Espaço virtual na música instrumental do Período Barroco: 
timbre e dinâmica a serviço da espacialidade 
Renato Pereira To...
Introdução 
Música do século XVI e experimentação com espaço 
 Cori Spezzati [coros partidos] 
» Transformações nas práti...
Timbre e virtualização do espaço 
Jan P. Sweelinck (1562-1621) 
 Organista, compositor e professor neerlandês 
 Cinco fa...
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 
Jan P. Sweelinck 
Fantasia no modo eólio 
SwWV 275 
(excerto)
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 
Jan P. Sweelinck 
Fantasia no modo eólio 
SwWV 275 
(excerto)
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 
Jan P. Sweelinck 
Fantasia no modo eólio 
SwWV 275 
(excerto)
Timbre e virtualização do espaço 
Gérard Scronx (início do século XVII) 
 Organista e copista, em Liège 
 Echo (manuscri...
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 
Samuel Scheidt 
Tabulatura Nova 
Echo ad manuale duplex, forte et lene 
SSWV128 
(excer...
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
Dinâmica e virtualização do espaço 
Michael Praetorius (1571-1621) 
 Compositor, organista e teórico alemão 
 Ligação co...
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 
Michael Praetorius 
Polyhymnia caduceatrix et Panegyrica (1619) 
37. Ach mein Herre, st...
Dinâmica e virtualização do espaço 
Jacob van Eyck (1589/90-1657) 
 Compositor e instrumentista neerlandês 
 Ligação com...
Jacob van Eyck 
Der Fluyten Lust-Hof (1649) 
Fantasia & Echo 
Primeira página 
III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
Espaço virtual no Período Barroco 
 Essas técnicas, fundamentadas na variação de timbre ou dinâmica, 
foram usadas (de fo...
Referências 
DIRKSEN, P. & TOLLEFSEN, R. Sweelinck, Jan Pieterszoon. In: Grove Music Online. Oxford Music 
Online. Oxford ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espaço virtual na música instrumental do Período Barroco: timbre e dinâmica a serviço da espacialidade

281 visualizações

Publicada em

Apresentação da comunicação "Espaço virtual na música instrumental do Período Barroco: timbre e dinâmica a serviço da espacialidade" por Renato Pereira Torres Borges, realizada no III SIMPOM (Simpósio Brasileiro de Pós-Graduandos em Música), na UniRio em novembro de 2014.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Agradecimentos
  • VOU PARTIR DE PEÇAS DE 4 COMPOSITORES
  • Jan Pieterszoon Sweelinck (1562.1621): Echo Fantasia in a - Andrea Banaudi - all'Organo Pinchi di Colle Don Bosco
    Partitura de 1917
  • Jan Pieterszoon Sweelinck (1562.1621): Echo Fantasia in a - Andrea Banaudi - all'Organo Pinchi di Colle Don Bosco
    Partitura de 1917
  • Jan Pieterszoon Sweelinck (1562.1621): Echo Fantasia in a - Andrea Banaudi - all'Organo Pinchi di Colle Don Bosco
    Partitura de 1917
  • Partitura de 1892
  • Spielereien: the Baroque organist's playthings - Franz Haselböck - Musical Heritage Society, 1978(?)
  • Spielereien: the Baroque organist's playthings - Franz Haselböck - Musical Heritage Society, 1978(?)
  • Partitura original.
    As anteriores: 1917 e 1892 – Período de muita intervenção nas edições
  • Diferença de oitava – hipóteses: a) Relação do registro da flauta com as intensidades
    b) Simulação da supressão de frequências mais altas
    c) Outra peça em eco como modelo (Sweelinck)

    Aldo Bova - J. van Eyck, Fantasia & echo, "Der Fluyten Lust-hof" 1644-46
  • Espaço virtual na música instrumental do Período Barroco: timbre e dinâmica a serviço da espacialidade

