Sistema muscular

6.221 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
119
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema muscular

  1. 1. 4/5/2010Fisiologia Humana Prof. Sandro de SouzaFisiologia Humana Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas: têm, na verdade, um tamanho que varia de 30 a 450 mícrons. Têm, além disso, um só núcleo e não são comandados pela vontade, ou seja, sua contração é involuntária, além de lenta. As fibras lisas recebem, também, vasos e nervos sensitivos e motores provenientes do sistema nervoso autônomo 1
  2. 2. 4/5/2010Fisiologia Humana Musculatura LisaFisiologia Humana Cardíaco Tecido muscular estriado esquelético cardíaco, ou simplesmente tecido muscular cardíaco é o constituinte do coração, possui sempre um núcleo central grande e estrias. Ele é chamado de miocárdio. As paredes do coração podem suportar altas pressões quando o sangue é bombeado, sem o perigo de vazamento. O músculo cardíado possue contrações involuntárias, sendo controladas pelo Sistema Nervoso Autônomo 2
  3. 3. 4/5/2010Fisiologia Humana Musculatura Cardíaca Miocárdio O Miocárdio é o Músculo que envolve o coração. Mio = músculo Cárdio = coraçãoFisiologia Humana Esquelético O tecido muscular esquelético compõem o Sistema Muscular Esquelético, que constitui a maior parte da musculatura do corpo. Essa musculatura recobre totalmente o esqueleto e está presa aos ossos, sendo responsável pela principalmente movimentação corporal. Possui outras funções, como proteção e produção de calor. 3
  4. 4. 4/5/2010Fisiologia Humana Musculatura EsqueléticaFisiologia Humana Se vira Quem sabe responde! e Guarde! Possuímos 3 tipos de O infarto é incapacidade de tecido Muscular: um músculo específico contrair. Qual? O Tecido muscular Liso, que encontramos nas artérias, veias e órgãos O Tecido Muscular Cardíaco que reveste o Quem sabe responde! coração. Arterosclerose é a perda da O Tecido Muscular Esquelético que reveste elasticidade de um músculo todo o corpo e é específico. Qual? responsável pelos movimentos 4
  5. 5. 4/5/2010Fisiologia Humana Músculo Esquelético A musculatura esquelética é composta por várias estruturas • Epimísio • Perimísio • EndomísioFisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Epimísio (G. epi, sobre) Estrutura composta por tecido conjuntivo que circunda todo o músculo 5
  6. 6. 4/5/2010Fisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Perimísio (G. peri, ao redor) Tecido conjuntivo que circunda Um feixe de até 150 fibras, Denominado fascículoFisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Endomísio (G. endon, dentro de) Fina camada de tecido conjuntivo que envolve cada fibra muscular e as separa das fibras vizinhas 6
  7. 7. 4/5/2010Fisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Fascículo ou Feixe Muscular Feixe de fibras musculares. Cada músculo possui uma variedade de fascículosFisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Sarcolema Membrana localizada abaixo do endomísio, circundando cada fibra muscular. É a membrana Plasmática da célula muscular! 7
  8. 8. 4/5/2010Fisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Fibra MuscularFisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Composição • 75 % de água • 20 % de proteína • 5 % de sais e outras substâncias 8
  9. 9. 4/5/2010Fisiologia Humana Fibra Muscular Túbulos Transversos (T) Sistema de tubos transversais ao sentido da fibra, que possui duas cisternas que se fundem ao Retículo Sarcoplasmático. É responsável em propagar o impulso nervoso de maneira uniforme a toda a fibra muscular.Fisiologia Humana Fibra Muscular Retículo Sarcoplásmático Extensa rede localizada longitudinalmente a fibra. Responsável em armazenar Cálcio (Ca+) fundamental para a contração muscular. 9
  10. 10. 4/5/2010Fisiologia Humana Fibra Muscular Menor unidade contrátil. É a unidade básica do músculo. É separado por duas Linhas Z SarcômeroFisiologia Humana Filamentos protéicos - ACTINA e MIOSINA • Juntos, perfazem 85% da proteína muscular (estrutural) • O restante, é composto por demais proteínas estruturais: • Tropomiosina (5%) • Troponina (3%) • ∂ - actinina (7%) 10
  11. 11. 4/5/2010Fisiologia Humana Filamentos protéicos - MIOSINAFisiologia Humana Filamentos protéicos - ACTINA Vídeo 11
  12. 12. 4/5/2010 Fisiologia Humana Se vira e Guarde! Não esqueça: Quem sabe responde! O músculo é formado por 3 estruturas básicas: quem é responsável em Epimísio, Perimísio e propagar o impulso nervoso Endomísio uniformemente em toda fibra? Sarcolema é o nome dado a membrana plasmática da célula muscular. Quem sabe responde! Qual a estrutura responsável Sarcômero é a menor em armazenar Ca+ na célula unidade contrátil do muscular? músculo Fisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR Sarcômero Consiste na unidade básica de repetição entre duaslinhas Z. Esta entidade estrutural constitui a unidade básica de uma fibra muscular McArdle (2003) 12
  13. 13. 4/5/2010Fisiologia Humana ESTRUTURA MUSCULAR SarcômeroFisiologia Humana 13
