Como otimizar a taxa de conversão da sua loja virtual

397 visualizações

Publicada em

Aprenda os fatores que influenciam a taxa de conversão de sua loja virtual e veja como otimizá-la de diferentes maneiras. Esses slides fazem parte do manual de e-commerce da Linkia (http://www.linkia.com.br) .

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como otimizar a taxa de conversão da sua loja virtual

  1. 1. 2 De que vale tráfego sem conversão Você sonhou, planejou, investiu tempo e dinheiro, abriu sua loja virtual... mas ela não vende! Pelo menos não como você esperava, mesmo com visitas sendo registradas. Frustrante, não é mesmo? A boa notícia é que há muito do que pode ser feito para mudar esse cenário. O foco deste e-book não é geração de tráfego para sua loja virtual, mas geração de vendas. Claro, para ter vendas é preciso ter tráfego. Mas também é óbvio que tráfego sem vendas não faz muito sentido, afinal de contas lojas virtuais são feitas para vender. Portanto, vamos nos concentrar na taxa de conversão. O que é taxa de conversão Há várias definições sobre taxa de conversão e formas distintas de calculá-la. Paras os nossos objetivos, ao dividirmos a quantidade de pessoas expostas em um ambiente que as possibilite realizar uma ação, pela ação esperada, teremos uma boa definição da taxa de conversão. Exemplo: Qual seria a taxa de con- versão da ação realização de um pedido no site? A quantidade de visitantes que esse site recebeu em de- terminado período pela quantidade de pedidos realizados. Se houve no período 1000 visitas e 20 pedidos foram realizados, logo taxa de conversão = 20:1000 = 2%.
  2. 2. 3 Há quem calcule essa taxa pelo número de visitantes, há quem o faça pelo número de visitantes únicos. A ferramenta Analytics do Google, que pode ser integrada a qualquer site, fornece estatística de ambos. Calcular pelo número de visitantes resultará em um índice menor e mais conservador e é assim que a maioria das empresas faz. Porém, mais importante do que a escolha entre uma ou outra variável é a ma- nutenção da mesma. Assim você acompanha a evolução real da taxa de conversão do seu site. Sabemos que existe um caminho a ser percorrido pelo cliente ao efetuar um pedido em uma loja virtual. Ele pode, por exemplo, entrar no site pela Home, usar alguma recurso para encontrar um produto, aces- sar a página de determinado produto, colocá-lo no carrinho, calcular o frete, avançar para o checkout, se deparar com a necessidade de se cadastrar, visualizar as informações cadastrais necessárias, visualizar as informações sobre entrega e também sobre formas de pagamento... Ufa! Por mais que o processo de checkout seja rápido - e em muitas lojas não é – existem várias micro conversões sucessivas até que a con- versão principal aconteça. Medi-las também é importante, pois elas podem dizer muita acerca da taxa de conversão final de sua loja virtual. Otimização de conversão Agora que você já entende bem o que é a taxa de conversão fica fácil de- finir otimização de conversão, que nada mais é do que uma ação ou con- junto de ações destinadas a promover melhorias na taxa de conversão. Em outras palavras, é melhorar a quantidade de vendas geradas para
  3. 3. 4 uma mesma quantidade de visitantes. E, embo- ra o papo aqui seja sobre e-commerce, a taxa de conversão e consequentemente a otimização de conversão são também inerente ao mundo, diga- mos, offline. Certamente você já foi “assediado” em um supermercado, de várias formas, numa tentativa de determinadas marcas aumentarem sua taxa de conversão, ou seja, a quantidade de produtos vendidos por visitante daquela loja em determinado período. Se você não associou, eu ajudo: a degustação promovida por uma marca de café próxima à gôndola com o produto; aque- la revista estrategicamente localizada próxi- mo aos caixas, que praticamente pula em suas mãos naquele momento chato que você espera sua vez de ser atendido; o queijo ralado posi- cionado próximo aos molhos de tomate. Sim, os supermercados podem nos dar uma aula sobre otimização de conversão. Mas antes que você fique na defensiva, falando que o mundo offli- ne é completamente diferente do mundo onli- ne, analise as lojas virtuais. Esta loja de tapetes envia amostras gratuitas http://theperfectrug. com/samples.php; outra empresa de e-commer- ce, promove a sensação de fazer o tempo passar mais rápido com serviço de entregas expressas http://www.espbr.com/noticias/netshoes-lan- ca-entrega-super-expressa-pernambuco; e por que não oferecer jogos e acessórios para quem está comprando um vídeo-game? A Bestbuy não perderia a oportunidade: http://www.bestbuy. com/site/playstation-4-500gb-console/824010 3.p?id=1218866963585&skuId=8240103&st=cat egoryid$pcmcat296300050017&cp=1&lp=6. Qualquer semelhança entre os exemplos do su- permercado e das lojas online não é mera coin- cidência. Quem não quer vender mais?
