SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Seminário Eficiência Energética e Energias Renováveis
Norma Internacional de Sistemas
de Gestão de Energia – ISO 50001
Pedro Fonseca Santos
Diretor de Inovação da 2GO OUT Consulting
Lisboa, 13 de outubro de 2016
Agenda
1. Introdução à norma internacional de Sistemas de Gestão de Energia
(SGE) - ISO 50001
2. Apresentação dos requisitos da norma ISO 50001
3. Etapas-chave na implementação da norma ISO 50001
4. Desafios para a disseminação da norma ISO 50001 em Portugal
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
1. INTRODUÇÃO À NORMA
INTERNACIONAL DE SISTEMAS DE
GESTÃO DE ENERGIA (SGE) - ISO 50001
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Desafios relacionados com a gestão de energia
1º - Atuar sobre o consumo
X
RESULTADO
€/kWhReduzir
Reduzir
kWh
€Reduzir
2º - Atuar sobre o abastecimento
Objetivos a atingir com a gestão de energia
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Sistemas de gestão de energia
A ISO 50001 é uma norma internacional voluntária que fornece às
organizações os requisitos para a implementação de um Sistema de Gestão de
Energia (SGE)
A ISO 50001 destina-se a todo o tipo de organizações que pretendam
posicionar-se na vanguarda na gestão da energia, aplicando-se quer na
indústria como nos serviços e em todas as regiões do mundo
Versão portuguesa: norma NP EN ISO 50001:2012
Outras normas da família da ISO 50001:
ISO 50002 (auditorias energéticas), ISO 50003 (requisitos para organismos que efetuam auditoria e
certificação de SGE), ISO 50004 (implementação, manutenção e melhoria de SGE), ISO 50006 (medição da
performance energética usando baseline e IDE), ISO 50015 (medição e verificação da performance energética)
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Apresentação da norma internacional ISO 50001
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Benefícios da norma internacional ISO 50001
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Evolução da norma internacional ISO 50001
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Evolução da norma internacional ISO 50001
2. APRESENTAÇÃO DOS REQUISITOS DA
NORMA ISO 50001
Elementos básicos da norma (Plan-Do-Check-Act)
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
1. Objetivo e campo de aplicação
2. Referências normativas
3. Termos e definições
4. Requisitos do sistema de gestão da energia
4.1 Requisitos gerais
4.2 Responsabilidade da gestão
4.2.1 Gestão de topo
4.2.2 Representante da gestão de topo
4.3 Política energética
4.4 Planeamento energético
4.4.1 Generalidades
4.4.2 Requisitos legais e outros requisitos
4.4.3 Avaliação energética
4.4.4 Consumo energético de referência
4.4.5 Indicadores de desempenho energético
4.4.6 Objetivos energéticos, metas energéticas e planos de ação para a gestão da energia
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Requisitos da norma internacional ISO 50001
4.5 Implementação e operação
4.5.1 Generalidades
4.5.2 Competências, formação e sensibilização
4.5.3 Comunicação
4.5.4 Documentação
4.5.5 Controlo operacional
4.5.6 Conceção
4.5.7 Aprovisionamento de energia, seus serviços, produtos e equipamentos
4.6 Verificação
4.6.1 Monitorização, medição e análise
4.6.2 Avaliação da conformidade com exigências legais e outros requisitos
4.6.3 Auditoria interna ao Sistema de Gestão de Energia
4.6.4 Não-conformidades, correções, ações corretivas e ações preventivas
4.6.5 Controlo dos registos
4.7 Revisão pela Gestão
4.7.1 Generalidades
4.7.2 Entradas para revisão pela gestão
4.7.3 Saídas para revisão pela gestão
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Requisitos da norma internacional ISO 50001
3. ETAPAS-CHAVE NA IMPLEMENTAÇÃO DA
NORMA ISO 50001
Primeiro passo recomendado: realização de GAP Analysis (auditoria interna)
Primeiros passos na implementação da norma
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Checklist para a realização de uma auditoria interna ao SGE
Cláusula 4.1 – Requisitos gerais
A. A organização já estabeleceu, documentou,
implementou e mantém um sistema de gestão de energia
de acordo com a ISO 50001?
Totalmente estabelecido e implementado
Estabelecido e alguns requisitos implementados
Não estabelecido ou implementado
B. A organização já definiu e documentou o âmbito e
fronteiras do seu sistema de gestão de energia?
Totalmente estabelecido e implementado
Estabelecido e alguns requisitos implementados
Não estabelecido ou implementado
C. A organização já determinou e documentou como vai
cumprir os requisitos da norma em termos de atingir a
melhoria contínua?
Totalmente estabelecido e implementado
Estabelecido e alguns requisitos implementados
Não estabelecido ou implementado
Processo de planeamento energético
Importância da avaliação energética
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Fonte: Guia Prático – Sistema de Gestão de Energia, Janeiro de 2014 | AIDA – Associação Industrial do Distrito de Aveiro
Monitorização, verificação e análise
Monitorizar, medir os consumos significativos de energia e
compará-los com as previsões realizadas
Caraterísticas a monitorizar:
Uso significativo de energia e outras conclusões da revisão
energética;
As variáveis ​​relevantes relacionadas com os usos
significativos de energia;
Indicadores de desempenho energético;
A eficácia dos planos de ação para atingir objetivos e metas;
O desvio do consumo real de energia face ao esperado.
Papel do plano de medição de energia
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Papel dos sistemas de monitorização de energia
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Fonte: Guia Prático – Sistema de Gestão de Energia, Janeiro de 2014 | AIDA – Associação Industrial do Distrito de Aveiro
4. DESAFIOS PARA A DISSEMINAÇÃO DA
NORMA ISO 50001 EM PORTUGAL
Melhorar a perceção pela gestão de topo das organizações da importância da
melhoria contínua do desempenho energético para a competitividade
Garantir a otimização da integração da norma ISO 50001 com os sistemas
integrados de gestão da qualidade, ambiente e segurança
Papel decisivo da formação para garantir um controlo operacional eficiente
indispensável para a melhoria do desempenho energético
Disseminar e potenciar a utilização dos sistemas de medição e monitorização
dos usos significativos de energia e do desempenho energético
Adotar políticas públicas de apoio à implementação da norma ISO 50001 nas
PME (através por exemplo do Fundo de Eficiência Energética)
Desafios para a disseminação da norma
ISO 50001 em Portugal
Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
Obrigado pela vossa atenção!
PEDRO FONSECA SANTOS
Diretor de Inovação da 2GO OUT Consulting
pedro.santos@2goout-consulting.com
www.2goout-consulting.com
www.linkedin.com/2goout
www.linkedin.com/company/2go-out-consulting

