Gestão Ágil de Projetos
                  com FDD


Manoel Pimentel Medeiros
http://manoelpimentel.blogspot.com
 10/ 2007
...
S obre o palestrante:

     Manoel Pimentel Medeiros, CSP

    É Engenheiro de Software, com 15 anos na área de TI, atualm...
Conteúdo
     Processos de Pr ção
                    odu                D esafos
                                        ...
Processo de Produção
                                              Processo de Produção
             I éi e
              ...
Estratégias de
                                                                                            Desenvolvimento...
O Que É Agilidade?
      a.gi.li.da.de sf (lat agilitate)
      1. Q ualdade do que é ági.
             i                 ...
Agilidade
                              “ ldade é a habii
                               Agii           ldade par crare
  ...
O M anifesto Ágil

           “ am os descobrndo m el es m aneias de desenvol sofwar
            Est           i      hor ...
Cuidado com o
                                        M anifesto Radical
     “O M aniest Ági]não pode seri er et
      [ ...
Processo Ágil
     U m processo é ági se:
                      l
      – C apacia a or
              t      gani ção a r
...
Os 12 Princípios Ágeis
      N ossa m ai prordade é satsf
                or i i          i azero clent atavés da
        ...
Os 12 Princípios
                                        Ágeis (cont.)
1. C onstua pr et em t no de i víduos m otvados.D ê...
Os 12 Princípios
                                         Ágeis (cont.)
1. At ção contnua à excel nci t cni e bom desenho
...
Ciclo de Vida I terativo

                          Definir os objetivos globais
           Plano 1        Definir a abord...
Ciclo de Vida do
                              Gerenciamento Ágil de Projetos

     Ant são
       evi
                   ...
Resumo do Ciclo do
                         Gerenciamento Ágil de Projetos
     Antevisão
      – D et m i a vi ão do pr
 ...
Principais Objetivos
                                       de Negócio da GAP
     novação C ontnua
     I           í
   ...
Princípios Guias da GAP
                                         Entregar
                                           valor...
Planejamento
                                                                   em Camadas

                              ...
FD D
           Feat e D rven D evel
              ur     i        opm ent




10/ 2007
  07/                             ...
Origem da FDD
     1997-1998,Si
                ngapura
     C ont o:D esenvol m ent de um
          ext          vi     o...
FDD
                                             Feature Driven Development

               Requisitos
                   ...
Principais
                                                Disciplinas Envolvidas
                                   Gestã...
Características da FDD
     For         r ur     i ent
        nece a estut a sufci e par equi
                           ...
As M elhores
                                       Práticas da FDD
          agem de obj os do dom íni
     M odel       ...
O Porquê de
                                            Cada Processo
     D esenvol um M odel Abr
             ver       ...
O Que é Feature ?
     Funci             act í i
         onaldade ( car erstca)
            i      ou
     Pequena o sufc...
FBS: Feature
                                                     Breakdown S tructure
                                   ...
Estimativas Ágeis
                                                                    Dias / horas
                       ...
Principais Papéis


                             Especialistas
                              no Domínio




    Gerente   ...
Visão Arquitetural

                     Apresentação
           (Visões e Controladores de Interface)



                ...
UM L em Cores e o DNC -
                               Domain Neutral Component
    Padr o par análse O O
        ã     a ...
M 3 - M ind M ap M odeling




10/ 2007
  07/      © 2007                   33
M edindo o Progresso
                                       DM
                                                 C LF      ...
M onitorando as Features

                                                              Est. Dirig.       Design        In...
Reportando o Progresso

                                                       Iniciais PC
           Status da Atividade:...
Relatório de Progresso
                                                                      (Parking Lot)
               ...
Visibilidade do Projeto

                      Diagrama de Fluxo Acumulado




                                           ...
Lean Production
                           Exemplo de Quadro de Progresso

Backlog    Pendentes           Iniciadas   Insp...
Exemplos de K anbans
ID: RN12     VN: A Est.: 4    Resp.: Sic

Descrição:
 Fórmula de cálculo do imposto:
   I = ValorBrut...
S crum e FDD




10/ 2007
  07/      © 2007              41
Quem Usa FDD?




