Jornal Hora H: o estigma de uma região impresso diariamente
Erick Oliveira Cassiano1
Resumo:
O objetivo deste artigo é ref...
sociedade do espetáculo. Além de Debord, o artigo vai dialogar com conceitos de
outros autores, como Roland Barthes, Muniz...
capital e muitos outros fluminenses que projetavam ascensão na vida pessoal,
profissional e empresarial. Dessa maneira, a ...
Sensacionalismo e sua origem
Tocar às sensações do público, principalmente utilizando-se de fait-divers,
embora pareça, nã...
grande inovador do jornalismo impresso estadunidense, adotando em seus jornais:
impressão a cores, amplas ilustrações e ma...
“Se não consegue explicá-lo como algo autônomo, com
determinantes próprios de realização, é porque ela não existe como
um ...
7
Análise do Jornal Hora H
Vejamos alguns exemplos de capas do jornal Hora H, as quais apresentam faitdivers e apelo sensaci...
3

4

6

5

7

Em (1), (2) e (4), além de outras características sensacionalistas, cuja
principal é a temática criminal, h...
subtítulos jocosos e impactantes. Além dessa e outra características já
analisadas, as capas do diário apresentam uma cara...
Considerações finais
A partir das reflexões contidas no presente artigo, pode-se constatar que, diante
da crise no meio de...
Referências bibliográficas:

ALVES, J.C.S. Dos barões ao extermínio: uma história da violência na Baixada
Fluminense. Rio ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo erick

524 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
524
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo erick

