Tema 5 -_as_-_modelacao_do_fluxo_de_dados_-_dc_dfd_2009

275 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Tema 5 -_as_-_modelacao_do_fluxo_de_dados_-_dc_dfd_2009

  1. 1. 1 1 TÓPICOS – SESSÃO 9 • O Processo de Modelação de Fluxos de Dados • Conceito de Diagrama de Contexto (DC) • Definição e Componentes • Exemplos TEMA 5TEMA 5 MODELAÇÃO DOS FLUXOS DE DADOS 2 Modelação e Modelos • Os Analistas de Sistemas (AS) descrevem os requisitos do S.I, usando uma colecção de modelos • Sistemas complexos requerem mais do que um tipo de modelo • Os modelos representam alguns aspectos importantes do sistema que está sendo construido • O processo de criação de modelos do sistema, ajuda o AS a clarificar e redefinir o desenho • Os modelos apoiam na comunicação entre o AS e os utilizadores do sistema
  2. 2. 2 3 Diagrama de Contexto (DC) • Dá uma visão geral do funcionamento do sistema • É o primeiro digrama de fluxo de dados • Os fluxos de dados mostram as interfaces entre o sistema e as entidades externas. • Representa o modelo ambiental do sistema • Representa o sistema por um único processo e suas iterações com as entidades externas • É composto por: – Processo Mãe – Entidades Externas – Fluxos de Dados 4 Processo Mãe • É a caixa negra para onde os fluxos entram e de onde saem • É a parte mais fácil do diagrama de contexto e consiste de um único rectângulo. O nome do processo é normalmente o nome do sistema em estudo. • Representação: Gestão de Biblioteca Sistema de Gestão de Recursos Humanos
  3. 3. 3 5 Entidades Externas • São os Agentes Externos ao Sistema que com ele interagem, gerando estímulos e recebendo respostas. • Origens e destinos de fluxos de dados para fora do sistema (Criadores e Consumidores de Dados) • Representam Pessoas, Orgãos, Sectores ou outros Sistemas. • Representam a interface entre o sistema e o mundo externo. • Também conhecidos na literatura como Terminadores. 6 Entidades Externas • São representadas por meio de uma ELIPSE • Qualquer relacionamente entre entidades externas não será mostrado no Diagrama de Contexto. • Um dos truques para identificar uma entidade externa, é atribuir-lhe VOZ, se esta "falar" é uma Entidade Externa, caso contrário é Entidade Interna • Representação: CLIENTE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE FORNECEDOR Sistema de Contabilidade ESTUDANTE
  4. 4. 4 7 Fluxos de Dados • Representam a transferência de informações de um ponto a outro no sistema. • Cada fluxo de dados, representado por uma seta, possui um nome para identificar os dados que estão a ser transportados • O fluxo é uma seta utilizada para mostrar o movimento de fragmentos ou de pacotes de dados de um ponto para outro. Assim, o fluxo representa dados em movimento. • Representação: Relatório anual Pedido aceite 8 Sistema de Registo de Estudante SISTEMA DE ADMISÕES DEPARTAMENTO FACULDADE ADMINISTRAÇÃO DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO GABINETE DE APOIO FINANCEIRO ESTUDANTE TESOURARIA 1 2 3 4 5 6 7 8 912 13 11 10
  5. 5. 5 9 Legenda: 1. Lista de estudantes elegíveis 2. Estado do registo 3. Estado pagamento 4. Horário da turma 5. Preferências e outra informação 6. Lista de estudantes elegíveis 7. Estado do registo 8. Capacidade das salas de aulas 9. Descrição das salas de aulas 10. Relatórios e estatísticas 11. Requisitos 12. Informações dos horários 13. Listas das turmas 10
  6. 6. 6 11 12 Exercícios Práticos • Criação de Diagramas de Contexto dos sistemas de informação atribuitos aos grupos: – Sistema de Gestão de Consumíveis, – Sistema de Gestão de Transportes Semi-colectivos, – Sistema de Gestão de Parques de Estacionamento, – Sistema de Gestão de Espaços Publicitários, – Sistema de Gestão de Bibliotecas, – Sistema de Gestão de Consultas Médicas, – Sistema de Gestão de Campeonatos de Futebol, – Sistema de Gestão de Recursos Humanos, – Sistema de Gestão de Stock, – Sistema de Gestão de Video Clube, – Sistema de Gestão de Imposto Predial, – Sistema de Gestão Hoteleira.
