Trabalho2014

383 visualizações

Publicada em

Organização do trabalho em Agricultura

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho2014

  1. 1. Organização ddoo ttrraabbaallhhoo eemm AAggrriiccuullttuurraa PPeeddrroo AAgguuiiaarr PPiinnttoo 3311 ddee OOuuttuubbrroo ddee 22001144
  2. 2. AAggrriiccuullttuurraa.. OO qquuee éé?? • AAggrriiccuullttuurraa ((ddeeffiinniiççããoo ppoorr oobbjjeeccttiivvoo)) – é uma actividade humana, levada a cabo com o objectivo principal de produzir alimentos e fibra (e combustível, tal como muitos outros materiais) pelo uso deliberado e controlado de plantas e animais (Spedding, 1988). • AAggrriiccuullttuurraa ((ddeeffiinniiççããoo oonnttoollóóggiiccaa)) – actividade resultante de decisões humanas sobre as culturas que se praticam e o modo como são cultivadas. Estas decisões dependem da avaliação que é feita sobre a utilidade dos produtos, os custos de produção e o risco envolvido.
  3. 3. DDeecciissããoo •OObbsseerrvvaaççããoo - Medição - Registo •AAvvaalliiaaççããoo ddee aalltteerrnnaattiivvaass – Critério •Técnico •Ambiental •Ético •Sócio-económico •EEssccoollhhaa ddaa mmeellhhoorr aalltteerrnnaattiivvaa •AAccççããoo – Operação
  4. 4. Níveis de ddeecciissããoo • OOppeerraacciioonnaaiiss » Desbaste » Sacha mecânica ou química » Maneio do solo » Fertilização » Rega » Poda » Monda de frutos » Luta contra geadas » Aplicação de pesticidas ou reguladores de crescimento » Colheita
  5. 5. NNíívveeiiss ddee ddeecciissããoo • TTááccttiiccooss » Cultura e variedade » Área a cultivar » Época e densidade de sementeira » Rendimento objectivo e níveis de factores (rega e fertilização) • EEssttrraattééggiiccooss – Infraestrutura » Sistema de rega e drenagem » Parque de Máquinas » Armazenamento » Caminhos – Rotações – Sistema de mobilização do solo – Aquisição de informação » Estação agrometeorológica » Serviços de consultoria » Equipamento informático » Sensores de solo ou da cultura
  6. 6. PPrrááttiiccaa ccuullttuurraall Acção • UUmmaa pprrááttiiccaa ccuullttuurraall ssiinngguullaarr ppooddee sseerr ccllaassssiiffiiccaaddaa aa vváárriiooss nníívveeiiss ddee ddeecciissããoo:: Um agricultor pode adoptar a decisão estratégica de aplicar um adubo azotado ao trigo todos os anos. No começo de cada campanha pode decidir (nível táctico) a quantidade total a aplicar, com base no preço do adubo e no preço esperado do trigo. Durante a campanha pode decidir o momento oportuno de aplicação (nível operacional) em função da maquinaria disponível e do estado do solo e da cultura.
  7. 7. 44 ssuubb--ssiisstteemmaass ddee AAggrriiccuullttuurraa Adaptado de Raeburn (1983)
  8. 8. 44 ssuubb--ssiisstteemmaass ddee AAggrriiccuullttuurraa • mmeerrccaaddooss aaggrrííccoollaass • mmeerrccaaddoo ffuunnddiiáárriioo • ppoollííttiiccaass ee lleeggiissllaaççããoo • iinnvveessttiiggaaççããoo ee eedduuccaaççããoo • ppllaannttaass • aanniimmaaiiss • mmeeiioo ffííssiiccoo • ttééccnniiccaa ccuullttuurraall • ooppeerraaççõõeess aaggrrííccoollaass • ttrraabbaallhhoo • mmááqquuiinnaass aaggrrííccoollaass • eenneerrggiiaa • pprreeççooss ddee pprroodduuttooss • pprreeççooss ddee ffaaccttoorreess • ppllaannoo ddee pprroodduuççããoo • rriissccoo ee iinncceerrtteezzaa Adaptado de Raeburn (1983)