  1. 1. Jornal Hora H: o estigma de uma região impresso diariamente Erick Oliveira Cassiano1 Resumo: O objetivo deste artigo é refletir sobre a importância adquirida pelo chamado jornalismo popular em época de crise na imprensa tradicional e qual o papel da violência no atual momento do jornalismo, o qual se torna cada vez mais sensacionalista. Como objeto de estudo, a análise do jornal Hora H trará reflexões sobre a relação da espetacularização da violência na mídia e a imagem estigmatizada da região onde o jornal circula, a Baixada Fluminense. Palavras-chave: Jornalismo popular, sensacionalismo, violência, Baixada Fluminense, jornal Hora H. Introdução O jornalismo vive uma crise no seu meio de produção. Na era digital, muito se discute sobre o futuro dos jornais impressos no Brasil e no mundo. Em território nacional, o maior exemplo desta crise das empresas de comunicação é o do tradicional Jornal do Brasil, que deixou de ser impresso em 2010. Para refletir sobre esse atual cenário, este artigo pretende abordar a relação da crise no jornalismo com a presença cada vez maior de notícias sensacionalistas, especialmente no que iremos tratar como jornalismo popular, pois partiremos da hipótese de que sensacionalismo é o que mais se vende na mídia, por isso consegue manter pequenos jornais impressos que priorizam o espetáculo. “O espetáculo é ao mesmo tempo parte da sociedade, a própria sociedade e seu instrumento de unificação” é o que afirma Guy Debord em sua obra clássica A 1 Bancário; Estudante do 5º período do curso de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, das Faculdades Integradas Hélio Alonso – FACHA – RJ. 1
  2. 2. sociedade do espetáculo. Além de Debord, o artigo vai dialogar com conceitos de outros autores, como Roland Barthes, Muniz Sodré, Ana Lucia Silva Enne, Ana Rosa Ferreira Dias, Márcia Amaral, Danilo Angrimani e Rosa Nívea Pedroso. Vinte e cinco anos de tradição, com capas e reportagens que evidenciam a identidade que fora estigmatizada para a Baixada Fluminense, credenciam o jornal Hora H, do município de Nova Iguaçu, a ser o objeto de estudo para este trabalho. O diário popular tornou-se sinônimo de “sensacionalista”, suas fotos e matérias não fazem questão de poupar a violência e apelam às sensações. É importante analisar as capas do jornal Hora H para identificar a espetacularização das notícias e entender como as manchetes e a linha editorial do jornal favorecem para que a região receba o eterno estigma de violenta. Para que o estudo se torne satisfatório, haverá uma contextualização histórica tanto da região quanto da ação jornalística naquela localidade. Propõe-se, então, uma discussão sobre o processo de produção de notícias da imprensa local, sobretudo os jornais impressos. A região da Baixada Fluminense já foi considerada como o lugar mais violento do mundo. Essa pesquisa fez com que, em 1980, o jornalista Percival de Souza escrevesse um livro denominado “A maior violência do mundo – Baixada Fluminense”, o qual é considerado uma denúncia clara, objetiva e direta. Por seu conteúdo altamente explosivo, é visto por alguns estudiosos como documento da maior atualidade. BAIXADA FLUMINENSE E O ESTIGMA DE LOCAL VIOLENTO A região da Baixada Fluminense é uma região da área metropolitana do estado do Rio de Janeiro composta por doze municípios, dos quais se pode destacar Nova Iguaçu, Duque de Caxias, São João de Meriti, Nilópolis, Mesquita e Belford Roxo. Este destaque se dá pela importância destes municípios dentro da própria região, como também em relação ao estado e ao país, como é o caso dos dois maiores da região: Nova Iguaçu e Duque de Caxias. Com uma economia super aquecida, que movimenta milhões diariamente, a região tornou-se extremamente importante para a consolidação da balança comercial do estado do Rio de Janeiro. Nas últimas décadas, a Baixada serviu de reduto para muitos cariocas que fugiam do caos, da violência e do domínio das facções criminosas na 2
  3. 3. capital e muitos outros fluminenses que projetavam ascensão na vida pessoal, profissional e empresarial. Dessa maneira, a região, que já possuía uma matriz bastante diversificada, devido a “intensificação do fluxo migratório a partir do término da 2ª Guerra Mundial”, segundo Maria Aparecida Figuerêdo, torna-se cada vez mais heterogênea. A Baixada Fluminense já apresentou jornais tradicionais, como o extinto Correio da Lavoura, de Nova Iguaçu. Porém, em sua grande maioria, a imprensa local é constituída por jornais populares, como Luta Democrática, de Duque de Caxias e os iguaçuanos Jornal de Hoje e Hora H. Este último sendo o mais sensacionalista deles. Os veículos de comunicação exploram de maneira excessiva a violência e a pobreza da Baixada Fluminense. Muitas vezes, o discurso midiático focaliza apenas os aspectos negativos da região. “As revelações produzidas pelas investigações farão com que a imprensa funcione ao mesmo tempo como elemento de segregação da Baixada, identificando-a como outra sociedade, terra sem lei, lugar onde a feiúra se associa ao crime