Jornal final nov13

297 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal final nov13

  1. 1. 2 e Ética Dignidade Eleição CRC/RJ 2013 CHAPA 19 a 21 de novembro | 2013 COnheÇa QUeM SÃO e O QUe pRetenDeM OS integRanteS Da Chapa 2 A história recente da Contabilidade fluminense tem a marca Dignidade e Ética. Os avanços implementados pelo grupo, entre 1998 e 2009, são reconhecidos pela categoria. Por conta de divergências em relação à atual gestão, integrantes do grupo Dignidade e Ética formaram a Chapa 2, que se apresenta como oposição (saiba mais na entrevista da página 8) na eleição 2013 do Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro, com propostas que objetivam, principalmente, o fortalecimento da entidade e a valorização do profissional. Conheça cada uma delas e o perfil dos candidatos que integram a Chapa 2 na disputa por um novo mandato à frente CRC/RJ. Capacitação é prioridade A formação profissional é uma das principais metas da Chapa 2, com a oferta de cursos multidisciplinares. pág. 6 págs. 2 a 5 apoio total aos técnicos entrevista com Carlos de La Rocque Profissional conceituado, eleito Contabilista do Ano em 2007 e atual Presidente da Jucerja, Carlos de La Rocque é um dos fundadores do grupo Dignidade e Ética. Agora, se lança de corpo e alma à campanha eleitoral do CRC/RJ. Saiba um pouco mais sobre suas ideias. pág. 8 Às vésperas de uma mudança histórica para o segmento, os Técnicos em Contabilidade terão apoio irrestrito da Chapa 2. pág. 7
  2. 2. Conheça a Chapa 2 Dignidade e Ética O grupo Dignidade e Ética esteve à frente • Carlos Magno Caetano do CRC/RJ pela primeira vez em 1998. NaContador e Analista de Conquela época, descontentes com os rumos trole Interno da Sefaz, com do Conselho, profissionais dos mais diverexperiência em Administração sos segmentos da categoria decidiram se Financeira na área pública. É unir para promover uma mudança sem prePerito Contábil e Conselheiro do CRC/RJ, onde coordena a cedentes na história da entidade. De lá para Comissão de Perícias. cá, os avanços promovidos pelo grupo são visíveis. Para retomar a rota ascendente de • Flávio da Silva Poggian valorização profissional e fortalecimento do Contador, pós-graduado em órgão, o grupo volta a disputar a direção do Gestão da Administração Pública, CRC/RJ com uma saudável mistura de expreside a Associação Comercial e periência e jovialidade entre os candidatos. Industrial de Rio das Ostras e, desConfira quem é cada um deles. de 2008, é Conselheiro do CRC/RJ. Para Membros Efetivos • Carlos de La Rocque Contador e Palestrante, é Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja). Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis e do CFC, presidiu o CRC/RJ de 1998 a 2001. Sócio da La Rocque Contadores Associados. • Ana Claudia Lima Corrêa Contadora, pós-graduada em Gestão Pública pela UFRJ, é Servidora da Secretaria de Fazenda, com experiência na área de Controle Interno, e Conselheira efetiva do CRC/RJ. • Carlos Alberto do Nascimento Contador, Economista, pós-graduado em Contabilidade e Auditoria pela Faculdade Moraes Júnior e mestre pelo Ibmec, é Conselheiro do CRC/RJ desde 1998 e Sócio da empresa Fator. • Carlos Eduardo Inácio Ribeiro Contador, mestre em Ciências Contábeis pela Uerj, é Professor da UFF e Conselheiro do CRC/RJ. Já foi Secretário e Subsecretário de Controle Interno e Administração em vários municípios. 