HISTÓRIAS DA MÚSICA
NO BRASIL E
MUSICOLOGIA: UMA
LEITURA PRELIMINAR
Carla Bromberg
HMB 2013.2 – Prof. Martha Ulhôa – Renat...
Artigo






Análise do desenvolvimento da história como
um dos objetivos principais da musicologia
Identificação das h...
Em debate






“A estrutura curricular [da Musicologia no Brasil],
longe de dirigir-se às discussões metodológicas e
e...
Musicologia - Definições


Musicologia Alemã – Guido Adler (final do séc.
XIX)
 Na

Europa, cursos criados ligados aos
d...
Musicologia - Definições


Dividida em duas vertentes: histórica e
sistemática.
 Musicologia

histórica: instrumentação ...
Musicologia - Definições


Musicologia brasileira
 Desenvolvida

através da escrita de intelectuais
dos mais variados ca...
História da Música Brasileira/no
Brasil




“A maior parte dos escritos sobre música
brasileira encontra-se em periódico...
História da Música Brasileira/no
Brasil


Referências
Guilherme de Melo, 1908: A música no Brasil: desde
os tempos coloni...
História da Música Brasileira/no
Brasil


Menções raras a:
 “livros

ricamente documentados” como Origem e
Evolução da M...
Modos de fazer História no
Brasil


Três formas de se fazer história no Brasil
 Orientação

literária de crônica
 Culti...
Modos de fazer História no
Brasil


Influências metodológicas
 Cientificização

da História: imparcialidade do
historiad...
Modos de fazer História no
Brasil




Pluralidade de influências metodológicas
reconhecida em 1883 pelo IHGB
Inclusão da...
Historiadores, sobre música


Pouco contato com Música (“surdez
historiográfica”)




Análise quantitativa de artigos e...
Músicos, sobre História


Relatos de viajantes europeus




portugueses, Jean de Léry (séc XVI, primeiro com
coleta de ...
Músicos, sobre História


Autores
 Guilherme

de Melo: estudos feitos no Rio de
Janeiro, na Bahia e outros estados do no...
Músicos, sobre História
 Vincenzo

Cernicchiaro: abordagem das
variadas formas das atividades musicais
(biografias, ensin...
Músicos, sobre História
 Bruno

Kiefer: longo recorte temporal
(“primórdios ao século XX”), e seccionamento por
período p...
Músicos, sobre História
 Mário

de Andrade: única a ser mais
intensamente estudada (sociólogos,
antropólogos, músicos, et...
Músicos, sobre História
Desconexão da escrita em Música, das
Humanidades
“Mariz, cuja obra é a mais adotada nos cursos
atu...
Músicos, sobre História


Melo/Almeida/Andrade:
 “co-incidência”

(acrítica e apolítica da inserção
musical) da formação...
Músicos, sobre História


Kiefer/Santos
 únicos



a seguir carreira acadêmica

Almeida/Andrade/Gallet
 institucionali...
Músicos, sobre História


Crescente separação das músicas durante o
séc. XX
 Erudita

(cosmopolita), popular (urbana) e
...
Historiografia


Definição
 avaliação/crítica

de obras históricas enquanto
documentos, como testemunhos de dimensões
es...
Historiografia


Simples » Complexo


Melo/Almeida/Cernicchiaro: “música brasileira como
primitiva e da europeia como su...
Historiografia
 História

da evolução dos gêneros

 Genealogia






“Uma linhagem dos gêneros legitimada através da
...
Em debate (reprise)






“A estrutura curricular [da Musicologia no Brasil],
longe de dirigir-se às discussões metodol...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar

1.700 visualizações

Publicada em

Apresentação preparada para a disciplina de "História da Música Brasileira", PPGM UniRIo 2013.2.
Conteúdo reflete um fichamento do artigo "Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar", de Carla Bromberg.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.700
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histórias da Música no Brasil e Musicologia: uma leitura preliminar

