruturado: Deve seguir uma sequência lógica, nada de frases
soltas. O texto deve apresentar coerência, contendo relação entre tudo que
for elaborado.
VI - Método de Cornell
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
1 - Valorizar e utilizar os conhecimentos
historicamente construídos sobre o mundo físico,
social, cultural e digital para entender e explicar a
realidade
23
A técnica de Cornell foi criada na década de 1940 e é utilizada para melhorar a
forma de fazer anotações durante a aula ou ler um conteúdo importante. Cada pessoa
acaba desenvolvendo seu próprio método. Nos anos de 1940, um professor da
Universidade Cornell, autor de como estudar na faculdade, criou um sistema de como
fazer anotações, método que até hoje é respeitado: as anotações de Cornell.
Essa técnica consiste em dividir as páginas de anotações ou páginas do caderno
em três seções. Uma para parafrasear as principais ideias da aula ou do texto, outra
para resumi-las e uma terceira para anotar perguntas. Mas não precisa ser tudo ao
mesmo tempo (MARASCIULO,2018).
O estudante pode ficar à vontade para fazer suas anotações de maneira que
achar mais compreensivo, com o cuidado de deixar o espaço o suficiente para escrever
ou colorir. A ideia é facilitar o entendimento do conteúdo, que estar sendo estudado,
identificar cada espaço com canetas de cores diferentes, desenhos, o que achar
pertinentes para o seu entendimento. Cada parte da folha do caderno é dedicada para
um tipo de anotação, perguntas, dúvidas, respostas, título do conteúdo, tudo que
facilite a revisão para a hora da prova.
Exemplo de como utilizar o Método de Cornell:
Fonte da imagem: https://blog.enem.com.br/como-estudar-com-o-metodo-cornell/
24
VII- Roda de Conversa
A roda de conversa é uma técnica que valoriza a comunicação, motivação e
encorajamento entre os estudantes e professores, onde há a oportunidade da troca de
conhecimentos e expertise de cada um, com a finalidade de melhorar a maneira de
estudar, e de olhar o próximo.
Na roda de conversa o estudante pode tirar dúvidas, compartilhar dificuldades, e
desenvolver o habito de falar em público, respeitando o ponto de vista do outro e
aprendendo a controlar suas emoções.
Sugere-se que compartilhem assuntos ou conteúdos abordados nas aulas
anteriores, como por exemplo o conteúdo de algum filme assistido pela turma, de
preferência filmes que tenham relatos de conquistas pessoais. Essa técnica é de
grande eficácia para desenvolvimento de técnicas de estudo e habilidade
socioemocionais. É uma metodologia simples e com grande eficácia entre os
estudantes.
Exemplo da técnica roda de conversa:
COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC
6 - Valorizar a diversidade de saberes e vivencias
culturais e apropriar-se de conhecimentos e
experiências que lhe possibilitem entender as
relações próprias e do mundo do trabalho
Fonte da imagem:
http://www.camarasaofranciscodoconde.ba.gov.br/arquivos_imagem/no
t_arquivo_1494936709.jpg
25
VIII- Estudante Monitor
Essa técnica tem a função do estudante oferecer suporte e colaborar nas ações
promovidas na sala de aula, sob coordenação do professor responsável por Estudos
orientados.
O estudante-monitor será o elo entre os professores e os estudantes,
contribuindo com o conhecimento e desenvolvendo de habilidades, e competências
como: responsabilidades, compromisso, liderança, além, de um espirito cooperador.
Através dessa técnica o estudante colocará em prática um dos pilares da
Educação, o aprender a fazer que oportuniza colocar a mão na massa, desenvolvendo
o espírito contributivo e atitude de humildade, que se tornam valores imprescindíveis ao
trabalho coletivo. Ou seja, qualidades humanas, que se manifestam nas relações
interpessoais, que são mantidas no trabalho e passam a ser mais apreciadas.
Sugestões para o estudante monitor:
• Manter o ânimo e a boa relação;
• Ser flexível e fazer adaptações de
acordo com as necessidades do grupo
que estiver em sala;
• Manter a postura;
• Quando surgir perguntas, que não
souber responder, dizer, honestamente, que não sabe;
• Ser comunicativo, mantendo o diálogo com os professores e colegas;
• Manter a organização da sala de aula;
• Saber ouvir e estar aberto às contribuições.
Competência Geral da BNCC
9 - Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de
conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e
promovendo o respeito ao outro .
Fonte da imagem: https://alunomonitor-
lie.blogspot.com/2009/07/o-aluno-monitor-no-
laboratorio-de.html
26
5 AVALIAÇÃO
A avaliação interna das aprendizagens das UCC- EO será entendida como um
processo contínuo de intervenção pedagógica, em que se explica, enquanto
referenciais o desenvolvimento das competências gerais da BNCC, das Competências
socioemocionais e das habilidades voltadas para a leitura e compreensão de texto,
desenvolvimento da memória, de hábitos e de rotinas de estudo, por meio de técnicas,
gerenciamento do tempo, e habilidade para utilizar sites confiáveis e todas outras
habilidades específicas para a unidade curricular em questão.
Serão utilizados conceitos como:
Estudantes que certificaram desempenho acima das expectativas esperadas;
Estudantes que certificaram as habilidades essenciais esperadas;
Estudantes que certificam o desenvolvimento das habilidades essenciais em fase inicial.
CONCLUSÃO
Dado o exposto, ressalta-se que esse documento tem a finalidade de dar uma
direção ao professor da UCC - Estudos Orientados. Porém, as metodologias e as
técnicas apresentadas são sugestões, pertencendo ao professor a decisão de usá-las,
da maneira que lhe achar pertinente ao aprendizado de seus estudantes, possibilitando
que estes compreendam a melhor maneira de estudar, de tal maneira que se tornem
protagonistas do próprio conhecimento. Conforme as palavras de Freire “os educandos
vão se transformando em reais sujeitos da construção e da reconstrução do saber
ensinado, ao lado do educador, igualmente sujeito do processo” (FREIRE, 2003, p.26).
SUPEROU
CHEGOU LÁ
ESTÁ CHEGANDO
27
REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC,
2018. Disponível em:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.
pdf. Acesso em: 18 de nov.2021.
COÉFFÉ, Michel. Guia dos métodos de estudos. Editora Martins Fontes. São Paulo
CURY. Augusto Jorge. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro:
Sextante. 2003. Disponível em: http://alma.indika.cc/wp-content/uploads/2015/04/Pais-
brilhantes-Professores-F-Augusto-Cury.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa.
25 ed. São Paulo. Paz e Terra, 1996.
INSTITUTO DE CORRESPONSABILIDADE PELA EDUCAÇÃO ICE (Recife - Pe).
Concepção do Modelo da Escola da Escolha: ensino médio. Ensino Médio. 2015.
Disponível em: https://icebrasil.org.br/wp-content/uploads/2022/01/Cad-1-Concepcao-
do-Modelo-da-Escola-da-Escolha-EM.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021.
MARASCIULO, Marília. Método Cornell: a técnica que melhorará suas anotações
(e estudos). Revista Galileu, https://revistagalileu.globo.com/Vestibular-e-
Enem/noticia/2018/11/metodo-cornell-tecnica-que-melhorara-suas-anotacoes-e-
estudos.html. Acesso em: 22 de nov.2021.
28
ANEXOS (Plano de Ensino, Organizador Curricular).
PLANO DE ENSINO DA UNIDADE CURRICULAR COMUM/UCC – ESTUDOS
ORIENTADOS - UCC-EO
Etapa de Ensino: Médio Série: 1ª
Unidade Curricular: Estudos Orientados
Carga/horária 80 horas
Perfil do(a) Professor(a) Licenciatura preferencialmente Pedagogo
Ementa
Rotinas de estudo; Aprimoramento de técnicas e métodos de estudo; Planos de
estudo; Anotações; Mapa mental; Fichamento; Resumo; Relatórios; Esquemas;
Organização; Aluno-Monitor
Competências Gerais da BNCC
2- Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências,
incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade,
para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e
criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes
áreas.
6 - Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de
conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do
mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu
projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.
9 - Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-
se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com
acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus
saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer
natureza.
10 - Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade,
resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos,
democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.
Habilidades Socioemocionais
● Conhecer-se, apreciar-se para compreender-se suas emoções e as dos outros na
cultura e diversidade humana, objetivando a autogestão e capacidade para lidar
com elas;
● Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação. No sentido
de fazer-se respeitar e promover o respeito ao outro e aos direitos humanos, com
acolhimento e valorização da diversidade cultural do indivíduo, grupos sociais,
sem preconceitos de qualquer natureza;
29
● Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade,
resiliência e determinação, no sentido da tomada de decisões com base em
princípios éticos e culturais, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.
Habilidades Específicas
(EM13EO01AM) Identificar as próprias características, interesses, empenho, ritmo de
