SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
46 O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
Manutençãoelétricaindustrial
Manutenção preditiva
	 Uma empresa vinha desenvolvendo de modo
satisfatório um programa de manutenção, porém, o
relatório final de produção indicava a possibilidade
de aperfeiçoamentos no processo. Estudos posteriores
revelaram que, para aperfeiçoar o processo com ganhos
de produção, era preciso, entre outros procedimentos,
incluir a manutenção preditiva no programa de
manutenção.
	 Após muitas reuniões entre dirigentes, gerentes,
encarregados, supervisores e operários, chegaram
ao consenso de que a empresa, para instalar um
programa de manutenção preditiva, precisaria,
antes de qualquer coisa, capacitar uma equipe em
manutenção preditiva e orientar todo o pessoal por
meio de treinamentos específicos.
Conceito
	 Manutenção preditiva é aquela que indica as
condições reais de funcionamento das máquinas
com base em dados que informam o seu desgaste
ou processo de degradação. Trata-se da manutenção
que prediz o tempo de vida útil dos componentes das
máquinas e equipamentos, e as condições para que
esse tempo de vida seja bem aproveitado.
	 Na Europa, a manutenção preditiva é conhecida
pelo nome de manutenção condicional e nos Estados
Unidos recebe o nome de preditiva ou previsional.
Objetivos
	 Os objetivos da manutenção preditiva são:
• Determinar, antecipadamente, a necessidade de ser­
viços de manutenção em uma peça específica de um
equipamento;
• Eliminar desmontagens desnecessárias para inspeção;
Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara*
Capítulo III
Manutenção preditiva e detectiva
•Aumentarotempodedisponibilidadedosequipamentos;
• Reduzir o trabalho de emergência não planejado;
• Impedir o aumento dos danos;
• Aproveitar a vida útil total dos componentes e de um
equipamento;
• Aumentar o grau de confiança no desempenho de
um equipamento ou linha de produção;
• Determinar previamente as interrupções de fabri­ca­
ção para cuidar dos equipamentos que precisam de
manutenção.
	 Por meio desses objetivos, pode-se deduzir que
eles estão direcionados a uma finalidade maior e
importante: redução de custos de manutenção e
aumento da produtividade.
Execução
	 Para ser executada, a manutenção preditiva exige
a utilização de aparelhos adequados, capazes de
registrar vários fenômenos, tais como:
• vibrações das máquinas;
• pressão;
• temperatura;
• desempenho;
• aceleração.
	 Com base no conhecimento e na análise
dos fenômenos, torna-se possível indicar, com
antecedência, eventuais defeitos ou falhas nas
máquinas e nos equipamentos.
	 Após a análise dos fenômenos, a manutenção
preditiva adota dois procedimentos para atacar os
problemas detectados: estabelece um diagnóstico e
efetua uma análise de tendências.
47O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
Diagnóstico
	 Detectada a irregularidade, o responsável terá o encargo de
estabelecer – na medida do possível – um diagnóstico referente à
origem e à gravidade do defeito constatado. Este diagnóstico deve
ser feito antes de se programar o reparo.
Análise da tendência da falha
	 A análise consiste em prever com antecedência a avaria ou a
quebra, por meio de aparelhos que exercem vigilância constante,
predizendo a necessidade do reparo.
Graficamente, temos:
Figura 1 – Análise da tendência de falha
Figura 2 – O funcionamento da manutenção preditiva
	 O esquema a seguir resume o que foi discutido até o momento.
	 A manutenção preditiva, geralmente, adota vários métodos de
investigação para poder intervir nas máquinas e nos equipamentos.
Entre os vários métodos, destacam-se os seguintes: estudo das
vibrações; análise dos óleos; análise do estado das superfícies; e
análises estruturais de peças.
48 O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
Manutençãoelétricaindustrial
Estudo das vibrações
	 Todas as máquinas em funcionamento produzem vibrações
que, aos poucos, levam-nas a um processo de deterioração. Essa
deterioração é caracterizada por uma modificação da distribuição
de energia vibratória pelo conjunto dos elementos que constituem a
máquina. Observando a evolução do nível de vibrações, é possível
obter informações sobre o estado da máquina.
	 O princípio de análise das vibrações baseia-se na ideia de que
as estruturas das máquinas excitadas pelos esforços dinâmicos (ação
de forças) dão sinais vibratórios, cuja frequência é igual àquela dos
agentes que excita dores. Se captadores de vibrações forem colocados
em pontos definidos da máquina, eles captarão as vibrações recebidas
por toda a estrutura. O registro das vibrações e sua análise permitem
identificar a origem dos esforços presentes em uma máquina operando.