  1. 1. HISTÓRIAS DA MÚSICA NO BRASIL E MUSICOLOGIA: UMA LEITURA PRELIMINAR Carla Bromberg HMB 2013.2 – Prof. Martha Ulhôa – Renato Borges
  2. 2. Artigo    Análise do desenvolvimento da história como um dos objetivos principais da musicologia Identificação das histórias da música no Brasil relevantes na historiografia Estabelecer relações passadas e presentes entre obras e as tradições históricas respectivas a seus períodos
  3. 3. Em debate    “A estrutura curricular [da Musicologia no Brasil], longe de dirigir-se às discussões metodológicas e epistemológicas da Musicologia e de sua história permanece atada a estrutura da área a qual ela pertence, a Música, que visa à formação do músico prático, regente ou compositor.” “Esquiva-se de disciplinas, e até da história da musicologia, formando gerações, que no mínimo desconhecem a origem da ciência na qual se especializam.” “ausência de uma revisão historiográfica da produção”
  4. 4. Musicologia - Definições  Musicologia Alemã – Guido Adler (final do séc. XIX)  Na Europa, cursos criados ligados aos departamentos de Filosofia (portanto independente dos cursos de Música), tanto no âmbito da graduação quanto da pós-graduação  Modelo absorvido pelos EUA, em especial com a fuga dos intelectuais europeus durante o regime nazista
  5. 5. Musicologia - Definições  Dividida em duas vertentes: histórica e sistemática.  Musicologia histórica: instrumentação do tratamento de documentos, discussão conceitual histórica e filosófica da música, e ligação às áreas da filologia, arquivologia, museologia, paleografia musical, história da literatura, história das artes miméticas, bibliografia.  Musicologia sistemática: discussão das “leis que regem a música”, e ligação com as áreas da matemática, física, pedagogia, gramática, etc.
  6. 6. Musicologia - Definições  Musicologia brasileira  Desenvolvida através da escrita de intelectuais dos mais variados campos, no início do século XX  Francisco Curt-Lange (alemão radicado no Uruguai): considerado o formador de uma musicologia científica no Brasil  Mais tarde nas universidades, está posicionada, segundo a tabela de área do CNPq, como subárea da Música, sob a grande área de Linguagem e Artes  Curso de Música estruturado no modelo
  7. 7. História da Música Brasileira/no Brasil   “A maior parte dos escritos sobre música brasileira encontra-se em periódicos não científicos, musicais ou não” Maioria dos livros dedicada a algum tema histórico (Bossa Nova, Tropicália, rituais de grupos amazônicos, biografia de músicos populares). Poucos livros sobre “história da música brasileira”
  8. 8. História da Música Brasileira/no Brasil  Referências Guilherme de Melo, 1908: A música no Brasil: desde os tempos coloniais até o primeiro decênio da República  Renato Almeida, 1926: A História da Música Brasileira  Vincenzo Cernicchiaro, 1926: Storia della musica nel Brasile  Mário de Andrade, 1928 e 1929: Ensaio sobre a Música Brasileira, e Compêndio de História da música brasileira  Luiz Heitor Correia de Azevedo, 1956: 150 anos de música no Brasil  Bruno Kiefer, 1977: História da Música Brasileira  Vasco Mariz, 1981: História da Música no Brasil 
  9. 9. História da Música Brasileira/no Brasil  Menções raras a:  “livros ricamente documentados” como Origem e Evolução da Música em Portugal – Sua influência no Brasil (Maria Luiza de Queiroz Santos, 1943), ou  enciclopédicos como Enciclopédia da Música Brasileira: erudita, folclórica, popular (Marcos A. Marcondes, 1977)
  10. 10. Modos de fazer História no Brasil  Três formas de se fazer história no Brasil  Orientação literária de crônica  Cultivo do eruditismo  Cultivo da metodologia, e elaboração de temática original  Forte influência do IHGB  F. A. Varnhagen (“representante” do IHGB), 18547: Historia geral do Brasil, que “retratou elogiosamente uma colonização portuguesa idealizada e sem conflitos, vitória de uma civilização sobre a barbárie”.
