Pais decidem processar
hospital e funerária após
troca de corpo de bebê
Pais de um recém-nas-
cido morto há cinco meses
em...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 2
Pais decidem processar hospital e
funerária após troca de corpo de bebê
Criança nasc...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 3
Atividade foi realizada
no sábado (28 de setembro),
pela Secretaria Municipal de
Pro...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 4
Moradores, funcioná-
rios de lojas e comercian-
tes do Itaim Paulista se
aglomeraram...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 5
provam terminal de ônibus no centro do bairro
e fora inaugurado às pressas. Todos fo...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 6
O Itaim Paulista, no ex-
tremo da Zona Leste, tem o
menor índice de área verde
de Sã...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 7
Você é fã de fazer um
olhão preto para ir a uma
festa ou balada? Pois saiba
que o lo...
2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 8
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Folha 193

261 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Folha 193

  1. 1. Pais decidem processar hospital e funerária após troca de corpo de bebê Pais de um recém-nas- cido morto há cinco meses em São Paulo decidiram processar o Hospital Ger- al de Itaim Paulista, e o Serviço Funerário de São Paulo após descobrir que tinham... Atividade foi realizada no sábado (28 de setembro), pela Secretaria Municipal de Promoção e Desenvolvimen- to Social, no Ginásio “Mar- cílio Guerra”; programação envolveu testes de saúde, cuidados com a ... Os baixos do Viaduto da China, no distrito do Jardim Helena, em São Miguel Paulista (Zona Leste), que passa por um processo de revitalização, que contempla a constru- ção de uma... 2ª QUINZENA SETEMBRO DE 2013ANO IX - N.o 193 Moradores e comerciantes do Itaim Paulista desaprovam terminal de ônibus no centro do bairro PÁG. 03 Evento do Dia do Idoso atrai 600 pessoas em Ferraz PÁG. 03 PÁG. 02 PÁG. 02 Mais de 1 milhão de pessoas saiu da extrema pobreza em 2012 Moradores, funcioná- rios de lojas e comercian- tes do Itaim Paulista se aglomeraram em frente à subprefeitura local na tar- de da última quinta-feira (26), protestando contra o projeto da Prefeitura que planeja construir o “Ter- minal do Itaim Paulista” (última parada do Cor- redor de Ônibus que vai ligar o Brás ao bairro do extremo leste da capital) na região central e mais valorizada do bairro, tra- zendo desapropriações e desempregos na região central do bairro. O protesto teve início dentro do auditório da subprefeitura, onde cerca de 300 pessoas reivindi- caram que o terminal de ônibus não ocupe a área central do bairro. Entre cartazes e faixas a tarde de quinta foi bastante agitada pelos comerciantes e mo- radores do bairro. As queixas surgiram logo após ... Baixos de viaduto são iluminados em São Miguel PÁG. 04
  2. 2. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 2 Pais decidem processar hospital e funerária após troca de corpo de bebê Criança nasceu morta há cinco meses em Hospital Geral de Itaim Paulista. Pais abriram caixão e viram que o corpo era de uma menina. Pais de um recém-nascido morto há cinco meses em São Paulo decidiram processar o Hos- pital Geral de Itaim Paulista, e o Serviço Funerário de São Paulo após descobrir que tinham enter- rado o corpo de outra criança, uma menina. Peritos recolheram material do corpo de um bebê que foi enterrado no mesmo cemitério para saber se é o filho do casal. O caso está sendo investigado como morte suspeita. No dia do parto, a mãe Érika Xavier da Silva nem chegou a ver o rostinho do bebê. Gabriel seria o primeiro filho do casal. O parto foi feito às pressas, quando ela estava com sete meses de gestação. Érika teve um sangra- mento e correu para o Hospital Geral de Itaim Paulista. “Ouvi o choro do bebê, mas a enfermeira levou ele, falou que ia trocar, uma hora depois ela voltou e disse que ele tinha mor- rido”, conta a mãe. O casal contou que os fun- cionários disseram que o menino morreu porque na hora do parto estava enrolado no cordão um- bilical. Na declaração de óbito, Gabriel morreu de síndrome do desconforto respiratório. A mãe não entende. “Disseram que foi na hora do parto, mas como se eu ouvi o choro do bebê?”, ques- tiona. A surpresa maior veio na hora do enterro, quando um dos parentes resolveu abrir o caixão. A criança estava com a roupinha que o casal levou para a mater- nidade, mas era uma menina. O casal se reuniu com a direção do hospital. Érika e Marcos de- cidiram processar o hospital e também o Serviço Funerário de São Paulo. Para a polícia, os corpos das crianças foram trocados, cinco meses depois, peritos recolheram material do corpo de um bebê que foi enterrado no mesmo cemitério. Pode ser que seja o filho do casal. “O hospital transfere toda a responsabilidade para a funerária dizendo que a culpa é da fu- nerária e a funerária até agora não se manifestou”, diz o advogado da família, Ademar Gomes. Em entrevista a imprensa, o gerente administrativo do hos- pital, Paulo Borges, disse que “o que houve não podemos cer- tificar, mas temos certeza e toda segurança que dentro da nossa instituição tudo que ocorreu foi dentro dos protocolos estabeleci- dos. Foram