SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola: ____________________________________________
Disciplina: __________________________________________
Data: ______________________________________________
Aluno: _____________________________________________
POJUCA: UMA CIDADE QUE NASCE DO RIO*
A fase do açúcar
Ao longo dos tempos as pessoas construíram grandes aglomerados urbanos próximos
aos rios. Foi assim com o Cairo, capital do Egito que nasceu às margens do grande Rio
Nilo e Paris, capital da França, que tem seu coração atravessado pelo Rio Sena. Isto sem
falar em Londres, banhada pelo majestoso Rio Tâmisa e a nossa querida São Paulo,
banhada pelos rios Tietê e Pinheiros. Assim também Pojuca, nossa encantadora e
aconchegante cidade nasceu na margem norte do rio que lhe dá nome: o Rio Pojuca.
Esse rio é um curso d'água cuja nascente está localizada na Serra de Mombaça, em
Santa Bárbara- Ba e, em seu percurso, banha os municípios de Feira de Santana,
Coração de Maria, Terra Nova, Pojuca e Mata de São João, desaguando no Oceano
Atlântico, mais precisamente, na Praia do Forte. Os índios tupinambás que habitavam
essa região desde muito antes da chegada dos portugueses, chamavam esse rio em sua
língua nativa de “yapoyuca”. Segundo o livro Pojuca: O Arraial da Passagem, citando o
grande geógrafo baiano Teodoro Sampaio, esse termo:
é formado pela junção de duas outras palavras do tupi: Yapó, que significa
água transbordante, cheia ou alagadiço e Yuca que significa brejo,
pântano ou lugar apodrecido. Portanto, juntando yapo+yuca, vamos ter
uma palavra cuja fonética é muito semelhante à “pojuca”. (…)
Para Sampaio, o povo tupinambá que viveu nessa região desde muito
antes da chegada dos portugueses teria batizado o caudaloso curso
d’água em sua língua e, depois, com as derivações, supressões e
corrupções que a palavra sofreu ao longo do tempo, chegou-se a
expressão atual, “pojuca” que quer dizer: o lugar alagado, o lugar
pantanoso, lugar apodrecido. É importante ressaltar que os indígenas ao
usar aquela expressão, “yapoyuca”, estavam se referindo ao rio, não à
cidade ou ao lugarejo. Muito antes de surgir o povoamento, o rio já existia
e o termo yapoyuca = Pojuca, portanto, refere-se às águas do rio e às
terras alagadas por onde este rio passava. (BATISTA, 2018, p.p. 14-15)
Mas o povoamento que surgiu junto ao Pojuca,
inicialmente, não tinha o nome do rio. Na formação do
arraial, o lugarejo era conhecido como Passagem,
numa referência a passagem que os tropeiros faziam
ao atravessar o rio com suas mulas carregadas de
* Texto elaborado pelo professor João Batista para o trabalho didático com seus alunos em sala de aula. Essa apostila
pode ser utilizada livremente por qualquer professor para trabalhar com seus alunos sem prévia autorização.
mercadorias. Segundo contam os antigos, a cidade nasceu a partir de uma pequena feira
que se formou no lugar da travessia dos tropeiros e, com o passar do tempo, foi atraindo
mais pessoas e, no fim do século XVII, foi erguida uma capelinha pelos moradores em
homenagem ao Bom Jesus que depois se tornaria o padroeiro da cidade. O memorialista
pojucano José Lemos de Sant’Ana, nascido em 1921 escreveu o seguinte relato sobre a
formação da Vila da Passagem, disse ele:
Daí nasceu um vilarejo que se chamou de Passagem e para identificá-lo
perfeitamente e distingui-lo de outros locais com nome idêntico –
Passagem do Rio Pojuca. Estabelecido aí na baixada, na beira do rio, o
arraial, pelos favores dos proprietários de terras que não permitiam ocupar
os altiplanos próximos, logo floresceu um pequeno comércio. Depois a
igrejinha pequenina – oh! Quantas vezes ampliada pela fé e pelo trabalho
do povo! – cujo padroeiro escolhido foi o Senhor Bom Jesus. Ora, o Bom
Jesus é padroeiro de centenas de paróquias e lugarejos por este Brasil
afora: Bom Jesus do Bonfim, da Lapa, dos Aflitos, etc. O nosso seria Bom
Jesus da Passagem, que este era o nome do Arraial: Passagem do Rio
Pojuca. Espero que ainda hoje conserve, ao menos no largo que vai a
ponte da Passagem, o seu antigo nome identificador e histórico, de largo
da Passagem. (SANT’ANA, sd. p.p. 340-342)
Esses tropeiros que deram origem ao povoado da Passagem, vinham da região da Praia
do Forte, onde ficava um ancoradouro chamado de Porto de Tatuapara e subiam pela
margem norte do Rio Pojuca até chegarem no ponto de travessia e, aqui, abasteciam a
população local que viva ao redor dos grandes engenhos de açúcar: o Engenho Pojuca e
o Engenho dos Remédios. Estes, de propriedade dos produtores de cana que tinham
migrado da região de São Francisco do Conde nos séculos XVII e XVIII.
Entre os séculos XVIII e XIX a economia de
Pojuca girava em torno dos engenhos e seu
território era coberto de cana-de-açúcar. Em
1757, o Padre Felipe Barbosa da Cunha
descreveu o território onde hoje é Pojuca como
um lugar onde viviam muitos escravos e
“muitos homens forros, havendo também neles
muitos lavradores de cana, que as plantam
para moer nos ditos engenhos dando-lhe a
meação como é estilo, vivendo estes em
fazendas distintas que fazem corpo com os
mesmos engenhos.” (CUNHA, 1757). E, no
final do século XIX, quando por aqui passou o
escritor e jornalista Euclides da Cunha,
escreveu: “A vizinhança de Pojuca é revelada
por canaviais extensos que se estendem sobre
os planos dos tabuleiros - miríades de folhas
refletindo ao sol, com o brilho de aço antigo,
ondulantes, vacilando em todos os sentidos ao
Ruínas do Engenho Pojuca
Foto: João Batista, 2017
sopro da viração, um ciciar imenso e indefinido”. (E. DA CUNHA, 1897). Esta cidade que
nasceu na margem do rio, teve seu desenvolvimento calcado na monocultura da cana,
tocada pela força da mão de obra escrava. A mancha de suor e sangue dos negros
escravizados irrigam o chão de Pojuca. As marcas desta ancestralidade estão nas
feições, na cultura, na arte, na culinária e no modo de ser do pojucano.
Os negros escravizados que trabalhavam nos engenhos da região formavam um
contingente significativo de pessoas. Em sua obra, o historiador Marcelo Oliveira
(OLIVEIRA, 2015) cita o nome de um negro escravizado que vivia no distrito de Pojuca.
Trata-se de Antônio da Costa, um africano a quem sua senhora, matriarca dos Leal
Cardoso, deixa em seu testamento a ordem para que paguem a ele cento e dez contos de
réis, referente a uma dívida que ela contraíra junto ao escravo. Certamente por serviços
prestados por este. Assim como Antônio da Costa, centenas de outros africanos e seus
descendentes viveram e contribuíram para a formação de Pojuca e aqui deixaram a
marca de sua cultura, de sua arte e de sua genética. Manoel Joaquim foi outro
escravizado que pertencia aos Freire de Carvalho e trabalhava em suas propriedades,
especialmente no Engenho Central.
A fase do açúcar, vai chegar ao seu auge no século XIX, especialmente a partir da
chegada da estrada de ferro em 1860. Nesse período, são erguidas as duas estações no
povoado, a estação do centro do vilarejo e a estação de Central, que ficava justamente na
frente da grande usina de açúcar pertencente a José Freire de Carvalho, o Barão de
Pojuca e José Antônio de Saraiva, o Conselheiro Saraiva. Em 1862 é inaugurada a
estação da sede e, a partir de então o povoado de Pojuca se liga a capital e a indústria
açucareira passa a ter uma importante via de escoamento da produção. Em 1º de março
de 1861, o presidente da Província da Bahia, Antônio da Costa Pinto externa, em
pronunciamento, as suas expectativas para o progresso que o trem promoveria na região:
[...] logo que chegarem os trilhos a Mata de São João, Pojuca, Santana do
Catu e Alagoinhas, deve o rendimento crescer muito, em razão da
quantidade de engenhos que há por lá, os quais pagam subidos fretes
pelos produtos que mandam a este mercado.1
Contudo, no final do século XIX, vamos ter um declínio na economia açucareira em
Pojuca, e alguns fatores contribuíram para isso:
 O movimento abolicionista que culminaria com a promulgação da Lei Áurea (1888);
 A queda do preço do açúcar no mercado externo;
 As mudanças políticas ocorridas depois da Proclamação da República (1889);
 O declínio da força política dos grandes líderes do açúcar (o Conselheiro Saraiva e
o Barão de Pojuca).
Sobre este aspecto, o livro Pojuca: o Arraial da Passagem, diz o seguinte:
1 Fala proferida na abertura da Assembleia Legislativa da Bahia pelo presidente da Província Antônio da
Costa Pinto em 1º de março de 1861. Disponível em: http://www.crl.edu/content.asp, acesso em 16/11/2017.
Em 1890, um ano após a instauração do novo regime, Saraiva se demite
do cargo de Senador e volta para seu engenho em Pojuca, conforme
noticiou um jornal da época2
. A partir de então, ele se retira da vida pública
até sua morte em 22 de julho de 1895. Já o José Antônio Freire de
Carvalho, o Barão de Pojuca, que fora chefe da Guarda Imperial, homem
influente na Corte de D Pedro II, com o fim do Império, voltou-se para os
