SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Química Física




Sadi Carnot (1796-1832) ao estudar as máquinas térmicas
verificou que, durante o funcionamento destas, havia
degradação de energia dissipada sob forma de calor. Depois de
realizar uma análise cuidadosa do funcionamento do motor
térmico, construiu uma máquina que, trabalhando com gás
aquecido ou resfriado, servia para medir a quantidade de
energia mecânica produzida; permitia também calcular a
percentagem de energia térmica transformada em mecânica.
O funcionamento dessa máquina englobava quatro fases, o
que hoje é chamado de ciclo de Carnot: a partir de um estado inicial, o
sistema expande-se isotermicamente (absorvendo calor do ambiente)
até atingir um segundo estado; a partir deste, a expansão é adiabática,
e consequentemente a temperatura diminui; daí em diante, o volume
do sistema começa a reduzir-se isotermicamente, até alcançar o estado
final; uma compressão adiabática conduz o sistema ao ponto de
partida, fechando assim o ciclo. Uma das características do ciclo de
Carnot é o fato de que as transformações que o compõem são
totalmente reversíveis, isto é, podem ser realizadas em sentido inverso,
percorrendo as mesmas etapas intermediárias.
Estudando as máquinas térmicas, ele descobriu um
ciclo de quatro transformações reversíveis : duas adiabáticas e
duas isotérmicas que proporcionam o máximo rendimento
térmico para uma máquina, as transformações isotérmicas
alternam com as transformações adiabáticas.
Uma transformação isotérmica é uma transformação
termodinâmica que ocorre a temperatura constante em um
sistema fechado sistema este que permite trocas de energia,
mas não de matéria, entre o sistema e sua vizinhança. Isto
tipicamente ocorre quando o sistema está em contacto com um
reservatório térmico exterior (banho térmico), e a mudança
ocorre lentamente o suficiente para permitir que o sistema se
ajuste continuamente a temperatura do reservatório pelo meio
de troca de calor.
Ao contrário, uma transformação adiabática um
sistema onde não há troca de calor com o meio externo. Esse
sistema é considerado, sistema isolado.
 Processo AB: Expansão isotérmica,
expande- se a temperatura constante T2. O
sistema recebe a quantidade de energia como
calor Q2, da fonte quente e realiza trabalho
sobre a vizinhança.
 Processo BC: Expansão adiabática, temperatura cai
de T2 para T1. O sistema não troca energia por calor,
mas entrega a quantidade de energiapor trabalho
 Sobre a vizinhança, isto é, de B á C, expande- se
adiabaticamente e a temperaturadiminuem.
Processo CD: Compressão isotérmica, é comprimido a
temperatura constante, T1. O sistema entrega a quantidade de
energia Q1 por calor e recebe a quantidade de energia por
trabalho sobre a vizinhança ou seja a vizinhança realiza trabalho
sobre o sistema e sete transfere para o exterior energia, como
calor, Q sobre o sistema e este transfere para a exterior energia,
como calor Q.


 Processo DA: Compressão adiabática,
temperatura aumenta de T1 para T2. O
sistema não troca energia por calor, mas
recebe a quantidade de energia por
 Trabalho sobre a vizinhança, isto é, sofre
uma compressão adiabática, completando o
ciclo.
Com relação ao ciclo de Carnot, é importante saber o seguinte:
 Uma máquina que opera dentro de um ciclo de Carnot tem o máximo rendimento. Ou
seja nenhuma máquina térmica operando em ciclos de pode ter rendimento superior
ao de uma máquina de Carnot
 O rendimento de uma máquina depende das temperaturas quente e fria. Ele
demostrou que a quantidade de calor que é retirada da fonte quente (Q1) e aqueceu é
rejeitada para fonte fria (Q2) são proporcionais as temperaturas absolutas da fonte
quente. Ou seja : Q1/T1=Q2/T2 como η=1- Q2/Q1, ou η=1- T2/T1
 A expressão η=1- T2/T1,quanto menor for a temperatura T2 (fonte fria ), maior será o
rendimento pois menor se torna razão T2/T1. Assim, quando a temperatura T2 atinge o
zero absoluto teríamos um rendimento a 100%. No entanto, isso é possível, pois
contraria a segunda da Termodinâmica
Fica evidente que Carnot conhecia as bases físicas da
conservação da energia. Uma das características do ciclo de
Carnot é o fato de que as transformações (duas adiabáticas e
duas isotérmicas) que o compõem são totalmente reversíveis,
isto é, podem ser realizadas em sentido inverso, percorrendo as
mesmas etapas intermediárias.
 Física-10º Ano. Autor: Maria Teresa Freire Marques De Sá.
 www.saladefisica.cjb.net.
 Pt.wikipedia.org/wiki/Transformação_isotérmica
Imagens de ciclo de Carnot. Bing.com/images
 Titulo: livro de Física Para todos os cursos de formação media técnica
 10ª e 11ª classe. Autores: Benjamim Mulasa Paca, Diasala Jacinto André …

