SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
O Natal
em Portugal
Músicas de NatalMúsicas de Natal
“A todos um bom natal”
“Pinheirinho”
“Natal de Elvas”
Por que é que se celebra o Natal?
No Natal, dia 25 de
Dezembro, celebra-se o
aniversário do
nascimento de Jesus
Cristo.
Esta é uma das festas
católicas mais
importantes da
actualidade.
O Pai Natal e as Renas
A origem do Pai Natal é muito antiga. Nos países
nórdicos, era costume alguém vestir-se com peles
e representar o "Inverno", visitando as casas onde
lhe ofereciam de beber e de comer, pois, se o
tratassem bem, iriam ter sorte. Mais tarde, esse
Pai Natal foi associado a São Nicolau.
Só no século XIX é que surgiu uma imagem
definida do Pai Natal: o norte-americano Clement
Moore, em 1822, escreveu o poema "Uma Visita
de São Nicolau", em que o descrevia em
pormenor e, desde então, tem sido essa a imagem
utilizada: um velhote gordinho e alegre, que se
desloca num trenó puxado por oito renas e que
entra em casa pela chaminé.
A cor dos trajos: Por volta de 1930, a Coca-Cola
contratou um publicitário para criar a campanha de
Inverno. Deste modo, o encarnado e o branco, que
eram as cores da empresa, ficaram associadas à
figura do Pai Natal.
O Presépio
O presépio é a representação
artística do nascimento do
Menino Jesus num estábulo,
acompanhado pela Virgem
Maria, S. José, uma vaca e um
burro. Muitas vezes
acrescentam-se outras figuras,
como os Reis Magos, pastores,
ovelhas, anjos, etc.
Os presépios são expostos não
só em Igrejas, como também em
casas particulares e até mesmo
em muitos locais públicos.
A árvore de Natal
A tradição de ter em casa a
Árvore de Natal decorada
começou na Alemanha, no
século XVI, e foi passando para
outros países.
Em Portugal, dá-se mais
significado a ter o presépio do
que a árvore de Natal.
A estrela de Belém: segundo
a tradição,esta estrela guiou os
Reis Magos desde o Oriente
até ao local onde Jesus
nasceu, para que estes
pudessem presenteá-Lo com
ouro, incenso e mirra.
Os PresentesOs Presentes
No Natal, é normal oferecerem-se presentes aos familiares e
amigos e, em Portugal, estes abrem-se à meia-noite, no dia
25 de Dezembro.
Há quem considere que a tradição da entrega de presentes no
Natal surgiu graças à lembrança da entrega de presentes ao
Menino Jesus pelos Reis Magos.
Tradições portuguesas
Dia 24 de Dezembro:
Consoada ou Ceia de Natal: o jantar de Natal.
Missa do Galo: para as famílias católicas. É a
missa que se celebra na noite de Natal (à
meia-noite) e o seu nome vem de uma fábula
que diz que foi este animal o primeiro a
presenciar o nascimento de Jesus, ficando
encarregado de o anunciar ao mundo.
Dia 25 de Dezembro:
Almoço e jantar, em que são servidas as
“roupas-velhas”.
O que se comeO que se come
Algarve:
●Perú recheado;
●Carne de porco frita
com amêijoas e
berbigões;
●Empanadilhas;
●Broas de milho;
●Rabanadas;
●Filhós
Alentejo:
●Bacalhau cozido com
couve;
●Perú recheado com
carne e enchidos;
●Azevias de grão ou
batata-doce;
●Coscorões;
●Carolo;
Extremadura:
●Bacalhau cozido com
batatas e couves
(Consoada);
●Cabrito assado com
batatinhas (dia 25);
●Broas;
●Aletria;
●Fatias douradas;
●Azevias;
●Filhós.
Beiras:
●Bacalhau cozido com
batatas e couves
(Consoada);
●Cabrito assado com
batatinhas (dia 25);
●Rabanadas;
●Sonhos;
●Filhós do joelho;
●Bolo torto.
Trás-os-Montes e Alto
Douro:
●Polvo e bacalhau,
servidos com batatas e
couve;
●Canja de galinha (dia
25);
●Perú, leitão, borrego ou
porco assado (dia 25)