  4. 4. 5 Números que devem ser medidos em sua loja virtual O administrador de um e-commerce pode, e deve, construir um painel com indicadores para serem medidos frequentemente, comparados, estudados e utilizados como subsídio para tomada de decisões. Investir em marketing ou executar outras ações sem buscar orientação nos números pode significar um desperdício muito grande. Mas para começar, o que medir? Recomendo estabelecer um painel inicial com um número limitado de informações, que seja fácil de ser preenchido e analisado. Esse painel deve evoluir continuamente de acordo com o aprendizado e a necessidade de encontrar nos números respostas para os problemas que aparecerão no dia a dia da operação. Conheça alguns indicadores importantes: Visitantes Saber quantas visitas o seu site recebeu no mês é algo básico e, claro, você vai querer medir esse número e acompanhar a evolução. Aproveite e meça também a origem dessas visitas para saber quantas pessoas chegam ao seu site vindo da busca orgânica do Google, ou do Facebook, ou através do tráfego direto, via referências, campanhas de anúncios online etc.
  5. 5. 6 Taxa de rejeição Segundo a definição do Google Analytics, a taxa de rejeição é a porcentagem de visitantes que acessam somente uma página antes de sair do site. Ainda segundo o Google, “Há diversos fa- tores que contribuem para sua taxa de rejeição. Por exemplo, os visitantes podem sair de seu site na página de entrada devido ao design do site ou a problemas de utilização. Os visitantes também podem sair do site depois de visualizar uma única página se eles tiverem encontrado as informações desejadas nessa página. Assim, não se interessam em visitar outras páginas.” Ter o número é o primeiro passo para análise da situação. Porém, o número isolado não ser- ve muito. É preciso avaliar o contexto. Se, por exemplo, as pessoas procurampor determinado site quase sempre com objetivo de conseguir o telefone da empresa responsável por aquele do- mínio e ao acessarem a primeira página visua- lizam o telefone e então deixam o site, certamente seráregistradaumaaltataxadeconversãoeissonão representa um problema quando um dos principais objetivos do site é justamente informar o telefone. Agora imagine outra situação: uma empresa desen- volve uma peça de e-mail marketing promovendo um produto com desconto especial para compra pela loja virtual. No entanto, o link do e-mail marke- ting ao invés de direcionar o usuário para a página daquele produto no e-commerce, o leva para a página inicial. Naturalmen- te, muitos desistirão de procurar o produto e deixarão o site, gerando uma taxa de rejeição considerá- vel. Analisar os números permite encontrar problemas para então agir, solucionar e aumentar a per- formance. É um trabalho contínuo.
  6. 6. 7 Uma loja virtual pode ter centenas de páginas de entrada e a cada uma delas estará relacionada sua res- pectiva taxa de conversão. Medir a taxa de conversão do site é apurar uma média das taxas de conversão de suas páginas. Portanto, uma análise mais criteriosa demandará uma análise mais individualizada. Ainda que não seja possível percorrer todo o site, você pode começar uma análise por aquelas páginas que apresentam grande quantidade de acesso e alta taxa de conversão. Páginas com taxa de conversão acima de 35% já merecem alguma atenção; páginas acima de 35% e com quantidade relevante de acessos, merecem toda atenção. Taxa de saída É muito comum a confusão entre taxa de rejeição e taxa de saída. Conforme define o Google, “para todas as visualizações da página, a taxa de saída é a porcentagem em que a página foi a última da sessão.” Por exemplo, o usuário acessa uma loja virtual de camisetas pela home, clica em um produto em destaque, acessa a página daquele produto e então verifica que, embora seja uma linda camiseta, só há em estoque o tamanho GG e então deixa o site. Essa rota percorrida pelo cliente não afetará os índices de rejeição, mas aumentará o índice taxa de saída da página daquele produto. Se o cliente tivesse chegado ao site a partir de, por exemplo, um anúncio daquela camiseta no Facebook com link para a página da camiseta – e não da home – e o cliente tivesse deixado a página ao ver que não tem sua numeração em estoque, essa ação teria impacto na taxa de rejeição e também na página de saída. Note: o cliente acessou apenas uma pági- na e deixou o site (pré-requisito para contabilizarmos taxa de rejeição na página acessada); ele deixou o site (condição simples para contabilizar a taxa de saída na página em que o site foi fechado).