2 Sócio da Poggian Contabilidade. • Francisco Carlos Rubens Sendra Contador, Advogado e Engenheiro Civil, foi Delegado do CRC/RJ em Duque de Caxias. Foi Conselheiro do CRC/RJ de 2000 a 2004 e é sócio da SK Assessoria e Consultoria Contábil. • João Bosco Lopes Contador, Vogal da Jucerja e Conselheiro do CRC/RJ, onde exerce o cargo de Vice-Presidente da Câmara de Fiscalização, Ética e Disciplina. É autor de diversas publicações de interesse da classe Contábil. • Antônio César Lins Cavalcanti Contador, mestre em Ciências Contábeis pela UFRJ e pós-graduado em Gestão pela Qualidade Total Aplicada à Administração Pública pela UFF. Desde 2010, é Controlador -Geral do Município do Rio. • João Antonio da Silva Cardoso Contador, formado em Economia e Direito, mestre em Sistema de Gestão com ênfase na Qualidade, com pós em Contabilidade Empresarial, atua na Petrobras e é professor da FGV e Trevisan. • Regina Célia Vieira Ferreira Contadora, pós-graduada em Gestão Pública pela UFRJ, é Servidora da Sefaz. No CRC/ RJ, foi eleita para o mandato de 2006/2009 e reeleita para o atual mandato (2010/2013). Exerce a Vice-Presidência Operacional. • Ester Pidervasser Técnica em Contabilidade e Pedagoga, é Conselheira do CRC/RJ desde 2006. Participou de diversas comissões especiais, além de ser Membro Suplente do Conselho Consultivo da Sedeis. • Jorge Leitão Falcão Técnico em Contabilidade e Empresário Contábil desde 1971, é Conselheiro do CRC/RJ, Vogal Suplente da Jucerja e Membro do Conselho Fiscal da Associação Comercial de Nova Iguaçu. • José da Silva Puglia Técnico em Contabilidade, é um dos Conselheiros do CRC/ RJ, onde integra a Comissão de Ação Social. É Diretor do escritório Contábil José Puglia, em Campos dos Goytacazes. • Hélio Cezar Donin Jr. Técnico em Contabilidade e Diretor da Donin Contabilidade, é Presidente da 1ª Turma de Vogais da Jucerja. Coordena o Comitê Societário do Sescon-RJ e é Professor do MBA da UFF. • Rosimeri Moreira de Andrade Técnica em Contabilidade, é Conselheira do CRC/RJ, Diretora da Associação Comercial e Empresarial da Região de Bangu (Acerb) e Presidente do Conselho da Mulher Empresária (CME). Foi Diretora do Sescon-RJ de 2004 a 2013.
  3. 3. PARA MEMBRoS SUPLENtES • Alexandre Fernandes de Marins • Ril Moura Contador e Economista, pós-graduado em Ciências Contábeis e Administração de Empresas, é professor da UFRJ. Sócio da Florentino Auditores Independentes, Perito Judicial e Conselheiro do CRC/RJ. • Eugenio Manuel da Silva Machado Contador, é Auditor-Geral do Poder Executivo do Estado há dez anos e Analista de Controle Interno da Sefaz desde 1994. Fundador e Membro do Conaci, tem pós-graduação em Controle Interno e Externo pela Uerj. • Valmir Moreira Quito Contador, cursando pós-graduação em Controladoria e Finanças pela Faculdade Moraes Júnior - Mackenzie Rio, foi Conselheiro do CRC/RJ no período 2006/2009. É Diretor do Sindicont RJ. • Francisco Pereira Iglesias Contador, pós-graduado em Gestão Pública com ênfase em Finanças e Controle Interno pela UFRJ, implantou o Controle de Riscos Operacionais na AgeRio. Desde 2011, é Contador-Geral do Estado. • Paulo Cesar de Castro Contador da Controladoria-Geral do Município do Rio de Janeiro, é Presidente da Tomada de Contas Especial (TCE), Professor da Uerj e Palestrante. • Celso Barbosa de Lima Contador da Uenf e professor, é pós-graduado em Gestão Escolar, com MBA em Marketing. É Conselheiro do CRC/RJ desde 2005 e integra as comissões da Ação Social e da Câmara de Análise de Processos. Contador e Técnico em Administração de Empresas, atua no ramo da Contabilidade há 25 anos. É Consultor de Empresas e Diretor da Alexandre Marins Contabilidade. • Vitor Hugo Feitosa Golçalves Contador e Consultor de Empresas nas áreas Tributária e Financeira, tem MBA em Finanças pelo Ibmec e em Gestão Tributária pela Trevisan. Sócio-Diretor da empresa MS Gonçalves. • Márcia Andréa dos Santos Peres Contadora concursada na Controladoria-Geral do Município do Rio de Janeiro, é Assessora-Chefe da Assessoria Técnica de Estratégia e Relações Institucionais de Controle. • Gislane de Menezes Costa Contadora, doutoranda em Engenharia de Produção pela Coppe/UFRJ e mestre em Ciências Contábeis, com ênfase em Finanças, pela Uerj, é Professora assistente da UFRJ nos cursos de graduação e pós-graduação. • Andréa Cristina Monteiro da