	 Por meio da medição e análise das vibrações de uma máquina
em serviço normal de produção, detecta-se, com antecipação, a
presença de falhas que devem ser corrigidas:
• rolamentos deteriorados;
• engrenagens defeituosas;
• acoplamentos desalinhados;
• rotores desbalanceados;
• vínculos desajustados;
• eixos deformados;
• lubrificação deficiente;
• folga excessiva em buchas;
• falta de rigidez;
• problemas aerodinâmicos;
• problemas hidráulicos;
• cavitação.
	 O aparelho empregado para a análise de vibrações é conhecido
como analisador de vibrações. No mercado há vários modelos de
analisadores de vibrações, dos mais simples aos mais complexos;
dos portáteis até aqueles que são instalados definitivamente nas
máquinas com a missão de executar monitoração constante.
	 Abaixo,umafotodoequipamentodevibraçãoutilizadoporumaequipe
preditiva,comumoperadorusandoumanalisadordevibraçõesportátile,em
destaque, o aparelho utilizado para analise de vibração, o CSI 2130:
Figura 3 – Equipamento de vibração portátil utilizado por uma equipe
de manutenção preditiva
Figura 4 – Análise feita em campo
Figura 5 – Medição realizada por uma equipe preditiva com um
termovisor
Análise de temperatura
	 É a técnica de medições térmicas para levantamento da
temperatura de operação de equipamentos, buchas, conexões
e conectores, etc. As técnicas termográficas servem para
identificar pontos quentes em instalações elétricas e detecção
de falhas em isolamentos térmicos.
	 A termografia é a técnica de ler e medir – à distância –
a temperatura de operação de componentes responsáveis
pelas conexões de equipamentos elétricos. Suas principais
vantagens são a ausência da necessidade de contato com o
objeto sob análise e a não interferência com a produção, já
que não desligamos o equipamento sob inspeção.
	 A termovisão é a técnica de ver as imagens térmicas a
partir da captação das radiações térmicas, invisíveis na faixa
do infravermelho, constantemente emitidas, absorvidas e
reemitidas pelos corpos e objetos.
	 O termograma é o resultado da aplicação da termografia,
isto é, formar e reproduzir as imagens visíveis a partir da
captação das radiações térmicas emitidas pelas conexões.
Esta radiação varia de acordo com a temperatura e o estado
da superfície emissora.
50 O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
Análise dos óleos
	 Os objetivos da análise dos óleos são economizar lubrificantes
e sanar os defeitos. Os modernos equipamentos permitem análises
exatas e rápidas dos óleos utilizados em máquinas. É por meio das
análises que o serviço de manutenção pode determinar o momento
adequado para sua troca ou renovação, tanto em componentes
mecânicos quanto hidráulicos.
	 A economia é obtida regulando-se o grau de degradação ou de
contaminação dos óleos. Essa regulagem permite a otimização dos
intervalos das trocas.
	 A análise dos óleos permite, também, identificar os primeiros
sintomas de desgaste de um componente. A identificação é feita a
partir do estudo das partículas sólidas que ficam misturadas com os
óleos. Tais partículas sólidas são geradas pelo atrito dinâmico entre
peças em contato.
	 A análise dos óleos é feita por meio de técnicas laboratoriais que
envolvem vidrarias, reagentes, instrumentos e equipamentos. Entre
os instrumentos e os equipamentos utilizados temos viscosímetros,
centrífugas, fotômetros de chama, peagômetros, espectrômetros,
microscópios, etc. O laboratorista, usando técnicas adequadas, determina
as propriedades dos óleos e o grau de contaminantes neles presentes.
	 As principais propriedades dos óleos que interessam em uma
análise são:
• índice de viscosidade;
• índice de acidez;
• índice de alcalinidade;
• ponto de fulgor;
• ponto de congelamento.
	 Em termos de contaminação dos óleos, interessa saber a
quantidade existente de:
• resíduos de carbono;
• partículas metálicas;
• água.
	 Assim como no estudo das vibrações, a análise dos óleos é
muito importante na manutenção preditiva. É a análise que vai
dizer se o óleo de uma máquina ou equipamento precisa ou não
ser substituído, e quando isso deverá ser feito.
Análise do estado das superfícies
	 A análise das superfícies das peças sujeitas aos desgastes
provocados pelo atrito também é importante para controlar o
grau de deterioração das máquinas e dos equipamentos. A análise
superficial abrange, além do simples exame visual – com ou sem
lupa – várias técnicas analíticas, tais como:
• endoscopia;
• holografia;
• estroboscopia;
• molde e impressão.
Análise estrutural
	 A análise estrutural de peças que compõem as máquinas e os
equipamentos também é importante para a manutenção preditiva.
É por meio da análise estrutural que se detecta, por exemplo, a