identificados os cor- pos, desceram os dois corpos para o necrotério e de lá para frente, o que ocorreu nós não sabemos”. Em nota, o Serviço Funerário Municipal disse que abriu sin- dicância para apurar o caso e con- stataram que não teve nenhuma falha dos seus funcionários já que a identificação dos bebês foi feita pelo hospital. De acordo com a polícia, o resultado do laudo da exumação deve sair em 90 dias. Diretor Executivo: Jornalistas (fl): Diretor de Arte: Designer Gráfico Reporter Fotográfico: Fotografo Teen: Revisora: Gerente Financeiro: Depto. Jurídico: Distrib./Logistica: Tiragem desta Edição: 35 mil exemplares Divaldo Rosa Silmara Galvão Nunes-MTb 51.096 Sérgio Avante Ademir Rodrigues Adriana Correa Bruno Barreto Rosa Prof. Suseli Corumba dos Santos Ademir Rodrigues Agilson M. Oliveira MULTI - Distrib. de Jornais e Folhetos As matérias publicadas são de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e não representam necessariamente a opinião do Jornal. Os nomes dos colaboradores e representantes comerciais não mantém vínculo empregatício com a empresa. REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: 2031-2364 / 2513-0928 Av. dos Guachos, 166 - 08030-360 - Vila Curuçá – SP www.aconteceagora.com.br | E-mail: raleste@gmail.com A marca Folha do Itaim existe a 41 anos, sendo 9 anos sob a direção do Grupo Acontece de Jornais e Revistas. CIRCULAÇÃO: Itaim Paulista, Vl Curuçá, Jd Robrú, Alto Tiete (Itaquá, Poá, Ferraz de Vasconcelos e Suzano) Um veículo do GRUPO ACONTECE de Jornais e Revistas A desigualdade de renda registrou queda em 2012, apesar de o desempenho da economia ter sido considera- do fraco. O PIB (Produto In- terno Bruto) aumentou 0,9% no ano passado, enquanto a renda per capita das famílias cresceu, em média, 7,9%. As famílias mais pobres, em especial, conseguiram evolução na renda maior do que a média, 14%, entre os 10% mais pobres da popula- ção. Os dados são Ipea (Ins- tituto de Pesquisa Econômi- ca Aplicada), no estudo Duas Décadas de Desigualdade e Pobreza no Brasil Medidas pela Pnad (Pesquisa Nacio- nal por Amostra de Domicí- lios), divulgado nesta terça- feira (1º). A população extrema- mente pobre (que vive com menos de US$ 1 por dia) caiu de 7,6 milhões de pes- soas para 6,5 milhões. A po- pulação pobre (que vive com entre US$ 1 e US$ 2 por dia), de 19,1 milhões de pes- Mais de 1 milhão de pessoas saiu da extrema pobreza em 2012 soas para 15,7 milhões. Segundo o presidente do Ipea, Marcelo Neri, três mi- lhões e meio de pessoas saí- ram da pobreza em 2012 e 1 milhão da extrema pobreza, em um ano em que o PIB cresceu pouco. — Para a pobreza, o fun- damental é o que acontece na base – cuja renda cresceu a ritmo chinês. O bolo aumen- tou com mais fermento para os mais pobres, especial- mente para os mais pobres dos pobres. Os principais indicado- res do crescimento dos ren- dimentos da população são a posse de bens duráveis – como televisão, fogão, tele- fone, geladeira e máquina de lavar – e o acesso a serviços públicos essenciais – como energia elétrica, coleta de lixo, esgotamento sanitário e acesso à rede de água. A ampliação da posse de bens e de acesso a serviços se deve, em grande parte, a dois fatores: o aumento da renda do trabalho e o impac- to do Bolsa Família. “Nos últimos dez anos, o protago- nista da redução da desigual- dade é a renda do trabalho, o coadjuvante principal é o Bolsa Família”, diz o estudo. De acordo com o Ipea, de 2002 a 2012, 54,9% da redu- ção da desigualdade foi de- vido à contribuição da renda do trabalho. O Bolsa Família contribuiu 12,2% para essa queda. — O Bolsa Família é um custo de oportunidade so- cial, tem mais impacto sobre a desigualdade do que a Pre- vidência. APrevidência é o terceiro fator que mais contribui para a redução da desigualdade, 11,4% para os que ganham acima do piso do INSS (Ins- tituto Nacional do Seguro Social) e 9,4% para os que ganham um salário mínimo (R$ 678). Se somados os dois grupos, a Previdência tem impacto superior ao do Bolsa Família. Acada dia que passa esta- mos nos preocupando mais e mais com a nossa segurança. Através de pequenas ou de grandes atitudes, temos dado enorme valor à nossa seg- urança. Telefonamos para nossos familiares para ter a certeza de que chegaram ao seu destino final em paz e em segurança; mensalmente investimos parte de nosso dinheiro para garantir o bom uso dos bens materiais como carro e casa; até mesmo os nossos computadores e note- books são protegidos por an- tivírus que instalamos para preservar a segurança dos nossos dados. A segurança tem sido prioridade em nossas vidas, especialmente nos diais at- uais. A verdade é que há uma grande necessidade em sentir-se seguro. Pena que os exemplos mencionados acima não podem garantir a segurança que tanto almeja- mos. Essa segurança é hu- mana e, portanto, passível de falhas e erros. Mas ainda há esperança. Sim, há esperança! A Bíblia, a Palavra de Deus, nos en- sina que a verdadeira seg- urança está em Deus. O Sal- mo 23 traz consigo alguns elementos que nos auxiliam na compreensão da verda- deira segurança e suas impli- cações em nossas vidas. 