Luz Frickmann Contadora, Ex-Sócia do escritório Contábil Aldebarã (1991 a 2009), Vogal Suplente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (2007 a 2011) e Ex-Conselheira do CRC/RJ. • Marluci Azevedo Rodrigues técnica em Contabilidade e Advogada, é pós-graduada em Direito Corporativo pelo Ibmec. Foi Conselheira do CRC/RJ por dois mandatos, atuando nas áreas Contábil e de Consultoria Tributária. • Vagner Moreira Quito técnico em Contabilidade, especializado nas áreas de Hotelaria e Construção Civil. Membro do Conselho de Contribuintes do Município de Angra dos Reis e do CRC/RJ. • Alcimar Alves Custódio técnico em Contabilidade fixado em Campos, já dirigiu o Sindicato dos Contabilistas daquele município. Sócio do escritório que leva seu nome, cursa Perícia Judicial e Docência Superior. • Magno Pacheco de Andrade técnico em Contabilidade, bacharel em Administração de Empresas, Análise de Sistemas e Informação, é Sócio da MPA Gestão e Administração da Informação há 19 anos. • José Américo dos Santos técnico em Contabilidade e Advogado, é Presidente da Associação dos Contabilistas de Rio Bonito, Itaboraí, Tanguá e Silva Jardim. Foi Delegado do CRC/RJ em Rio Bonito. • Ubiraja de Barros Junior Contador, Advogado e Perito Contábil, é Membro do Alto Conselho da Associação dos Peritos Judiciais do Estado do Rio de Janeiro. Integra a Comissão de Perícia Contábil do CRC/RJ. CHAPA 2 3
  4. 4. propostas De 19 a 21 de novembro de 2013, será realizada a eleição para o Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro (CRC/RJ). A Chapa 2 Dignidade e Ética vai fazer muito pela entidade. Confira as propostas: • Web Dinamização do atendimento aos profissionais da Contabilidade, junto ao CRC/RJ e Delegacias, com o aumento do atendimento via internet, a fim de facilitar o seu dia a dia. CHAPA 2 • treinamento • técnico em Contabilidade Capacitação gratuita dos profissionais da Contabilidade das áreas pública e privada, com treinamento teórico e prático, bem como ensino a distância e cursos em outras áreas de conhecimento, a fim de melhor preparar o profissional para o mercado. Intensificação dos cursos e eventos pelo estado. Gestão junto ao Conselho Federal de Contabilidade (CFC), visando proporcionar alternativas para os formados como Técnicos em Contabilidade (que não conseguirão o registro profissional a partir de 01/07/2015) terem condições de exercer a profissão. • Mobilização acadêmica Incentivo aos profissionais em programas de pós-graduação e mestrado e às instituições de ensino em pesquisas voltadas para a área Contábil. Motivação, por meio de premiações, dos alunos de graduação e mestrado na produção de trabalhos para participar dos eventos da classe. • Interatividade Reativação da ouvidoria e criação de gestão compartilhada, com a participação ativa do profissional da Contabilidade junto ao CRC/RJ, em canal próprio, com foco na busca de soluções de interesse da categoria. • Agilização do atendimento Atendimento personalizado aos profissionais da Contabilidade, mediante agendamento nos departamentos, para resolver questões no CRC/RJ. Modernização no serviço de atendimento aos profissionais, com instalação de terminais de autoatendimento e sala de espera confortável. 4 • tecnologia Utilização de videoconferência para maior alcance das palestras. Busca de novos recursos tecnológicos para disponibilizar as informações para um maior número de profissionais. • Campanhas nas instituições de ensino Divulgação, nas escolas de ensino médio e superior, da profissão Contábil, através de vídeos e palestras, com distribuição de material. • Fiscalização do leigo Intensificação do combate ao trabalho irregular de profissionais de outras áreas em vagas específicas da Contabilidade. • Fiscalização preventiva Fiscalização com fins de orientação, visando mostrar ao profissional quais são suas obrigações e deveres.