10/ 2007
  07/      © 2007               42
Referências
     htp:/ w w .
       t /w    hept
                  agon.
                      com .
                     ...
Agradecimento


           Principal Divulgador da FD D no Br l
                                             asi




     ...
Perguntas???

htp:/ anoel m ent . ogspotcom
  t /m    pi    elbl      .
D evel
     operN et or Br l
            w k asi
–...
Obrigado !!!!

htp:/ anoel m ent . ogspotcom
  t /m    pi    elbl      .
D evel
     operN et or Br l
            w k asi
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestao Ágil com FDD (BorCon2007) - Manoel Pimentel

1.334 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios

Gestao Ágil com FDD (BorCon2007) - Manoel Pimentel

  1. 1. Gestão Ágil de Projetos com FDD Manoel Pimentel Medeiros http://manoelpimentel.blogspot.com 10/ 2007 07/
  2. 2. S obre o palestrante: Manoel Pimentel Medeiros, CSP É Engenheiro de Software, com 15 anos na área de TI, atualmente trabalha como Agile Coach para importantes empresas da área de serviço, indústria e bancária. Também é Diretor Editorial da Revista Visão Ágil e da InfoQ Brasil, Possui as certificações CSM e CSP da Scrum Alliance e foi um dos pioneiros na utilização e divulgação de métodos ágeis no Brasil. E já escreveu para importantes portais e revistas (nacionais e internacionais) ligados ao desenvolvimento de software. Maiores informações em: http://manoelpimentel.blogspot.com 10/ 2007 07/ © 2007 2
  3. 3. Conteúdo Processos de Pr ção odu D esafos i r é as Estat gi de D esenv. C i os de Vi cl da Agii ldade FD D O M aniest Ági e os 12 f o l FD D e M 3 Prncípi i os FD D e Scrum D esafos aos Pr et i oj os FD D e C C PM ã G est o Ági de Pr et l oj os Seção de Pergunt e as R espost as 10/ 2007 07/ © 2007 3
  4. 4. Processo de Produção Processo de Produção I éi e d as Entender Pensar N ecessidad o que c om o Fazer es f azer fazer Produt o Verfcaro que f f t ii oi eio Processo de Produção de Software D esenho C onstuç r R equi t sios Análse i ão ( es ign) D Erro Erro Erro Test es Test de es de I egr ção/ st nt a Si e Testes Produt o Aceiaçã t ma U niáros t i o 10/ 2007 07/ © 2007 4
  5. 5. Estratégias de Desenvolvimento Requisitos Em cascat a Requisitos (waterfall) Análise Desenho Versão 2 Teste Análise Construção Versão 1 Teste Entrega I em ent ncr al Requisitos Análise Análise Construção Desenho Desenho Desenho Construção Construção Teste Teste Evol onáro uci i Entrega 10/ 2007 07/ © 2007 5
  6. 6. O Que É Agilidade? a.gi.li.da.de sf (lat agilitate) 1. Q ualdade do que é ági. i l 2. D esem bar ço,lgeieza,pr eza de m ovi ent a i r est m os. ldade,per cáci vi dade. 3. M obii spi a, vaci G er m ent associ se Agii al e a- ldade com : – R api dez,Fl bii exi ldade,Leveza – R esum o:H abii ldade par m udar a 10/ 2007 07/ © 2007 6
  7. 7. Agilidade “ ldade é a habii Agii ldade par crare a i responderà m udança,par l arnum a ucr am bi e t bul o de negóci ” ent ur ent os. “ ldade é a habii Agii ldade par equii ar a lbr fexi ldade e est ldade. l bii abii ” Jim Highsmith, “Agile Software Development Ecosystems”, 2002 M ai do que si pl s m esm ent di i ra quantdade de e m nui i docum ent ção e de pr a ocessos,t bém são aspect am os i porant da agii m t es ldade: – O foco nas pessoas e suas i er ções nt a – A capaciação de i víduos par t ardeci ões r dam ent t ndi a om s api e – A adapt ção de seus pr pros pr a ó i ocessos 10/ 2007 07/ © 2007 7
