Instrumentação: Cordas (Disc. Arranjos e Transcrições)

7.712 visualizações

Publicada em

Aula sobre Instrumentação: Cordas. Disciplina: Arranjos e Transcrições. Curso de Licenciatura em Música - Universidade Federal de São João del-Rei.

Publicada em: Educação
0 comentários
23 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.712
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.787
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
23
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Naturalmente o primeiro músico da estante tocará as vozes de cima e os segundos das estante tocará a nota de baixo.
  • Cada nota é tocada numa direção do arco (ponta e talão).Arcadas na corda e fora da corda. NA CORDA: legato, non legato, detache, loure, staccato, martele. FORA DA CORDA: spicato, jeté (ricochet), arpeggiando,
  • Cada nota é tocada numa direção do arco (ponta e talão).
  • Todas as ligaduras indicam que a serão tocados apenas com um arco.
  • Passagem impossível de ser tocada. O maestro precisa fazer uma nova configuração.
  • É uma arcada non legato tocada em todos os instrumentos de corda trocando a direção do arco a cada nota.
  • Indicação do começo do arco.
  • A partir do talão.
  • Escreve-se adicionando os pontinhas junto às cabeças das notas.
  • Staccato rápido como louré.
  • Escreve-se adicionando os pontinhas junto às cabeças das notas.
  • Spiccato legato com notas agrupadas em uma única arcada.
  • A notação é igual ao do staccato, porém o som do spiccato é mais ruidoso devido aos golpes de arco. A diferença na performance depende do carater do andamento e da dinâmica. Quanto mais notas se deseja, mais impraticável a arcada jeté se torna.
  • O Vídeo mostra um exemplo de trêmulo de arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • Pi
  • Pi
  • Pi
  • Utilizações diferentes para o arco.
  • SEGUNDO PARCIAL: pressiona-se suavemente a metade da corda (uma oitava acima).
  • TERCEIRO PARCIAL: pressiona-se um terço da corda.QUARTO PACIAL: pressiona-se um quarto da corda.Em circulos estão outras maneiras de se produzir os mesmos harmonicos, mas naosao recomendados para escrita orquestral.
  • Não são todos os instrumentos em que é possível fazer. Vide especificidades.
  • CORDA A
  • Passagens representativas
  • Passagens representativas
  • Exemplos de passagens solo
  • Nasversoes para cordas, as notas repetidas funcionam muito melhor do que na versão para piano.
  • Instrumentação: Cordas (Disc. Arranjos e Transcrições)