seus negócios em Pojuca, onde morreu no ano de 1909. (BATISTA, 2018,
p. 27)
Assim, no início do século XX, vamos ter uma mudança importante no distrito de Pojuca:
sai de cena os líderes açucareiros e escravocratas e começam a ganhar força os
produtores de leite, carne, fumo e os comerciantes. A esta altura o povoado já tinha sido
elevado a categoria de distrito, fato que ocorreu em 02 de setembro de 1892. A formação
do distrito foi o primeiro grande passo no caminho para a emancipação política definitiva.
Um dos líderes que se destaca neste novo cenário político é o Coronel Carlos Pinto. Pinto
era proprietário de uma pequena fábrica de cachaça, proprietário de uma fazenda na
região de Santiago e liderança política em Catu e no distrito de Pojuca. Foi ele uma das
mais importantes figuras do processo que culminou na emancipação política de Pojuca no
início do século XX. Além da ação de Carlos Pinto, houve também um movimento
religioso importante no distrito que queria o fim da subordinação da capela do Bom Jesus
da Passagem à paróquia Senhora Santana do Catu. Naquele tempo, a Igreja Católica
exercia grande força religiosa e política. Esse movimento de independência religiosa foi
responsável pela demolição da antiga capelinha e a construção de uma nova igreja na
sede do distrito. Essa nova igreja se tornaria a sede da Paróquia do Bom Jesus da
Passagem, criada em 12 de dezembro de 1904. Sobre esse aspecto, o livro Pojuca: o
Arraial da Passagem diz:
A criação da paróquia do Bom Jesus da Passagem foi marcada por uma
grande labuta da comunidade religiosa local. Em regime de mutirão, o
povo do distrito se uniu em torno da causa. Um dos passos fundamentais
para que a paróquia fosse criada era a construção de uma matriz. A
capelinha do Bom Jesus da Passagem era uma construção muito
modesta, precária. Agora, como sede paroquial, o distrito precisava ter
uma igreja à altura da nova categoria que alcançara. Assim, em 1885
foram iniciados os trabalhos de demolição da antiga capelinha e a
construção da matriz “pois a primeira era muito pobre e modesta3
”. A obra
foi interrompida entre 1889 e 1892, sendo finalmente concluída em 23 de
dezembro de 19044
. (BATISTA, 2018, p. 30).
2 Jornal A Notícia, Rio de Janeiro, edição de 11 de novembro de 1898. (Vale ressaltar que Saraiva, embora
tivesse negócios em Pojuca e forte presença na política local, era filho de Santo Amaro).
3 Livro de Tombo da Paróquia do Bom Jesus da Passagem;
4 O decreto de Criação da Paróquia fora promulgado 11 dias antes, em 12 de dezembro de 1904.
Nova Igreja do Bom Jesus da Passagem depois da reconstrução de 1904
Atividade: agora responda em seu caderno
1 Responda a cruzadinha de acordo com as informações abaixo:
1. Cacheiros viajantes que traziam mercadorias até a Vila da Passagem em lombo de burros;
2. Nome do escravizado que viveu em Pojuca;
3. Padroeiro a quem a capelinha foi dedicada;
4. Sobrenome do famoso escritor que passou por Pojuca no final do século XIX;
5. Valioso produto de exportação fabricado nos engenhos Pojuca, Remédios e Central;
6. Primeiro nome do povoamento que originou Pojuca;
1 T R O P E I R O S
2 A N T O N I O
3 B O N J E S U S
4 C U N H A
5 A C U C A R
6 P A S S A G E M
2 Reúna-se em grupo, debata com seus colegas e depois responda:
Ficou curioso?
Para saber mais sobre a história de Pojuca, visite a
biblioteca de sua escola e leia o livro: Pojuca: o
Arraial da Passagem
a) Na opinião do grupo, que traços dos africanos escravizados que viverem e trabalharam
em Pojuca ficaram na nossa fisionomia, culinária, dança, arte marcial e religião?
b) Vocês já tinham escutado falar no nome de alguma pessoa escravizada que viveu em
Pojuca. Porque será que os negros tiveram seus nomes apagados da história?
3. Qual o significado do nome de Pojuca de acordo com o geógrafo Teodoro Sampaio?
5. Quais as razões que fizeram a economia açucareira de Pojuca entrar em crise no fim
do século XIX?
REFERÊNCIAS
BATISTA, João. Pojuca: o Arraial da Passagem. EGBA. Salvador: 2018.
OTT, Carlos. Povoamento do Recôncavo pelos Engenhos. 1536 – 1888, v. II. Ed.
Bigraf. Salvador: 1996.
SAMPAIO, Theodoro. O Tupy na Geografia Nacional. Cia Editora Nacional. São Paulo:
1987.
SANT’ANA, José Lemos de. Bambanga: Memórias, Volume III, Intervalo Publicidade:
Salvador, sd.
CUNHA, Euclides da, Diário de uma Expedição. Disponível em:
http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/18970912-6875-nac-0001-999-1-not - Acesso em
01/06/2017.
Escola: ____________________________________________
Disciplina: __________________________________________
Data: ______________________________________________
Aluno: _____________________________________________
POJUCA: A EMANCIPAÇÃO*
A fase agropecuária
A partir do início do século XX Pojuca vai ter uma importante mudança na sua vida política
e econômica. No campo político, ganha força o movimento emancipatório que queria ver o
distrito se tornar cidade e comandar o seu próprio destino. No campo econômico, a
monocultura da cana-de-açúcar começa a dar lugar às grandes fazendas de criação de
gado para produção de carne e leite e a não menos importante cultura da mandioca. Na
primeira metade do século XX a produção de farinha e leite vai ser o grande vetor de
desenvolvimento econômico. Com suas duas estações, o distrito se tornara um
importante entreposto comercial, tanto da produção local como do comércio de produtos
de outros lugares circunvizinhos. A pujança econômica do distrito de Pojuca e a falta de
atenção que Catu dava aos problemas locais fez com que os pojucanos buscassem sua
independência da sede catuense. Sobre este aspecto, o livro Pojuca: o Arraial da
Passagem nos diz:
A emancipação política do Distrito de Pojuca teve como pano de fundo
alguns elementos que enunciaremos a partir de agora. O primeiro deles foi
o crescimento populacional e econômico da vila, a partir da chegada da
estrada de ferro; o segundo, foi a insatisfação dos moradores do vilarejo
com a pouca atenção dada por Catu aos problemas locais e o terceiro, foi
a organização política dos comerciantes do distrito, liderados pelo Coronel
Carlos Pinto, que aspirava a um cargo de Deputado Estadual e via na
emancipação política de Pojuca o seu grande trampolim político.
Pinto, despontando como uma liderança forte no início do século XX no
Distrito de Pojuca, demonstra toda sua sagacidade quando consegue,
ainda em 1910, fazer a comitiva do então aspirante a governador José
Joaquim Seabra descer em Pojuca. Seabra, na ocasião, estava em busca
de apoio na região de Alagoinhas, visitando cidades e distritos. Carlos
Pinto, então, o convida para descer na estação de Pojuca e almoçar em
sua residência. Um importante jornal da época dá destaque a essa
campanha do candidato Seabra pelo interior e sua passagem por Pojuca:
“O Dr. Seabra regressou de Alagoinhas (...) Em Pojuca, recebeu-o o chefe
local, coronel Carlos Pinto, de incontestável prestígio”5
, frisava. Esse
contato foi crucial dentro do processo emancipatório da cidade, pois foi ali
que os acordos foram feitos, os apoios e votos prometidos e, certamente,
o Coronel Carlos Pinto consolidou-se como líder político e futuro
intendente. Pinto fez deste momento um ato grandioso, certamente, para
* Texto elaborado pelo professor João Batista para o trabalho didático com seus alunos em sala de aula. Essa apostila
pode ser utilizada livremente por qualquer professor para trabalhar com seus alunos sem prévia autorização.
5 Jornal O Paiz, edição de 15 de fevereiro de 1910.
promover-se politicamente diante de um povo ávido pela sua autonomia
territorial. Como nos conta o memorialista José Lemos de Sant’Ana, a
banda de música Recreio Jovial tocava em frente à estação, enquanto o
povo ovacionava o candidato Seabra e sua comitiva.
Seabra ambicionava a governadoria e sabia que, para ser eleito, era
necessário obter o apoio das oligarquias rurais e das lideranças burguesas
do interior. Com a morte dos dois maiores líderes políticos de Pojuca - o
Conselheiro Saraiva (1895) e o Barão de Pojuca (1909), Carlos Pinto se
tornou a referência da região. Ambicionando um cargo na Câmara dos
Deputados da Bahia, não foi difícil para Seabra convencê-lo a sair
candidato ao seu lado e, em troca, Pinto trazia os votos6
da região para o
governador. Aliado a Seabra, o coronel de Pojuca entra na disputa e elege-
se deputado estadual em 19127
, assim como Seabra também se elege
governador naquele mesmo pleito. (BATISTA, 2018, pp. 31-33)
Sobrado que pertenceu a Carlos Pinto. Foto: João Batista, 2017
Eleito governador, Seabra permanece unido ao Deputado Carlos Pinto, mas o grande
6 É interessante notar que, àquela época, o direito ao voto não era universalizado, portanto, apenas uma
pequena elite de privilegiados podia votar. Segundo o Almanak Leammert, Edição A00069 de 1913, o
Município de Catu possuía, naquele ano, apenas 772 eleitores.