estudos, reconhecendo a importância de desenvolver hábitos e rotinas na aquisição de
conhecimento. .
(EM13EO02AM) Utilizar diferentes técnicas de estudos identificando ferramentas que
possibilitam sua aprendizagem, empregar diferentes técnicas para elaborar e interpretar
textos
(EM13LP28) Organizar situações de estudo e utilizar procedimentos e estratégias de
leitura adequados aos objetivos e à natureza do conhecimento em questão.
(EM13EO03AM) Apropriar-se de algumas técnicas de estudo, conhecendo e aplicando
na sua rotina diária, para desenvolver atividades planejadas.
Eixos Estruturantes
Investigação Científica – Orientar os estudantes para a investigação, acerca dos
conhecimentos científicos aplicando técnicas que facilite a pesquisa, a leitura e a
interpretação de textos, sendo capaz de analisar fatos cientificamente comprovados,
argumentando e sugerindo métodos de estudos para experimentação e solução de
problemas.
Processos criativos - Proporcionar aos estudantes que descubram técnicas e métodos
criativos de estudo, como a elaboração de mapas conceituais e esquemas coloridos que
facilite sua aprendizagem e a dos colegas, sendo ele capaz de monitorar outros
estudantes, tornando-se protagonista do seu conhecimento.
Objeto de Conhecimento
Unidade 1: Eu e os Estudos
● Por onde começar a estudar?
● Conceituando estudos orientados
● Estudar é o mesmo que fazer tarefas?
● Organização do tempo
● Desenvolvimento de bons hábitos para estudar
30
Objeto de Conhecimento
Unidade 2: Responsabilidade Pessoal é essencial para o sucesso dos estudos
● Conceitos de responsabilidade pessoal e sua relação com os estudos
● Desenvolvendo a disciplina nos estudos
● Diferença entre intensidade e qualidade de estudos
● Organização do material de estudos e do ambiente
● Identificar os hábitos essenciais para uma rotina de estudos
Objeto de Conhecimento
Unidade 3: Técnicas de Estudos
● Compreender e aplicar técnicas de estudos na rotina diária
● Aprender na prática a utilizar-se das Técnicas de Estudos
● Combinação de Teorias de estudos e a Prática cotidiana
● Elaboração de Técnicas de estudos
● Quais técnicas de estudos devem ser usadas para uma aula de campo
Objeto de Conhecimento
Unidade 4: Técnicas de Estudos para Síntese
● Esquema de borda, como elaborar?
● Resumo- Passo a Passo
● Relatórios
● Fichamentos
● Etapas para construir um Mapa Mental
● Técnica de Cornell
Metodologia
● Projeção de Vídeos que colaborem para o autoconhecimento;
● Aulas de campo, nas ruas do bairro, em locais com diferentes tipos de solo para
contextualizar o conhecimento a realidade do estudante amazonense, usando
técnicas como pequenos vídeos, podcast e esquemas;
● Aplicar atividades valorizando o estudante Auditivo, Visual e Cinestésico;
● Proporcionar grupos de estudos, com aluno-monitor a cada bimestre, para que o
estudante desenvolva habilidades socioemocionais como: Autogestão,
Resiliência; Responsabilidade.
● Elaborar junto com os estudantes um quadro organizador para ser exposto na
sala de aula, nesse quadro deve constar: horários de aula, data de avaliações,
organização de cronograma de trabalho, registro de atividades sequenciadas, e
lembretes de estudos para semana. Essa atividade promove no estudante
ações de organização, foco e planejamento da vida pessoal.
31
Avaliação
A avaliação da aprendizagem se enquadrará em um processo formativo e permanente
de reconhecimento das competências e habilidades, que os estudantes conseguiram
executar e construir durante o ano letivo. Serão utilizados os seguintes instrumentos:
● Examinar se agenda de estudos do estudante está sendo obedecida;
● Acompanhar a evolução do estudante através de exercícios concluídos e a
organização do seu material de estudos;
● Participação do estudante em pequenos grupos de estudos e sua reação com os
colegas;
● Resumos usando a Técnica de Cornell;
● Mapa Mental;
● Assiduidade na entrega de trabalhos e tarefas.
Referências
BACICH, Lilian. E MORAN, José: Methodologies Ativas para Uma Educação
Inovadora: Uma abordagem teórico-prática , Editora Penso 2018.
BENDER, Willian N. Aprendizagem Por Meio de Projetos, Editora Penso,2014
ALCHORNE, Isabela. CARVALHO, Sofia. Vivências: Projeto de Vida. 1° ed- São
Paulo, Scipione,2020.
BARROS, Fernanda Pinheiro. Estação Linguagens: rotas das ciências e
tecnologias. 1° ed – São Paulo: Ática, 2020.
CURY, Augusto Jorge. Pais Brilhantes Professores fascinantes, 19°ed. Sextante,
2003.
ICE, Instituto de Corresponsabilidade pela Educação, Caderno de Formação Escola
da Escolha, Terceiro Volume, metodologias de Êxito, Recife, 2017
ORGANIZADOR CURRICULAR DOS ITINERÁRIOS FORMATIVOS DA SEDUC/AM
Etapa: Ensino Médio Série 1ª
Itinerário Formativo: Unidade Curricular Comum Estudos Orientados- UCC-EO
Carga Horária: 80h Oferta: Anual
COMPETÊNCIA GERAL:
6- Valorizar a diversidade de saberes vivencias culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiencias que lhe possibilitem entender as
relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade,
autonomia, consciência e responsabilidade.
2- Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a
imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções, com base
nos conhecimentos das diferentes áreas.
10- Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidades, resiliência e determinação, tomando decisões com base
em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.
Competências Específicas: 1- Reconhecer a necessidade e a importância da aquisição de hábitos e rotinas de estudo, utilizar técnicas
de estudos para realização das atividades dentro e fora da escola; exercitar o autoconhecimento; compreender a diferença entre
intensidade e qualidade de estudo; refletir sobre os elementos essenciais para o ato de estudar apropriando-se da capaciadede de se
organizar. Visando ao autodidatismo e o protagonismo juvenil.
2- Apropriar-se de algumas técnicas de estudo, conhecendo e aplicando na sua rotina diária, para desenvolver atividades planejadas.
UNIDADES
OBJETO DE
CONHECIMENTO
HABILIDADE
ESPECIFICA
HABILIDADES
SOCIOEMOCIONAIS
SUGESTÕES
METODOLÓGICAS
UNIDADE I
Eu e os estudos
Estudo e vida:
-Por onde começar a estudar?
-Conceituando estudos orientados;
- Estudar é o mesmo que fazer
tarefas?
- Organização do tempo
- Desenvolvendo hábitos de
estudos
EM1EO01AM
Identificar as próprias
características, interesse
empenho ritmo de estudos,
reconhecendo a importância de
desenvolver hábitos e rotinas
na aquisição de conhecimento.
Organização
Foco
Determinação
Autoconfiança
- Organizar rodas de leitura com
técnicas de interpretação
- Aplicar atividades valorizando o
estudante auditivo, visual,
cenestésico
- Apresentar filmes que relatem
conquistas pessoais; após o filme,
dialogar com os estudantes para
uma reflexão.
UNIDADES
OBJETO DE
CONHECIMENTO
HABILIDADE
ESPECIFICA
HABILIDADES
SOCIOEMOCIONAIS
SUGESTÕES
METODOLÓGICAS
UNIDADE II
Responsabilidade
pessoal é
essencial para o
sucesso dos
estudos
- Conceito de responsabilidade
pessoal
- Desenvolvendo a disciplina nos
estudos
-Diferença entre intensidade e
qualidade
de estudos
-Organização do material de
estudos e do ambiente
-Identificar hábitos de estudos
EM13LP28
Organizar situações de estudo
identificando ferramentas que
possibilitam sua aprendizagem
em questão
- Curiosidade para
aprender
- Confiança
- Imaginação criativa
- Responsabilidade
- Construir um quadro organizador
para fixar na sala de aula, com
cronogramas de trabalhos, registros
de atividades e lembretes de
estudos
- Organizar rodas de conversa, com
perguntas sobre rotina diárias e de
estudos
- Organizar pequenos grupos de
estudos com aluno-monitor a cada
bimestre, para que o estudante
desenvolva responsabilidade e
resiliência.
UNIDADE III
Técnica de
estudos
- Compreender e Aplicar técnicas
de estudos na rotina diária.
-Aprender na pratica a utilizar-se
das Técnicas de estudos
- Combinação de teorias de
estudos e a pratica cotidiana
- Elaboração de técnicas de estudo
- Quais técnicas de estudos devem
ser usadas para uma aula de
campo
EM13EOAM
Apropriar-se de algumas
técnicas de estudo,
conhecendo e aplicando na
sua rotina diária, para
desenvolver atividades
planejadas
- Persistência
- Imaginação criativa
- Foco
- Determinação
- Vivenciar aulas de campo, nas
ruas de bairros, em locais de
diferentes tipos de solo para
contextualizar o conhecimento a
realidade do estudante
amazonense, usando técnica como
Podcast, pequenos vídeos e
esquemas
- Fazer fichamento de textos
- Elaborar Mnemônicos de
conteúdos complexos .
UNIDADES
OBJETO DE
CONHECIMENTO
HABILIDADE
ESPECIFICA
HABILIDADES
SOCIOEMOCIONAIS
SUGESTÕES
METODOLÓGICAS
UNIDADE IV
Técnica de
estudos para
síntese
- Esquema de borda como
elaborar?
- Resumo- passo a passo
- Como fazer um relatório
- Fichamentos
- Etapas para construir um Mapa
conceitual
-Técnica de Cornell
EM13EO02
Utilizar diferentes técnicas de
estudo identificando
ferramentas que possibilitam
sua prendizagem, e
habilidades de interpretar, e
elaborar textos.
- Autoconfiança
- Organização
-Persistência
- Criatividade
- Autogestão
- Ler artigos científicos
- Realizar Pesquisas bibliográficas
- Interpretar textos diversos e de
linguagem simples.
- Elaborar resumos utilizando a
técnica de Cornell, pois facilita a
compreensão do estudante
- Organizar pequenos grupos para
fazerem fichamentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
Mary Alvarenga
 