  11. 11. Modos de fazer História no Brasil  Influências metodológicas  Cientificização da História: imparcialidade do historiador, exclusividade do saber histórico (em relação ao “homem de letras”)  Positivismo: base da verdade histórica sendo de ordem documental, centralização da pesquisa em arquivos (Leopold von Ranke), determinismo (geográfico, climático e biológico) (Friedrich Ratzel).  Evolucionismo: darwinismo social (Herbert Spencer), sobretudo sobre cientistas sociais (pouco dedicados a autores que trataram de música).
  12. 12. Modos de fazer História no Brasil   Pluralidade de influências metodológicas reconhecida em 1883 pelo IHGB Inclusão da disciplina Folclore  Guilherme de Melo  Luciano Gallet  Augusto Pereira da Costa  Agentes de produção histórica  Universidades, Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Colégio Pedro II, Museu Paulista e Museu Histórico, entre outros.
  13. 13. Historiadores, sobre música  Pouco contato com Música (“surdez historiográfica”)   Análise quantitativa de artigos em periódicos, e de dissertações e teses Autores Varnhagen (1850), Capistrano de Abreu (1988)  Gilberto Freyre (1933, 1936, 1957)  Casa Grande e Senzala: ritmos e danças africanos, danças europeias, lundus e modinhas  Sobrados e Mucambos: modinhas e danças e música de salão  Ordem e Progresso: partituras de alguns gêneros musicais   (Caio Prado Junior, Sérgio Buarque de Holanda)
  14. 14. Músicos, sobre História  Relatos de viajantes europeus   portugueses, Jean de Léry (séc XVI, primeiro com coleta de melodias), Spix & Martius (séc XIX, transcrições) Produção brasileira Nenhuma história da música brasileira publicada no séc. XXI  Recorrência à “comum forma narrativa, biográfica e linear”  Sem influência de novas escolas (Analles), durante o séc. XX  Recortes de conteúdo (impostos por circunstâncias 
  15. 15. Músicos, sobre História  Autores  Guilherme de Melo: estudos feitos no Rio de Janeiro, na Bahia e outros estados do nordeste; documentos do Instituto Geográfico da Bahia e do Real Gabinete Português de Leitura  Renato Almeida: música brasileira “haurida nas fontes populares e que vinha se formando lentamente através do tempo”, porém grande parte de seu material foi fornecido por “pessoas de reconhecida autoridade” e por bibliografia.
  16. 16. Músicos, sobre História  Vincenzo Cernicchiaro: abordagem das variadas formas das atividades musicais (biografias, ensino musical, instituições como orquestras, movimento operístico, críticas de concertos), “de cunho subjetivo e eurocentrista” (Luiz Heitor).  Luiz Heitor Correia de Azevedo: busca de origens e formação de linhagens (genealogia), função da história como “compulsionar documentação [obras e gêneros musicais] que habilitasse julgar as produções dos mestres que o ilustraram”, lista cronológica como resultado.
  17. 17. Músicos, sobre História  Bruno Kiefer: longo recorte temporal (“primórdios ao século XX”), e seccionamento por período político (colônia/monarquia/república).  Vasco Mariz: grande recorte temporal, ordenação cronológica de compositores/capítulos, seccionamento por período político e por estilos (romantismo, nacionalismo, entreato dodecafônico, pósnacionalismo, “outros valores”), seleção de conteúdo por “opinião pessoal e de musicólogos e críticos musicais de renome”, história dos vencedores.
  18. 18. Músicos, sobre História  Mário de Andrade: única a ser mais intensamente estudada (sociólogos, antropólogos, músicos, etc)  Pequena História da Música: evolução da música “dos povos primitivos” ao atual, descrição de gêneros (monodia, polifonia, melodrama), estilos (Classicismo, Romantismo) e dois capítulos dedicados à música brasileira, “Música erudita” e “Música popular”  Ensaio sobre a Música Brasileira: coleta de material sonoro (caráter não científico), etnografia, musicologia comparada, influência de Raoul e Marguerite D’Harcout, Roquete Pinto, Constantin Brailoiu.