  8. 8. O M anifesto Ágil “ am os descobrndo m el es m aneias de desenvol sofwar Est i hor r ver t e, f azendo sofw ar e aj t e udando outos a f ê-o. r az l Atavés dest tabal passam os a val i : r e r ho orzar I ndivíduos e interações m ai que pr s ocessos e f r ent er am as. S oftware que funciona m ai que docum ent ção det hada. s a al Colaboração do cliente m ai que negoci ções contat s. s a r uai Responder às mudanças m ai que segui um pl s r ano. I o é,em bor haj val nos iens do l st a a or t ado dieio, r t nós val i orzam os mais os do lado esquer ” do. htp:/ w w . l aniest or t /w agiem f o. g 2001 10/ 2007 07/ © 2007 8
  9. 9. Cuidado com o M anifesto Radical “O M aniest Ági]não pode seri er et [ f o l nt pr ado com o i cando que f r ent pr ndi er am as, ocesso,docum ent os, contat ou pl r os anos são despr ívei H á um a tem enda ez s. r dier ça ente al serm ai ou m enos i porant que f en r go s m t e outo,e serdespr ível” r ez . r as íi – Fer am ent são crtcas par acel aro desenvol m ent e r a er vi o eduzi r custos – C ontat são viai par i ci as r ações desenvol r os t s a ni ar el vedor clent - i e – D ocum ent ção auxii a com uni ção a la ca – Entet o,os iens à esquer são os m ai cr ai r ant t da s uci s – Sem i víduos hábei sofw ar f ndi s, t e unci onando,i er ções f t com nt a ores clent e r dez de r i es api espost à m udança,a entega do pr a r odut o ser quase i possível á m Jim Highsmith, 2004 10/ 2007 07/ © 2007 9
  10. 10. Processo Ágil U m processo é ági se: l – C apacia a or t gani ção a r za esponderf l ent à m udança acim e – Entega códi f r go unci onando ao m ercado m ai r dam ent s api e ( que com outos m ét do r odos – at s ou ant i es) uai eror – Produz códi f go unci onando de ala qualdade t i – Aum ent a pr a odutvi i dade – Aum ent a satsf ção do clent a i a i e David Anderson – Fornece um am bi e de ala satsf ção com o ent t i a tabal par um a equi bem m otvada r ho a pe i act í i C ar erstcas: – Ier i e I em ent t atvo ncr al – Aut or o- gani zadore Em ergent e Ken Schwaber 10/ 2007 07/ © 2007 10
  11. 11. Os 12 Princípios Ágeis N ossa m ai prordade é satsf or i i i azero clent atavés da i e r í entega ant pada e contnua de sofw ar com val . r eci t e or R eceberm udanças nos requi t m esm o t de no sios, ar o. ocessos ágei apr desenvol m ent Pr vi s oveiam a m udança t par a vant a agem com pettva do clent ii i e. Entegarfeqüent ent sofw ar que f r r em e t e unci ona,desde é ef ê a poucas sem anas at poucos m eses,com um a pr er nci pel m enorescal de t po. a a em Pessoalde negóci e desenvol o vedor devem tabal es r har j os di i ent port unt aram e odo o pr et oj o. 10/ 2007 07/ © 2007 11