Eletricidade - Texto e atividade de Ciências
Eletricidade   - Texto e atividade de CiênciasEletricidade   - Texto e atividade de Ciências
Eletricidade - Texto e atividade de Ciências
Mary Alvarenga
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Maria de Lourdes Lourenço
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
Atividades Diversas Cláudia
 
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdfCruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
Mary Alvarenga
 
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
Graça Sousa
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
Isa ...
 
Gabarito: Atividade interdisciplinar: Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
 Gabarito: Atividade interdisciplinar:  Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta Gabarito: Atividade interdisciplinar:  Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
Gabarito: Atividade interdisciplinar: Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Ementa eletiva coracao
Ementa eletiva coracaoEmenta eletiva coracao
Ementa eletiva coracao
Janelindinha Sempre
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Danilo Padrão
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
Amanda Vaz
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Edson Salgado Ávella
 
I atividade de geografia 5º ano andré
I atividade de geografia 5º ano   andréI atividade de geografia 5º ano   andré
I atividade de geografia 5º ano andré
André Moraes
 
Aulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil efAulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil ef
Marina da Costa Lima
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
DirceGrein
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografia Avaliação de geografia
Avaliação de geografia
Isa ...
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Tânia Regina
 

Mais procurados (20)

Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
 
Eletricidade - Texto e atividade de Ciências
Eletricidade   - Texto e atividade de CiênciasEletricidade   - Texto e atividade de Ciências
Eletricidade - Texto e atividade de Ciências
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
 
Atividades sobre fake news
Atividades sobre fake newsAtividades sobre fake news
Atividades sobre fake news
 
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdfCruzadinha Planeta Terra.pdf
Cruzadinha Planeta Terra.pdf
 
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
 
Gabarito: Atividade interdisciplinar: Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
 Gabarito: Atividade interdisciplinar:  Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta Gabarito: Atividade interdisciplinar:  Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
Gabarito: Atividade interdisciplinar: Bullying – 8º ou 9ª ano – Com resposta
 
Ementa eletiva coracao
Ementa eletiva coracaoEmenta eletiva coracao
Ementa eletiva coracao
 
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...Atividade de estudo orientado   final da segunda etapa -  via e-mail -  ilmar...
Atividade de estudo orientado final da segunda etapa - via e-mail - ilmar...
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
I atividade de geografia 5º ano andré
I atividade de geografia 5º ano   andréI atividade de geografia 5º ano   andré
I atividade de geografia 5º ano andré
 
Aulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil efAulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil ef
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
 
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 4º BIMEST...
 
Avaliação de geografia
Avaliação de geografia Avaliação de geografia
Avaliação de geografia
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
Língua Portuguesa 6º ano: como se faz uma redação?
 

Semelhante a 01 estudos orientados eo 2022

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
MarcianaClaudioClaud
 
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdfESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
LIDIADASILVASANTOS
 
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
Centro Educacional Nilton Oliveira Santos -CENOS
 
Livro fundamentos e métodos do ensino médio
Livro fundamentos e métodos do ensino médioLivro fundamentos e métodos do ensino médio
Livro fundamentos e métodos do ensino médio
Magno Oliveira
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Caderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
Caderno de Estudo Orientado para Ensino MédioCaderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
Caderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
rafaeloliveirafelici
 
TUTORIA_ caderno PE (1).pdf
TUTORIA_ caderno PE (1).pdfTUTORIA_ caderno PE (1).pdf
TUTORIA_ caderno PE (1).pdf
OmarSantos50
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Carmen Campos
 
Manual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógicaManual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógica
semecti
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o 4º ano do Ensino Fundam...
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o  4º ano do Ensino Fundam...Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o  4º ano do Ensino Fundam...
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o 4º ano do Ensino Fundam...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagenscoordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Laboratório de Matemática-26.pdf
Laboratório de Matemática-26.pdfLaboratório de Matemática-26.pdf
Laboratório de Matemática-26.pdf
marlenematos72
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
Daniela F Almenara
 
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdfcrep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
edivirgesribeiro1
 
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
Najara Nascimento
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
Jose Gomes DE Abreu
 
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
E.E.E.M. Adolfo Fetter - Pelotas RS
 

Semelhante a 01 estudos orientados eo 2022 (20)

ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdfESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
ESTUDO_ORIENTADO_PE.pdf
 
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
03 - Interculturalidade e Diversidade Amazônica - 2ªsérie 2023_20-01.pdf
 
Livro fundamentos e métodos do ensino médio
Livro fundamentos e métodos do ensino médioLivro fundamentos e métodos do ensino médio
Livro fundamentos e métodos do ensino médio
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Caderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
Caderno de Estudo Orientado para Ensino MédioCaderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
Caderno de Estudo Orientado para Ensino Médio
 
TUTORIA_ caderno PE (1).pdf
TUTORIA_ caderno PE (1).pdfTUTORIA_ caderno PE (1).pdf
TUTORIA_ caderno PE (1).pdf
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicos
 
Manual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógicaManual de orientação técnico pedagógica
Manual de orientação técnico pedagógica
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
 
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o 4º ano do Ensino Fundam...
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o  4º ano do Ensino Fundam...Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o  4º ano do Ensino Fundam...
Caderno de Apoio e Aprendizagem de Matemática para o 4º ano do Ensino Fundam...
 
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagenscoordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
coordenador pedagógico caminhos desafios aprendizagens
 
Laboratório de Matemática-26.pdf
Laboratório de Matemática-26.pdfLaboratório de Matemática-26.pdf
Laboratório de Matemática-26.pdf
 
Plano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseliPlano de ação nilda auseli
Plano de ação nilda auseli
 
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdfcrep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
crep_educacao_fisica_2021_anosfinais.pdf
 
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagó...
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
 
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter   2015
Planos de Estudos da EJA - Escola Adolfo Fetter 2015
 

