Comportamentos de Risco

951 visualizações

Publicada em

Comportamentos de risco

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comportamentos de Risco

  1. 1. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO RRIISSCCOOSS DDOO CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOO Jorge Salvador Pinto de Almeida jospa@ipcb.pt DIA MUNDIAL DA PREVENÇÃO DO SUICÍDIO 10 DE SETEMBRO DE 2013 Escola Superior de Educação - INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO
  2. 2. SSUUMMÁÁRRIIOO • Conceito de comportamento de risco • Principais características do comportamento de risco • Comportamentos de risco nos estudantes do ensino superior • Importância dos programas de prevenção aos quatro níveis Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  3. 3. DDEEFFIINNIIÇÇÕÕEESS • CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 • Efeitos adversos • Desenvolvimento • Bem-estar • Sucesso futuro • Imediatos [ferimentos e/ou morte por violência física ou acidentes] • Acumulativos [danos por abuso de substâncias]
  4. 4. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO EEMM EESSTTUUDDAANNTTEESS DDOO EENNSSIINNOO SSUUPPEERRIIOORR FFOONNTTEESS GGEERRAAIISS DDEE AANNGGÚÚSSTTIIAA NNOOSS Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) EESSTTUUDDAANNTTEESS Castelo Branco, 10-Setembro-2013  FRUSTRAÇÃO As expectativas sobre si ou sobre os outros não se concretizam  Falha = comportamento abaixo da auto-expectativa  Perda = família, amigos, suporte emocional, suporte financeiro
  5. 5. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO EEMM EESSTTUUDDAANNTTEESS DDOO EENNSSIINNOO SSUUPPEERRIIOORR  FFOONNTTEESS GGEERRAAIISS DDEE AANNGGÚÚSSTTIIAA NNOOSS EESSTTUUDDAANNTTEESS  SOLIDÃO FRUSTRAÇÃO A vontade de procurar contacto está inibida  Falta= auto-confiança e auto-estima  Falha= capacidade de reconhecimento da necessidade de uma relação  Isolamento = incapacidade de encontrar um sentida de vida Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  6. 6. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO EEMM EESSTTUUDDAANNTTEESS DDOO EENNSSIINNOO SSUUPPEERRIIOORR  FRUSTRAÇÃO  FFOONNTTEESS GGEERRAAIISS DDEE AANNGGÚÚSSTTIIAA NNOOSS EESSTTUUDDAANNTTEESS  PRESSÃO SOLIDÃO A confiança ou vontade para definir as suas (ou as dos outros) expectativas são baixas  Competição (académica) com os outros ou consigo próprio  Expectativas académicas  Expectativas sociais  Expectativas familiares  Complexidade e ritmo da vida Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  7. 7. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE RRIISSCCOO EEMM EESSTTUUDDAANNTTEESS DDOO EENNSSIINNOO SSUUPPEERRIIOORR  FRUSTRAÇÃO  SOLIDÃO  FFOONNTTEESS GGEERRAAIISS DDEE AANNGGÚÚSSTTIIAA NNOOSS EESSTTUUDDAANNTTEESS  CONFLITO As intenções ou motivações estão dividias em  Companheiro/a de quarto ou não PRESSÃO  Namorado/a, marido, mulher, família  Dependência versus independência (full-time/part-time)  Segurança versus ambiente de risco  Desejo sexual versus restrição absoluta  Estudar versus conviver Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  8. 8. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE DDEEPPRRIIMMIIDDOO • EESSTTUUDDAANNTTEE AANNSSIIOOSSOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSOOBB IINNFFLLUUÊÊNNCCIIAA DDEE SSUUBBSSTTÂÂNNCCIIAASS Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA
  9. 9. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE DDEEPPRRIIMMIIDDOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 Exigências académicas períodos reactivos (+ situacionais) Humor depressivo e/ou depressão - Extremos - Disfuncionais - Prolongados no tempo - Chama a atenção Sintomas - Pedido de ajuda