1- A verdadeira seg- urança garante a provisão (Salmos 23.1). Deus nos dá tudo o que precisamos para viver. A Bíblia em Mateus 6 afirma que Deus ‘sabe’ do que precisamos e nos prom- ete comida, bebida e vesti- menta. Ele nos dá aquilo que precisamos, e não aquilo que queremos. Há uma grande diferença entre precisar e querer. Por exemplo: você Verdadeira segurança! “O Senhor é o meu Pastor; de nada terei falta”. Salmos 23.1 REFLEXÃO Primeira Igreja Batista no Itaim Paulista Domingo: 9 e 19hs / Quarta-feira: 20hs sempre dará tudo o que o seu filho precisa, mas nem sem- pre dará tudo o que ele quer. 2- A verdadeira seg- urança garante a direção (Salmos 23.2-3). Quando nos sentimos inseguros, a tendência é fraquejarmos, desconfiarmos, temermos. Fui assaltado pela primeira vez em minha adolescên- cia quando estava dentro de um ônibus num domingo pela manhã. Experiência in- esquecível! Na ocasião, o ladrão até disparou a arma de fogo. Fiquei semanas com receio de usar o trans- porte coletivo novamente. Aos poucos fui me recu- perando e a vida voltou ao normal. Precisava de tempo, descanso e direção. Somente em Deus encontramos o que precisamos. A Bíblia nos en- sina que Deus ‘nos conduz a águas tranquilas e nos guia nas veredas da justiça’. 3-Averdadeira segurança garante a proteção (Salmos 23.4). A Bíblia nos ensina que Deus está conosco em todo o tempo. Isso é a pro- teção que precisamos. A pro- teção que vem da confiança de que em Deus está a verda- deira segurança. Até mesmo quando atravessamos a fria, sombria e tenebrosa morte, Deus promete estar conosco. Querido leitor, onde está a sua segurança? A segurança humana falhará... mais cedo ou mais tarde. Em Deus está a verdadeira segurança. Por isso, Ele é o nosso Pastor que provê, dirige e protege as nossas vidas. Em Deus está a verda- deira segurança e Nele po- demos confiar! Hoje é dia de refletir... Esmael Oliveira (esmael@ pibitaim.com.br) Pastor Esmael Oliveira
  3. 3. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 3 Atividade foi realizada no sábado (28 de setembro), pela Secretaria Municipal de Promoção e Desenvolvimen- to Social, no Ginásio “Mar- cílio Guerra”; programação envolveu testes de saúde, cuidados com a beleza e a estética, assessoria jurídica e apresentações culturais Mais de 600 pessoas participaram do evento que a Secretaria de Promoção e Desenvolvimento Social de Ferraz de Vasconcelos promoveu no sábado (28 de setembro) em referência ao Dia Nacionaldo Idoso. Co- memorada oficialmente em 1º de outubro (terça-feira), a data foi lembrada pelo go- verno do prefeito Acir Filló no Ginásio “Marcílio Guer- ra” (rua Jácomo Zanchetta, s/nº, centro). Contando com o apoio das pastas da Juven- tude, Esporte e Lazer e de Saúde, o encontro reuniu di- versas atividades relaciona- das ao bem-estar e à sociali- zação do público da terceira idade. Promovido entre 10 e 17 horas, o evento foi prestigia- do pelo vice-prefeito de Fer- raz e secretário municipal de Habitação, José Izidro Neto, que, na oportunidade, repre- sentou, oficialmente, o che- O prefeito Fernando Ha- ddad (PT) pediu a sua asses- soria militar um estudo sobre a possibilidade se deslocar de ônibus diariamente entre sua residência, no Paraíso,Zona Sul de São Paulo, e a sede da Prefeitura, no Centro. O uso do ônibus tem sido uma das prin- cipais bandeiras do prefeito, que instituiu faixas exclusivas em importantes vias da cidade e promete entregar 150 km de corredores de ônibus até o final do seu mandato. O estudo ainda não foi en- tregue ao prefeito. No entanto, argumentos apresentados pelo- governo municipal de que estão sendo considerados possíveis A ex-senadora Marina Silva afirmou nesta terça- feira (1º) que está “extrema- mente confiante” de que a Rede Sustentabilidade, par- tido pelo qual pretende disp- utar as eleições presidenciais de 2014, terá o registro apro- vado pelo Tribunal Superior Eleitoral em julgamento na próxima quinta (3). Nesta terça, Marina se reuniu com a presidente do TSE e ministra do Supremo TribunalFederal, Cármen Lúcia, e com o ministro Gilmar Mendes, que atuará como substituto na Corte eleitoral em razão de viagem de Dias Toffoli, para reiterar pedido de aprovação da cri- ação de seu partido. Ao ser perguntada se po- deria ir para outra legenda caso não obtenha o regis- tro, ela afirmou que a Rede Sustentabilidade é o “plano viável”. “Nós teremos o reg- Evento do Dia do Idoso atrai 600 pessoas em Ferraz fedo Poder Executivo ferra- zense. Os secretários Denise de Oliveira Andrade (Pro- moção e Desenvolvimento Social), Tullio José Costa Rodrigues da Cunha (Assun- tos Jurídicos), Luiz Antonio do Nascimento (Saúde) e Elio de Andrade Filho (In- dústria e Comércio, Ciên- cia e Tecnologia) também participaram da iniciativa, a exemplo dos vereadores Walter Marsal Rosa, o Val- tinho do Ipanema, e Roberto Antunes de Souza. Com a finalidade de valo- rizar o idoso, não apenas no contexto social, mas, sobre- tudo, no familiar, a progra- mação alinhava pela Prefei- tura de Ferraz contou com diversas atividades e presta- ção de serviços. Na oportu- nidade, orientação jurídica, consulta ao Serviço Cen- tral de Proteção ao Crédito (SCPC) e oficinas de artesa- natos estavam à disposição da população. Apresentações do Coral da Terceira Idade e da Or- questra de Jovens do Centro de Educação Infantil OIAEU também marcaram a ação, bem como aulas de dança, partidas de xadrez, rodadas de bingo, exames odonto- lógicos, aferição