  7. 7. 8 A taxa de saída pode significar problemas com uma página, mas, assim como na análise de taxas de rejei- ção, é preciso contextualizar. Há páginas que tendem a ter taxas de saída maior, como exemplo aquelas que contêm formulários de contato. Se o objetivo esperado com a navegação de um cliente em um site seja alcançado em determinada página, podemos prever então uma alta taxa de saída naquela página. Páginas que apresentam altas taxas de saída e são apenas um caminho para conversão esperada podem sinalizar problemas que devem ser combatidos. Pense em uma loja virtual a página do carrinho, quando o cliente adiciona um produto. Se a taxa de saída é alta, vendas estão sendo perdidas. Taxa de carrinhos abandonados Mais um item que deve ser gerido em lojas virtuais. Esse índice leva em con- sideração todas as taxas de saída de páginas relacionadas ao processo de checkout, quando o cliente adiciona produtos ao carrinho mas não fi- naliza o pedido. Existem estratégias e ferramentas para recuperar car- rinhos abandonados. Segundo estudos da Forrester Research, a média de abandono de carrinhos é de 81%, sendo que 46% dessas pessoas que abandonaram o carrinho, ao receberem algum contato da loja virtual, voltam e efetuam a compra. Os números chamam a atenção e tornam evidente a necessidade de investir em ações para diminuir as taxas de abandono de carrinhos e para recuperar carrinhos abandonados.
  8. 8. 9 Pedidos efetuados A quantidade de pedidos efetuados é um fator crítico para qualquer site de comércio eletrônico. Todo lojista deve acompanhar esse indi- cador e trabalhar para que ele possa crescer mês a mês. A quantida- de de pedidos efetuados, combinado com outros indicadores, pode fornecedor índices relevantes, como a taxa de conversão da loja. Valor médio e rentabilidade média dos pe- didos Saber qual o ticket médio dos pedidos realizados na loja virtual (valor total dos pedidos em determinado período dividido pelo número total de pedidos no mesmo período) é impor- tante porque muitos cálculos que precisarão ser feitos para obtenção de respostas deman- darão tal número. Por exemplo, em uma análise para definição de critérios para con- cessão de frete grátis, ter em mãos valor médio dos pedidos e rentabilidade média por pedido é uma vantagem grande para tomar uma decisão mais racional. Uma função importante do gestor de e-commerce é aumentar o ticket médio do site. Para tanto, ele pode usar ferramentas como produtos relacionados e promover várias outras ações. Ter o indicador ajudará acompanhar os resultados desse processo.