Último

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 

01 estudos orientados eo 2022

  • 2. 2 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E DESPORTO – SEDUC/AM Wilson Miranda Lima Governador do Estado do Amazonas Maria Josepha Penella Pêgas Chaves Secretária de Estado de Educação e Desporto Rosalina Moraes Lobo Secretária Executiva Adjunta de Gestão Hellen Cristina Silva Matute Secretária Executiva Adjunta Pedagógica Arlete Ferreira Mendonça Secretária Executiva Adjunta da Capital Ana Maria Araújo de Freitas Secretária Executiva Adjunta do Interior Adriana Maciel Antonaccio Diretora do Departamento de Políticas e Programas Educacionais Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário Gerente do Ensino Regular Karol Regina Soares Benfica Gerente do Núcleo de Gestão Curricular Lúcia Regina dos Santos Andrade Coordenadora do Ensino Médio
  • 3. 3 FICHA TÉCNICA Secretária Executiva Adjunta Pedagógica - SEAP Hellen Cristina Silva Matute Comitê de Implementação Novo Ensino Médio Hadaquel da Silva Alcântara Karol Regina Soares Benfica Lúcia Regina dos Santos Andrade Sirlei Adriani dos Santos Baima Elisiário Tiago Lima e Silva Coordenação responsável - NGC Gizelly Sousa Serejo Colaboradores Técnico-Pedagógicos - SEDUC Ivony Freitas Maia Diagramação e Capa Guilherme Araujo Soares Jaqueline de Oliveira Gonçalves Manoel Feitosa Jeffreys
  • 4. 4 APRESENTAÇÃO O Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (SEDUC/AM), tem a grata satisfação de apresentar o Itinerário Formativo – Unidade Curricular Estudos Orientados. Este documento surge como parte do processo de implementação da Reforma do Ensino Médio, induzida pela Lei no 13.415, de 16 de fevereiro de 2017, que altera a Lei no 9.394/1996 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e incorpora novos arranjos curriculares ao Ensino Médio de todo país. A produção deste material é resultado do trabalho de especialistas das diversas áreas do conhecimento, que se debruçaram em pesquisas e estudos com objetivo de compartilhar com todos os docentes atuantes no Ensino Médio práticas educacionais relevantes, para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem de cada UCC o que deve ser somado às experiências de cada professor ministrante. Por fim, desejo um bom uso destas orientações e que elas sirvam de ferramenta de trabalho, auxiliando na condução desse novo momento curricular, pelo qual passa o Ensino Médio da rede estadual do Amazonas. Acredito que as temáticas abordadas incentivarão a busca por novas aprendizagens, capazes de tornar a tão desafiadora etapa final da Educação Básica mais atrativa e conectada aos interesses de nossos estudantes. Boas aprendizagens! MARIA JOSEPHA PENELLA PÊGAS CHAVES Secretária de Estado de Educação e Desporto
  • 5. 5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ................................................................................................................6 1. DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS - EO ..........7 1.1. Breve Contextualização................................................................................................7 1.2. Diretrizes Curriculares...................................................................................................8 1.3. Objetivo das Aulas de Estudos Orientados são: ......................................................9 1.4. Estrutura das Aulas de Estudos Orientados .............................................................9 2. DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS – EO.........10 2.1. Organização das Aulas de Estudos Orientados.....................................................11 2.2. Atribuições e Responsabilidades ..............................................................................11 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA ESTUDANTES: AULAS DE ESTUDOS ORIENTADOS ............................................................................................13 4. ESTRATÉGIA METODOLOGICAS PARA PROFESSORES: ESTUDOS ORIENTADOS...............................................................................................................14 4.1. Sugestões de Técnicas para subsidiar as aulas de Estudos Orientados...........15 5 AVALIAÇÃO...........................................................................................................26 CONCLUSÃO .........................................................................................................26 REFERÊNCIAS.......................................................................................................27 ANEXOS (Plano de Ensino, Organizador Curricular)..............................................28
  • 6. 6 INTRODUÇÃO A proposta desta diretriz é orientar o desenvolvimento das aulas de Estudos Orientados (E.O) nas turmas de Ensino Médio. É importante destacar que este componente integra a parte diversificada do Novo Ensino Médio (NEM) oferecido às Escolas de Tempo Integral, alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e a Lei n. 13.415/2017. A Unidade Curricular Comum - Estudos Orientados, consistem na aquisição e no desenvolvimento de técnicas e de rotinas de estudo, que possibilitem a organização do processo de aprendizagem dos estudantes, visando a assegurar-lhes o direito à educação de qualidade com foco no protagonismo juvenil e na equidade. Conforme o art. 22 da Lei 9394/96, ao estudante deve-se assegurar a formação comum e indispensável, para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores. Assim, este documento favorece ao estudante orientações, acerca do desenvolvimento de suas potencialidades individuais e coletivas, a capacidade para sua convivência em diferentes aspectos, além da fundamentação do entendimento crítico de como funciona e se constitui uma sociedade humana em suas relações sociais. Tendo em vista que parte dos estudantes apresentam dificuldades em estabelecer prioridade ao estudar, em organizar-se para a execução das atividades e a revisão de conteúdos trabalhados em sala de aula, estas diretrizes têm como objetivo “ensinar o estudante a estudar”, proporcionando-lhes apoio e orientações em seus estudos diários, por meio de técnicas que os auxiliarão em seus processos de aprendizagens. Além disso os Estudos Orientados almejam desenvolver no estudante a prática de aprender com maior potencialidade, responsabilidade e autonomia a princípio organizada pela escola, fortalecendo assim, seu protagonismo. Assim, eles passam a caminhar de forma autônoma, construindo o seu próprio percurso de formação, desenvolvendo hábitos de estudo na escola e fora dela. Dessa forma, criar hábitos de estudo é uma prioridade e uma necessidade, pois o estudante precisa saber o que, quando e como estudar. É necessário que ele tenha clareza desses procedimentos, para que possa dedicar, de forma eficiente, tempo e esforço no ato de estudar. Quando o estudante vir sentido e significado em sua relação com o saber, o ato
  • 7. 7 de estudar passa a ter novo sentido, para o seu Projeto de Vida e as aulas de Estudos Orientados passam a ter um papel importante em sua vida estudantil. Dessa forma, por entender a importância dessa unidade curricular, o Núcleo de Gestão Curricular da SEDUC/AM disponibiliza essas diretrizes e orientações para o bom encaminhamento em sua escola. 1. DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS - EO 1.1.Breve Contextualização O Ensino Médio tem como propósito situar o sujeito como produtor do conhecimento e participante do mundo do trabalho. Assim, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN do Ensino Médio (1999), a escola, em cumprimento ao seu papel primordial, deve pensar em um currículo, enquanto instrumento que contemple a cidadania democrática, apreciando conteúdos e estratégias de aprendizagem, que potencialize o ser humano, para a realização de atividades nos três domínios da ação humana: A vida em sociedade, a atividade produtiva e a experiencia subjetiva. A Educação atual exige um olhar inovador e inclusivo às questões centrais do processo educativo: o que aprender, para que aprender, como ensinar, como promover teias de aprendizagem colaborativa e como avaliar o aprendizado. O compromisso com a educação integral requer o desenvolvimento de Competências para aprender a aprender, visando permitir ao estudante uma melhor apreensão dos conhecimentos produzidos no mundo moderno. Assim como atuar com discernimento e compromisso na Era da cultura digital, ter autonomia para tomar decisões, aplicar conhecimentos para resolver problemas, ser proativo na busca de soluções, conviver e aprender com as diferenças e as diversidades (BNCC,2018). As instituições escolares e a rede de ensino devem se planejar com um claro foco na equidade, diminuindo assim, a desigualdade do conhecimento, que pressupõem reconhecer que as necessidades dos estudantes são diferentes (BNCC, 2018, p.15). Nesse contexto, a BNCC afirma de maneira explícita, o seu compromisso com a Educação integral, reconhecendo assim, que a Educação Básica deve visar à formação e ao desenvolvimento humano, considerando a formação ética e o desenvolvimento da
  • 8. 8 autonomia intelectual, assumindo uma visão plural, singular e integral da criança, do adolescente, do jovem adulto, considerando-os como sujeitos de aprendizagem (BNCC, 2018, p. 14). Dessa forma, a unidade Estudos Orientados estabelece-se, enquanto metodologia de Êxito, que integra a parte diversificada do currículo do Novo Ensino Médio, cujo processo de condução perpassa a obtenção e o desenvolvimento de técnicas de estudo, que facilitam a organização do processo de aprendizagens dos estudantes, visando assegura-lhes o direito à Educação de qualidade com foco no Protagonismo Juvenil e na Equidade. 1.2.Diretrizes Curriculares O estudante precisa entender que estudar é diferente de fazer tarefa, de ler e de copiar os conteúdos escritos no quadro pelo professor. Estudar é muito mais do que isso. Estudar, está associado ao ato de conhecer. Nesse sentido, compreenderá um processo mais complexo. O qual, envolverá analisar e refletir acerca de um objeto ou fenômeno, fazê-lo seu, desenvolvendo a capacidade de compreender e ressignificar a realidade a partir de sua visão de mundo. O conhecimento é um processo que transforma tanto aquilo que se conhece como também o conhecedor (FREIRE, 1996) Os Estudos Orientados – EO oportuniza ao estudante mudar sua conduta frente ao estudo e melhorar, consideravelmente, seu desempenho escolar, criando uma rotina eficiente de atividades, de sua forma de ser, estar, aprender, fazer e conviver no mundo. Tendo em vista que a UCC- Estudos Orientados tem a intenção de ajudar a formar estudantes autônomos, devem ser consideradas as seguintes premissas: • Equidade: Significa reconhecer o indivíduo, em suas especificidades, enquanto ser humano, que tem o direito de aprender e de acessar oportunidades diversas, diversificadas e ainda, diferenciadas, por meio de interação que perpasse as múltiplas linguagens, recursos, espaços, saberes os quais o fortaleçam, para quaisquer enfrentamentos de desigualdades educacionais. • Inclusão: Capacidade de interagir, de compartilhar com o outro, reconhecê-lo em sua condição de diferença e acolhê-lo, inserindo-o, sem exceção, respeitando as suas múltiplas identidades.
