Estágio comp.risco 08_09

911 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Diversão e humor
  • Seja o primeiro a comentar

Estágio comp.risco 08_09

  1. 1. Comportamentos de Risco
  2. 2. Escola Básica Integrada c/ J.I. D. Carlos I A Escola  Meio socioeconómico caracterizado por um “…misto entre o rural e o urbano”, resultante de uma parte rural já descaracterizada, isto é, com influências urbanas.  Oferta curricular da escola: Jardim Infantil, 1 º, 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico, Cursos de Educação e Formação, Educação e Formação de Adultos.
  3. 3. A escolha do tema…  O Núcleo de Estágio na procura de realizar um estudo de interesse para a comunidade escolar, realizou um senso (através de um inquérito) com vários temas (“N.E.E.”, Bullying e Comportamentos de Risco).  Os resultados foram claramente a favor dos Comportamentos de Risco. - Bullying (23,94%) - N.E.E. (33,80%) - Comportamentos de Risco (42,25%)
  4. 4. Enquadramento do Estudo Estilo de Vida Comportamentos de Risco Adolescência
  5. 5. Estilo de Vida  “ O estilo de vida pode definir-se como um conjunto de padrões de conduta que caracterizam a maneira geral de viver, de um indivíduo ou grupo” (Mendonza, 1990, in Simões, 1998).  Factores determinantes: - Características Individuais - Envolvimento Microssocial - Envolvimento Macrossocial - Meio Físico e Geográfico
  6. 6. Comportamentos de Risco “São formas específicas de comportamento associadas ao aumento de susceptibilidade a uma doença específica ou à ”doença-saúde” (OMS, 1986)”. Factores Determinantes: - Factores de Risco - Factores de Protecção/Resiliência
  7. 7. Adolescência  O desenvolvimento do adolescente implica a modificação de relações entre o próprio e os múltiplos contextos sociais em que se encontra inserido. As alterações que ocorrem apresentam uma grande diversidade ao adolescente e podem representam factores de risco e de protecção (Matos et al, 2003; Lerner, 1998).  Factores Determinantes: - Grupo de Pares - Família - Escola/Comunidade
  8. 8. Comportamentos de Risco  Consumos: - Tabaco - Álcool - Estupefacientes  Comportamentos de Violência  Comportamentos Sexuais de Risco
  9. 9. Estupefacientes  “Toda a substância natural ou sintética que modifica o comportamento do organismo no qual é introduzida.” O.M.S 3 categorias de estupefacientes: Depressoras, Estimulantes, Perturbadoras 3 tipos de consumidor: Ocasional, Habitual, Toxicodependente
  10. 10. Álcool  É considerado uma droga psicotrópica, pois ele actua no sistema nervoso central, provocando uma mudança no comportamento de quem o consome, além de ter potencial para desenvolver dependência.
  11. 11. Tabaco  O tabaco tinha inicialmente um uso medicinal. Nas ultimas décadas, esta ideia cedeu lugar ao combate à dependência química que as substâncias constantes do cigarro causam.
  12. 12. Consumos  Tabaco  Álcool Dependência  Estupefacientes
  13. 13. Comportamentos Violentos  A violência pode ser exercida tanto a nível físico como psicológico (Plougnand, 1998, Verterdal, 1980, in Matos et al.; 2003), sob a forma de comportamentos activos, tais como a crueldade mental, espancamento, abuso sexual, sequestro, rejeições, entre outros, e através de comportamentos passivos, nomeadamente, falta de cuidados, indiferença, não satisfação de necessidades vitais e falta de afecto.  Factores determinantes: família, nível socioeconómico, ambiente social, grupo de pares, etc.
  14. 14. Comportamentos Sexuais de Risco  D’Ângelo e DiClemente (1998), afirma que o risco de adquirir uma doença sexualmente transmissível é um dos mais significantes e imediatos riscos para a saúde e bem-estar dos adolescentes.  Factores Determinantes: - Idade, uso de contraceptivo, consumo de estupefacientes, família, etc.