●Passas e frutos secos;
●Migas doces;
●Filhós de Jerimum;
Entre o Douro e
Minho:
●Polvo e bacalhau
servidos com batatas e
couve;
●Perú assado recheado
com creme de
castanhas;
●Mexidos de leite ou
vinho;
●Aletria;
●Rabanadas;
Açores:
●Canja de galinha;
●Galinha assada ou
guisada;
●Rabanadas;
●Bolos secos;
●Arroz doce;
●Suspiros;
●Rosquilhas de
aguardente;
●Licores de tanjerina e
anis.
Madeira:
●Espetadas (dia 24);
●Carne em vinha-e-
alhos (dia 25);
●Canja de galinha (dia
25);
●Licores;
●Bolo de mel;
●Bolo de noz;
●Bolo de abóbora.
Bolo Rei
e
Bolo Rainha
Bolo Rei:Bolo Rei:
Reza a lenda que este doceReza a lenda que este doce
representa os presentesrepresenta os presentes
oferecidos pelos Reis Magosoferecidos pelos Reis Magos
ao Menino Jesus aquando doao Menino Jesus aquando do
seu nascimento. A côdeaseu nascimento. A côdea
simboliza o ouro, as frutassimboliza o ouro, as frutas
secas e cristalizadas a mirra,secas e cristalizadas a mirra,
e o aroma do bolo o incenso.e o aroma do bolo o incenso.
Músicas de Natal
“A Todos Um Bom Natal”
“Pinheirinho”
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
No Natal pela manhã
Ouvem-se os sinos tocar
E há uma grande alegria, no ar
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Nesta manhã de Natal
Há em todos os países
Muitos milhões de meninos, felizes
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Vão aos saltos pela casa
Descalças ou com chinelos
Procurar suas prendas, tão belas
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Depois há danças de roda
As crianças dão as mãos
No Natal todos se sentem irmãos
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Se isto fosse verdade
Para todos os Meninos
Era bom ouvir os sinos tocar.
Refrão
A todos um Bom Natal
A todos um Bom Natal
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Que seja um Bom Natal, para todos vós
Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos.
Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos.
Uma bola aqui
Outra acolá
Luzinhas que tremem
Que lindo que está.
Olha o Pai Natal
De barbas branquinhas
Traz o saco cheio
De lindas prendinhas.
Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos.
Pinheirinho, pinheirinho
De ramos verdinhos
P'ra enfeitar, p'ra enfeitar
Bolas, bonequinhos. (até ao fim)
“Natal de Elvas”
Estas palavras disse a Virgem
Ai quando nasceu o Menino
Ai vinde cá meu anjo loiro
Meu sacramento divino
Refrão
Olhei para o céu, estava estrelado
Vi o Deus Menino em palhas deitado.
Em palhas deitado, em palhas estendido,
Filho duma rosa, dum cravo nascido!
Arre, burrito, vamos a Belém
Ver o Deus Menino que a senhora tem;
Que a senhora tem, que a senhora adora.
Arre, burrito, vamo-nos embora
Eu hei-de dar ao Menino
Uma fitinha pró chapéu
E ele também me há-de dar
Um lugarzinho no céu.
Refrão
Olhei para o céu, estava estrelado
Vi o Deus Menino em palhas deitado.
Em palhas deitado, em palhas estendido,
Filho duma rosa, dum cravo nascido!
Arre, burrito, vamos a Belém
Ver o Deus Menino que a senhora tem;
Que a senhora tem, que a senhora adora.
Arre, burrito, vamo-nos embora
No seio da virgem Maria
Encarnou a divina graça;
Entrou e saiu por ela
Como o sol pela vidraça.
Refrão
Olhei para o céu, estava estrelado
Vi o Deus Menino em palhas deitado.
Em palhas deitado, em palhas estendido,
Filho duma rosa, dum cravo nascido!
Arre, burrito, vamos a Belém
Ver o Deus Menino que a senhora tem;
Que a senhora tem, que a senhora adora.
Arre, burrito, vamo-nos embora