  9. 9. 44 ssuubb--ssiisstteemmaass ddee AAggrriiccuullttuurraa • mmeerrccaaddooss aaggrrííccoollaass • mmeerrccaaddoo ffuunnddiiáárriioo • ppoollííttiiccaass ee lleeggiissllaaççããoo • iinnvveessttiiggaaççããoo ee eedduuccaaççããoo • ppllaannttaass • aanniimmaaiiss • mmeeiioo ffííssiiccoo • ttééccnniiccaa ccuullttuurraall • ooppeerraaççõõeess aaggrrííccoollaass • ttrraabbaallhhoo • mmááqquuiinnaass aaggrrííccoollaass • eenneerrggiiaa • pprreeççooss ddee pprroodduuttooss • pprreeççooss ddee ffaaccttoorreess • ppllaannoo ddee pprroodduuççããoo • rriissccoo ee iinncceerrtteezzaa SSuubb--ssiisstteemmaa bbiioollóóggiiccoo SSuubb--ssiisstteemmaa eemmpprreessaa SSuubb--ssiisstteemmaa ssóócciioo-- eeccoonnóómmiiccoo Adaptado de Raeburn (1983) SSuubb--ssiisstteemmaa ttrraabbaallhhoo
  10. 10. DDeecciissõõeess ooppeerraaccoonnaaiiss • OO pprroocceessssoo ddee pprroodduuççããoo aaggrrííccoollaa é uma sucessão de decisões sobre o modo de funcionamento dos diferentes órgãos ou constituintes da exploração. São as decisões operacionais têm características eminentemente dinâmicas. Para que a sequência de decisões tenha lógica, é necessário que as operações sejam planeadas, isto é, que os objectivos sejam sequencialmente ordenados no tempo e que os meios necessários sejam previstos e estejam disponíveis para serem utilizados quando a operação se realize (Azevedo et al., 1972).
  11. 11. Sequência de operações • O funcionamento da eemmpprreessaa aaggrrííccoollaa,, oo pprroocceessssoo ddee pprroodduuççããoo aaggrrííccoollaa,, rreeúúnnee ffaaccttoorreess ((tteerrrraa,, ppllaannttaass ee aanniimmaaiiss,, ttrraabbaallhhoo,, ccaappiittaall ee ffaaccttoorreess eexxtteerrnnooss ddee pprroodduuççããoo)) ppaarraa oobbtteerr aass pprroodduuççõõeess qquuee ssããoo oo sseeuu oobbjjeeccttiivvoo.. – A combinação ordenada e sequencial destes factores constitui uma sequência de operações que se torna necessária para conseguir atingir os objectivos de determinada actividade produtiva. • IIttiinneerráárriioo ttééccnniiccoo
  12. 12. TTééccnniiccaa ddee pprroodduuççããoo • AA ttééccnniiccaa ddee pprroodduuççããoo rreessuullttaa ddaa ssoolluuççããoo eennccoonnttrraaddaa ppeelloo eennggeennhhoo ddoo hhoommeemm ppaarraa ssoolluucciioonnaarr oo pprroobblleemmaa ddaa oobbtteennççããoo ddee uumm pprroodduuttoo aaggrrííccoollaa,, aattrraavvééss ddaa ccoommbbiinnaaççããoo ddee ffaaccttoorreess ee ddaa sseeqquuêênncciiaa ddee ooppeerraaççõõeess mmaaiiss aaddeeqquuaaddaass..
  13. 13. Itinerário técnico (trigo) OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET Lavoura Sementeira Herbicida anti-dicotiledóneas CCoollhheeiittaa!! Maturação Adubação de fundo Adubação de cobertura Encanamento Espigamento Calendário de operações Acção
  14. 14. TTrraabbaallhhoo ttrraabbaallhhoo –– ddoo llaatt.. ttrriippaalliiuumm ((iinnssttrruummeennttoo ddee ttoorrttuurraa)) llaabboorr –– rreeaalliizzaarr,, ffaazzeerr
  15. 15. O factor ttrraabbaallhhoo • AAss ooppeerraaççõõeess aaggrrííccoollaass iinncclluueemm sseemmpprree ttrraabbaallhhoo hhuummaannoo nnaa mmoovviimmeennttaaççããoo ddee mmaatteerriiaaiiss,, ppllaannttaass ee aanniimmaaiiss.. Incluem também o equipamento utilizado (tractores, máquinas agrícolas, ferramentas, construções, vedações, canais de irrigação, etc.) nelas utilizado ou que as condiciona. • AA iimmppoorrttâânncciiaa ddoo ttrraabbaallhhoo hhuummaannoo,, ppoorrqquuee aaffeeccttaa aa qquuaalliiddaaddee ddee vviiddaa ddooss qquuee oo pprraattiiccaamm,, tteemm ssiiddoo oo ffaaccttoorr ddeetteerrmmiinnaannttee nnaa eevvoolluuççããoo vveerriiffiiccaaddaa nnaa eexxeeccuuççããoo ddaass ooppeerraaççõõeess aaggrrííccoollaass.. O trabalho humano necessário à execução de uma tarefa em particular, depende do equipamento disponível e do modo como é utilizado.