  • 9. 9 • Contemporaneidade: Compromisso com a formação de sujeitos críticos, autônomos, responsáveis por suas ações, mais bem preparados para as situações do século XXI. • Sustentabilidade: Desenvolvimento de indivíduos que pensem na qualidade da vida de todos no presente e da vida de gerações futuras, na propagação de proteção ao ambiente e a tudo que faz parte do ambiente, promovendo total harmonia entre os seres humanos e a natureza. • Foco no desenvolvimento de competências: Capacidade de desenvolver nos estudantes, conhecimentos, habilidades específicas e socioemocionais, para situações de alta complexidade. • Interdisciplinaridade: Comprometimento com o conhecimento que perpassa as áreas e os componentes em suas especificidades, a partir de novos procedimentos de alinhamento e de engajamento. • Protagonismo: Significa concentrar a atenção no estudante, colocando-o no centro da prática educativa, para atuar, para desafiar-se e para experienciar situações diversas, que oportunizem a efetiva segurança de atuar na sociedade. 1.3.Objetivo das Aulas de Estudos Orientados são: • Desenvolver o hábito e as rotinas de estudo; • Compreender os elementos essenciais para o ato de estudar; • Diferençar intensidade de qualidade de estudo; • Organizar-se para estudar; • Compreender e aplicar técnicas de estudo na rotina diária • Consolidar hábitos e rotinas de estudo. 1.4.Estrutura das Aulas de Estudos Orientados As aulas de Estudos Orientados ocorrerão da seguinte forma: será desenvolvida na Primeira série do Ensino Médio com carga horária de 80 horas anuais; na Segunda e Terceira séries com carga horária de 40 horas. Terão oferta anual nas três séries das Escolas de Tempo Integral (ETIs) e nas escolas Regulares, o mesmo se dará de maneira transversal (Amazonas 2020, p.14), nas escolas Bilíngue, permanecerá nas três séries, com carga horária de 120h anuais; que corresponde a três aulas semanais.
  • 10. 10 Considerou-se relevante iniciar na 1ª série com carga maior, por se tratar do início da etapa, possibilitando potencializar as estruturas cognitivas dos estudantes, acerca deste conhecimento, compreendendo o processo teórico como advindo de uma associação entre técnicas e práticas, para que no futuro, com toda estrutura construída, o estudante seja capaz de desenvolver competências que protagonizem sua aprendizagem. As aulas de Estudos Orientados serão ministradas por professores de qualquer unidade curricular, a partir da disponibilidade de carga horária ou por extensão de carga. O estudante aprende métodos, técnicas, e procedimentos para organizar, planejar e executar seus processos de estudo, visando desenvolver o autodidatismo, a autonomia, a capacidade de auto-organização e de responsabilidades pessoal. A criação das rotinas de estudo pelos estudantes leva ao desenvolvimento de Habilidades como: Motivação, Esforço, Perseverança, aprimorando conhecimentos e fortalecendo a autoconfiança e a capacidade da solução de problemas. Para atingir esses objetivos, o Planejamento das aulas deverá contemplar: aulas técnicas de estudo ou projetos, aula de organização e planejamento de estudos, e momentos com orientações para a execução do roteiro orientado ou do estudo pessoal. 2. DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA OS ESTUDOS ORIENTADOS – EO MOMENTO DAS AULAS - Técnicas de Estudos • AÇÂO DO PROFESSOR - Dar aula de técnicas de estudo e ferramentas de estudo. MOMENTO DAS AULAS - Organização de Estudos • AÇÂO DO PROFESSOR - Dar aula de organização e plano de estudos pessoal. MOMENTO DAS AULAS - Orientações de Estudos • AÇÂO DO PROFESSOR - Orientar a execução do Grupo de estudos ou acompanhar o Estudo Pessoal
  • 11. 11 2.1.Organização das Aulas de Estudos Orientados A organização das aulas de Estudos Orientados deve contemplar atividades que visem: • À promoção do aprendizado e do aprimoramento de técnicas e métodos de estudo; • Ao estímulo na participação ativa dos estudantes nas aulas de outros componentes curriculares; • Ao incentivo do estudante na organização de sua agenda, de seus materiais e de planos de estudo e ainda, de estudar em grupo; • Ao ensino do estudante na distribuição e na administração de forma produtiva de seu tempo; • Ao desenvolvimento da concentração, das responsabilidades e da autoconfiança dos estudantes; • Ao desenvolvimento de ações, que promovam o protagonismo juvenil. As aulas de Estudos Orientados serão desenvolvidas, anualmente, em todas as séries do ensino médio e serão avaliadas de forma processual, considerando a participação; o desenvolvimento das habilidades; o envolvimento; e as produções dos estudantes. 2.2.Atribuições e Responsabilidades 2.2.1. Do Gestor O papel do gestor diante da UCC – Estudos Orientados é de grande importância, porque na condição de responsável pelo bom encaminhamento de uma escola, cuja gestão é democrática, há de se considerar uma cultura escolar, que oriente de modo adequado, nos espaços, ambientes propícios o estudante a desenvolver-se na unidade curricular. Pensando deste modo, destacam-se as atribuições e as responsabilidades que se encontram a seguir. • Assegurar o desenvolvimento de Estudos Orientados, a partir das orientações desta diretriz; • Analisar os indicadores de aprendizagem dos estudantes, em parceria com o pedagogo e demais professores, no intuito de estabelecer estratégias de ação, em conformidade com as necessidades;
  • 12. 12 • Reunir-se com pedagogo e professores desta UCC-EO, para traçar ações, em consonância com as necessidades observadas, que serão executadas durante as aulas; • Certificar-se de que a escola oferece um ambiente favorável, para as aulas práticas da UCC- EO; • Monitorar o desenvolvimento das ações, por meio da análise dos resultados de aprendizagem e outros instrumentos para possíveis correções. 2.2.2. Do Pedagogo: Profissional de grande relevância na escola, por se entender que é o responsável pela organização do trabalho pedagógico, é o mediador nos processos que perpassam o ensino-aprendizagem e ainda, é o que garante as possibilidades das ações a serem concretizadas, refletiu-se nas atribuições e responsabilidades a saber. • Acompanhar o desenvolvimento das aulas da UCC- EO, a fim de contribuir para a melhoria da prática; • Planejar em parceria com a Coordenação da Escola de Tempo Integral (CETI) e com os professores da UCC- EO, ações pedagógicas e atividades que serão realizadas nas aulas; • Apoiar o professor da UCC- EO, no planejamento das aulas e na provisão de ferramentas, e espaço para as aulas; • Priorizar ações com a equipe escolar baseadas nas avaliações diagnósticas, para que os estudantes superem possíveis dificuldades, e potencializem o que já sabem mediados pelo professor da UCC- EO; • Monitorar o desenvolvimento dos planos de ação, por meio da análise dos resultados de aprendizagem e outros instrumentos, para possíveis correções. 2.2.3. Do Professor Profissional de importância direta, com a UCC- EO, uma vez que estará diante do desafio de oportunizar, por meio dessa unidade a possibilidade do estudante, compreender a importância dos conhecimentos, que perpassam a formação geral básica, para dar seguimento ao que será condição primeira para a sua caminhada, saber lidar com os conhecimentos, fazendo uso deles para a vida, para onde for. Portanto, o Professor, enquanto Protagonista Docente será o condutor que norteará os
  • 13. 13 caminhos que permitam ao estudante o desenvolvimento da aprendizagem significativa. Diante disso, foram destacadas as atribuições e as responsabilidades que se encontram a seguir. Orientar os estudantes na elaboração de planos de estudos periódicos; • Estimular o desenvolvimento do hábito de estudar, por meio de técnicas e estratégias que mostrem a importância do conhecimento; • Observar, atentamente, as dificuldades dos estudantes e fornecer-lhes o apoio necessário; • Estimular a atuação de estudantes monitores; • Monitorar os indicadores de aprendizagem dos estudantes; • Revisar técnicas e estratégias de estudos, sempre que necessário, com os estudantes que não alcançarem sua meta; • Planejar aulas em parceria com o pedagogo, e manter um diálogo com o professor do Projeto de Vida, acerca dos objetos de conhecimentos ministrados, para um alinhamento eficaz com UCC- EO; • Realizar ações diagnósticas para obter resultados de possíveis dificuldades ou que potencializem o que já sabem, para informar a equipe de gestão. 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS PARA ESTUDANTES: AULAS DE ESTUDOS ORIENTADOS São fundamentais para auxiliar o estudante: • Estabelecer uma meta, organizar um plano de metas, no qual deverá indicar suas dificuldades de aprendizagem ou obstáculos que precisam vencer e onde deseja chegar; • Organizar todo material necessário para o estudo, antes de inicáa-lo; • Estabelecer o tempo necessário para realizar tarefas ou estudos, no intuito de seguir conforme o planejado; • Definir o que irá “estudar” e qual o objetivo do estudo, estabelecendo as prioridades para atingir o aprendizado esperado;