  7. 7. 7 13 TÓPICOS – AULA 10 • Conceito de Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) • Definição e Componentes • Exemplos 14 Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) • É uma ferramenta de modelação que permite imaginar um sistema como uma rede de processos funcionais, interligados por “canais” e “tanques de armazenamento” de dados (Yourdon). • Fornece apenas uma visão do sistema – visão orientada para funções. • Técnica de análise gráfica que procura representar o fluxo de informação e as sucessivas transformações que sofrem ao longo dos diferentes processos do sistema. • Mostra todas as funções e dados envolvidos na actividade a ser automatizada.
  8. 8. 8 15 Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) • Mostra como (quem) a informação é criada, armazenada e usada. • Relacionamentos entre entidades externas não são mostrados no DFD. • É composto por: – Entidades Externas; – Fluxos de Dados; – Processos; – Depósitos/Arquivos de Dados. • As entidades externas e os fluxos externos são os mesmos criados no DC 16 Processos • É uma transformação dos fluxos de dados de entrada em fluxo de dados de saída (Yourdon) • Representam as diversas funções individuais que o sistema executa, mostrando as transformações dos dados (entradas em saídas). • É a única componente activa do DFD de um sistema • Executam os fluxos de entrada, transformando-os em fluxos de saída • O seu nome deve descrever o que ele faz e deve conter um Verbo e um Substantivo (Enviar e Armazenar não devem ser usados – Físico)
  9. 9. 9 17 Processos • Representado por um quadrado (com cantos arredondados) ou rectangulo. Dentro deste descrevemos o processo que está sendo realizado. • Representação: Atender Pagamentos P1 TESOURARIA Conceder Empréstimo P2 Gerar Estatísticas P5 ESTATÍSTICA 18 Depósito de Dados • Meio de armazenamento de dados para posterior acesso e/ou actualização por um processo. • Armazena os dados gerados nos processos • Representa os arquivos ou tabelas de uma base de dados. • Representação: • D – dados …; M – Arquivo de dados manuais; T Arquivo de dados temporais A1 CLIENTE A D4 PAGAMENTOS A
  10. 10. 10 19 DIRECTRIZES • As entidades do DC e fluxos externos devem ser mantidos e acrescidos de novos fluxos internos (caixa negra do DC). • Deve-se enumerar todos os processos identificados. • O DFD não deve ter mais do que 7 (±2) processos e arquivos. • Não deve ocupar mais do que uma página A4. • Um processo pode ser expandido se é dificil o seu entendimento. DFD de segundo a n-níveis. • Uma entidade pode se comunicar com vários processos. • Fluxo pode originar um arquivo (Processo armazena informação). • Processos devem estar interligados (acopolamento/coesão). 20 REGRAS (1) • Regras para a construção de DFDs: – Um processo não pode ter apenas saídas; – Um processo não pode ter apenas entradas; – As entradas no processo devem ser suficientes para a produção de saídas desde do processo; – Todos os arquivos de dados devem estar conectados à pelo menos um processo; – Um arquivo de dado não pode estar conectado a uma entidade externa.
  11. 11. 11 21 REGRAS (2) • Regras para a construção de DFDs: – Se um fluxo de dados é para dois processos separados, ele deve ser representado por uma seta bifurcada (forked arrow) 22 Exercícios Práticos • Criação de Diagramas de Fluxos de Dados dos sistemas de informação atribuitos aos grupos: – Sistema de Gestão de Consumíveis, – Sistema de Gestão de Transportes Semi-colectivos, – Sistema de Gestão de Parques de Estacionamento, – Sistema de Gestão de Espaços Publicitários, – Sistema de Gestão de Bibliotecas, – Sistema de Gestão de Consultas Médicas, – Sistema de Gestão de Campeonatos de Futebol, – Sistema de Gestão de Recursos Humanos, – Sistema de Gestão de Stock, – Sistema de Gestão de Video Clube, – Sistema de Gestão de Imposto Predial, – Sistema de Gestão Hoteleira.
  12. 12. 12 23 TÓPICOS – AULA 11 Exercícios Práticos 1. Apresentação de trabalhos em grupo sobre DC e DFDs 24 TÓPICOS – AULA 12 Exercícios Práticos 1. Apresentação de trabalhos em grupo sobre Dc e DFDs

×