  16. 16. Limites ddoo ttrraabbaallhhoo hhuummaannoo • OO mmúússccuulloo hhuummaannoo éé lliimmiittaaddoo nnoo ttrraabbaallhhoo qquuee ppooddee eexxeeccuuttaarr,, iissttoo éé,, nnoo pprroodduuttoo ddaa ffoorrççaa qquuee ppooddee eexxeerrcceerr ppeellaa ddiissttâânncciiaa qquuee ppooddee mmoovviimmeennttaarr oo oobbjjeeccttoo eemm qquuee aa ffoorrççaa ssee eexxeerrccee.. • ÉÉ ttaammbbéémm lliimmiittaaddoo nnaa ppoottêênncciiaa ddeesseennvvoollvviiddaa,, ii.. ee..,, nnaa ttaaxxaa oouu vveelloocciiddaaddee ddee eexxeeccuuççããoo ddoo ttrraabbaallhhoo ((dduurraannttee qquuaannttoo tteemmppoo éé qquuee oo mmúússccuulloo hhuummaannoo ccoonnsseegguuee eexxeerrcceerr uummaa ffoorrççaa ssoobbrree uumm oobbjjeeccttoo,, mmoovveennddoo--oo aaoo lloonnggoo ddee uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo ppeerrccuurrssoo))
  17. 17. Desempenho em trabalho • Um jardineiro em bbooaass ccoonnddiiççõõeess ffííssiiccaass,, – sob tempo frio, nas regiões temperadas pode suster um trabalho de cava de um solo facilmente mobilizável, durante 8 horas por dia e 6 dias por semana, a um ritmo de 0,002 ha por hora, isto é, demorando 500 horas, 500/8=62,5 dias, a cavar um hectare. • UUmmaa cchhaarrrruuaa ddee aaiivveeccaass ddee ddooiiss ffeerrrrooss,, – montada num tractor de 45 HP poderia executar o mesmo trabalho a um ritmo de 0.2 ha.h-1, isto é, completando o trabalho em pouco mais de 5 horas.
  18. 18. Desempenho em trabalho • A potência necessária para puxar aa cchhaarrrruuaa eessttáá mmuuiittoo ppaarraa aalléémm ddaa ccaappaacciiddaaddee hhuummaannaa.. – Um homem e uma junta de bois com um arado pode executar o mesmo trabalho, fazendo 0,02 ha.h-1, durante 6 horas por dia. • OO pprroobblleemmaa eessttáá nnaa ccaappaacciiddaaddee ddee ddeesseemmppeennhhaarr ttrraabbaallhhoo,, nnoo rriittmmoo ddee eexxeeccuuççããoo ((ppoottêênncciiaa)) ee nnoo eeqquuiippaammeennttoo ((uumm hhoommeemm nnããoo ccoonnsseegguuee ppuuxxaarr uummaa cchhaarrrruuaa,, uummaa jjuunnttaa ddee bbooiiss nnããoo ppooddee uussaarr eeqquuiippaammeennttoo qquuee nnããoo sseejjaa rreebbooccaaddoo))..
  19. 19. Penosidade do trabalho agrícola Paredes deCoura, Mozelos. “Vezeiras Oliveira, E.V et al., 1983
  20. 20. Produtividade do trabalho I Produtividade 38,00 2,50 0,17 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 Tractor e charrua de 2 ferros Parelha e charrua Homem com enxada Homem com enxada Parelha e charrua Tractor e charrua de 2 ferros Produtividade 38,00 2,50 0,17 Tempo (dias)
  21. 21. Evolução do Indice da Produtividade do Trabalho por hora nos EUA (1967=100) ANO Índice 1938 20 1944 25 1949 33 1954 43 1959 62 1964 83 1969 112 1974 132 1979 198 1984 212 1989 259 Evolução do índice de produtividade do trabalho por hora, para anos seleccionados entre 1938 e 1989. O índice tem o valor 100 para a produtividade do trabalho verificada em 1967. Adaptado de Lins, D. A. (1994)
  22. 22. Oportunidade ee qquuaalliiddaaddee ddoo ttrraabbaallhhoo • A oportunidade e a qualidade do trabalho efectuado podem afectar decisivamente os objectivos pretendidos com a sua execução. • Qualidade de um tipo de trabalho pode afectar a qualidade dos trabalhos que se lhe seguem. • Estes efeitos estão dependentes da observação humana dirigida por uma atitude deliberada de atenção e controlo. Assim, o equipamento sofisticado ou uma boa sequência operacional não substituem o controlo pessoal e em tempo real. (o caudal de água de rega na folha de cultura, o débito do bico do pulverizador, a higiene e o horário da mungição de vacas leiteiras, etc.).