de pressão arterial, testes de diabetes, exames oftalmológicos, ava- liação corporal, limpeza de pele e orientações sobre hi- giene pessoal. Para a secretária de Pro- moção e Desenvolvimento Social de Ferraz, o evento realizado no sábado foi de extrema importância, so- bretudo pelo grande públi- co que reuniu no “Marcílio Guerra”. Segundo Denise, a cidade não poderia deixar de promover um encontro alusi- vo ao dia 1º de outubro, ain- da mais por abarcardiversos projetos sociais que atendem esta faixa etária: “Nosso objetivo foi pro- mover ações para aqueles que têm mais de 60 anos. E deu certo. O encontro, in- clusive, foi um sucesso. Por intermédio das ações realiza- das no sábado, ampliamos o conhecimento de nossos ido- sos e fizemos com que eles tivessem acesso a atividades físicas, jogos e entreteni- mento de qualidade. Tudo o que planejamos saiu da for- ma que esperávamos. Isso demonstra o respeito e o ca- rinho que a municipalidade tem com o público da melhor idade”, afirma a gestora. Nesta esteira de entendi- mento, Filló destaca o tra- balho realizado em prol dos idosos da cidade, citando, como exemplo, o Centro de Convivência do Idoso (CCI), que funciona no Cambiri e atende, atualmente, 178 idosos, de 60 a 84 anos. No local, eles participam, gra- tuitamente, de diversas ati- vidades, duas vezes por se- mana: “Além de aulas de Edu- cação Física, os assistidos têm à disposição cursos de artesanato e de patchwork, atendimento com profis- sionais da área da Saúde, como cirurgião-dentista, fi- sioterapeuta e psicólogo, e dinâmicas que favorecem a integração, o exercício da mente e a qualidade de vida. Trabalhamos muito para dis- ponibilizar projetos e equi- pamentos de procedência e funcionais”, complementa o prefeito. Marina Silva se diz ‘inteiramente confiante’ sobre registro da Rede istro da Rede. Estou inteira- mente confiante. Sinalizar com outro partido seria a denúncia da própria descon- fiança. A minha confiança me faz olhar nesse momento apenas para o plano A, que é o plano viável.” Marina chegou perto da hora do almoço e se re- uniu com Cármen Lúcia. Almoçou no restaurante do tribunal e depois se reuniu com Gilmar Mendes. No fim da tarde, participa de um ato na Praça dos Três Poderes para pedir a aprovação da legenda. O prazo máximo para obter o registro a tempo de participar do pleito vence no sábado (5 de outubro), mas a última sessão do TSE antes do prazo será quinta-feira (3). Ainda nesta terça, o TSE deve receber um parecer do Ministério Público Eleito- ral sobre o registro da Rede. Nesta segunda, a Secretaria Judiciária do TSE concluiu uma recontagem de assi- naturas de apoio ao partido, mas não informou qual foi o resultado. Marina Silva voltou a afirmar que tem 445 mil assinaturas validadas pelos cartórios eleitorais, enquanto a lei exige 492 mil. Ela quer que o tribunal valide 90 mil fichas de apoio que foram anuladas. “Se não fossem as invalidações injustas de 95 mil fichas, a Rede já teria 550 mil fichas”, disse nesta terça. Eleição A ex-senadora evitou co- mentar se a eleição ficaria “mais fácil” para favorecer a reeleição de Dilma caso ela ficasse fora da disputa. “Uma eleição para presi- dente da República pode ser tudo, menos fácil. Em nen- huma circunstância. Sobre- tudo quando se tem um país que tem um grande desafio que o nosso tem. De entrar para o século 21 com uma agenda estratégica que faça jus à potência que somos. Deixarmos de ser potência pela própria natureza e pas- sarmos a sê-lo pela natureza da gente. Há uma agenda para ser discutida nesse país, no que concerne a saúde, educação, segurança, tec- nologia e inovação. Se isso é levado a sério, como a socie- dade está exigindo, nenhuma eleição será fácil.” A ex-senadora também comentou a declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvade que é pre- ciso aguardar o julgamento do TSE antes de falar sobre a candidatura de Marina. Para ela , Lula “sabe as dificul- dades” de criar um partido. Haddad encomenda estudo para decidir se vai trabalhar de ônibus Prefeito reside no Paraíso e vai diariamente de carro oficial ao Centro. Governo munici- pal diz que es- tudo considera riscos de tumulto. efeitos a outros usuários de ôni- bus e a moradores da região do Paraíso, onde Haddad reside, já são um indicativo de que o pre- feito deverá continuar fazendo seu trajeto em um automóvel. A Prefeitura afirma que o percurso feito em veículo ofi- cial até o Viaduto do Chá, onde fica a Prefeitura, dura dez minu- tos, tempo que pode mudar de acordo com o trânsito. O tempo sobe para 15 minutos em média se a viagem for de ônibus. Cin- co linhas foram analisadas. O intervalo, porém, não conside- ra o tempo que Haddad levaria para andar de seu prédio até o ponto e entre o ponto onde des- cer e o edifício Matarazzo, sede do governo municipal. “A assessoria militar estuda o cenário completo fim de evi- tar riscos de segurança e trans- tornos a terceiros”, afirmou a Secretaria de Comunicação da Prefeitura. Segundo o órgão, o uso do transporte em horário re- gular pelo prefeito pode pautar abordagens de pessoas que de- sejam protestar. Uma opção que ajudaria o prefeito a evitar os efeitos do trânsito seria usar a Linha 1-Azul do Metrô. O trajeto se- ria entre a Estação Paraíso e a Estação São Bento. EM OUTUBRO TEM...
