SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
CO MEMORAÇÃO DO DIA
              O CEGO E A ESCOLA                                         M UNDIAL DO BRAILLE
                                                                        4 DE J ANE I RO DE 2 01 0


O professor terá que estar devidamente preparado para acolher
entre os seus alunos uma pessoa cega. Deverá ter para com este
um comportamento o mais natural possível; isto significa que não
deverá super proteger o cego ou, pelo contrário, marginalizá-lo.


O papel do professor assume primordial relevância no que respeita à
sensibilização que este deverá desenvolver junto das demais crian-
ças. Deverá chamar-lhes a atenção para o facto de que o compa-
                                                                      Como Ajudar
nheiro cego é uma criança normal com certas diferenças e limita-
ções, consequentemente as crianças deverão tratá-lo de igual para
                                                                          Um
igual, fazendo os possíveis para o integrar nas suas brincadeiras.
                                                                         Cego
É conveniente alertar as crianças para que determinado tipo de
palavras ditas causticamente ao cego podem ser extremamente
traumatizantes e produzir efeitos psicologicamente negativos que
reflexivamente poderão implicar fenómenos condicionantes, defor-
mando a sua vida futura.


O professor também deverá aconselhar aos seus alunos determina-
das regras de actuação para com os cegos, a fim daqueles adquiri-
rem determinado tipo de comportamento nos seus hábitos diários
que lhes facilitará, ao longo da sua vida, um relacionamento mais
adequado às necessidades sentidas pelos cegos.


Se incutir determinado tipo de normas no comportamento normal
das crianças vulgares, é evidente que, futuramente, as pessoas
estarão muito mais qualificadas para actuar ajustadamente quando
se lhes depara a necessidade de ajudar uma pessoa cega.


                        in Secretariado Nacional de Reabilitação,
                                     Colecção Folhetos SNR n.º4
COMO LIDAR COM UM CEGO NO DIA-A-DIA                                                   EXPRESSÕES A EVITAR                                        Quando chega junto a degraus, o cego geralmente gosta de ser infor-
                                                                                                                                                 mado se eles se encaminham em sentido ascendente ou descenden-
                                                                           Evite expressões de piedade porque os cegos, como as outras pes-      te. Nestes momentos nunca se deve dizer ao cego quantos degraus
                                                                       soas, geralmente ressentem-se disso; também é de evitar quaisquer         vai subir ou descer porque um erro de cálculo pode ocasionar aciden-
Frequentemente, as pessoas sem                                 defi-
                                                                       considerações sentimentais acerca da cegueira ou referências a ela        tes graves; seja muito escrupuloso quando estiver a indicar o caminho
ciência interrogam-se sobre a maneira mais correcta de lidar com
                                                                       como um tormento; não só irrita aqueles que já se adaptaram à sua         a um cego.
cegos. A primeira ideia a reter é que os cegos são pessoas vulga-
                                                                       deficiência como por outro lado, deprime e aflige aqueles que estão a
res. As suas virtudes, aptidões e defeitos são coincidentes com as                                                                               Tenha muito cuidado em não se enganar indicando que o caminho é
                                                                       caminho dela.
das outras pessoas. É incorrecto pensar à partida que o cego é um                                                                                para a esquerda, quando efectivamente é para a direita, ou vice-versa.
super dotado ou pelo contrário um atrasado mental.                     Evite também expressões de espanto quando algum cego executar uma         Um erro desta natureza, que facilmente ocorre, poderá causar gran-
                                                                       das muitas tarefas usuais da vida; é preciso lembrar-se de que, o que é   des percalços ou, em certas circunstâncias, até acidentes
Na verdade, a maioria dos cegos são pessoas de aptidões médias,
                                                                       muitas vezes atribuído ao chamado sexto sentido, não é mais do que
o que significa que se enquadram no padrão normal do cidadão
                                                                       uma simples utilização de bom senso.
comum. Assim sendo, quando estiver a lidar com uma pessoa
cega trate-a como trataria qualquer cidadão comum. Fale-lhe direc-                                                                               Deve-se sempre tomar cautela ao fechar a porta de um veículo, quan-
tamente e não por interposta pessoa; empregue um tom de voz                                                                                      do nele se transporta um cego. Quando se abrir a porta de um veículo,
                                                                                                                                                 dever-se-á ser cuidadoso em verificar se não vem a passar junto ao
natural e não pense que ele tem algum grau de surdez. No seu                                FORA DE CASA
contacto com cegos não substitua as palavras «veja», «olhe» por                                                                                  mesmo uma pessoa cega, que poderá esbarrar nela.
expressões como «oiça», «apalpe», «verifique».
                                                                       Quando conduzir uma pessoa cega não procure com os seus movimen-          Quando estiver a conduzir uma bicicleta, moto ou qualquer outro veí-
                                                                       tos erguê-la. Muitos cegos preferem agarrar o braço do guia, mas isso     culo, tome precauções redobradas quando vir alguém munido de uma
Também não se coíba de utilizar as palavras cego e cegueira.
                                                                       nem sempre acontece. Por este motivo convém perguntar à pessoa            bengala.
A maioria dos cegos frequentaram escolas e têm em termos de            cega qual a sua preferência.