  5. 5. • Banco de emprego • Campanhas na mídia • Show do Contabilista Divulgação de oportunidades de trabalho no site do CRC/RJ e também por meio do envio de boletins eletrônicos aos profissionais da Contabilidade. Melhorar a imagem do profissional da Contabilidade, através de campanhas nos jornais, rádios e TVs. Além de uma atuação mais ativa na defesa da profissão. Retorno do evento criado pelo grupo Dignidade e Ética há alguns anos, além de celebração da profissão e lazer. O show é uma iniciativa de responsabilidade social. O ingresso será 1 kg de alimento não perecível, a ser doado a instituições sociais cadastradas pelo CRC/RJ. • Auxílio aos profissionais em dificuldade • ID profissional Foco em ações sociais direcionadas aos profissionais que estão passando por graves problemas de saúde e de finanças. Realização de gestão junto ao Conselho Federal de Contabilidade (CFC), visando incluir em nossa carteira de identidade profissional o tipo sanguíneo, fator RH e a opção de doador de órgãos. Informações que podem salvar vidas, em situação emergencial. • Parcerias com órgãos governamentais Estreitamento do relacionamento com os órgãos públicos (Receita Federal, Secretarias de Fazenda Estadual e Municipais), a fim de obter atendimento diferenciado ao profissional. • MP e controles Buscar maior interação com os órgãos de controle interno e externo (Federal, Estadual e Municipal) e Ministério Público, promovendo debates e trocas de experiências entre as entidades. • Seguro • Legislativo Atuar junto ao Poder Legislativo (Federal, Estadual e Municipal), a fim de: a) Adequar a legislação eleitoral para que as prestações de contas de candidatos majoritários ou proporcionais sejam, obrigatoriamente, elaboradas por profissionais da Contabilidade; Elaboração, com uma grande companhia de seguros ou mesmo um pool de companhias, de projeto para a contratação de seguro que cubra os riscos profissionais, e com custos acessíveis à maioria dos profissionais da Contabilidade. b) Fortalecer o Controle Interno (pela aprovação da PEC 45/2009) e Externo, enfatizando a importância do profissional da Contabilidade nessas áreas; c) Revisar as legislações que atribuem responsabilidade excessiva aos profissionais da Contabilidade. • Transparência Divulgação no site do CRC/RJ de todos os atos normativos e de gestão (receita e despesa). • Auditório Construir um auditório para 200 pessoas em um dos andares desocupados do prédio-sede do CRC/RJ, para a realização de eventos técnicos e socioculturais. 5
  6. 6. o que achou de nossas propostas? Envie sugestões e críticas para: contato@dignidadeeetica.com.br Vamos juntos construir um CRC/RJ melhor para todos. Participe! Mais informações em: http://dignidadeeetica.com.br https://www.facebook.com/ChapaDignidadeEEtica https://twitter.com/dignidadeetica https://www.youtube.com/dignidadeeetica Capacitação é palavra de ordem Foco na formação multidisciplinar do Contabilista Os cursos do CRC/RJ vão intensificar o caráter multidisciplinar. A Chapa 2 Dignidade e Ética tem o compromisso de levar aos profissionais as informações necessárias para que as mudanças ocorridas no mercado sejam amplamente conhecidas. Um exemplo é a International Financial Reporting Standards, normas internacionais de Contabilidade que estão sendo implantadas no Brasil, sob a sigla IFRS. “Queremos oferecer cursos ainda mais aplicativos. Hoje os programas mostram