Evidências da evolução

1.354 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evidências da evolução

  1. 1. Evidências da Evolução Raquel Freiry
  2. 2. ESTRUTURAS HHOOMMÓÓLLOOGGAASS SÃO AS QUE TÊM CARACTERISTICAS EM COMUM, MAS REALIZAM FUNÇOES DIFERENTES OU NÃO. APRESENTAM A MESMA ORIGEM EMBRIONÁRIA. ESTRUTURAS ÓSSEAS HOMÓLOGAS COM FUNÇÕES DIFERENTES Asas de morcego e asas das aves = homólogas com funções iguais.
  3. 3. Irradiação adaptativa Ancestral comum Originando vários grupos diferentes Ambientes diferentes Homologia: mesma origem embriológica de estruturas de diferentes organismos, sendo que essas estruturas podem ter ou não a mesma função. As estruturas homólogas sugerem ancestralidade comum.
  4. 4. Irradiação adaptativa:  Processo que é conseqüência de isolamento geográfico de vários grupos a partir de uma população inicial, levando à diversificação das espécies com acúmulo de características diferentes ao longo do tempo e com atuação da seleção natural.  A partir de uma mesmo tipo ancestral ocorre o aparecimento de várias linhas evolutivas .
  5. 5. EESSTTRRUUTTUURRAASS AANNÁÁLLOOGGAASS refere-se à semelhança morfológica entre estruturas, em função de adaptação à execução da mesma função , mas tem origem embrionária diferente. Quando organismos não intimamente aparentados apresentam estruturas semelhantes exercendo a mesma função, dizemos que eles sofreram evolução convergente.
  6. 6. Semelhança entre estruturas de diferentes organismos, devida unicamente à adaptação a uma mesma função. São consideradas resultado da evolução convergente.
  7. 7. ÓÓrrggããooss VVeessttiiggiiaaiiss Em alguns organismos, encontram-se com tamanho reduzido e geralmente sem função, mas em outros organismos são maiores e exercem função definitiva. A importância evolutiva desses órgãos vestiginais é a indicação de uma ancestralidade comum. Apêndice vermiforme , estrutura pequena e sem função específica que parte do ceco ( estrutura localizada no ponto onde o intestino delgado liga-se ao grosso).
  8. 8.  Coccix: considerado um vestígio da cauda observada em outros animais, como macaco.  Prega semilunar: um vestígio da membrana nictitante que protege o olho, como se fosse uma terceira pálpebra, e é bastante desenvolvida em aves, peixes e répteis, mas sem função em humanos.
  9. 9. O ser humano Chipanzés, gorilas, orangotangos Seres humanos. Homo sapiens
  10. 10. Evolução humana  Darwin foi o primeiro a propor que humanos e macacos tinham estreitas relações evolutivas;  A ideia difundiu-se equivocadamente, para os leigos, humanos descendiam diretamente de macacos; • Na realidade, Darwin propôs que humanos e os grandes primatas compartilhavam o mesmo ancestral.
  11. 11. Breve histórico: Os ancestrais de macacos antropóides e humanos viviam na África em ambientes de florestas tropicais. Habitavam as copas das árvores. Registros geológicos indicam que há 8 milhões de anos houve um rearranjo de placas tectônicas na África, resultando no aparecimento de uma cadeia de montanhas, essa cadeia de montanhas alterou o clima do continente, deixando o leste africano mais seco e quente do que o oeste. Resultado: Oeste: permanência das florestas tropicais, onde evoluíram os ancestrais de gorilas e chimpanzés; Leste: tornou-se árido, adquirindo aspecto de savana, onde evoluíram os nossos ancestrais.
  12. 12. Astrapolithecus e Homo Astrapolithecus:  surgiram a 4 milhões de anos atrás.  Viveram por aproximadamente 2 milhões de anos.  Posição ereta, cérebro um pouco maior que um chimpanzé.  1 a 1,5 metros de altura – 30 a 6 kg.
  13. 13. Homo:  Homo habilis: primeiros a manipular instrumentos de pedra. ( 2,5 milhões )  Homo erectus: fogo e ferramentas mais complexas ( 1,6 milhões ).  Homo sapiens: ( 200 mil anos) caçadores hábeis, construir cabanas, roupas.  Ser humano atual: Homo sapiens sapiens: 50 mil anos atrás.
  14. 14. Defina em seu caderno:  1) O que são órgãos homólogos e órgãos análogos? Dê um exemplo de analogia que ocorre entre mamíferos e insetos.  2) Qual a relação entre darwinismo e neodarwinismo?  3) Em se tratando de evolução, o que nos mostra a existência de órgãos homólogos e de orgãos análogos?
  15. 15. 4) Ao longo do tempo, uma espécie única, primitiva, pode dar origem a uma multiplicidade de formas, como resultado da exploração, por parte de cada uma, de um nicho ecológico diferente. a) Nomeie esse processo. b) Indique o grupo de animais observados por Darwin nas Ilhas Galápagos e que teriam sofrido esse processo. c) Que tipo de especialização sofreram esses animais observados por Darwin?
  16. 16.  6) Recentes análises do DNA de chimpanzés permitiram concluir que o homem é mais aparentado com eles do que com qualquer outro primata. Isso permite concluir que: a) o chimpanzé é ancestral do homem. b) o chimpanzé e o homem têm um ancestral comum. c) o homem e o chimpanzé são ancestrais dos gorilas. d) a evolução do homem não foi gradual. e) os chimpanzés são tão inteligentes quanto o homem.
  17. 17. 6) "Órgãos que exercem as mesmas funções em espécies diferentes, mas que possuem origem embrionária distinta; e órgãos ou estruturas atrofiadas, sem função evidente", são chamados, respectivamente, de: a) órgãos análogos e órgãos homólogos. b) órgãos vestigiais e órgãos homólogos. c) órgãos homólogos e órgãos vestigiais. d) órgãos análogos e órgãos vestigiais. e) órgãos homólogos e órgãos análogos.
  18. 18.  7) Ao observarmos o vôo de uma ave e o vôo de um inseto, podemos deduzir que as asas de cada um funcionam e são utilizadas para um mesmo objetivo. Entretanto, a origem embriológica das asas de aves e insetos é diferente. Essas características constituem exemplo de: a) seleção natural. b) seleção artificial. c) convergência evolutiva. d) seleção sexual. e) mimetismo.
  19. 19.  Em muitas espécies de aves as fêmeas escolhem seus parceiros, que são mais coloridos, exuberantes e saudáveis. Essa escolha acaba conduzindo à perpetuação do melhor conjunto gênico da espécie na adaptação aos meios de vida. O poder das fêmeas na escolha dos machos foi denominados por Darwin de: a) lei do vigor do híbrido, uma vez que os coloridos são híbridos. b) lei do uso e desuso, uma vez que as fêmeas escolhem uma cor agradável e outra não. c) lei da seleção de uma característica adquirida. d) seleção sexual. e) seleção artificial, uma vez que as fêmeas escolhem os machos coloridos.

×