  9. 9. 10 Comportamento do cliente A importância do fator confiança Existe uma palavra que representa muito para lojas virtuais e todos que buscam o sucesso no e-commerce deve se aprofundar em tudo que diz respeito a ela. Estamos falando de “confiança”. Se o consumidor não confia em você ele não será seu cliente, simples assim. Éclaroqueessahistóriadeconfiançaéaplicadaemváriasesferas,masseupesonoe-commerceémuitogran- de. Compare cenários: Loja offline: cliente não conhece a loja, passa na porta, vê um calçado bonito, entra, pede a vendedora o seu número, pega no produto, sente a textura, experimenta, paga, leva na hora pra casa e sabe que se aparecer algum problemapoderáirpresencialmenteaoestabelecimento. Loja online: clienteentranosite,nãoconheceaempresa,nãoteráaoportunidadedeexperimentarocalçado, forneceráosdadosdoseucartãodecrédito,faráopagamento,aguardaráreceberoprodutodeacordocomsuasex- pectativasdepoisdealgunsdiasesealgodererradoteráquebuscarumasoluçãoàdistância. Muitos ao fazer a comparação podem ter uma visão bem pessimista sobre as oportunidades de vendas pela internet. De fato, já presenciei muitos lojistas tradicionais - sobretudo alguns anos atrás - explicando por que
  10. 10. 11 não tinham a menor intenção em investir em e-commerce e os motivos pelos quais não acreditavam nesse mercado. Porém, o mercado de vendas pela internet cresceu muito e fez gigantes, inclusive no mercado de calçados, como Netshoes, Dafiti, dentre muitas, provando a importância e o sucesso do e-commerce. Muitos gigantes do e-commerce nasceram pequenos e cresceram conquistando a confiança de seus clientes. Não é preciso ser gigante para ter sucesso na internet, mas para ter sucesso é necessário conquistar a confiança dos clientes; e esse desafio é maior quando estamos falando de pequenas operações de comércio eletrônico, de lojas com marcas desconhecidas. Cada cliente que entra em uma loja virtual traz consigo medos e inseguranças. Será que eu receberei o meu produto dentro do prazo? Será que é confiável fornecer os dados do meu cartão? Será que os itens chegarão in- teiros? Será que a calça jeans servirá? Será que o brinco é realmente de ouro? A confiança vai sendo alcançada à medida que a quantidade de “serás” diminui na mente do consumidor. Fatores que influenciam a confiança Imaginaumconsumidorquesedeparacomumalojadechocolatesnainternet.Navegapelositeeficaencantadocomos produtosquevê.Pensaemcomprarpelaprimeiravezalgumasbarras,porém,emdadomomentoficareceosodeefetuaro pedidoereceberaencomendaderretidaouemcondiçõesinapropriadase,então,desistedacompra.Alojavirtualemques- tãotem umprodutofantásticoetodatecnologianecessáriaparagarantirqueoprodutochegueemperfeitoestadoaoe- -consumidor.Porém,falhouemcomunicarsuacompetência,nãoconquistouaconfiançadoclienteeperdeuavenda.Isso écomum,acontecedeformadiferenteeminúmeraslojasedevesercombatidoafimdeaumentarataxadeconversão.
  11. 11. 12 Confira algumas dicas para conquistar a segurança do consumidor: • Informe em sua loja virtual de forma clara todas as formas de contato com a empresa; • Considere ter à disposição dos clientes um serviço de televendas e reserve um local nobre para exibição do telefone; • Exponha no site o CNPJ da empresa; • Tenha uma política clara e objetiva sobre trocas e devoluções; • Invista em mecanismos que forneçam segurança ao seu cliente e faça propaganda sobre isso; • Comunique de forma explícita os diferenciais da loja virtual; • Invista em um design moderno e que atraia o perfil de clientes que busca seus produtos; • Faça promessas plausíveis e não meça esforços para cumpri-las; • Cuide da coesão entre as peças publicitárias e as páginas do site; • Crie mecanismos para promover a interação com os clientes e abra espaço em sua loja virtual para dar voz aos clientes; • Divulgue selos, prêmios, conquistas, parcerias e demais relações da empresa com a sociedade; • Reserve uma seção do site para falar sobre a empresa, sua estrutura, equipe, evolução e de- mais informações que possam transmitir segurança ao cliente. •
  12. 12. 13 Estágios de compra Os visitantes da sua loja virtual, além de serem diferentes entre si, podem estar em diferentes momen- tos no processo de compra de um produto ou serviço. Reconhecer esses estágios do processo é importan- te para lidar melhor com ações para aumento da taxa de conversão. Os cinco estágios são: 1. Reconhecimento da necessidade; 2. Busca por informação; 3. Avaliação de alternativas; 4. Realização da compra; 5. Avaliação pós-compra. Os consumidores atravessam esses cinco estágios de forma dife- rente, podendo gastar mais ou menos tempo em algum estágio ou mesmo pular etapas, em função de inúmeros fatores. A empresa que preocupa com um tratamento adequado em todas essas fases terá uma cobertura mais abrangente atendendo melhor as aspirações de um número maior de clientes e, portanto, apresenta condições mais fa- voráveis ao sucesso do que aquelas que negligenciam algumas etapas do processo decisório.