ou câncer vizinho, e como instrumento de pressão no aprofundamento das investigações promovidas pela Delegacia de Homicídios. Uma ambigüidade que se estabelece entre a solidariedade e a rejeição”. (ALVES, 2003, p. 154) A maneira mais prática que os jornais populares e sensacionalistas, em especial o Hora H, puderam disseminar o estigma de violenta sobre a Baixada Fluminense foi através de suas capas e manchetes, a partir do fait-divers, termo introduzido por Roland Barthes, no livro Essais Critiques (1964), que significa fatos diversos que cobrem escândalos, curiosidades e bizarrices, que davam um tom de comicidade às tragédias, assassinatos e outros aspectos explorados pela imprensa sensacionalista. Para Danilo Angrimani, “O fait-divers, como informação auto-suficiente, traz em sua estrutura imanente uma carga suficiente de interesse humano, curiosidade, fantasia, impacto, raridade, humor, espetáculo, para causar uma tênue sensação de algo vivido no crime, no sexo e na morte. Conseqüentemente, provoca impressões, efeitos e imagens. A intenção de produzir o efeito de sensacionalismo no fait-divers visa atrair o leitor pelo olhar na manchete que anuncia um acontecimento produzido, jornalística ou discursivamente, para ser consumido ou reconhecido como espetacular, perigoso, extravagante, insólito, por isso, atraente”. (ANGRIMANI, 1995, p.26) 3
  4. 4. Sensacionalismo e sua origem Tocar às sensações do público, principalmente utilizando-se de fait-divers, embora pareça, não é algo inovador. Essa prática ocorre desde o século XV, na França, com os primeiro periódicos franceses: Nouvelles Ordinaires e Gazette de France. Estudiosos apontam algumas matrizes que originaram o sensacionalismo nos jornais impressos: a pornografia, o melodrama, o folhetim, a literatura fantástica e de horror e o romance policial. Iremos nos ater, resumidamente, a duas delas. O crescimento urbano, devido a ampliação do processo industrial, juntamente com o desenvolvimento de novas técnicas de produção, transporte e comunicação, além de mudanças políticas e econômicas ocorridas após a Revolução Francesa, as quais consolidam uma idéia de república, de direitos igualitários. Nesse contexto, a comunicação vai exercer um papel essencial. A pornografia irá criticar pilares da sociedade monárquica, sobretudo o clero. A exploração do sexo transgride a ordem, é um desestabilizador e fica sendo compreendido como artifício revolucionário. Era responsável por realizar críticas à hipocrisia vigente na sociedade, defendendo condições mais igualitárias. Assim, havia uma convergência entre um discurso apelativo ao emocional e sua imbricação com o viés político racionalista. O melodrama, contido intrinsecamente no folhetim, começa a se consolidar no século XIX. Publicado no rodapé das páginas, o folhetim é considerado elemento essencial para a consolidação de periódicos comerciais e diários. Apresenta características advindas do gótico e do fantástico. São, então, colocados em cena personagens populares, fazendo com que os folhetins ganhassem uma extraordinária repercussão, obtendo uma expressiva resposta da população. O primeiro jornal estadunidense – Publick Occurences, que não passou do primeiro número – também já possuía características sensacionalistas. A partir do século XIX, esse modelo de jornalismo começa a se tornar atrativo. Essa atração muito se deu a uma disputa editorial entre dois poderosos jornais de Nova Iorque: o New York World e o Mornig Journal. Joseph Pulitzer, proprietário do New York World, é considerado o 4
  5. 5. grande inovador do jornalismo impresso estadunidense, adotando em seus jornais: impressão a cores, amplas ilustrações e manchetes e reportagens que exploravam um tom sensacional. Márcia Amaral descreve a atuação desses dois jornais: “Os jornais utilizavam manchetes escandalosas em corpo tipográfico largo; publicavam notícias sem importância, informações distorcidas; provocavam fraudes de todos os tipos, como falas entrevistas e histórias e também quadrinhos coloridos e artigos superficiais. Promoviam premiações e sorteios. Os repórteres estavam “a serviço” do consumidor e faziam campanhas contra os abusos sofridos pelas pessoas comuns, numa mistura de assistência social e produção de histórias interessantes. Hearst e Pulitzer lutaram com todos os meios para expandir suas circulações e voltaram-se para truques sensacionalistas, protagonizando uma guerra comercial entre os jornais.” (AMARAL,2006, p. 18) Para ENNE (2007), as seguintes observações são recorrentes, quando se referem aos jornais sensacionalistas: a) a ênfase em temas criminais ou extraordinários, enfocando preferencialmente o corpo em suas dimensões escatológica e sexual; b) a presença de marcas da oralidade na construção do texto, implicando em uma relação de cotidianidade com o leitor; c) a percepção de uma série de marcas sensoriais espalhadas pelo texto, como a utilização de verbos e expressões corporais (arma “fumegante”, voz “gélida”, “tremer” de terror etc.), bem como a utilização da prosopopéia como figura