  10. 10. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE DDEEPPRRIIMMIIDDOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013  Emocionalmente instáveis e/ou choro fácil  Marcada ou acentuada baixa da auto-estima  Aumento do número de faltas ou a pouca frequência às aulas  Falta de energia ou motivação  Aumento da ansiedade de forma generalizada e/ou não específica  Irritabilidade
  11. 11. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE DDEEPPRRIIMMIIDDOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013  Deterioração da higiene e aparência pessoal  Abuso do consumo de álcool e/ou drogas ilícitas  Manifestações de sentimentos de culpa exageradas ou desespero  Dificuldades de concentração, na tomada de decisões e na memória  Persistência de sintomas físicos (cefaleias, perturbações digestivas, dor crónica)
  12. 12. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE AANNSSIIOOSSOO CEFALEIAS Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 I. Manifestações físicas da ansiedade TENSÃO MUSCULAR TREMORES Tontura s BOCA SECA DESCONFORTO ABDOMINAL Diarreia Dificuldade em engolir FORMIGUEIRO NAS EXTREMIDADES Hipertensã o INQUIETAÇÃ O PALPITAÇÕES PERDA DE APETITE Respiração mais ofegante e superficial Retenção e urgência Taquicardi urinária a
  13. 13. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE AANNSSIIOOSSOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 Manifestações físicas da ansiedade II. Manifestações psicológicas e cognitivas Confusão e distorção precetivas Pode interferir na aprendizagem É frequente originar tempo espaço Pessoas significado dos deivmeinntuoisn do a concentração reduzindo a memória prejudicando a capacidade de acsasnoscaiçaoção preocupação constante Irritabilidade dificuldade em dormir.
  14. 14. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSOOBB IINNFFLLUUÊÊNNCCIIAA DDEE SSUUBBSSTTÂÂNNCCIIAASS AAuuttoorriiddaaddee NNaacciioonnaall ddee SSeegguurraannççaa RRooddoovviiáárriiaa - ((RARAiiNsNsccSSoo R Rdd)ee aacciiddeennttee mmoorrttaall ccoonncceennttrraaççããoo ddee áállccooooll ssaanngguuee - TTaaxxaa ddee áállccooooll 00,,55 gg//ll,, rriissccoo aauummeennttaa 22 vveezzeess - TTaaxxaa ddee áállccooooll 11,,22 gg//ll,, rriissccoo aauummeennttaa 1166 vveezzeess - 1188--2244 aannooss ggrruuppoo ddee >> rriissccoo ((nnaa úúllttiimmaa ddééccaaddaa rreepprreesseennttaa 1155%% ddaass vvííttiimmaass mmoorrttaaiiss.. 11//33 ccoonndduuttoorreess mmoorrttooss TTAASS >> 00,,55 gg//ll) - 22001111 ee 22001122 aacciiddeenntteess rrooddoovviiáárriiooss pprroovvooccaarraamm 225599 mmoorrttooss jjoovveennss 1155--2299 aannooss ee 11221155 ffeerriiddooss (fonte: Diário de Notícias, 26 de Agosto de 2013) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  15. 15. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSOOBB IINNFFLLUUÊÊNNCCIIAA DDEE SSUUBBSSTTÂÂNNCCIIAASS AAss ccoonnsseeqquuêênncciiaass mmaaiiss oobbsseerrvvaaddaass nnoo eessttuuddaannttee ppoorr aabbuussoo ddee ssuubbssttâânncciiaass -- RReessssaaccaass ffrreeqquueenntteess -- HHoossppiittaalliizzaaççõõeess -- FFrraaccoo rreennddiimmeennttoo aaccaaddéémmiiccoo -- FFaallttaa ààss aauullaass -- DDeesslleeiixxoo ddaa aappaarrêênncciiaa ee ddaa hhiiggiieennee ppeessssooaall Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) -- AAccttiivviiddaaddee sseexxuuaall iinnsseegguurraa -- CCoommppoorrttaammeennttoo ddeessoorrddeeiirroo ee ccoonnfflliittuuoossoo -- AAlliimmeennttaaççããoo ddeesseeqquuiilliibbrraaddaa Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  16. 16. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA O SPRC (Suicide Prevention Resource Center) - Suicídio 3ª causa de morte entre estudantes universitários (20-24 anos) - Aumento da prevalência da depressão e ideação suicida entre estudantes universitários - Tem-se verificado um aumento da Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) - Ansiedade - Medo - Raiva - Hostilidade entre colegas - Distúrbios da alimentação - Abuso de álcool e outras drogas Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  17. 17. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA O SPRC (Suicide Prevention Resource Center) - Suicídio 3ª causa de morte entre estudantes universitários (20-24 anos) - Aumento da prevalência da depressão e ideação suicida entre estudantes universitários - Tem-se verificado um aumento da Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - -A Mnseidedoa de - Raiva - Hostilidade entre colegas - Distúrbios da alimentação - Abuso de álcool e outras drogas STRESS