7 Gazeta de Notícias, Salvador, Edição de 13 de Janeiro de 1913.
desejo de Pinto era, além de ser legislador estadual, também ser intendente (prefeito) de
seu lugar. Naquela época era permitido ser, ao mesmo tempo, prefeito e deputado. Assim,
em 29 de julho de 1913, é promulgada a Lei 979/1913, elevando o distrito de Pojuca à
categoria de município. Mas, na prática, as coisas não mudaram muito no distrito naquele
dia. Apesar de se comemorar hoje a emancipação de Pojuca em julho, na verdade, o
município só foi instalado em outubro daquele ano. Vejamos:
Embora a lei que emancipou Pojuca tenha sido promulgada em 29 de
julho, só em 07 de setembro de 19138
, sessenta e sete dias depois,
aconteceu a eleição para conselheiros e intendente. Carlos Pinto, que
renunciara a intendência de Catu dias antes9
, é eleito o primeiro
intendente10
juntamente com o Conselho Municipal11
. O Conselho estava
composto pelos seguintes membros: Manoel Joaquim, Pedro Trindade,
Manoel Batista Santana, Raymundo Ferreira de Sant’Ana e João
Evangelista Paim que, naquela sessão, fora eleito presidente do Conselho.
Os eleitos esperaram mais quarenta e nove dias até que, em 26 de
outubro, o município foi efetivamente instalado, com uma grande festa na
cidade. (BATISTA, 2018, p. 34).
Então, a rigor, a emancipação de Pojuca se deu de fato em
26 de outubro de 1913, pois foi nesta data que a cidade
teve efetivamente seu prefeito (intendente) e seus
vereadores (conselheiros) empossados. Neste dia, a
cidade se vestiu para festa, suas ruas foram enfeitadas, a
grande comitiva do governador veio a Pojuca e o povo
comemorou sua emancipação. Neste dia, a principal rua
da cidade, a Rua da Passagem, passou a se chamar Rua
J. J. Seabra, em homenagem ao governador da época.
No dia seguinte à festa, o Jornal Gazeta de Notícias
estampava em sua capa:
Diz-se que foi um dia cheio o de ontem para os que formam a Pojuca. (...)
Que o deputado Carlos Pinto estava radiante, sendo realizado seu velho
sonho – de Pojuca município, dirigindo os seus próprios destinos, sem
perder, contudo, a boa amizade de Catu. (...) o Dr. Seabra, ilustre e
honrado governador, deve ter ficado muito satisfeito, pois que lhe foi feita
na Pojuca uma manifestação bastante carinhosa, a que se associou com o
verdadeiro entusiasmo de todo povo do lugar12
.
Nos anos seguintes, a festa da emancipação continuou sendo no dia 26 de outubro. Não
se sabe ao certo, mas provavelmente, só no fim da década de 1940, depois da queda de
Getúlio Vargas é que as comemorações passaram a ser em 29 de julho e permanece até
hoje. A cidade permaneceu sob o comando de Carlos Pinto até 1927. Entre 1927 e 1930 o
8 Gazeta de Notícias, Salvador, edição de 10 de setembro de 1913.
9 Gazeta de Notícias, Salvador, edição de 12 de setembro de 1913
10 Equivalente, hoje, ao cargo de Prefeito.
11 Equivalente, hoje, à Câmara Municipal de Vereadores.
12 Jornal Gazeta de Notícias, edição de 27 de outubro de 1913
Coronel Carlos Pinto
comando da intendência (prefeitura) passou para Raymundo de Sant’Ana. Foi no governo
de Sant’Ana que o paço municipal (prédio da prefeitura) foi inaugurado e a sede do poder
executivo e legislativo saiu da Rua J.J. Seabra e foi para a nova sede. Ainda no governo
dele foram inauguradas as pontes do Pau’Darco e da Mariquita, dentre outras obras. O
governo de Raymundo de Sant’Ana foi interrompido com golpe de 1930 que implantou a
ditadura de Getúlio Vargas.
Paço Municipal, inaugurado em 1928
A partir de 1930, o município passou por um longo período de instabilidade política por
causa da ascensão ao poder do Presidente Getúlio Vargas. Durante toda a Era Vargas
(1930-1945) Pojuca passou a ter os seus prefeitos indicados (não mais eleitos pelo povo)
pelo interventor federal na Bahia. Essa situação perdurou até que:
Em 1947, acontece a primeira eleição depois da nova Constituição e são
escolhidos os novos governadores estaduais, dentre eles Octávio
Mangabeira, que fora eleito pela União Democrática Nacional (UDN)
governador da Bahia. Saía, então, a figura do interventor e, aos poucos, a
democracia ia se estabelecendo. Como a Constituição de 1946 assegurou
também a eleição para prefeitos nos municípios, em 21 de dezembro de
1947, Pojuca elegeu seu primeiro prefeito: Antônio Motta.
Aquela eleição marca definitivamente o início da caminhada democrática
no município. Aquela fora a primeira eleição em que o direito ao voto
estava assegurado para todos os cidadãos a partir dos dezoito anos. Em
18 de janeiro de 1948, o novo prefeito foi empossado. No fim daquele
mesmo ano, Motta pediu afastamento do cargo por motivos pessoais e,
em 22 de dezembro de 1948, assumiu interinamente a prefeitura o
presidente da Câmara13
, José Martins Valverde, que permanece por seis
meses no cargo, até 22 de junho de 1949, quando Antônio Motta
reassume para a última parte do seu mandato que não chegaria até o fim,
pois seria interrompido tragicamente em 25 de fevereiro de 1950
(BATISTA, 2018, pp. 53-54).
Assim, Antônio Motta foi o primeiro prefeito democraticamente
eleito depois da Era Vargas, o que marcaria uma nova fase na
política local. Contudo, devido a um desentendimento de Motta
com um fazendeiro por conta de uma ponte, o prefeito acabou
sendo assassinado na estação de trem de Mata de São João. Seu
assassino, o tenente-coronel, médico do exército, Aurélio Seabra
Veloso, valendo de sua condição de militar sequer foi preso. O
acontecimento, segundo os jornais da época, causou grande
comoção na comunidade de Pojuca. Essa tragédia marcou o fim
da primeira metade do século XX na história de Pojuca.
Foto: Jornal A Pojuca, edição de Março/Abril de 1957
Atividade: agora responda no seu caderno.
1. Quais os principias acontecimentos que contribuíram para que o distrito de Pojuca se
tornasse cidade?
2. Porque que é importante um distrito se tornar cidade? Qual o ganho para a população
quando isso acontece? Quem sustenta o poder público de uma cidade é o líder político ou
o povo?
3. Enumere os primeiros vereadores (conselheiros) eleitos de Pojuca e enumere também
os atuais vereadores, destacando quem foi o presidente da câmara daquela época e
quem é hoje?
4. Em 1950 o prefeito de Pojuca foi assassinado em Mata de São João. Na sua opinião,
como está a questão da violência hoje em Pojuca? Você lembra de algum político que foi
assassinado recentemente em Pojuca?
13 Como previa a Lei Orgânica dos Municípios (Lei nº 140 de 22 de dezembro de 1948)
Ficou curioso?
Para saber mais sobre a história de Pojuca, visite a
biblioteca de sua escola e leia o livro: Pojuca: o
Arraial da Passagem
5. Responda a cruzadinha com as informações a seguir:
1. Importante produto da pecuária pojucano do início do século XX;
2. Em 26 de outubro de 1913 os eleitos foram:
3. Sobrenome do governador que veio a Pojuca no dia de sua emancipação;
4. Importante produto da agricultura pojucana do início do século XX;
5. Depois de se tornar distrito no século XIX, em 1913 Pojuca se tornou:
6. Produto da mandioca;
7. Quem sustenta com seus impostos a estrutura político-administrativa de uma cidade;
8. Nome do segundo prefeito de Pojuca;
9. Primeiro deputado de Pojuca;
10. Município ao qual Pojuca era subordinada;
11. Mês em que se comemorava a emancipação política de Pojuca;
1 L E I T E
2 E M P O S S A D O S
3 S E A B R A
4 M A N D I O C A
5 M U N I C I P I O
6 F A R I N H A
7 P O V O
8 R A Y M U N D O
9 C A R L O S
10 C A T U
11 O U T U B R O
6. Leia o texto ao lado, pinte a Bandeira e o Brasão de Pojuca e depois recorte e cole no
seu caderno.
Você sabia?
A Bandeira do município, ao lado do Brasão, compõem os
Símbolos Oficias do município, marcas da identidade local
e insígnias máximas dos poderes legalmente constituídos.
Os dois símbolos expressam as cores vermelha, verde,
amarelo, branco e preto.
Vermelho (cor do vinho) = simboliza a alegria, o espírito
festeiro, altivo e vibrante do povo pojucano; Verde (cor da
floresta) = simboliza a cobertura vegetal do território
municipal, a sua biodiversidade e a produção agrícola de
Pojuca.
Amarelo (cor do ouro) = simboliza a riqueza tanto natural
quanto social da terra e do povo pojucano;
Branco (cor da paz) = simboliza a harmonia e o espírito de
paz cultivados pelo seu povo
Preto (cor do petróleo) = simboliza a riqueza presente no
subsolo do município: o ouro negro, o petróleo.
REFERÊNCIAS
BATISTA, João. Pojuca: o Arraial da Passagem. EGBA: Salvador, 2018.
SANT’ANA, José Lemos de. Bambanga: Memórias, Volume I, Vozes, 1998.
LEI 140 DE 22 DE DEZEMBRO DE 1948. Disponível em: https://governoba.
jusbrasil.com. br/legislacao/85487/lei-140-48, acesso em 20/04/18.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide caderno 3 construção do sistema de numeração decimal
Slide caderno 3  construção do sistema de numeração decimalSlide caderno 3  construção do sistema de numeração decimal
Slide caderno 3 construção do sistema de numeração decimal
Michella Ribeiro Lopes
 