existência de fissuras, trincas e bolhas nas peças das máquinas e
dos equipamentos. Em uniões soldadas, a análise estrutural é de
extrema importância.
	 As técnicas utilizadas na análise estrutural são:
• interferometria holográfica;
• ultrassonografia;
• radiografia (raios X);
• gamagrafia (raios gama);
• ecografia;
• magnetoscopia;
• correntes de Foucault;
• infiltração com líquidos penetrantes.
Periodicidade dos controles
	 A coleta de dados é efetuada periodicamente por um técnico
que utiliza sistemas portáteis de monitoramento. As informações
recolhidas são registradas em uma ficha, possibilitando ao
responsável pela manutenção preditiva tê-las em mãos para as
providências cabíveis.
	 A periodicidade dos controles é determinada de acordo com os
seguintes fatores:
• número de máquinas a serem controladas;
• número de pontos de medição estabelecidos;
• duração da utilização da instalação;
• caráter “estratégico” das máquinas instaladas;
• meios materiais colocados à disposição para a execução dos
serviços.
	 A tabela a seguir mostra um exemplo de um programa básico
de vigilância de acordo com a experiência e o histórico de uma
determinada máquina.
Manutençãoelétricaindustrial
Figura 6 – Análise feita com o termovisor em atividade
51O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
Métodos utilizados
Medição de vibração
Medição das falhas
e rolamentos
Análise estroboscópica
Análise dos óleos
Termografia
Exame endoscópico
Equipamentos vigiados
Todas as máquinas giratórias de potência
média ou máxima e/ou equipamentos críticos:
• Motores;
• Redutores;
• Compressores;
• Bombas;
• Ventiladores.
Todos os rolamentos
Todos os lugares em que se quiser estudar
um movimento, controlar a velocidade
ou medir os planos
• Redutores e circuitos hidráulicos
• Motores
• Equipamentos de alta tensão
• Distribuição de baixa tensão
• Componentes eletrônicos
• Equipamentos com componentes refratários
• Cilindros de compressores
• Aletas
• Engrenagens danificadas
Equipamentos necessários
Medidor de vibração
Analisador
Sistema de vigilância permanente
Medidor especial ou analisador
Estroboscópio do analisador
de vibrações
Feita pelo fabricante
Subcontratação
(terceirização)
Endoscopia + fotos
Periodicidade da verificação
3.000 a 1.500 horas
500 horas
Segundo a necessidade
Seis meses
12 meses
Todos os meses
Programa básico de vigilância
52 O Setor Elétrico / Março de 2010
Apoio
*IGOR MATEUS DE ARAÚJO é engenheiro eletricista, atua na área de
manutenção elétrica desde 2003 e é, atualmente, gestor da Unidade
de Manutenção de Subestações e Linhas deTransmissão da Companhia
Energética do Rio Grande do Norte (Cosern).
JOÃO MARIA CÂMARA é técnico em eletrotécnica, engenheiro
eletricista, engenheiro de segurança do trabalho e especialista em
instrumentação. Foi chefe do departamento de manutenção elétrica da
IndústriaTêxtil Seridó, professor do departamento de engenharia elétrica
da Universidade Federal do Maranhão e, atualmente, é professor e chefe
do departamento de engenharia elétrica da Universidade Federal do Rio
Grande do Norte.
CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO
Confira todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br
Dúvidas, sugestões e comentários podem ser encaminhados para o
e-mail redacao@atitudeeditorial.com.br
Manutençãoelétricaindustrial
	 As vantagens da manutenção preditiva são:
• aumento da vida útil do equipamento;
• controle dos materiais (peças, componentes, partes, etc.) e me­lhor
gerenciamento;
• diminuição dos custos nos reparos;
• melhoria da produtividade da empresa;
• diminuição dos estoques de produção;
• limitação da quantidade de peças de reposição;
• melhoria da segurança;
• credibilidade do serviço oferecido;
• motivação do pessoal de manutenção;
• boa imagem do serviço após a venda, assegurando o renome do
fornecedor.
Limites técnicos da manutenção preditiva
A eficácia da manutenção preditiva está subordinada à eficácia e
à confiabilidade dos parâmetros de medida que a caracterizam.
Manutenção detectiva
	 Chamamos de manutenção detectiva quando falhas ocultas
ou não-perceptíveis ao pessoal de operação e manutenção são
detectadas por sistemas de proteção.
	 Esse sistema de detecção é observado cada vez mais por
computadores digitais em instrumentação (sistemas digitais
de controle distribuídos – SDCD). É primordial para garantir a
confiabilidade e deve ser interpretado por pessoal treinado.
	 Comparado com a manutenção preditiva, em que é necessário
o diagnóstico a partir de parâmetros, na manutenção detectiva,
o diagnóstico é definido após o processamento das informações
colhidas na planta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiizaudaMonteiro
 
Manutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresManutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresEliseu Zeu
 
Apostila de Vida Residual - Básica
Apostila de Vida Residual - BásicaApostila de Vida Residual - Básica
Apostila de Vida Residual - BásicaSampa2013
 
Sistemas de diagnóstico de vibrações
Sistemas de diagnóstico de vibraçõesSistemas de diagnóstico de vibrações
Sistemas de diagnóstico de vibraçõesRobson Rodrigues
 
Manutenção preditiva com termografia
Manutenção preditiva com termografiaManutenção preditiva com termografia
Manutenção preditiva com termografiaGustavo Fantin
 
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...✪ Paulo Montenegro Eng Seg do Trabalho
 
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztu
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztuNho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztu
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztuCarlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariajccabral
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençaoMoacy2014
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...Lidiane Fenerich
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosMarcos Arbiza
 
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09matheuscearasilva
 

Mais procurados (20)

Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
 
COTEQ176.PDF
COTEQ176.PDFCOTEQ176.PDF
COTEQ176.PDF
 
Manutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresManutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apres
 
Apostila de Vida Residual - Básica
Apostila de Vida Residual - BásicaApostila de Vida Residual - Básica
Apostila de Vida Residual - Básica
 
Sistemas de diagnóstico de vibrações
Sistemas de diagnóstico de vibraçõesSistemas de diagnóstico de vibrações
Sistemas de diagnóstico de vibrações
 
Manutenção preditiva com termografia
Manutenção preditiva com termografiaManutenção preditiva com termografia
Manutenção preditiva com termografia
 
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃOINSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
 
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...
Portaria mte n 1.2972014 exposição à vibração acima do limite legal passa a s...
 
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztu
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztuNho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztu
Nho10 avaliacao-exposicao-ocupacional-vibracoes-maos-bracos-rtdztu
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençao
 
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
201310110120 nbr 5426_nb_309_01___planos_de_amostragem_e_procedimentos_na_ins...
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
 
Nbr 5427 1985
Nbr 5427 1985Nbr 5427 1985
Nbr 5427 1985
 
Nho 09 portal (1)
Nho 09 portal (1)Nho 09 portal (1)
Nho 09 portal (1)
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
 
Treinamento nr 13 (2)
Treinamento  nr 13 (2)Treinamento  nr 13 (2)
Treinamento nr 13 (2)
 
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09
Nho 09 Normas de Higiene Ocupacional 09
 
Nho08 fundacentro-slxupp
Nho08 fundacentro-slxuppNho08 fundacentro-slxupp
Nho08 fundacentro-slxupp
 
Manual sct 140705
Manual sct 140705Manual sct 140705
Manual sct 140705
 

Destaque (18)

Location shots
Location shotsLocation shots
Location shots
 
3. deconstruction of a school magazine cover
3. deconstruction of a school magazine cover3. deconstruction of a school magazine cover
3. deconstruction of a school magazine cover
 
Involvement
InvolvementInvolvement
Involvement
 
College Belangenbehartiging
College BelangenbehartigingCollege Belangenbehartiging
College Belangenbehartiging
 