  12. 12. Os 12 Princípios Ágeis (cont.) 1. C onstua pr et em t no de i víduos m otvados.D ê- r oj os or ndi i hes o am bi e e o apoi necessáros e confe nel par l ent o i i es a r i em o tabal ealzar r ho. 2. O m ét odo m ai efci e e efcaz de tansm ii i or ação s i ent i r tr nf m par e dento da equi de desenvol m ent é a a r pe vi o conver ção f sa ace- f a-ace. 3. Sofw ar que f t e ona é a m edi prm or alde pr esso. unci da i di ogr 4. Processos ágei pr ovem o desenvol m ent s om vi o sust ável O s patoci ent . r nador desenvol es, vedor e es usuáros devem sercapazes de m ant um rt o i er im const e i ant ndefni i dam ent e. 10/ 2007 07/ © 2007 12
  13. 13. Os 12 Princípios Ágeis (cont.) 1. At ção contnua à excel nci t cni e bom desenho en í ê a é ca (desi el gn) evam a agii ldade. 2. Si plci m i dade ( are de m axi i a quantdade de a t m zar i tabal não r i r ho ealzado)é essenci . al 3. As m el es ar t ur r hor quiet as, equi t e desenhos ( sios desi gns) em ergem de equi pes aut or o- gani zadas. 4. Em i er os r nt val egul es a equi r l e sobr com o se ar pe efet e ã t narm ai efcaz,e ent o afna e aj a seu or s i i ust com poram ent de acor t o do. 10/ 2007 07/ © 2007 13
  14. 14. Ciclo de Vida I terativo Definir os objetivos globais Plano 1 Definir a abordagem global Construir um plano iterativo grosseiro Analisar e projetar a iteração Implementar a iteração Plano n Entregar para os usuários Avaliar os resultados Discutir e registrar lições aprendidas Definir a próxima iteração 10/ 2007 07/ © 2007 14
  15. 15. Ciclo de Vida do Gerenciamento Ágil de Projetos Ant são evi Plano de Li ação ber Especul ar Expl ar or Ação Adaptativa Funcionaldades i Adapt ar C om pl adas et Li a de st Funci onaldades i Produto “ l Pr ectM anagem ent Agie oj ” Final Fechar Ji H i m ghsm ih,2004 t 10/ 2007 07/ © 2007 15
  16. 16. Resumo do Ciclo do Gerenciamento Ágil de Projetos Antevisão – D et m i a vi ão do pr er nar s , odut e o escopo do pr et ( que?) a o oj o o com uni oj o quem ?)e com o a equi tabal á j a ( dade do pr et ( pe r har unt com o?) E specular – “ onj ur al baseado em f os ou i or ações i C ect ar go at nf m ncom pl os” et – D esenvol um pl ver ano de lber ção baseado em f i a uncionaldades,com i m arcos e ier ções,par entegara vi ão t a a r s E xplorar – Entegarf r unci i est t í em onaldades t adas,num curo perodo de t po,buscando ant const em ent r r i e eduzi o rsco e a i ncereza do pr et t oj o Adaptar – R everos resulados entegues,a siuação at e o desem penho da equi t r t ual pe, e adapt quando necessáro ar i Fechar – C oncl ro pr et passaradi e os prnci s apr ui oj o, ant i pai endi zados e cel ar ebr 10/ 2007 07/ © 2007 16
  17. 17. Principais Objetivos de Negócio da GAP novação C ontnua I í – Entegarde acor com os r r do equi t at s do clent sios uai i e Adapt ldade do Pr abii odut o – Entegarde acor com os r r do equi t f ur do clent sios ut os i e Cronogr as R eduzi am dos de Entega r – Satsf i azerj anel de m er as cado – M el aro R et no Sobr o I hor or e nvestm ent ( SI i o R ) Adapt ldade das Pessoas e Pr abii ocessos – R esponderr dam ent às m udanças no pr api e odut e no negóci o o R esulados C onfávei t i s – Suporaro cr t ucr i dade do negóci esci ent e a l atvi m o o 10/ 2007 07/ © 2007 17
  18. 18. Princípios Guias da GAP Entregar valor para o cliente Utilizar entrega Encorajar a iterativa de excelência funcionalidade técnica Entrega do Produto Liderança-Colaboração Construir equipes Simplificar adaptativas Encorajar a exploração 10/ 2007 07/ © 2007 18