muita teoria...” A capacitação não pode se restringir ao conhecimento Contábil. Os programas devem capacitar o profissional integralmen- Em um mercado cada vez mais competitivo, o aperfeiçoamento profissional torna-se imperativo, especialmente em atividades dinâmicas, como a Contabilidade. Por isso, capacitação é palavra de ordem para a Chapa 2 Dignidade e Ética, o que pôde ser observado no decorrer do período em que o grupo estava à frente do CRC/RJ, quando foi priorizada a formação, com a oferta de diversos programas, tanto diretamente quanto por meio de parcerias com instituições reconhecidas. 6 Hoje, 12 mil alunos estão matriculados, mas a meta é que este número seja ampliado. As propostas da Chapa 2 para o próximo mandato incluem capacitação gratuita dos profissionais da Contabilidade das áreas pública e privada, com treinamento teórico e prático. Outro segmento que vai receber reforço é o do ensino a distância, ferramenta cada vez mais utilizada para driblar as barreiras de mobilidade e tempo que atravancam a formação. te para os desafios do seu dia a dia. “Queremos oferecer cursos ainda mais aplicativos. Hoje os programas mostram muita teoria, acho que precisamos de uma abordagem mais prática, fazendo com que as pessoas executem a Contabilidade e não fiquem ouvindo como ela é”, defende Carlos de La Rocque. interiorização e tecnologia para chegar a todos Entre as metas da Chapa 2 para a área de treinamento e capacitação está a intensificação de cursos e eventos pelo estado, ampliando a capilaridade dos programas. O grupo Dignidade e Ética também quer incentivar a pesquisa na área Contábil, por meio de premiações para alu- nos de graduação e mestrado na produção de trabalhos. E na era da tecnologia, é natural que a Chapa 2 tenha incluído em suas propostas a utilização cada vez maior de recursos para ampliar o alcance das palestras oferecidas aos associados, como as videoconferências.
  7. 7. apoio integral aos técnicos em momento histórico Os profissionais da Contabilidade vivem a expectativa de uma mudança histórica: a partir de 2015, os cursos técnicos não mais servirão para habilitar o formando à escrituração contábil de uma empresa – e, na prática, ao próprio exercício da profissão. Para os integrantes da Chapa 2 Dignidade e Ética, o CRC/RJ terá um papel fundamental nesse processo, assegurando que nenhum dos profissionais que já atuam na área seja lesado. Uma das propostas da chapa voltada diretamente para os Técnicos – que representam hoje 40% do quadro do CRC/RJ – é promover uma intensa articulação junto ao Conselho Federal de Contabilidade (CFC), visando proporcionar alternativas para que os Técnicos tenham condições de exercer a profissão. Membro do grupo Dignidade e Ética desde sua forma- ção, Antonio Miguel Fernandes ressalta que o Técnico em Contabilidade tem um peso significativo na categoria, principalmente como uma grande parcela da mão de obra dos escritórios de Contabilidade. “Como Vice-Presidente de Registro Profissional do Conselho Federal de Contabilidade, levantei as minhas preocupações e já há um movimento interno para criação de um Grupo de Trabalho dedicado a estudar a matéria”, antecipa. Com 25 anos de atuação na área, o Técnico em Contabilidade Helio Donin Jr. é um dos integrantes da Chapa 2 e reitera a importância do momento. “Temos pela frente toda uma adaptação à nova legislação e o Conselho precisa ficar atento a essa