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ISO 50001 seminar energy efficiency renewable

GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINAS
GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINASGAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINAS
GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINASMarcio Venturelli
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestãoslides-mci
 
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do Curso
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do CursoAuditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do Curso
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do CursoGAC CURSOS ONLINE
 
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoClaudio Bernardi Stringari
 
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdf
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdfISO 9001-2015 interpertação v1.pdf
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdfJesusAntnio1
 
Iso 50001 palestra nbs cema
Iso 50001 palestra nbs cemaIso 50001 palestra nbs cema
Iso 50001 palestra nbs cemaZailda Firmino
 
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e Oportunidades
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e OportunidadesEstratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e Oportunidades
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e OportunidadesNei Grando
 
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso online
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso onlineCurso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso online
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso onlineGAC CURSOS ONLINE
 
ISO 45001_SGSST.pdf
ISO 45001_SGSST.pdfISO 45001_SGSST.pdf
ISO 45001_SGSST.pdfJoseNeves35
 

Semelhante a ISO 50001 seminar energy efficiency renewable (20)

GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINAS
GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINASGAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINAS
GAP ANALYSIS DA ISO 50001 NAS USINAS
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
 
7998 pdf
7998 pdf7998 pdf
7998 pdf
 
Auditoriae certificao
Auditoriae certificaoAuditoriae certificao
Auditoriae certificao
 
Apresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyIN
Apresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyINApresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyIN
Apresentação Cristina Effertz 3ª Conf Anual do EnergyIN
 
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IECJornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
Jornadas qualidade 2018 - ISO/IEC
 
Modelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de ParceirosModelo Operacional de Parceiros
Modelo Operacional de Parceiros
 
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do Curso
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do CursoAuditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do Curso
Auditor Interno Norma ISO 45001 2018 - Demonstração do Curso
 