Urination for beginners
Urination for beginnersUrination for beginners
Urination for beginners
 
Lezing Aanbestedingen Tolken en Vertalers
Lezing Aanbestedingen Tolken en VertalersLezing Aanbestedingen Tolken en Vertalers
Lezing Aanbestedingen Tolken en Vertalers
 
School magazine final presentation not posted
School magazine final presentation not postedSchool magazine final presentation not posted
School magazine final presentation not posted
 
Consultatie Herziening Belastingstelsel
Consultatie Herziening BelastingstelselConsultatie Herziening Belastingstelsel
Consultatie Herziening Belastingstelsel
 
Deconstruction Of School Magazines
Deconstruction Of School MagazinesDeconstruction Of School Magazines
Deconstruction Of School Magazines
 
Evaluation
EvaluationEvaluation
Evaluation
 
Images good and bad
Images good and badImages good and bad
Images good and bad
 
Laura Mulvey
Laura MulveyLaura Mulvey
Laura Mulvey
 
Metal hammer deconstruction
Metal hammer deconstructionMetal hammer deconstruction
Metal hammer deconstruction
 
Mis Deseos
Mis DeseosMis Deseos
Mis Deseos
 
The Son's Strategy
The Son's StrategyThe Son's Strategy
The Son's Strategy
 
School magazine final presentation
School magazine final presentationSchool magazine final presentation
School magazine final presentation
 
Strategic Planning
Strategic PlanningStrategic Planning
Strategic Planning
 
What is Courtesy
What is CourtesyWhat is Courtesy
What is Courtesy
 

Semelhante a Manutenção preditiva industrial

Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptAula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptPauloSilva156065
 
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptAula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptFabianoAlves999042
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosRenan Guerra
 
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptx
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptxSLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptx
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptxIguero
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptxKEILAMAYUMI
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxArlanFN2
 
Monografia redutor d valoi
Monografia redutor d  valoiMonografia redutor d  valoi
Monografia redutor d valoiNelsonMacandza1
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosTiago Viegas
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoRodrigo Cotrim
 
Aula 25_10 - Vibracoes.pptx
Aula 25_10 - Vibracoes.pptxAula 25_10 - Vibracoes.pptx
Aula 25_10 - Vibracoes.pptxssuser820ccc1
 
Legislação hoteleira
Legislação hoteleiraLegislação hoteleira
Legislação hoteleiraDiego199115
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutençãoJosé Oscar Sousa
 
Planejamento e manutenção em bomba
Planejamento e manutenção em bombaPlanejamento e manutenção em bomba
Planejamento e manutenção em bombaEmanoelfarias
 
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...JOOPAULOTEIXEIRA15
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Marcos Abreu
 

Semelhante a Manutenção preditiva industrial (20)

Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptAula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
 
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.pptAula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
Aula 01 - Metodos de Diagnosticos de Maquinas - Parte 1.ppt
 
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
 
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptx
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptxSLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptx
SLIDE ANALISE DE VIBRAÇÃO.pptx
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Monografia redutor d valoi
Monografia redutor d  valoiMonografia redutor d  valoi
Monografia redutor d valoi
 
Prensas
PrensasPrensas
Prensas
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutenção
 
Aula 25_10 - Vibracoes.pptx
Aula 25_10 - Vibracoes.pptxAula 25_10 - Vibracoes.pptx
Aula 25_10 - Vibracoes.pptx
 
Legislação hoteleira
Legislação hoteleiraLegislação hoteleira
Legislação hoteleira
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Aula 1. gestão estratégica tpm
Aula 1. gestão estratégica   tpmAula 1. gestão estratégica   tpm
Aula 1. gestão estratégica tpm
 
Planejamento e manutenção em bomba
Planejamento e manutenção em bombaPlanejamento e manutenção em bomba
Planejamento e manutenção em bomba
 
A introducao a_manutencao
A introducao a_manutencaoA introducao a_manutencao
A introducao a_manutencao
 
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...A_Introducao_a_manutencao.ppt aula  sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
A_Introducao_a_manutencao.ppt aula sobre tipos de manutenção e como e subdiv...
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção
 

Último

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 

Último (9)

Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 

Manutenção preditiva industrial

  • 1. 46 O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio Manutençãoelétricaindustrial Manutenção preditiva Uma empresa vinha desenvolvendo de modo satisfatório um programa de manutenção, porém, o relatório final de produção indicava a possibilidade de aperfeiçoamentos no processo. Estudos posteriores revelaram que, para aperfeiçoar o processo com ganhos de produção, era preciso, entre outros procedimentos, incluir a manutenção preditiva no programa de manutenção. Após muitas reuniões entre dirigentes, gerentes, encarregados, supervisores e operários, chegaram ao consenso de que a empresa, para instalar um programa de manutenção preditiva, precisaria, antes de qualquer coisa, capacitar uma equipe em manutenção preditiva e orientar todo o pessoal por meio de treinamentos específicos. Conceito Manutenção preditiva é aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se da manutenção que prediz o tempo de vida útil dos componentes das máquinas e equipamentos, e as condições para que esse tempo de vida seja bem aproveitado. Na Europa, a manutenção preditiva é conhecida pelo nome de manutenção condicional e nos Estados Unidos recebe o nome de preditiva ou previsional. Objetivos Os objetivos da manutenção preditiva são: • Determinar, antecipadamente, a necessidade de ser­ viços de manutenção em uma peça específica de um equipamento; • Eliminar desmontagens desnecessárias para inspeção; Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Capítulo III Manutenção preditiva e detectiva •Aumentarotempodedisponibilidadedosequipamentos; • Reduzir o trabalho de emergência não planejado; • Impedir o aumento dos danos; • Aproveitar a vida útil total dos componentes e de um equipamento; • Aumentar o grau de confiança no desempenho de um equipamento ou linha de produção; • Determinar previamente as interrupções de fabri­ca­ ção para cuidar dos equipamentos que precisam de manutenção. Por meio desses objetivos, pode-se deduzir que eles estão direcionados a uma finalidade maior e importante: redução de custos de manutenção e aumento da produtividade. Execução Para ser executada, a manutenção preditiva exige a utilização de aparelhos adequados, capazes de registrar vários fenômenos, tais como: • vibrações das máquinas; • pressão; • temperatura; • desempenho; • aceleração. Com base no conhecimento e na análise dos fenômenos, torna-se possível indicar, com antecedência, eventuais defeitos ou falhas nas máquinas e nos equipamentos. Após a análise dos fenômenos, a manutenção preditiva adota dois procedimentos para atacar os problemas detectados: estabelece um diagnóstico e efetua uma análise de tendências.
  • 2. 47O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio Diagnóstico Detectada a irregularidade, o responsável terá o encargo de estabelecer – na medida do possível – um diagnóstico referente à origem e à gravidade do defeito constatado. Este diagnóstico deve ser feito antes de se programar o reparo. Análise da tendência da falha A análise consiste em prever com antecedência a avaria ou a quebra, por meio de aparelhos que exercem vigilância constante, predizendo a necessidade do reparo. Graficamente, temos: Figura 1 – Análise da tendência de falha Figura 2 – O funcionamento da manutenção preditiva O esquema a seguir resume o que foi discutido até o momento. A manutenção preditiva, geralmente, adota vários métodos de investigação para poder intervir nas máquinas e nos equipamentos. Entre os vários métodos, destacam-se os seguintes: estudo das vibrações; análise dos óleos; análise do estado das superfícies; e análises estruturais de peças.
  • 3. 48 O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio Manutençãoelétricaindustrial Estudo das vibrações Todas as máquinas em funcionamento produzem vibrações que, aos poucos, levam-nas a um processo de deterioração. Essa deterioração é caracterizada por uma modificação da distribuição de energia vibratória pelo conjunto dos elementos que constituem a máquina. Observando a evolução do nível de vibrações, é possível obter informações sobre o estado da máquina. O princípio de análise das vibrações baseia-se na ideia de que as estruturas das máquinas excitadas pelos esforços dinâmicos (ação de forças) dão sinais vibratórios, cuja frequência é igual àquela dos agentes que excita dores. Se captadores de vibrações forem colocados em pontos definidos da máquina, eles captarão as vibrações recebidas por toda a estrutura. O registro das vibrações e sua análise permitem identificar a origem dos esforços presentes em