  4. 4. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 4 Moradores, funcioná- rios de lojas e comercian- tes do Itaim Paulista se aglomeraram em frente à subprefeitura local na tar- de da última quinta-feira (26), protestando contra o projeto da Prefeitura que planeja construir o “Ter- minal do Itaim Paulista” (última parada do Corre- dor de Ônibus que vai li- gar o Brás ao bairro do ex- tremo leste da capital) na região central e mais valo- rizada do bairro, trazendo desapropriações e desem- pregos na região central do bairro. O protesto teve início dentro do auditório da subprefeitura, onde cerca de 300 pessoas reivindi- caram que o terminal de ônibus não ocupe a área central do bairro. Entre cartazes e faixas a tarde de quinta foi bastante agitada pelos comerciantes e mo- radores do bairro. As queixas surgiram logo após os técnicos da SPTrans - São Paulo Transportes se reunirem na subprefeitura no último dia 03/09 para apresentar o projeto do terminal. Se- gundo a SPTrans, o ter- minal de ônibus do Itaim Paulista ocupará uma área de 22 mil metros quadra- dos, porém a área solici- tada para desapropriação através do Decreto de Uti- lidade Pública nº54.110 foi de 30 mil m2. Além Moradores e comerciantes do Itaim Paulista de Durante o governo Marta Suplicy, o então vereador Zelão emplacou a construção do terminal de ônibus de São Mig do terminal outras modi- ficações estão a caminho dos corredores Itaim- Celso Garcia e Itaim-São Mateus, este último pela Avenida Dom João Nery. São mais de 200 desapro- priações. Na reunião, os técni- cos da SPTrans tiveram a incumbência de dar a notícia aos proprietários de 70 imóveis que serão desapropriados até o mês de dezembro deste ano. As desapropriações serão feitas pelas ruas Albardão, Rafael Correria da Silva Biacica e Avenida Mare- chal Tito. Indignados e pegos de surpresa, trabalhadores e comerciantes do Itaim Paulista, em entrevista ao jornal Folha do Itaim & Curuçá, se mostraram bastante insatisfeitos com a ideia e resolveram pro- testar contra o projeto. A grande maioria dos moradores e comerciantes não aceita que o terminal seja construído na região central, pois, segundo eles, o comércio do Itaim será prejudicado com a mudança brusca. Mesmo sem ter seu escritório afetado e sem estar incluído na desa- propriação que a SPTrans citou, procuramos ouvir a palavra de gente experien- te e que conhece a fundo o bairro do Itaim Paulista. O empresário Francisco Me- rique recebeu a nossa equi- pe para uma entrevista. Ele que é um dos mais respei- tados cidadãos do Itaim Paulista e que há mais de 40 anos investe em negó- cios no bairro diz se sentir ferido com tal situação. “O terminal é impor- tante para o Itaim e para São Paulo, todos querem um terminal e um corre- dor de ônibus; nós que fo- mos criados e moramos no Itaim sabemos disso, mas não precisa destruir aquilo que foi construído ao longo de 20,30 anos, que demo- rou para se constituir esse eixo comercial e de re- pente, quando a coisa está se consolidando, eles vêm aqui, derruba tudo para fa- zer um terminal de ônibus quando você tem opções de lugares até melhores”, lamenta o empresário que sugeriu ainda que fosse levada em conta a constru- ção deste terminal do outro lado da linha, área conhe- cida como Vila Itaim, que embora seja considerada distrito de São Miguel, os próprios moradores se consideram itainhenses. Esta área de 45 mil metros totalmente seca e livre é uma das sugestões mais apropriadas para construir o terminal a um custo de desapropriação que não chegaria a 10% do que a prefeitura vai gastar se in- sistir com o projeto como está. “A construção do ter- minal naquela área ainda teria um ganho social, a Vila Itaim é uma área to- talmente degradada com vários espaços invadidos e com uma condição sani- tária de moradia bastante carente. Com a implan- tação do terminal nes- se setor e mais algumas obras de infraestrutura as melhorias feitas no local para o outro é de apenas 3 quadras. “O que precisamos é de valorização do bairro trariam mais qualidade de vida para essas pessoas e mais urbanização para a região”, aconselha o em- presário. Merique explica que se fosse pensada a cons- trução do terminal na Vila Itaim, não estariam acon- tecendo todas estas reivin- dicações, ou seja, com o desenvolvimento urbano em um espaço esquecido as chances de melhorias seriam gigantescas e todos iriam aplaudir o Prefeito, pois futuramente poderí- amos ganhar uma ETEC, um Centro Desportivo Municipal, um posto de saúde, contribuindo para a valorização da área no entorno do terminal, ge- rando um novo polo de de- senvolvimento num local totalmente abandonado. E a distância de um local Francisco Merique em si, pois andar nas ruas com esgoto a céu aberto, com barracos a beira de córrego, onde as pessoas se espremem por falta de mo- radia, isto não é viver com dignidade. Vamos fazer o terminal, urbanizar o espa- ço, fazer escola e creche, ou seja, investir o dinheiro de forma que todos ganhem com isto. E aí o terminal valorizará todo o bairro”. O empresário questiona: “De que adianta fazer uma obra faraônica, um belo terminal de ônibus aqui na área comercialmente mais valorizada do bairro? O que de fato precisa é pensar de forma globalizada e não de forma localizada. Então eu acredito que o terminal tem de vir sim para o Itaim Paulista, mas é preciso ter a visão urbanística de futu- ro”,