  23. 23. RRaappiiddeezz ddee eexxeeccuuççããoo ddoo ttrraabbaallhhoo Assume particular importância em operações que se realizam em condições óptimas durante um período de tempo reduzido (sazão, colheita de determinados produtos, etc.) MMeellhhoorriiaa ddaa qquuaalliiddaaddee ddoo ttrraabbaallhhoo Colheita de feno Regularidade nos semeadores de linhas e distribuidores de adubo. Pulverizadores de alta pressão.
  24. 24. AAssppeeccttooss eeccoonnóómmiiccooss Redução de perdas inerentes a operações como a colheita. Melhoria do trabalho executado como resultado duma execução mais rápida (oportunidade). Economia do emprego da máquina (na generalidade dos casos) AAssppeeccttooss ssoocciiaaiiss O aumento de produtividade do trabalho possibilita a melhoria de salários A exigência de melhores qualificações técnicas introduz a necessidade de formação profissional, melhorando as capacidades funcionais dos operadores Libertação de tempo para outras actividades
  25. 25. Trabalho à volta, cantos rectos
  26. 26. Trabalho em faixas contíguas paralelas e em sentidos alternos
  27. 27. Trabalho à volta, faixas de viragem nas diagonais
  28. 28. Trabalho em faixas paralelas, de fora para dentro, com cabeceiras
  29. 29. Trabalho em faixas paralelas, de dentro para fora, com cabeceiras
  30. 30. Trabalho à volta, de dentro para fora,com viragens de 270°
  31. 31. Trabalho em faixas paralelas , não contíguas e alternas
  32. 32. Trabalho em faixas paralelas, não contíguas, alternas com sobreposição
  33. 33. Trabalho à volta, cantos arredondados
  34. 34. TTeemmppooss ddee ttrraabbaallhhoo – Uma ceifeira-debulhadora de 5 m de barra de corte desloca-se a uma velocidade de 5,4 km/h. Num minuto são colhidos 50 kg de grão para o tegão e 60 kg de material são descarregados na traseira da máquina.
  35. 35. CCaappaacciiddaaddee ddee ccaammppoo • Capacidade de campo (teórica) (5400m.h-1).5m.(104m2)-1.ha = 27000m2.h-1. (104m2)-1.ha = 2,7 *104 m2.h-1 . (104m2)-1.ha = 2,7 ha.h-1 • Capacidade efectiva de campo • Eficiência de campo = Capacidade efectiva/Capacidade teórica
  36. 36. Eficiências de campo e velocidades de trabalho típicas para algumas operações. Adaptado de Hunt (1983) Operação Equipamento Eficiência de campo (%) Velocidade de operação (km/h) Mobilização do solo (trabalhos preparatórios) Charrua de aivecas 88-74 5-9 Grade de discos 90-77 6-10 Escarificador pesado 83-65 6-12 Chisel 90-75 6-9 Sacha mecânica Escarificador 90-68 3-9 Fresa 88-80 9-20 Sementeira Semeador-fertilizador de linhas 78-55 7-10 Semeador-fertilizador de pequenos grãos 80-65 5-10 Distribuidor centrífugo 70-65 7-10 Plantador de batatas 80-55 9-12 Colheita Colhedor-condicionador de forragens 95-80 5-9 Virador-juntador de feno 89-62 6-9 Enfardadeira de fardos prismáticos 80-65 5-10 Enfardadeira de fardos cilíndricos 50-40 5-19 Colhedor de forragens com gadanheira rotativa 76-50 6-10 Ceifeira-debulhadora 90-63 3-8 Colhedor de milho 70-55 3-6 Colhedor de batatas 90-65 3-5 Pulverização Pulverizador 80-55 7-10 Destroçamento Destroçador de restolho 85-65 6-10
  37. 37. Classificação dos Tempos de Trabalho segundo a Definição e decomposição do tempo de trabalho (OCDE (1957), descrita por Lourenço e Alves (1968)). OCDE (1957). 1 -Tempo Principal ou Efectivo (T.E.) 2 -Tempo Subsidiário ou Acessório (T.A.) 2.1 - Tempo Acessório de Viragem (T.A.V.) 2.2 - Tempo Acessório de Abastecimento (T.A.S.) 2.3 - Tempo Acessório de Manutenção (T.A.C.) 2.4 - Tempo Acessório de Repouso (T.A.R.) 3 -Tempo de Preparação (T.P.) 3.1 - Tempo de Preparação no Assento de Lavoura (T.P.H.) 3.2 - Tempo de Preparação no Local de Trabalho (T.P.L.) 4 -Tempo de Deslocação (T.I.) 5 -Tempo Morto (T.M.) 5.1 - Tempo Morto Inevitável (T.M.I.) 5.1.1 - Tempo morto devido a avarias (T.M.F.) 5.1.2 - Tempo morto devido a descanso ou necessidades fisiológicas do operador (T.M.A.) 5.1.3 - Tempo morto devido ao material (T.M.M.) 5.2 - Tempo Morto Evitável (T.M.E.) 5.2.1 - Tempos morto devido a ócio (T.M.T.) 5.2.2 - Tempo morto devido a erros (T.M.D.)