  15. 15. Metodologia  Para realização deste estudo construímos um questionário de raíz com base nos instrumentos utilizados pelo HBSC-OMS (Health Behaviour in School-aged Children ).  Questionário: 31 itens subdivididos por: - Consumos de Tabaco, Álcool e Drogas; - Comportamentos Violentos; - Comportamentos Sexuais.
  16. 16. Amostra  Foram seleccionados os 430 alunos que frequentam o 3ºCiclo da escola, com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos, distribuídos da seguinte forma:  6 turmas de 7º Ano  5 turmas de 8º Ano  5 turmas de 9º Ano  e 5 turmas de Cursos de Educação e Formação
  17. 17. Validade da Informação  A aplicação dos questionários decorreu nas aulas de Formação Cívica com a colaboração dos Directores de Turma.  A supervisão, as instruções de preenchimento e o anonimato dos questionários foram garantidas pelos professores estagiários responsáveis pelo estudo.  Foi garantida a validade dos resultados pois os questionários foram aplicados a toda a população em estudo.
  18. 18. Análise e Tratamento de Dados  Para o tratamento e análise de dados foi utilizado o programa SPSS 13.0 para Windows.  Permitiu a utilização de técnicas estatísticas de análise descritiva de resultados (frequências absolutas e relativas).
  19. 19. Resultados
  20. 20. Consumo de Tabaco
  21. 21. Consumo de Tabaco  41,03% - Sim (176 alunos) Idade  O Consumo de Tabaco aumenta com a idade.  1º consumo é entre os 12 e 13 anos (77,4%).  Ocasional - Idades mais baixas. Regular - Idades mais altas.  Local de consumo: Mais novos – Rua. 16 aos 18 anos – Escola (41,9%)  Curiosidade - Idades mais baixas. A partir dos 16 anos - Surgem outras razões (gosto, vício, stress…).
  22. 22. Consumo de Tabaco Género  O consumo de tabaco é maior no género masculino (45,3%) do que no feminino (36,7%).  A idade do 1º consumo é igual em ambos os géneros, sendo feito entre os 12 e 13 anos.  Ocasional - Género masculino Regular - Género feminino  Local de Consumo: Ambos os Géneros – Rua  Curiosidade – Ambos os Géneros
  23. 23. Consumo de Tabaco Estatuto socioeconómico  O consumo de tabaco é mais elevado no nível socioeconómico mais baixo.  Ocasional - Níveis alto e médio Regular - Nível mais baixo  O Local de consumo: Todos os níveis – Rua  Curiosidade – No nível alto e médio Aspecto da Amizade – No nível mais baixo
  24. 24. Álcool
  25. 25. Álcool  73,02% - Sim (314 alunos) Idade  O Consumo de Álcool aumenta com a idade.  A idade do 1ºconsumo é entre os 13 e os 16 anos.  Ocasional - Todas as idades  O Local de Consumo: Cafés, Bares e Festas – Todas as idades  Curiosidade – Todas as idades  Leves - 12 e 13 anos Pesado - A partir dos 14 anos
  26. 26. Álcool Género  Consumo de álcool é maior no género feminino (75,3%) do que no género masculino (70,7%).  O 1º consumo é igual em ambos os géneros (entre os 9 e 12 anos).  Ocasional - Ambos os géneros.  O Local de Consumo: Cafés, bares e festas – Ambos os géneros  Curiosidade – Ambos os géneros  Bebidas Pesadas – Ambos os géneros
  27. 27. Álcool Estatuto socioeconómico  O consumo é baixo no nível socioeconómico médio e elevado e alto no nível mais baixo.  A idade do 1ºconsumo é entre os 9 e 12 anos.  Ocasional - Todos os níveis.  O Local de Consumo: Cafés, Bares e Festas – Todos os níveis.  Curiosidade – Todos os níveis.  Bebidas pesadas – Todos os níveis.