  19. 19. Planejamento em Camadas Estratégia Portfolio Produto Entrega Iteração Dia Geralmente feitos pela gerência superior Geralmente feitos pela equipe de projeto 10/ 2007 07/ © 2007 19
  20. 20. FD D Feat e D rven D evel ur i opm ent 10/ 2007 07/ 20
  21. 21. Origem da FDD 1997-1998,Si ngapura C ont o:D esenvol m ent de um ext vi o gr é i ande si em a de em pr stm os st par um banco i er a nt nacional Ant i m ent após 2 anos de consulora,3. eror e, t i 500 pági nas de casos de (n) i uso e um m odel de obj os com cent o et enas asses,f avalado com o i possível de cl oi i m D eci ão:I pl ação das m et s m ant odol as de O O AD de Pet ogi er ê a C oad e de ger nci de pr et de Jef D e Luca oj os f R esulado:15 m eses após a contat ção da dupl 2. t r a a, 000 f ur entegues porum a equi de 50 pessoas eat es r pe 10/ 2007 07/ © 2007 21
  22. 22. FDD Feature Driven Development Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver Construir Planejar um Modelo a Lista por Abrangente de Features Feature Plano de Desenvolvimento Modelo de Objetos Construção Mais conteúdo na forma Detalhar Construir por por Feature Feature Produto Pacotes de Trabalho 10/ 2007 07/ © 2007 22
  23. 23. Principais Disciplinas Envolvidas Gestão Ágil de Projetos Engenharia de Requisitos Concepção e Planejamento Desenvolvimento de Requisitos Decomposição Análise OO Planejamento Funcional Gerência de Requisitos Construção Gerência de Configuração Programação Projeto OO e Teste OO 10/ 2007 07/ © 2007 23
  24. 24. Características da FDD For r ur i ent nece a estut a sufci e par equi a pes m ai es or Enf i a pr ção de sofw ar de qualdade atza odu t e i Entega r r esulados feqüent t ívei e f t r es, ang s unci onai s R ealza tabal si fcatvo desde o i íci ant de i r ho gnii i n o, es t nar se alam ent ier i or - t e t atva Fornece i or ação de est nf m ado e pr esso de f m a ogr or si pl e com pr m es eensível Agrada a clent ger es e desenvol i es, ent vedores 10/ 2007 07/ © 2007 24
  25. 25. As M elhores Práticas da FDD agem de obj os do dom íni M odel et o D esenvol m ent porfeature vi o Posse i vi asse ( ódi ndi dualde cl c go) pes de features Equi nspeções I B uilds regul es ar G erenci ent de confgur ção am o i a R el óro/ si ldade de r at i vi bii esulados t 10/ 2007 07/ © 2007 25
  26. 26. O Porquê de Cada Processo D esenvol um M odel Abr ver o angent e – M odelagem dos Processos de N egóci ( o BPM ) – Análse O rent i i ada porO bj os ( O A) et O C onstui a Li a de Features r r st çã – D ecom posi o Funci onal anej porFeature Pl ar – Pl ano de D esenvol m ent vi o – Prordade,D ependênci D i rbui o de Tr i i a, sti çã abal ho D et harporFeature al – Pr et O O ( O D ) Est oj o O , udo D et hado al C onstui porFeature r r – Pr am ação O O ( O P) ogr O nspeção,Test I egr ção – I es, nt a 10/ 2007 07/ © 2007 26
  27. 27. O Que é Feature ? Funci act í i onaldade ( car erstca) i ou Pequena o sufci e par seri pl ent i ent a m em ada no m áxi o em 2 sem anas m O f ece val par o clent er or a i e i dade de negóci M apei passos em um a atvi a o – Pode serum passo de um caso de uso – Às vezes pode sero pr pro caso de uso ó i t ó m C onceio m uio pr xi o ao de um r t equi t f sio unci onal M odel <ação> <resultado> <objeto> o: – C al aro total de um a venda cul – Aut i uma transação com cartão de um clent orzar i e – Envi uma nota fiscal par um clent ar a i e 10/ 2007 07/ © 2007 27