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner inessalgado
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018manuela016
 
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico João Manuel
 
Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca belabarata
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 SalaAmarelaJIGradil
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
Ficha de verificaã§ã£o de leitura o cavaleiro da dinamarca
Ficha de verificaã§ã£o de leitura   o cavaleiro da dinamarcaFicha de verificaã§ã£o de leitura   o cavaleiro da dinamarca
Ficha de verificaã§ã£o de leitura o cavaleiro da dinamarcaveracampos
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasSandra Evt
 
O Menino Estrela de Oscar Wilde - Apresentação
O Menino Estrela de Oscar Wilde - ApresentaçãoO Menino Estrela de Oscar Wilde - Apresentação
O Menino Estrela de Oscar Wilde - ApresentaçãoClarisse Barreto
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natalPaULuXa
 
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfClara César Pereira
 

Mais procurados (20)

"Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner "Saga", de Sophia de Mello Breyner
"Saga", de Sophia de Mello Breyner
 
Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018Ficha formativa de Português novembro / 2018
Ficha formativa de Português novembro / 2018
 
Resumo a saga
Resumo a sagaResumo a saga
Resumo a saga
 
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico
 
Poemas de Natal
Poemas de NatalPoemas de Natal
Poemas de Natal
 
Texto publicitário
Texto publicitárioTexto publicitário
Texto publicitário
 
Apresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarcaApresentação c. dinamarca
Apresentação c. dinamarca
 
Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca Cavaleiro da dinamarca
Cavaleiro da dinamarca
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Ficha UE
Ficha UEFicha UE
Ficha UE
 
O Cavaleiro da Dinamarca - Síntese
O Cavaleiro da Dinamarca - SínteseO Cavaleiro da Dinamarca - Síntese
O Cavaleiro da Dinamarca - Síntese
 
Ficha de verificaã§ã£o de leitura o cavaleiro da dinamarca
Ficha de verificaã§ã£o de leitura   o cavaleiro da dinamarcaFicha de verificaã§ã£o de leitura   o cavaleiro da dinamarca
Ficha de verificaã§ã£o de leitura o cavaleiro da dinamarca
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
 
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voarHistória de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
História de uma gaivota e do gato que a essinou a voar
 
O Menino Estrela de Oscar Wilde - Apresentação
O Menino Estrela de Oscar Wilde - ApresentaçãoO Menino Estrela de Oscar Wilde - Apresentação
O Menino Estrela de Oscar Wilde - Apresentação
 
Quiz Natal em Portugal
Quiz Natal em PortugalQuiz Natal em Portugal
Quiz Natal em Portugal
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natal
 
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdfASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
ASA_Livro_testes e Guiões leitura_6º.pdf
 

Destaque (8)

Slide de natal
Slide de natalSlide de natal
Slide de natal
 
A VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATALA VERDADE SOBRE O NATAL
A VERDADE SOBRE O NATAL
 
O Natal em Portugal
O Natal em Portugal O Natal em Portugal
O Natal em Portugal
 
Natal
NatalNatal
Natal
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
 
TRABALHO DE NATAL-EMRC
TRABALHO DE NATAL-EMRCTRABALHO DE NATAL-EMRC
TRABALHO DE NATAL-EMRC
 
O natal power point
O natal power pointO natal power point
O natal power point
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 

Semelhante a Natal em Portugal: tradições, músicas e receitas

Semelhante a Natal em Portugal: tradições, músicas e receitas (20)

História do natal
História do natalHistória do natal
História do natal
 
Símbolos de natal
Símbolos de natalSímbolos de natal
Símbolos de natal
 
Tradições de natal
Tradições de natalTradições de natal
Tradições de natal
 
Espanha
EspanhaEspanha
Espanha
 
Tradições natalinas
Tradições natalinasTradições natalinas
Tradições natalinas
 
555 an 24 dezembro_2015.ok
555 an 24 dezembro_2015.ok555 an 24 dezembro_2015.ok
555 an 24 dezembro_2015.ok
 
363 an 20_dezembro_2011.ok
363 an 20_dezembro_2011.ok363 an 20_dezembro_2011.ok
363 an 20_dezembro_2011.ok
 
Viver o Natal, por Sidónio e Tiago.
Viver o Natal, por Sidónio e Tiago.Viver o Natal, por Sidónio e Tiago.
Viver o Natal, por Sidónio e Tiago.
 
Natal
NatalNatal
Natal
 
Natal10
Natal10Natal10
Natal10
 
Jp pag 1 de 4
Jp pag 1 de 4Jp pag 1 de 4
Jp pag 1 de 4
 
Jp pag 1 de 4
Jp pag 1 de 4Jp pag 1 de 4
Jp pag 1 de 4
 
O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.
O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.
O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.
 