  • 14. 14 • Reconhecer através de técnicas de estudo o momento certo de parar e recarregar suas energias, no momento que sua concentração diminuir; • Buscar sites com aulas sobre o assunto de interesse de estudo, de forma a ter mais opções para ajudá-lo a entender os objetos de conhecimento; • Perguntar ao professor aquilo que não está muito claro ou que não sabe; as dúvidas que porventura surgirem durante o estudo, devendo ser anotadas e, durante as aulas, sanadas com o professor; • Conhecer sua melhor forma de aprender, estudar em um ambiente agradável e gerenciar bem o seu tempo em sala de aula e durante os estudos em casa; • Utilizar agenda para registros de compromissos, eventos escolares, tarefas e entregas de trabalhos. 4. ESTRATÉGIA METODOLOGICAS PARA PROFESSORES: ESTUDOS ORIENTADOS Alguns estudantes possuem maior facilidade de estudar assistindo a vídeos, outros, não abrem mão de ouvir podcasts. E há ainda, aquele que prefere estudar lendo e escrevendo. Essas diferenças não são aleatórias. Mesmo sem saber, eles estão escolhendo técnicas adequadas com a própria personalidade que os ajudarão a compreender os objetos de conhecimento. Estudos comprovam que existem três formas principais de aprender com maior facilidade, tornando o processo de ensino- aprendizagem mais produtivos, são elas: auditiva, cinestésica e visual. Estudante auditivo • Gosta de ouvir música, quase sempre usa fones de ouvido e nada disso, atrapalha sua concentração; • Apresenta facilidade de lembrar o que foi dito na sala de aula, mesmo que tenha sido dito há semanas; • Prefere ler em voz alta durante os estudos; • Apresenta maior produtividade em aulas expositivas, cujas informações chegam até ele pela audição; O estudante auditivo pode potencializar seu aprendizado, gravando as aulas e as escutando novamente depois. É importante que haja um conhecimento prévio entre professores e estudantes auditivos, nos quais os participantes possam dialogar sobre o
  • 15. 15 que foi lido e verbalizar ideias. Para ajudar nos estudos, podem usar podcasts. Estudante cinestésico • Gosta de praticar esportes e fazer exercícios; • Apresenta o hábito de rabiscar o caderno, enquanto assiste às aulas; • Costuma ficar impaciente e inquieto na carteira durante as aulas; • Prefere abordagens mais práticas para aprender coisas novas; • Possivelmente se sai melhor em componentes curriculares, que requerem movimento e esforço físico, como educação física e aulas em laboratório. Uma forma de ajudar o estudante cinestésico a fazer com que a inquietação se torne favorável ao seu aprendizado e possibilitar que ele retenha mais informações em aulas expositivas é orientá-lo a registrar as informações em aulas expositivas, e registrar em forma de desenhos ou de mapas mentais. Questões de múltipla escolha serão sempre as melhores opções. Estudante visual • Memoriza com maior facilidade os conteúdos, por meio de estímulos visuais ; • Gosta de ler e presta mais atenção no que está escrito no quadro ou nos slides durante as aulas; • Faz anotações durante as aulas; • Utiliza as imagens como um grande elemento para fixação do aprendizado; Eles aprendem mais, quando se sentam nas carteiras da frente e longe das janelas e da porta, para evitar distrações. Facilmente interpretam gráficos, mapas e artigos, fazem anotações, grifam e sublinham momentos importantes de um texto. 4.1.Sugestões de Técnicas para subsidiar as aulas de Estudos Orientados Este espaço dedica-se a apresentar algumas sugestões de técnicas que foram pensadas para compor este documento, enquanto subsídio importante, para o professor da UCC- EO. Não se esgotam nelas, mas acredita-se que servirão para a condução de um trabalho que se quer eficaz e motivador. Espera-se com isso, poder contribuir com professores e estudantes, que estarão frente a essa unidade com o objetivo de fazer valer de fato e ser materializado, tudo que for possível, para tornar o estudante mais bem disciplinado para o estudo individual e coletivo.
  • 16. 16 I- Anotações O benefício dessa técnica é possibilitar que o leitor fique mais atento às explicações durante as aulas. Na hora de retomar o assunto tratados, as anotações também ajudam a reconstruir a memória visual das aulas, em que estes foram tratados e a relembrar a explicação dos professores, de forma resumida, ressaltando os pontos- chaves. Um bom motivo para praticar essa técnica é o fato de ser inviável anotar tudo o que o professor diz; por consequência, é necessário selecionar algumas partes, para transferir para o caderno. Sugestões de como fazer anotações: • Anotar sempre as datas; • Escrever o tema de cada aula ; • Ficar atento aos desvios do assunto: embora os professores tentem organizar a aula de uma maneira lógica, muitas vezes perguntas e outros acontecimentos podem mudar o foco da aula. Os estudantes devem ficar atentos. II- Mapa Mental: Essa técnica consiste na elaboração de um diagrama, que permite a organização das ideias de forma simples e lógica, representando-as visualmente, a fim de facilitar o entendimento do conteúdo. Inicia-se com um tema central, que evolui por meio de linhas ou “ramos” relacionando os subtópicos do tema. Como fazer a elaboração de um mapa mental: Existem duas formas: desenhando ou utilizando ferramentas disponibilizadas na internet. A sugestão é que seja feito à mão, com o objetivo de favorecer a memorização e de facilitar o aprendizado. Passos para a construção de um mapa mental: COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 4- Utilizar diferentes linguagens, verbal, oral, e digital para se expressar e partilhar informações, produzir sentidos que levem ao entendimento. COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 2 - Exercitar a curiosidade intelectual, a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade.
  • 17. 17 • 1º- passo: Definir o tema central; • 2º- passo: Procurar informações relacionadas ao tema e estudá-las, para elaborar o mapa; • 3º- passo: Utilizar cores, setas e desenhos. Esses elementos no mapa auxiliarão na associação dos assuntos; • 4º -passo: Usar palavras-chave curtas para construir o fluxo do mapa; • 5º- passo: iniciar a construção do mapa pelo centro da folha, identificando o tema central e o envolvimento com algum elemento visual; • 6º- passo: Conectar as informações ao tema central, utilizando linhas, setas, entre outros símbolos. Exemplo de Mapa Mental – Professor(a), a sugestão é a de seguir alguns sites para subsidiar a elaboração do mapa mental com os estudantes. Ex: https://www.canva.com/pt_br/graficos/mapa-mental/; https:www.mindmeister.com/pt. III- Fichamento: O fichamento é um registro feito em fichas. Nele se resume as ideias principais de um texto, que pode ser um livro ou parte dele, um artigo de revista e uma COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 5 - Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria.
  • 18. 18 reportagem jornalística, por exemplo. Utilizado como técnica de estudo pessoal, também serve para organizar apresentações. Como fazer um fichamento de leitura de objetos de conhecimento: a) Para fazer um fichamento deve-se inicialmente realizar uma leitura breve do texto. Essa leitura dinâmica servirá para saber do que se trata o conteúdo do texto que se pretende fichar. b) Depois dessa primeira, realizar outra e após juntar as informações principais, de forma organizada, registrando as citações com as devidas indicações de onde as mesmas podem ser encontradas nos textos. As ideias devem estar organizadas de acordo com a ordem em que aparecem no texto. c) O fichamento pode ser elaborado manualmente em fichas, em blocos de anotações ou em suporte informático. Importante que o estudante considere a forma mais prática para os seus estudos. IV- Mnemônico: Mnemônico consiste na elaboração de suportes como esquemas gráficos, símbolos, formulas, palavras ou frases relacionadas com o assunto, que se pretende memorizar. Recorrer a esses suportes promove uma rápida associação e permite uma melhor assimilação do conteúdo. Eficácia da Técnica: Essa técnica faz uso de estratégias para acelerar a fixação de conteúdos fórmulas, pedaços maiores de informação, etapas de um processo facilitando assim, o processo ensino-aprendizagem através da memorização. Memorização: Ato ou efeito de memorizar, conjunto de operações voluntárias e metódicas que têm de pôr fim, a fixação de certos dados pela memória: DICIO, Dicionário online de português. Disponível em https://www.dicio.com.br. “A memória é o terreno onde é cultivada a educação” (CURY, A.J,2003). O educador, Paulo Freire propõe uma educação, na qual o estudante se assume como sujeito também da produção do saber, assim o professor deve entender que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção e COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 2 - Exercitar a curiosidade intelectual, a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade.
  • 19. 19 construção” (FREIRE, 2002, p12). Exemplo de Mnemônico: As etapas do balanceamento químico são reduzidas a palavra MACHO. V- Resumo Passo a Passo: O resumo é uma técnica que ajudará o estudante a assimilar o que lê e em organizar todo o conteúdo que está estudando, a técnica de resumos pode ser um aliado para melhorar a capacidade de compreensão dos estudantes facilitando assim, o processo de Ensino-Aprendizagem. O resumo não deve ser confundido com uma introdução, nem como cópia de um texto, mas sim, o resumo possui sua função especifica, uma vez que muitos estudantes têm maior facilidade de lembrar daquilo que veem e, por isso, a memória é chamada de “visual”, quem tem memória visual deve dar ênfase nos resumos, imagens, desenhos, cores e gráficos. Fazer um resumo de cada componente estudado é de grande ajuda para a hora da prova, testes ou seminários. Ao invés de ter que estudar todo o conteúdo, basta consultar os seus resumos e logo lembrará de todas as informações adjacentes. Por esse motivo, é primordial que o resumo seja feito com as próprias palavras do estudante, para ajudá-lo a lembrar do conteúdo assim que ler a sua síntese. Entendendo o Passo a Passo do Resumo COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 4 - Utilizar diferentes linguagens- verbal, corporal, visual- escrita, para se expressar e partilhar informações que levem ao entendimento mútuo. Metais Ametais Carbono Hidrogênio Oxigênio
