MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
PRO REITORIA DE EXTENSAO CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS
.  ' FACU...
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE_ FEDERAL DE UBERLÂNDIA
PRO RElTORlA DE EXTENSAO CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTI
,  ' FACU...
.ESTUDO DE CASO

Situação número 2

l historicamente pela humanidade. 

- Resgatar a cultura dos alunos,  num constante pr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estudo de caso 3

128 visualizações

Publicada em

Caderno 3

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
128
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudo de caso 3

  1. 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRO REITORIA DE EXTENSAO CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS . ' FACULDADE DE EDUCAÇAO-NEIAPE REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES REDE/ UFU ' PACTO DO ENSINO MEDIO PR ESTUDO DE CASO Situação 3 A presença das drogas no espaço das escolas é uma realidade crescente. "Infelizmente droga dentro da escola é o que mais tem. O pessoal usa geralmente no banheiro, em sala vazia, onde der para usar, usam", relatou um adolescente, 16 anos, estudante de uma escola estadual. "Tem gente fumando cigana-bebendo no banheiro", conta outra estudante, 15. "É fácil entrar com droga, pois ninguém olha mochila, nada, até arma entra no colégio, já é rotina", 15. Um funcionário da. própria instituição confirma: "Tem sim, muita coisa entrando, mas não podemos revistar. O que achamos geralmente são vestígios. Quando pegamos algum aluno, levamos para a direção. Mas fora da escola, a situação já fugiu ao controle. Às vezes, ficam na calçada ou vão para a pracinha próxima. Só sentimos o cheiro. À tarde ainda é pior, pois são os estudantes mais velhos. Mas não tem distinção, é menino, menina usando", relata um auxiliar de serviços gerais, (Tribuna de Minas - 19/11/2013). --__. .___. _---___. ..__. ... .-. _.. .__. ._-. ..-_. -.__. .__. _.. .___-_. .-. _.. ._. .._. ... _.. .______. .--. .._. .._. .-. ..__. ._. ; _. ... -.. ..__. _.___. ... __. .._. ... _.. ... .__. _.. ... ... ... .._. .._. -.. __. ..-. ... ... ... __. ... -.. .__. ..___. ... --_---. ..--. .____. ___. _-. .___. ..-. ..__- _. ._. ... _.. ._. ... _.. ... ..---_. ... ... .._. ... ... ... -_. ._. ... ... _.. __-. __. .-_. ... __. ... _.. _--. __. -.. __. .__-. ___. ..-_--_. .__-___. _____ --_. ___. --. ._. ..__. .___. .._. _-_. ___. ... ... ._. .-. .-. ... ..-. .._----. ._. ..__. .-. .-. .._. ... __--. ._. __. .__. ._. .__. _.. _.. ... ... .-_. ... .___ -. _._. .--. __. ... __-. .._. ... -_. _._____. ... _.. _-. ___. ... _.. ... _._. -._. ... ... .._. ... ... __. ... ... _.--_. _.. ..-__. --__. ._-. ..__. .. .. __--- -. ... ._. ... -.. .__. ... _.. ... ..--. _.. ... __. ... _.. -.. _.. ._. _-. _._. ._. ... __. ... ... ._. ..-. ... ... .__-. ._. _.. .._. ... .__. _. . ... -. ... ... .--__. ... .- ---. .._. ... ._. ... __. ._. ..__. _.. ..____. ... _.. .._. -.. ._. _____. ... .__. ___. ._. .._. .__--. _.. ..__. .__. _ ______ _. ..___. __. ... __-_. - _. ..--_. .__. .-_. ... ._-. __. ._. ._. --. ..___. ... ... .__. .___. ..__--. ._-. ____. ..__--__-. .__. .._. ---__. ___-___. ... _._. ..--__. ..__. .._. ..- __. ... .__. .___. __. .__. ... .__. .._. ... _.. ..___. ... .-. ..__. .._-_. .._. ._. __. ..-__. _.. ... ._. ... _.. ... .___. .__--_. .._. .-___. ____. _. .___. ..--. .-. ._. ..-__. ... ... .-. ... ... ._. ... __. ... _.. ..__. _._. .__. ... .__. .