  13. 13. 14 Exemplificando, vamos pensar em um marketplace de moda que anuncia em uma rede social calças co- loridas, com uma chamada algo como “Neste verão, deixe a moda alegrar os seus dias. Calças coloridas de diversas marcas para você arrasar”. Tal anúncio impactará pessoas: • que são consumidores frequentes de calças coloridas, mas não estavam pensando em realizar compras; • que já pensaram alguma vez em comprar calças coloridas; • que estavam procurando calças coloridas no momento em que viram o anúncio; • que nunca pensaram em comprar uma calça do tipo anunciado; • que não sabiam que tal produto estava na moda; • que consideraram comprar o produto, mas ainda estão inseguras se é um bom negócio; • que querem arrasar no verão, mas ainda não sabem como a calça pode ajuda-las; • que buscam acertar na escolha de um presente; • dentre outras várias possibilidades. Reconhecer a diversidade das pessoas e os diferentes estágios de compra possibilitará desenvolver lan- ding pages mais eficientes. O clique poderá levar à página de um produto específico, a uma lista de calças coloridas de diferentes marcas, a um hotsite dentro do marketplace sobre calças coloridas.
  14. 14. 15 Um ambiente mais amplo, repleto de informações e com filtros que ajudarão o cliente a escolher um produto, ainda que ele não saiba exatamente o que quer, é um bom ambiente para clientes nos estágios iniciais e pode vir na forma de um hotsite. Esse é um caso que se aplicaria àquele anúncio citado. Já em situações em que a pessoa pesquisa no Google algo como “calça azul skinny feminina Calvin Klein”, pelas palavras-chaveutilizadas,percebe-seque o clien- teestáemumestágioavançadodecompra.Nessecaso, se o consumidor for direcionado à página deste produ- to no marketplace a taxa de conversão será alta. Certa- mente mais alta do que se o cliente fosse direcionado à página inicial da loja virtual para que a partir dali ini- ciasse a navegação em busca do produto desejado. Um trabalho bem feito é aquele que cria na loja vir- tual um ambiente para que o cliente avance confor- tavelmente pelos cinco estágios e em que a publici- dade consegue captar clientes direcionando-os para seções na loja de acordo com estágio de compra. O cliente que está em busca por informa- ções gostará de ver um conhecido estilista argumentando como são sucesso garanti- do aquelas calças que despertou sua aten- ção por meio do anúncio; no processo de avaliação de alternativas, a disponibilida- de de várias marcas, modelos, cores e pre- ços e uma boa usabilidade para navegar entre essas opções contribuirá muito para realização da compra. Mas não para por aí, existe o estágio pós- -compra. E-mails transacionais infor- mando que o pedido foi aceito, que o pa- gamento foi realizado com sucesso e que a mercadoria foi despachada contribuem para a satisfação do cliente. O comprador pode ainda ser convidado a avaliar o site e a compra. Isso poderá contribuir bastante para que novos negócios aconteçam.
  15. 15. 16 20 fatores que influen- ciam a taxa de conversão Ao longo desse e-book você pode conhecer mais sobre a taxa de conversão, a importância de me- dir os números, os benefícios em desenvolver ações de otimização de conversão, o comporta- mento do consumidor e neste momento já deve estar ávido para colocar a mão na massa. Para ajudar nas ações de otimização de conversão, preparei uma lista de 20 fatores que influencia- rão as vendas em sua loja virtual. Porém, antes de ir à lista, aprenda a preparar uma planilha muito simples que irá ajudá- -lo(a) a apurar a taxa de conversão, o resultado de sua loja virtual e a eficiência das ações de- senvolvidas por você para otimizar as vendas em seu e-commerce. Colete o número de visitantes e o número de pedidos confirmados por determinado período. Na próxima linha insira a taxa de conversão que deverá ser calculada com a fórmula: n. pedidos confirmados : n. visitantes (converta para termos percentuais) Em seguida insira o ticket médio dos pedidos confir- mados em sua loja em determinado período, ou seja: Valortotalpedidos confirmados:n.totalpedidosconfirmados. Agora apure qual a margem bruta média dos produ- tos vendidos, assim: 1 – (Custo médio produtos para o lojista : valor mé- dio venda produtos) O faturamento pode ser apurado desse modo: Visitantes por período * taxa de conversão da loja * ticket médio O resultado bruto será: Visitantes por período * taxa de conversão da loja * ticket médio * margem bruta
  16. 16. 17 Veja uma simulação em planilha de dois cenários utilizando as métricas acima: Nesse caso, um aumento na taxa de conversão de 1,32% para 2,10% gerou incremento de quase R$ 10.000,00 no resultado da loja virtual. Note que a quantidade de visitantes não foi alterada. Muitas vezes, antes de in- vestir em campanhas para aumentar o tráfego ao site é mais inteligente investir em ações para aumento da taxa de conversão, sobretudo se esse índice estiver baixo comprometendo o resultado final da operação.