educação e cultura o mínimo indispensável para aceitar, sem se                                                                                   O cego precisa, regra geral, de ajuda para atravessar uma estrada ou
deixarem traumatizar, o uso das expressões anteriormente indica-                                                                                 uma rua. Quando o atravessar tente seguir a direito sempre que possí-
                                                                                                                                                            C O M E M O RA Ç ÃO DO D I A M U N D I A L D O BR A I L LE
                                                                                                                                                            4 DE J A NE IRO DE 2 0 10




das. É conveniente dar-se a conhecer quando se dirige a uma                                                                                      vel. Quando vir algum cego parado junto à borda de um passeio na
pessoa cega ou quando entra em qualquer compartimento onde se                                                                                    atitude de atravessar a rua não lhe faça perguntas inúteis como por
encontra um cego. Se não souber o seu nome ou por qualquer                                                                                       exemplo «quer atravessar para o outro lado?» Pergunte antes:
circunstância não se recordar no momento, toque no seu braço,                                                                                    «precisa de ajuda?»
levemente, para que assim saiba que a conversa é com ele.              Quando está a subir para um autocarro ou uma escada, coloque a mão
                                                                       do cego no corrimão, se ele estiver à sua procura. A ajuda desejada       Também não se deve gritar de longe para um cego com a intenção de
Depois de ter conversado com um cego é preciso informá-lo de
                                                                       varia de acordo com as pessoas. Ajude só na medida em que for neces-      alertá-lo para qualquer obstáculo. Só é admissível tal hipótese quando
que se vai retirar. Torna-se extremamente desagradável para um
                                                                       sário.                                                                    o objecto que eventualmente possa impedir o caminho do cego não
cego continuar a falar para uma pessoa que já não se encontra
                                                                                                                                                 seja detectável pela bengala; por exemplo, um toldo colocado a baixa
perto dele.
                                                                       .                                                                         altura.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Em Março Aconteceu

O Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as DiferençasO Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as Diferenças
lagunaedu
 
Atendimento ao cliente especial
Atendimento ao cliente especialAtendimento ao cliente especial
Atendimento ao cliente especial
Alexandre Martins
 
Cartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficienciasCartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficiencias
Cosmo Palasio
 
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
maria leonor rocha nobre
 
Assim sou eu
Assim sou euAssim sou eu
Assim sou eu
Ana Nunes
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela
laiscarlini
 

Semelhante a Em Março Aconteceu (20)

O Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as DiferençasO Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as Diferenças
 
Atendimento ao cliente especial
Atendimento ao cliente especialAtendimento ao cliente especial
Atendimento ao cliente especial
 
Manual de acessibilidade!
Manual de acessibilidade!Manual de acessibilidade!
Manual de acessibilidade!
 
Cartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficienciasCartilha como lidar com as deficiencias
Cartilha como lidar com as deficiencias
 
Manual Novos Rumos
Manual Novos RumosManual Novos Rumos
Manual Novos Rumos
 
Sensibilização deficiência visual
Sensibilização deficiência visualSensibilização deficiência visual
Sensibilização deficiência visual
 
21 de setembro lnpd
21 de setembro lnpd21 de setembro lnpd
21 de setembro lnpd
 
Ponto Cego - Koinonia
Ponto Cego - KoinoniaPonto Cego - Koinonia
Ponto Cego - Koinonia
 
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
 
Deficiências e Espiritismo
Deficiências e EspiritismoDeficiências e Espiritismo
Deficiências e Espiritismo
 
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUALCADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
 
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicaçãoSíndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
Síndrome de DOWN - guia de orientação e comunicação
 
A Cegueira
A CegueiraA Cegueira
A Cegueira
 
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
Dia internacional da pessoa com deficiência (grav.ecrã)
 