  5. 5. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 5 provam terminal de ônibus no centro do bairro e fora inaugurado às pressas. Todos foram contra e o projeto se transformou no maior “elefante branco” do bairro. frisa ele. “Claro que almejamos melhorias para nosso bair- ro, não é esta a questão, mas não é justo tirar o que está pronto, o que levou anos para construir, nós so- mos moradores daqui, sa- bemos que há lugares mais adequados para emplacar este terminal e que nossa região ganhará mais pres- tigio. A população precisa ser ouvida, não é justo eles virem e sem querer saber de nada fazer do jeito deles, não somos técnicos, mas não há ninguém melhor que os próprios moradores para saber o que ficará melhor ou não, por isso o prefeito precisa ouvir a voz do povo antes de tomar uma decisão dessa”, esbravejou a pro- fessora Fátima Nunes. Ainda pensando na me- lhoria da região o gerente do supermercado D’Avó de vimento. Temos que pen- sar nas mulheres da região que dão preferência em tra- balhar próximo de casa”, acrescenta. Para a contadora e advo- gada Dra. Valquíria Mitie, ninguém está contra o ter- minal, porém o que está em discussão é o local onde a prefeitura quer que seja im- plantado. “Creio que ninguém está contra a criação desse terminal e sim da localiza- ção dele.Todos os comer- ciantes que trazem desen- volvimento e empregos para moradores do bairro estão engajados nessa di- fícil questão, assim como nós que estamos aqui há 30 anos. Acho que se o pre- feito tivesse mais conheci- mento do assunto, tivesse ciente da gravidade que vai ocasionar no bairro tenho certeza que ele seria contra e faria sim o projeto, mas a Disposto a lutar contra a desapropriação central do Itaim Paulista, Adriano Aparecido Magdalena, lí- der do Sindicato dos Co- merciários de São Paulo, se mostrou bastante desapon- tado com o projeto de ins- talação do terminal.”Nós faremos o que for possível para proteger o emprego dos trabalhadores, na ques- tão do terminal de ônibus do Itaim Paulista ou quaisquer outras questões, pois nós trabalhadores não podemos pagar pelo crescimento de- sordenado e desplanejado desta cidade, vamos lutar até o fim para que através do diálogo busquemos me- clamor popular e ao mesmo tempo atender a decisão do governo municipal que está ancorado no apoio das Ur- nas” A indignação chegou a tal ponto que um grupo de empresários juntamen- te com moradores criaram uma comissão denominada “Movimento Não Termi- nal”. “Elaboramos uma co- missão para representar a maioria dos moradores e comerciantes que estão indignados com a escolha do local para a construção do terminal. Pois sabemos que o lugar não é apropria- do para se ter um terminal de ônibus. Já que é neces- sário o terminal, que seja então do outro lado da linha próximo à estação ferrovi- ária, além de trazer outros olhares para aquela região, com certeza teremos mais desenvolvimento. Já que terá gasto de dinheiro pú- blico que seja em lugar onde se precise realmente e não desmontar o que já esta dando certo”. Confiante que haverá uma nova proposta de pro- jeto para a construção do terminal no Itaim Paulista, Prof. Fátima Galvão Marcio Mota-gerente do Davó São Miguel, Marcio Mota, diz que é preciso pensar na empregabilidade dos mo- radores principalmente do público feminino. “Nossa zona leste precisa de mais trabalho e renda, não pode mexer no que está dando certo, é preciso inovar e não tirar o que já está pron- to. Sou a favor da constru- ção do terminal do outro lado da linha, pois lá sim, precisa de mais desenvol- Dra. Valquíria Mitie Camargo Novo - Contab. Adriano - Sindicato dos Co- merciários localização dele seria um pouquinho mais pra frente que aí não iria pegar tantos comerciantes que estão es- tabelecidos há mais de 30 anos aqui” opina a empre- sária. Edson Coqueiro Assoc.Empre- sarios do Itaim Pta. lhores soluções”. Segundo o presidente da Associação dos Empresá- rios do Itaim Paulista, Ed- son Coqueiro Filho, o local é totalmente inadequado. “Mais de quatro mil pesso- as vão perder o emprego. Existem outras áreas para construir o terminal que não teriam tanto impacto econômico e social como na região escolhida. Do ou- tro lado da estação do Itaim Paulista, poderia ser cons- truído o terminal sem tantos impactos sociais. O termi- nal desestabiliza o centro comercial que com a sua construção irá acabar e vai favorecer os pequenos fo- cos de comércio em outras regiões”. Outra pessoa ouvida João Francisco - Ex-Subpre- feito do Itaim Paulista (Marta Suplicy) por nossa reportagem foi o João Francisco ex-sub- prefeito da gestão Marta Suplicy, que carrega a re- putação de conhecer muito o bairro e de ser o melhor subprefeito que o bairro já teve: “Quero deixar cla- ro que em virtude do meu compromisso com o povo do Itaim Paulista estou apoiando as iniciativas que buscam identificar o local mais adequado para insta- lação do Terminal de ôni- bus do Itaim Pta. Entendo que é possível atender ao Hugo Paulo Palo Junior, empresário da Fantasticus Móveis, acredita na sen- sibilidade do prefeito Fer- nando Haddad. “Existem áreas bem me- nos valorizadas, pelo me- nos umas três opções, onde haveria desapropriações também, mas com custo 4 ou 5 vezes menos para o Erário Público. Desculpe minha fran- queza, mas faltou sensi- bilidade ao demarcar tal área, e como já disseram em reunião recente, é um estudo que pode ser re- manejado para outro lo- cal, revoga-se o Decreto e determina-se novo estudo em nova área. Acredito na competência do nosso pre- feito Fernando Haddad, e espero que ele se sensibi- lize com as reivindicações da população”. Diversas reuniões estão sendo estudadas pela co- missão “Movimento não terminal”. A sugestão é que sejam estudadas três áreas para a construção do terminal, 1ª.: a área onde funcionou a metalúrgica Indusa/Sofima, na aveni- da Marechal Tito; 2ª.: em frente à UBS Dr. Julio Gouveia, na rua Rafael Correira da Silva com Rua Itaim; 3ª.: Praça em frente à estação de trem Jardim Romano. Hugo Paulo Palo Fantástica Móveis