Auditor iso 45001 2018 - demo
Auditor iso 45001 2018 - demoAuditor iso 45001 2018 - demo
Auditor iso 45001 2018 - demo
 
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
 
Guiadeutilizaoiso90012015
Guiadeutilizaoiso90012015Guiadeutilizaoiso90012015
Guiadeutilizaoiso90012015
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
 
Apcer guia iso9001_2015
Apcer guia iso9001_2015Apcer guia iso9001_2015
Apcer guia iso9001_2015
 
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdf
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdfISO 9001-2015 interpertação v1.pdf
ISO 9001-2015 interpertação v1.pdf
 
Iso 50001 palestra nbs cema
Iso 50001 palestra nbs cemaIso 50001 palestra nbs cema
Iso 50001 palestra nbs cema
 
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e Oportunidades
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e OportunidadesEstratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e Oportunidades
Estratégias Corporativas de Baixo Carbono - Gestão de Riscos e Oportunidades
 
Auditor Interno PBQP-H - SiAC - 2017
Auditor Interno PBQP-H -  SiAC - 2017Auditor Interno PBQP-H -  SiAC - 2017
Auditor Interno PBQP-H - SiAC - 2017
 
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso online
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso onlineCurso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso online
Curso Auditor Interno PBQP-H Norma SiAC 2017 - curso online
 