Assim sou eu
Assim sou euAssim sou eu
Assim sou eu
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela0520 incapacidades - Daniela
0520 incapacidades - Daniela
 
Ser diferente é normal
Ser diferente é normalSer diferente é normal
Ser diferente é normal
 
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheliLivreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
 

Mais de Madalena Joaninho

Mais de Madalena Joaninho (20)

Dia deficiencia powerpoint
Dia deficiencia powerpointDia deficiencia powerpoint
Dia deficiencia powerpoint
 
Cartaz dia be pdf
Cartaz dia be pdfCartaz dia be pdf
Cartaz dia be pdf
 
Em Março Aconteceu
Em  Março AconteceuEm  Março Aconteceu
Em Março Aconteceu
 
Em Março Aconteceu
Em Março AconteceuEm Março Aconteceu
Em Março Aconteceu
 
Em MarçO Aconteceu
Em MarçO AconteceuEm MarçO Aconteceu
Em MarçO Aconteceu
 
Em março aconteceu.1dot
Em março aconteceu.1dotEm março aconteceu.1dot
Em março aconteceu.1dot
 
Em Dezembro Aconteceu
Em Dezembro AconteceuEm Dezembro Aconteceu
Em Dezembro Aconteceu
 
Como ajudar umcego
Como ajudar umcegoComo ajudar umcego
Como ajudar umcego
 
Como ajudar umcego
Como ajudar umcegoComo ajudar umcego
Como ajudar umcego
 
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos ComercioAnálise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
Turma de Técnico de Comércio: análise dos inquéritos
Turma de Técnico de Comércio: análise dos inquéritosTurma de Técnico de Comércio: análise dos inquéritos
Turma de Técnico de Comércio: análise dos inquéritos
 
Escrever E Falar Com Regra Setembro
Escrever E Falar Com Regra SetembroEscrever E Falar Com Regra Setembro
Escrever E Falar Com Regra Setembro
 
Trabalho Feito Por Alunos Do 7º B
Trabalho Feito Por Alunos Do 7º BTrabalho Feito Por Alunos Do 7º B
Trabalho Feito Por Alunos Do 7º B
 
Fotosecoescolas
FotosecoescolasFotosecoescolas
Fotosecoescolas
 
Fotosecoescolas
FotosecoescolasFotosecoescolas
Fotosecoescolas
 
Resultadosquestionarios
ResultadosquestionariosResultadosquestionarios
Resultadosquestionarios
 
Porquequeremosserecoescola
PorquequeremosserecoescolaPorquequeremosserecoescola
Porquequeremosserecoescola
 