Td do professor_9anomt
Td do professor_9anomtTd do professor_9anomt
Td do professor_9anomt
Esdras Alex
 
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Ananda Lima
 
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e AgrupamentosPNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
Eleúzia Lins Silva
 
Há matemática em toda parte!
Há matemática em toda parte!Há matemática em toda parte!
Há matemática em toda parte!
Rosemary Batista
 
Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2
Aprender com prazer
 
Multiplicação e divisão
Multiplicação e divisãoMultiplicação e divisão
Multiplicação e divisão
Sonia Amaral
 
Notas e moedas do euro
Notas e moedas do euroNotas e moedas do euro
Notas e moedas do euro
Ines Martins
 
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
Adriana De Almeida Braga
 
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
Fabiana Esteves
 
Fich numerais ordinais_2_ano
Fich numerais ordinais_2_anoFich numerais ordinais_2_ano
Fich numerais ordinais_2_ano
angela_costa
 
Plano de Aula - A História da Matemática
Plano de Aula - A História da MatemáticaPlano de Aula - A História da Matemática
Plano de Aula - A História da Matemática
Lilian Felicio
 
Multiplicação no ensino fundamental apresentação
Multiplicação no ensino fundamental   apresentaçãoMultiplicação no ensino fundamental   apresentação
Multiplicação no ensino fundamental apresentação
Rosemary Batista
 
Ficha pra ampliação
Ficha pra ampliaçãoFicha pra ampliação
Ficha pra ampliação
Sara Ferreira
 
Biografia Mauricio de Sousa
Biografia Mauricio de SousaBiografia Mauricio de Sousa
Biografia Mauricio de Sousa
Aline Viana Beguito
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção sndPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
ElieneDias
 
Ficha de avaliação nº 4 junho 2021
Ficha de avaliação nº 4   junho 2021Ficha de avaliação nº 4   junho 2021
Ficha de avaliação nº 4 junho 2021
Margarida Gomes
 
ensinar-multiplicacao-e-divisao
 ensinar-multiplicacao-e-divisao ensinar-multiplicacao-e-divisao
ensinar-multiplicacao-e-divisao
a1980
 
Teste PLNM outubro
Teste PLNM outubroTeste PLNM outubro
Teste PLNM outubro
Irina Duque
 
A matemática e o dia a dia texto
A matemática e o dia a dia  textoA matemática e o dia a dia  texto
A matemática e o dia a dia texto
gilmar_adv
 

Mais procurados (20)

Slide caderno 3 construção do sistema de numeração decimal
Slide caderno 3  construção do sistema de numeração decimalSlide caderno 3  construção do sistema de numeração decimal
Slide caderno 3 construção do sistema de numeração decimal
 
Td do professor_9anomt
Td do professor_9anomtTd do professor_9anomt
Td do professor_9anomt
 
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAICOperações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
Operações na resolução de problemas - Caderno IV PNAIC
 
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e AgrupamentosPNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
PNAIC Caderno 2 (parte 2) - Quantificação, Registros e Agrupamentos
 
Há matemática em toda parte!
Há matemática em toda parte!Há matemática em toda parte!
Há matemática em toda parte!
 
Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2
 
Multiplicação e divisão
Multiplicação e divisãoMultiplicação e divisão
Multiplicação e divisão
 
Notas e moedas do euro
Notas e moedas do euroNotas e moedas do euro
Notas e moedas do euro
 
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
1 encontro caderno 1 Pnaic Matematica
 
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
7º encontro pnaic geometria 27 de setembro claudia e fabiana
 
Fich numerais ordinais_2_ano
Fich numerais ordinais_2_anoFich numerais ordinais_2_ano
Fich numerais ordinais_2_ano
 
Plano de Aula - A História da Matemática
Plano de Aula - A História da MatemáticaPlano de Aula - A História da Matemática
Plano de Aula - A História da Matemática
 
Multiplicação no ensino fundamental apresentação
Multiplicação no ensino fundamental   apresentaçãoMultiplicação no ensino fundamental   apresentação
Multiplicação no ensino fundamental apresentação
 
Ficha pra ampliação
Ficha pra ampliaçãoFicha pra ampliação
Ficha pra ampliação
 
Biografia Mauricio de Sousa
Biografia Mauricio de SousaBiografia Mauricio de Sousa
Biografia Mauricio de Sousa
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção sndPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
 
Ficha de avaliação nº 4 junho 2021
Ficha de avaliação nº 4   junho 2021Ficha de avaliação nº 4   junho 2021
Ficha de avaliação nº 4 junho 2021
 
ensinar-multiplicacao-e-divisao
 ensinar-multiplicacao-e-divisao ensinar-multiplicacao-e-divisao
ensinar-multiplicacao-e-divisao
 
Teste PLNM outubro
Teste PLNM outubroTeste PLNM outubro
Teste PLNM outubro
 
A matemática e o dia a dia texto
A matemática e o dia a dia  textoA matemática e o dia a dia  texto
A matemática e o dia a dia texto
 

Semelhante a Apostila pojuca 1

Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo TavaresRelatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Luciana Paixão Arquitetura
 
São Paulo
São PauloSão Paulo
São Paulo
Elô Steffens
 
Jequitinhonha mucuri mais que uma região de planejamento
Jequitinhonha   mucuri mais que uma região de planejamentoJequitinhonha   mucuri mais que uma região de planejamento
Jequitinhonha mucuri mais que uma região de planejamento
Bruno Dias Bento
 
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA  BAHIA A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA  BAHIA
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Slides História de Cachoeira do Sul
Slides História de Cachoeira do SulSlides História de Cachoeira do Sul
Slides História de Cachoeira do Sul
Valquiria Bauer
 
Documentoplenariafinal
DocumentoplenariafinalDocumentoplenariafinal
Documentoplenariafinal
Marcia Pereira
 
Sobre cubatão
Sobre cubatãoSobre cubatão
Sobre cubatão
Cristhiane Karpuska
 
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
UNEB
 
Folder 50 anos novo (barra do rocha)
Folder 50 anos novo (barra do rocha)Folder 50 anos novo (barra do rocha)
Folder 50 anos novo (barra do rocha)
LAUROELISO
 
Uberlândia
UberlândiaUberlândia
Uberlândia
Alex Carvalho
 
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de SapéProjeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
Ana Holmes
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Web quest café
Web quest caféWeb quest café
Web quest café
Theandra Naves
 
Artigo a vila e o coronel (ufrb)
Artigo   a vila e o coronel (ufrb)Artigo   a vila e o coronel (ufrb)
Artigo a vila e o coronel (ufrb)
ulissesd
 
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grossoVol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
taigla
 
Uberlândia
UberlândiaUberlândia
Uberlândia
Alex Carvalho
 
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de UbatubaTrabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
GabrielaLimaPereira
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
ecsette
 
A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
Rodrigo Modena da Silva
 
Histórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraíHistórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraí
Italo Malta
 

Semelhante a Apostila pojuca 1 (20)

Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo TavaresRelatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
Relatório de visitas Rodovia Raposo Tavares
 
São Paulo
São PauloSão Paulo
São Paulo
 
Jequitinhonha mucuri mais que uma região de planejamento
Jequitinhonha   mucuri mais que uma região de planejamentoJequitinhonha   mucuri mais que uma região de planejamento
Jequitinhonha mucuri mais que uma região de planejamento
 
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA  BAHIA A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA  BAHIA
A CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA
 
Slides História de Cachoeira do Sul
Slides História de Cachoeira do SulSlides História de Cachoeira do Sul
Slides História de Cachoeira do Sul
 
Documentoplenariafinal
DocumentoplenariafinalDocumentoplenariafinal
Documentoplenariafinal
 
Sobre cubatão
Sobre cubatãoSobre cubatão
Sobre cubatão
 
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
A estrada de ferro da bahia ao são francisco trabalhadores e atos desordeiros...
 
Folder 50 anos novo (barra do rocha)
Folder 50 anos novo (barra do rocha)Folder 50 anos novo (barra do rocha)
Folder 50 anos novo (barra do rocha)
 
Uberlândia
UberlândiaUberlândia
Uberlândia
 
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de SapéProjeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
Projeto de aula: Identidade e diversidade Cultural da cidade de Sapé
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptx
 
Web quest café
Web quest caféWeb quest café
Web quest café
 
Artigo a vila e o coronel (ufrb)
Artigo   a vila e o coronel (ufrb)Artigo   a vila e o coronel (ufrb)
Artigo a vila e o coronel (ufrb)
 
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grossoVol i 3_historia_de_mato_grosso
Vol i 3_historia_de_mato_grosso
 
Uberlândia
UberlândiaUberlândia
Uberlândia
 
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de UbatubaTrabalho sobre a cidade de Ubatuba
Trabalho sobre a cidade de Ubatuba
 
HistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçUHistóRia De ManhuaçU
HistóRia De ManhuaçU
 
A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
 
Histórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraíHistórico da cidade de itaboraí
Histórico da cidade de itaboraí
 