mudança, para não prejudicar os Técnicos que já possuem registro e têm seus direitos assegurados por lei.” eu ap oio a CHAP A Digni da 2 de e Ética Como consequência da seriedade do trabalho desenvolvido pelo grupo Dignidade e Ética frente ao CRC/RJ, diversos colegas já manifestaram publicamente seu apoio à Chapa 2. Veja quem são alguns deles: • Antonio Miguel Fernandes, Vice-Presidente de Registro Profissional do CFC e Superintendente da Área de Controle do BNDES. • Claudio Vieira Santos, Contador, Professor, Consultor de Empresas e Conselheiro do CRC/RJ. • José Carlos oliveira de Carvalho, Conselheiro Suplente do CFC, Contador/Auditor do TCE-RJ, Auditor Fiscal do Exército Brasileiro, Técnico em Contabilidade da Prefeitura do Rio de Janeiro e Professor do IBMEC, FGV, PUC e CRC/RJ. • Hésio Cesar de Souza Maciel, Contador e Administrador, é Conselheiro certificado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa e Ex-Diretor-Presidente do Instituto Brasileiro de Contabilidade e do Instituto Presbiteriano Mackenzie. • José Augusto de Carvalho, Ex-Presidente do Sindicato dos Contabilistas de Niterói, CRC/RJ, Sescon-RJ, Federação dos Contabilistas do RJ, ES e BA e Confederação Nacional das Profissões Liberais. • Raimundo Aben Athar, Diretor-Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças no TJ-RJ e Professor da FGV, Ucam, Ambima, Suesc e CRC. • Edmilson Lins Machado, Sócio da LMF-Consultores Associados Ltda e Professor da Faculdade Moraes Júnior - Mackenzie Rio, UniverCidade, UCB, Ucam e CRC/RJ. • André Limeira, Professor do IDE/FGV e Coordenador Acadêmico dos MBAs em Gestão Empresarial e Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria da FGV. • Helio Cezar Donin, Presidente do Conselho Fiscal do Clube de Regatas Vasco da Gama, Ex-Presidente da Unipec e do Sescon-RJ, e Ex-Diretor da Fenacon. • oswaldo Alves de Mattos, Contador, Membro da Academia Nacional de Economia, Ex-Presidente e Ex-Conselheiro do CRC/RJ. • Regina Fátima Vieira Santos, Gerente Financeira da CET-Rio, Ex-Conselheira do CRC/RJ, Superintendente de Administração Financeira e Assessora de Orçamento da SEE. 7
  8. 8. • Manuel Messias Pereira Lima, Advogado, Contador, Membro da Academia Nacional de Economia e Ex-Conselheiro do CRC/RJ. • Ramires Rodrigues, Presidente da Associação Cabofriense de Contabilidade de Cabo Frio, Arraial do Cabo e Armação dos Búzios (APCCAA). • Lindberger Augusto da Luz, Conselheiro do Sescon-RJ e Sócio-Diretor da Aldebarã Contabilidade. • Caetano Andrade, Professor da Faculdade de Direito da Uerj e Coordenador do Instituto Caetano Andrade. • Julio Sergio Cardozo, Contador, Administrador, Conferencista, Consultor de Empresas e Professor da Uerj. • Adenilton de oliveira Infante, Contador Privado e Auditor Público da Prefeitura Municipal de Itaperuna. • Paulo Roberto Patuléa, Empresário Contábil e Secretário Municipal de Fazenda de Petrópolis. • Michelle Poggian, Secretária de Controle Interno do Município de Casimiro de Abreu. • Alex Sotero, Contador e Períto Trabalhista, Sócio da Fox Auditoria e Consultoria. • Fabiano Simões Coelho, Coordenador de cursos de MBA da FGV. • Rodrigo Ramos, Professor de Contabilidade e Controladoria da UFF. • Cesar Augusto Barbiero, Secretário Municipal de Fazenda de Niterói. • Alice Paiva, Contadora da CPM Serviços Contábeis, em Mendes. • Antônio de Sousa Filho, Contador e Sócio da Caran Serviços Contábeis. • José