  28. 28. FBS: Feature Breakdown S tructure Sistema ou Aplicação Área de Negócio Área de Negócio Área de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Atividade de Negócio Funcionalidade Atividade de Negócio Funcionalidade 10/ 2007 07/ © 2007 28
  29. 29. Estimativas Ágeis Dias / horas Aplicar fator de duração Funcionalidades Desejadas Estimar o Estimar a Cronograma tamanho duração Identificar restrição Escolher unidade: • Pontos por função / Escopo Escopo funcionalidade / história • Dias ideais Usar escalas não-lineares: Tempo Tempo Escopo • Fibonnacci: 1, 2, 3, 5, 8, 13, ... Tarefa de • Exponencial: 1, 2, 4, 8, 16, ... referência Tempo Poker do 1 2 4 8 16 Planejamento 10/ 2007 07/ © 2007 29
  30. 30. Principais Papéis Especialistas no Domínio Gerente Gerente de Programadores Proprietários de Projeto Desenvolvimento Chefes de Classes Arquiteto Chefe 10/ 2007 07/ © 2007 30
  31. 31. Visão Arquitetural Apresentação (Visões e Controladores de Interface) Negócio (Domínio do Problema) Interface com Persistência outros sistemas 10/ 2007 07/ © 2007 31
  32. 32. UM L em Cores e o DNC - Domain Neutral Component Padr o par análse O O ã a i Q uato ar étpos: r qu i –M om ento-Interval o –Papel –Pessoa-Lugar-C oi sa –D escri o çã As cor adi onam um f or es ci at sem ântco ao m odel i o D i i a varação no m nui i processo de m odel agem Padr za o ent oni endi ent m o – Equi de N egóci pe o – Equi de TI pe 10/ 2007 07/ © 2007 32
  33. 33. M 3 - M ind M ap M odeling 10/ 2007 07/ © 2007 33
  34. 34. M edindo o Progresso DM C LF PPF A DPF CPF N º 4:D et harporFeat e al ur N º 5:C onstui porFeat e r r ur E s tudo D irig ido D es enho I ns peç ã o do C o dific a ç ã o I ns peç ã o do P rom oç ã o S obre o (P ro jeto) D es enho C ódig o a o B uild D o m ínio 40% 3% 45% 10% 1% 1% N o ci o ier i ( ocessos 4 e 5) o pr esso é m edi com base cl t atvo pr , ogr do em 6 m ar cos (miles tones )bem defni i dos A cada etapa cum prda,o per i ual espectvo é agr cent r i egado ao t al ot de pr esso da feature ogr 10/ 2007 07/ © 2007 34
  35. 35. M onitorando as Features Est. Dirig. Design Insp. Design Codif. Insp. Cod. Build Id Descrição P.C. D.C. Plan. Real. Plan. Real. Plan. Real. Plan. Real. Plan. Real. Plan. Real. 12 Agendar um serviço para um carro HM AS 10/02 10/02 15/02 16/02 16/02 17/02 28/02 02/03 06/03 Incluir um novo cliente na lista de 13 HM VS 01/02 01/02 04/02 04/02 05/02 05/02 07/02 07/02 08/02 08/02 09/02 09/02 clientes Registrar um serviço realizado num 14 AR AS 10/02 11/02 15/02 16/02 16/02 17/02 28/02 02/03 06/03 carro Registrar uma lista de peças AS 10/02 11/02 15/02 16/02 16/02 17/02 28/02 02/03 06/03 15 AR utilizadas num serviço SM Status: SM ficou doente (previsão de retorno: 01/03 Calcular o custo total das peças AS 16 HM 10/02 10/02 15/02 16/02 16/02 17/02 28/02 02/03 06/03 usadas num serviço SM 17 Enviar uma fatura para um cliente AR VS 08/03 10/03 13/03 17/03 19/03 20/03 Receber um pagamento por um 18 HM AS 10/02 11/02 15/02 16/02 16/02 17/02 28/02 02/03 06/03 serviço Registrar a opção de pagamento 19 AR VS Status: Não mais necessária (será feita diretamente no cadastro do cliente) preferida por um cliente Legenda: Atividade em andamento Requer atenção Completada Não iniciada 10/ 2007 07/ © 2007 35