  6. 6. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 6 O Itaim Paulista, no ex- tremo da Zona Leste, tem o menor índice de área verde de São Paulo, compreen- dendo apenas 3% do total da capital. A paisagem sem árvores, canteiros ou jardins, além de desagradável, pode trazer danos imediatos à saúde e para a qualidade de vida. A área de cobertura vege- tal por habitante no Itaim não ultrapassa 2,5 metros qua- drados. Em Parelheiros, no extremo da Zona Sul, onde está a região com maior área coberta por reservas ambien- tais de mata atlântica, são 2.655 metros quadrados por morador. As 396 mil pessoas que vivem no Itaim Paulista di- videm cerca de 836 mil me- Em 29 de setembro foi comemorado o Dia Mun- dial do Coração. Mas você sabia que doenças cardíacas também são desenvolvidas por cães e gatos? Pensando nisto, o médico veterinário cardiologista e diretor clíni- co do Pet Care Ibirapuera, Eduardo Lipparelli, desven- da e explica alguns mistérios que envolvem a cardiologia veterinária. Os baixos do Viadu- to da China, no distrito do Jardim Helena, em São Miguel Paulista (Zona Les- te), que passa por um pro- cesso de revitalização, que contempla a construção de uma quadra poliesportiva, play-ground, estaciona- mento e até uma academia para a terceira idade, foram iluminados nesta segunda- feira (23) pela Secretaria de Serviços, por meio do De- partamento de Iluminação Pública (Ilume). Além do secretário de Serviços, Simão Pedro, es- tiveram presentes ao acon- tecimento subprefeitos de São Miguel Paulista e Itaim Paulista, lideranças locais e representantes da Polícia Militar e Guarda Municipal Metropolitana. Com investimento de R$ 225,8 mil, a obra, que inclui a remodelação de 59 pontos no canteiro cen- tral da Avenida Professor Alípio de Barros (prolon- gamento do viaduto), bene- Baixos de viaduto são iluminados em São Miguel Com o objetivo de ampliar a qualidade de vida de cerca de 150 mil moradores do Jardim Helena, obra inclui também a remodelação da iluminação do canteiro central da Avenida Professor Alípio de Barros ficia 148 mil moradores da região. A ação faz parte da meta da prefeitura paulista- na de instalar, até o final do ano, 18 mil novos pontos de iluminação e remodelar ou- tros 120 mil (substituição de lâmpadas de vapor de mercúrio por de sódio, que aumentam a luminosidade e gastam menos energia). Em seu pronunciamen- to, Simão Pedro enfatizou que o acontecimento é um presente para o bairro, que neste mês completa 391 anos. “Iluminação é impor- tante porque faz com que as pessoas vivam melhor, te- nham mais harmonia e pas- sem a se integrar, cada vez mais, com os espaços públi- cos, além de proporcionar mais segurança”, disse, ao saudar os moradores da re- gião. Lembrou que, entre ja- neiro e agosto, São Miguel Paulista já havia sido bene- ficiado com a remodelação de 4.308 pontos em 447 lo- gradouros, além de ter rece- bido 38 novos pontos em 19 endereços. Porém, ressaltou que essa ação não aconte- ceu por acaso, e sim graças à luta das comunidades na busca de soluções para as suas necessidades. No final, o secretário foi recepcionado pelo coman- dante da Base Comunitária de Segurança do Jardim Maia, José Carlos Morine, que falou sobre a impor- tância da parceria entre as ações desenvolvidas pela prefeitura, comunidade e polícia. “A marginalidade ocupa o espaço proporcio- nado pela ausência do Es- tado”, disse. “E é isso que temos o dever e a obrigação de evitar”. Remodelação Em toda a cidade, são muitos os pontos já remode- lados ou que receberam no- vos pontos de iluminação. Além de São Miguel, na Zona Leste, bairros como, Itaim Paulista, Guaianazes, Vila Prudente, Ermelino Matarazzo, Aricanduva, Vila Formosa, Penha, Ci- dade Tiradentes, Mooca e Itaquera receberam novas lâmpadas de vapor de sódio e também tiveram a ilumi- nação ampliada em alguns pontos. O mesmo acon- teceu nas Zonas Sul (Vila Mariana e Cidade Ademar), Oeste (Butantã, Pinheiros, Lapa), Norte (Casa Verde e Santana) e no centro da ci- dade (Sé). Ligue Ilume Os serviços executados pelo Ilume além de promo- ver melhorias e manuten- ção preventiva da rede de iluminação na cidade visa o aumento dos níveis de iluminação nas ruas e ave- nidas. A população pode auxiliar neste trabalho fa- zendo suas solicitações de reparo e melhorias por meio do Ligue-Ilume (0800 779 0156), que atende 24 horas por dia, diariamente. Parque de iluminação A capital paulista conta com o maior parque de ilu- minação pública da Amé- rica Latina, composto por cerca de 600 mil lâmpadas em 534 mil pontos de ilu- minação. Cerca de 14 mil quilômetros de cabos fa- zem parte de toda a rede de iluminação da cidade Cada um respira como pode em SP tros quadrados de espaços arbóreos, segundo a Secre- taria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. A região, muito densa, é uma das mais populosas da cidade, ou seja, os imóveis são grudados uns nos outros, sem espaço para as áreas verdes. Para piorar, o próprio po- der público pouco faz para diminuir essa discrepância: até agosto deste ano foram plantadas 43.810 mudas em todo a cidade. Só as 31 sub- prefeituras plantaram 5.540, mas apenas 350 foram desti- nadas à area do Itaim. O funcionário público José Anito Pereira, de 53 anos, trabalha na região cen- tral do