Romeu Garcia Bastos Junior, Contador e Fundador da JR Contabilidade. • Sergio Gonçalves da Costa, Profissional da Contabilidade de Nova Iguaçu. • Sérvulo Mendonça, Contador e Sócio-Diretor do Grupo Insigne. • Waldenir Pimentel Nascif Júnior, Contador e Consultor. • Waldenir Pimentel Nascif Júnior, Contador e Consultor. • Marcelo Auad, Contador e Perito na área Cível. • Sandra Mara de Lima, Contadora. • Robson Gonçalves da Silva, Contador. • Roberto Gonçalves, Contador. entrevista com Carlos de La Rocque Como o senhor avalia o atual cenário da Contabilidade? Há mudanças substanciais em todos os conceitos de registros de Contabilidade, na busca do País pela adequação às normas de contabilização internacional, que é o IFRS, inclusive para as pequenas e médias empresas. Este é um processo que requer atualização e melhoria da qualidade dos profissionais, o que acredito que seja o papel mais importante do Conselho atualmente. A formação técnica está acabando. Como o CRC/RJ pode atuar nessa transição? Sabemos que as ações partem do Conselho Federal, mas podemos buscar apoio. Agora, por exemplo, foi aprovado um projeto em uma das comissões do Congresso estabelecendo que os conselhos tenham no mínimo um representante dos Técnicos de Contabilidade. Pode contar que eles só terão um representante mesmo. É injusto! No Rio de Janeiro, por exemplo, eles representam 40% de todos os profissionais de Contabilidade. No mínimo deveria ser respeitada a proporcionalidade. Fale um pouco sobre a sua experiência no CRC/RJ. Fui Presidente por quatro anos. Até agora, era Conselheiro Suplente, atendendo a convite. Achava que a minha atividade no Conselho tinha acabado. Desde que fui eleito pela primeira vez, em 1998, o grupo Dignidade e Ética sempre esteve à frente do CRC/RJ, até haver esse racha que ninguém sabe de onde partiu. É um racha que não tem pai. Sempre criticamos a falta de unidade e conseguimos fazer das nossas administrações pontes em prol da categoria. É uma coisa que precisa ser reconstruída. Decidi voltar para trabalhar na reconstrução dessas pontes, o que requer pessoas com experiência e prestígio. Por que ocorreu o racha entre o Grupo Dignidade e Ética e a gestão atual? Quais são as divergências em relação à atual gestão? Ambições pessoais; ambições político-partidárias; falta de espaço, já que perderam as eleições para a Federação dos Contabilistas dos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia; e falta de palavra com compromisso assumido anteriormente. Nossa principal divergência está centrada no foco de nossa chapa, que está voltado aos interesses da categoria - Técnicos e Contadores - enquanto a chapa da situação está mais relacionada a projetos pessoais. Por que ser Conselheiro? Meu pai foi Conselheiro e herdei essa vontade dele. A vida me deu o que tenho hoje. Se fui nomeado pelo Governador como Presidente da Jucerja, foi porque sou, antes de tudo, Contador. Acho que, sem nenhuma demagogia, precisamos retribuir. Quais os desafios para uma próxima gestão? O maior deles é criar as pontes de novo. Ninguém vai para uma campanha eleitoral achando que não vão surgir arestas. Mas em determinado momento, elas deverão ser aparadas. Temos que tentar unir a categoria de novo e acho que nós temos capacidade para isso. É nossa principal meta. Produção editorial: MPF Comunicação – Midiática: Palavra & Foco. | Diagramação: GFD marketing | design 8

×