Apostila pojuca 1

  • 1. Escola: ____________________________________________ Disciplina: __________________________________________ Data: ______________________________________________ Aluno: _____________________________________________ POJUCA: UMA CIDADE QUE NASCE DO RIO* A fase do açúcar Ao longo dos tempos as pessoas construíram grandes aglomerados urbanos próximos aos rios. Foi assim com o Cairo, capital do Egito que nasceu às margens do grande Rio Nilo e Paris, capital da França, que tem seu coração atravessado pelo Rio Sena. Isto sem falar em Londres, banhada pelo majestoso Rio Tâmisa e a nossa querida São Paulo, banhada pelos rios Tietê e Pinheiros. Assim também Pojuca, nossa encantadora e aconchegante cidade nasceu na margem norte do rio que lhe dá nome: o Rio Pojuca. Esse rio é um curso d'água cuja nascente está localizada na Serra de Mombaça, em Santa Bárbara- Ba e, em seu percurso, banha os municípios de Feira de Santana, Coração de Maria, Terra Nova, Pojuca e Mata de São João, desaguando no Oceano Atlântico, mais precisamente, na Praia do Forte. Os índios tupinambás que habitavam essa região desde muito antes da chegada dos portugueses, chamavam esse rio em sua língua nativa de “yapoyuca”. Segundo o livro Pojuca: O Arraial da Passagem, citando o grande geógrafo baiano Teodoro Sampaio, esse termo: é formado pela junção de duas outras palavras do tupi: Yapó, que significa água transbordante, cheia ou alagadiço e Yuca que significa brejo, pântano ou lugar apodrecido. Portanto, juntando yapo+yuca, vamos ter uma palavra cuja fonética é muito semelhante à “pojuca”. (…) Para Sampaio, o povo tupinambá que viveu nessa região desde muito antes da chegada dos portugueses teria batizado o caudaloso curso d’água em sua língua e, depois, com as derivações, supressões e corrupções que a palavra sofreu ao longo do tempo, chegou-se a expressão atual, “pojuca” que quer dizer: o lugar alagado, o lugar pantanoso, lugar apodrecido. É importante ressaltar que os indígenas ao usar aquela expressão, “yapoyuca”, estavam se referindo ao rio, não à cidade ou ao lugarejo. Muito antes de surgir o povoamento, o rio já existia e o termo yapoyuca = Pojuca, portanto, refere-se às águas do rio e às terras alagadas por onde este rio passava. (BATISTA, 2018, p.p. 14-15) Mas o povoamento que surgiu junto ao Pojuca, inicialmente, não tinha o nome do rio. Na formação do arraial, o lugarejo era conhecido como Passagem, numa referência a passagem que os tropeiros faziam ao atravessar o rio com suas mulas carregadas de * Texto elaborado pelo professor João Batista para o trabalho didático com seus alunos em sala de aula. Essa apostila pode ser utilizada livremente por qualquer professor para trabalhar com seus alunos sem prévia autorização.
  • 2. mercadorias. Segundo contam os antigos, a cidade nasceu a partir de uma pequena feira que se formou no lugar da travessia dos tropeiros e, com o passar do tempo, foi atraindo mais pessoas e, no fim do século XVII, foi erguida uma capelinha pelos moradores em homenagem ao Bom Jesus que depois se tornaria o padroeiro da cidade. O memorialista pojucano José Lemos de Sant’Ana, nascido em 1921 escreveu o seguinte relato sobre a formação da Vila da Passagem, disse ele: Daí nasceu um vilarejo que se chamou de Passagem e para identificá-lo perfeitamente e distingui-lo de outros locais com nome idêntico – Passagem do Rio Pojuca. Estabelecido aí na baixada, na beira do rio, o arraial, pelos favores dos proprietários de terras que não permitiam ocupar os altiplanos próximos, logo floresceu um pequeno comércio. Depois a igrejinha pequenina – oh! Quantas vezes ampliada pela fé e pelo trabalho do povo! – cujo padroeiro escolhido foi o Senhor Bom Jesus. Ora, o Bom Jesus é padroeiro de centenas de paróquias e lugarejos por este Brasil afora: Bom Jesus do Bonfim, da Lapa, dos Aflitos, etc. O nosso seria Bom Jesus da Passagem, que este era o nome do Arraial: Passagem do Rio Pojuca. Espero que ainda hoje conserve, ao menos no largo que vai a ponte da Passagem, o seu antigo nome identificador e histórico, de largo da Passagem. (SANT’ANA, sd. p.p. 340-342) Esses tropeiros que deram origem ao povoado da Passagem, vinham da região da Praia do Forte, onde ficava um ancoradouro chamado de Porto de Tatuapara e subiam pela margem norte do Rio Pojuca até chegarem no ponto de travessia e, aqui, abasteciam a população local que viva ao redor dos grandes engenhos de açúcar: o Engenho Pojuca e o Engenho dos Remédios. Estes, de propriedade dos produtores de cana que tinham migrado da região de São Francisco do Conde nos séculos XVII e XVIII. Entre os séculos XVIII e XIX a economia de Pojuca girava em torno dos engenhos e seu território era coberto de cana-de-açúcar. Em 1757, o Padre Felipe Barbosa da Cunha descreveu o território onde hoje é Pojuca como um lugar onde viviam muitos escravos e “muitos homens forros, havendo também neles muitos lavradores de cana, que as plantam para moer nos ditos engenhos dando-lhe a meação como é estilo, vivendo estes em fazendas distintas que fazem corpo com os mesmos engenhos.” (CUNHA, 1757). E, no final do século XIX, quando por aqui passou o escritor e jornalista Euclides da Cunha, escreveu: “A vizinhança de Pojuca é revelada por canaviais extensos que se estendem sobre os planos dos tabuleiros - miríades de folhas refletindo ao sol, com o brilho de aço antigo, ondulantes, vacilando em todos os sentidos ao Ruínas do Engenho Pojuca Foto: João Batista, 2017
  • 3. sopro da viração, um ciciar imenso e indefinido”. (E. DA CUNHA, 1897). Esta cidade que nasceu na margem do rio, teve seu desenvolvimento calcado na monocultura da cana, tocada pela força da mão de obra escrava. A mancha de suor e sangue dos negros escravizados irrigam o chão de Pojuca. As marcas desta ancestralidade estão nas feições, na cultura, na arte, na culinária e no modo de ser do pojucano. Os negros escravizados que trabalhavam nos engenhos da região formavam um contingente significativo de pessoas. Em sua obra, o historiador Marcelo Oliveira (OLIVEIRA, 2015) cita o nome de um negro escravizado que vivia no distrito de Pojuca. Trata-se de Antônio da Costa, um africano a quem sua senhora, matriarca dos Leal Cardoso, deixa em seu testamento a ordem para que paguem a ele cento e dez contos de réis, referente a uma dívida que ela contraíra junto ao escravo. Certamente por serviços prestados por este. Assim como Antônio da Costa, centenas de outros africanos e seus descendentes viveram e contribuíram para a formação de Pojuca e aqui deixaram a marca de sua cultura, de sua arte e de sua genética. Manoel Joaquim foi outro escravizado que pertencia aos Freire de Carvalho e trabalhava em suas propriedades, especialmente no Engenho Central. A fase do açúcar, vai chegar ao seu auge no século XIX, especialmente a partir da chegada da estrada de ferro em 1860. Nesse período, são erguidas as duas estações no povoado, a estação do centro do vilarejo e a estação de Central, que ficava justamente na frente da grande usina de açúcar pertencente a José Freire de Carvalho, o Barão de Pojuca e José Antônio de Saraiva, o Conselheiro Saraiva. Em 1862 é inaugurada a estação da sede e, a partir de então o povoado de Pojuca se liga a capital e a indústria açucareira passa a ter uma importante via de escoamento da produção. Em 1º de março de 1861, o presidente da Província da Bahia, Antônio da Costa Pinto externa, em pronunciamento, as suas expectativas para o progresso que o trem promoveria na região: [...] logo que chegarem os trilhos a Mata de São João, Pojuca, Santana do Catu e Alagoinhas, deve o rendimento crescer muito, em razão da quantidade de engenhos que há por lá, os quais pagam subidos fretes pelos produtos que mandam a este mercado.1 Contudo, no final do século XIX, vamos ter um declínio na economia açucareira em Pojuca, e alguns fatores contribuíram para isso:  O movimento abolicionista que culminaria com a promulgação da Lei Áurea (1888);  A queda do preço do açúcar no mercado externo;  As mudanças políticas ocorridas depois da Proclamação da República (1889);  O declínio da força política dos grandes líderes do açúcar (o Conselheiro Saraiva e o Barão de Pojuca). Sobre este aspecto, o livro Pojuca: o Arraial da Passagem, diz o seguinte: 1 Fala proferida na abertura da Assembleia Legislativa da Bahia pelo presidente da Província Antônio da Costa Pinto em 1º de março de 1861. Disponível em: http://www.crl.edu/content.asp, acesso em 16/11/2017.