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energia
Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energiaTermodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energia
Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energiaAcerAspire18
 
Conceito entropia
Conceito entropiaConceito entropia
Conceito entropia16111972
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaHelder Guerreiro
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasCarlos Alberto Alves
 
Equilibrio quimico
Equilibrio quimicoEquilibrio quimico
Equilibrio quimicocaetano01
 
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaDaniela F Almenara
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicasjfnet
 
A segunda lei da termodinâmica
A segunda lei da termodinâmicaA segunda lei da termodinâmica
A segunda lei da termodinâmicaErandi Lima
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Tuane Paixão
 
Entropia e Segunda lei da termodinâmica
Entropia e Segunda lei da termodinâmicaEntropia e Segunda lei da termodinâmica
Entropia e Segunda lei da termodinâmicaAnderson Formiga
 
Geração de vapor
Geração de  vaporGeração de  vapor
Geração de vaporVava Vava
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iOnildo Lima
 

Mais procurados (20)

Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energia
Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energiaTermodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energia
Termodinamica v-3.0-aula-02-balanco-de-energia
 
Conceito entropia
Conceito entropiaConceito entropia
Conceito entropia
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmica
 
Principios da Termodinamica
Principios da TermodinamicaPrincipios da Termodinamica
Principios da Termodinamica
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
 
Equilibrio quimico
Equilibrio quimicoEquilibrio quimico
Equilibrio quimico
 
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
2 termodinâmica
2 termodinâmica2 termodinâmica
2 termodinâmica
 
Aula de Caldeiras
Aula de CaldeirasAula de Caldeiras
Aula de Caldeiras
 
Máquina térmica
Máquina térmicaMáquina térmica
Máquina térmica
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
 
A segunda lei da termodinâmica
A segunda lei da termodinâmicaA segunda lei da termodinâmica
A segunda lei da termodinâmica
 
Uma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicasUma breve história das máquinas térmicas
Uma breve história das máquinas térmicas
 
Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)Relatorio sobre calorimetria (3)
Relatorio sobre calorimetria (3)
 
Termodinâmica2
Termodinâmica2Termodinâmica2
Termodinâmica2
 
Entropia e Segunda lei da termodinâmica
Entropia e Segunda lei da termodinâmicaEntropia e Segunda lei da termodinâmica
Entropia e Segunda lei da termodinâmica
 
Geração de vapor
Geração de  vaporGeração de  vapor
Geração de vapor
 
Apostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores iApostila cálculo de reatores i
Apostila cálculo de reatores i
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 

Destaque (20)

Presentación carnot
Presentación carnotPresentación carnot
Presentación carnot
 
Ciclo carnot
Ciclo carnotCiclo carnot
Ciclo carnot
 
Informe de física el ciclo de carnot-
Informe de física  el ciclo de carnot-Informe de física  el ciclo de carnot-
Informe de física el ciclo de carnot-
 
Ciclo de Carnot
Ciclo de CarnotCiclo de Carnot
Ciclo de Carnot
 
Ciclo de carnot
Ciclo de carnotCiclo de carnot
Ciclo de carnot
 
Ciclo de carnot
Ciclo de carnotCiclo de carnot
Ciclo de carnot
 
Term. 2 carnot
Term. 2 carnotTerm. 2 carnot
Term. 2 carnot
 
Ciclo otto
Ciclo ottoCiclo otto
Ciclo otto
 
Ciclo brayton
Ciclo braytonCiclo brayton
Ciclo brayton
 
Ciclo brayton
Ciclo braytonCiclo brayton
Ciclo brayton
 
Ciclos termodinamicos-recopilación
Ciclos termodinamicos-recopilaciónCiclos termodinamicos-recopilación
Ciclos termodinamicos-recopilación
 
Motores De Ciclo Otto
Motores De Ciclo OttoMotores De Ciclo Otto
Motores De Ciclo Otto
 