  • 20. 20 Toda sintetização de ideias em um novo formato, com a finalidade de transmitir uma nova compreensão sobre seu sentido, pode ser considerado um resumo. Sua elaboração requer leitura atenta, compreensão do seu contexto, desenvolvimento de sínteses, esquemas, sublinhados, marcar com cores, entre outros. O passo a passo para elaboração de um resumo requer o seguimento de algumas etapas para a sua construção, entre elas pode-se citar algumas técnicas que facilitará o entendimento do estudante para a elaboração de um resumo básico em forma de texto. 1 - Sublinhados - técnica de estudo universal - é o sublinhar ou grifar - recomenda-se que o estudante faça uma leitura do início do texto até ao final quantas vezes forem necessárias, em seguida, sublinhar as partes principais do texto, ou usar marcações simples encontrar a palavra-chave e outros elementos de ligação, fazendo isso por parágrafo do texto. 2 Esquemas - ferramenta de estudo muito eficaz, porque facilita a compreensão de um texto, pois funciona como um esqueleto das ideias, ajudando na elaboração de um resumo básico em forma de texto, pois o esquema pode ser utilizado para se extrair a ideia principal de cada parte, o esquema pode ser feito no próprio texto, usando marcações simples como setas, círculos, pequenos desenhos ou símbolos, de maneira que organize a ideia, fazendo relações com as palavras , identificando semelhanças e diferenças, se há, uma ligação do primeiro parágrafo com o segundo, identificando essa ligação através dos símbolos. Recomenda-se, para um entendimento melhor do estudante, que ele faça essas marcações nas bordas do texto, por parágrafo e que não seja longo para não perder o propósito que é ao final, fazer um resumo básico em forma de texto.
  • 21. 21 a- Exemplo de um texto com esquema de borda: Classificação das células ↔ (unidades vivas presente nos seres vivos) As células são menores unidades estruturais e funcionais dos seres vivos. Com exceção dos , todos os organismos vivos possuem células, suas partes básicas e as estruturas nelas encontradas. As células podem ser classificadas em diferente maneira e não apresentam material genético envolto por uma membrana, não apresenta núcleo. As células destacam-se por possuírem material genético envolto da membrana nuclear, ou seja, apresentam núcleo. Texto livro- biologia molecular-9° edição, Junqueira e José Carneiro b- Exemplo de um esquema básico: Imagem disponível- http://guiadoestudante.abril.com.br , Acesso-30/11/2021 procarionte vírus Não possui núcleo Não possui célula eucarionte Possui núcleo organizado
  • 22. 22 c- Resumindo: Após uma leitura panorâmica do texto, com a execução de marcações das palavras- chave, separação das ideias relevantes, com todas as observações marcadas ou circuladas, com seus significados ao lado, setas identificando conceitos e diferenças, é hora de elaborar o resumo básico em forma de texto, a partir das ideias esquematizadas de um fragmento ou de um conteúdo estudado. Escrever baseado em marcações ou anotações feitas antes, além de fixar melhor o conteúdo, organizar melhor as ideias, favorece a escrita e a organização, sem perder a ideia principal do texto, sem serem repetitivas ou conterem informações demais. Os esquemas também são considerados resumos gráficos e auxiliam na escrita do resumo básico em forma de texto, que podem ser feitas com base nas marcações dos esquemas, conforme os exemplos apresentando anteriormente. De acordo com o caderno concepção do modelo Escola da Escolha, do Instituto de Corresponsabilidade pela Educação – ICE (2015), o resumo deve ser: Há algumas concepções de modelo de outros programas que também servirão para a composição na diversidade de maneiras a serem adotadas em estudos que são orientados, foi o que ocorreu para o resumo. Aproveitou-se a oportunidade é destacou- se o que segue. • Breve e conciso: Elimina-se qualquer tipo de exemplos e detalhes dado pelo autor; • Pessoal: Deve ser dirigido com as palavras do estudante. Quando reescrevemos um texto internalizamos melhor os assuntos; • Logicamente estruturado: Deve seguir uma sequência lógica, nada de frases soltas. O texto deve apresentar coerência, contendo relação entre tudo que for elaborado. VI - Método de Cornell COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 1 - Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade
  • 23. 23 A técnica de Cornell foi criada na década de 1940 e é utilizada para melhorar a forma de fazer anotações durante a aula ou ler um conteúdo importante. Cada pessoa acaba desenvolvendo seu próprio método. Nos anos de 1940, um professor da Universidade Cornell, autor de como estudar na faculdade, criou um sistema de como fazer anotações, método que até hoje é respeitado: as anotações de Cornell. Essa técnica consiste em dividir as páginas de anotações ou páginas do caderno em três seções. Uma para parafrasear as principais ideias da aula ou do texto, outra para resumi-las e uma terceira para anotar perguntas. Mas não precisa ser tudo ao mesmo tempo (MARASCIULO,2018). O estudante pode ficar à vontade para fazer suas anotações de maneira que achar mais compreensivo, com o cuidado de deixar o espaço o suficiente para escrever ou colorir. A ideia é facilitar o entendimento do conteúdo, que estar sendo estudado, identificar cada espaço com canetas de cores diferentes, desenhos, o que achar pertinentes para o seu entendimento. Cada parte da folha do caderno é dedicada para um tipo de anotação, perguntas, dúvidas, respostas, título do conteúdo, tudo que facilite a revisão para a hora da prova. Exemplo de como utilizar o Método de Cornell: Fonte da imagem: https://blog.enem.com.br/como-estudar-com-o-metodo-cornell/
  • 24. 24 VII- Roda de Conversa A roda de conversa é uma técnica que valoriza a comunicação, motivação e encorajamento entre os estudantes e professores, onde há a oportunidade da troca de conhecimentos e expertise de cada um, com a finalidade de melhorar a maneira de estudar, e de olhar o próximo. Na roda de conversa o estudante pode tirar dúvidas, compartilhar dificuldades, e desenvolver o habito de falar em público, respeitando o ponto de vista do outro e aprendendo a controlar suas emoções. Sugere-se que compartilhem assuntos ou conteúdos abordados nas aulas anteriores, como por exemplo o conteúdo de algum filme assistido pela turma, de preferência filmes que tenham relatos de conquistas pessoais. Essa técnica é de grande eficácia para desenvolvimento de técnicas de estudo e habilidade socioemocionais. É uma metodologia simples e com grande eficácia entre os estudantes. Exemplo da técnica roda de conversa: COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC 6 - Valorizar a diversidade de saberes e vivencias culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias e do mundo do trabalho Fonte da imagem: http://www.camarasaofranciscodoconde.ba.gov.br/arquivos_imagem/no t_arquivo_1494936709.jpg
  • 25. 25 VIII- Estudante Monitor Essa técnica tem a função do estudante oferecer suporte e colaborar nas ações promovidas na sala de aula, sob coordenação do professor responsável por Estudos orientados. O estudante-monitor será o elo entre os professores e os estudantes, contribuindo com o conhecimento e desenvolvendo de habilidades, e competências como: responsabilidades, compromisso, liderança, além, de um espirito cooperador. Através dessa técnica o estudante colocará em prática um dos pilares da Educação, o aprender a fazer que oportuniza colocar a mão na massa, desenvolvendo o espírito contributivo e atitude de humildade, que se tornam valores imprescindíveis ao trabalho coletivo. Ou seja, qualidades humanas, que se manifestam nas relações interpessoais, que são mantidas no trabalho e passam a ser mais apreciadas. Sugestões para o estudante monitor: • Manter o ânimo e a boa relação; • Ser flexível e fazer adaptações de acordo com as necessidades do grupo que estiver em sala; • Manter a postura; • Quando surgir perguntas, que não souber responder, dizer, honestamente, que não sabe; • Ser comunicativo, mantendo o diálogo com os professores e colegas; • Manter a organização da sala de aula; • Saber ouvir e estar aberto às contribuições. Competência Geral da BNCC 9 - Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro . Fonte da imagem: https://alunomonitor- lie.blogspot.com/2009/07/o-aluno-monitor-no- laboratorio-de.html
  • 26. 26 5 AVALIAÇÃO A avaliação interna das aprendizagens das UCC- EO será entendida como um processo contínuo de intervenção pedagógica, em que se explica, enquanto referenciais o desenvolvimento das competências gerais da BNCC, das Competências socioemocionais e das habilidades voltadas para a leitura e compreensão de texto, desenvolvimento da memória, de hábitos e de rotinas de estudo, por meio de técnicas, gerenciamento do tempo, e habilidade para utilizar sites confiáveis e todas outras habilidades específicas para a unidade curricular em questão. Serão utilizados conceitos como: Estudantes que certificaram desempenho acima das expectativas esperadas; Estudantes que certificaram as habilidades essenciais esperadas; Estudantes que certificam o desenvolvimento das habilidades essenciais em fase inicial. CONCLUSÃO Dado o exposto, ressalta-se que esse documento tem a finalidade de dar uma direção ao professor da UCC - Estudos Orientados. Porém, as metodologias e as técnicas apresentadas são sugestões, pertencendo ao professor a decisão de usá-las, da maneira que lhe achar pertinente ao aprendizado de seus estudantes, possibilitando que estes compreendam a melhor maneira de estudar, de tal maneira que se tornem protagonistas do próprio conhecimento. Conforme as palavras de Freire “os educandos vão se transformando em reais sujeitos da construção e da reconstrução do saber ensinado, ao lado do educador, igualmente sujeito do processo” (FREIRE, 2003, p.26). SUPEROU CHEGOU LÁ ESTÁ CHEGANDO
  • 27. 27 REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site. pdf. Acesso em: 18 de nov.2021. COÉFFÉ, Michel. Guia dos métodos de estudos. Editora Martins Fontes. São Paulo CURY. Augusto Jorge. Pais brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante. 2003. Disponível em: http://alma.indika.cc/wp-content/uploads/2015/04/Pais- brilhantes-Professores-F-Augusto-Cury.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021 FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 25 ed. São Paulo. Paz e Terra, 1996. INSTITUTO DE CORRESPONSABILIDADE PELA EDUCAÇÃO ICE (Recife - Pe). Concepção do Modelo da Escola da Escolha: ensino médio. Ensino Médio. 2015. Disponível em: https://icebrasil.org.br/wp-content/uploads/2022/01/Cad-1-Concepcao- do-Modelo-da-Escola-da-Escolha-EM.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021. MARASCIULO, Marília. Método Cornell: a técnica que melhorará suas anotações (e estudos). Revista Galileu, https://revistagalileu.globo.com/Vestibular-e- Enem/noticia/2018/11/metodo-cornell-tecnica-que-melhorara-suas-anotacoes-e- estudos.html. Acesso em: 22 de nov.2021.