  17. 17. 18 Agora que você já tem mecanismos para medir a eficiência das ações, confira nossa seleção de fato- res a serem levados em consideração para otimi- zação de conversão: 1. Diversidade do catálogo de produtos e disponibilidade; 2. Organização e exibição do catálogo de produtos e ferramentas de filtros; 3. Checkout rápido, fácil e com várias op- ções de pagamento; 4. Uso de cupons de desconto; 5. Layout; 6. Qualidade das fotografias dos produtos; 7. Qualidade da descrição dos produtos e demais informações apresentadas; 8. Política de preços; 9. Estratégias de “cross sell” e “up sell”; 10. Prazos de entrega; 11. Atendimento ao cliente; 12. Táticas de “call to action”; 13. Segurança da loja virtual, selos e certificados; 14. Velocidade de abertura e carrega- mento das páginas; 15. Gestão de banners e promoções; 16. Ações de recuperação de carrinhos abandonados; 17. Avaliação dos produtos; 18. Curadoria de profissionais espe- cializados; 19. Ferramentas de busca; 20. Qualidade das campanhas de ma- rketing.
  18. 18. 19 Testar, aprender, evoluir, testar, aprender, evoluir... Existe um site muito interessante, o http://whichtestwon.com, que publica constantemente testes AB realizados e os resultados de conversão para cada versão. Tais testes são feitos de modo que a audiência do site ou peça de e-mail marketing ou landing page seja igualmente dividida entre as duas versões e depois é feita a apuração para saber qual versão converteu mais. Inúmeras variáveis podem ser testadas, como uma chamada, a cor de um botão, a imagem, o posicionamento de algum item, a natureza da oferta, o uso de algum recurso etc. Pois bem, é surpreendente como muitas vezes as opiniões – mesmo as de profissio- nais – acerca do resultado esperado para os testes como aqueles publicados pelo Which Test Won diferem do resultado real. Isso endossa a necessidade de testar. Quantas vezes eu já me deparei com empreendedores que atrasam conside- ravelmente o lançamento de uma loja virtual por caprichos referentes a um ou outro detalhe de design, motivados apenas por fatores subjetivos sem ne- nhum embasamento empírico que corroborasse com a efetividade de tal al- teração ou algum estudo de teste A/B por exemplo.
  19. 19. 20 Não existe fórmula mágica para alcançar uma taxa de conversão superior à média do mercado. Não exis- te um manual dizendo exatamente como deve ser a loja virtual para que ela possa vender muito. As va- riáveis são muitas e o relacionamento entre elas complexo. O caminho é estudar, adotar boas práticas já reveladas pelo mercado, testar, medir tudo, analisar, aprender, evoluir e reiniciar o ciclo de modo contí- nuo sempre com um olho nas ações e o outro na taxa de conversão registrada. Espero que este e-book tenha sido útil a você e que possa colocar em prática ações de otimi- zação de conversão que farão toda a diferença para o sucesso do seu e-commerce. Desbrave esse mercado, supere os desafios e acelere as vendas. Estarei torcendo por você!
  20. 20. Sobre o autor Administrador pela Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em gestão com ênfase em mar- keting pela Fundação Dom Cabral. Leonardo atua com Marketing desde 2001, com experiências na área comercial e de planejamento. Participa ativamente dos projetos de e-commerce e esteve presente, desde a pré-contratação à entrega, em mais de 50 lojas vir- tuais de clientes de diversos segmentos. Empreende- dor por vocação e escolha, atualmente coordena cinco novos negócios na JN2, todos relacionados a comércio eletrônico. leonardo@jn2.com.br www.jn2.com.br +55 31 2555.6662 Leonardo Neves
  21. 21. 22 Gostou desse E-book? Então compartilhe!! Fale diretamente com o autor ou entre em contato com a Linkia. Compartilhe Dúvidas, comentários, críticas, elogios ou sugestões? • Faça uma crítica do nosso conteúdo; • Sugira novos temas; • Esclareça suas dúvidas. Fale com a Linkia

×