CICLOS TERMODINÁMICOS
CICLOS TERMODINÁMICOSCICLOS TERMODINÁMICOS
CICLOS TERMODINÁMICOS
 
Ciclo Diesel
Ciclo DieselCiclo Diesel
Ciclo Diesel
 
Ciclo de carnot
Ciclo de carnotCiclo de carnot
Ciclo de carnot
 
Ciclo de carnot
Ciclo de carnotCiclo de carnot
Ciclo de carnot
 
Ciclo de brayton
Ciclo de braytonCiclo de brayton
Ciclo de brayton
 
Maquina de carnot
Maquina de carnotMaquina de carnot
Maquina de carnot
 
Motores otto
Motores ottoMotores otto
Motores otto
 
Ciclo de otto
Ciclo de ottoCiclo de otto
Ciclo de otto
 

Semelhante a Ciclo de carnot

aula 3 segunda lei_termodinamica.pdf
aula 3 segunda lei_termodinamica.pdfaula 3 segunda lei_termodinamica.pdf
aula 3 segunda lei_termodinamica.pdfssuserd4225f1
 
Lista 15 termodin+ómica
Lista 15 termodin+ómicaLista 15 termodin+ómica
Lista 15 termodin+ómicarodrigoateneu
 
Trabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - TermodinâmicaTrabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - TermodinâmicaRafaela Silva
 
2.0 capítulo 4 com gabarito do simulado
2.0 capítulo 4   com gabarito do simulado2.0 capítulo 4   com gabarito do simulado
2.0 capítulo 4 com gabarito do simuladoMarcio Versuti
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptssuser24eee9
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaeducacao f
 
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdf
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdfTermodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdf
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdfCarlosFilho631276
 
Resumao de termodinamica calor e gases do responde ai
Resumao de termodinamica calor e gases do responde aiResumao de termodinamica calor e gases do responde ai
Resumao de termodinamica calor e gases do responde aiLeonardo Abreu
 
2 lei termo.pptx233883929939988384839939
2 lei termo.pptx2338839299399883848399392 lei termo.pptx233883929939988384839939
2 lei termo.pptx233883929939988384839939DaviSantana64
 
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmicaApostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmicaAndréa Melo de Carvalho
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotzeca9s
 

Semelhante a Ciclo de carnot (20)

2leidatermodinamica
2leidatermodinamica2leidatermodinamica
2leidatermodinamica
 
aula 3 segunda lei_termodinamica.pdf
aula 3 segunda lei_termodinamica.pdfaula 3 segunda lei_termodinamica.pdf
aula 3 segunda lei_termodinamica.pdf
 
Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1
 
Lista 15 termodin+ómica
Lista 15 termodin+ómicaLista 15 termodin+ómica
Lista 15 termodin+ómica
 
Refrigeração 2
Refrigeração 2Refrigeração 2
Refrigeração 2
 
maquinas-termicas
 maquinas-termicas maquinas-termicas
maquinas-termicas
 
Trabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - TermodinâmicaTrabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - Termodinâmica
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Termodinamica 2013
Termodinamica 2013Termodinamica 2013
Termodinamica 2013
 
1.0 capítulo 4
1.0 capítulo 41.0 capítulo 4
1.0 capítulo 4
 
2.0 capítulo 4 com gabarito do simulado
2.0 capítulo 4   com gabarito do simulado2.0 capítulo 4   com gabarito do simulado
2.0 capítulo 4 com gabarito do simulado
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.ppt
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
 
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
 
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
 
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdf
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdfTermodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdf
Termodinamica-OVERVIEW-Física-3º-ano-semana-20.pdf
 
Resumao de termodinamica calor e gases do responde ai
Resumao de termodinamica calor e gases do responde aiResumao de termodinamica calor e gases do responde ai
Resumao de termodinamica calor e gases do responde ai
 
2 lei termo.pptx233883929939988384839939
2 lei termo.pptx2338839299399883848399392 lei termo.pptx233883929939988384839939
2 lei termo.pptx233883929939988384839939
 
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmicaApostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnot
 