uma máquina operando. Por meio da medição e análise das vibrações de uma máquina em serviço normal de produção, detecta-se, com antecipação, a presença de falhas que devem ser corrigidas: • rolamentos deteriorados; • engrenagens defeituosas; • acoplamentos desalinhados; • rotores desbalanceados; • vínculos desajustados; • eixos deformados; • lubrificação deficiente; • folga excessiva em buchas; • falta de rigidez; • problemas aerodinâmicos; • problemas hidráulicos; • cavitação. O aparelho empregado para a análise de vibrações é conhecido como analisador de vibrações. No mercado há vários modelos de analisadores de vibrações, dos mais simples aos mais complexos; dos portáteis até aqueles que são instalados definitivamente nas máquinas com a missão de executar monitoração constante. Abaixo,umafotodoequipamentodevibraçãoutilizadoporumaequipe preditiva,comumoperadorusandoumanalisadordevibraçõesportátile,em destaque, o aparelho utilizado para analise de vibração, o CSI 2130: Figura 3 – Equipamento de vibração portátil utilizado por uma equipe de manutenção preditiva Figura 4 – Análise feita em campo Figura 5 – Medição realizada por uma equipe preditiva com um termovisor Análise de temperatura É a técnica de medições térmicas para levantamento da temperatura de operação de equipamentos, buchas, conexões e conectores, etc. As técnicas termográficas servem para identificar pontos quentes em instalações elétricas e detecção de falhas em isolamentos térmicos. A termografia é a técnica de ler e medir – à distância – a temperatura de operação de componentes responsáveis pelas conexões de equipamentos elétricos. Suas principais vantagens são a ausência da necessidade de contato com o objeto sob análise e a não interferência com a produção, já que não desligamos o equipamento sob inspeção. A termovisão é a técnica de ver as imagens térmicas a partir da captação das radiações térmicas, invisíveis na faixa do infravermelho, constantemente emitidas, absorvidas e reemitidas pelos corpos e objetos. O termograma é o resultado da aplicação da termografia, isto é, formar e reproduzir as imagens visíveis a partir da captação das radiações térmicas emitidas pelas conexões. Esta radiação varia de acordo com a temperatura e o estado da superfície emissora.
  • 4. 50 O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio Análise dos óleos Os objetivos da análise dos óleos são economizar lubrificantes e sanar os defeitos. Os modernos equipamentos permitem análises exatas e rápidas dos óleos utilizados em máquinas. É por meio das análises que o serviço de manutenção pode determinar o momento adequado para sua troca ou renovação, tanto em componentes mecânicos quanto hidráulicos. A economia é obtida regulando-se o grau de degradação ou de contaminação dos óleos. Essa regulagem permite a otimização dos intervalos das trocas. A análise dos óleos permite, também, identificar os primeiros sintomas de desgaste de um componente. A identificação é feita a partir do estudo das partículas sólidas que ficam misturadas com os óleos. Tais partículas sólidas são geradas pelo atrito dinâmico entre peças em contato. A análise dos óleos é feita por meio de técnicas laboratoriais que envolvem vidrarias, reagentes, instrumentos e equipamentos. Entre os instrumentos e os equipamentos utilizados temos viscosímetros, centrífugas, fotômetros de chama, peagômetros, espectrômetros, microscópios, etc. O laboratorista, usando técnicas adequadas, determina as propriedades dos óleos e o grau de contaminantes neles presentes. As principais propriedades dos óleos que interessam em uma análise são: • índice de viscosidade; • índice de acidez; • índice de alcalinidade; • ponto de fulgor; • ponto de congelamento. Em termos de contaminação dos óleos, interessa saber a quantidade existente de: • resíduos de carbono; • partículas metálicas; • água. Assim como no estudo das vibrações, a análise dos óleos é muito importante na manutenção preditiva. É a análise que vai dizer se o óleo de uma máquina ou equipamento precisa ou não ser substituído, e quando isso deverá ser feito. Análise do estado das superfícies A análise das superfícies das peças sujeitas aos desgastes provocados pelo atrito também é importante para controlar o grau de deterioração das máquinas e dos equipamentos. A análise superficial abrange, além do simples exame visual – com ou sem lupa – várias técnicas analíticas, tais como: • endoscopia; • holografia; • estroboscopia; • molde e impressão. Análise estrutural A análise estrutural de peças que compõem as máquinas e os equipamentos também é importante para a manutenção preditiva. É por