ISO 45001_SGSST.pdf
ISO 45001_SGSST.pdfISO 45001_SGSST.pdf
ISO 45001_SGSST.pdf
 
205 artigo cricte
205 artigo cricte205 artigo cricte
205 artigo cricte
 

ISO 50001 seminar energy efficiency renewable

  • 1. Seminário Eficiência Energética e Energias Renováveis Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia – ISO 50001 Pedro Fonseca Santos Diretor de Inovação da 2GO OUT Consulting Lisboa, 13 de outubro de 2016
  • 2. Agenda 1. Introdução à norma internacional de Sistemas de Gestão de Energia (SGE) - ISO 50001 2. Apresentação dos requisitos da norma ISO 50001 3. Etapas-chave na implementação da norma ISO 50001 4. Desafios para a disseminação da norma ISO 50001 em Portugal Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
  • 3. 1. INTRODUÇÃO À NORMA INTERNACIONAL DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ENERGIA (SGE) - ISO 50001
  • 4. Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Desafios relacionados com a gestão de energia
  • 5. 1º - Atuar sobre o consumo X RESULTADO €/kWhReduzir Reduzir kWh €Reduzir 2º - Atuar sobre o abastecimento Objetivos a atingir com a gestão de energia Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
  • 6. Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Sistemas de gestão de energia
  • 7. A ISO 50001 é uma norma internacional voluntária que fornece às organizações os requisitos para a implementação de um Sistema de Gestão de Energia (SGE) A ISO 50001 destina-se a todo o tipo de organizações que pretendam posicionar-se na vanguarda na gestão da energia, aplicando-se quer na indústria como nos serviços e em todas as regiões do mundo Versão portuguesa: norma NP EN ISO 50001:2012 Outras normas da família da ISO 50001: ISO 50002 (auditorias energéticas), ISO 50003 (requisitos para organismos que efetuam auditoria e certificação de SGE), ISO 50004 (implementação, manutenção e melhoria de SGE), ISO 50006 (medição da performance energética usando baseline e IDE), ISO 50015 (medição e verificação da performance energética) Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Apresentação da norma internacional ISO 50001
  • 8. Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Benefícios da norma internacional ISO 50001
  • 9. Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Evolução da norma internacional ISO 50001
  • 10. Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Evolução da norma internacional ISO 50001
  • 11. 2. APRESENTAÇÃO DOS REQUISITOS DA NORMA ISO 50001
  • 12. Elementos básicos da norma (Plan-Do-Check-Act) Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
  • 13. 1. Objetivo e campo de aplicação 2. Referências normativas 3. Termos e definições 4. Requisitos do sistema de gestão da energia 4.1 Requisitos gerais 4.2 Responsabilidade da gestão 4.2.1 Gestão de topo 4.2.2 Representante da gestão de topo 4.3 Política energética 4.4 Planeamento energético 4.4.1 Generalidades 4.4.2 Requisitos legais e outros requisitos 4.4.3 Avaliação energética 4.4.4 Consumo energético de referência 4.4.5 Indicadores de desempenho energético 4.4.6 Objetivos energéticos, metas energéticas e planos de ação para a gestão da energia Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Requisitos da norma internacional ISO 50001
  • 14. 4.5 Implementação e operação 4.5.1 Generalidades 4.5.2 Competências, formação e sensibilização 4.5.3 Comunicação 4.5.4 Documentação 4.5.5 Controlo operacional 4.5.6 Conceção 4.5.7 Aprovisionamento de energia, seus serviços, produtos e equipamentos 4.6 Verificação 4.6.1 Monitorização, medição e análise 4.6.2 Avaliação da conformidade com exigências legais e outros requisitos 4.6.3 Auditoria interna ao Sistema de Gestão de Energia 4.6.4 Não-conformidades, correções, ações corretivas e ações preventivas 4.6.5 Controlo dos registos 4.7 Revisão pela Gestão 4.7.1 Generalidades 4.7.2 Entradas para revisão pela gestão 4.7.3 Saídas para revisão pela gestão Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Requisitos da norma internacional ISO 50001
  • 15. 3. ETAPAS-CHAVE NA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA ISO 50001
  • 16. Primeiro passo recomendado: realização de GAP Analysis (auditoria interna) Primeiros passos na implementação da norma Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Checklist para a realização de uma auditoria interna ao SGE Cláusula 4.1 – Requisitos gerais A. A organização já estabeleceu, documentou, implementou e mantém um sistema de gestão de energia de acordo com a ISO 50001? Totalmente estabelecido e implementado Estabelecido e alguns requisitos implementados Não estabelecido ou implementado B. A organização já definiu e documentou o âmbito e fronteiras do seu sistema de gestão de energia? Totalmente estabelecido e implementado Estabelecido e alguns requisitos implementados Não estabelecido ou implementado C. A organização já determinou e documentou como vai cumprir os requisitos da norma em termos de atingir a melhoria contínua? Totalmente estabelecido e implementado Estabelecido e alguns requisitos implementados Não estabelecido ou implementado
  • 17. Processo de planeamento energético Importância da avaliação energética Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Fonte: Guia Prático – Sistema de Gestão de Energia, Janeiro de 2014 | AIDA – Associação Industrial do Distrito de Aveiro
  • 18. Monitorização, verificação e análise Monitorizar, medir os consumos significativos de energia e compará-los com as previsões realizadas Caraterísticas a monitorizar: Uso significativo de energia e outras conclusões da revisão energética; As variáveis ​​relevantes relacionadas com os usos significativos de energia; Indicadores de desempenho energético; A eficácia dos planos de ação para atingir objetivos e metas; O desvio do consumo real de energia face ao esperado. Papel do plano de medição de energia Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
  • 19. Papel dos sistemas de monitorização de energia Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016 Fonte: Guia Prático – Sistema de Gestão de Energia, Janeiro de 2014 | AIDA – Associação Industrial do Distrito de Aveiro
  • 20. 4. DESAFIOS PARA A DISSEMINAÇÃO DA NORMA ISO 50001 EM PORTUGAL
  • 21. Melhorar a perceção pela gestão de topo das organizações da importância da melhoria contínua do desempenho energético para a competitividade Garantir a otimização da integração da norma ISO 50001 com os sistemas integrados de gestão da qualidade, ambiente e segurança Papel decisivo da formação para garantir um controlo operacional eficiente indispensável para a melhoria do desempenho energético Disseminar e potenciar a utilização dos sistemas de medição e monitorização dos usos significativos de energia e do desempenho energético Adotar políticas públicas de apoio à implementação da norma ISO 50001 nas PME (através por exemplo do Fundo de Eficiência Energética) Desafios para a disseminação da norma ISO 50001 em Portugal Pedro Fonseca Santos I www.2goout-consulting.com | APEMETA, 13 de outubro de 2016
  • 22. Obrigado pela vossa atenção! PEDRO FONSECA SANTOS Diretor de Inovação da 2GO OUT Consulting pedro.santos@2goout-consulting.com www.2goout-consulting.com www.linkedin.com/2goout www.linkedin.com/company/2go-out-consulting