  19. 19. Músicos, sobre História Desconexão da escrita em Música, das Humanidades “Mariz, cuja obra é a mais adotada nos cursos atuais de música e que não recebeu críticas da comunidade, foi premiada em 1983. Ela sucumbiria às críticas mais comuns dos fundadores da sociologia do começo do século XX. Augusto Comte ridicularizava a forma compilatória e defendia uma história sem nomes. Herbert Spencer queixava-se que as biografias dos grandes, pouco esclareciam a respeito da ciência das sociedades.” (Bromberg) 
  20. 20. Músicos, sobre História  Melo/Almeida/Andrade:  “co-incidência” (acrítica e apolítica da inserção musical) da formação da música brasileira com a do Estado moderno (Andrade: “musicalmente colonial até 1914”).  Papel social da música (popular) por formas e gêneros (e não obras) nos costumes brasileiros  Identificação de formas musicais  Danças (batuques, fandango, quadrilha, samba, maxixe, frevo), cantigas (de trabalho, de ninar, modinhas, lundus, religiosas) e bailados (congos, maracatu, bumba-meu-boi)
  21. 21. Músicos, sobre História  Kiefer/Santos  únicos  a seguir carreira acadêmica Almeida/Andrade/Gallet  institucionalização do Folclore e da Música, por incentivo de leis, e criação de conservatórios e centros
  22. 22. Músicos, sobre História  Crescente separação das músicas durante o séc. XX  Erudita (cosmopolita), popular (urbana) e folclórica (rural)  Santos: música erudita, popular e dos primórdios (indígena)  Andrade: erudita, e popular  Kiefer: História da Música Brasileira (1977), e Música e Dança Popular: sua influência na Música erudita (1990)  Tinhorão: Música Popular (1966) e História Social da Música Popular Brasileira (1998)
  23. 23. Historiografia  Definição  avaliação/crítica de obras históricas enquanto documentos, como testemunhos de dimensões específicas de cada autor em relação à eleição de seus tópicos, métodos e contextos  Evolucionismo  Procura da identidade nacional  Mestiçagem: “reconhecer-se-ia a arte musical de um país, através da influência dos povos que contribuíram para a constitucionalização de sua nacionalidade” (Melo)
  24. 24. Historiografia  Simples » Complexo  Melo/Almeida/Cernicchiaro: “música brasileira como primitiva e da europeia como superior”, “necessidade de desenvolvimento da música brasileira para tornar-se mais complexa, a exemplo da europeia”    Teatro jesuíta: “primeira exibição de arte musical brasileira baseada no sistema diatônico-cromático dos povos cultos” (Melo). “a música brasileira formou-se dos elementos fundamentais [grande parte lusitana, depois negra e por fim indígena] numa mistura que se fez ao calor de um meio diferente, cuja ação deveria ser altamente modificadora das taras primitivas” (Almeida). Métodos indutivo e dedutivo  o povo brasileiro, “senhor de uma música popular”, analisada para conhecer suas partes constituintes, e interesse da música (Andrade)
  25. 25. Historiografia  História da evolução dos gêneros  Genealogia    “Uma linhagem dos gêneros legitimada através da descrição de evidências documentais que contribuiriam para provar a existência de um gênero desde os primórdios musicais” “Nas obras de Mariz e Kiefer principalmente, a noção de evolucionismo está no desenvolvimento e organização dos estilos musicais” Joseph Kerman  Único livro traduzido para português sobre Musicologia  Biografias, estilos, gênese das formas e gêneros
  26. 26. Em debate (reprise)    “A estrutura curricular [da Musicologia no Brasil], longe de dirigir-se às discussões metodológicas e epistemológicas da Musicologia e de sua história permanece atada a estrutura da área a qual ela pertence, a Música, que visa à formação do músico prático, regente ou compositor.” “Esquiva-se de disciplinas, e até da história da musicologia, formando gerações, que no mínimo desconhecem a origem da ciência na qual se especializam.” “ausência de uma revisão historiográfica da produção”

×