Natal
NatalNatal
Natal
 
Apresentação joana...
Apresentação joana...Apresentação joana...
Apresentação joana...
 
Apresentação joana...
Apresentação joana...Apresentação joana...
Apresentação joana...
 
Natal na Europa
Natal na EuropaNatal na Europa
Natal na Europa
 
Simbolos do Natal
Simbolos do Natal Simbolos do Natal
Simbolos do Natal
 
Simbolosdonatal 100103173913-phpapp01a
Simbolosdonatal 100103173913-phpapp01aSimbolosdonatal 100103173913-phpapp01a
Simbolosdonatal 100103173913-phpapp01a
 
Feliz natal
Feliz natalFeliz natal
Feliz natal
 

Mais de Ensinar Português Andaluzia

O Ensino de Português Língua Estrangeira na Andaluzia
O Ensino de Português Língua Estrangeira na AndaluziaO Ensino de Português Língua Estrangeira na Andaluzia
O Ensino de Português Língua Estrangeira na AndaluziaEnsinar Português Andaluzia
 
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no EstrangeiroQuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no EstrangeiroEnsinar Português Andaluzia
 
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...Ensinar Português Andaluzia
 
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...Ensinar Português Andaluzia
 
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Independente no P...
O Português para Falantes de outras Línguas -  O Utilizador Independente no P...O Português para Falantes de outras Línguas -  O Utilizador Independente no P...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Independente no P...Ensinar Português Andaluzia
 
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...Ensinar Português Andaluzia
 
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não Materna
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não MaternaTestes de Diagnóstico de Português Língua Não Materna
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não MaternaEnsinar Português Andaluzia
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações NacionaisPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações NacionaisEnsinar Português Andaluzia
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento OrientadorPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento OrientadorEnsinar Português Andaluzia
 
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não MaternaOrientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não MaternaEnsinar Português Andaluzia
 
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13Ensinar Português Andaluzia
 
Auxiliares de Conversación Portugueses em Espanha
Auxiliares de Conversación Portugueses em EspanhaAuxiliares de Conversación Portugueses em Espanha
Auxiliares de Conversación Portugueses em EspanhaEnsinar Português Andaluzia
 

Mais de Ensinar Português Andaluzia (20)

O Ensino de Português Língua Estrangeira na Andaluzia
O Ensino de Português Língua Estrangeira na AndaluziaO Ensino de Português Língua Estrangeira na Andaluzia
O Ensino de Português Língua Estrangeira na Andaluzia
 
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no EstrangeiroQuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro
QuaREPE - Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro
 
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...
Portaria n.º 914/2009, de 17 de Agosto de 2009, publicada no Diário da Repúbl...
 
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...
Despacho n.º 21 787/2005 (2.ª série), de 28 de Setembro de 2005, do Secretári...
 
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Independente no P...
O Português para Falantes de outras Línguas -  O Utilizador Independente no P...O Português para Falantes de outras Línguas -  O Utilizador Independente no P...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Independente no P...
 
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...
O Português para Falantes de outras Línguas - O Utilizador Elementar no País ...
 
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não Materna
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não MaternaTestes de Diagnóstico de Português Língua Não Materna
Testes de Diagnóstico de Português Língua Não Materna
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações NacionaisPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Orientações Nacionais
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento OrientadorPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
 
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não MaternaOrientações Programáticas de Português Língua Não Materna
Orientações Programáticas de Português Língua Não Materna
 
Esclarecimento
EsclarecimentoEsclarecimento
Esclarecimento
 
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
 
Auxiliares de Conversación Portugueses em Espanha
Auxiliares de Conversación Portugueses em EspanhaAuxiliares de Conversación Portugueses em Espanha
Auxiliares de Conversación Portugueses em Espanha
 
Sistema educativo português
Sistema educativo portuguêsSistema educativo português
Sistema educativo português
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Saudação e expressão de gostos
Saudação e expressão de gostosSaudação e expressão de gostos
Saudação e expressão de gostos
 
Profissões de portugueses famosos
Profissões de portugueses famososProfissões de portugueses famosos
Profissões de portugueses famosos
 