  38. 38. Evolução do tempo de tarefa (horas/ha) com a superfície da folha trabalhada (Coelho, 1993). O .1 0.2 O .4 0.8 1.6 3.2 6.4 12.8 25.6 51.2 102.4 14 12 10 8 6 4 Tempo de tarefa (horas/ha) Superfície da parcela (ha)
  39. 39. Evolução do tempo de tarefa com a variação da distância 0 10 20 30 40 50 60 60 50 40 30 20 10 0 Distância ao assento de lavoura (km) Tempo de Tarefa (horas/ha) 0.1 ha 1.3 ha ao assento de lavoura (Coelho, 1993) )
  40. 40. Evolução do tempo de tarefa para três parcelas rectangulares com a área de 2000 m2 e diferentes 100m 1000 m 5714.3 m 20m 2m 0.35m 8.06 horas/ha 6.34 horas/ha 6.13 horas/ha comprimentos (Coelho, 1993). 2
  41. 41. Coeficientes de agravamento dos tempos de viragem FO RMA segundo a forma da parcela (Coelho, 1993). CO EFICIEN TE 1.00 1.41 1.55 1.55 1.66 1.41 1.66
  42. 42. Precipitaç ão anterior Coberto vegetal Evapotranspiraç ão Características do solo: - textura - estrutura - espessura - nível do lenç ol freático Tipo de maquinaria e operaç ão Precipitaç ão diária 1 Teor de humidade do solo 2 Possibilidade e capacidade de trabalho 3 Dia Disponível 4 DDiiaass ddiissppoonníívveeiiss
  43. 43. Sensibilidade das operaç ões à precipitação diária fraca média elevada Lavoura Gradagem Colheita Subsolagem Fresagem Corte de forragens Arranque de sachadas Rolagem Enfardaç ão Transportes vários Sachas Monda química Poda e Empa Sementeiras Adubaç ão de cobertura
  44. 44. R (mm/dia) TRABALHOS KREHER (1955) CNEEMA (1955) REBOUL et al. (1979) REGATO e MENDES (1979) Lavoura 10 10 5 10 Gradagem 3 - 4 4 1 3 Escarificaç ão 3 - 4 4 1 - Rolagem 3 - 4 4 1 1 Sacha - - 3 3 Sementeira 3 - 4 4 1 1 Adubaç ão de fundo 3 - 4 4 - - Colheita de cereais 1 - 2 5 0 - Corte de forragens - 1 - 1 Fenaç ão 0,5 - 0 - Arranque de sachadas 10 1 - -
  45. 45. Produç ão Elevada sensibilidade Tempo Fraca sensibilidade Trabalho com
  46. 46. 7500 7000 6500 6000 5500 5000 4500 4000 3500 y = - 49827.663 + 842.538x - 3.164x 2 n = 40; r2= 0.581; F = 25,634 significativo ao nível de probabilidade de 0.0001 115 120 125 130 135 140 145 150 155 160 165 Data de sementeira (dia juliano)
  47. 47. Trabalhos agrícolas Diferíveis Não Diferíveis Em campo Sob coberto aberto Não associado a fases fenológicas Associado a fases fenológicas

×