  • 28. 28 ANEXOS (Plano de Ensino, Organizador Curricular). PLANO DE ENSINO DA UNIDADE CURRICULAR COMUM/UCC – ESTUDOS ORIENTADOS - UCC-EO Etapa de Ensino: Médio Série: 1ª Unidade Curricular: Estudos Orientados Carga/horária 80 horas Perfil do(a) Professor(a) Licenciatura preferencialmente Pedagogo Ementa Rotinas de estudo; Aprimoramento de técnicas e métodos de estudo; Planos de estudo; Anotações; Mapa mental; Fichamento; Resumo; Relatórios; Esquemas; Organização; Aluno-Monitor Competências Gerais da BNCC 2- Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas. 6 - Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade. 9 - Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo- se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza. 10 - Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários. Habilidades Socioemocionais ● Conhecer-se, apreciar-se para compreender-se suas emoções e as dos outros na cultura e diversidade humana, objetivando a autogestão e capacidade para lidar com elas; ● Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação. No sentido de fazer-se respeitar e promover o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade cultural do indivíduo, grupos sociais, sem preconceitos de qualquer natureza;
  • 29. 29 ● Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, no sentido da tomada de decisões com base em princípios éticos e culturais, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários. Habilidades Específicas (EM13EO01AM) Identificar as próprias características, interesses, empenho, ritmo de estudos, reconhecendo a importância de desenvolver hábitos e rotinas na aquisição de conhecimento. . (EM13EO02AM) Utilizar diferentes técnicas de estudos identificando ferramentas que possibilitam sua aprendizagem, empregar diferentes técnicas para elaborar e interpretar textos (EM13LP28) Organizar situações de estudo e utilizar procedimentos e estratégias de leitura adequados aos objetivos e à natureza do conhecimento em questão. (EM13EO03AM) Apropriar-se de algumas técnicas de estudo, conhecendo e aplicando na sua rotina diária, para desenvolver atividades planejadas. Eixos Estruturantes Investigação Científica – Orientar os estudantes para a investigação, acerca dos conhecimentos científicos aplicando técnicas que facilite a pesquisa, a leitura e a interpretação de textos, sendo capaz de analisar fatos cientificamente comprovados, argumentando e sugerindo métodos de estudos para experimentação e solução de problemas. Processos criativos - Proporcionar aos estudantes que descubram técnicas e métodos criativos de estudo, como a elaboração de mapas conceituais e esquemas coloridos que facilite sua aprendizagem e a dos colegas, sendo ele capaz de monitorar outros estudantes, tornando-se protagonista do seu conhecimento. Objeto de Conhecimento Unidade 1: Eu e os Estudos ● Por onde começar a estudar? ● Conceituando estudos orientados ● Estudar é o mesmo que fazer tarefas? ● Organização do tempo ● Desenvolvimento de bons hábitos para estudar
  • 30. 30 Objeto de Conhecimento Unidade 2: Responsabilidade Pessoal é essencial para o sucesso dos estudos ● Conceitos de responsabilidade pessoal e sua relação com os estudos ● Desenvolvendo a disciplina nos estudos ● Diferença entre intensidade e qualidade de estudos ● Organização do material de estudos e do ambiente ● Identificar os hábitos essenciais para uma rotina de estudos Objeto de Conhecimento Unidade 3: Técnicas de Estudos ● Compreender e aplicar técnicas de estudos na rotina diária ● Aprender na prática a utilizar-se das Técnicas de Estudos ● Combinação de Teorias de estudos e a Prática cotidiana ● Elaboração de Técnicas de estudos ● Quais técnicas de estudos devem ser usadas para uma aula de campo Objeto de Conhecimento Unidade 4: Técnicas de Estudos para Síntese ● Esquema de borda, como elaborar? ● Resumo- Passo a Passo ● Relatórios ● Fichamentos ● Etapas para construir um Mapa Mental ● Técnica de Cornell Metodologia ● Projeção de Vídeos que colaborem para o autoconhecimento; ● Aulas de campo, nas ruas do bairro, em locais com diferentes tipos de solo para contextualizar o conhecimento a realidade do estudante amazonense, usando técnicas como pequenos vídeos, podcast e esquemas; ● Aplicar atividades valorizando o estudante Auditivo, Visual e Cinestésico; ● Proporcionar grupos de estudos, com aluno-monitor a cada bimestre, para que o estudante desenvolva habilidades socioemocionais como: Autogestão, Resiliência; Responsabilidade. ● Elaborar junto com os estudantes um quadro organizador para ser exposto na sala de aula, nesse quadro deve constar: horários de aula, data de avaliações, organização de cronograma de trabalho, registro de atividades sequenciadas, e lembretes de estudos para semana. Essa atividade promove no estudante ações de organização, foco e planejamento da vida pessoal.
  • 31. 31 Avaliação A avaliação da aprendizagem se enquadrará em um processo formativo e permanente de reconhecimento das competências e habilidades, que os estudantes conseguiram executar e construir durante o ano letivo. Serão utilizados os seguintes instrumentos: ● Examinar se agenda de estudos do estudante está sendo obedecida; ● Acompanhar a evolução do estudante através de exercícios concluídos e a organização do seu material de estudos; ● Participação do estudante em pequenos grupos de estudos e sua reação com os colegas; ● Resumos usando a Técnica de Cornell; ● Mapa Mental; ● Assiduidade na entrega de trabalhos e tarefas. Referências BACICH, Lilian. E MORAN, José: Methodologies Ativas para Uma Educação Inovadora: Uma abordagem teórico-prática , Editora Penso 2018. BENDER, Willian N. Aprendizagem Por Meio de Projetos, Editora Penso,2014 ALCHORNE, Isabela. CARVALHO, Sofia. Vivências: Projeto de Vida. 1° ed- São Paulo, Scipione,2020. BARROS, Fernanda Pinheiro. Estação Linguagens: rotas das ciências e tecnologias. 1° ed – São Paulo: Ática, 2020. CURY, Augusto Jorge. Pais Brilhantes Professores fascinantes, 19°ed. Sextante, 2003. ICE, Instituto de Corresponsabilidade pela Educação, Caderno de Formação Escola da Escolha, Terceiro Volume, metodologias de Êxito, Recife, 2017
  • 32. ORGANIZADOR CURRICULAR DOS ITINERÁRIOS FORMATIVOS DA SEDUC/AM Etapa: Ensino Médio Série 1ª Itinerário Formativo: Unidade Curricular Comum Estudos Orientados- UCC-EO Carga Horária: 80h Oferta: Anual COMPETÊNCIA GERAL: 6- Valorizar a diversidade de saberes vivencias culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiencias que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência e responsabilidade. 2- Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções, com base nos conhecimentos das diferentes áreas. 10- Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidades, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários. Competências Específicas: 1- Reconhecer a necessidade e a importância da aquisição de hábitos e rotinas de estudo, utilizar técnicas de estudos para realização das atividades dentro e fora da escola; exercitar o autoconhecimento; compreender a diferença entre intensidade e qualidade de estudo; refletir sobre os elementos essenciais para o ato de estudar apropriando-se da capaciadede de se organizar. Visando ao autodidatismo e o protagonismo juvenil. 2- Apropriar-se de algumas técnicas de estudo, conhecendo e aplicando na sua rotina diária, para desenvolver atividades planejadas. UNIDADES OBJETO DE CONHECIMENTO HABILIDADE ESPECIFICA HABILIDADES SOCIOEMOCIONAIS SUGESTÕES METODOLÓGICAS UNIDADE I Eu e os estudos Estudo e vida: -Por onde começar a estudar? -Conceituando estudos orientados; - Estudar é o mesmo que fazer tarefas? - Organização do tempo - Desenvolvendo hábitos de estudos EM1EO01AM Identificar as próprias características, interesse empenho ritmo de estudos, reconhecendo a importância de desenvolver hábitos e rotinas na aquisição de conhecimento. Organização Foco Determinação Autoconfiança - Organizar rodas de leitura com técnicas de interpretação - Aplicar atividades valorizando o estudante auditivo, visual, cenestésico - Apresentar filmes que relatem conquistas pessoais; após o filme, dialogar com os estudantes para uma reflexão.
  • 33. UNIDADES OBJETO DE CONHECIMENTO HABILIDADE ESPECIFICA HABILIDADES SOCIOEMOCIONAIS SUGESTÕES METODOLÓGICAS UNIDADE II Responsabilidade pessoal é essencial para o sucesso dos estudos - Conceito de responsabilidade pessoal - Desenvolvendo a disciplina nos estudos -Diferença entre intensidade e qualidade de estudos -Organização do material de estudos e do ambiente -Identificar hábitos de estudos EM13LP28 Organizar situações de estudo identificando ferramentas que possibilitam sua aprendizagem em questão - Curiosidade para aprender - Confiança - Imaginação criativa - Responsabilidade - Construir um quadro organizador para fixar na sala de aula, com cronogramas de trabalhos, registros de atividades e lembretes de estudos - Organizar rodas de conversa, com perguntas sobre rotina diárias e de estudos - Organizar pequenos grupos de estudos com aluno-monitor a cada bimestre, para que o estudante desenvolva responsabilidade e resiliência. UNIDADE III Técnica de estudos - Compreender e Aplicar técnicas de estudos na rotina diária. -Aprender na pratica a utilizar-se das Técnicas de estudos - Combinação de teorias de estudos e a pratica cotidiana - Elaboração de técnicas de estudo - Quais técnicas de estudos devem ser usadas para uma aula de campo EM13EOAM Apropriar-se de algumas técnicas de estudo, conhecendo e aplicando na sua rotina diária, para desenvolver atividades planejadas - Persistência - Imaginação criativa - Foco - Determinação - Vivenciar aulas de campo, nas ruas de bairros, em locais de diferentes tipos de solo para contextualizar o conhecimento a realidade do estudante amazonense, usando técnica como Podcast, pequenos vídeos e esquemas - Fazer fichamento de textos - Elaborar Mnemônicos de conteúdos complexos .
  • 34. UNIDADES OBJETO DE CONHECIMENTO HABILIDADE ESPECIFICA HABILIDADES SOCIOEMOCIONAIS SUGESTÕES METODOLÓGICAS UNIDADE IV Técnica de estudos para síntese - Esquema de borda como elaborar? - Resumo- passo a passo - Como fazer um relatório - Fichamentos - Etapas para construir um Mapa conceitual -Técnica de Cornell EM13EO02 Utilizar diferentes técnicas de estudo identificando ferramentas que possibilitam sua prendizagem, e habilidades de interpretar, e elaborar textos. - Autoconfiança - Organização -Persistência - Criatividade - Autogestão - Ler artigos científicos - Realizar Pesquisas bibliográficas - Interpretar textos diversos e de linguagem simples. - Elaborar resumos utilizando a técnica de Cornell, pois facilita a compreensão do estudante - Organizar pequenos grupos para fazerem fichamentos.