    1. 1. ARRANJOS E TRANSCRIÇÕES INSTRUMENTAÇÃO: CORDAS MARCOS FILHOUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    2. 2. A FAMÍLIA DAS CORDAS Violino Viola Violoncelo ContrabaixoUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    3. 3. Características gerais• Possui uma enorme extensão abrangendo sete oitavas entre os contrabaixos e violinos;• Possui timbre homogêneo em toda sua extensão com apenas poucas variações em registros diferentes;• Faixa dinâmica bem equilibrada permitindo pianissimos e fortissimos efetivos;• Sonoridade versátil: produz diferentes tipos de sons (com arco, pizzicato, efeitos) além de executar, sem maiores problemas, passagens rápidas, notas longas, trinados, notas duplas;
    4. 4. P R O F. M A R C O S F I L H O Voluta Cravelhas Espelho Corpo Cordas Ouvidos Cavalete ou fEstandarte No violoncelo o apoio é no espigão. Queixeira
    5. 5. P R O F. M A R C O S F I L H O Violino Viola Violoncelo Contrabaixo(nos baixos especiais de cinco cordas acrescenta-se a
    6. 6. P R O F. M A R C O S F I L H O TESSITURA BÁSICAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    7. 7. P R O F. M A R C O S F I L H O DISTRIBUIÇÃO E EQUILÍBRIO DAS CORDAS GRANDE ORQUESTRA Primeiros violinos 16 a 18 músicos 8 ou 9 estantes Segundos violinos 14 a 16 músicos 7 ou 8 estantes Violas 10 a 12 músicos 5 ou 6 estantes Cellos 10 a 12 músicos 5 ou 6 estantes Contrabaixos 8 a 10 músicos 4 ou 5 estantes OUTRAS CONFIGURAÇÕES EQUILIBRADAS 6 violinos 9 violinos 12 violinos 18 violinos 2 violas 3 violas 4 violas 6 violas 2 celli 3 celli 4 celli 6 celliUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    8. 8. CORDAS DUPLAS, TRIPLAS E QUÁDRUPLASConfira as tabelas específicas para cada instrumento disponibilizadas no blog.
    9. 9. DIVISI P R O F. M A R C O S F I L H O
    10. 10. P R O F. M A R C O S F I L H O
    11. 11. P R O F. M A R C O S F I L H O VIBRATO A grande maioria dos músicos utilizam o vibrato automaticamente para realçar a sustentação das notas. Quando o arranjador ou orquestrador não quer a utilização do vibrato deve-se escrever acima da passagem: non vibrato ou senza vibrato.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    12. 12. GLISSANDO E PORTAMENTO
    13. 13. NON LEGATO Talão Crina Ponta
    14. 14. P R O F. M A R C O S F I L H OLEGATOUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    15. 15. P R O F. M A R C O S F I L H O
    16. 16. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    17. 17. P R O F. M A R C O S F I L H ODÉTACHÉÉ uma arcada non legato tocada em todos osinstrumentos de corda trocando a direção do arco a cadanota.
    18. 18. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    19. 19. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    20. 20. P R O F. M A R C O S F I L H O
    21. 21. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    22. 22. P R O F. M A R C O S F I L H OLOURÉ É uma arcada legato tocada a partir de sutis separações entre as notas. Pode produzir um efeito muito expressivo e é comum também em acompanhamentos. É indicada pelo símbolo de tenuto adicionado embaixo da cabeça das notas e delimitado pelas ligaduras (separando entre talão e ponta).
    23. 23. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    24. 24. STACCATOP R O F. M A R C O S F I L H O
    25. 25. Staccato com ligaduraP R O F. M A R C O S F I L H O
    26. 26. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    27. 27. P R O F. M A R C O S F I L H OMARTELÉ É uma arcada rápida, bem articulada, pesada e que lembra um sforzando. Pode ser tocada na ponta, meio e no talão do arco.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    28. 28. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    29. 29. SPICCATOÉ uma arcada rápida,com notaçãosemelhante aostaccato, bemarticulada e gerada apartir de pequenosgolpes de arco. Aperformance podevariar de acordo com ocaráter do andamentoe das dinâmicas.
    30. 30. P R O F. M A R C O S F I L H O
    31. 31. P R O F. M A R C O S F I L H O
    32. 32. P R O F. M A R C O S F I L H OJETÉ (Fr.); RICOCHET (Eng.) O Jeté é um rebote controlado de percussões realizadas com o arco sobre a corda.
    33. 33. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    34. 34. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    35. 35. P R O F. M A R C O S F I L H OARPEGGIANDO Sutilmente diferente do spiccato. Funciona como uma arcada na corda.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    36. 36. P R O F. M A R C O S F I L H OTRINADOSUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    37. 37. TRÊMULOSExtensivamenteutilizado emtodos osinstrumentos.Existem doistipos de trêmulos:trêmulo de arco etrêmulo de dedo.
    38. 38. P R O F. M A R C O S F I L H O Diferentes utilizações com o arcoUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    39. 39. SUL TASTO (Francês: Sur la touche) O músico toca com o arco em cima do espelho obtendo um som “flautado”, suave e com menos harmônicos agudos. Técnica também adaptada e utilizada em outros instrumentos de corda, como o
    40. 40. SUL PONTICELLO (Francês: Al chevalet) A indicação de sul ponticello determina que o músico deve passar o arco próximo ao cavalete, o que origina um som de timbre agudo, de arranhudura, com menos fundamental e muitos harmônicos
    41. 41. COL LEGNOO arco é seguradode lado e as cordassão friccionadas oupercutidas com amadeira e não comas cerdas.
    42. 42. P R O F. M A R C O S F I L H OCOL LEGNO BATTUTOUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    43. 43. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    44. 44. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    45. 45. P R O F. M A R C O S F I L H O Efeitos timbrísticos sem o arcoUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    46. 46. P R O F. M A R C O S F I L H OPIZZICATO Efeito muito comum em todo o repertório para cordas, acontece com a mudança na maneira como o som é produzido. No pizzicato as notas são beliscadas (pinçadas) ao invés de se utilizar o arco. É indicado na partitura com a abreviatura pizz.. Quando deseja-se voltar ao arco escreve-se acima do início da passagem o termo arco.
