SlideShare uma empresa Scribd logo
UMA BREVE HISTÓRIA DA
são máquinas capazes de
converter calor em trabalho.
funcionam em ciclos e utilizam duas
fontes com temperaturas diferentes,
uma fonte quente que é de onde recebe
calor e uma fonte fria que é para onde o
calor que foi rejeitado é direcionado.

1
TEODOROS (cerca de 530 a.C)
• o primeiro a utilizar o poder
de expansão do ar quente
ao introduzir um sistema de
aquecimento central no
mais famoso templo da
Deusa Diana em Éfeso na
Ásia.

• fenômenos sobre a
expansibilidade térmica do ar
também foram objeto de estudo
por parte dos gregos como:
• AGRIGENTO (c.490-c.430)
• ESTRATÃO DE LÂMPSACO (C.340
-C.270)
• PHILON DE BIZÂNCIO (C.300- ? )

3

2
FUNCIONAMENTO DA EOLÍPILA
HERON DE ALEXANDRIA (20 d.C - ?)
• descreve um dispositivo
semelhante ao termômetro.
• em sua obra
intitulada Pneumática apresenta
a descrição de uma máquina a
vapor – a Eolípila.
• Muitas informações desse
período se perderam por
consequência da destruição da
Biblioteca de Alexandria.
3
Somente quinze séculos depois da Eolípila, apareceram novos trabalhos
com o vapord´água e, desta vez, para usá-lo a seu serviço.

Em 1689, Denis
O engenheiro francês Salomon de Caus publicou em 1615 o livro
1679, Denis Papin inventou
o digestor de calor (conhecida
intitulado Les Raisons des Forces Mouvantes inventou a bomba
Papin no qual descreveu um
como que poderia ser usado para elevar água por meio do fogo.
sistema panela de pressão)
centrífuga

4
a máquina de Savery foi aperfeiçoada
por Thomas Newcomen, em 1705,
Depois de praticamente desmatar sua floresta, a Inglaterranos
ao construir cilindros polidos
passou a usar o carvão mineral como fonte de energia. No
quais pistões se ajustavam.
entanto era uma tarefa penosa para quem a realizasse.
A primeira máquina a
vapor com dois
cilindros foi projetada
inventor
diante disso em 1698, o inventor russo
Ivan Ivanovich Polzunov
e engenheiro inglês
em 1763.
Thomas Savery desenvolveu um
tipo de máquina a vapor, que era
um dispositivo que produzia
vácuo pela condensação de
vapor d´água.
5
A limitação da máquina de Newcomen foi analisada pelo engenheiro
escocês James Watt.

Em 1765 James Watt inventou o condensador, e em
1782, ele simplesmente abandonou o uso da pressão
atmosférica para baixar os pistões, passou a utilizar o
próprio vapor
em 1783, Watt introduziu a definição de cavalo-vapor,
hoje essa unidade de potência recebe o nome
de watt, em sua homenagem.
Inventou também o regulador centrífugo em 1784 e
em 1790 completou a invenção de uma máquina a
vapor incorporando a ela um medidor de pressão.
6
O engenheiro militar francês Lazare até então apresentavam
As máquinas a vapor inventadas Nicolas Marguerite Carnot
Nesse ciclo, conhecido como ciclo de Carnot, o calórico era
estudou em 1803 essa deficiência denominada7 por cento.
rendimento muito baixo, cerca de 5 a por ele de força viva
transformadousando o conceito de energia potencial
virtual, em “força mecânica” e essa transformação

dependia apenas da diferença de temperatura absoluta
entre a da fonte quente (caldeira: T1) e a da fonte
fria (condensador: T2).
seu filho, o físico francês Nicolau Léonard Sadi Carnot descreve uma
A morte prematura de Carnot aos 36 anos de idade
máquina ideal, sem atrito, que realiza de toda a Termodinâmica. que
impediu de ele ser o pai um ciclo completo, de modo
a substância usada – vapor, gás ou outra qualquer – é levada de volta a
seu estado inicial.
7
A máquina de Carnot foi estudada pelo físico francês Benoit-PierreÉmile Clapeyron.

• em 1834 representou ciclo de Carnot
graficamente.
• demonstrou, matematicamente, que a
produção de trabalho na máquina dependia
somente da diferença de temperatura
absoluta entre os reservatórios térmicos.

• e também que a máquina e o gás utilizado
na máquina retornavam ao seu estado
inicial, no final de cada ciclo, com o calórico
sendo conservado nesse ciclo.
9

8
Primeira locomotiva a vapor russa
(Entre 1833 e 1835 por Yefim Alekseyevich
Cherepanov e seu filho Miron Yefimovich)

Alguns motores de um motor interna
Os irmãos Wright utilizaramcombustão de quatro cilindros em
Utilizava combustível
linha nos seus primeiros voos aéreos.