Ciclo de carnot

  • 2.
  • 4. Sadi Carnot (1796-1832) ao estudar as máquinas térmicas verificou que, durante o funcionamento destas, havia degradação de energia dissipada sob forma de calor. Depois de realizar uma análise cuidadosa do funcionamento do motor térmico, construiu uma máquina que, trabalhando com gás aquecido ou resfriado, servia para medir a quantidade de energia mecânica produzida; permitia também calcular a percentagem de energia térmica transformada em mecânica.
  • 5. O funcionamento dessa máquina englobava quatro fases, o que hoje é chamado de ciclo de Carnot: a partir de um estado inicial, o sistema expande-se isotermicamente (absorvendo calor do ambiente) até atingir um segundo estado; a partir deste, a expansão é adiabática, e consequentemente a temperatura diminui; daí em diante, o volume do sistema começa a reduzir-se isotermicamente, até alcançar o estado final; uma compressão adiabática conduz o sistema ao ponto de partida, fechando assim o ciclo. Uma das características do ciclo de Carnot é o fato de que as transformações que o compõem são totalmente reversíveis, isto é, podem ser realizadas em sentido inverso, percorrendo as mesmas etapas intermediárias.
  • 6. Estudando as máquinas térmicas, ele descobriu um ciclo de quatro transformações reversíveis : duas adiabáticas e duas isotérmicas que proporcionam o máximo rendimento térmico para uma máquina, as transformações isotérmicas alternam com as transformações adiabáticas.
  • 7. Uma transformação isotérmica é uma transformação termodinâmica que ocorre a temperatura constante em um sistema fechado sistema este que permite trocas de energia, mas não de matéria, entre o sistema e sua vizinhança. Isto tipicamente ocorre quando o sistema está em contacto com um reservatório térmico exterior (banho térmico), e a mudança ocorre lentamente o suficiente para permitir que o sistema se ajuste continuamente a temperatura do reservatório pelo meio de troca de calor. Ao contrário, uma transformação adiabática um sistema onde não há troca de calor com o meio externo. Esse sistema é considerado, sistema isolado.
  • 8.
  • 9.  Processo AB: Expansão isotérmica, expande- se a temperatura constante T2. O sistema recebe a quantidade de energia como calor Q2, da fonte quente e realiza trabalho sobre a vizinhança.
  • 10.  Processo BC: Expansão adiabática, temperatura cai de T2 para T1. O sistema não troca energia por calor, mas entrega a quantidade de energiapor trabalho  Sobre a vizinhança, isto é, de B á C, expande- se adiabaticamente e a temperaturadiminuem.
  • 11. Processo CD: Compressão isotérmica, é comprimido a temperatura constante, T1. O sistema entrega a quantidade de energia Q1 por calor e recebe a quantidade de energia por trabalho sobre a vizinhança ou seja a vizinhança realiza trabalho sobre o sistema e sete transfere para o exterior energia, como calor, Q sobre o sistema e este transfere para a exterior energia, como calor Q.
  • 12.    Processo DA: Compressão adiabática, temperatura aumenta de T1 para T2. O sistema não troca energia por calor, mas recebe a quantidade de energia por  Trabalho sobre a vizinhança, isto é, sofre uma compressão adiabática, completando o ciclo.
  • 13. Com relação ao ciclo de Carnot, é importante saber o seguinte:  Uma máquina que opera dentro de um ciclo de Carnot tem o máximo rendimento. Ou seja nenhuma máquina térmica operando em ciclos de pode ter rendimento superior ao de uma máquina de Carnot  O rendimento de uma máquina depende das temperaturas quente e fria. Ele demostrou que a quantidade de calor que é retirada da fonte quente (Q1) e aqueceu é rejeitada para fonte fria (Q2) são proporcionais as temperaturas absolutas da fonte quente. Ou seja : Q1/T1=Q2/T2 como η=1- Q2/Q1, ou η=1- T2/T1  A expressão η=1- T2/T1,quanto menor for a temperatura T2 (fonte fria ), maior será o rendimento pois menor se torna razão T2/T1. Assim, quando a temperatura T2 atinge o zero absoluto teríamos um rendimento a 100%. No entanto, isso é possível, pois contraria a segunda da Termodinâmica
  • 14. Fica evidente que Carnot conhecia as bases físicas da conservação da energia. Uma das características do ciclo de Carnot é o fato de que as transformações (duas adiabáticas e duas isotérmicas) que o compõem são totalmente reversíveis, isto é, podem ser realizadas em sentido inverso, percorrendo as mesmas etapas intermediárias.
  • 15.  Física-10º Ano. Autor: Maria Teresa Freire Marques De Sá.  www.saladefisica.cjb.net.  Pt.wikipedia.org/wiki/Transformação_isotérmica Imagens de ciclo de Carnot. Bing.com/images  Titulo: livro de Física Para todos os cursos de formação media técnica  10ª e 11ª classe. Autores: Benjamim Mulasa Paca, Diasala Jacinto André …