-. ... ... __. ..__. ._---__. ._____-_. _.. -_. .__. ._-. .-_- -. ... ._. ... ._. ..-. _.. ... ... ... _-. ..___. _.. ... -__. .._. __. .._. ..__. ..__-. ._. ... ___. ... ._. ..__. .._. ... ___--. __-. ... .._ . .__. ... ... __. _.. _.. ... ___. ..__. ._. ..__. ..__. ._. .._. .__. ... ... ... __. .__. _.. _.. ... _.. ... .__. -.. --. ... . . ... . -. .____. ..___. _.. ___. ..__ . ... _.. ... .--_. .__. __. .__. .___. ... ___. _.. _.. _.__. _.. ..___. ._. ... _.. ... _.. _._. ..__. ... .____. .-. ..__. --____. ... __. ... __. __. --. _.. .:. .___. . ._. ... ... ._--___--. ... ._. _.. ___--__. ... ._. ... .__. .___. ... ..___. .._. .__. ... ... .__. ... .._. ._-_. _.. ... ._. -__-. ... __-. _.. .__-. ._ . ... . . .___. .-. ._. .-
  2. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE_ FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRO RElTORlA DE EXTENSAO CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTI , ' FACULDADE DE EDUCAÇÃO-NEIAPE REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES REDE/ UFU ' PACTO DO ENSlNO MEDIO ESTUDO DE CASO Situação 3 A presença das drogas no espaço das escolas é uma realidade crescente. "Infelizmente droga dentro da escola é o que mais tem. O pessoal usa geralmente no banheiro, em sala vazia, onde der para usar, usam", relatou um adolescente, 16 anos, estudante de uma escola estadual. "Tem gente fumando cigarro, vbebendo no banheiro", conta outra estudante, 15. "É fácil entrar com droga, pois ninguém olha mochila, nada, até arma entra no colégio, já é rotina", 15. Um funcionário da própria instituição confirma: "Tem sim, muita coisa entrando, mas não podemos revistar. O que achamos geralmente são vestígios. Quando pegamos algum aluno, levamos para a direção. Mas fora da escola, a situação já fugiu ao controle. Às vezes, ficam na calçada ou vão para a pracinha próxima. Só sentimos o cheiro. À tarde ainda é pior, pois são os estudantes mais velhos. Mas não tem distinção, é menino, menina usando", relata um auxiliar de serviços gerais, (Tribuna de Minas - 19/11/2013). Diante dos relatos vivenciados na escola, que estratégias você apontaria para que os jovens não se envolvam com as drogas dentro e fora da escola? _-. ____. ... .-. ._. _.. .__. ... ... ..__. --___-. ._. ... .-_. .-. _ _____ __. ._. -.. ._. ... ... _._. .--. .-___. ..___. -__. ___________ _. .._. _-_. _--_-. ___. ___- _--_. __. ._ . ... .. __. .--_. ... ._. ._. ... _-. ... _.. _.. _._. ..__. ._. _--. __-_. ._. . . ... . __. _-__. -__-. .__-_. _.. . . ... . __. ._. ... ._. .. ... . _. ... _.. _.. ._-__. ... __. . _ _-____. ..___ ______ -__. ... ..__. ._. ... .__. ... .._--. ... .-. __. ... ..__. --_. --_. -__. ... .__-. ._. .__-. ..-_--__. ____. .. ... ... . __. ..__-. .__. ._ _____ _. ._. .__ b -. .__. ... ... .____ . ... .. ... ... ..__. _.. .__. .-_. _.. ..__. ... -_. ..-___. ..__. .---_. .__-. .._--_. .-. _.. ._. ... __. ... _.. ... .._. .._. ..___. . . ... . -_. _.. . _______ -. __ --__-_--. ... ___. ._. __. .____. ... ..-. .._. __. _._. ._. _.. .___. ... ..___. -.___-. ._. ..-. _.. ... ._-. ._-_-_. ._. --__. ... __. ... ... ..__-. _-_ ____ . ._. __________ -_. -
  3. 3. .ESTUDO DE CASO Situação número 2 l historicamente pela humanidade. - Resgatar a cultura dos alunos, num constante processo de reflexão e reelaboração de saberes. - Possibilitar a crianças e adolescentes tornarem-se sujeitos de sua história, contribuindo na construção de projetos de vida. Que estratégias você apontaria para contribuir com a ação dos( professores e alunos:

×