1794

dssdf

motor de dois
tempos (MCI-2T)

motor de
combustão
interna (MCI)

1876

líquido leve

MCI-4T

MCI-4T
1838

Utilizava mistura
de gás, carvão e ar

1883
10

9
11

10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Daniela F Almenara
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
Denise Marinho
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
Gustavo Brandão de Souza
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
Daniela F Almenara
 
1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica
luciene12345
 
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Daniela F Almenara
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
crisbassanimedeiros
 
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LPMáquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
Jair Lucio Prados Ribeiro
 
Trocas de calor
Trocas de calorTrocas de calor
Trocas de calor
Cristiane Ruas
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
Pibid Física
 
Matéria e energia
Matéria e energiaMatéria e energia
Matéria e energia
giovannimusetti
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
Arthur Carlos de Oliveira
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
maria leir leir
 
Maquinas simples
Maquinas simplesMaquinas simples
Maquinas simples
Elisabete Trentin
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
O mundo da FÍSICA
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
GiseleTavares18
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
ReinaldoMassayuki1
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
Fábio Ribeiro
 
Trabalho e potência
Trabalho e potênciaTrabalho e potência
Trabalho e potência
Marco Antonio Sanches
 

Mais procurados (20)

Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica1 ¬ lei da termodinâmica
1 ¬ lei da termodinâmica
 
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmicaMáquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LPMáquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
Máquinas térmicas e Frigoríficas © Slideshow by Jair LP
 
Trocas de calor
Trocas de calorTrocas de calor
Trocas de calor
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Matéria e energia
Matéria e energiaMatéria e energia
Matéria e energia
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
 
Maquinas simples
Maquinas simplesMaquinas simples
Maquinas simples
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Trabalho e potência
Trabalho e potênciaTrabalho e potência
Trabalho e potência
 

Destaque

Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
julioserranoserrano
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
toni
 
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
panelada
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Carlos Alberto Alves
 
Placas
PlacasPlacas
Termodinamica 2a lei_aula3
Termodinamica 2a lei_aula3Termodinamica 2a lei_aula3
Termodinamica 2a lei_aula3
Pedro Jac Silva
 
Refrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicasRefrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicas
Luis Ortega
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Rogger Antunes
 
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
Edimilson de Jesus Lana
 
fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemas
lpmir
 
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferrazapostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
jcarlostecnologia
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
Marcela Marangon Ribeiro
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Marcelo Gomes
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Luis Miguel García
 
Maquinas termicas
Maquinas termicasMaquinas termicas
Maquinas termicas
Lauro Rodriguez
 

Destaque (16)

Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
 
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
 
Placas
PlacasPlacas
Placas
 
Termodinamica 2a lei_aula3
Termodinamica 2a lei_aula3Termodinamica 2a lei_aula3
Termodinamica 2a lei_aula3
 
Refrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicasRefrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicas
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
Apostila de Maquinas termicas e_de_fluxo
 
fluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemasfluxo de energia nos ecossistemas
fluxo de energia nos ecossistemas
 
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferrazapostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
apostila-refrigeracao-frof-fabio-ferraz
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
 
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)Fundamento de Ecologia -  fluxo de energia (nível superior)
Fundamento de Ecologia - fluxo de energia (nível superior)
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Maquinas termicas
Maquinas termicasMaquinas termicas
Maquinas termicas
 

Semelhante a Uma breve história das máquinas térmicas

A Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a TermodinamicaA Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a Termodinamica
Pesquisa-Unificada
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
leandromuniz
 
Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
Marcos Paulo Souza Batista
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Wellington Sampaio
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
Isabella Silva
 
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmicaApostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Andréa Melo de Carvalho
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.ppt
ssuser24eee9
 
Evolução dos conceitos termodinâmicos
Evolução dos conceitos termodinâmicosEvolução dos conceitos termodinâmicos
Evolução dos conceitos termodinâmicos
Abraão França
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
AcerAspire18
 
Turbina a Vapor
Turbina a VaporTurbina a Vapor
Turbina a Vapor
Gustavo de Melo
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Inventores
InventoresInventores
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
Dominick Sena
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnot
zeca9s
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
ZoeySger
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica 1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica
Sandra Antunes
 
Wind power general paper
Wind power general paperWind power general paper
Wind power general paper
Pedro Reis
 
2 termodinâmica
2 termodinâmica2 termodinâmica
2 termodinâmica
Leonardo Menezes
 

Semelhante a Uma breve história das máquinas térmicas (20)

A Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a TermodinamicaA Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a Termodinamica
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
 
Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
 
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmicaApostila máquinas-térmicas-termodinâmica
Apostila máquinas-térmicas-termodinâmica
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.ppt
 
Evolução dos conceitos termodinâmicos
Evolução dos conceitos termodinâmicosEvolução dos conceitos termodinâmicos
Evolução dos conceitos termodinâmicos
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
 
Turbina a Vapor
Turbina a VaporTurbina a Vapor
Turbina a Vapor
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Inventores
InventoresInventores
Inventores
 
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
 
Nicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnotNicolas léonard sadi carnot
Nicolas léonard sadi carnot
 
Máquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James WattMáquina a Vapor James Watt
Máquina a Vapor James Watt
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
H.P. OU C.V. - DIREITO ECONOMICO E SEGURO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
 
1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica 1.ª lei da termodinâmica
1.ª lei da termodinâmica
 