    1. 1. Espaço virtual na música instrumental do Período Barroco: timbre e dinâmica a serviço da espacialidade Renato Pereira Torres Borges 28 de novembro de 2014 III SIMPOM – Simpósio Brasileiro de Pós-Graduandos em Música UniRio, Rio de Janeiro
    2. 2. Introdução Música do século XVI e experimentação com espaço  Cori Spezzati [coros partidos] » Transformações nas práticas composicionais e de performance  Espaço virtual Espaço Virtual  Construído a partir de técnicas que aplicam à sonoridade de um instrumentista características sonoras de outros espaços » Articulação de timbre » Articulação de dinâmica » ... III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    3. 3. Timbre e virtualização do espaço Jan P. Sweelinck (1562-1621)  Organista, compositor e professor neerlandês  Cinco fantasias em eco  Simulação de sonoridades distantes » Uso dos registros do órgão (Récit. e Pos.) » “Meras repetições” –› ecos » Caráter seletivo do eco quanto à textura  Fantasia no modo eólio SwWV 275, para órgão III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    4. 4. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 Jan P. Sweelinck Fantasia no modo eólio SwWV 275 (excerto)
    5. 5. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 Jan P. Sweelinck Fantasia no modo eólio SwWV 275 (excerto)
    6. 6. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 Jan P. Sweelinck Fantasia no modo eólio SwWV 275 (excerto)
    7. 7. Timbre e virtualização do espaço Gérard Scronx (início do século XVII)  Organista e copista, em Liège  Echo (manuscrito de 1617, com peças de A. Gabrieli, Sweelinck e outros)  Mesma técnica de Sweelinck Samuel Scheidt (1587-1664)  Organista e compositor alemão  Aluno de Sweelinck  Semelhança composicional com Sweelinck » Maior variação do tamanho dos grupos ecoados » Utilização do eco em toda a textura  Tabulatura Nova (1624), para órgão » Echo ad manuale duplex, forte et lene SSWV 128 III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    8. 8. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 Samuel Scheidt Tabulatura Nova Echo ad manuale duplex, forte et lene SSWV128 (excerto)
    9. 9. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    10. 10. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    11. 11. Dinâmica e virtualização do espaço Michael Praetorius (1571-1621)  Compositor, organista e teórico alemão  Ligação com a música do norte da Itália  Textos sobre a prática musical ao seu redor e inclusão de prefácios com longas descrições da correta maneira de realização de suas peças » Syntagma Musicum (1614-1620): descrição do que as notações “pian” e “forte” (em italiano) significavam em termos de instrução para os instrumentistas e cantores  Diversas composições espacializando factualmente os músicos  Polyhymnia caduceatrix et Panegyrica (1619) » 37. Ach mein Herre, straf mich doch nicht: três coros espacializados e um coro (Capella) junto ao baixo contínuo III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    12. 12. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014 Michael Praetorius Polyhymnia caduceatrix et Panegyrica (1619) 37. Ach mein Herre, straf mich doch nicht (excerto da parte do contínuo)
    13. 13. Dinâmica e virtualização do espaço Jacob van Eyck (1589/90-1657)  Compositor e instrumentista neerlandês  Ligação com acústica » especialista em fundição e afinação de sinos e carrilhões » creditado como o descobridor da relação entre o formato de um sino e a geração da estrutura de seus parciais  Der Fluyten Lust-Hof (1644), para flauta solo » Fantasia & Echo III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    14. 14. Jacob van Eyck Der Fluyten Lust-Hof (1649) Fantasia & Echo Primeira página III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    15. 15. Espaço virtual no Período Barroco  Essas técnicas, fundamentadas na variação de timbre ou dinâmica, foram usadas (de forma estrita ou combinadas entre si ou com outras articulações) durante o século XVII, quando se disseminaram pela Europa. Entre os músicos que vieram a compor com essas técnicas estão Jean-Baptiste Lully, Henry Purcell, Philipp Franz LeSage de Richée, Antonio Lotti, Antonio Vivaldi, Pietro Castrucci e Franz Joseph Haydn.  A articulação de dinâmica relacionada ao eco contribuiu para a crescente frequência da grafia de intensidades nas publicações no início do século XVII.  Assim como as técnicas de virtualização de espaço permaneceram, diversos compositores continuaram a distribuir os músicos no espaço, como fizeram Ignazio Donati, Biagio Marini, J. S. Bach e W. A. Mozart. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014
    16. 16. Referências DIRKSEN, P. & TOLLEFSEN, R. Sweelinck, Jan Pieterszoon. In: Grove Music Online. Oxford Music Online. Oxford University Press. Disponível em < http://www.oxfordmusiconline.com/ >. Acesso em: 10 ago. 2014. EYCK, J. Der Fluyten Lust-Hof. Amsterdam: Paulus Matthysz, 1649. PRAETORIUS, M. Syntagma – II. Teil – Von den Instrumenten. Solfenbüttel, 1681. Reimpressão em Berlim: T. Trautweinsche Kgl. Hof-Buch- u. Musikhandlung, 1884. QUITIN, J. & VENDRIX, P. Scronx, Gérard. In: Grove Music Online. Oxford Music Online. Oxford University Press. Disponível em < http://www.oxfordmusiconline.com/ >. Acesso em: 10 ago. 2014. ROSENBERG, J. Il Vero Modo Di Diminuir - Girlamo dalla Casa: A Translation. In: Historic Brass Society Journal, Volume 1, Issue 1 (1989). ISSN 1045-4616. EUA, Pendragon Press, 1989, pp. 109-114. SCHEIDT, l. Tabulatura Nova. Denkmäler deutscher Tonkunst, Erste Folge; Bd.1. Leipzig: Breitkopf und Härtel, 1892. STRUNK, O. & TREITLER, L. Source Readings in Music History. New York: W. W. Norton, 1998. SWEELINCK, J. Fantasia in Echo Style. Joseph Bonnet (ed.). In: Historical Organ-Recitals, Vol. I. New York: G. Schirmer, 1917. WIND, T. Eyck, Jacob van. In: Grove Music Online. Oxford Music Online. Oxford University Press. Disponível em < http://www.oxfordmusiconline.com/ >. Acesso em: 12 ago. 2014. III SIMPOM – Rio de Janeiro, 2014

    ×