Profissões ii
Profissões iiProfissões ii
Profissões ii
 
Profissões
ProfissõesProfissões
Profissões
 
Pretérito perfeito composto
Pretérito perfeito compostoPretérito perfeito composto
Pretérito perfeito composto
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 

Natal em Portugal: tradições, músicas e receitas

  • 2. Músicas de NatalMúsicas de Natal “A todos um bom natal” “Pinheirinho” “Natal de Elvas”
  • 3. Por que é que se celebra o Natal? No Natal, dia 25 de Dezembro, celebra-se o aniversário do nascimento de Jesus Cristo. Esta é uma das festas católicas mais importantes da actualidade.
  • 4. O Pai Natal e as Renas A origem do Pai Natal é muito antiga. Nos países nórdicos, era costume alguém vestir-se com peles e representar o "Inverno", visitando as casas onde lhe ofereciam de beber e de comer, pois, se o tratassem bem, iriam ter sorte. Mais tarde, esse Pai Natal foi associado a São Nicolau. Só no século XIX é que surgiu uma imagem definida do Pai Natal: o norte-americano Clement Moore, em 1822, escreveu o poema "Uma Visita de São Nicolau", em que o descrevia em pormenor e, desde então, tem sido essa a imagem utilizada: um velhote gordinho e alegre, que se desloca num trenó puxado por oito renas e que entra em casa pela chaminé. A cor dos trajos: Por volta de 1930, a Coca-Cola contratou um publicitário para criar a campanha de Inverno. Deste modo, o encarnado e o branco, que eram as cores da empresa, ficaram associadas à figura do Pai Natal.
  • 5. O Presépio O presépio é a representação artística do nascimento do Menino Jesus num estábulo, acompanhado pela Virgem Maria, S. José, uma vaca e um burro. Muitas vezes acrescentam-se outras figuras, como os Reis Magos, pastores, ovelhas, anjos, etc. Os presépios são expostos não só em Igrejas, como também em casas particulares e até mesmo em muitos locais públicos.
  • 6. A árvore de Natal A tradição de ter em casa a Árvore de Natal decorada começou na Alemanha, no século XVI, e foi passando para outros países. Em Portugal, dá-se mais significado a ter o presépio do que a árvore de Natal. A estrela de Belém: segundo a tradição,esta estrela guiou os Reis Magos desde o Oriente até ao local onde Jesus nasceu, para que estes pudessem presenteá-Lo com ouro, incenso e mirra.
  • 7. Os PresentesOs Presentes No Natal, é normal oferecerem-se presentes aos familiares e amigos e, em Portugal, estes abrem-se à meia-noite, no dia 25 de Dezembro. Há quem considere que a tradição da entrega de presentes no Natal surgiu graças à lembrança da entrega de presentes ao Menino Jesus pelos Reis Magos.
  • 8. Tradições portuguesas Dia 24 de Dezembro: Consoada ou Ceia de Natal: o jantar de Natal. Missa do Galo: para as famílias católicas. É a missa que se celebra na noite de Natal (à meia-noite) e o seu nome vem de uma fábula que diz que foi este animal o primeiro a presenciar o nascimento de Jesus, ficando encarregado de o anunciar ao mundo. Dia 25 de Dezembro: Almoço e jantar, em que são servidas as “roupas-velhas”.
  • 9. O que se comeO que se come Algarve: ●Perú recheado; ●Carne de porco frita com amêijoas e berbigões; ●Empanadilhas; ●Broas de milho; ●Rabanadas; ●Filhós
  • 10. Alentejo: ●Bacalhau cozido com couve; ●Perú recheado com carne e enchidos; ●Azevias de grão ou batata-doce; ●Coscorões; ●Carolo;
  • 11. Extremadura: ●Bacalhau cozido com batatas e couves (Consoada); ●Cabrito assado com batatinhas (dia 25); ●Broas; ●Aletria; ●Fatias douradas; ●Azevias; ●Filhós.
  • 12. Beiras: ●Bacalhau cozido com batatas e couves (Consoada); ●Cabrito assado com batatinhas (dia 25); ●Rabanadas; ●Sonhos; ●Filhós do joelho; ●Bolo torto.