  14. 14. 4/5/2010Fisiologia Humana Se vira e Guarde! A célula muscular possui: O filamento de Actina ou Filamento Fino Quem sabe responde! E o filamento de Miosina ou filamento Grosso Qual o nome dado a A união destes filamentos conecção e inclinação da chama-se Ponte cabeça de Miosina? Cruzada. O local de ligação da cabeça de Miosina ao filamento de Actina chama-se Sítio Ativo O movimento de vai e vem entre os filamentos de Actina e Miosina é conhecido como Teoria dos Filamentos Deslizantes.Fisiologia Humana Relação Comprimento x Tensão 14
  15. 15. 4/5/2010Fisiologia Humana Relação Comprimento x Tensão Bíceps Braquial A B C B A CD D E 100 C D 80 B E 60 40 A 20 E 0 A.M. Gordon et al (1966)Fisiologia Humana Relação Comprimento x Tensão Bíceps Braquial 15
  16. 16. 4/5/2010Fisiologia Humana Ângulos 60º 90 a 100º 120º 140º 180º % de Força 67% 100% 98% 95% 71% 100% indica o ângulo da força considerada ideal Wilmore e Costill (1988) Conheça o MÚSCULO Relação Comprimento x Tensão Quadríceps 16
  17. 17. 4/5/2010 Conheça o MÚSCULO TODAS AS FIBRAS MUSCULARES SÃO IGUAIS? NÃO!!! Possuímos fibras: RÁPIDAS (claras) ou LENTAS (escuras) Conheça o MÚSCULO Alguns dos principais Sistemas de Classificação dos tipos de Fibras MuscularesSistema de Classificação Base teórica Visualização da cor da fibra; o maior conteúdo de mioglobinaFibras Claras e Escuras (transportador de oxigênio no músculo) dá aspecto escuro ou avermelhado à cor da fibra Baseada na velocidade e características de contração doContração lenta e músculo quando estimulado. As fibras de contração rápidacontração rápida têm maiores taxas de produção de força e maior taxa de fadigaLenta oxidativa, rápida Baseada na coloração metabólica e na característica deoxidativa, glicolítica, enzimas oxidativas e glicolíticasrápida glicolítica Estabilidade da enzima miosina ATPase sob diferentes condições de pH. A enzima miosina ATPase tem diferentes formas, algumas das quais resultam em velozes reaçõesTipo 1 e Tipo2 enzimáticas para quebra de ATP, gerando então altas taxas de ciclo energético para que ocorram interações da actina- miosina na fibra. Fleck & Kraemer (2006, p. 84) 17
  18. 18. 4/5/2010Fisiologia Humana Características da Fibras Musculares dos Tipos I e II Características Tipo I Tipo II Força por área de secção transversa Baixa Alta Atividade da ATPase miofibrilar Baixa Alta Estoque de ATP intramuscular Baixo Alto Estoque de PC intramuscular Baixo Alto Velocidade de contração Lenta Rápida Tempo de relaxamento Lento Rápido Atividade enzimática glicolítica Baixa Alta Resistência (endurance) Alta Baixa Estoque de glicogênio intramuscular Sem diferença Sem diferença Estoque de triglicerídeos intramuscular Alto Baixo Conteúdo de mioglobina Alto Baixo Atividade enzimática aeróbia Alta Baixa Densidade capilar Alta Baixa Densidade mitocondrial Alta Baixa Fleck & Kraemer (2006, p. 85)Fisiologia Humana Claras: Fibras de contração rápida (branca) Colorações: Escuras: Fibras de contração lenta (vermelha) 18
  19. 19. 4/5/2010Fisiologia Humana Grau de ordenamento das Fibras Musculares Fibra IIc Fibra IIb Fibra IIa Fibra I 0% 70% 80% 90% 100%Fisiologia Humana Até que ponto as Fibras podem ser modificadas? ? 1 1C 2C 2AC 2A 2Ab 2AB 2aB 2B É necessário mais estresse oxidativo a partir do treinamento aeróbio O levantamento da resistência Limite para programas treinamento externa ativa um processo de força de alta intensidade de transformação Fleck & Kraemer (2006) 19
  20. 20. 4/5/2010 Conheça o MÚSCULO Fibras Tipo II, IIA, AB, IIC, II abcdefg....??? “Não se sabe quanto da remodelaçãoda fibra muscular contribui para a força muscular; entretanto, aumentos graduais no número e no tamanho de miofibrilas, e talvez a conversão das fibras rápidas do tipo IIB para fibras tipo IIA possivelmente contribuam para a produção de força.” Fleck & Kraemer (2006)Fisiologia Humana HIPERTROFIA = Aumento do tamanho da fibra “Esse aumento na área de secção transversa das fibras musculares é atribuído à elevação do número de filamentos de actina e miosina e a uma adição de sarcômeros dentro das fibras musculares.” MacDougall et al, apud Fleck & Kraemer (2006) 20
  21. 21. 4/5/2010 Fisiologia Humana HIPERTROFIA “Nem todas as fibras musculares tem a mesma magnitude de aumento. Seu aumento é dependente do tipo de fibra e do grau de recrutamento.” Kraemer, Fleck & Evans (1996)MAIORIA DOS ESTUDOS DEMONSTRA MAIOR HIPERTROFIA EM FIBRAS TIPO 2 Fisiologia Humana HIPERPLASIA = Aumento no número de fibras Primeiros estudos na década de 80 (Gonyea, 1980; Ho et al, 1980) • Observado principalmente em animais • Poucos estudos com seres humanos • Intensidade altíssima (fibra tipo 2) • kadi et al, 1999, indica maior número de núcleos em fibras musculares, células-satélite e fibras de pequeno diâmetro. • Efeitos acelerados por EAA (Kadi et al, 2000) • Fleck & Kraemer (2006), sua contribuição é responsável pelo aumento de 5 a 10% da fibra 21
  22. 22. 4/5/2010Fisiologia Humana Papéis relativos das adaptações neurais e musculares no aprimoramento da força Sale DG. (1988) 22

×