de linguagem fundamental para dar vida aos objetos em cena; d) a utilização de estratégias editoriais para evidenciar o apelo sensacional: manchetes “garrafais”, muitas vezes seguidas por subtítulos jocosos ou impactantes; presença constante de ilustrações, como fotos com detalhes do crime ou tragédia, imagens lacrimosas, histórias em quadrinhos reconstruindo a história do acontecimento etc.; e) na construção narrativa, a recorrência de uma estrutura simplificadora e maniqueísta; f) relação entre o jornal sensacionalista e seu consumo por camadas de menor poder aquisitivo, que, por diversas razões, seriam manipuladas e acreditariam estar consumindo uma imprensa “popular” quando, no fundo, estariam consumindo um jornalismo comercial feito para vender e alienar. Jornalismo popular Alguns estudiosos costumam dividir a imprensa brasileira em Grande Imprensa e Imprensa Popular, de acordo com o que é produzido e como é recebido o produto elaborado por cada uma delas. Para Rosa Nívea Pedroso, a chamada imprensa popular obedece fins mercadológicos, assim como a chamada grande imprensa. 5
  6. 6. “Se não consegue explicá-lo como algo autônomo, com determinantes próprios de realização, é porque ela não existe como um tipo de imprensa que se opõe a outro, mas é uma divisão aparente, ou seja, um segmento que pertence a grande imprensa e a reproduz” (Pedroso, 2001:46). Para PEDROSO (2001), a imprensa popular não é vista como um modelo de jornalismo, mas sim como um desdobramento do modo de produção (uma ramificação da grande imprensa). Assim sendo, o modo de produção do jornalismo popular se faz pensando-se no gosto de seu público consumidor, neste caso, as classes C, D e E. É desta maneira que o sensacionalismo adentra no jornalismo popular, como recurso de marketing. Temas como sexo e, sobretudo, violência são corriqueiros, sendo tratados de maneira humanizada, ou seja, retratados de um modo familiar. O enfoque sensacionalista adquire um tom de intimidade com o leitor. O indivíduo se vê na notícia. O leitor sofre, diariamente, o mesmo tipo de violência, por exemplo, que as personagens da notícia. Trata-se de uma experiência catártica, que aproxima o leitor do veículo e, consequentemente, aumenta a vendagem do jornal diário, o que é do interesse das empresas de comunicação. Em contrapartida de PEDROSO (2001), PREVEDELLO (2008) prefere estabelecer uma aparente dicotomia entre o jornalismo impresso tradicional e o jornalismo impresso popular. Para a autora, a crise que muitos estudiosos afirmavam que sucumbiria o jornalismo impresso no século XXI não existe. “A crise não é do jornalismo diário impresso como um todo; aliás, para o setor não existe crise, mas crescimento. A crise é do jornalismo impresso diário tradicional, que vê a cada dia sua circulação diminuir, enquanto novos títulos, mais populares, vão conquistando mercado. Assim, o setor de jornalismo diário impresso não está em crise, mas em mudança.” (FLIZIKOWSKY, 2007 apud PREVEDELLO, 2008, P. 33) Esse crescimento se dá pelo aumento do poder aquisitivo das camadas mais populares e pela mudança de hábitos, que agora permite interesse em ler as notícias que se identifiquem, mostrando que a estratégia se espetacularizar a informação nos jornais populares foi bem sucedida. 6
  7. 7. 7
  8. 8. Análise do Jornal Hora H Vejamos alguns exemplos de capas do jornal Hora H, as quais apresentam faitdivers e apelo sensacionalista em sua manchete principal e em suas imagens: 1 2 Dentro do jornal, há mais espaços para a publicidade que para o jornalismo. Em (1), com o objetivo de atrair o leitor, é usado um tom irônico para se referir à maneira como se encontra o cadáver. A reportagem que deveria trazer esclarecimentos sobre a morte da capa apresenta apenas algumas linhas, com poucas informações. Em (2), a edição do jornal faz questão de expor a mochila a qual fora deposita a cabeça de um homem. O que vale para o jornal é a imagem pela imagem. É a espetacularização da informação. As maiores vítimas da ironia do jornal são os marginais. Corriqueiramente, a morte ou a prisão de um deles é “comemorada” pela edição do Hora H. O indivíduo é insultado sem que haja qualquer respeito a sua família ou a sua memória. É como se não existisse a moral para o malfeitor, o que pode ser explicado pelo argumento de Muniz Sodré: “Sabemos que, do ponto de vista dramático, a violência é um recurso de economia discursiva: o soco ou o tiro do herói no vilão poupa o espectador de longas pregações morais contra o mal. É uma elipse semiótica com grande poder de sedução”. 8