    47. 47. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    48. 48. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    49. 49. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    50. 50. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    51. 51. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    52. 52. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    53. 53. Pode-se indicar a direção do pizzicato ou até mesmo escrever: quasi chitarra ou a la chitarra.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    54. 54. Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    55. 55. P R O F. M A R C O S F I L H OCON SORDINO (It.); AVEC SOURDINE (Fr.); Pequena peça de madeira ou metal que se prende ao cavalete de modo a atenuar as suas vibrações modificando o timbre do instrumento. Para adicionar a surdina escreve-se con sordino e para retira-la escreve- se senza sordino acima do início da passagem. Deve-se ter atenção ao tempo necessário para o músico adicionar ou retirar a surdina antes de atacar com o arco.
    56. 56. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    57. 57. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    58. 58. Sons produzidos com o apoio leve do dedo sobre a corda em pontos específicos gerando alturas correspondentes às da série harmônica com timbre diferenciado. Existem os harmônicos naturais e os harmônicos artificiais.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    59. 59. P R O F. M A R C O S F I L H OHarmônicos naturaisSEGUNDO PARCIALUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    60. 60. TERCEIRO PARCIALQUARTO PARCIALQUINTO PARCIAL
    61. 61. Notação de harmônicos naturais Existe duas maneiras de notar os harmônicos: 1) Escreve a nota na altura que o harmônico deve soar e adiciona-se um pequeno círculo acima da cabeça da nota; 2) Escreva nota em forma de losango no local do nodo onde vai originar o som harmônico (não indica precisamente a nota que vai soar). Confira o guia para harmônicos naturais para cada instrumento disponibilizado no blog
    62. 62. P R O F. M A R C O S F I L H OHarmônicos artificiais O músico utiliza dois dedos da mão esquerda para produzir os harmônicos em intervalos de terça, quarta e até quinta. São tranquilos de serem produzidos no violino e na viola. Os violoncelistas, em geral, utilizam o polegar para alcançar, no máximo uma quarta. Não é recomendado a utilização de harmônicos artificiais para o contrabaixo.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    63. 63. P R O F. M A R C O S F I L H ONotação de harmônicos artificiaisUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    64. 64. P R O F. M A R C O S F I L H O Última região onde são funcionais os harmônicos artificiaisUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    65. 65. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    66. 66. P R O F. M A R C O S F I L H O Aspectos individuaisUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    67. 67. Violino AFINAÇÃO TESSITURAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    68. 68. DEDILHADOP R O F. M A R C O S F I L H O
    69. 69. P R O F. M A R C O S F I L H O PASSAGENS TOCADAS EM UMA ÚNICA CORDAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    70. 70. P R O F. M A R C O S F I L H O PASSAGENS TOCADAS EM UMA ÚNICA CORDAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    71. 71. P R O F. M A R C O S F I L H O PASSAGENS TOCADAS EM UMA ÚNICA CORDAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    72. 72. PASSAGENS TOCADAS EM UMA ÚNICA CORDA
    73. 73. P R O F. M A R C O S F I L H O HARMÔNICOS QUARTA QUINTAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    74. 74. TERÇA MAIORTERÇA MENOR P R O F. M A R C O S F I L H O
    75. 75. P R O F. M A R C O S F I L H O
    76. 76. P R O F. M A R C O S F I L H O
    77. 77. Viola AFINAÇÃO TESSITURAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    78. 78. DEDILHADOP R O F. M A R C O S F I L H O
    79. 79. PASSAGENS TOCADAS EM UMA ÚNICA CORDA
    80. 80. Corda AUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    81. 81. P R O F. M A R C O S F I L H O
    82. 82. P R O F. M A R C O S F I L H OUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    83. 83. Violoncelo AFINAÇÃO TESSITURAUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    84. 84. P R O F. M A R C O S F I L H O CLAVESUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    85. 85. DEDILHADOP R O F. M A R C O S F I L H O
    86. 86. HARMÔNICOS
    87. 87. ContrabaixoAFINAÇÃONOTAÇÃOTESSITURA
    88. 88. P R O F. M A R C O S F I L H O Transcrevendo do piano para cordasUniversidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música
    89. 89. SIMULANDO UM PEDALPIANO ORIGINALTRÊS VERSÕES PARA CORDAS (tocadas sem pausa)
    90. 90. FAZENDO ACOMPANHAMENTO PIANO ORIGINALDUAS VERSÕES PARA CORDAS (tocadas sem pausa)
    91. 91. P R O F. M A R C O S F I L H OPIANO ORIGINALVERSÃO PARA CORDAS
    92. 92. PIANO ORIGINALVERSÃO PARACORDAS
    93. 93. P R O F. M A R C O S F I L H OPIANO ORIGINALVERSÃO PARACORDAS
    94. 94. ARRANJOS E TRANSCRIÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ADLER, Samuel. The Study of Orchestration. 3ª ed. Nova Iorque: W.W. Norton & Company, 2002. CARDOSO FILHO, Marcos Edson. Anotações de Aulas da Disciplina Orquestração. Prof. Oiliam Lana. Belo Horizonte: UFMG.Universidade Federal de São João del-ReiDepartamento de Música

    ×