bairro. Segundo ele, respirar por ali não é fácil pois “há muito trânsito”. A poluição lhe dá a sensação de que “o calor parece ser mais intenso”. Kelly de Marchi, educa- dora ambiental da Fundação SOS Mata Atlântica, expli- ca: “As árvores ajudam a dei- xar a temperatura mais baixa por causa do sombreamento. Além disso, contribuem para a retenção da água, o que evita enchentes”. Enquanto isso, a 70 qui- lômetros do Itaim Paulista, em Parelheiros, a resposta dos moradores sobre os be- nefícios do contato com o verde é rápida e fácil: “Nós respiramos a própria natu- reza”, diz o vendedor Irineu Lourenço Dias, 47 anos. “Não tem coisa melhor”, afirma a artesã Regina Ma- deira, 46 anos Cães e gatos não estão livres de problemas cardíacos Confira os mitos e verdades sobre as principais doenças que podem afetar o seu pet O mito mais propagado é que os cachorros morrem de infarto. “Os cães não morrem desta doença, pois existem vários caminhos e comunicações dos vasos co- ronarianos que reduzem as consequências de um inter- rompimento do fluxo sanguí- neo no músculo cardíaco’, esclarece Lipparelli. Outra questão que deixa os donos do pet em dúvida é se os animais de estima- ção com sopro sempre têm doença cardíaca. A resposta é não! O sopro cardíaco tem por definição o aumento de velocidade de fluxo sanguí- neo. “Febre, anemia e de- sidratação podem provocar um aumento da velocidade do fluxo sanguíneo e, conse- quentemente, o sopro”, ex- plica Eduardo. Contudo, cães e gatos sofrem sim com hiperten- são arterial e tosse. O médi- co veterinário explica que a primeira doença é silenciosa e muitas vezes não é diag- nosticada. “As causas da hipertensão geralmente são secundárias a doenças cardí- acas, doença renais, doenças hormonais, entre outras”, alerta. Outro sintoma que pode estar associado a doenças cardíacas é a tosse. Caso haja um aumento do cora- ção, este pode provocar uma compressão no brônquio e traqueia e, desta forma, oca- sionar a tosse. “Outra cau- sa é o edema pulmonar, um acúmulo de líquido nos pul- mões por causa da falha de bombeamento cardíaco”, diz o médico veterinário.
  7. 7. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 7 Você é fã de fazer um olhão preto para ir a uma festa ou balada? Pois saiba que o look é um coringa da maquiagem. “Esse tipo de esfumado combina com todas as ocasiões notur- nas”, diz Patrícia Lopes, maquiadora de São Paulo. Mas para o make ficar perfeito, existem alguns truques. Um dos mais impor- tantes é passar primer de olhos antes de se maquiar. “Aplique em toda a pálpe- bra”, ensina a beauty art- ist. O produto faz com que a maquiagem dure mais e Tipo mais difícil de ser cuidada, a pele mista sofre com a oleosidade na zona T (testa, nariz e queixo) e com o aspecto seco no re- stante da face. Quando não recebe a devida atenção na rotina de beleza, ela nor- malmente é afetada pela acne, devido à inflamação dos poros dilatados, e pelo ressecamento, principal- mente nas maçãs do rosto. Para não cair em desespe- ro, quem apresenta os dois aspectos cutâneos bem definidos deve apostar em produtos distintos para cada uma dessas áreas. “O mesmo cosmético, seja hidratante ou anti- idade, não funciona para tratar o rosto todo. É pre- ciso usar um para a faixa oleosa e outro para a região seca para que seja feita a regulação correta”, afirma Daniela Landim, dermatologista especial- ista em Medicina Estética. Já peles que apresentam apenas sinais de serem mistas devem optar por soluções com dupla ação ou que não contenham óleo em sua composição. Hidratação A melhor maneira de ficar com a pele macia é não abrir mão de produto oil free na região oleosa e outro específico para pele Cuidados controlam ressecamento e oleosidade da pele mista Olho preto fica mais dramático com combinação de sombras ainda intensifica a cor da sombra escolhida. “Isso evita que uma sombra pre- ta pareça cinza nos olhos”, explica Patrícia. Outra dica é usar duas sombras: marrom e preta. Use a marrom para mar- car o côncavo e preencha toda a pálpebra móvel com sombra preta. “Esse é o segredo das celebri- dades, fica mais chique”, diz a expert. Para delinear, use lápis preto (que deve ser esfumado) ou sombra marrom. Não se esqueça da máscara para cílios preta na hora de finalizar. seca no restante da face. “Independentemente da fórmula, a hidratação tem o resultado potencializado quando é feita com sérum, pois ele tem a textura mais fluida”, recomenda a espe- cialista. Proteção solar Para facilitar o uso do filtro solar todos os dias, inicialmente pode ser uti- lizada uma fórmula em gel-creme ou livre de óleo no rosto inteiro. Contudo, se forem identificadas al- terações na qualidade da pele, é necessário seguir o mesmo caminho dos cremes e utilizar um for- mato para cada área. Higienização Limpe a pele de manhã e à noite com água e sab- onete líquido ou neutro. Inclua nesta etapa um bom demaquilante, pois apenas lavar o rosto para remover as impurezas e a maquiagem não adi- anta. “Sempre fica algum resíduo nos poros abertos, que só o demaquilante vai conseguir tirar”, diz Dan- iela. A opção pelo bifásico é melhor, pois não deixa o aspecto craquelado e tam- bém não provoca brilho excessivo. Esfoliação Donas de peles mistas podem recorrer à esfoli- ação uma vez por semana, sem medo de comprom- eter o visual da área mais seca. Para que o ritual cumpra a função de reno- var, dê preferência a es- foliantes à base de ácido salicílico, que removem a pele morta quimicamente, sem a necessidade de forçar a mão na face.
  8. 8. 2º QUINZENA DE SETEMBRO DE 2013Pág. 8

×