  9. 9. 3 4 6 5 7 Em (1), (2) e (4), além de outras características sensacionalistas, cuja principal é a temática criminal, há uma ênfase no corpo em sua dimensão sexual, representado pela figura da “Gata da Hora”, que nos remete à pornografia e à origem do sensacionalismo, nos jornais franceses. Em (3) e (7), as manchetes principais apresentam marcas da oralidade na construção do texto, no que se refere à “horizontal” e “putaria”, implicando em uma relação de cotidianidade com o leitor, ou seja, ao comentar a notícia com um amigo, por exemplo, o leitor usaria as mesmas palavras que a edição do jornal utilizou. Em (4), (5) e (6), há presença de fotos com detalhes de crimes, imagens lacrimosas. Além disso, foram produzidas três manchetes quase que idênticas, evidenciando, talvez, uma falta de qualidade na edição, onde foi utilizada a mesma fonte, a qual personifica o sangue da matéria, dá vida àquela manchete, sob figura de linguagem. Em síntese, todas as capas do jornal Hora H utilizam estratégias editoriais que evidenciam o apelo sensacional: manchetes garrafais, seguidas por 9
  10. 10. subtítulos jocosos e impactantes. Além dessa e outra características já analisadas, as capas do diário apresentam uma característica da inovação do jornalismo estadunidense no século XIX, com o New York World: sempre muitas cores, o que chama a atenção do leitor. Não cabe ao artigo discutir a influência da violência veiculada sobre a mudança comportamental de quem a consome. Contudo, é relevante ressaltar uma das conseqüências desse tipo de prática jornalística: a banalização da violência. As imagens da violência, reproduzidas recorrentemente, contribuem para banalizá-la, para torná-la normal e integrada ao cotidiano do leitor. “(...) a imprensa sensacionalista canaliza boa parte das atenções quando o assunto é violência. A exposição chocante de fatos, acontecimentos e idéias, visando a emocionar para além dos graus normais da tensão psicológica, caracteriza a contribuição mais evidente desse tipo de jornalismo para tornar a violência irreal e banalizada.” (DIAS, 1996, p. 103) Muitos dos leitores do jornal Hora H já enxergam a Baixada Fluminense sob essa violenta perspectiva veiculada pela imprensa, instaurando-se um senso comum acerca da região. Segundo Debord, quanto mais o leitor contempla o jornal, menos vive; quanto mais aceita reconhecer-se nas imagens dominantes, menos ele compreende a sua própria existência. A espetacularização da informação não se constitui nas imagens que são produzidas, mas sim na relação social entre as pessoas, midiatizada por essas imagens. 10
  11. 11. Considerações finais A partir das reflexões contidas no presente artigo, pode-se constatar que, diante da crise no meio de produção do jornalismo, (que não é entendida como crise por alguns estudiosos) a prática sensacionalista se configura uma boa opção para manter pequenos jornais. Foi observado que os fait-divers, essencialmente utilizados no jornalismo sensacionalista, atraem leitores, pois são capazes de tocarem nas sensações do indivíduo. O leitor se vê na notícia a partir de uma experiência catártica. Também se constatou que a violência midiática se configura numa elipse semiótica que exerce um grande poder de sedução, ao qual adentrou ao jornalismo popular. Certamente, além de seus anunciantes, o grande responsável para que o jornal Hora H ainda esteja “vivo” é o seu gênero jornalístico, sem essas características, ele já teria sido sucumbido pela crise. Os veículos sensacionalistas, que não deixam de ser empresas, de uma maneira, aproveitam-se da crise para sobreviver no mercado. Todavia, é importante salientar que, ao realizar um jornalismo sensacionalista, o jornal Hora H – e todos os outros do gênero – estão contribuindo para que a violência neles veiculada seja banalizada dentro da sociedade. Essa banalização se consolida, sobretudo, entre as camadas mais populares, que consomem os jornais sensacionalistas, como o Hora H. O leitor se identifica com a leitura, se vê como vítima do crime que estampa a capa do jornal. A imagem da violência vinculada à Baixada Fluminense, então, torna-se cada vez mais banalizada para seus habitantes e cada vez mais estigmatizada para aqueles que não conhecem, de fato, a realidade da região. 11
  12. 12. Referências bibliográficas: ALVES, J.C.S. Dos barões ao extermínio: uma história da violência na Baixada Fluminense. Rio de Janeiro: APPH, CLIO, 2003. AMARAL, Márcia Franz. Jornalismo Popular. São Paulo: Contexto, 2006. ANGRIMANI SOBRINHO, Danilo. Espreme que sai sangue: um estudo do sensacionalismo na imprensa. São Paulo: Summus, 1995. DEJAVIT, Fábia Angélica. O poder do fait divers no jornalismo: humor, espetáculo e emoção. Campo Grande. Artigo apresentado no XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 03 a 07 de setembro de 2001. DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. DIAS, Ana Rosa Ferreira. O discurso da violência, as marcas da oralidade no jornalismo popular. São Paulo: EDUC/Cortez, 1996. ENNE, A.L.S. Imprensa e Baixada Fluminense: múltiplas representações. N.14. Niterói, RJ: Revista eletrônica Ciberlegenda, 2004. Disponível em: http://www.uff.br/mestcii/enne1.html Acesso em: Novembro de 2013. ENNE, Ana Lucia S. “O Sensacionalismo como processo cultural”. Artigo apresentado na «COMPÓS/2007». Curitiba, 2007. MUNIZ, S. Sociedade, mídia e violência. Porto Alegre: Sulina – Edipucrs, 2002. PEDROSO, Rosa Nívea. A construção do Discurso de sedução em um jornal sensacionalista. São Paulo: Annablume, 2001. 12

×