  • 4. Em 1890, um ano após a instauração do novo regime, Saraiva se demite do cargo de Senador e volta para seu engenho em Pojuca, conforme noticiou um jornal da época2 . A partir de então, ele se retira da vida pública até sua morte em 22 de julho de 1895. Já o José Antônio Freire de Carvalho, o Barão de Pojuca, que fora chefe da Guarda Imperial, homem influente na Corte de D Pedro II, com o fim do Império, voltou-se para os seus negócios em Pojuca, onde morreu no ano de 1909. (BATISTA, 2018, p. 27) Assim, no início do século XX, vamos ter uma mudança importante no distrito de Pojuca: sai de cena os líderes açucareiros e escravocratas e começam a ganhar força os produtores de leite, carne, fumo e os comerciantes. A esta altura o povoado já tinha sido elevado a categoria de distrito, fato que ocorreu em 02 de setembro de 1892. A formação do distrito foi o primeiro grande passo no caminho para a emancipação política definitiva. Um dos líderes que se destaca neste novo cenário político é o Coronel Carlos Pinto. Pinto era proprietário de uma pequena fábrica de cachaça, proprietário de uma fazenda na região de Santiago e liderança política em Catu e no distrito de Pojuca. Foi ele uma das mais importantes figuras do processo que culminou na emancipação política de Pojuca no início do século XX. Além da ação de Carlos Pinto, houve também um movimento religioso importante no distrito que queria o fim da subordinação da capela do Bom Jesus da Passagem à paróquia Senhora Santana do Catu. Naquele tempo, a Igreja Católica exercia grande força religiosa e política. Esse movimento de independência religiosa foi responsável pela demolição da antiga capelinha e a construção de uma nova igreja na sede do distrito. Essa nova igreja se tornaria a sede da Paróquia do Bom Jesus da Passagem, criada em 12 de dezembro de 1904. Sobre esse aspecto, o livro Pojuca: o Arraial da Passagem diz: A criação da paróquia do Bom Jesus da Passagem foi marcada por uma grande labuta da comunidade religiosa local. Em regime de mutirão, o povo do distrito se uniu em torno da causa. Um dos passos fundamentais para que a paróquia fosse criada era a construção de uma matriz. A capelinha do Bom Jesus da Passagem era uma construção muito modesta, precária. Agora, como sede paroquial, o distrito precisava ter uma igreja à altura da nova categoria que alcançara. Assim, em 1885 foram iniciados os trabalhos de demolição da antiga capelinha e a construção da matriz “pois a primeira era muito pobre e modesta3 ”. A obra foi interrompida entre 1889 e 1892, sendo finalmente concluída em 23 de dezembro de 19044 . (BATISTA, 2018, p. 30). 2 Jornal A Notícia, Rio de Janeiro, edição de 11 de novembro de 1898. (Vale ressaltar que Saraiva, embora tivesse negócios em Pojuca e forte presença na política local, era filho de Santo Amaro). 3 Livro de Tombo da Paróquia do Bom Jesus da Passagem; 4 O decreto de Criação da Paróquia fora promulgado 11 dias antes, em 12 de dezembro de 1904.
  • 5. Nova Igreja do Bom Jesus da Passagem depois da reconstrução de 1904 Atividade: agora responda em seu caderno 1 Responda a cruzadinha de acordo com as informações abaixo: 1. Cacheiros viajantes que traziam mercadorias até a Vila da Passagem em lombo de burros; 2. Nome do escravizado que viveu em Pojuca; 3. Padroeiro a quem a capelinha foi dedicada; 4. Sobrenome do famoso escritor que passou por Pojuca no final do século XIX; 5. Valioso produto de exportação fabricado nos engenhos Pojuca, Remédios e Central; 6. Primeiro nome do povoamento que originou Pojuca; 1 T R O P E I R O S 2 A N T O N I O 3 B O N J E S U S 4 C U N H A 5 A C U C A R 6 P A S S A G E M 2 Reúna-se em grupo, debata com seus colegas e depois responda: Ficou curioso? Para saber mais sobre a história de Pojuca, visite a biblioteca de sua escola e leia o livro: Pojuca: o Arraial da Passagem
  • 6. a) Na opinião do grupo, que traços dos africanos escravizados que viverem e trabalharam em Pojuca ficaram na nossa fisionomia, culinária, dança, arte marcial e religião? b) Vocês já tinham escutado falar no nome de alguma pessoa escravizada que viveu em Pojuca. Porque será que os negros tiveram seus nomes apagados da história? 3. Qual o significado do nome de Pojuca de acordo com o geógrafo Teodoro Sampaio? 5. Quais as razões que fizeram a economia açucareira de Pojuca entrar em crise no fim do século XIX? REFERÊNCIAS BATISTA, João. Pojuca: o Arraial da Passagem. EGBA. Salvador: 2018. OTT, Carlos. Povoamento do Recôncavo pelos Engenhos. 1536 – 1888, v. II. Ed. Bigraf. Salvador: 1996. SAMPAIO, Theodoro. O Tupy na Geografia Nacional. Cia Editora Nacional. São Paulo: 1987. SANT’ANA, José Lemos de. Bambanga: Memórias, Volume III, Intervalo Publicidade: Salvador, sd. CUNHA, Euclides da, Diário de uma Expedição. Disponível em: http://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/18970912-6875-nac-0001-999-1-not - Acesso em 01/06/2017.
  • 7. Escola: ____________________________________________ Disciplina: __________________________________________ Data: ______________________________________________ Aluno: _____________________________________________ POJUCA: A EMANCIPAÇÃO* A fase agropecuária A partir do início do século XX Pojuca vai ter uma importante mudança na sua vida política e econômica. No campo político, ganha força o movimento emancipatório que queria ver o distrito se tornar cidade e comandar o seu próprio destino. No campo econômico, a monocultura da cana-de-açúcar começa a dar lugar às grandes fazendas de criação de gado para produção de carne e leite e a não menos importante cultura da mandioca. Na primeira metade do século XX a produção de farinha e leite vai ser o grande vetor de desenvolvimento econômico. Com suas duas estações, o distrito se tornara um importante entreposto comercial, tanto da produção local como do comércio de produtos de outros lugares circunvizinhos. A pujança econômica do distrito de Pojuca e a falta de atenção que Catu dava aos problemas locais fez com que os pojucanos buscassem sua independência da sede catuense. Sobre este aspecto, o livro Pojuca: o Arraial da Passagem nos diz: A emancipação política do Distrito de Pojuca teve como pano de fundo alguns elementos que enunciaremos a partir de agora. O primeiro deles foi o crescimento populacional e econômico da vila, a partir da chegada da estrada de ferro; o segundo, foi a insatisfação dos moradores do vilarejo com a pouca atenção dada por Catu aos problemas locais e o terceiro, foi a organização política dos comerciantes do distrito, liderados pelo Coronel Carlos Pinto, que aspirava a um cargo de Deputado Estadual e via na emancipação política de Pojuca o seu grande trampolim político. Pinto, despontando como uma liderança forte no início do século XX no Distrito de Pojuca, demonstra toda sua sagacidade quando consegue, ainda em 1910, fazer a comitiva do então aspirante a governador José Joaquim Seabra descer em Pojuca. Seabra, na ocasião, estava em busca de apoio na região de Alagoinhas, visitando cidades e distritos. Carlos Pinto, então, o convida para descer na estação de Pojuca e almoçar em sua residência. Um importante jornal da época dá destaque a essa campanha do candidato Seabra pelo interior e sua passagem por Pojuca: “O Dr. Seabra regressou de Alagoinhas (...) Em Pojuca, recebeu-o o chefe local, coronel Carlos Pinto, de incontestável prestígio”5 , frisava. Esse contato foi crucial dentro do processo emancipatório da cidade, pois foi ali que os acordos foram feitos, os apoios e votos prometidos e, certamente, o Coronel Carlos Pinto consolidou-se como líder político e futuro intendente. Pinto fez deste momento um ato grandioso, certamente, para * Texto elaborado pelo professor João Batista para o trabalho didático com seus alunos em sala de aula. Essa apostila pode ser utilizada livremente por qualquer professor para trabalhar com seus alunos sem prévia autorização. 5 Jornal O Paiz, edição de 15 de fevereiro de 1910.
  • 8. promover-se politicamente diante de um povo ávido pela sua autonomia territorial. Como nos conta o memorialista José Lemos de Sant’Ana, a banda de música Recreio Jovial tocava em frente à estação, enquanto o povo ovacionava o candidato Seabra e sua comitiva. Seabra ambicionava a governadoria e sabia que, para ser eleito, era necessário obter o apoio das oligarquias rurais e das lideranças burguesas do interior. Com a morte dos dois maiores líderes políticos de Pojuca - o Conselheiro Saraiva (1895) e o Barão de Pojuca (1909), Carlos Pinto se tornou a referência da região. Ambicionando um cargo na Câmara dos Deputados da Bahia, não foi difícil para Seabra convencê-lo a sair candidato ao seu lado e, em troca, Pinto trazia os votos6 da região para o governador. Aliado a Seabra, o coronel de Pojuca entra na disputa e elege- se deputado estadual em 19127 , assim como Seabra também se elege governador naquele mesmo pleito. (BATISTA, 2018, pp. 31-33) Sobrado que pertenceu a Carlos Pinto. Foto: João Batista, 2017 Eleito governador, Seabra permanece unido ao Deputado Carlos Pinto, mas o grande 6 É interessante notar que, àquela época, o direito ao voto não era universalizado, portanto, apenas uma pequena elite de privilegiados podia votar. Segundo o Almanak Leammert, Edição A00069 de 1913, o Município de Catu possuía, naquele ano, apenas 772 eleitores. 7 Gazeta de Notícias, Salvador, Edição de 13 de Janeiro de 1913.