  36. 36. Reportando o Progresso Iniciais PC Status da Atividade: Em andamento Nome da Requer atenção (ex.: atraso) Atividade de Negócio Completada (nº features) Ainda não iniciada Porcentagem Completada: 75% Barra de Progresso Prazo de Entrega: Mês/Ano Completada MA Mês e Ano para entrega 10/ 2007 07/ © 2007 36
  37. 37. Relatório de Progresso (Parking Lot) Gerenciamento de Vendas de Produtos (VP) – 34% PC-1 PC-1 PC-3 PC-1 PC-2 PC-1 Venda de Envio de Entrega de Entrada de Controle de Relatórios de Produtos Produtos Produtos Pedidos Contratos Vendas (22) (19) (10) (33) (13) (14) 99% 10% 30% 3% 75% Sistema Comercial Nov 2005 Mar 2006 Abr 2006 Fev 2006 Abr 2006 Dez 2005 (238) 65% Ger. Contas de Clientes (CC) – 90% Gerenciamento de Estoque (GE) – 94% Abr 2006 PC-2 PC-2 PC-2 PC-3 PC-3 PC-3 Análise de Abertura Registro de Definição de Aceite de Movimentação Propostas de de Novas Transações Unidades de Requisições de Mercadorias Contas Contas das Contas Estoque de Movimento (23) (11) (30) (26) (18) (19) 95% 100% 82% 100% 97% 82% Nov 2005 Nov 2005 Dez 2005 Nov 2005 Dez 2005 Jan 2006 Legenda: Em andamento Atenção Completada Barra de Progresso Não iniciada 10/ 2007 07/ © 2007 37
  38. 38. Visibilidade do Projeto Diagrama de Fluxo Acumulado Legenda: Features Não iniciada Em andamento Completada Tempo (semanas) 10/ 2007 07/ © 2007 38
  39. 39. Lean Production Exemplo de Quadro de Progresso Backlog Pendentes Iniciadas Inspeção/Teste Finalizadas Fulano E N N N I N N Beltrana N N N I N Sicrano N N N E N I N N E N Zé N N N N J.J. N N I N 10/ 2007 07/ © 2007 39
  40. 40. Exemplos de K anbans ID: RN12 VN: A Est.: 4 Resp.: Sic Descrição: Fórmula de cálculo do imposto: I = ValorBruto * Aliquota Aliquota -> parâmetro AI3 Cartão de impedimento (azul) Classe -> Venda Tela -> pgVenda ID: RN12 Resp.: Sic Início: 18/06 09:15 Fim: Motivo: Classe Venda está sendo alterada Cartão de tarefa normal (amarelo) ou emergência (rosa) por outra tarefa Início: 18/06 11:30 Estimativa de retorno: 19/06 9:00 10/ 2007 07/ © 2007 40
  41. 41. S crum e FDD 10/ 2007 07/ © 2007 41
  42. 42. Quem Usa FDD? 10/ 2007 07/ © 2007 42
  43. 43. Referências htp:/ w w . t /w hept agon. com . br htp:/ w w . t /w axm agno. com / • htp:/ anoel m ent . ogspotcom t /m pi elbl . 10/ 2007 07/ © 2007 43
  44. 44. Agradecimento Principal Divulgador da FD D no Br l asi Adail M uniz “Heptaman” 10/ 2007 07/ agon. t /w 2007 hept htp:/ ©w w . br com . 44
  45. 45. Perguntas??? htp:/ anoel m ent . ogspotcom t /m pi elbl . D evel operN et or Br l w k asi – htp:/ codegearcom / t /dn. . br • Ari tgos • Vi deos • C om uni dades no Br l asi Bl da C odeG ear og – htp:/ ogs. t /bl codegearcom . © 2007
  46. 46. Obrigado !!!! htp:/ anoel m ent . ogspotcom t /m pi elbl . D evel operN et or Br l w k asi – htp:/ codegearcom / t /dn. . br • Ari tgos • Vi deos • C om uni dades no Br l asi Bl da C odeG ear og – htp:/ ogs. t /bl codegearcom . © 2007

×