Em Março Aconteceu

  • 1. CO MEMORAÇÃO DO DIA O CEGO E A ESCOLA M UNDIAL DO BRAILLE 4 DE J ANE I RO DE 2 01 0 O professor terá que estar devidamente preparado para acolher entre os seus alunos uma pessoa cega. Deverá ter para com este um comportamento o mais natural possível; isto significa que não deverá super proteger o cego ou, pelo contrário, marginalizá-lo. O papel do professor assume primordial relevância no que respeita à sensibilização que este deverá desenvolver junto das demais crian- ças. Deverá chamar-lhes a atenção para o facto de que o compa- Como Ajudar nheiro cego é uma criança normal com certas diferenças e limita- ções, consequentemente as crianças deverão tratá-lo de igual para Um igual, fazendo os possíveis para o integrar nas suas brincadeiras. Cego É conveniente alertar as crianças para que determinado tipo de palavras ditas causticamente ao cego podem ser extremamente traumatizantes e produzir efeitos psicologicamente negativos que reflexivamente poderão implicar fenómenos condicionantes, defor- mando a sua vida futura. O professor também deverá aconselhar aos seus alunos determina- das regras de actuação para com os cegos, a fim daqueles adquiri- rem determinado tipo de comportamento nos seus hábitos diários que lhes facilitará, ao longo da sua vida, um relacionamento mais adequado às necessidades sentidas pelos cegos. Se incutir determinado tipo de normas no comportamento normal das crianças vulgares, é evidente que, futuramente, as pessoas estarão muito mais qualificadas para actuar ajustadamente quando se lhes depara a necessidade de ajudar uma pessoa cega. in Secretariado Nacional de Reabilitação, Colecção Folhetos SNR n.º4
  • 2. COMO LIDAR COM UM CEGO NO DIA-A-DIA EXPRESSÕES A EVITAR Quando chega junto a degraus, o cego geralmente gosta de ser infor- mado se eles se encaminham em sentido ascendente ou descenden- Evite expressões de piedade porque os cegos, como as outras pes- te. Nestes momentos nunca se deve dizer ao cego quantos degraus soas, geralmente ressentem-se disso; também é de evitar quaisquer vai subir ou descer porque um erro de cálculo pode ocasionar aciden- Frequentemente, as pessoas sem defi- considerações sentimentais acerca da cegueira ou referências a ela tes graves; seja muito escrupuloso quando estiver a indicar o caminho ciência interrogam-se sobre a maneira mais correcta de lidar com como um tormento; não só irrita aqueles que já se adaptaram à sua a um cego. cegos. A primeira ideia a reter é que os cegos são pessoas vulga- deficiência como por outro lado, deprime e aflige aqueles que estão a res. As suas virtudes, aptidões e defeitos são coincidentes com as Tenha muito cuidado em não se enganar indicando que o caminho é caminho dela. das outras pessoas. É incorrecto pensar à partida que o cego é um para a esquerda, quando efectivamente é para a direita, ou vice-versa. super dotado ou pelo contrário um atrasado mental. Evite também expressões de espanto quando algum cego executar uma Um erro desta natureza, que facilmente ocorre, poderá causar gran- das muitas tarefas usuais da vida; é preciso lembrar-se de que, o que é des percalços ou, em certas circunstâncias, até acidentes Na verdade, a maioria dos cegos são pessoas de aptidões médias, muitas vezes atribuído ao chamado sexto sentido, não é mais do que o que significa que se enquadram no padrão normal do cidadão uma simples utilização de bom senso. comum. Assim sendo, quando estiver a lidar com uma pessoa cega trate-a como trataria qualquer cidadão comum. Fale-lhe direc- Deve-se sempre tomar cautela ao fechar a porta de um veículo, quan- tamente e não por interposta pessoa; empregue um tom de voz do nele se transporta um cego. Quando se abrir a porta de um veículo, dever-se-á ser cuidadoso em verificar se não vem a passar junto ao natural e não pense que ele tem algum grau de surdez. No seu FORA DE CASA contacto com cegos não substitua as palavras «veja», «olhe» por mesmo uma pessoa cega, que poderá esbarrar nela. expressões como «oiça», «apalpe», «verifique». Quando conduzir uma pessoa cega não procure com os seus movimen- Quando estiver a conduzir uma bicicleta, moto ou qualquer outro veí- tos erguê-la. Muitos cegos preferem agarrar o braço do guia, mas isso culo, tome precauções redobradas quando vir alguém munido de uma Também não se coíba de utilizar as palavras cego e cegueira. nem sempre acontece. Por este motivo convém perguntar à pessoa bengala. A maioria dos cegos frequentaram escolas e têm em termos de cega qual a sua preferência. educação e cultura o mínimo indispensável para aceitar, sem se O cego precisa, regra geral, de ajuda para atravessar uma estrada ou deixarem traumatizar, o uso das expressões anteriormente indica- uma rua. Quando o atravessar tente seguir a direito sempre que possí- C O M E M O RA Ç ÃO DO D I A M U N D I A L D O BR A I L LE 4 DE J A NE IRO DE 2 0 10 das. É conveniente dar-se a conhecer quando se dirige a uma vel. Quando vir algum cego parado junto à borda de um passeio na pessoa cega ou quando entra em qualquer compartimento onde se atitude de atravessar a rua não lhe faça perguntas inúteis como por encontra um cego. Se não souber o seu nome ou por qualquer exemplo «quer atravessar para o outro lado?» Pergunte antes: circunstância não se recordar no momento, toque no seu braço, «precisa de ajuda?» levemente, para que assim saiba que a conversa é com ele. Quando está a subir para um autocarro ou uma escada, coloque a mão do cego no corrimão, se ele estiver à sua procura. A ajuda desejada Também não se deve gritar de longe para um cego com a intenção de Depois de ter conversado com um cego é preciso informá-lo de varia de acordo com as pessoas. Ajude só na medida em que for neces- alertá-lo para qualquer obstáculo. Só é admissível tal hipótese quando que se vai retirar. Torna-se extremamente desagradável para um sário. o objecto que eventualmente possa impedir o caminho do cego não cego continuar a falar para uma pessoa que já não se encontra seja detectável pela bengala; por exemplo, um toldo colocado a baixa perto dele. . altura.