  28. 28. Estupefacientes
  29. 29. Estupefacientes  12,79% - Sim (55 alunos) Idade  Aumento do consumo com o aumento de idade.  A idade do 1ª consumo de Droga é entre os 12 e 14 anos.  O tipo de droga consumida por todas as idades é preferencialmente o haxixe ou erva.  Ocasional - Todas as idades  O Local de Consumo: Escola - 12 e 13 anos Bares ou Festas - A partir dos 16 anos  Confiança - 12-13 e os 16-18 anos Curiosidade - 14-15 anos
  30. 30. Estupefacientes Género  Consumo baixo em ambos os géneros, sendo ligeiramente superior no género masculino.  A idade do 1º consumo, é aos 14 anos no género masculino e aos 13 no género feminino.  O tipo de droga para os dois grupos mais referida é o haxixe ou erva.  Ocasional – Ambos os géneros  Curiosidade - género masculino Confiança - género feminino
  31. 31. Estupefacientes Estatuto Socioeconómico  Consumo baixo em todos os níveis socioeconómicos.  O tipo de droga consumida é preferencialmente o haxixe ou erva.  Ocasional – Todos os níveis.  Local de consumo não existe um padrão linear.  Curiosidade - Nível socioeconómico alto Confiança – Nível socioeconómico médio Curiosidade e confiança - Nível mais baixo.
  32. 32. Violência
  33. 33. Violência  23,95% - Sim (103 alunos) Idade  1ª agressão sofrida é referida pela maioria entre os 9 e 12 anos.  Ocasional - Todas as idades  O local: Recreio escolar – Todas as idades  O tipo de agressão: Verbal entre os 12 e 15 anos Verbal e Física dos 16 aos 18 anos.  Os comportamentos violentos como agressores aumentam com a idade.  Ocasional - Todas as idades  As razões apontadas de que estas resultam em resposta a agressões verbais sofridas.
  34. 34. Violência Géneros  Maior no género masculino (28,4%) do que no género feminino (19,5%).  A idade em que é sofrida a 1ª agressão é entre os 9-12 anos  Ocasional para ambos os géneros.  O local onde ocorrem estas agressões é na escola para ambos os géneros.  Os tipos de agressão é do estilo verbal para ambos os géneros.  Relativamente a agressões a outros elementos, o género masculino afirma em maior número esse tipo de agressões.  A frequência destas agressões são do estilo ocasional e surgem como resposta a agressões verbais.
  35. 35. Violência Estatuto Socioeconómico  No que diz respeito à violência, o nível socioeconómico que sofre mais agressões é o elevado.  A idade da 1ª agressão é igual para os três grupos sendo entre os 9 e 12 anos.  A frequência é do estilo ocasional e o local de agressão é consumada no recreio da escola.  O tipo de agressão é do estilo verbal e física para os 3 grupos.  Relativamente a agressão a outros, o nível socioeconómico mais baixo apresenta valores maiores.  A frequência de agressão é ocasional e as razões que referem é em resposta a agressões verbais sofridas para os 3 grupos.
  36. 36. Comportamentos Sexuais
  37. 37. Comportamentos Sexuais  20,93% - Sim (90alunos)  Contraceptivos – 96,51% (Apenas 3 alunos referem que não utilizam). Idade  Os comportamentos sexuais são mais frequentes no grupo dos 16 aos 18 anos.  A idade da 1ª relação é entre os 14-15 anos.  Ocasional - Todas as idades  A utilização de preservativo é bastante elevada em todas as idades.  A razão principal apontada por terem iniciado a sua vida sexual é “porque o ambiente se proporcionou e ambos quiseram”.  Relações sexuais com efeito de álcool ou drogas são apenas significativas no grupo dos 16 aos 18 anos.
  38. 38. Comportamentos Sexuais Género  Ligeiramente superior no género masculino (21,9%) que no género feminino (20%).  A idade da 1ª relação é referida na sua maioria aos 14 anos.  Ocasional – Ambos os géneros  A utilização de preservativo é maior no género masculino.  A razão principal apontada por terem iniciado a sua vida sexual é “porque o ambiente se proporcionou, e ambos quiseram”.