  • 13. Trás-os-Montes e Alto Douro: ●Polvo e bacalhau, servidos com batatas e couve; ●Canja de galinha (dia 25); ●Perú, leitão, borrego ou porco assado (dia 25) ●Passas e frutos secos; ●Migas doces; ●Filhós de Jerimum;
  • 14. Entre o Douro e Minho: ●Polvo e bacalhau servidos com batatas e couve; ●Perú assado recheado com creme de castanhas; ●Mexidos de leite ou vinho; ●Aletria; ●Rabanadas;
  • 15. Açores: ●Canja de galinha; ●Galinha assada ou guisada; ●Rabanadas; ●Bolos secos; ●Arroz doce; ●Suspiros; ●Rosquilhas de aguardente; ●Licores de tanjerina e anis.
  • 16. Madeira: ●Espetadas (dia 24); ●Carne em vinha-e- alhos (dia 25); ●Canja de galinha (dia 25); ●Licores; ●Bolo de mel; ●Bolo de noz; ●Bolo de abóbora.
  • 17. Bolo Rei e Bolo Rainha Bolo Rei:Bolo Rei: Reza a lenda que este doceReza a lenda que este doce representa os presentesrepresenta os presentes oferecidos pelos Reis Magosoferecidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus aquando doao Menino Jesus aquando do seu nascimento. A côdeaseu nascimento. A côdea simboliza o ouro, as frutassimboliza o ouro, as frutas secas e cristalizadas a mirra,secas e cristalizadas a mirra, e o aroma do bolo o incenso.e o aroma do bolo o incenso.
  • 18. Músicas de Natal “A Todos Um Bom Natal” “Pinheirinho” Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós No Natal pela manhã Ouvem-se os sinos tocar E há uma grande alegria, no ar Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós Nesta manhã de Natal Há em todos os países Muitos milhões de meninos, felizes Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós Vão aos saltos pela casa Descalças ou com chinelos Procurar suas prendas, tão belas Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós Depois há danças de roda As crianças dão as mãos No Natal todos se sentem irmãos Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós Se isto fosse verdade Para todos os Meninos Era bom ouvir os sinos tocar. Refrão A todos um Bom Natal A todos um Bom Natal Que seja um Bom Natal, para todos vós Que seja um Bom Natal, para todos vós Pinheirinho, pinheirinho De ramos verdinhos P'ra enfeitar, p'ra enfeitar Bolas, bonequinhos. Pinheirinho, pinheirinho De ramos verdinhos P'ra enfeitar, p'ra enfeitar Bolas, bonequinhos. Uma bola aqui Outra acolá Luzinhas que tremem Que lindo que está. Olha o Pai Natal De barbas branquinhas Traz o saco cheio De lindas prendinhas. Pinheirinho, pinheirinho De ramos verdinhos P'ra enfeitar, p'ra enfeitar Bolas, bonequinhos. Pinheirinho, pinheirinho De ramos verdinhos P'ra enfeitar, p'ra enfeitar Bolas, bonequinhos. (até ao fim)
  • 19. “Natal de Elvas” Estas palavras disse a Virgem Ai quando nasceu o Menino Ai vinde cá meu anjo loiro Meu sacramento divino Refrão Olhei para o céu, estava estrelado Vi o Deus Menino em palhas deitado. Em palhas deitado, em palhas estendido, Filho duma rosa, dum cravo nascido! Arre, burrito, vamos a Belém Ver o Deus Menino que a senhora tem; Que a senhora tem, que a senhora adora. Arre, burrito, vamo-nos embora Eu hei-de dar ao Menino Uma fitinha pró chapéu E ele também me há-de dar Um lugarzinho no céu. Refrão Olhei para o céu, estava estrelado Vi o Deus Menino em palhas deitado. Em palhas deitado, em palhas estendido, Filho duma rosa, dum cravo nascido! Arre, burrito, vamos a Belém Ver o Deus Menino que a senhora tem; Que a senhora tem, que a senhora adora. Arre, burrito, vamo-nos embora No seio da virgem Maria Encarnou a divina graça; Entrou e saiu por ela Como o sol pela vidraça. Refrão Olhei para o céu, estava estrelado Vi o Deus Menino em palhas deitado. Em palhas deitado, em palhas estendido, Filho duma rosa, dum cravo nascido! Arre, burrito, vamos a Belém Ver o Deus Menino que a senhora tem; Que a senhora tem, que a senhora adora. Arre, burrito, vamo-nos embora