  18. 18. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA Kitzrow (2003) - Stress entre estudantes universitários tem relação directa com o desempenho académico - Problemas de saúde mental tem impacto negativo no desempenho académico, na permanência e nas taxas de conclusão Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - Kachur, Polter, Powel e Rosenberg, (1995) - SUICÍDIO Final de um continuum - Ideação - Planeamento e preparação - Tentativa ou acto consumado
  19. 19. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 Barrios, Everett, Simon e Brener (2000) - SUICÍDIO - Depressão - Abuso de álcool e outras drogas
  20. 20. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA - Distúrbios psiquiátricos Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) FFAACCTTOORREESS DDEE RRIISSCCOO Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - Transição de vida (deixar casa da família) [agravante de dificuldades psicológicas prévias] [depressão, angústia, stress e ansiedade] - Perdas interpessoais (família, amigos, n -aEmxaograedraod/ao) sentido de responsabilidade (ex. resultados académicos) - Uso e abuso de álcool e outras drogas - Disponibilidade de acesso a meios (ex. alunos das áreas de saúde) - Isolamento social - Violência física e/ou sexual - História individual - Tentativas anterioes
  21. 21. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA OOuuttrrooss ffaaccttoorreess (geralmente não contabilizados nem estudados na relação causa-efeito) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - Filosofia da sociedade contemporânea - Busca da beleza - Valorização da imagem e da -a pParorêcnucraia da felicidade a todo o custo - Consumo descontrolado e fácil - Relações afectivas coisificadas e descartáveis - Crise socio-económica - A incerteza do futuro - A angústia permanente - Ausência de objectivos de futuro
  22. 22. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA OOuuttrrooss ffaaccttoorreess (geralmente não contabilizados nem estudados na relação causa-efeito) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - Entorpecimento dos sentimentos - Triste, choro, sentir-se infeliz, preocupado - Existência como ser incompleto e finito - Estado de auto-renegação - Sentimento de diferença - Sensação de estar perdido - Sem esperança nem resolução
  23. 23. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 Não desvalorizar comentários nem comportamentos - Dormir mais ou até mais tarde do que o normal - Não dormir bem/insónias ou acordar muito cedo - Dormir muitas sestas - Alterações do apetite (para defeito ou para excesso) - Afastar-se/isolar-se da família e amigos/colegas
  24. 24. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA Não desvalorizar comentários nem comportamentos Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 - Não frequentar as aulas ou faltar muitas vezes - Expressar falta de esperança ou culpabilização - Alterações repentinas de humor ou comportamento - Doar os seus bens - Expressar que não vale a pena viver
  25. 25. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA 4 áreas a explorar: 1 – Tem um plano bem desenvolvido assim como acesso fácil a meios? 2 – Fez tentativas anteriores? 3 – Algum membro da família, amigo ou conhecido cometeu suicídio? 4 – Usa álcool ou outras substâncias depressoras que possam enfraquecer a sua Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 capacidade de controle?