  • 9. desejo de Pinto era, além de ser legislador estadual, também ser intendente (prefeito) de seu lugar. Naquela época era permitido ser, ao mesmo tempo, prefeito e deputado. Assim, em 29 de julho de 1913, é promulgada a Lei 979/1913, elevando o distrito de Pojuca à categoria de município. Mas, na prática, as coisas não mudaram muito no distrito naquele dia. Apesar de se comemorar hoje a emancipação de Pojuca em julho, na verdade, o município só foi instalado em outubro daquele ano. Vejamos: Embora a lei que emancipou Pojuca tenha sido promulgada em 29 de julho, só em 07 de setembro de 19138 , sessenta e sete dias depois, aconteceu a eleição para conselheiros e intendente. Carlos Pinto, que renunciara a intendência de Catu dias antes9 , é eleito o primeiro intendente10 juntamente com o Conselho Municipal11 . O Conselho estava composto pelos seguintes membros: Manoel Joaquim, Pedro Trindade, Manoel Batista Santana, Raymundo Ferreira de Sant’Ana e João Evangelista Paim que, naquela sessão, fora eleito presidente do Conselho. Os eleitos esperaram mais quarenta e nove dias até que, em 26 de outubro, o município foi efetivamente instalado, com uma grande festa na cidade. (BATISTA, 2018, p. 34). Então, a rigor, a emancipação de Pojuca se deu de fato em 26 de outubro de 1913, pois foi nesta data que a cidade teve efetivamente seu prefeito (intendente) e seus vereadores (conselheiros) empossados. Neste dia, a cidade se vestiu para festa, suas ruas foram enfeitadas, a grande comitiva do governador veio a Pojuca e o povo comemorou sua emancipação. Neste dia, a principal rua da cidade, a Rua da Passagem, passou a se chamar Rua J. J. Seabra, em homenagem ao governador da época. No dia seguinte à festa, o Jornal Gazeta de Notícias estampava em sua capa: Diz-se que foi um dia cheio o de ontem para os que formam a Pojuca. (...) Que o deputado Carlos Pinto estava radiante, sendo realizado seu velho sonho – de Pojuca município, dirigindo os seus próprios destinos, sem perder, contudo, a boa amizade de Catu. (...) o Dr. Seabra, ilustre e honrado governador, deve ter ficado muito satisfeito, pois que lhe foi feita na Pojuca uma manifestação bastante carinhosa, a que se associou com o verdadeiro entusiasmo de todo povo do lugar12 . Nos anos seguintes, a festa da emancipação continuou sendo no dia 26 de outubro. Não se sabe ao certo, mas provavelmente, só no fim da década de 1940, depois da queda de Getúlio Vargas é que as comemorações passaram a ser em 29 de julho e permanece até hoje. A cidade permaneceu sob o comando de Carlos Pinto até 1927. Entre 1927 e 1930 o 8 Gazeta de Notícias, Salvador, edição de 10 de setembro de 1913. 9 Gazeta de Notícias, Salvador, edição de 12 de setembro de 1913 10 Equivalente, hoje, ao cargo de Prefeito. 11 Equivalente, hoje, à Câmara Municipal de Vereadores. 12 Jornal Gazeta de Notícias, edição de 27 de outubro de 1913 Coronel Carlos Pinto
  • 10. comando da intendência (prefeitura) passou para Raymundo de Sant’Ana. Foi no governo de Sant’Ana que o paço municipal (prédio da prefeitura) foi inaugurado e a sede do poder executivo e legislativo saiu da Rua J.J. Seabra e foi para a nova sede. Ainda no governo dele foram inauguradas as pontes do Pau’Darco e da Mariquita, dentre outras obras. O governo de Raymundo de Sant’Ana foi interrompido com golpe de 1930 que implantou a ditadura de Getúlio Vargas. Paço Municipal, inaugurado em 1928 A partir de 1930, o município passou por um longo período de instabilidade política por causa da ascensão ao poder do Presidente Getúlio Vargas. Durante toda a Era Vargas (1930-1945) Pojuca passou a ter os seus prefeitos indicados (não mais eleitos pelo povo) pelo interventor federal na Bahia. Essa situação perdurou até que: Em 1947, acontece a primeira eleição depois da nova Constituição e são escolhidos os novos governadores estaduais, dentre eles Octávio Mangabeira, que fora eleito pela União Democrática Nacional (UDN) governador da Bahia. Saía, então, a figura do interventor e, aos poucos, a democracia ia se estabelecendo. Como a Constituição de 1946 assegurou também a eleição para prefeitos nos municípios, em 21 de dezembro de 1947, Pojuca elegeu seu primeiro prefeito: Antônio Motta. Aquela eleição marca definitivamente o início da caminhada democrática no município. Aquela fora a primeira eleição em que o direito ao voto estava assegurado para todos os cidadãos a partir dos dezoito anos. Em 18 de janeiro de 1948, o novo prefeito foi empossado. No fim daquele
  • 11. mesmo ano, Motta pediu afastamento do cargo por motivos pessoais e, em 22 de dezembro de 1948, assumiu interinamente a prefeitura o presidente da Câmara13 , José Martins Valverde, que permanece por seis meses no cargo, até 22 de junho de 1949, quando Antônio Motta reassume para a última parte do seu mandato que não chegaria até o fim, pois seria interrompido tragicamente em 25 de fevereiro de 1950 (BATISTA, 2018, pp. 53-54). Assim, Antônio Motta foi o primeiro prefeito democraticamente eleito depois da Era Vargas, o que marcaria uma nova fase na política local. Contudo, devido a um desentendimento de Motta com um fazendeiro por conta de uma ponte, o prefeito acabou sendo assassinado na estação de trem de Mata de São João. Seu assassino, o tenente-coronel, médico do exército, Aurélio Seabra Veloso, valendo de sua condição de militar sequer foi preso. O acontecimento, segundo os jornais da época, causou grande comoção na comunidade de Pojuca. Essa tragédia marcou o fim da primeira metade do século XX na história de Pojuca. Foto: Jornal A Pojuca, edição de Março/Abril de 1957 Atividade: agora responda no seu caderno. 1. Quais os principias acontecimentos que contribuíram para que o distrito de Pojuca se tornasse cidade? 2. Porque que é importante um distrito se tornar cidade? Qual o ganho para a população quando isso acontece? Quem sustenta o poder público de uma cidade é o líder político ou o povo? 3. Enumere os primeiros vereadores (conselheiros) eleitos de Pojuca e enumere também os atuais vereadores, destacando quem foi o presidente da câmara daquela época e quem é hoje? 4. Em 1950 o prefeito de Pojuca foi assassinado em Mata de São João. Na sua opinião, como está a questão da violência hoje em Pojuca? Você lembra de algum político que foi assassinado recentemente em Pojuca? 13 Como previa a Lei Orgânica dos Municípios (Lei nº 140 de 22 de dezembro de 1948) Ficou curioso? Para saber mais sobre a história de Pojuca, visite a biblioteca de sua escola e leia o livro: Pojuca: o Arraial da Passagem
  • 12. 5. Responda a cruzadinha com as informações a seguir: 1. Importante produto da pecuária pojucano do início do século XX; 2. Em 26 de outubro de 1913 os eleitos foram: 3. Sobrenome do governador que veio a Pojuca no dia de sua emancipação; 4. Importante produto da agricultura pojucana do início do século XX; 5. Depois de se tornar distrito no século XIX, em 1913 Pojuca se tornou: 6. Produto da mandioca; 7. Quem sustenta com seus impostos a estrutura político-administrativa de uma cidade; 8. Nome do segundo prefeito de Pojuca; 9. Primeiro deputado de Pojuca; 10. Município ao qual Pojuca era subordinada; 11. Mês em que se comemorava a emancipação política de Pojuca; 1 L E I T E 2 E M P O S S A D O S 3 S E A B R A 4 M A N D I O C A 5 M U N I C I P I O 6 F A R I N H A 7 P O V O 8 R A Y M U N D O 9 C A R L O S 10 C A T U 11 O U T U B R O 6. Leia o texto ao lado, pinte a Bandeira e o Brasão de Pojuca e depois recorte e cole no seu caderno. Você sabia? A Bandeira do município, ao lado do Brasão, compõem os Símbolos Oficias do município, marcas da identidade local e insígnias máximas dos poderes legalmente constituídos. Os dois símbolos expressam as cores vermelha, verde, amarelo, branco e preto. Vermelho (cor do vinho) = simboliza a alegria, o espírito festeiro, altivo e vibrante do povo pojucano; Verde (cor da floresta) = simboliza a cobertura vegetal do território municipal, a sua biodiversidade e a produção agrícola de Pojuca. Amarelo (cor do ouro) = simboliza a riqueza tanto natural quanto social da terra e do povo pojucano; Branco (cor da paz) = simboliza a harmonia e o espírito de paz cultivados pelo seu povo Preto (cor do petróleo) = simboliza a riqueza presente no subsolo do município: o ouro negro, o petróleo.
  • 13. REFERÊNCIAS BATISTA, João. Pojuca: o Arraial da Passagem. EGBA: Salvador, 2018. SANT’ANA, José Lemos de. Bambanga: Memórias, Volume I, Vozes, 1998. LEI 140 DE 22 DE DEZEMBRO DE 1948. Disponível em: https://governoba. jusbrasil.com. br/legislacao/85487/lei-140-48, acesso em 20/04/18.