Wind power general paper
Wind power general paperWind power general paper
Wind power general paper
 
2 termodinâmica
2 termodinâmica2 termodinâmica
2 termodinâmica
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Uma breve história das máquinas térmicas

  • 2. são máquinas capazes de converter calor em trabalho. funcionam em ciclos e utilizam duas fontes com temperaturas diferentes, uma fonte quente que é de onde recebe calor e uma fonte fria que é para onde o calor que foi rejeitado é direcionado. 1
  • 3. TEODOROS (cerca de 530 a.C) • o primeiro a utilizar o poder de expansão do ar quente ao introduzir um sistema de aquecimento central no mais famoso templo da Deusa Diana em Éfeso na Ásia. • fenômenos sobre a expansibilidade térmica do ar também foram objeto de estudo por parte dos gregos como: • AGRIGENTO (c.490-c.430) • ESTRATÃO DE LÂMPSACO (C.340 -C.270) • PHILON DE BIZÂNCIO (C.300- ? ) 3 2
  • 4. FUNCIONAMENTO DA EOLÍPILA HERON DE ALEXANDRIA (20 d.C - ?) • descreve um dispositivo semelhante ao termômetro. • em sua obra intitulada Pneumática apresenta a descrição de uma máquina a vapor – a Eolípila. • Muitas informações desse período se perderam por consequência da destruição da Biblioteca de Alexandria. 3
  • 5. Somente quinze séculos depois da Eolípila, apareceram novos trabalhos com o vapord´água e, desta vez, para usá-lo a seu serviço. Em 1689, Denis O engenheiro francês Salomon de Caus publicou em 1615 o livro 1679, Denis Papin inventou o digestor de calor (conhecida intitulado Les Raisons des Forces Mouvantes inventou a bomba Papin no qual descreveu um como que poderia ser usado para elevar água por meio do fogo. sistema panela de pressão) centrífuga 4
  • 6. a máquina de Savery foi aperfeiçoada por Thomas Newcomen, em 1705, Depois de praticamente desmatar sua floresta, a Inglaterranos ao construir cilindros polidos passou a usar o carvão mineral como fonte de energia. No quais pistões se ajustavam. entanto era uma tarefa penosa para quem a realizasse. A primeira máquina a vapor com dois cilindros foi projetada inventor diante disso em 1698, o inventor russo Ivan Ivanovich Polzunov e engenheiro inglês em 1763. Thomas Savery desenvolveu um tipo de máquina a vapor, que era um dispositivo que produzia vácuo pela condensação de vapor d´água. 5
  • 7. A limitação da máquina de Newcomen foi analisada pelo engenheiro escocês James Watt. Em 1765 James Watt inventou o condensador, e em 1782, ele simplesmente abandonou o uso da pressão atmosférica para baixar os pistões, passou a utilizar o próprio vapor em 1783, Watt introduziu a definição de cavalo-vapor, hoje essa unidade de potência recebe o nome de watt, em sua homenagem. Inventou também o regulador centrífugo em 1784 e em 1790 completou a invenção de uma máquina a vapor incorporando a ela um medidor de pressão. 6
  • 8. O engenheiro militar francês Lazare até então apresentavam As máquinas a vapor inventadas Nicolas Marguerite Carnot Nesse ciclo, conhecido como ciclo de Carnot, o calórico era estudou em 1803 essa deficiência denominada7 por cento. rendimento muito baixo, cerca de 5 a por ele de força viva transformadousando o conceito de energia potencial virtual, em “força mecânica” e essa transformação dependia apenas da diferença de temperatura absoluta entre a da fonte quente (caldeira: T1) e a da fonte fria (condensador: T2). seu filho, o físico francês Nicolau Léonard Sadi Carnot descreve uma A morte prematura de Carnot aos 36 anos de idade máquina ideal, sem atrito, que realiza de toda a Termodinâmica. que impediu de ele ser o pai um ciclo completo, de modo a substância usada – vapor, gás ou outra qualquer – é levada de volta a seu estado inicial. 7
  • 9. A máquina de Carnot foi estudada pelo físico francês Benoit-PierreÉmile Clapeyron. • em 1834 representou ciclo de Carnot graficamente. • demonstrou, matematicamente, que a produção de trabalho na máquina dependia somente da diferença de temperatura absoluta entre os reservatórios térmicos. • e também que a máquina e o gás utilizado na máquina retornavam ao seu estado inicial, no final de cada ciclo, com o calórico sendo conservado nesse ciclo. 9 8
  • 10. Primeira locomotiva a vapor russa (Entre 1833 e 1835 por Yefim Alekseyevich Cherepanov e seu filho Miron Yefimovich) Alguns motores de um motor interna Os irmãos Wright utilizaramcombustão de quatro cilindros em Utilizava combustível linha nos seus primeiros voos aéreos. 1794 dssdf motor de dois tempos (MCI-2T) motor de combustão interna (MCI) 1876 líquido leve MCI-4T MCI-4T 1838 Utilizava mistura de gás, carvão e ar 1883 10 9
  • 11. 11 10