  26. 26. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA Pensar em magoar-se ou matar-se Procurar formas de se matar pesquisando armas, comprimidos, etc Manifestar desespero ou ausência de soluções Falar sobre morrer, morte ou suicídio (sempre que fora de contexto) Agir de forma imprudente ou participar em actividades de risco (aparentemente sem pensar) Sentir raiva/fúria descontrolada ou procurar vingança (se não fizer parte da sua personalidade) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) SINAIS E SINTOMAS Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  27. 27. EESSTTAADDOOSS DDEE AALLMMAA EESSTTAADDOOSS DDEE RRIISSCCOO • EESSTTUUDDAANNTTEE SSUUIICCIIDDAA SINAIS E SINTOMAS Aumento do uso de álcool ou de outras drogas Apresentar alterações dramáticas do humor Sentir-se ansioso, agitado ou incapaz de dormir ou estar sempre a dormir Sentir-se “preso” – como se não tivesse alternativas Afastar-se do(s) companheiro(s) de quarto, amigos, família ou das pessoas em geral Não ver razão para viver ou não encontrar sentido na vida Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  28. 28. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) EEssttuuddooss ee DDaaddooss ssoobbrree CCoommppoorrttaammeennttooss ddee RRiissccoo ddee EEssttuuddaanntteess UUnniivveerrssiittáárriiooss Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  29. 29. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO • Estudo sobre Comportamentos de Risco estudantes ddoo IIPPCCBB eemm RReessiiddêênncciiaa ddee EEssttuuddaanntteess.. Inquérito a estudantes alojados em 2 Residências do IPCB (n=130) média = 21 anos ♀ = 78% ♂ = 22% Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013 ((AAnnttuunneess ee SSaannttooss,, 22000099)) EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS
  30. 30. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS • EEssttuuddoo ssoobbrree CCoommppoorrttaammeennttooss ddee RRiissccoo eessttuuddaanntteess ddoo IIPPCCBB eemm RReessiiddêênncciiaa Consumo de ddee EEssttuuddaanntteess.. ((AAnnttuunneess ee SSaannttooss,, 22000099)) Sim = 67,7% (64% ♀) álcool Razões do consumo = 42% curiosidade; 19% integração; 15% divertimento Frequência de consumo = 38% < 1 vez semana; 35% < 1 vez mês; 24% 1-3 vez semana Tipo de bebida = 88% cerveja Locais = 89% bares, discotecas e festas/eventos Embriaguez = 76% ( 17,9% mais de 20 vezes) Alguém de preocupou com o consumo = 77% não Os que se preocuparam = 75% amigos; 15% família; 10% namorado/a Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  31. 31. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS • EEssttuuddoo ssoobbrree CCoommppoorrttaammeennttooss ddee RRiissccoo eessttuuddaanntteess ddoo IIPPCCBB eemm RReessiiddêênncciiaa ddee EEssttuuddaanntteess.. ((AAnnttuunneess ee SSaannttooss,, 22000099)) Consumo de tabaco Não = 62% Idade de inicio = 58% 16-20 anos Consumo de drogas Não (nunca consumiu) = 83% Sim (consumidor) = 2% (Sexo = 100% ♀) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  32. 32. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS • Estudo sobre Comportamentos de Risco estudantes ddoo IIPPCCBB eemm RReessiiddêênncciiaa ddee EEssttuuddaanntteess.. ((AAnnttuunneess ee SSaannttooss,, 22000099)) Sexualidade Não (nunca teve relações sexuais) = 29% Vida sexual activa = 86% (87% ♀) Número de relações sexuais = 41% 1-3 vezes semana (54% ♀) Parceiros sexuais = 90% 1 parceiro (31% ♂) Uso de preservativo = 47% usa sempre; 18% quase sempre; 24% raramente; 11% nunca Razões do uso de preservativo = 84% evitar gravidez 4,8% das mulheres com vida sexual activa já recorreu à IVG Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  33. 33. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS Dificuldades de integração no contexto universitário Problemas vocacionais Ataques de pânico/fobia Doença mental Problemas sexuais Perturbações psicóticas Perturbação do comportamento Perturbação de aprendizagem Isolamento social Fobias específicas Perturbação de hiperactividade com défice da atenção Luto Patológico Problemas de ordem vocacional . Organização do estudo e gestão do tempo; Insucesso académico Desintegração familiar; Desmotivação/dificuldade no planeamento de objectivos Dislexia. Perturbação de Pânico Perturbação da Personalidade Dificuldades de relacionamento interpessoal Perturbações da ansiedade Perturbações do humor (especialmente a dPeeprtruersbsaãçoõ)es alimentares (anorexia e bulimia) Dificuldades de comunicação Baixa auto-estima Tristeza e instabilidade Ansiedade em situações de avaliação; Perturbação de ansiedade generalizada Dificuldades em lidar com o Stress Ideação suicida Bullying. Perturbação obsessivo-compulsiva Perturbação de ansiedade social Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  34. 34. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS Estudo transversal com 666 estudantes do 1º ciclo de licenciatura da Universidade de Aveiro (Santos, 2011) 32 % disfunções quanto à saúde mental 15 % sintomatologia depressiva 20 % níveis elevados de stress Saúde mental com níveis mais baixos nas mulheres e em alunos do 1º e 3º ano Maioria consumia álcool 41 % com episódios de ingestão excessiva no mês anterior (à aplicação dos qNuaess fteiosntaásri oasc)adémicas, ¼ ingeriu mais de 5 bebidas/noite 13 % dos estudantes sexualmente activos, tiveram relações sexuais decorrentes do consumo de á2l9c o%o lconduziu sob efeito de álcool Minoria dos estudantes esteva a receber apoio psicológico Principais conclusões do estudo: Há necessidade das instituições de Ensino Superior reforçarem a identificação e o tratamento dos problemas existentes e apostarem na prevenção; em estratégias dirigidas a toda a comunidade académica; em acções de educação para a saúde e de literacia em saúde mental Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  35. 35. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS Estudo transversal sobre comportamentos sexuais de risco em 367 estudantes do ensino superior do concelho de Bragança (Ribeiro, M.; Fernandes, A., 2009) 76 % já tiveram relações sexuais ( com início médio aos 17,5 anos) 40,8% tiveram relações sexuais sob efeito de álcool 8,1 % tiveram relações sexuais sob efeito de drogas 3,6 % nunca usaram preservativo Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  36. 36. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS World Health Assembly (WHA) (Maio, 2013) Comprehensive Mental Health Action Plan 2013- 2020 Saúde Mental e Distúrbios: determinantes e consequências Dependendo do contexto, certos indivíduos e grupos poderão estar expostos a riscos significativos e sentir problemas de saúde mental. Um desses grupos são adolescentes com a primeira experiência de consumo de substâncias (álcool e drogas) Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  37. 37. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS Heisel & Flett, 2004 São indicadores típicos de quadros psicopatológicos relacionados com comportamentos suicidários nos jovens: - Desespero - Pensamentos negativos - Agressividade - Poucas razões para viver - Baixo auto-conceito - Insónia - Anedonia - Impulsividade - Concentração diminuída - Sentimento de culpa - Perfeccionismo Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  38. 38. SSAAÚÚDDEE MMEENNTTAALL DDOO EESSTTUUDDAANNTTEE UUNNIIVVEERRSSIITTÁÁRRIIOO PPOORRTTUUGGUUÊÊSS American College Health Association (2007) 18,9 % dos estudantes referenciaram ter depressão (nos últimos 12 meses) 13,1 % dos estudantes referenciaram sofrer de ansiedade Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  39. 39. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUII“TCChe MÍÍeDnDtal HIIeOaOlth of Students in High Education” Royal College of Psychiatrists London (2003) Através dos serviços de aconselhamento há evidências que os estudantes apresentam sintomas de doença mental e que têm vindo a aumentar nos últimos anos Os problemas de saúde mental nos alunos são severamente disruptivos na capacidade dos estudantes para estudar e aprender, o desenvolvimento emocional e, por vezes, para com os seus colegas e instituição A frequência do ensino superior está relacionada com níveis elevados de stress; com exigências derivadas pela sua saída de casa; com o ambiente menos estruturado da universidade; com as diferenças de exigências académicas, de estudo e de professores; com as pressões financeiras Não há evidências que confirmem que os estudantes universitários tenham mais problemas de saúde mental que o mesmo grupo etário não estudante Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  40. 40. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUII“TCChe MÍÍeDnDtal HIIeOaOlth of Students in High Education” Royal College of Psychiatrists London (2003) Recomendações Promoção da Saúde Mental nas instituições de ensino superior, incluindo: - Educação para a saúde sobre sexualidade - Uso e abuso de consumo de substâncias, causas e consequências - Formas de lidar com problemas de saúde mental Informação sobre saúde mental dos estudantes, incluindo: - Serviços de apoio, publicação nos locais de maior visibilidade dos serviços de apoio, campanhas de sensibilização Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  41. 41. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUII“TCChe MÍÍeDnDtal HIIeOaOlth of Students in High Education” Royal College of Psychiatrists London (2003) Recomendações Políticas de saúde mental a nível do cuidados de saúde primários Os serviços de apoio e aconselhamento das universidades são os CSP nas instituições Desenvolver e incentivar a figura de tutores ou conselheiros entre os pares Estabelecer protocolos de colaboração entre a universidade e os serviços de saúde mental local, por forma a dar apoio e intervenção especializada em caso de necessidade Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  42. 42. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Vulnerabilid ade Individual Disponibilid ade de meios Stress Social SUICÍD IO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  43. 43. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Vulnerabilid ade Individual Disponibilid ade de meios Stress Social SUICÍD IO Estratégias Preventivas Criação de serviços de apoio e sua promoção Programas de estratégias de resolução de problemas e auto-estima Promoção do conhecimento e consciencialização da problemática do suicídioR estrição de acesso a meios auto-destrutivos Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  44. 44. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Estigm a Procura de ajuda Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  45. 45. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Estig ma Procura de ajuda OOuuttrrooss sseerrvviiççooss nnaa CCoommuunniiddaaddee (académica) - Facilidade de acesso e disponibilidade - Proximidade com a população a que se destina - Divulgação e difusão entre a comunidade em especial aos grupos a que se destina Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  46. 46. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO FFuunnddaammeennttaall aa sseennssiibbiilliizzaaççããoo ddaa ccoommuunniiddaaddee aaccaaddéémmiiccaa (estudantes, funcionários e docentes) - Factores de risco - Sinais e sintomas - Formas de intervenção Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  47. 47. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Modelo de Prevenção 3 níveis (1ª, 2ª e 3ª) - Profilaxia do aparecimento da doença - Redução da prevalência através do tratamento adequado - Redução da incidência de recaída pela reabilitação Gusmão (2012) EAAD (European Alliance Against Depression) Modelo 4 níveis de Prevenção do Suicídio Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  48. 48. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Modelo 4 níveis de Prevenção do Suicídio Nível 1 – CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Programas de formação para profissionais de saúde sobre depressão e suicidologia Nível 2 – POPULAÇÃO GERAL - Medidas de saúde pública que aumentem a acessibilidade a tratamentos - Campanhas de sensibilização e educação (ex. sinais de alarme, redução do estigma) - Criação de linhas telefónicas directas de apoio - Programas de prevenção a nível nacional, regional e local Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  49. 49. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Modelo 4 níveis de Prevenção do Suicídio Nível 3 – COMUNIDADE LOCAL Formação de intervenientes não enquadrados na área da saúde (ex. escolas, prisões) Nível 4– CUIDADOS ESPECÍFICOS - Melhoria do acompanhamento pós-alta - Formação de grupos de auto-ajuda - Melhoria da cadeia de atendimento e da articulação com os CSP - Intervenções específicas que visem pacientes suicidas e/ou potencialmente suicidas Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  50. 50. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DO SUICÍDIO As estratégias de prevenção devem ter como alvo a população em risco de cometer suicídio contar com o apoio de instituições de influência (ex. escolas e serviços de saúde) requerem esforços coordenados ter sensibilidade cultural a atender às necessidades de grupos minoritários Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  51. 51. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO DO SUICÍDIO As estratégias de prevenção devem atender às prioridades da comunidade a que se destinam (e os cuidados) devem ser focados nas populações em risco incluir profissionais de CSP incluem o reforço do sistema de saúde mental Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  52. 52. PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSS OORRIIEENNTTAADDOORREESS DDAA PPRREEVVEENNÇÇÃÃOO DDOO SSUUIICCÍÍDDIIOO Modelo 4 níveis de Prevenção do Suicídio Nível 1 – Cuidados de Saúde Primários Nível 2 – População em Geral Nível 3 – Recursos Comunitários Nível 4 – Serviços e Cuidados Específicos Elemento comum - Sessões de formação sobre - competências - necessidades - papéis específicos Profissionais com melhores conhecimentos Mudanças de atitudes e práticas Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  53. 53. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE BIBLIOGRA FIA RRIISSCCOO RRIISSCCOOSS DDOO CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOO Andrade, S. M. et al. Comportamentos de Risco para acidentes de trânsito: um inquérito entre estudantes de medicina na região Sul do Brasil. Ver. Assoc. Med. Brasil; 2003; 49(4): 439-44 Aslam, F. et al. Cardiovascular health – behaviour of medical studentes in Karachi. PaK. Med. Assoc. 2004; 54(9): 592-495 Barrios, L. C. et al. Suicide Ideation among US College Students: associations with other injury risk behaviours. J. AM Coll Health. 2000; 48(5); 229-233 Carvalho, Álvaro (Coord.) (2012). Plano Nacional de prevenção do Suicídio 2013-2017. Direcção-Geral de Saúde. Programa Nacional para a Saúde Mental. Dutra, Elza (2012). Suicídio de Universitários: o vazio existencial de jovens na contemporaneidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Vol. 2(3); 924-937 Grant, F., Guille C., Sem, S. (2013). Well-being and the risk of depression under stress. PLoS ONE 8(7): e67395. Doi: 10.1371 / journal.pone. 0067395 Gusmão, Ricardo (2013). Recomendações para uma estratégia nacional de prevenção do suicídio 2013-2017 (European Alliance Against Depression), 1ª versão Gusmão, Ricardo; Quintão, Sónia (2013). Registo de suicídios e de mortes resultantes de eventos com intenção indeterminada. Portugal Saúde em números; 1; 19-34 Gonçalves, A; Freitas P.; Sequeira, C (2011). Comportamentos suicidários em estudantes do ensino superior. Factores de risco e de protecção. Millenium, 40: 149-159. Miller, David N.; Eckert, Tanya L.; Mazza, James J. (2009). Suicide Prevention Programs in the schools: a review and public health perpsective. School Psychology Review, 38(2), 168-188 Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  54. 54. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE BIBLIOGRA FIA RRIISSCCOO RRIISSCCOOSS DDOO CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOO Mckintyre, T. A necessidade de serviços de aconselhamento psicológico nas universidades: o saber, o ser e o saber ser. Comunicação apresentada nas III Jornaddas de Consulta Psicológica de Jovens e Adultos. Universidade do Porto. 1996 O’Connor, E.. Student mental health: secondary education no more. Monitor on Psychology. 2001; 32(8); 44-47 Pereira, Anabela (Coord.) (2002). RESAPES – Rede de Serviços de Aconselhamento Psicológico no Ensino Superior. Contexto e Justificação. Vol. 1 e 2 Steptoe, A et al. Trends in smoking, diet, psysical exercise and attitudes toward health in European University students from 13 countries 1999-2000. Prev Med. 2002; 35(2): 97-104 Von Ah, D. et al. Preditors of health behaviour in College Students. Adv Nurs. 2004; 48(5): 463-74 Wahlbeck, K. and Mäkinen M. (Eds) (2008). Prevention of depression and suicide. Consensus paper. Luxembourg: European Communities Yip, Paul S. F. A public health approach to suicide prevention. Hong Kong Journal of Psychiatry. 2005, 15; 29-31 Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013
  55. 55. CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOOSS DDEE CCOOMMPPOORRTTAAMMEENNTTOO Muito Obrigado pela vossa atenção RRIISSCCOO RRIISSCCOOSS DDOO Jorge Salvador Pinto de Almeida (jospa@ipcb.pt) Castelo Branco, 10-Setembro-2013

×