  39. 39. Comportamentos Sexuais Estatuto Socioeconómico  Verifica-se mais comportamentos sexuais nos níveis socioeconómicos médio e baixo.  A idade da 1ª relação é entre os 13 e 15 anos  A sua frequência é mais regular em níveis mais baixos.  A utilização de contraceptivos não apresenta diferenças.  As razões: “Porque o ambiente se proporcionou e ambos quiseram”- Nível socioeconómico alto “Não resistir” - Nos restantes níveis.  O sexo sobre efeito de álcool e drogas é maior nos níveis socioeconómicos mais baixos.
  40. 40. Conclusões  Comportamento de risco principal na nossa escola é relativo ao consumo de álcool (73%), seguido do consumo de tabaco (41%).  A violência também apresenta uma incidência elevada (23,95%).  Os 1ºconsumos verificam-se entre os 12 e 13 anos (Tabaco e Álcool).  Ocasional - Idades mais baixas Regular - Idades mais altas  O Estatuto Sócio-económico baixo revela resultados mais elevados quanto a consumos, violência sobre outros e comportamentos sexuais de risco.  O consumo de drogas revela valores pouco significativos, assim como os comportamentos sexuais de risco (Sem Preservativo ou sobre o efeito de estupefacientes ou álcool)  A elaboração deste estudo permitiu não só, obter uma caracterização dos comportamentos de risco da escola e poderá ser factor promotor de uma intervenção contextualizada.
  41. 41. Sugestões
  42. 42. Sugestões  Alunos: - Promover o desenvolvimento de competências como: - (1)Comunicação interpessoal; - (2) Identificação e gestão de emoções, - (3) Resolução de problemas; - (4) Competências sociais; - (5) Assertividade; - (6) Alterações do humor e da ansiedade: depressão (tristeza) e ansiedade (nervoso); - (7)(Re)construção de um futuro.
  43. 43. Sugestões  Estratégias de Carácter Preventivo: - reforço de competências pessoais (resiliência, competências sociais, emocionais, cognitivas, comportamentais e morais, auto-determinação, espiritualidade, auto-eficácia, identidade positiva, expectativas positivas no futuro, reconhecimento de comportamentos positivos, oportunidades para um envolvimento pro-social, etc) - apoio ambiental - O tempo de lazer parece ser um bom ponto de partida, assim como as alternativas para a vida, a procura de prazer e de bem-estar (Matos et al., 2003). - Acções de sensibilização
  44. 44. Sugestões  Escola: - Educar os adolescentes, promovendo currículos específicos (Formação Cívica, Projectos e Clubes) e interdisciplinaridade; - Formar competências de intervenção na comunidade escolar; - Parcerias comunitárias, articulando com as diversas instituições locais,
  45. 45. Sugestões Espaço aberto a sugestões dos participantes:  Realizar a divulgação aos alunos da escola D. Carlos I e aos pais/Encarregados de Educação.  Divulgação a outras escolas do Agrupamento.  Divulgação aos jovens de outras formas (Desporto Radicais, etc.) de ocupações dos tempos livres.  Projectos de Voluntariado na escola…  Projectos de desenvolvimento cívico…  Projecto relativamente aos Comportamentos de Risco.  Associações de Pais – Ocupação de tempos livres que os jovens gostam.  Abranger Projectos a 1º e 2º Ciclo.  Projectos em conjunto de Pais e Professores…  A importância dos Directores de Turma na detecção destas problemáticas…
  46. 46. Agradecimentos  Á nossa Directora Executiva Profª Paula Mendes por ter possibilitado este estudo na Escola Básica c/ J.I. D. Carlos I.  Aos Orientadores: Prof. Marcos Onofre (FMH) e Profª Doroteia Luís (D. Carlos I).  Aos docentes e Directores de Turma do 3º Ciclo que nos ajudaram.  E aos alunos pela sua sinceridade e contribuição.
  47. 47. Obrigado !!!

×