meio da análise estrutural que se detecta, por exemplo, a existência de fissuras, trincas e bolhas nas peças das máquinas e dos equipamentos. Em uniões soldadas, a análise estrutural é de extrema importância. As técnicas utilizadas na análise estrutural são: • interferometria holográfica; • ultrassonografia; • radiografia (raios X); • gamagrafia (raios gama); • ecografia; • magnetoscopia; • correntes de Foucault; • infiltração com líquidos penetrantes. Periodicidade dos controles A coleta de dados é efetuada periodicamente por um técnico que utiliza sistemas portáteis de monitoramento. As informações recolhidas são registradas em uma ficha, possibilitando ao responsável pela manutenção preditiva tê-las em mãos para as providências cabíveis. A periodicidade dos controles é determinada de acordo com os seguintes fatores: • número de máquinas a serem controladas; • número de pontos de medição estabelecidos; • duração da utilização da instalação; • caráter “estratégico” das máquinas instaladas; • meios materiais colocados à disposição para a execução dos serviços. A tabela a seguir mostra um exemplo de um programa básico de vigilância de acordo com a experiência e o histórico de uma determinada máquina. Manutençãoelétricaindustrial Figura 6 – Análise feita com o termovisor em atividade
  • 5. 51O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio Métodos utilizados Medição de vibração Medição das falhas e rolamentos Análise estroboscópica Análise dos óleos Termografia Exame endoscópico Equipamentos vigiados Todas as máquinas giratórias de potência média ou máxima e/ou equipamentos críticos: • Motores; • Redutores; • Compressores; • Bombas; • Ventiladores. Todos os rolamentos Todos os lugares em que se quiser estudar um movimento, controlar a velocidade ou medir os planos • Redutores e circuitos hidráulicos • Motores • Equipamentos de alta tensão • Distribuição de baixa tensão • Componentes eletrônicos • Equipamentos com componentes refratários • Cilindros de compressores • Aletas • Engrenagens danificadas Equipamentos necessários Medidor de vibração Analisador Sistema de vigilância permanente Medidor especial ou analisador Estroboscópio do analisador de vibrações Feita pelo fabricante Subcontratação (terceirização) Endoscopia + fotos Periodicidade da verificação 3.000 a 1.500 horas 500 horas Segundo a necessidade Seis meses 12 meses Todos os meses Programa básico de vigilância
  • 6. 52 O Setor Elétrico / Março de 2010 Apoio *IGOR MATEUS DE ARAÚJO é engenheiro eletricista, atua na área de manutenção elétrica desde 2003 e é, atualmente, gestor da Unidade de Manutenção de Subestações e Linhas deTransmissão da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern). JOÃO MARIA CÂMARA é técnico em eletrotécnica, engenheiro eletricista, engenheiro de segurança do trabalho e especialista em instrumentação. Foi chefe do departamento de manutenção elétrica da IndústriaTêxtil Seridó, professor do departamento de engenharia elétrica da Universidade Federal do Maranhão e, atualmente, é professor e chefe do departamento de engenharia elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO Confira todos os artigos deste fascículo em www.osetoreletrico.com.br Dúvidas, sugestões e comentários podem ser encaminhados para o e-mail redacao@atitudeeditorial.com.br Manutençãoelétricaindustrial As vantagens da manutenção preditiva são: • aumento da vida útil do equipamento; • controle dos materiais (peças, componentes, partes, etc.) e me­lhor gerenciamento; • diminuição dos custos nos reparos; • melhoria da produtividade da empresa; • diminuição dos estoques de produção; • limitação da quantidade de peças de reposição; • melhoria da segurança; • credibilidade do serviço oferecido; • motivação do pessoal de manutenção; • boa imagem do serviço após a venda, assegurando o renome do fornecedor. Limites técnicos da manutenção preditiva A eficácia da manutenção preditiva está subordinada à eficácia e à confiabilidade dos parâmetros de medida que a caracterizam. Manutenção detectiva Chamamos de manutenção detectiva quando falhas ocultas ou não-perceptíveis ao pessoal de operação e manutenção são detectadas por sistemas de proteção. Esse sistema de detecção é observado cada vez mais por computadores digitais em instrumentação (sistemas digitais de controle distribuídos – SDCD). É primordial para garantir a confiabilidade e deve ser interpretado por pessoal treinado. Comparado com a manutenção preditiva, em que é necessário o diagnóstico a partir de parâmetros, na manutenção detectiva, o diagnóstico é definido após o processamento das informações colhidas na planta.